Governo Mundial, nações submissas.

Bem, acho que a maioria deu-se bem. Não te esqueças que a maioria tinha, sem dúvida, um aparelho produtivo muito bom, uma população com um óptimo nível educacional, técnicos especializados.

Mas tinham problemas fundamentais. Viviam num cerco, numa prisão, pessoalmente limitados à condição de peças de uma máquina.

A Checoslováquia, a Polónia, a Eslovénia, os países Bálticos, são hoje países de primeira que se vão afastando de Portugal.

Na Alemanha do Leste, sim, existem problemas. Foi um choque sócio-económico. O desemprego é imenso. A mortalidade infantil tem uma explicação: a massa imigrante terceiro-mundista espalhou-se. É na Alemanha do Leste que mais exponencialmente aumentou o ressentimento xenófobo e por alguma coisa foi, não é?

infelizmente estás enganado a maior parte deu-se muito mal: Emigração em massa, guerras, o sistema produtivo que tinham evaporou-se, foi comprado ao preço da banana e desmantelado peça a peça, pelo Deutsche bank e pelos “abramovics”.

para que tenhas uma ideia na URSS o índice de desenvolvimento humano em 1987 era de 0,920 20 anos depois nenhum dos países que integravam a URSS voltou a alcançar esses valores.
http://www.developmentandtransition.net/index.cfm?module=ActiveWeb&page=WebPage&DocumentID=747
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_Human_Development_Index

podia estar o dia inteiro a dar exemplos desde o coeficiente de Gini à taxa de desemprego. como disse, tirando 1 ou outro país a maior parte do leste está pior. tanto que a queda da URSS é considerada uma das grandes catástrofes geopolíticas do séc XX

e sim, tinham problemas, a falta de democracia era um deles. mas a mudança deveria ter feita dentro de um modelo socialista.

Lisbon, acho que não estou assim tão enganado.

Estamos de acordo quanto à Alemanha do Leste. Acho que aí não há dúvidas que este país tenha sido assaltado pelo privatismo carnívoro. Embora nada esteja acima da unidade nacional de um povo.

[hr]

Quanto ao antigo Bloco de Leste, não pode ser minimizado o facto de que a maioria tornou-se um conjunto de países bem encaminhados e melhor do que antes, como te disse graças ao elevado nível educacional e técnico da população e de um excelente aparelho produtivo.

Os que estão mal, já estavam. Na Albânia de 1992 andava-se não de metropolitano, mas sim de burro, na capital.

Basta ires ao tópico do Levski de Sófia e perguntares se eles têm saudades da Cortina de Ferro.

Conheci pessoalmente Estónios, Polacos, Checos, Eslovenos, Croatas. Não há qualquer dúvida sobre as diferenças para melhor.

Que países pioraram? os países assaltados pelas máfias do leste sem dúvida, Rússia e Ucrânia principalmente. A Moldávia e a Roménia já eram pobres. Sempre foram os parentes pobres do Pacto de Varsóvia. É um problema cultural, não um problema de regime.

Basta ires ao tópico do Levski de Sófia e perguntares se eles têm saudades da Cortina de Ferro.

Viridis eles não tem saudade da Cortina de Ferro, não e por causa da Economia, mas porque a Cortina de Ferro adoptou regimes autoritários e sabes muito bem quais as caracteristicas regimes autoritários.

Economicamente estariam muito melhor, a União Sovietica emergida em 1917 do imperio russo era das economias mais fortes do mundo, podes ver isso quando da crise de 1929, foi o unico pais não afectado por essa crise e deve isso a Lenin que implementou a Nova Política Econômica (NEP), que recuperou alguns traços de capitalismo para incentivar a nascente economia soviética.

Os Paises da Cortina de ferro começaram foi a perder poder economico quando a USSR começou a cair em 1985 com as mediddas do Gorbatchov mas apesar da crise tinha uma economia poderosa. O seu PIB em 1985 foi de 1,2 trilhão de dólares.

Acho que vocês têm uma ideia um bocado lírica do Bloco de Leste.

O Bloco de Leste sempre viveu da propaganda e de uma imagem falsa.

Se conseguiu uma grande máquina industrial foi à costa de mão-de-obra barata, pessoas que sempre viveram no limiar do remediamento, sem qualquer hipótese de alcançar um sonho que não fosse o que está previsto no regime. E foi à custa duma industrialização que usava os recursos planetários de uma forma grotesca, pior que no século XIX. Tudo em nome do Grande Desígnio.

Até 1945 a Prússia Oriental, até então território alemão durante séculos, era um paraíso natural, social, cultural e ambiental. Em 1945 foi incorporada na União Soviética como Kaliningrad Oblast. Hoje é um dos mais graves legados de poluição da Europa. Tal como a China caminha para a destruição do seu país. Acho bem que o PCP se alie aos Verdes, é um sinal de que aprenderam que o ser humano não pode desprezar o meio onde vive para bem do fim supremo do ideal comunista.

Quanto a 1917, o Outubro Vermelho correspondeu à substituição de um regime sanguinário por outro ainda mais sanguinário, não apenas a uma guerra civil contra as tropas de Denikin. Durante e a seguir ao Bolshevismo aconteceu uma perseguição sem quartel ao próprio povo. Os opositores desse regime do “povo” era barbaramente executados ou obrigados a o ir para campos de trabalhos forçados. Não é propaganda americana.

A Holodomor (ou o genocídio ucraniano) foi algo que não explicável nem pelo conceito de Causus Belli. Foi um bárbaro genocídio perpretado às mãos do fanatismo soviético, uma vingança tirânica contra um povo que não queria submeter-se ao Comunismo. E foi assim que o Comunismo se implantou em todos os países da Europa e da Ásia. Pela força. Sempre pela violência. Polónia, Estónia, Letónia, Lituânia, Ucrânia, Hungria, China, Cambodja, Laos, Birmânia, é incontável. A própria Cuba adoptou uma política de assassinatos e perseguição política que foi uma autêntica carnificina sem respeito pela vida humana.

a questão é que a mão de “obra barata” tinha de longe mais qualidade de vida antes do que agora como o comprova praticamente qualquer indicador económico e social
agora sim, o russo, ucraniano, romeno ou croata comum pode aspirar mais alto…trabalhar num qualquer estaleiro de obras em portugal e a viver num contentor.
e sim, o capitalismo por oposição ao socialismo sempre soube resguardar os recursos naturais daí :lol:

holodomor, essa bela obra de ficção iniciada pela máquina de propaganda nazi. do que não se fala é por exemplo da fome de bengala, ou o genocídio de todo um povo na américa do norte ou das inumeráveis invasões e ingerências dos EUA e das outras potencias por ex. ao mesmo tempo que se andavam a matar no coraçao da Europa, EUA, França, Alemanha e mais uns tantos uniam-se para tentar matar a revolução bolchevique no “berço”. mas essas são coisas perfeitamente naturais e dentro do espírito da democracia. nunca com o uso da força pois claro

não quero com isto justificar um mal com o outro mas nos países socialistas do leste europeu as coisas não eram nem o paraiso pintado pelo PCUS nem o inferno pintado pelo capital. já o disse várias vezes, quem dera a Portugal um dia alcançar o nível de progresso economico e social de uma Hungria ou Alemanha de leste.

um granda off-topic mas tou sem tempo para escrever…

Sera que america esta por detrás das manifestações no irão?

A América está por trás de tudo o que de mal acontece no mundo. E tudo o que é bom só é bom se os americanos não tiverem lá tocado. ::slight_smile:

não quero com isto justificar um mal com o outro mas nos países socialistas do leste europeu as coisas não eram nem o paraiso pintado pelo PCUS nem o inferno pintado pelo capital. já o disse várias vezes, quem dera a[b] Portugal um dia alcançar o nível de progresso economico e social de uma Hungria ou Alemanha de leste[/b]

Granda exagero LISBON1906

Segundo o Banco Mundial, a economia portuguesa é a 36ª maior do mundo e ao longo dos últimos 40 anos Portugal foi o país da OCDE com maior taxa de crescimento do PIB.

Mesmo durante varias alturas negras a nivel economico manteve o PIB mais elevado do que a Hungria(uso a hungria pois não encontro os dados da Alemanha de Leste)

Podes ver o crescimento do Produto Interno Bruto apartir de 1960 até 2009 neste link
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_evolu%C3%A7%C3%A3o_do_PIB_Portugu%C3%AAs

E aqui embaixo podes ver o da hungria
http://www.google.com/publicdata?ds=wb-wdi&met=ny_gdp_mktp_cd&idim=country:HUN&dl=pt-BR&hl=pt-BR&q=pib+hungria

Podes comprovar que os valores do PIB sempre estiveram mais elevados em portugal, mas o dá Hungria nota um crescimento muito mais sustendado.
Existe tambem uma coisa que benificia a Hungria e não portugal, enquanto em portugal as exportações apenas comprem 65% do valor de importações na hungria as exportações compre 86% do valor das importações.
Mas essa seria unica coisa positiva a notas na Hungria.

Pois em coisas como a saude e a educação sempre foram muito defecitarios.

Não sei muito bem como estão as coisas a nivel de saude no pais neste momento, mas a nivel de educação estão muito mal, o ensino secundario lá apenas abrange até ao 11º não sendo os alunos do mesmo pais aplicavel ao erasmus.
Apenas uma das coisas basicas mas que ajudam muito hoje em dia os estudantes universitarios

eram apenas mais um pais para abastecer de petroleo e menos um com armas de destruição massisa naquela zona :wink:

estou com preguiça de ir procurar os dados que tenho algures sobre a hungria e a RDA :stuck_out_tongue:

mas para que tenhas uma ideia da economia húngara na década de 80 foi considerado o país mais moderno industrialmente enquanto nós em pleno século XXI ainda estamos numa economia baseada em mão de obra pouco qualificada e baratinha. outra coisa a ter em conta é que na década de 90, aquando da queda do socialismo, a economia hungara recuou 18%(!!) enquanto nós andávamos a encher os bolsos com os fundos europeus.

e se vamos aos indicadores de desenvolvimento humano eles estava melhores em praticamente tudo desde a esperança média de vida à taxa alfabetização lol nós nos anos 80 nem saneamento básico ou luz eléctrica em todo o país tínhamos.

quando tiver paxorra coloco aqui alguns indicadores ^^

Desculpa, eu não li holodomor, essa bela obra de ficção iniciada pela máquina de propaganda nazi, pois não? Quando ia começar a responder essa frase bloqueou-me. :o

Essa de negar o Holodomor é igual à do David Irving e a sua teoria da impossibilidade humana de executar o Holocausto.

Ficas mal nessa, Lisbon.

curioso, a nível mundial não há consenso, por exemplo Israel não reconhece o Holodomor e a 26 de Abril de 2010 o próprio presidente da Ucrânia Viktor Yanukovych na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa diz que seria errado reconhecer o Holodomor como sendo um acto de genocídio contra uma nação ou povo. mas chega-se aqui e ficamos a saber que se trata sem sombra de dúvida de genocídio :inde:

Assim que o nazismo tomou o poder na Alemanha em 1933, começou a ser preparada uma campanha anti-comunista, os nazistas puseram fogo no Reichstag e atribuíram o acto aos comunistas, com isso, o Partido Comunista da Alemanha foi caçado e seus membros presos, depois, Hitler caçou os Social Democratas.
Nessa época, surgiu outra forma de enfraquecer o comunismo: usando fotografias da guerra civil dos anos 20, usaram para reforçar o mito de milhões de mortes na Ucrânia, farsa criada pela propaganda nazista, que alegava que estava sendo aplicado um eficiente plano para exterminar em tempo recorde a população ucraniana que negavam-se a aceitar a coletivização, a notícia circulou na Alemanha, mas não teve muito êxito em outras regiões da Europa, essa notícia também foi publicada por alguns jornais britânicos, mas sem muita repercussão.
Então, uma porta abriu-se na América, William Hearst dono na época de 25 jornais diários, 24 semanários, 12 estações de radio, 2 serviços de noticias mundiais, era um grande empresário simpatizante do nazismo.
Nos anos 30, Hearst encontrou-se pessoalmente com Adolf Hitler na Alemanha, voltando de lá, trouxe a notícia que começou a ser impressa nos jornais norte-americanos a partir de 1935, falando da morte de milhões de ucranianos. Esse mesmo jornal também publicava artigos de Göring, porém, devido a protestos dos leitores, a publicação de artigos nazistas parou.
Sobre os números de mortes na Ucrânia durante o período dos anos 30 também é confuso, fala-se entre 3 milhões, e também fala-se do dobro, 6, 7 milhões, invenções de direitistas nazi-fascistas para desmoralizar o socialismo, pois como sabemos, o socialismo é uma ameaça para quem lucra com o suor dos trabalhadores.

:inde:
OU SEJA PROPAGANDA NAZI

Qualquer “ismo” que proiba a liberdade de expressão e de reunião não pode ser uma boa forma de governo, seja de direita ou de esquerda (se é que estes conceitos ainda fazem algum sentido hoje).

Apesar de pequeno, senti na pele, antes do 25 de Abril, o que é ser-se perseguido por se ter uma forma de ver as coisas diferente do que está instituído.

E conheci pessoas que viviam em países de Leste, na altura, e que passavam pela mesma situação. Aliás, continuaram a passar por essas dificuldades muito depois de Portugal já viver em democracia.

Sabem o que é sairmos de casa para uma reunião religiosa e irmos preparados para não regressarmos nessa noite a casa porque não sabiamos se seriamos presos? Sabem o que é os nossos pais terem tudo tratado para emigrar para o Canadá e quando vão para embarcar, não os deixarem embarcar porque o teu pai tinha ficha na PIDE, não porque era activista político ou uma ameaça para o estado mas simplesmente porque era objector de consciência quanto à guerra do Ultramar? Eu sei.

É verdade que agora vivemos em tempos marcados pelo desrespeito pelas instituições, pelos valores como a honra, o respeito, a família, por exemplo.

Mas é muito bom termos a liberdade de, por exemplo, estarmos aqui a escrever as nossas opiniões. E se nos quisermos reunir, seja para o que fôr desde que seja em respeito da Constituição, podermos fazê-lo à vontade.

Israel o país, cheio de moral, que só reconhece o genocídio do seu próprio povo e se recusa a reconhecer também o Genocídio Arménio e a história da Palestina?

Yanukovich, o capacho de Putin ao serviço da comunidade e máfia Russas na Ucrânia?

Só bons rapazes!

Gostava de saber o que tem Yanukovich a dizer sobre as expulsões de 3 milhões de Ucranianos do Don.

Gostava de saber o que tem Yanukovich a dizer sobre a substituição da população Ucraniana e Crimeia do leste da Ucrânia e subsequente relocalização forçada em, por exemplo, Lwów, antiga cidade polaca. Pergunta aos nossos amigos do Lechia de Gdansk, que até foram ver um jogo nosso com a Torcida Verde e pergunta-lhes qual a história do clube.

Se vocês tirassem o Hitler debaixo da cama e a dita esquerda do altar, seriam capazes de ter uma perspectiva mais neutra sobre o mundo.

Mas este tópico até era sobre a Pax Americana sob a qual vivemos, não era? :inde:

Já agora:

The mass murder of seven million Ukrainians, three million of them children, and deportation to the gulag of two million more (where most died) was hidden by Soviet propaganda. Pro-communist westerners, like The New York Times’ Walter Duranty, British writers Sidney and Beatrice Webb and French Prime Minister Edouard Herriot, toured Ukraine, denied reports of genocide, and applauded what they called Soviet “agrarian reform.” Those who spoke out against the genocide were branded “fascist agents.”

  • Eric Margolis

A fome que ocorreu em praticamente todo o território da União Soviética devido às colectivizações e à correspondente resistência dos kulaks, não se categoriza como genocídio, de maneira nenhuma.
Qual a responsabilidade de Stanislav Kosior e Vlas Chubar nas ocorrências em comparação com as de Estaline? Ainda hoje se nega que muitos kulaks queimaram as colheitas como forma de protesto contra as colectivizações. Porquê?

Censos oficiais

População ucraniana

1926 – 31,194,976

1939 – 28,070,404

Portanto houve um decréscimo de 3 milhões de pessoas em 13 anos. À equação temos que juntar a volga famine entre 1920 e 1922, ajudou a quebrar a taxa de natalidade de tal forma que em 1936, o governo vê-se forçado a proibir o aborto, para fazer aumentar o número de nascimentos.

Para morrerem 3 milhões de pessoas fora dos padrões demográficos, em 13 anos, era preciso que o número de nados-vivos fosse igual ao número de mortos compreendidos nos padrões demográficos.
1ª Hipótese
10 milhões de mortos entre 1931 e 1933, como defende Yushchenko.

IMPOSSÍVEL

2ª Hipótese
7.5 milhões de mortos entre 1931 e 1933.

IMPOSSÍVEL

3ª Hipótese
4 milhões de mortos entre 1931 e 1933. Vamos investigar.
Face ao panorama Ucrâniano, estamos a supôr que a população teve que aumentar 1 milhão em 13 anos, para matemáticamente, poderem morrer 4 milhões. Isso dá uma taxa de crescimento superior a 1 que já não faz muito sentido numa altura de fomes, epidemias, guerras e aborto livre até 1936.
Em Portugal, entre 1991 e 2001, passou-se de 10 356 117 para 9 867 147. Ou seja, Portugal em anos prósperos, sem aborto, e com uma enorme imigração dos países das ex-colónias, diminue a população. Enquanto que a Ucrânia nos anos 30, com aborto livre, epidemias e guerras civis, consegue aumentar a população em 1 milhão em 13 anos.

Muito Improvável

Aconselho a leitura deste livro, sobre a história do “holodomor”.

Fraud, Famine and Fascism
The Ukrainian Genocide Myth from Hitler to Harvard

by Douglas Tottle

Basicamente desmonta uma data de mentiras sobre o “holodomor”, sobretudo a parte fotográfica, onde o autor descobre que a maioria das fotos usadas nos media eram do periodo 1920-22.

Em suma, houve fomes fruto das colectivizações onde morreram pessoas. Mas, jamais aceitarei esse “show off” de números ideologicamente comprometidos, que não cabem no âmbito da matemática, nem da honestidade.

um “genocídio inegável” que até deu direito a emoticons de “olhos arregalados” em reacção de choque para depois saírem 2 posts que acrescentam 0 (zero) :inde:

realmente Israel não é exemplo para ninguém mas era apenas um exemplo de entre as cerca de 2 centenas de países incluindo Portugal, Suécia ou Irlanda. mais, em todo o mundo só para aí uma vintena de países é que diz reconhecer o holodomor.

“Uma mentira muitas vezes repetidas, torna-se verdade” - Joseph Goebbels

joão diogo juve estava mesmo para falar nesse livro
deixo aqui o Link para o o livro http://www.rationalrevolution.net/special/library/tottlefraud.pdf

já que se fala em Israel e voltando ao tópico os EUA vetaram no dia 18, no Conselho de Segurança das Nações Unidas um projecto de resolução, promovido pela Autoridade Palestiniana (AP), com o apoio de 130 países, para condenar a política israelita de ocupação do território e construção de colonatos na Cisjordânia. Em declarações anteriores, os EUA têm considerado “ilegítima a política de colonatos israelitas em território palestiniano” mas quando se tratava de passar das palavras aos actos, a não teve dúvidas em inaugurar o seu direito de veto na ONU, dando cobertura à política expansionista de Israel.