Jornal do Sporting - Parte 2

SOMOS DA RAÇA QUE NUNCA SE VERGARÁ!

Por Juvenal Carvalho
27 maio, 2021

OPINIÃO

(…) estamos bem levantados. Desistir é para os fracos, não para o Leão rampante. Somos campeões e estamos estruturados para ter sucesso futuro

Ouvi e li, por parte de gente sapiente e por vários “tudólogos” da nossa praça, que o Sporting Clube de Portugal tinha perdido gerações de adeptos. Que os miúdos são de quem ganha. Que não tínhamos já tanta expressão como outrora. No fundo, e até para mim, que não sou o maior dos optimistas nem o pior dos pessimistas, prefiro antes ser pragmático, tudo isto não me parecia de todo descabido. Só que não. Não era verdade. Incrivelmente, qual caso de estudo, até a perto de duas décadas sem ganhar o Campeonato Nacional de futebol, embora se tivessem somado outros troféus nesta modalidade, e muitos outros, até europeus, em outras modalidades, o Sporting CP era um gigante adormecido, qual vulcão pronto a entrar em erupção.

Com a liderança, e com o aproximar do final da prova, foi despertando nos Sportinguistas uma crença inabalável. Todas as partidas e chegadas da nossa equipa eram um banho de multidão.

Era como que uma espécie de empurrão decisivo aquele rugir dos adeptos sempre presentes.

Com o título consumado com o golo de Paulinho frente ao Boavista FC, a noite do dia 11 de Maio de 2021 trouxe à saciedade a demonstração de força sem paralelo do Sporting Clube de Portugal. Da transmontana Parambos, a aldeia mais Sportinguista de Portugal, a Lisboa, passando por cidades, vilas e aldeias do país, e um pouco por todo o Mundo, foram aos milhares e milhares os Leões que, esquecendo momentaneamente a pandemia, deram largas a uma alegria incontida e indescritível pela emoção e fervor Leoninos.

Num país em que muitos querem só dois clubes grandes, numa política do dividir para reinar, serve para eles de aviso. O Sporting CP está vivo desportivamente e tem uma massa adepta com tanto e tanto jovem. No meu caso particular, festejei o feito na Rotunda da Boavista, no Porto. E festejei sem que não me emocionasse. Por mim, pelos Sportinguistas que viviam o mesmo que eu, mas sobretudo por tantos jovens desta cidade e de tantas outras localidades, que mesmo sem nunca antes terem visto o seu/nosso Clube ser campeão, nada os demoveu de amar o Enorme Sporting Clube de Portugal e provar que o Clube está vivo e recomenda‑se. Uma força e pujança que nos emocionou a nós, e que surpreendeu os adversários, verdadeiramente atónitos com a dimensão do Leão.

Decididamente somos enormes e da raça que nunca se vergará. Por cada Leão que cair, outro se levantará.

E estamos bem levantados. Desistir é para os fracos, não para o Leão rampante.

Somos campeões e estamos estruturados para ter sucesso futuro. Que chegue Agosto. Já estou ansioso!

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
27 maio, 2021

JORNAL SPORTING

​Edição n.º 3821 nas bancas e em formato digital

Já está disponível nas bancas e em formato digital a edição n.º 3821 do Jornal Sporting. Na primeira página é possível ler “Os números do campeão”, em alusão ao facto de o tema principal da publicação desta semana ser relativo aos dados estatísticos e factos curiosos sobre a conquista da Liga NOS por parte do conjunto orientado pelo técnico Rúben Amorim.

Ainda sob o mesmo mote, não perca a análise ao peso que os talentos da formação tiveram na conquista do 23.º Campeonato Nacional, fazendo do Sporting CP o Clube português que mais minutos deu aos jovens dos escalões de base. Além disso, realce também para a capacidade de Rúben Amorim de unir e motivar o universo verde e branco através das palavras, com o nosso Jornal a escolher algumas das frases do técnico que marcaram a caminhada do título.

Para lá das habituais crónicas dos jogos da última semana, nomeadamente do futebol feminino, equipa B e categorias jovens, destaque para as análises às partidas das modalidades de pavilhão, mas não só. Espaço ainda para a festa do râguebi feminino, que conquistou o Campeonato Nacional de sevens pela quarta vez seguida, para o piloto de ralis Rafael Cardeira, que renovou contrato, para o atletismo, que esteve em destaque na Liga Diamante, e, por fim, para Teresa Bonvalot, que se estreou a vencer uma etapa de qualificação do circuito mundial.

Por fim, nota para as reportagens sobre a surpresa feita pelas equipas de futebol ao sr. Simões, que foi funcionário do bar da Academia de Alcochete durante 20 anos, o Torneio de Futebol dos Colaboradores do Sporting CP, a parceria com o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST), o novo EP dos Supporting e, ainda, o novo Núcleo SCP do Seixal.

TÍTULOS, VITÓRIAS, FORÇA E ÂNIMO!!!

Por Tito Arantes Fontes
04 Jun, 2021

OPINIÃO

Campeões Nacionais de basquetebol! (…) No último segundo… por um ponto… mesmo ao cair do pano! Jogo disputadíssimo! Impróprio para cardíacos! Mais um título para o SCP! E a “dobradinha”!

Basquetebol – Campeões Nacionais!!! Terminou agora mesmo o quinto jogo da final do Campeonato Nacional contra o azarado do costume… o FC Porto! Grande vitória! No último segundo… por um ponto… mesmo ao cair do pano! Jogo disputadíssimo! Impróprio para cardíacos (sim, já sabemos, desde logo pelos jogos da nossa equipa de futebol, que estamos óptimos quanto a questões cardíacas!)! Mais um título para o SCP! E a “dobradinha” no basquetebol! Campeões no primeiro campeonato terminado pós‑COVID‑19! É bom lembrar que já no ano passado estávamos lançadíssimos para ganhar o campeonato… mas a COVID‑19 obrigou a terminar com o mesmo… sem declaração de campeão! Mais uma derrota para os dragões e nomeadamente para o seu presidente (que esteve presente no quarto jogo no Dragão Caixa… a ver se festejava alguma coisa… e zero!)… é bom que se habituem… tantas e tantas vezes têm perdido este ano com o SCP! Em futebol (quer no Campeonato Nacional, quer na Taça da Liga), na final europeia do hóquei em patins, agora no Campeonato Nacional de basquetebol… são umas atrás das outras as derrotas que o FC Porto vai coleccionando contra o SCP… e o seu presidente a assistir, aziago… PARABÉNS BASQUETEBOL!!! PARABÉNS, EQUIPA!!! PARABÉNS, LUÍS MAGALHÃES!!! PARABÉNS, MIGUEL AFONSO!!! PARABÉNS, FREDERICO VARANDAS!!!

RÚBEN AMORIM – Absolvido “in totum” no famoso processo disciplinar que lhe tinha sido instaurado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Cláudia… com vista a suspender o nosso treinador por seis anos!!! Foram primeiras páginas colossais!!! Debates televisivos intermináveis!!! E agora… com a absolvição… onde está o mesmo destaque??? O mesmo frenesim??? PARABÉNS, RÚBEN!!! Afinal não praticaste nenhum acto de falsificação ou fraude!!! Afinal… até te deveriam mesmo pedir desculpa!!! Nesse mesmo processo, o SCP – tendo o CD passado por cima de matérias de clara inconstitucionalidade (como se lê na própria decisão desse mesmo CD!) – foi condenado a uma multa de nove mil euros e a um jogo de suspensão do seu estádio… ridículo CD! Falta de vergonha!!! Claro que o SCP – e bem – já anunciou que vai recorrer dessa decisão… e “cilindrar” a decisão do CD… comandado pela tal de Cláudia… que sim, assina o Acórdão da vergonha!!!

… AINDA O CD DA CLÁUDIA – então não é que o CD decidiu agora o processo disciplinar do treinador Sérgio Conceição referente aos factos perpetrados no jogo de Portimão… factos esses que, é bom recordar, escandalizaram o país inteiro!!! Pois… e então qual foi a decisão?.. vá lá, não vale rir… uns míseros dez dias de suspensão… a cumprir agora, no defeso… mesmo durante as férias desse educado cidadão!!! Falta de vergonha total do CD!!! Só podem estar mesmo a gozar connosco!!! E a gozar despudoradamente!!!

E O “FURRIEL” E A ANTF… QUE DISSERAM SOBRE A ABSOLVIÇÃO DO NOSSO RÚBEN??? – … lá se pronunciaram através de um comunicado pífio e triste… a salientar o que não pode ser salientado… e a escamotear o que tem de ser repetido: Rúben Amorim foi absolvido “in totum” das acusações que lhe foram imputadas! A ANTF e o seu “Zé Pereira” ainda assim não conseguiram dar uma palavra sobre isso… a verdade é que preferiram premiar quem terminou a época derrotado em todas as provas em que participou (“torrando” centenas de milhões de euros!) e louvar quem foi agora punido nas férias com dez dias de suspensão… preferiram isso a pedir desculpas a quem foi absolvido e se sagrou Campeão Nacional de futebol!!! Pobre ANTF!!! Desgraçado “Furriel”!!!

FAIR PLAY – e adivinhem a quem pertence o Prémio Fair Play da época 2020/2021… pois, a esse mesmo… ao FC Porto!!! A equipa mais bem‑comportada do Campeonato Nacional!!! A tal equipe que teve mais penáltis a seu favor que o somatório dos seus três concorrentes mais directos!!! A tal equipa que bate recordes de faltas até ser possível e “autorizada” a exibição de cartão amarelo… são mais de oito faltas para se conseguir essa ousadia… já nós, SCP, somos sancionados com amarelo – em média – com pouco mais de cinco faltas!!! Tanta podridão!!! Tanta hipocrisia!!!

PALAVRA DE FORÇA E ÂNIMO – Deixou‑nos na sexta‑feira passada um jovem Leão de 17 anos num estúpido acidente de mota perto de Alcácer do Sal! Estúpido como todos os acidentes são… estúpidos! Foi uma notícia brutal! Um Pai Leão dos “4 costados”! Um Avô também Leão dos “4 costados”! Uma Família de Leões!!! Destroçada! E nós, os amigos, destroçados com ela! Um jovem Leão de 17 anos… um dos que nunca tinha visto o SCP Campeão!!! Mas sim, essa alegria imensa, o Pai conseguiu dar‑lhe… trabalhar para a dar ao seu filho… e aos nossos filhos e netos dessas idades! E deu‑lhe mesmo, ao seu próprio filho… o Titulo de Campeão!! No dia 11 de Maio este Leão de 17 anos foi Campeão… 17 dias depois deixou‑nos… foi comovente ver a bandeira do SCP a cobrir a sua urna… e cachecóis… muitos cachecóis do nosso SCP… e – no fim da Missa na Igreja de Santo Condestável, em Lisboa – tocou‑se em sua memória “O MUNDO SABE QUE”… cantado por centenas e centenas de pessoas, de todas as cores, a uma voz… a uma só voz… numa difícil e dolorosa homenagem ao nosso Leão de 17 anos! Abraço gigante, Pedro! Abraço comovido, Marta! Abraço imenso, Carlos!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

É DO BASQUETEBOL. É DO SPORTING CP

Por Juvenal Carvalho
04 Jun, 2021

OPINIÃO

O ‘We Are Te Champions’ terá de se tornar viral no sistema de som do nosso pavilhão. Com público seria ainda mais lindo este título, porque o ‘João Rocha’ tem muito mais encanto vestido de verde e branco

Vou ser duplamente sincero. Estou a escrever a minha coluna de opinião mais emocional de sempre no nosso Jornal. Estou também, e por escrita após o jogo, ainda trémulo e com uma alegria tão contagiante, que é difícil por palavras descrever este tão feliz sentimento vivido, de quem se sente como que um menino a quem acabaram de dar um brinquedo.

Falar e escrever sobre basquetebol é algo que me apaixona particularmente.

E que melhor momento poderia ter do que falar sobre o nono título nacional do nosso historial, com a particularidade de voltar a ter como palco a nossa casa, e 39 anos depois.

Era eu então um menino, quando assisti ao vivo ao título de 1981/1982. Pontificavam, treinados por Mário Albuquerque, Augusto Baganha, Rui Pinheiro, Carlos Lisboa, Israel, Mike Carter, João Cardoso, Hélder Silva e Ricardo Jasão, entre outros. Foi então uma alegria indescritível. Os interregnos todos no basquetebol após esse título, com duas suspensões da modalidade, fez com que fosse tão suado quanto ansiado este regresso. Tenho, com orgulho, um passado como dirigente da modalidade. Todos, desde antigos dirigentes, jogadores e treinadores, esperaram por este momento. Ele foi possível por aposta deste Conselho Directivo, que em boa hora fez regressar a modalidade ao seu palco mais competitivo.

Desde o início de 2019/2020 até agora já ganhámos duas Taças de Portugal e agora foi colocada a cereja no topo do bolo deste projecto. Na passada quarta-feira chegou o momento tão esperado. Tive de novo o privilégio de estar presente. Desta feita a ser entrevistado para a Sporting TV e a assistir ao mesmo ao lado do meu amigo de mais de trinta anos, o Miguel Afonso. Como ele mereceu este campeonato. Como o Sporting Clube de Portugal lhe poderá estar grato pela sua luta neste regresso.

Falámos horas sobre este projecto. Sei da sua dedicação e amor à causa. Aliado ao seu conhecimento da modalidade, esteve ainda presente o empenho e a arte de um todo. Do homem do leme Luís Magalhães – a quem dei um abraço no fim, sentido e emocional; aos jogadores, que prefiro não destacar nenhum num colectivo tão poderoso, foram uns heróis. Uns heróis vestidos de verde e branco com o símbolo do Leão rampante ao peito. Como foi bonito ver a genuinidade com que festejaram um título tão marcante para o universo Leonino.

Foi feita de sangue, suor e lágrimas esta conquista. Outras virão certamente.

O We Are Te Champions terá de se tornar viral no sistema de som do nosso pavilhão. Com público seria ainda mais lindo este título, porque o ‘João Rocha’ tem muito mais encanto vestido de verde e branco.

É nossa. É do basquetebol. É do Sporting CP.

É tão bom ser Sportinguista!

COMO IRMÃOS

Por André Bernardo
04 Jun, 2021

OPINIÃO

Esta vitória é acima de tudo uma conquista de um grupo que, tal como todos hoje em dia no universo do Sporting, foi recebido como família, que se trata mutuamente como família, e que sente que o Sporting CP é a sua família

A equipa de basquetebol do Sporting Clube de Portugal voltou, viu e venceu. Em concreto, no espaço de dois anos, duas taças de Portugal, e um título de Campeão nacional. São conquistas muito especiais, com nota de destaque para a última, por vários motivos.

Especial porque é conquistada numa recta final de um ano que já colocou no Museu Sporting e na História do Clube dois títulos Europeus – futsal e hóquei em patins (bicampeão) – e a conquista do título de Campeão Nacional de futebol, 19 anos depois, e da Taça da Liga.

Muito especial porque a última tinha ocorrido há 39 anos, em 1982.

Especialíssima porque o Sporting CP há três anos não tinha basquetebol. Deixou de ter pela primeira vez precisamente em 1982, após ser bicampeão. A modalidade foi retomada, nos escalões “inferiores”, em 1984, mas seria de novo extinta em 1995. E, portanto, este título timbra este regresso em plena Glória.

E finalmente hiperespecialíssima porque ela é consequência de uma causa que vou resumir na frase: “Somos como irmãos”.

A frase não é minha, foi dita ontem. em bom inglês, pelo jogador norte-americano Micah Downs em entrevista após o jogo: “We are like brothers”.

Escrevi-o no meu anterior artigo e repito: “Nada vem do Nada”.

Esta vitória é acima de tudo uma conquista de um grupo que, tal como todos hoje em dia no universo do Sporting, foi recebido como família, que se trata mutuamente como família, e que sente que o Sporting CP é a sua família.

E Micah chegou há apenas quatro meses.

O acumular de conquistas que se estão a alcançar este ano têm este mesmo registo, descrito pelos próprios intervenientes.

Porque todos os dias têm de ser dias de Sporting.

Porque este é o ADN Sporting, na vitória ou na derrota. Porque isto é uma família. Porque Isto é o Sporting CP!

Editorial da edição n.º 3822 do Jornal Sporting

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
04 Jun, 2021

JORNAL SPORTING

​Edição n.º 3822 nas bancas e em formato digital

Já está disponível nas bancas e em formato digital a edição n.º 3822 do Jornal Sporting. Na primeira página é possível ler “Campeões 39 anos depois” em alusão à recente conquista da Liga Placard de basquetebol pelo Sporting CP, assinalada com a análise ao jogo decisivo, frente ao FC Porto, todas as reacções dos protagonistas e, como já é habitual, um poster da equipa.

Além das crónicas dos encontros disputados pelos escalões de base ao longo da última semana, no interior da publicação poderá encontrar ainda a reportagem realizada junto dos atletas mais jovens que actuam no Pólo EUL, e que foram surpreendidos no Dia da Criança.

Nas modalidades, destaque para o futsal e para o hóquei em patins, que garantiram um lugar na final dos respectivos campeonatos nacionais, e para o andebol, que terminou o mesmo com uma vitória folgada. Além disto, espaço também para os triunfos do futebol de praia e do ténis de mesa e, ainda, para os excelentes resultados alcançados pelo atletismo Leonino.

Outros dos temas em destaque são a renovação dos judocas João Fernando, Jorge Fonseca, Maria Siderot, Miguel Alves e Wilsa Gomes, os esforços da Fundação Sporting para angariar fundos para ajudar Moçambique e, por fim, a apresentação do livro de Aurélio Pereira.

OS HERÓIS DO TÍTULO!!!

Por Tito Arantes Fontes
11 Jun, 2021

OPINIÃO

(…) Uma equipa que foi um todo! Uma equipa que “inventou” o “Onde Vai Um, Vão Todos!!!”… que o viveu, que o experimentou, que o forjou com suor e lágrimas… e até sangue!

Dediquei já várias destas minhas colunas ao título de Campeão que perseguíamos há anos e que – agora – no dia 11 de Maio de 2021 alcançámos, depois de uma época verdadeiramente espectacular! Agradeci de coração, tentando expressar o que passa no seio da massa associativa e simpatizante do nosso Clube, ao presidente Frederico Varandas e a toda a Direcção e “estrutura”, com especial destaque para Hugo Viana! Agradeci também já a Ruben Amorim e a todo o corpo técnico que o acompanha, nas várias vertentes que gravitam à volta de uma equipa profissional de futebol!

Falta um agradecimento muito especial aos Heróis do terreno… aos Heróis das chuteiras! Aos que se apresentam em campo, equipados a rigor para defender as cores do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

Este é um agradecimento eterno… daqueles “eternos” que são inesquecíveis, que se vão situar no domínio da lenda… do fantástico… do romântico… do belo! Da perfeição! Uma equipa que foi um todo! Uma equipa que “inventou” o “Onde Vai Um, Vão Todos!!!”… que o viveu, que o experimentou, que o forjou com suor e lágrimas… e até sangue! Uma equipa que assumiu esse lema e que brilhantemente o transportou para os milhares e milhares de Sportinguistas espalhados – como ainda agora bem demonstrado ficou – pelos “quatro cantos” do Mundo! E que nos fez – a Todos e a cada Um de nós – acreditar… acreditar que sim… acreditar que era possível sermos mesmo Campeões Nacionais! E fomos! Nesse agora “eterno e lendário” dia 11 de Maio de 2021!

Sabemos que esta fantástica equipa valeu mesmo como EQUIPA, como um todo, como uma só, como uma muralha! E sabemos que ela foi constituída por jogadores extraordinários de Esforço, de Dedicação e de Devoção… em busca da Glória do Clube… da Glória do SPORTING CP! E assim, essa – a GLÓRIA! – foi alcançada!

Destacamos – tendo todos presentes, um a um – alguns desse nossos Heróis!

COATES – El Capitán! Extraordinário de abnegação, de querer, de qualidade! Uma inolvidável época! Brilhante a todos os títulos! Soberbo a defender! Divino a golear… Salvador mesmo! O aprumo, a educação, o “saber estar”, a galhardia, o verbo, o “discurso”, tudo faz de Coates um jogador que mora e sempre morará no coração de todos os Sportinguistas! Épico o jogo de Barcelos, onde marcou dois golos contra o Gil Vicente FC, em Fevereiro deste ano… épico por essa reviravolta no marcador nos últimos dez minutos de jogo… e épico pela dedicatória de Coates ao seu amigo de sempre, ao seu irmão como lhe chamou, Santiago Garcia! O que chorámos contigo, Coates! Choraremos sempre… és dos nosso… és eternamente SPORTING CP e o SPORTING CP é eternamente teu! Obrigado, Coates!

PALHINHA – Extraordinário jogador! Soberbo! Robusto! Um pêndulo… com regra e esquadro! Um produto da nossa formação… que foi burilando e amadurecendo com outras experiências profissionais… pois bem, regressou no início desta época a Alvalade… e foi um “Veni, Vidi, Vici!”… Um pilar! Um dos obreiros fundamentais do Título! Um Campeão! E – para além das suas extraordinárias artes no terreno de jogo – foi também o artista que deu azo a um autentico “show” e “baile jurídico”… num processo em que ficou patente a razão que lhe assistia e a infâmia que, mais uma vez, o “poder bicolor” e os seus lacaios, queriam infligir ao SPORTING CP! Obrigado, Palhinha!

POTE – O goleador! O homem que chegou no Verão… sem um título de jornal, sem uma primeira página que se visse, sem um “debate televisivo”, sem uma “novela galáctica” por trás… (quase como tinha sucedido uns anos antes com Bruno Fernandes!)… sem uma referência dos “inteligentes” do costume da nossa praça, todos enfeudados às suas agendas… pois, Pote chegou… e começou, jogo atrás de jogo, remate após remate, a fazer o que melhor sabe… a jogar e a marcar golos! Muitos golos! Foi o goleador do Campeonato… o melhor marcador do Campeonato Nacional! Um médio… à frente de todos os outros… dos “incensados e endeusados” de milhões, muitos milhões…Obrigado, Pote!

ADÁN – O nosso guarda-redes! E que grande “portero” foi o SCP buscar! A sua contratação e a sua chegada também não deram nenhuma notícia… melhor assim! Os “espertos” nem deram por ela… os “sabem-tudo” nem se aperceberam! Homem seguro, experiente, proveniente da grande escola “madridista” e com experiência feita e vivida em grandes clubes espanhóis! Mostrou logo ao que vinha… vinha-nos dar pontos! E deu muitos… muitos pontos que foram fruto da quase inviolável baliza à sua guarda! Triunfo total em Lisboa e em Portugal! Momento alto da carreira deste categorizado jogador! Obrigado, Adán!

NUNO MENDES – O “benjamim”! Percebeu-se logo que era uma jóia… e daquelas que se impõem logo! Assim foi! Um jogador dos pés à cabeça! Dizendo logo no início do Campeonato, no jogo de Portimão, ao que vinha… vinha para marcar golaços e para – jogando ao nível do melhor que há no mundo como defesa-lateral – nos maravilhar! Época de grande nível! Esforço contínuo! Total entrega! Selecção A de Portugal! Valorização imensa! Produto de Alcochete! Mais um da nossa Academia!

E, por fim, TANTOS E TANTOS OUTROS JOGADORES… todos eles… MAX, FEDDAL, GONÇALO INÁCIO, NETO, QUARESMA, PORRO (outro “desconhecido”… já internacional A por Espanha!), JOÃO PEREIRA, ANTUNES (o Vitorino!), JOÃO MÁRIO (que saboroso o seu regresso a casa!), MATHEUS NUNES (que golos fundamentais contra SL Benfica e em Braga!), DANIEL BRAGANÇA (o “perfume” do futuro!), TABATA, NUNO SANTOS (endiabrado!), TIAGO TOMÁS (o nosso sempre TT!), os “chegados” PAULINHO, MATEUS REIS, os “saídos” WENDEL, VIETTO, ŠPORAR e BORJA, o “especial” PLATA… e o meu querido JOVANE, o “pronto-socorro”, que acredita sempre… e sempre pronto a resolver e a ajudar!!!

VIVA o SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

P.S. – … persiste a vergonha do CD da Cláudia… mais 30 dias de suspensão para o exemplar Sérgio Conceição… punição esta para – mais uma vez! – cumprir nas férias, à volta de uma piscina, com caipirinha ou gin tónico na mão… é assim… quem não se dá ao respeito vai mesmo de modo acelerado de vergonha em vergonha… total falta de pudor desta gente!!! Isto sim, isto é mesmo DEGRADANTE… e não o que outros – que com isto são beneficiados e protegidos! – andam a bolsar!!!

AINDA O BASQUETEBOL

Por Pedro Almeida Cabral
11 Jun, 2021

OPINIÃO

Fica o nosso campeonato, 39 anos depois. E a ansiedade para a próxima época. A história nunca se repete. Mas seria muito bonito repetir o bicampeonato 40 anos depois

Na ressaca das melhores semanas de sempre da história do Sporting Clube de Portugal, com a conquista do tão desejado Campeonato Nacional de futebol e das Ligas dos Campeões de futsal e de hóquei em patins, é ainda tempo de falar do enorme triunfo alcançado no basquetebol.

Ao contrário do que se pensa, apesar dos intervalos em que o basquetebol vai surgindo na vasta oferta de modalidades que o eclectismo Leonino oferece aos seus Sócios, esta modalidade tem raízes fundas no Clube. Sempre que tivemos cincos fortes e vencedores, Sócios e adeptos acompanharam o basquetebol Leonino com entusiasmo. Quer nos anos 50, com os primeiros três Campeonatos Nacionais. Quer mais tarde nos anos 60 e anos 70. E, sobretudo, no início dos anos 80, com o bicampeonato de 1981/1982, em que se destacaram os fabulosos irmãos Baganha e os norte‑americanos John Fultz e Mike Carter. Com um historial tão rico, o Sporting CP não podia regressar para passear na quadra. E não passeou. Ganhou o primeiro campeonato após o regresso, juntando às duas Taças de Portugal conquistadas de seguida, a de 2020 e a de 2021. Mais do que voltar à modalidade, o Sporting CP regressou honrando a sua história.

Quem não tenha visto os cinco jogos da fase final contra o FC Porto poderá pensar que se venceu tranquilamente. Nada mais errado. Levar de vencida uma equipa como a do FC Porto, reforçada para a fase final com um extremo da qualidade de Nevels, exigiu do Sporting CP o melhor que o Clube pode dar. Travante, Ventura, Catarino, Ellisor, Smith e Downs assinaram prestações memoráveis. Ganhar um campeonato com tanto mérito só foi possível com esforço intenso, dedicação permanente e devoção absoluta. Foi também esse o sentido do belíssimo discurso do nosso treinador, Luís Magalhães, cujas palavras e maneira de estar não são apenas as de um campeão. São as de um homem experimentado que sabe que a essência do desporto é a superação de nós mesmos e não o ódio e a raiva ao adversário.

Por fim, se houve jogo de basquetebol emocionante nesta temporada, foi o que deu o campeonato ao Sporting CP. Voltas, reviravoltas e ansiedade até ao fim. Já devo ter visto o último minuto desse desafio uma dezena de vezes. Sobretudo os dois pontos de Smith a sete segundos do fim e a desastrada falta do poste Anderson do Porto, que permitiu a Downs fazer o 86‑85 final em lance livre. As lamentáveis cenas no final do jogo e as afirmações destemperadas dos dirigentes portistas não merecem mais do que esta menção. Fica o nosso campeonato, 39 anos depois. E a ansiedade para a próxima época. A história nunca se repete. Mas seria muito bonito repetir o bicampeonato 40 anos depois.

O ETERNO CAPITÃO

Por Juvenal Carvalho
11 Jun, 2021

OPINIÃO

A mim, como a milhares e milhares de Sportinguistas, fez as nossas delícias. Era ele, a par de Vítor Damas, Rui Jordão, Carlos Lopes, Joaquim Agostinho, e outros, que me forrava as paredes do quarto

‘Primeiro vais jogar no Sarilhense, depois na CUF e, por fim, no Sporting CP’.

Foram estas as palavras de sua mãe, uma apaixonada por futebol, ao contrário de seu pai, homem distante deste fenómeno, que acabariam por ser premonitórias para alegria de ambos.

Falo‑vos, como é óbvio, de Manuel Fernandes. No passado dia 5 de Junho, o nosso eterno capitão completou 70 anos de vida. De uma vida dedicada ao seu/nosso Clube do coração. De uma vida repleta de sucesso a fazer o que gosta, e no Clube de que gosta desde menino.

De raízes profundamente humildes, nascido em Sarilhos Pequenos, uma pacata terra de pescadores e salineiros, situada na margem sul do Tejo, e que em criança ouvia às escondidas dos pais os relatos do nosso Clube, com o rádio tapado debaixo dos lençóis, chegou a Alvalade na década de 70 do século passado, para ter sucesso, e de todos nós um cantinho guardado no nosso coração para todo o sempre.

Estava desde cedo traçado o destino de Manuel Fernandes – o ‘nosso Manel’.

A mim, como a milhares e milhares de Sportinguistas, fez as nossas delícias. Era ele, a par de Vítor Damas, Rui Jordão, Carlos Lopes, Joaquim Agostinho, e outros, que me forrava as paredes do quarto. Era ele que fazia a minha felicidade quando coleccionava as cadernetas de cromos e saía na minha colecção.

Recordo jogos atrás de jogos. Recordo golos atrás de golos. Tantos de tão boa execução, como só ele sabia fazer.

Mas há um dia que me recordo como se fosse hoje, e que naquele momento eu, como tantos de vós, não queríamos que o jogo acabasse, na esperança que acontecessem ainda mais golos. Esse dia, foi o de 14 de Dezembro de 1986. O adversário foi o nosso rival eterno. Estava escrito nas estrelas que aquele haveria de ser o jogo da vida dele. Quatro golos, numa goleada que ficará nos anais da história, os célebres 7‑1. Nesse dia, Manuel Fernandes fez ainda mais história, a acrescentar a um pecúlio já de si verdadeiramente fantástico.

Acabada a carreira como jogador, foi treinador, com uma Supertaça Cândido de Oliveira no seu currículo, e ainda dirigente. Uma vida… uma longa vida de Leão rampante ao peito. O símbolo que ele ama, tanto como cada um de nós.

Como diz um slogan bem conseguido, ele é feito de Sporting. Respira o Clube por todos os poros da sua pele.

Ele será para todos nós o eterno capitão. O tempo voa, parece que foi ontem que o camisola 9 tratava a bola como poucos. Passaram já 70 anos de uma vida cheia. De uma vida com êxitos pessoais e colectivos. De uma vida de Sporting CP.

Até aos 71 anos, Manuel Fernandes. O Sporting Clube de Portugal é o teu/nosso grande amor.

Obrigado por tudo o que representas para todo e cada um de nós!

P.S. – O ténis de mesa conseguiu o hexa e o trigésimo oitavo título nacional do seu historial. Parabéns a esta secção.

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
11 Jun, 2021

JORNAL SPORTING

Edição n.º 3823 nas bancas e em formato digital

O Jornal Sporting n.º 3823 já está disponível a partir desta sexta-feira e o destaque na primeira página desta edição vai para a representação Leonina nos Jogos Olímpicos (JO) de Tóquio, que se realizam entre os dias 23 de Julho e 8 de Agosto.

Conheça, nas páginas interiores da publicação, os rostos, as marcas e toda a informação sobre os 16 atletas do Sporting Clube de Portugal que, até ao momento, já garantiram o passaporte olímpico. Isto e muito mais sobre aquela que será a 21.ª edição dos JO com representação a verde e branco.

No futebol, depois de mais um fim-de-semana recheado de jogos para os escalões de formação, espaço para o balanço estatístico da época da equipa B Leonina, que, no seu ano de reactivação, sem qualquer contratação, subiu à Liga 3 e continuou a desenvolver mais uma fornada jovens talentos.

De seguida, vez para a apresentação de Mariana Cabral e respectiva equipa técnica, que conduzirão os destinos da equipa principal feminina de futebol do Sporting CP já em 2021/2022.

Por fim, para além das crónicas dos jogos disputados pelas várias modalidades, destaque para o ténis de mesa, que escreveu mais uma página de glória para o emblema Leonino, sagrando-se hexacampeão nacional em pleno Pavilhão João Rocha. Saiba tudo sobre a mais recente conquista e leia os testemunhos dos protagonistas.

Representa um jogador extraordinário em campo e um lambuças tachista fora dele.