Jornal do Sporting - Parte 2

UM LEGADO FEITO DE VITÓRIAS

Por Mafalda Barbosa
27 Jun, 2024

OPINIÃO

Editorial da edição n.º 3982 do Jornal Sporting

27 de Junho de 1987.

Há precisamente 37 anos, o Sporting Clube de Portugal conquistava a tri-dobradinha no ténis de mesa. Numa altura em que o Trio Maravilha formado por João Portela, Nuno Dias e Pedro Miguel dominava a modalidade.

Seria a terceira dobradinha, seguida, conquistada pelo Sporting CP, algo inédito no Clube.

Mas os feitos inéditos, na História do ténis de mesa verde e branco, não ficam por aqui.

Durante onze anos, entre 1984/1985 e 1994/1995, o Clube conquistou 11 Campeonatos Nacionais de seguida e ainda dez Taças de Portugal consecutivas.

O sucesso do ténis de mesa estava assegurado por largos anos, tal era a qualidade de jogo que os atletas foram incutindo ao longo das décadas.

A modalidade que começou a ser praticada no Sporting CP, no início dos anos vinte, como uma actividade recreativa, passou a secção desportiva em 1932 e haveria de culminar, recentemente, com a conquista do 41.º título nacional pleno de vitórias.

Falar do ténis de mesa é falar também, obrigatoriamente, de Chen Shi Chao – ex-jogador notável e actual treinador exímio. Chen e os seus Leões – Diogo Carvalho, Diogo Chen, Diogo Silva e Bode Abiodun, sagraram-se Eneacampeões Nacionais, no último sábado. “Campeões nove vezes [seguidas] não é fácil. Estes jogadores trabalham comigo há muitos anos, estão habituados a ser Campeões e isso é muito importante”, referiu o treinador após a mais recente conquista.

É a terceira temporada consecutiva em que o Clube vence todos os troféus nacionais –Supertaça, Taça de Portugal e Campeonato Nacional.

“Algumas pessoas gostariam que algo acontecesse. Algumas desejam que aconteça. E outras fazem acontecer” *.

Mais uma vez, o ténis de mesa verde e branco fez acontecer. O indiscutível sabor da vitória faz parte do nosso ADN.

*Michael Jeffrey Jordan, um dos mais importantes desportistas da história.

UMA HISTÓRIA DE CONQUISTAS

Por Juvenal Carvalho
27 Jun, 2024

OPINIÃO

Falar do ténis de mesa do Sporting Clube de Portugal é falar tão simplesmente de uma hegemonia verdadeiramente avassaladora. Marcada, no final do passado sábado, no jogo com o GDCS Juncal, no culminar de uma época com vitórias em todos os jogos realizados nas competições nacionais e que trouxe não só o estatuto de Eneacampeões, como com ele a conquista do nosso 41.⁰ título de Campeão Nacional, a que juntamos mais 35 Taças de Portugal e 18 Supertaças.

Pessoalmente, comecei a ouvir falar, tanto no masculino como no feminino, em lendas desta modalidade dos tempos de antanho. E desde cedo, como aliás era recorrente em todas as modalidades, comecei a ser espectador assíduo da modalidade, desde o tempo da sala do ténis de mesa situada na bancada central do antigo estádio. Corriam os tempos de José Alvoeiro, José Marquês, José Barroso e Ivanoel Moreira, entre outros. Era ainda eu muito jovem. Os jogos, que acabavam quando se conseguisse cinco vitorias e os sets eram até aos 21 pontos acabavam invariavelmente madrugada dentro e eram realizados na sexta-feira à noite.

Depois vieram os tempos dos rapazes da minha geração, também ela recheada de títulos. Pedro Miguel, Nuno Dias, João Portela e Rogério Alfar. A eles se juntaria um jovem chinês, de seu nome Chen Shi Chao, o “chinês voador”, que encantava as plateias. Era mesmo arrebatador. Este então jovem, veio para ficar. É detentor de títulos atrás de títulos e tem feito uma carreira fantástica no nosso Clube, desde jogador a treinador. Ganhar, ou ganhar, é o seu lema. Têm sido gerações atrás de gerações que passam pelas suas mãos e que têm a conquista como nome do meio.

Apelidei-o, já por aqui, como o ‘Senhor Ténis de Mesa’. Epíteto que lhe cai tão bem, até por ser da mais elementar justiça.

Este ano foi “só” o 41.º título da nossa incomensurável História. Mas não irá ficar seguramente por aqui. Desta feita, os nossos heróis foram o quarteto composto por Diogo Carvalho, Diogo Chen, Diogo Silva e Bode Abiodun. Já em Setembro, com a disputa da Supertaça, o objectivo − irremediavelmente é sempre esse, é aumentar o número de conquistas de uma secção que só sabe ganhar, com a particularidade de quando também perdeu − poucas vezes nos aconteceu nos últimos anos − se preparou para voltar a ganhar.

Mas se falei dos protagonistas, aqueles que são visíveis, não poderia deixar de falar naqueles que estão por detrás de tudo isto. De homens de uma dedicação extrema. Sei que irei esquecer alguns, isto de citar nomes tem esse risco, mas dos que me recordo como responsáveis máximos do departamento, destaco José Dias, o “pai” de tanto do que é a modalidade nos dias de hoje, quando então era dirigente no tempo do presidente João Rocha, de José Folga da Silva, de Joaquim Leão, de Adérito Ribeiro e do actual, e já com muitos anos de modalidade, o meu amigo Miguel Almeida.

Também não poderia deixar de falar no Estevão Correia, no Carlos Santos e no Gustavo Leite, também eles com uma vida dedicada à causa, sem outro interesse que não o de servir o Sporting Clube de Portugal.

Dos jogadores aos treinadores, passando pelos dirigentes, a História desta modalidade está escrita. E é feita de conquistas!

P.S – E porque o Sporting CP vive uma fase em que os ventos, neste caso também as ondas, nos correm de feição, parabéns à nossa surfista Teresa Bonvalot por se ter sagrado Pentacampeã Nacional.

O “DEFESO”… AINDA O DEFESO…

Por Tito Arantes Fontes
27 Jun, 2024

OPINIÃO

Defeso – Esta fase do ano é-me, confesso, penosa… e demora a passar… nunca mais acaba mesmo! Chama-se “defeso”… é o interminável “defeso”… onde se recompõem equipas, vendem-se jogadores e contratam-se reforços… e onde todos os dias os jornais, desde logo os ditos desportivos, trazem saídas milionárias e aquisições de craques desconhecidos, dos quais o comum dos mortais – como é, notoriamente, o meu caso – nunca tinha ouvido falar!

Pré-época – Claro que avidamente procuramos as notícias do dia, todos os dias… e sim, ansiamos pelo período seguinte, a denominada pré-época! A fase em que a nova temporada se prepara com a concentração de jogadores, o dito “primeiro dia”, no qual se fazem os habituais e tradicionais exames médicos, seguidos dos primeiros exercícios físicos e depois, finalmente, os iniciais e ansiados contactos com bola!

Primeiros jogos – E depois teremos os chamados “jogos treino”, alguns até à porta fechada, que rapidamente evoluem para “jogos de preparação”, avidamente vistos e consumidos, em que nós todos procuramos descortinar o que está a ser feito e como resultará, tentando perspectivar o desenrolar da época que se inicia… tudo isto culminando no chamado “jogo de apresentação aos Sócios”, em que a equipa – no seu estádio – é formalmente apresentada aos seus apoiantes e ao Mundo em geral.

Início oficial – Depois, pouco depois, começa a época a sério, com os primeiros jogos a doer, quer de competições nacionais, quer de provas da UEFA.

A nossa pré-época – No caso do nosso Sporting CP essa pré-época inicia-se já no próximo dia 1 de Julho, data em que o nosso Clube cumprirá o seu 118.º aniversário! E teremos os primeiros jogos anunciados nos dias 17 e 23 de Julho, contra os belgas do Union SG e os espanhóis do Sevilla FC, respectivamente, no Algarve, no decurso do já tradicional estágio de Verão da nossa equipa nessa zona do país. Depois, mais tarde, realiza-se o Troféu Cinco Violinos, jogo de apresentação da equipa aos Sócios, em Alvalade. E a 3 de Agosto começa oficialmente a época… em Aveiro, a Supertaça, com o FC Porto!

Paulinho – Sabemos que está no México, pronto para assinar pelo Toluca, num negócio em que, tanto quanto se noticia, todos ganham, muito especialmente o jogador e o nosso Clube! Foste Bicampeão no Sporting! Foram quatro épocas marcantes! Quatro épocas em que foste figura central da nossa equipa! Quatro anos de dezenas e dezenas de golos! Anos de muita Glória… e de alguns momentos mais difíceis, mas sempre anos de muita dedicação ao Clube! Anos em que a massa Associativa inventou e te dedicou um cântico… teu, só para ti! Agora vais “mostrar os dentes” até que outros, noutras paragens, caiam! Partes – e isso é mesmo muito importante – querido pela imensa massa Associativa e adepta do Sporting CP! Obrigado, Campeão! Obrigado, Paulinho! Por tudo, por tanto! Sê feliz!

Ténis de Mesa – Ganhámos o nono Campeonato Nacional seguido! E o 41.º da História! E ganhámos invictos! Depois de já termos conquistado a Taça de Portugal e a Supertaça! Mais um triplete, portanto! É obra! É mesmo obra! Muitos parabéns, equipa! Muitos parabéns, Chen Shi Chao!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
04 Jul, 2024

JORNAL SPORTING

​Edição n.º 3983 em papel e formato digital

Já está disponível nas bancas e em formato digital a edição desta semana do Jornal Sporting, que tem como principal destaque o Eterno Capitão e mítico camisola número 9 Leonino, Manuel Fernandes, que faleceu na passada quinta-feira.

Não perca o especial de 16 páginas dedicado ao ex-avançado verde e branco, que inclui números, factos e curiosidades sobre a sua carreira, as mensagens de despedida de figuras ligadas ao Sporting CP e não só, bem como a reportagem das cerimónias fúnebres, que juntaram milhares de pessoas no Estádio José Alvalade.

Noutro âmbito, consulte também os resultados detalhados da Assembleia Geral do passado domingo, dia 30 de Junho, que decorreu no Pavilhão João Rocha, onde foram aprovados com mais de 90% os dois pontos que estiveram em discussão, referentes às contas de 2022/2023 e ao orçamento para a temporada 2024/2025.

No futebol, não perca todas as incidências sobre o regresso da equipa principal ao trabalho, já de olho na temporada 2024/2025, bem como da formação B Leonina. No feminino, destaque para a renovação por mais uma época de Rita Fontemanha.

Já nas modalidades, nota para os dois reforços confirmados para a equipa de andebol, Diogo Branquinho e Santiago Póvoas, assim como para os 24 títulos nacionais conquistados por atletas do Sporting CP nos Campeonatos de Portugal de atletismo.

ETERNO

Por Mafalda Barbosa
04 Jul, 2024

OPINIÃO

Editorial da edição n.º 3983 do Jornal Sporting

Poucos dias antes de completar 118 anos de uma História única, o Sporting Clube de Portugal despediu-se de um dos seus.

Partiu um dos melhores da sua História.

Manuel Fernandes tinha a capacidade de pacificar, unir e construir. E construiu, um legado que transcende rivalidades, clubes e gerações.

Transmitiu sempre o que é ser Sporting e dignificou sempre os princípios e os valores do Clube.

Um exemplo de paixão e de compromisso e uma inspiração para as gerações futuras.

Manuel Fernandes engrandeceu, não só, a História do Sporting CP, como também o desporto nacional. Será sempre uma referência não só no futebol, como no desporto em geral e na vida.

A sua generosidade e humildade tornaram-no numa pessoa querida por todos, um ser humano especial. “Só tenho a agradecer ao Sporting CP, que me tem respeitado muito, e à massa Associativa que sempre me tratou com dignidade”, referiu numa das suas muitas entrevistas.

Honraremos tudo o que Manuel Fernandes nos deu e continuaremos o nosso caminho, tendo como exemplo os seus grandes feitos. Relembrando, igualmente, todos aqueles que, ao longo destes 118 anos, se mantiveram firmes aos princípios do Clube.

São 118 anos de uma História ímpar e de um legado infindável repleto de Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.

Uma História construída por todos aqueles que desde 1906 partilham a mesma visão e princípios que nos fazem ser Sporting CP. Daremos continuidade ao pioneirismo e à visão futurista do nosso fundador.

As lendas mantêm-se vivas na nossa História e na memória de todos nós.

Na celebração, ou na adversidade, somos sempre Sporting Clube de Portugal.

ATÉ SEMPRE E OBRIGADO, ETERNO CAPITÃO!

Por Juvenal Carvalho
04 Jul, 2024

OPINIÃO

“Heróis são lembrados. Lendas ficam para sempre”

Existem textos que nunca os desejamos escrever. Acreditamos até, quais sonhadores, que é impossível virem a acontecer. Mas não, inevitavelmente aconteceu aquilo que nenhum de nós desejaria, apesar dos sinais dos últimos tempos nos trazerem já, aqui ou ali, indicadores menos bons.

O Manuel Fernandes, o nosso Manel, o nosso Eterno Capitão, a minha referência maior enquanto Sportinguista, partiu no dia 27 de Junho de 2024, muito poucos dias após ter completado os 73 anos de idade.

A notícia chegou-me através de um grupo de Sportinguistas no WhatsApp. Assim, cruel: “Morreu o Manuel Fernandes”. Esfreguei os olhos e voltei a ler como que não acreditando. Julgando que seria um equívoco ou que aquilo que estava a ler não passava de um pesadelo. Fui logo pesquisar aos sites dos jornais, acreditando que não se concretizaria aquilo que li. Mas não só se confirmou, como que quase gelei.

Estava consumada a partida da lenda. Aquele que, nascido em 1951 em Sarilhos Pequenos, e que em criança já ouvia os relatos do “seu” Sporting no velhinho rádio de pilhas e que a sua mãe, também ela uma Leoa de antes quebrar que torcer, lhe dizia desde muito cedo que ele iria jogar no Sporting CP e isso, qual premonição materna, acabaria mesmo por acontecer. Chegou ao clube do coração, vindo da CUF, em 1975/1976, e estava chegado o momento de se iniciar uma história fascinante. De classe e de amor ao emblema do Leão, onde foi jogador, treinador e dirigente. Como jogador realizou 433 jogos e fez 257 golos, num trajecto de 12 anos. Ganhou dois Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal e uma Supertaça. Foi ainda Bola de Prata, por ter sido o melhor marcador, na época de 1985/1986. Depois de uma dispensa muito controversa – sim, a lenda nem sempre foi bem tratada, regressaria a casa como treinador-adjunto de Bobby Robson, primeiro, e depois como timoneiro principal ganharia uma Supertaça ao FC Porto, em Coimbra, num jogo em que estive presente, como aliás em tantos outros dele com o número 9 na listada verde e branca, dos mais de 400 que realizou com o símbolo do Leão rampante ao peito. Também foi presença regular na Selecção Nacional, e só não foi mais por manifesta injustiça, como por exemplo as ausências incompreensíveis, no Euro 84 e no Mundial 86.

Para mim, falar do Manel é falar da figura maior do meu imaginário de jovem Leão. Daquele que, como já aqui escrevi neste meu espaço por mais do que uma vez, me “forrava” as paredes do quarto com os seus posters. Daquele que em adolescente me deu um autógrafo à saída da Porta 10-A do antigo estádio, que ainda o guardo religiosamente. Daquele que, nos célebres 7-1 ao eterno rival, me fez ficar louco de alegria a cada um dos seus quatro golos. Que momento épico.

Quis o destino que no meu percurso de Sportinguista com ele tivesse privado algumas vezes. Em cada uma delas, menos do que aquelas que gostaria que tivessem acontecido, bebi ensinamentos. Em cada uma delas quis saber mais. A última vez que com ele estive pessoalmente, quis o destino que fosse em Parambos, a aldeia mais Sportinguista de Portugal. Um momento que jamais esquecerei.

O Sporting Clube de Portugal – mas também o futebol português, porque era inquestionavelmente um jogador e um Homem transversal, ficou muito mais pobre sem o Manuel Fernandes. O Conselho Directivo – a quem, pela mais elementar justiça quero deixar o meu obrigado pela forma como trataram o nosso Manel até ao fim dos seus dias – deu dignidade ao momento do adeus. Tantos e tantos Leões, bem como figuras gradas de outros clubes e até da nação, como o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, estiveram na despedida no Hall VIP do Estádio José Alvalade. Foi um momento de tristeza infinita, mas de um reconhecimento sem paralelo. Numa demonstração fantástica de um amor incrível ao Eterno Capitão.

Até sempre, Manuel Fernandes! Heróis são lembrados. Lendas ficam para sempre! Por cada Leão que cair, outro se levantará!

P.S – No dia 1 de Julho o Sporting Clube de Portugal fez 118 anos de uma História inolvidável feita de Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.

Parabéns ao nosso grande amor!

MANUEL FERNANDES!

Por Tito Arantes Fontes
04 Jul, 2024

OPINIÃO

O nosso Grande Manuel Fernandes partiu! Foi – apesar de esperada, pelas notícias da evolução do seu estado de saúde – uma tristíssima notícia que invadiu a família Sportinguista, na passada quinta-feira, e de um modo geral, Portugal de lés-a-lés e o Mundo do Futebol!

Manuel Fernandes – é bom que se acentue – não morreu. E não morreu porque – com os seus 50 anos de Esforço, Dedicação e Devoção ao Sporting CP – ganhou a Glória! E com esta, qual “Deus”, entrou no Olimpo e ganhou a imortalidade, desde logo no coração e na memória de todos os que o conheceram e muito especialmente dos Sportinguistas.

Recordar Manuel Fernandes é reviver 50 anos da vida do nosso amado Sporting CP. Talvez até mais, um pouco mais.

Recordo que Manuel Fernandes chega ao Clube, em 1975, já com 24 anos, vindo da CUF do Barreiro, na altura senhora de uma grande equipa, jogando no seu mítico Estádio do Lavradio, de longe o melhor clube-empresa que alguma vez existiu em Portugal (pese embora outras experiências como, por exemplo, a Riopele e até o Campomaiorense).

Manuel Fernandes chega quase discretamente a Alvalade (a exemplo do que às vezes sucede no Sporting CP, como também aconteceu, há menos anos, com Bruno Fernandes), sem grandes parangonas e “cantares de hosanas”… chega para uma missão verdadeiramente impossível, a de “substituir o insubstituível”… o mítico Yazalde! O astro dos astros!

Sou desse tempo, vivi nesse tempo! E recordo que, na altura, com a saída de Yazalde (transferido, em 1975, pelo presidente João Rocha) para o Marselha, o Sporting CP – depois do extraordinário campeonato de 1973/1974 – começava um difícil período de adaptação à nova realidade do país, também dos clubes, nomeadamente com o início do ressurgimento do FC Porto (Pinto da Costa / Pedroto) e a cristalização e perpetuação do SL Benfica como “clube do regime”.

É neste contexto que, no “defeso” de 1975, aparece um tal de Manuel Fernandes como novo jogador do Sporting CP… tenho ideia que se sabia que era bom jogador, mas as dúvidas eram mais que muitas… e havia uma certeza: não era Yazalde, nem nunca o poderia verdadeiramente substituir, porque isso era simplesmente impossível!

Manuel Fernandes começou a sua carreira neste contexto e foi fulgurante a sua afirmação no Clube! Dizer fulgurante é mesmo o mínimo que se pode dizer! Era um jogador completamente diferente de Yazalde (este mais um Gyökeres da altura, um monumental “senhor de área”, com um pontapé “peyroteano”!), pois Manuel Fernandes assentava o seu futebol na inteligência, na “finesse”, na finta curta, na triangulação, no futebol assistido. Na sua extraordinária técnica individual, no seu insuperável controlo de bola… e no seu pontapé preciso, potente e sempre, sempre bem colocado!

Ao fim da primeira época Manuel Fernandes já tinha conquistado Alvalade! Uma afirmação espantosa!

Depois, depois chegou – em 1976 – outro monstro do futebol, Salif Keita! E durante três anos os dois – com o também imorredoiro Manoel do Ó e com, a partir de 1977, Rui Jordão, resgatado em Espanha para vir jogar para o seu clube do coração – tudo fizeram para dar grandeza e vitórias ao nosso Sporting CP!

Chegamos a 1980… e o Sporting CP – com, entre outros, Rui Jordão, Manoel do Ó, o jovem Freire, Ademar, Fraguito, Eurico, Bastos, Inácio, Artur, Barão, José Eduardo, Vaz e Fidalgo – alcança o primeiro título de Campeão Nacional de Manuel Fernandes… finalmente e merecidíssimo! Manuel Fernandes carimbou esse título ao marcar o primeiro golo da vitória do Sporting CP sobre o União de Leiria, no velhinho Estádio José Alvalade a rebentar pelas costuras! Antes, nas Antas, onde estive, jogámos contra o FC Porto e fomos prejudicados pelo triunvirato de árbitros de primeira… António Garrido, Carlos Correia e Mário Luís! Empatámos a um golo, primeiro um golo do Freire, tivemos um segundo golo marcado pelo Manuel Fernandes que foi anulado por um inenarrável fora-de-jogo posicional do Freire que estava noutra zona do campo, estatelado no chão, lesionado e contorcendo-se com dores… e para cúmulo o FC Porto marca o seu golo de empate através de um penálti que foi repetido, pois o nosso guarda-redes Vaz defendeu a inicial marcação do mesmo! Valeu tudo nesse jogo! Nunca se tinha visto tal coisa! Mas era o início de uma era… António Garrido, creio que duas épocas depois, foi trabalhar anos a fio para o FC Porto… a convite de Pinto da Costa, claro!

Dois anos depois, em 1981/1982, um campeonato extraordinário, com Malcolm Allison no comando técnico, o Sporting CP ganha tudo, Campeonato, Taça, Supertaça (ainda não havia Taça da Liga)! A nossa linha avançada era soberba… António Oliveira, Rui Jordão e – claro – Manuel Fernandes! Puro luxo! Segundo título de Campeão Nacional para Manuel Fernandes!

Chega, mais tarde, o final de tarde do dia 14 de Dezembro de 1986… é o dia “inteiro”, o dia em que Deus quis mesmo fazer as pazes com o Sporting CP! No Estádio José Alvalade, perante o SL Benfica, que liderava o campeonato (do qual, aliás, se veio a sagrar vencedor), o Sporting CP – superiormente comandado pelo há vários anos capitão Manuel Fernandes – cilindra implacavelmente o seu adversário por uns históricos, impensáveis e surpreendentes 7-1! Desses sete golos, quatro são apontados por Manuel Fernandes, dois de cabeça e dois com o pé direito! Alvalade entra em êxtase! Fez-se História, nesse dia! É a maior goleada de sempre em jogos entre os eternos rivais! E com os seus míticos quatro golos, Manuel Fernandes entra no impossível pódio dos três jogadores Leoninos que presentearam o SL Benfica com esse recorde de golos num só jogo! A saber, Peyroteo, Lourenço (na Luz, com um “chapéu” perfeito e tudo!) e Manuel Fernandes!

Últimas notas: que bom ter visto os nossos rivais representados ao mais alto nível nas cerimónias fúnebres no Estádio José Alvalade. André Villas-Boas e Rui Costa estiveram à altura do momento e do nosso imorredoiro Manuel Fernandes! Honraram o Sporting CP e honraram o Manuel Fernandes! E honraram as suas instituições, respectivamente, SL Benfica e FC Porto! Foi bonito e assim deverá ser!

Outras grandes figuras desses dois enormes clubes rivais foram vistas em Alvalade. Destaco, por todos, um de cada clube: António Oliveira, o homem da mítica frase “Por cada Leão que morrer outro se levantará!”, reconhecido portista e que por mil razões muita ligação tinha com Manuel Fernandes, com quem partilhou balneário, ambos com a camisola do Sporting CP! E Toni (também grande amigo de um enorme Leão, meu amigo, infelizmente desaparecido este ano, o Carlos Matos da Anadia e da CGD, onde o conheci quando lá trabalhei com ele há já 40 anos!), múltiplas vezes adversário em campo de Manuel Fernandes, que confessou o carinho e amizade que nutriam um pelo outro… ao ponto do melhor pargo da vida de Toni ter sido saboreado em Sarilhos Pequenos, na casa de Manuel Fernandes, pois claro!

Duas últimas notas, a primeira para salientar a organização exemplar das cerimónias fúnebres de Manuel Fernandes, desde logo a escolha do Hall VIP do Estádio José Alvalade. Foi tudo feito com muita dignidade e no “ponto certo”. Seguramente que ao nível do que Manuel Fernandes indiscutivelmente mereceu por toda a sua vida de dedicação ao Clube!

A segunda e última nota para sublinhar o empenho que os Órgãos Sociais colocaram em todos os momentos das despedidas a Manuel Fernandes. Foi marcante a sua presença em todos esses momentos. Foi comovente ver como o nosso presidente honrou Manuel Fernandes e se envolveu e emocionou em vários momentos. Obrigado, Frederico! Obrigado, Direcção! Obrigado, Órgãos Sociais!

Fica, em derradeiro comentário e para inolvidável memória futura, a icónica e fabulosa fotografia da entrega da Taça de Campeão Nacional 2023/2024 a Manuel Fernandes… levada ao hospital, em mãos, por Frederico Varandas e por Gyökeres, ambos de costas, e sem o homenageado nesse sumptuoso gesto presente… há mesmo fotografias que valem por mil palavras!

Calo-me, portanto… e choro, choro com o Tiago Fernandes e toda a sua querida família e toda a família Sportinguista!

Viva o Manuel Fernandes! Viva o Eterno Capitão! Viva o Sporting Clube de Portugal!

P.S 1 – Assembleia Geral – Decorreu no passado domingo a Assembleia Geral do Clube para aprovação de Contas Consolidadas e Orçamento para o próximo ano. Mais de 1.200 Sócios compareceram para votar e os dois pontos da ordem de trabalhos foram aprovados com expressivas votações na ordem dos 95%! Ainda bem!

P.S 2 – Sporting TV – O trabalho de cobertura das cerimónias fúnebres de Manuel Fernandes foi notável. Eu estava no Norte do país e sempre que pude lá ia eu passar os olhos no que se passava na Sporting TV. Um verdadeiro e profundo elo de ligação de toda a família Sportinguista! Quando estamos fora de Lisboa damos mesmo mais valor ao “nosso canal”… é que com ele estamos mesmo em casa! Obrigado, Sérgio Sousa! Obrigado, Sporting TV!

P.S 3 – Europeu e Manuel Fernandes – Foi bonito o elogio da UEFA no “minuto de silêncio” no início do jogo de Portugal com a Eslovénia. Foi mesmo – para além do resultado, consequência das fabulosas defesas de um grande guarda-redes como efectivamente é o portista Diogo Costa – o melhor dessa noite! Do resto, das opções de Martínez, pois nem vale a pena falar… é que com tanta “matéria-prima nacional”, a que foi e a que cá ficou, é mesmo difícil fazer tão pouco!

NINETEEN EIGHTY-FOUR

Por Mafalda Barbosa
11 Jul, 2024

OPINIÃO

Editorial da edição n.º 3984 do Jornal Sporting

1984.

Recuamos no tempo, 40 anos, e olhamos para eventos que marcaram o Mundo para sempre.

A Apple Inc*.* lança o computador Macintosh, que viria a revolucionar a evolução da tecnologia.

Svetlana Savitskaya torna-se na primeira mulher a caminhar no Espaço. Uma experiência que durou mais de três horas fora da plataforma espacial Salyut7.

Madonna lança o mítico álbum “Like a Virgin”.

“Thriller”, de Michael Jackson, é pela vigésima vez disco de platina nos Estados Unidos e entra para o Guinness World Records como o álbum mais vendido de sempre.

No mundo do desporto, Fernando Mamede percorre dez mil metros de Leão ao peito em 27 minutos, 13 segundos e 81 centésimos e bate o recorde do Mundo, em Estocolmo.

“Foi com a camisola do Sporting CP que bati este recorde. Foi um orgulho enorme poder prestigiar o nome do Clube numa grande prova e ajudar a elevá-lo num momento histórico”, referiu.

Carlos Lopes, atleta do Sporting CP, conquista a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos na maratona, em Los Angeles, e estabelece um novo recorde de duas horas, nove minutos e 21 segundos. É a primeira vez na História que um atleta português atinge este feito.

2024.

De regresso a 2024, o legado do atletismo Leonino continua a mostrar a sua força competitiva. É já este fim-de-semana que mais de 50 atletas competem pelo lugar mais alto do pódio, nos Campeonatos Nacionais de Clubes.

Porque o passado, presente e futuro do Sporting CP reveste-se sempre de profissionalismo, dedicação e excelência.

OH CAPTAIN, MY CAPTAIN

Por Juvenal Carvalho
11 Jul, 2024

OPINIÃO

A notícia chegou-me no passado sábado, quando liguei o WhatsApp: “O Coates vai sair”. Foi assim, desta forma lacónica, que recebi de um amigo a informação, então ainda não oficializada pelo Sporting CP, mas que chegaria poucos minutos depois, num vídeo emocionante de despedida publicado pelo nosso Clube. Logo fui pesquisar as reacções do universo Sportinguista a este adeus do nosso “Seba”, do nosso “El Patrón”, do nosso “Captain”.

Todas eram de profunda estima e de compreensão. Todos nós nos habituámos a estimar alguém que passou a ser uma referência do nosso Clube, e nos dias de hoje, na era do futebol indústria, cada vez menos isto é possível. Todos nós ficámos tristes pela saída de um dos nossos, que quis terminar, por razões pessoais, a carreira no seu país, no seu outro amor, o Nacional de Montevideu.

E por tudo o que representas, vou escrever-te uma missiva sincera e de coração aberto:

“Olá, Sebastián Coates. Primeiro, desculpa o trato por “tu”, até porque não nos conhecemos pessoalmente, mas sei que não vais levar a mal. Chegaste em Janeiro de 2016, vindo da Premier League, mais concretamente do Sunderland. Assumo que sabia pouco de ti. Posso dizer-te até, levado pela sinceridade, porque é assim que sei e gosto de estar, que não eras, na fase inicial, o protótipo do jogador que me enchesse as medidas. Fiz-te até críticas no meu círculo de amigos, porque não te achava aquilo que o Sporting CP necessitava. No fundo, estou a assumir aquilo que foi a realidade e não apenas dizer-te palavras bonitas, porque sim. Mas sabes, Sebastián Coates, que bom ter estado errado, e como me penitencio por isso. Depois de teres Alvalade a desconfiar de ti – sim, não era só eu – subiste a corda da confiança de todos nós a pulso. E como o fizeste. Se já sabia que eras um profissional de mão cheia, porque és daqueles que não enganas, conseguiste encher o meu (nosso) coração de Leão, porque para isso tanto lutaste. Oito anos e meio de Leão ao peito depois, na despedida afirmaste ter sido “uma decisão e um dia muito difícil”. E foi. Para ti e para mim – afinal, para todos nós. Ganhaste oito troféus (dois Campeonatos Nacionais, uma Taça de Portugal, uma Supertaça e quatro Taças da Liga), tantas vezes com golos decisivos teus; mas ganhaste muito mais que isso. Tornaste-te no nosso “Capitão”, no jogador estrangeiro que mais jogos fez pelo Sporting Clube de Portugal. Entraste no top ten de jogadores com mais jogos efectuados de Leão ao peito. Ganhaste definitiva e decididamente o coração de quem ama o também agora, e para sempre teu, Sporting CP. Que te posso dizer mais, além de te agradecer muito estes oito anos e meio. Só te posso pedir desculpa pela desconfiança inicial. Que tu afinal não o merecias. Partes, não só como um dos nossos, mas sobretudo como uma referência do Sporting Clube de Portugal. Estarás para sempre no nosso coração. Agora, depois de nos fazeres muito felizes, regressas ao teu país e ao teu outro clube do coração. Vou recordar para sempre a alegria com que levantaste todos os troféus que ganhaste ao serviço do nosso Clube. Recordar a tua alegria quase de criança com que no Marquês de Pombal ou na Câmara Municipal de Lisboa festejaste com os teus colegas de equipa o nosso 24.º título nacional.

Vai ser emocionante ter que me despedir de ti no Estádio José Alvalade no Troféu Cinco Violinos. Muito emocionante mesmo. Mas sem seres avançado, como eram esses “monstros” da nossa História, conquistaste indelevelmente o estatuto de “violino”. Um “violino” da era moderna.

Sei que sou um pouco lamechas e não deveria dizer isto para um Leão como tu, que és um lutador indomável: Foi com muita emoção que te escrevi estas linhas.

Já tenho saudades tuas!

Obrigado por tudo!”.

P.S – Este texto para Sebastián Coates poderia servir – e serve também – para homenagear e agradecer igualmente a Antonio Adán, Luís Neto e Paulinho. Também eles de partida. Também eles enormes. Também eles ficarão eternizados na nossa História.

118 ANOS DE CAPITÃES… DE COATES A MANUEL FERNANDES!

Por Tito Arantes Fontes
11 Jul, 2024

OPINIÃO

118 ANOS – Com o impacto da brutal notícia e a vontade de escrever sobre o nosso Manuel Fernandes não fiz, na semana passada, nenhuma referência ao nosso 118.º aniversário! A nossa fundamental data! O início da saga da família Sportinguista! Obrigado aos fundadores! Obrigado às gentes que fizeram o nosso passado! Obrigado ao nosso presente! E vamos, com coragem, abraçar o futuro! Parabéns, Sporting CP!

INÍCIO DE ÉPOCA – Neste início de Julho começaram também os trabalhos de pré-época no que à nossa equipa principal de futebol diz respeito. A enorme maioria dos nossos jogadores já está em Alcochete a trabalhar. Faltam só – creio eu — os internacionais do Europeu, Gonçalo Inácio e Hjulmand. Duas novas contratações já confirmadas e apresentadas, o gigante Kovacevic e o defesa belga Zeno Debast. Gyökeres já a trabalhar também, depois da operação a que foi submetido no final da última época. E – desde logo pelas saídas dos nossos queridos Coates (já lhe dedico de seguida umas palavras especiais), Neto, Paulinho e Adán – vamos ter novos capitães! Há mesmo uma nova equipa em construção! A expectativa cresce… vamos a isto… o “Bi” – com o sorteio do seu calendário cumprido no passado domingo – está já aí!

COATES – Fomos apanhados de surpresa, fomos todos no final da semana passada apanhados de surpresa! O nosso Coates regressa à sua casa, ao seu Uruguai, ao seu inicial clube… ao seu outro amor, ao Nacional de Montevideu! Foram oito épocas de Leão ao peito! Lembramo-nos de tanto… lembramo-nos de tudo! O capitão sereno, gigante, exímio a defender, atacante das “horas tardias”… corporizava a esperança nos milagres de última-hora, fundadas na fé e na garra, numa palavra… no querer! Um senhor nas alturas e – sobretudo – um senhor na vida! O homem que foi exemplar, sempre exemplar… antes, durante e depois de Alcochete, nesse doloroso dia 15 de Maio de 2018! O homem que – nessas horas e dias críticos – não nos abandonou, não virou a cara, não renegou, não confundiu a centenária instituição com uns, poucos, que a feriam… e que, ao invés, disse presente, anunciou que ficava, declarou o seu Sportinguismo, jurou a sua fidelidade… e, por isso tudo e por muito mais… do domínio do indizível, do intangível… ficou mais seis anos! E é nosso, património eterno do Sporting CP! Coates sai com a compreensão, o carinho e o aplauso de todos os Sportinguistas! E vai ter, ainda bem que vai ter, o tributo da família Sportinguista no próximo dia 27 deste mês, no jogo do Troféu Cinco Violinos! Eu – como milhares de outros, todos os outros – de pé a aplaudir e a homenagear o nosso Capitão! Obrigado, Seba!

MANUEL FERNANDES (ainda e sempre) – Apesar da minha última longa crónica não ficou tudo dito sobre o nosso Manel… era mesmo impossível ficar. Impressionaram-me especialmente a dimensão das influências – profissionais e pessoais, estas de modo muito sentido – do Manel Fernandes nalguns “monstros” do nosso futebol… José Mourinho (grato reconhecimento presencial a quem nele acreditou e lhe abriu as portas do mundo do futebol!), Jorge Jesus (sentida recordação ao jogador e sobretudo ao homem!) e tantos, tantos outros. O mundo da política também não quis ficar de fora. O Presidente Marcelo foi pessoalmente prestar as suas últimas homenagens ao Manel no Estádio José Alvalade. E a Assembleia da República aprovou por unanimidade de todos os partidos (coisa rara) um voto de pesar pela morte do nosso Manel! Unânimes no sentir e na homenagem foram também as palavras de antigos dirigentes do nosso Clube que trabalharam com o Manel Fernandes e o recordaram com genuína saudade. Falo, por todos, de Sousa Cintra e Paulo Abreu. Por último, salientar o povo anónimo que expressou de múltiplas formas o seu sentir… gentes de todas as cores clubísticas que sabem bem que este “astro” é uma lenda imorredoira!

MANUEL FERNANDES E EU – Tive o privilégio de ter conhecido o Manuel Fernandes, cruzando-me com ele algumas vezes na Tribuna de Alvalade e outras na Sporting TV. Ficou-me sempre a imagem de um homem educado, simples, de trato fácil, com um sorriso genuíno, cujo coração brotava Sportinguismo! Alguém que – apesar de ser quem era e de saber que assim era – nunca se pôs em bicos de pés, em soberbas vãs! Alguém que fica sempre como exemplo da postura de uma verdadeira Lenda do nosso Clube! Alguém que, quando uma ou outra vez, ficou sentado ao meu lado a ver o jogo, me conseguia sempre fazer comentários “antes” de eu perceber o que se passava… alguém que me “iluminava” a visão do jogo, alguém que me ensinou a “ler”, sendo eu “cego”! E alguém que um dia me confessou que o seu melhor golo ao Benfica foi mesmo o seu último da goleada dos 7-1… por uma razão, por ser mesmo o último desses sete golos, acrescentando que se tivesse havido mais um, o oitavo, pois seria esse sem dúvida nenhuma! Toda a gente do futebol de todas as cores futebolísticas percebe este “querer”, afinal é também “isso” que nos faz amar este desporto! Partiu um grande Leão de juba tremenda! Obrigado, Manuel Fernandes!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

P.S − Obras no José Alvalade estão anunciadas várias melhorias no nosso Estádio. Muitas já em curso. Fosso, leds, novos ecrãs panorâmicos, som, luz… estamos todos ansiosos por “viver” essa nova realidade! Aguardemos, pois!

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
11 Jul, 2024

JORNAL SPORTING

Em versão papel e em formato digital

Já está disponível, em versão papel e em formato digital, o Jornal Sporting desta semana. A edição 3984 do semanário verde e branco tem como manchete o atletismo do Sporting Clube de Portugal que vai competir nos Campeonatos Nacionais de clubes, este fim-de-semana, em Viseu.

As Leoas vão à procura do 14.º título consecutivo – o 54 total – e os Leões do regresso às conquistas, depois de vários anos a tentar chegar ao 49.º título.

Nesta edição do semanário Leonino, também há muito futebol, com o regresso e as caras novas da equipa principal feminina, assim como da masculina. Zeno Debast é o segundo reforço para 2024/2025, uma época onde Nuno Santos conta que terá a “mesma garra e atitude”.

O lateral verde e branco deu uma entrevista exclusiva ao Jornal Sporting na qual recorda a temporada passada, fala do momento da equipa e dos objectivos para a nova época. Tudo para ler nesta edição.

No futebol, destaque ainda para o novo director-técnico do futebol de formação do Sporting CP. Nuno Figueiredo foi apresentado recentemente e deu conta do trabalho que tem em mãos para que a formação verde e branca continue no caminho do sucesso.

Nas modalidades de pavilhão, em particular no andebol, também há caras novas e o semanário verde e branco diz quem são.

A Lenda desta semana é José Pérides, futebolista Leonino nas décadas de 50 e 60 do século passado.

Estes e outros temas para ler em mais uma edição do Jornal Sporting.

image

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
18 Jul, 2024

NOTÍCIAS

Em versão papel e em formato digital

Já está disponível, em versão papel e em formato digital, a edição desta semana do Jornal Sporting. O número 3985 do semanário verde e branco tem como maior destaque o título nacional conquistado pela equipa feminina de atletismo do Sporting Clube de Portugal pela 14.ª vez consecutiva.

Em Viseu, as Leoas alimentaram a sua hegemonia na modalidade a nível nacional e a publicação do emblema de Alvalade conta-lhe tudo nas páginas 20 e 21.

No futebol, o Jornal Sporting dá conta do estágio da equipa principal que está a acontecer no Algarve e traz uma entrevista de quatro páginas a Pedro Gonçalves, que garantiu sentir “o grupo enérgico” e “a meter intensidade nos treinos”.

Importante, também, a presença da formação no estágio, sendo que 18 dos 29 jogadores presentes passaram pelas camadas jovens Leoninas - como explica o Jornal Sporting nas páginas 12 e 13.

Para além dos reforços anunciados na equipa principal feminina de futebol e nas formações masculinas de futsal e andebol, o Jornal Sporting publica uma entrevista com Carlos Carneiro, líder da secção de andebol, e descreve os arranques das temporadas do andebol e dos sub-19 e sub-27 de futebol.

O media day olímpico que decorreu no Hall VIP do Estádio José Alvalade, que contou com a presença de Lorène Bazolo, Tiago Pereira, Cátia Azevedo, Jéssica Inchude, Emmanuel Eseme, João Coelho e Liliana Cá, do atletismo, e Jorge Fonseca e João Fernando, do judo, também merece destaque.

A Lenda desta semana é Nuno Dias, antigo jogador de ténis de mesa.

“VENCER É NUNCA DESISTIR”

Por Mafalda Barbosa
18 Jul, 2024

OPINIÃO

Editorial da edição n.º 3985 do Jornal Sporting

Foco, disciplina e persistência.

Características que tão bem definem as atletas do Sporting Clube de Portugal e que levaram à conquista do 14.º Campeonato Nacional de clubes consecutivo. O 54.º da História do atletismo Leonino no feminino.

“Queremos manter a nossa hegemonia e continuar a ganhar. Mesmo confortáveis nunca tirámos o pé do acelerador e foi uma vitória estrondosa”, salientou Paulo Reis, coordenador técnico do atletismo do Sporting CP, após a conquista.

As conquistas dependem da perseverança e da força de vontade.

Agora, a ambição das nossas Leoas e dos nossos Leões, não só do atletismo, aumenta. Seguem-se os Jogos Olímpicos de Paris e na bagagem levam a vontade de vencer, de fazer mais e melhor e de honrar as cores do Clube e da nação.

Uma vontade comum às equipas Leoninas que aos poucos regressam aos habituais trabalhos de preparação para a época 2024/2025.

No Algarve, prossegue a pré-época da equipa principal de futebol, enquanto na Academia Cristiano Ronaldo a equipa principal feminina trabalha a todo o gás, juntamente com as equipas do futebol de formação.

Nas modalidades, a equipa principal masculina de andebol também regressou ao trabalho e durante a realização dos habituais exames médicos, a união e a motivação dos Campeões Nacionais fez-se sentir. “A equipa mantém-se com a mesma ambição, com a mesma entrega e queremos muito repetir todo o sucesso que tivemos em 2023/2024”, salientou o capitão, Salvador Salvador.

Nesta nova caminhada que agora começa, vamos continuar a escrever novos capítulos na nossa História.

De geração em geração, em Portugal e além-fronteiras, o apoio dos nossos Sócios e adeptos às nossas equipas será também, e como sempre, fundamental rumo às futuras vitórias.

Porque “vencer é nunca desistir”! *

*Albert Einstein

A CAUSA LEONINA

Por Juvenal Carvalho
18 Jul, 2024

OPINIÃO

Hoje, levado sobretudo pela justiça a quem no mais profundo anonimato tudo faz pelo Sporting CP sem querer receber nada em troca, decidi fazer uma coluna de opinião um pouco diferente das últimas. Para falar de pessoas que vivem o Sporting Clube de Portugal, sem que existam mais ou menos Sportinguistas – porque sou até daqueles que não entro em medidores de paixão clubística, mas de gente que me marcou muito pelo seu conhecimento da História Clube.

E nelas, registo a para mim maior enciclopédia viva da História centenária do Sporting CP. Falo de Mário Casquilho, que foi o grande responsável pelo espaço fantástico que é o nosso actual Museu que orgulha cada um de nós e de que ele foi o seu “arquitecto”. Um Homem que respira Sporting por todos os poros e que vivenciou momentos inolvidáveis dos quais sabe do que fala como ninguém.

Das poucas vezes que com ele privei nos últimos anos, a última, quis o destino, que fosse mesmo no Museu, e durante a cerimónia do centenário do nosso Jornal Sporting, que, com que orgulho pessoal, tenho o privilégio de escrever semanalmente. Também José Bernardes Dinis, desde 1977 com o “seu” Museu de Leiria, que tem sido ao longo de décadas local de passagem de milhares de Sportinguistas, tem uma História de dedicação ao Clube que fala por si.

Mas claro que existirão no mais puro anonimato outros grandes Sportinguistas que não conhecerei mas que, por estudiosos, também serão verdadeiras “enciclopédias”. Vou falar de três delas, que fazem o favor de ser meus amigos pessoais e que são um exemplo de Sportinguismo genuíno, embora por razões dispares.

Do João Romero Chagas Aleixo, um algarvio de Loulé, que como eu é fã incondicional do poeta António Aleixo, seu conterrâneo, do Nuno Pessoa Barradas e do Carlos Seixas. Conheci-os de forma diferente. O João, ainda muito jovem no estádio, mas sobretudo nos pavilhões; o Nuno, que conheci quando foi retomado o basquetebol no Sporting CP, em 2012, porque por lá tinha o seu filho a jogar e, ganhando o “bichinho”, foi recrutado para ajudar na secção então ainda autónoma e o Carlos através de grandes causas do quotidiano do Leão.

O João Aleixo deu-me a conhecer a inequívoca hegemonia do nosso Clube, no maior trabalho que jamais alguma vez vi sobre a comparação dos troféus ganhos pelos “três grandes” em todas – literalmente todas, as modalidades. Tantas horas de pesquisa. Tanto conhecimento. Quanta dedicação.

Já o Nuno Barradas, sendo um coleccionador inveterado de camisolas do Sporting CP, tantas são as que tem, é também um dos mentores da Wiki Sporting, que é uma “ferramenta” de excelência para o verdadeiro conhecimento de tudo o que diz respeito ao nosso Clube. Horas e horas de pesquisa feita de altruísmo.

Quanto ao Carlos Seixas, é detentor de um enorme espólio no Museu que tem num espaço considerável da sua casa – sei que estou em falta contigo e ainda não fui visitar –que contém peças com tanta história e simbolismo nele representadas.

Como disse atrás, outros haverão que não conhecerei (mas que os homenageio aqui) e sabemos todos bem quanto o universo Sportinguista é grande. Estes, dos que conheço, no anonimato, são os meus heróis pela defesa a uma causa. A causa Leonina!

1 Curtiu

ATLETISMO DE CAMPEÕES, DEFESO PARA CAMPEÃO!

Por Tito Arantes Fontes
18 Jul, 2024

OPINIÃO

ATLETISMO – Decorreram no último fim-de-semana, em Viseu, no Estádio do Fontelo, os Campeonatos Nacionais de clubes de atletismo. Fomos, mais uma vez, pela quinquagésima quarta vez, décima quarta consecutiva, campeões em femininos, com 163 pontos e uma vantagem robusta de quase 40 pontos sobre o segundo classificado, marcando assim de modo notório a abissal diferença do Sporting CP para com todos os seus demais concorrentes. Já em masculinos perdemos por uma “unha negra”, ou seja, por um simples ponto, na última prova, tendo atingido os 156 pontos, sendo que o vencedor alcançou pontuação global inferior à da vertente feminina. A verdade é que esteve por muito pouco a recuperação do título nacional, que ficou mesmo ali, ao “virar da esquina”. Com o “mix” destes dois resultados nenhuma dúvida que somos – e assim nos devemos considerar e ver – a maior potência nacional no atletismo. Esse é o corolário objectivo que podemos matematicamente retirar dos resultados obtidos. Temos um somatório em “masculinos e femininos” de 319 pontos e, a trinta e seis pontos, lá aparece o segundo classificado, o SL Benfica, com tão só 283 pontos. E no terceiro posto surge, a Juventude Vidigalense, de Leiria, com um total de 171 pontos, fruto do seu notável trabalho já com várias décadas em prol do atletismo. Historicamente, continuamos como indiscutíveis lideres: 48 títulos em masculinos, em 86 campeonatos; e em femininos temos os já mencionados 54 títulos em 81 campeonatos. Impressionante! Parabéns, pois, ao nosso atletismo! E a todos os seus atletas, técnico e dirigentes!

PRÉ-ÉPOCA / DEFESO – Dia-a-dia vamos acompanhando as notícias da preparação da próxima época futebolística. Em aditamento ao que já escrevi na última semana, falta-nos ainda a chegada do nosso Franco Israel, que esteve ao serviço do seu Uruguai até à final da Copa América, neste passado domingo. Esta semana temos, finalmente, uma primeira amostra pública (pese embora se saibam os resultados de alguns “internos” minis jogos-treino, com finalidades específicas), num jogo com os belgas do Saint-Gilloise. Na semana seguinte teremos o Sevilha, no mesmo Estádio, culminando no dia 27 deste Julho, no nosso Estádio José Alvalade, pelas 19h30h, na apresentação aos Sócios, no Troféu Cinco Violinos, com o Athletic Club. Entretanto, noutros lados e como de costume, vão-se ouvindo “hossanas” e fabricando “primeiras páginas”… enfim, continuem, continuem mesmo, pois ano atrás de ano temos visto no que dá tanto “foguetório” antecipado… este ano até já houve um jogo em que noticiaram mais o resultado ao intervalo do que o triste e patético empate com que terminaram! Quando chegar a hora… pois, veremos!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

P.S – Acabou o Europeu e acabou bem, com a vitória da selecção espanhola, a que apresentou melhor futebol e ganhou todos os seus sete jogos! Ganhou à Croácia, à Itália, à Albânia, à Alemanha, à França, à Inglaterra! É obra! E não perdeu com a Geórgia! Goleou-a! Já Portugal… ah, pois, perdemos com a Geórgia! E chorámos com a França! É continuar com o tal de Martínez… um dos mais bem pagos seleccionadores do Europeu (aí estamos mesmo no pódio!)… quem sabe é este ano que olha para Pote, Trincão, Nuno Santos… e, quiçá, até vai ao México “descobrir” o Paulinho!