Greve dos estivadores do Porto de Setubal


Autoeuropa em risco de parar a produção já esta semana

Três armadores internacionais trocaram Setúbal por portos espanhóis


Autoeuropa tem oito mil carros para entregar e terá de recorrer a Leixões e portos espanhóis

Portos espanhóis já estão a ganhar quota a Portugal

Greve nos portos volta a afectar exportadores

Esta Greve está a começar a ser dramática para a economia nacional.

Desde paragens de produção da AutoEuropa, escoamento de exportações, fuga de armadores para outros países, esta greve está a ter serias consequências para a economia Portuguesa, e principalmente para as empresas da Margem Sul.

Apesar de estar “solidário” com algumas reivindicações dos Grevistas, este é daqueles setores que não pode parar, sob pena de afetar gravemente a economia nacional, e afugentar potenciais investidores em Portugal.

Deveria o Estado ter uma intervenção firme nesta questão?

Muito grave.

E parece que o Governo não mete mão nisto. Estamos a falar de algo que prejudica seriamente o País.

E ainda queriam que a Tesla viesse para cá meter a super-fábrica de baterias!?

Enquanto não resolvermos estas questões tão importantes será bem mais difícil dar o salto para uma enconomia realmente competitiva.

Podíamos ser uma porta de entrada da Europa Sul/Central para tudo o que vem pelo Atlantico, mas sem portos e sem uma boa ligação ferroviária é para esquecer.

Não sei de que lado estará a razão e a culpa, mas cheira-me que (mais uma vez) os sindicatos não estão somente com o é melhor para os trabalhores em mente.

Aqui no Montijo vai um corrupio de camiões a levar e a trazer T-Roc’s e Sharans de e para a BA 6. :inde:

Nunca se viu tanta greve neste país. É polícia, é bombeiros, é estivadores, é tudo…

Mas os ratos do BE e PCP que sempre barafustaram imenso andam muito caladinhos, agora não ladram. Estranho. Ou não.

Para terem uma pequena noção, cá na Madeira, há lojas de electrodomésticos a garantir entregas em dois meses. Dois meses. Isto é muito grave. Está tudo com grandes atrasos por causa da greve dos estivadores do porto de Setúbal e os do porto do Caniçal, que é sobretudo por solidariedade.

Assim se prejudica gravemente um País. Os políticos assobiam porque haverá eleições. O BE e PCP, que controlam muitos sindicatos, estão em silêncio pois estão coligados com o Governo na Assembleia da República. O PSD e CDS-PP também levantam muito poucas ondas. Tudo conveniente com a greve. Agora, cabe ao Governo tomar uma posição de força e tem que o fazer, fazer mais que enviar somente a polícia para o porto e garantir que entra substitutos.

Podem chamar-me do que quiserem, ou dizer que tenho pensamentos ditatoriais e fascistas. Mas para mim, as greves deviam ser muito mais “controladas” e não como atualmente em que faz greve quem quer.

A greve é um instrumento que deve ser utilizado como último recurso e em caso de desrespeito reiterado por parte de uma entidade patronal. Por exemplo, manter condições de trabalho miseráveis e ilegais durante muito tempo. Nunca deveria ser permitida uma greve para reclamar aumentos salariais, por exemplo. Quem não está satisfeito com o seu salário ou acha que merece melhores condições de trabalho, que mude de emprego.

Ao contrário de 99% das greves, até me sinto solidário com aqueles que protestam em setubal (não aqueles bacocos que fazem greve “por solidariedade”) porque do que vou lendo acho que eles têm mais que direito a ver reconhecido o seu esforço com um vinculo contratual. Mas nestas situações, não se pode simplesmente fazer greve e paralisar todo um país. Não ajuda em nada nas negociações e os efeitos a longo prazo são muito nefastos para a empresa e os trabalhadores. Aliás, nestes casos até deveria existir uma comissão arbitral independente que, em virtude das propostas apresentadas, podesse aprovar ou não uma greve, por exemplo, ficando os “incumpridores” sujeitos a processo disciplinar.

No caso dos professores e restantes funcionários públicos é só ridiculo. empresa nenhuma do mundo depois de passar anos a ter prejuizo, quando regressa aos lucros desata a aumentar funcionários e recompensar por tudo o que não foram aumentados e promovidos nos periodos de prejuizo.

  • Guardas Prisionais
  • Professores
  • Bombeiros
  • Funcionários Judiciais (Oficiais de Justiça)
  • Juízes
  • Policias municipais
  • Enfermeiros
  • Estivadores
  • Técnicos de diognóstico e terapeutica
  • Trabalhadores CP (Sindicatos Ferroviários)

Palavra de honra. Nunca vi tanta greve em Portugal.

Estas ultimas semanas têem sido uma loucura de greves e anúncios de greves.

Depois querem ser levados a serio…

Certamente, não deves estar em nenhuma dessas classes profissionais ou ter alguém próximo nessa situação.

Que eu saiba as pessoas têm direito à greve e num dos casos, greve cirúrgica da classe de Enfermagem, foram angariados fundos para pagar aos profissionais dos blocos de “n” hospitais. Este dinheiro (350 000€) saiu do bolso de muito português que percebeu/acreditou/apoiou a mesma.

O que não acho compreensível é a forma como outros cidadãos ou outras classes profissionais acham que estão no direito de tentar boicotar/ditar as próprias leis sobre o direito do outro à greve.

No caso do SNS, que é o que posso opinar por ser a minha área, garanto que as pessoas só vão abrir os olhos quando as coisas piorarem ainda mais. E não estão nada famosas ao dia 6 de Dezembro de 2018…

Temos formação de excelência em diversas disciplinas da Saúde para outros países com verdadeiros planos e estratégias para a Saúde aproveitarem e usufruírem.

E sim, no caso dos funcionários da área da Saúde que estão em greve, a luta está longe de ser apenas por aumentos salarias. Lutam muitos dele por 35h de trabalho semanais, pagamento de “bancos de horas” com 200h e mais, descongelamento de carreira, entre muitos outras melhorias nas condições de trabalho. Aberrações para um país dito “desenvolvido”…

A principal questão mobilizadora de todas as greves a que estamos assistir é o facto de termos um governo que abriu uma janela de oportunidade a certas e determinadas classes, a partir daí toda a gente quer tratamento igual.
Mas o problema não está nas pessoas, está neste país de merda onde cada vez se vive pior e onde os grandes cada vez roubam mais.

Hoje em dia qualquer pedidinho dá direito a greve…então os gajos do Metro nem se fala!!! :wall:

Sobre os estivadores só me apetece dizer isto: Deem contratos de trabalho como deve de ser ao homens.

Concordo com tudo.
Agora falta saber é se o país pode pagar.
É que sem dinheiro não há palhaços.

Agora é a PJ.

Portugal está uma lástima! as pessoas vivem cada vez pior, estar aqui a dizer que as pessoas fazem greve pq sim é um desrespeito.

familias inteiras a viver com ordenados minimos? somos dos países com mais percentagem de ordenado mínimo . no ultimos anos (3 se não estou em erro) 60% dos contratados foi abaixo dos 800€

manquem-se todos, um gajo só de casa paga 500. já nem falo das despesas somos obrigados a viver com amigos ou familiares não é por acaso q vivemos até mais tarde em casa dos pais, não há condições!

Quando em qualquer empresa (nem falo dos monstros) se acha normal o topo ganhar à vontade 10 xs mais que a base, está muita coisa dita.
Quando não se premeia a excelência, nem se mexe índices básicos como produtividade ou eficiência, não podemos esperar muito mais…

Enviado do meu SNE-LX1 através do Tapatalk

O que é isso de “descongelamento” da carreira? Que raio de escalonamento é esse?

Porque é que um professor com 2 anos de serviço, que faça exactamente o mesmo que um colega com vinte ou trinta anos de serviço, ganha menos de metade, bem menos, do que o outro?

Ou um enfermeiro, à medida que tem mais anos de serviço tem de ganhar mais porquê?

Ou um oficial de justiça?

Ou…?

A progressão na carreira, pelo menos no sector privado, numa economia digna desse nome e em condições normais, só se faz de uma forma. Assumindo novas competências e/ou funções. Não há outra forma, e bem.

Porque raio um escrivão com dez anos de serviço tem de ganhar mais, fazendo exactamente o mesmo, do que quando entrou?

Aqui na Irlanda as empresas privadas dão entre os 5 a 7% por ano quase automaticamente. Chama-se bônus por antiguidade.

Como assim, podes explicar?

O que é que há para explicar? A esmagadora maioria da empresa faz yearly salary reviews para quem tem 1 ano de casa, 2, 3, etc. São bônus pela antiguidade e pela experiência.