Jornal do Sporting - Parte 2

ASSEMBLEIAS GERAIS − CLUBE E SAD – REFLEXÕES (PARTE I)

Por Tito Arantes Fontes
07 Out, 2021

OPINIÃO

Estamos em pleno tempo de Assembleias Gerais!

Estamos em pleno tempo de Assembleias Gerais! Primeiro a do Clube no passado dia 30 de Setembro. Hoje (4.ª feira, dia 6 de Outubro, dia em que escrevo) a da SAD. Olhemos para cada uma delas em particular.

A Assembleia Geral do Clube na passada semana foi mais um triste espectáculo… umas poucas centenas de Associados tudo fazem para perturbar a Assembleia, inviabilizando que outros Associados possam acompanhar o desenrolar dos trabalhos e ouvir como deve ser as intervenções de quem usa da palavra. Tudo isso faz com que cada vez menos Associados tenham paciência (e sim, é esta a palavra certa!) para aguentar estas penosas Assembleias do Clube… infelizmente chegámos a este ponto! Em boa hora, e depois de algumas experiências iniciais, que começaram há largos anos, bem antes do mandato dos actuais Órgãos Sociais, desde logo no mandato dos seus imediatos antecessores, encontrou-se uma forma de contornar estes manifestos “comportamentos totalitários” que só me fazem lembrar as famosas “RGAs” do meu tempo de estudante (Reuniões Gerais de Alunos - que vivi no Liceu D. João de Castro em Lisboa e na Universidade em Coimbra - que se prolongavam à exaustão para permitir no final a votação pelos “resistentes” das moções que melhor aprouvessem a quem queria vencer não pela razão, mas sim pela exaustão… como se isso fosse algum método democrático!).

A solução encontrada no seio do SPORTING CP foi – e bem! - a de permitir que a votação dos vários pontos da “ordem de trabalhos” possa ocorrer a partir do momento em que a Assembleia é declarada aberta. É uma boa solução! Quem se sente esclarecido sobre os pontos em discussão pode, assim, votar logo e – se quiser – sai da Assembleia. Por outro lado, quem pretender esclarecimentos fica a acompanhar os trabalhos… tentando ouvir o que essa “minoria totalitária” deixar… e votará ou quando chegar ao final do período de intervenções ou quando desistir de tentar perceber o que é dito face à algazarra que essa “minoria totalitária” não desiste de perpetuar! Este é o quadro associativo em que decorrem as Assembleias do nosso Clube! Não pode ser pior!

Assim, com este “caldinho cultural”, não surpreende que cada vez menos Sócios marquem presença nas Assembleias do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL! E que – consequentemente – deixem este nas mãos dessa “minoria totalitária”… que literalmente goza com toda a massa associativa ao chumbar consecutivamente tudo quanto seja proposto pela Direcção, máxime – nesta última Assembleia – as contas de dois exercícios (2019/2020 e 2020/2021) e o orçamento para 2021/2022. Damos, assim, nós próprios, matéria para um “chorrilho” de comentários e de programas televisivos que dizem que os Sócios do SPORTING CP não estão com a Direcção, etc, etc… ou seja damos assim matéria de gaudio para essa gente que nos odeia! Um regabofe a que a “minoria totalitária” nos sujeita!

Nesta ultima Assembleia do Clube, depois do espectáculo a que parcialmente ainda assistimos, vieram os resultados das votações… tudo chumbado menos o nome das sete portas do Estádio José Alvalade! E mesmo este ponto foi aprovado por uma maioria quase que “à tangente”! O resto foi tudo chumbado por 400 associados… a maioria dos 700 e tal que marcaram presença na Assembleia! Mas certo é que esses 400 são uma minoria, uma ínfima e ridícula minoria, dos Sócios do SPORTING CP que podem ter lugar na Assembleia…

Por isso - e bem - o Presidente Frederico Varandas disse o que disse no final da Assembleia Geral! Os sócios têm o dever de comparecer e votar nas Assembleias do Clube… e não deixar que minorias activas, mobilizadas e sempre em permanente contestação “de tudo e de nada” mandem no Clube!

Foi – assim e bem! - anunciada nova Assembleia para dia 23… oxalá que sim! E oxalá que a massa associativa do SCP – como tantas e tantas vezes já fez no passado, nomeadamente quando o futuro do Clube assim o exigia! - compareça em força para se votar, finalmente e como espero, a aprovação das contas dos exercícios de 2019/2020 e 2020/2021 e do orçamento de 2021/2022! E – com isso – acabar com o “interminável festim” que tem servido de alimento aos nossos adversários… sim, falo das gentes que estão a soldo dos “poderes bicolores” que tanto, desde logo nos últimos 40 anos, nos têm prejudicado e roubado! É com esses que a “minoria totalitária” que temos no nosso Clube parece, afinal, ter objectivamente pactos e estratégias comuns! Fica aqui o desafio e o convite para todos e cada um dos sócios que fazem parte dessa “minoria totalitária” pensar e reflectir sobre o que está verdadeiramente a fazer ao SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

A Assembleia da SAD é outra coisa. Nesta consegue-se falar! E dessa – por absoluta falta de espaço - falarei na crónica da próxima semana!

P.s. Futebol – prosseguimos com mais uma vitoria no Campeonato Nacional, depois da jornada europeia. Jogo difícil em Arouca… e bem ganho! Utilmente ganho! Já outros… caíram do pedestal estratosférico onde já estavam… um voo a pique, descontrolado… para um “estatelanço” de gargalhada total!!!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!

41 E OUTROS NÚMEROS

Por Pedro Almeida Cabral
07 Out, 2021

OPINIÃO

Foi no passado fim-de-semana que o Sporting Clube de Portugal conquistou o seu 41.º título europeu

  1. Foi no passado fim-de-semana que o Sporting Clube de Portugal conquistou o seu 41.º título europeu. As Leoas da equipa feminina de goalball sagraram-se Bicampeãs da Europa, renovando o título conquistado há dois anos. São mais de quatro dezenas de títulos continentais ganhos pelo Clube. O primeiro no ano de 1964, a famosa Taça das Taças do cantinho de Morais. E este último, 57 anos depois. Futebol, atletismo, hóquei em patins, andebol, goalball, judo e futsal são as sete modalidades em que alcançámos a glória europeia. Só nos últimos três anos, o Sporting CP conquistou 11 destes títulos, mais de um quarto do total. O único clube em Portugal que é verdadeiramente ecléctico a nível europeu.

  2. Portugal sagrou-se campeão mundial de futsal. Um título que vem na senda de conquistas Leoninas. O percurso europeu do Sporting CP na UEFA Champions League tem sido notável, tendo chegado nos últimos dez anos cinco vezes à final, ganhando os títulos de 2019 e de 2021. Fomos o clube mais representado na selecção com sete jogadores em 16, dominando, por completo, a convocatória. O segundo clube, o Braga/AAUM, estava representado por apenas três jogadores e o SL Benfica por um. Tomás Paçó, Erick Mendonça, João Matos, Pany Varela, Miguel Ângelo, Pauleta e Zicky Té são os campeões mundiais da equipa de futsal do Sporting CP. O nosso Pany Varela foi o homem da final contra a Argentina, marcando dois golos. Para muitos, foi mesmo o melhor jogador da competição. Um título de Portugal, mas com sabor a verde e branco.

  3. Já se jogaram oito jornadas do Campeonato Nacional de futebol. O Sporting CP segue a um ponto do primeiro, SL Benfica, disputando a liderança. Se tem havido alguma cerimónia na produção ofensiva, somos, ainda assim, a terceira equipa mais concretizadora. Como já é hábito no futebol do Campeão, não sofrer golos é essencial. Até agora, apenas encaixámos quatro golos, 0,5 golos por jogo. Somos, naturalmente, a equipa menos batida do campeonato, a par do Portimonense SC. Até temos menos um golo sofrido que na temporada passada, na mesma fase da competição. É só continuar assim, melhorando o acerto atacante.

  4. Ganhámos perante o FC Arouca na última jornada. 2-1 o resultado final. O primeiro golo nosso é uma extraordinária jogada de futebol em qualquer estádio do mundo. Até ao golo, trocaram-se nada mais nada menos que 15 passes entre dez jogadores, culminando no encosto de Matheus Nunes para as redes adversárias. Arte poética futebolística. Executada por uma equipa que teve mudanças face às opções habituais, com destaque para a titularidade de Daniel Bragança. E que jogava na ressaca europeia da Champions, tradicionalmente um jogo sempre difícil para nós. Neste quadro, só podemos concluir que Rúben Amorim mexe na equipa como há décadas não se via em Alvalade.

TANTO SPORTING, QUANTO ORGULHO

Por Juvenal Carvalho
07 Out, 2021

OPINIÃO

Na semana em que o Sporting Clube de Portugal chegou à quadragésima primeira conquista europeia do seu historial

Na semana em que o Sporting Clube de Portugal chegou à quadragésima primeira conquista europeia do seu historial, esta com a motivação suplementar de ter chegado através do desporto adaptado, com a equipa feminina de goalball a sagrar-se vencedora da Champions League, num clube - o nosso - que além do Esforço, Dedicação, Devoção e Glória do nosso lema, também tem a inclusão social como bandeira, sendo mesmo incomparável aos demais neste apostar no desporto adaptado, e também aí fazer a diferença pela positiva, e que tanto nos enche de orgulho.

Orgulho é também a expressão para o que sentimos no passado domingo, na longínqua Lituânia, quando Portugal se sagrou Campeão do Mundo de futsal. Claro que não chamo as vitórias do nosso país, atribuindo-as ao nosso clube, mas que é impossível dissociar as mesmas, isso parece-me inequívoco.

Foram sete os Leões que representaram Portugal. Tomás Paçó, João Matos, Zicky Té, Erick Mendonça, Pauleta, Miguel Ângelo e Pany Varela, com a cereja no topo do bolo a passar pelo facto dos quatro primeiros desta lista serem da “cantera”, produtos “made in Sporting”.

Nada é por acaso, até porque o Sporting Clube de Portugal, como em tanta e tanta coisa tem sido o pioneiro, também no futsal o mesmo tem que ser dito, por ser verdadeiro.

A esta lista, poderia ainda acrescentar o nome de Cardinal, que infelizmente uma grave lesão sofrida ainda na época passada o impediu de ser Campeão do Mundo, e logo ele, que tanto merecia estar neste épico levantar da taça, a mais importante à escala planetária.

Neste êxito, em que já destaquei os nossos atletas, quero também ressalvar os restantes jogadores, que tão brilhantemente representaram o nosso país, independentemente do clube que representam, até porque quando envolve a selecção das quinas isso passa ao lado. Na minha qualidade de desportista, e pese o jogador nunca ter representado o nosso Clube, jamais deixarei de me recordar das lágrimas do “mágico” Ricardinho aquando do hino de Portugal antes do jogo. Um momento épico de alguém que tantos e tantos jogos fez pelo nosso País e que o sente como poucos. Para recordar, e que deve servir de exemplo para os mais jovens, sobretudo para os que agora estarão a iniciar a sua carreira.

Foi assim mais uma semana em que o nosso Clube honrou os seus fundadores. Onde estiverem estarão garbosos e com tanto orgulho do momento vivido pelo Leão rampante, onde ganhar é recorrente não só no plano nacional como internacional.

Ser do Sporting CP é isto. Não se explica…sente-se!

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
07 Out, 2021

JORNAL SPORTING

​Edição n.º 3840 nas bancas e em formato digital

A edição n.º 3840 do Jornal Sporting está disponível a partir desta quinta-feira e o principal destaque vai para a equipa feminina de goalball, que se sagrou Bicampeã Europeia e conquistou o 41.º título Europeu da história do emblema verde e branco.

Nota também para os resultados da Assembleia Geral de 30 de Setembro, a vitória da equipa de Rúben Amorim na Liga Portugal, frente ao FC Arouca, o regresso dos adeptos às bancadas sem restrições e a marca redonda atingida por Sebastián Coates: 250 jogos de Leão ao peito.

Ainda no que toca ao futebol, espaço para os duelos disputados pela equipa feminina, equipa B e sub-23, além dos encontros dos escalões de formação, que trouxeram muitos golos.

Nas modalidades, realce para os triunfos do futsal e do rugby feminino no Troféu Stromp, os sete jogadores Leoninos que se sagraram Campeões do Mundo de futsal pela selecção portuguesa e os jogos das equipas de voleibol, hóquei em patins, andebol e basquetebol.

ASSEMBLEIAS GERAIS – CLUBE E SAD - REFLEXÕES – (PARTE II)

Por Tito Arantes Fontes
14 Out, 2021

OPINIÃO

Continuamos a nossa reflexão sobre o modo como as Assembleias Gerais do nosso Clube e da sua SAD têm funcionado

Continuamos a nossa reflexão sobre o modo como as Assembleias Gerais do nosso Clube e da sua SAD têm funcionado, centrando agora a nossa atenção – conforme anunciei na semana passada – nestas últimas. Ou seja, nas Assembleias Gerais da SPORTING SAD, empresa cotada em bolsa, como se sabe.

Pois bem, o cenário de funcionamento é aqui totalmente distinto – e bem ao contrário - do que sucede nas Assembleias do Clube. As inscrições para o acesso dos accionistas (e não necessariamente Sócios do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL) às Assembleias da SAD obedecem, desde logo, a um rigoroso “ritual”, que – desde sempre, há mais de 20 anos – é “religiosamente” cumprido. No respeito pela lei e pelo definido nos Estatutos da SPORTING SAD. Assim, os accionistas que querem estar presentes têm de o comunicar ao presidente da Mesa da Assembleia Geral e os bancos onde estejam depositadas as suas acções terão de confirmar para a mesma entidade a existência e “bloqueio” das mesmas. Tudo com antecedência em relação à data da Assembleia que estiver em causa de, grosso modo , uma semana (sendo que o prazo para o accionista fazer a sua comunicação termina no dia anterior ao prazo para os bancos confirmarem a existência e bloqueio das acções).

Na prática, a SPORTING SAD tem tido nos últimos anos Assembleias Gerais com a presença de cerca de 50 accionistas. Gente de um modo geral bem preparada e que vai debater os relatórios e contas de cada exercício e os demais pontos da ordem de trabalhos que em cada Assembleia estejam em causa. Por exemplo, este ano, no passado dia 6 de Outubro, debateram-se também pontos referentes às remunerações dos titulares dos órgãos sociais, nomeadamente aos membros do Conselho de Administração da SAD, bem como um ponto sobre autorização para o mesmo Conselho efectuar emissões de empréstimos obrigacionistas até ao montante de 50 milhões de euros.

De sublinhar que estas Assembleias decorrem com um elevado sentido cívico da generalidade dos accionistas presentes, sendo que os mesmos intervêm de modo aprofundado sobre a totalidade dos pontos de cada ordem de trabalhos, questionando nomeadamente o Conselho de Administração sobre todos os aspectos que tenham por relevantes e que digam respeito à vida da SAD e aos pontos da ordem de trabalhos. Por exemplo, nos últimos anos, o actual presidente da Mesa da Assembleia Geral tem sido, aliás, tolerante neste aspecto, efectuando uma “interpretação lata” dos limites dos assuntos que deveriam ser contidos no exclusivo domínio da SAD e/ou da ordem de trabalhos de cada Assembleia, permitindo – e bem, na nossa opinião – a abordagem de questões conexas que ajudam ao melhor enquadramento da vida da SAD e da sua interacção com a vida do Clube.

Certo é que as perguntas são feitas num tom de voz civilizado, racional, de modo fundamentado, o que permite a sua compreensão pelos demais participantes na Assembleia. As respostas dos membros do Conselho de Administração são, pelo seu lado, ouvidas por todos os presentes. Pergunta-se tudo e ouvem-se respostas sobre tudo. Inclusive os accionistas – se assim o entenderem - poderão comentar que não foram totalmente esclarecidos. Resulta desta sã “vivência democrática” que as Assembleias da SAD são, nesse aspecto da urbanidade, Assembleias verdadeiramente exemplares. Normalmente demoradas, alargando-se por várias horas… a última por cerca de sete horas; a do ano passado por creio umas nove horas. Mas – sempre e isso sim – Assembleias onde dá gosto ir, estar… e onde se debatem verdadeiramente temas “SPORTING”!

Fica, pois, aqui a reflexão se não devemos todos, agora falando para os Sócios do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, aprender com este exemplo das Assembleias da SPORTING SAD! Não podemos continuar a ter Assembleias do Clube em que ninguém se ouve, ninguém se respeita! E em que – por isso mesmo – a maioria dos Sócios não vão… ou se vão só querem votar e sair!

É um tema para reflexão e decisão futura… a meu ver a curto prazo! Numa próxima alteração de Estatutos… premente e imperiosa! Até lá… voltando às Assembleias do Clube… no dia 23 é mesmo para se comparecer em peso na Assembleia do SPORTING CP e ouvir mais uma vez a voz dos únicos, verdadeiros e sempre donos do Clube: os Sócios do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

LEÕES QUE NÃO SE ESQUECEM

Por Juvenal Carvalho
14 Out, 2021

OPINIÃO

Que rica História tem o Sporting Clube de Portugal. Que enorme acervo tem o nosso Jornal, retratando essa mesma História!

Através de um grupo de amigos criado no WhatsApp, com a particularidade de todos eles serem Sportinguistas, e na sua maioria terem passado pelo Jornal Sporting , recebi, no caso através do Gonçalo Pereira, um grande Leão que já passou por esta casa, e das pessoas mais geniais que conheço quanto à sua capacidade de escrita, uma foto do Jornal Sporting onde pontificavam nomes incontornáveis da história do nosso Jornal. Corria então a década de 90. Sou leitor deste jornal desde criança, uma leitura semanal quase peregrina. Dos tempos em que João Xara-Brasil era o director, e em que escreviam Inácio Teigão − era seu ávido leitor −, António Baptista, entre outros. Estava mesmo longe de pensar que algum dia conseguiria escrever umas linhas para este nosso Jornal, aquele que é “só” o mais antigo de clubes a nível mundial e o do meu/nosso coração.

Nessa foto recordei grande nomes do Jornal Sporting , alguns que já não estão entre nós. Lembrei de António Capela, quantas deliciosas estórias dele ouvi in loco . Um Leão imenso. Recordei também Silva Falcão, António Ramos, Galvão Correia e António Martins. Vi igualmente uma das referências de todos os tempos deste nosso Jornal, a Senhora Leonor Roque, bem como Ruben Coelho, outra figura incontornável na vida do nosso Jornal, e que num telefonema, em 2012, sabendo da minha oposição à direcção então vigente, me convidou para fazer uma coluna de opinião no nosso Jornal. Enfim, foi até com alguma emoção que vi aquela fotografia.

Ter tido o privilégio de ter privado com eles, além de conhecimento e respeito, bebi toneladas de Sportinguismo e fez-me crescer humanamente. O nosso Jornal, cada vez mais perto de ser centenário, tem sido escrito por Homens e Mulheres que lhe acrescentaram valor. Milhões de caracteres já nele foram escritos. Onde o Sporting Clube de Portugal foi seguramente elevado ao seu mais alto esplendor. Disse atrás que nunca pensei em conseguir escrever algumas linhas nele, num percurso que, com interrupções, esta é a terceira vez que o faço. Com que orgulho, e contando com a vossa paciência para me ler.

E se neles me inspirei para escrever umas linhas nesta coluna de opinião, uma certeza terei. Se antes foi com outros directores, a quem agradeço terem contado comigo, agora é com André Bernardo, a quem dou aqui os parabéns pelo excelente trabalho que está a realizar no clube.

Apenas uma coisa me prende e me faz mover, e essa é o Sporting CP. Porque todos passamos, e 2022 será o ano do centenário do Jornal Sporting .

Acima de tudo e de todos. Nunca fiz, deste espaço, um local que não fosse tão só para exaltar o Sportinguismo. É assim que gosto de ser e de estar.

E, claro, que se esta opinião foi motivada pela fotografia do Gonçalo e do que ela mexeu comigo, aos da foto que partiram, aos que ainda estão connosco, e a tantas outras fotos a juntar a esta fotografia do nosso Jornal, o meu reconhecimento a todos eles.

Que rica História tem o Sporting Clube de Portugal. Que enorme acervo tem o nosso Jornal, retratando essa mesma História!

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
14 Out, 2021

JORNAL SPORTING

Em versão papel e em formato digital

Já está disponível em versão papel e em formato digital a edição do Jornal Sporting desta semana. O grande destaque vai para o treino que a equipa sub-15 feminina de futebol do Sporting Clube de Portugal realizou com várias jogadoras afegãs, numa clara demonstração dos valores do desporto e do Clube.

Nesta edição, destaque ainda para a grande entrevista a João Pereira, jogador que dispensa apresentações e que actualmente é treinador-adjunto da equipa sub-23 Leonina. O adeus aos relvados e a nova função, onde diz ser “como uma criança que vai para a escola no primeiro dia”.

Como habitualmente, o semanário verde e branco recorda os jogos do fim-de-semana e, desta feita, também analisa os Troféus Stromp 2021/2022 disputados pelas modalidades Leoninas.

A Lenda desta semana é Cipriano Santos, guarda-redes de futebol do Sporting CP na década de 20 do século passado.

Estes e outros temas, assim como o lançamento do próximo ‘ADN de Leão’, que contará com Gersinho, para ler em mais uma edição do Jornal Sporting .

image