In Memoriam - 7 de Maio 1995

in: Ofensiva1906

«E a dor encharcou a rua, como se as pedras chorassem também e fossem oposição à passagem dos cortejos fúnebres de dois jovens roubados na flor da vida ao convívio de todos nós, da família sportinguista, dos pais, dos irmãos, aqueles que os viram crescer e os olhavam com o enlevo próprio de quem os vê a sua própria vida a tornar-se flor e fruto, ramos abertos ao céu da esperança e do futuro que, afinal, esses dois meninos não vão ter. (...)

Cobrem-se os rostos, tapam-se os olhos, agarram-se as mãos, pára-se no sofrimento, cabeça encostada aquém vai ao lado, recusa do coração em bater apressado. A do não tem comparação. As palavras não servem de quase nada. O repórter que libertar-se dos impulsos naturais do ser humano e mastiga lágrimas embrulhadas em saliva na boca cheia de raiva. Ali ao lado (…) os sportinguistas anónimos, a gente ilustre, homens que fizeram o Sporting, homens que vão fazer o Sporting, todos unidos no mesmo luto, no mesmo espanto, agarrados uns aos outros como náufragos da vida. (…).

Deixo-lhes junto às lágrimas uma palavra de conforto, a única que se pode dar nesta altura, aos pais e irmão do José Gonçalves, dizendo-lhes que o seu filho e irmão estará sempre entre nós, no meio da sua claque, da sua gente, do seu povo leonino. Faço o mesmo ao Paulo Ferreira garantindo a seus pais que a família sportinguista quer ele esteja sempre a seu lado, guardando a sua imagem, a sua camisola, e a sua esperança. Abracemo-nos então no meio da mágoa e encontremos nestes dois exemplos força para continuarmos unidos.»
Fernando Correia -Jornal Sporting
[b]

Os adeptos[/b]

«Faz hoje 12 anos e lembro-me como se fosse ontem…
Era para ter ido a esse jogo e, à última da hora, decidi não ir. O varandim que cedeu era habitual ponto de encontro com amigos para entrarmos todos juntos e vermos a bola uns ao pé dos outros, porque na altura os lugares da Superior Sul (habitual poiso) não eram marcados.

Não interessa reviver o quando, o como ou o porquê. Apenas isto: morreram 2 pessoas e de seguida houve jogo de futebol na mesma!
Anos mais tarde, no Jamor, a morte encontrou outro adepto Sportinguista cuja memória não foi respeitada pela mais alta instância do futebol português. E o jogo continuou…

Não consigo conceber que o futebol seja mais importante do que a vida. E como o futebol foi sempre, para mim, espaço de convivência, partilha de alegria e tristezas com amigos e família, Pai e irmão, não consigo evitar que as lágrimas caiam quando leio a mensagem de há 12 anos do Paulo Gonçalves.

Faz hoje 12 anos, mas podia ter sido ontem…
Que não se repita NUNCA MAIS!
Nuno Caetano»


«Estive para estar presente neste dia fatídico de maio de 95.
Por diversas razões não pode ir ao jogo e assisti à tragédia pela tv, sempre que me lembro do sucedido, penso que poderia ter sido eu a falecer na queda daquele varandim, é também na morte destes dois adeptos leoninos que penso quando o clube atinge algo de importante, pois é também para eles que a glória se materializa na imortalização do ideal sportinguista.
Onde quer que o Sporting vá, eles no céu, o vão concerteza apoiar.

Um abraço forte as suas familias, são quem mais sofre pelo seu desaparecimento.
Saudações Leoninas,
Rui Miguel Pereira»

Por acaso tb era para ir ver esse jogo. Mas não consegui bilhete.
E coincidencia da coincidencias, tb falhei a tal final do Jamor, por mais uma vez não ter conseguido o bilhete.

Paz às suas almas. :arrow:

Paz ás suas almas.
Acho que as claques e mesmo a direcção do Sporting,deviam fazer uma homenagem antes do jogo com a Académica.

Lembro-me que nesse dia, o Santana Lopes, que creio que na altura ainda não era presidente embora já se soubesse que iria ocupar esse cargo, acabou por não ver o jogo dando o suporte possível às vítimas do acidente.
Também defendeu a não concretização do jogo, mas isso infelizmente não aconteceu.

No futebol, os adeptos só são considerados na altura de pagarem os bilhetes, depois disso são totalmente desprezados.

Que descansem em paz.

Lembro-me que nesse dia, o Santana Lopes, que creio que na altura ainda não era presidente embora já se soubesse que iria ocupar esse cargo, acabou por não ver o jogo dando o suporte possível às vítimas do acidente. Também defendeu a não concretização do jogo, mas isso infelizmente não aconteceu.

No futebol, os adeptos só são considerados na altura de pagarem os bilhetes, depois disso são totalmente desprezados.

Exactamente.Grande atitude do Santana Lopes,eu teria feito o mesmo,mas teria feito mais uma coisa,ia ao balneario avisar que ninguem fosse jogar.

Lembro-me que nesse dia, o Santana Lopes, que creio que na altura ainda não era presidente embora já se soubesse que iria ocupar esse cargo, acabou por não ver o jogo dando o suporte possível às vítimas do acidente. Também defendeu a não concretização do jogo, mas isso infelizmente não aconteceu.

No futebol, os adeptos só são considerados na altura de pagarem os bilhetes, depois disso são totalmente desprezados.

Exactamente.Grande atitude do Santana Lopes,eu teria feito o mesmo,mas teria feito mais uma coisa,ia ao balneario avisar que ninguem fosse jogar.

Não sei se ele podia fazer isso pois nem era presidente. E se os jogadores nao subissem ao relvado, perdiamos por falta de comparencia.

Esse triste dia esta vivo na memoria de todos os Sportinguistas.
Jovens Sportinguistas perdem a vida enquanto vibram pelo seu Sporting.
Que Deus os guarde em bom lugar
Que eles descansem em Paz.

Lembro-me que nesse dia, o Santana Lopes, que creio que na altura ainda não era presidente embora já se soubesse que iria ocupar esse cargo, acabou por não ver o jogo dando o suporte possível às vítimas do acidente. Também defendeu a não concretização do jogo, mas isso infelizmente não aconteceu.

No futebol, os adeptos só são considerados na altura de pagarem os bilhetes, depois disso são totalmente desprezados.

Exactamente.Grande atitude do Santana Lopes,eu teria feito o mesmo,mas teria feito mais uma coisa,ia ao balneario avisar que ninguem fosse jogar.

Não sei se ele podia fazer isso pois nem era presidente. E se os jogadores nao subissem ao relvado, perdiamos por falta de comparencia.

(Não tenho a certeza se ele já seria o presidente) Falava com o Sintra,melhor perder,mas ganhar na dignidade.

Dignidade? Dass, se nós até comparecemos naquele jogo pós-época contra o Benfica, só para aliviar o ego dos lamps.
Nesse sim, deviamos ter faltado e manda-los pentear macacos.

Eu estive lá!

Provavelmente minutos antes do sucedido!

Só soube do sucedido depois do jogo ao chegar a casa! :frowning:

Que descansem em paz!

Estive lá. No momento exacto estava na fila cá fora da secretaria, para actualizar as quotas, lembro-me de ver o autocarro do FCP passar em frente à secretaria, 1 minuto antes da tragédia. Triste dia!

também estive lá, aliás estava a entrar na porta ao lado da superior sul quando o autocarro tripeiro chegou e a claque assomou ao varandim mas felizmente não vi a tragédia. Foi uma confusão, com toda a gente a querer ir fazer telefonemas para casa para dizer que estava bem e confusão generalizada no estádio. Ridículo ter-se realizado esse jogo.

Um dos dias mais triste do Sporting e não só da Juve, até porque desde 1976 ambas as histórias estão ligadas.
O jogo mais importante da época, o Porto seguia na frente e um mar de gente caminhava para Alvalade(como era hábito) na esperança de chegarmos finalmente ao titulo.
Nunca mais me esqueço (juntamente com a final da Taça onde um adepto do Sporting foi assasinado, esta é a palavra correcta), estava junto ás bilheteiras no antigo Pavilhão (não a Nave, é mesmo o antigo Pavilhão), quando chega o autocarro do Porto e se dá aquela tragédia.
Tudo o resto, o jogo, que segui pouco interesse teve.
O som das quedas e gritos ainda está na minha cabeça, juntamente com a imagem do corpo do adepto com uma camisola do Sporting de sangue machada de sangue naquela tarde no jamor (estava na Lateral).

Sei que estou atrasado…
È triste este tipo de situações , paz ás suas almas…!

Eternos Leões ! Descansem em paz !

Ninguém morre quando vive no nosso coração

José Gonçalves e Paulo Ferreira SEMPRE

:arrow:
:clap: :clap: :clap:

Não conhecia os visados, mas esta frase do Em Baixo à Direita diz tudo! :clap:

Era bonito um memorial em nome do José Gonçalves, do Paulo Ferreira e do Rui Mendes, em pleno José Alvalade.