Gostavam de ver um "Alex Ferguson" em Alvalade ?

Deixo aqui a minha parte, que já estou contra o Paulo Bento há muito tempo, não foi porque empatou contra o Belenenses, por isso isso a mim não me toca.

Quanto a novas soluções para comandar a equipa do Sporting, não tenho cabeça para começar a pensar em tal coisa, o estilo que gostava de ver era o de um treinador disciplinador, um lider, um que metesse meninos na ordem e como tal deixo um treinador que o fez nos porcos apenas para perceberem o estilo que eu quero que é o do senhor Co Adriannse, e com isto não quero dizer que gostava de ter o Co Adriannse mas sim um treinador com o mesmo perfil mas com maiores qualidades porque apesar de tudo ele só foi campeão porque a equipa fez-lhe a papinha toda, por isso um que tenha estas caracteristicas e que junte a isso uma boa visão táctica e tecnica do jogo.

Não deixo nomes, porque não estou a par dos acontecimentos actuais

É algo impossível, sejamos claros. A mentalidade do português é muito diferente da do inglês. O Liverpool se levar três batatas em casa sai do seu estádio aplaudido pelos seus adeptos, aqui é lenços brancos (ou lencóis) e chamar-se nomes ao treinador. Sejamos correctos: era uma ideia com pernas para andar com pessoas com mentalidade no clube, com pessoas competentes e crentes no trabalho das pessoas. Actualmente isso pouco existe, excepto no caso do trabalho de Paulo Bento, onde a confiança é ilimitada até ao momento.

Depois vem a questão do projecto, do que se quereria para o futuro do clube e encontrar os técnicos certos para levar avante esse projecto. Parece-me manifestamente uma utopia, mas nunca saberemos.

Desde que, tenham a coragem de dizer aos sócios e adeptos, que não somos candidatos a coisissima nenhuma (porque essa é a realidade encapotada no momento) durante os proximos "x" anos e se está a constuir algo de base, não tinha qualquer problema em dar toda a tolerância a um treinador, mas tinha que ser um treinador a sério, não me falem em Bolonis, Peseiros, Queirozes, ou coisas do género.

A Paulo Bento, ainda lhe dou o beneficio da duvida, por muito que neste fórum já se tenha instalado o bota abaixo no treinador…

Partilho da mesma opinião, mas também que não venham jogadores de qualidade duvidosa quando temos jovens que podem fazer o mesmo ou melhor.

Abomino-vos a vós que assobiam a equipa e o treinador, quando a equipa perde, isso só revela ignorância e falta de bom senso

Porquê?

Mas estamos ou não a falar de uma empresa profissionalizada?

Porque razão o espectador, enquanto cliente que paga, ainda por cima bastante, não pode demonstrar a sua insatisfação pelo espectaculo?

Esta agora… :shock:

Se viesse o tal conceituado, para que iria servir se NADA conhece do Sporting e futebol Portugues?

Que conhecia o Adriaanse?

Mas chegou e ganhou o que havia para ganhar… e nem sequer era conceituado!

A estrategia do Sporting é aposta nos jovens, quem melhor que PB para tirar a melhor rentabilidade possivel? Conhece a realidade do clube, e os jogadores de juniores um a um

O PB foi treinador dos juniores durante uma época ou pouco mais… é por isso que seria o melhor para encabeçar um projecto desse estilo?

Honestamente, acho que o PB tem as suas potencialidades, agora não o vejo, de forma nenhuma, como a pessoa mais indicada para aplicar a estratégia que considero mais apropriada para o Sporting.

Ferguson só ganhou um troféu ao fim de quatro (!) épocas. Entrou em Novembro de 86 e só ganhou a Taça de Inglaterra numa finalíssima em Maio de 1990. Quatro anos… Desde os anos 50 que nenhum treinador aguenta no Sporting mais de dois temporadas completas, quanto mais quatro! A pressão da imprensa é demasiada, os adeptos são impacientes.

Como não me parece que isso vá mudar, temos mesmo de contar com durações curtas dos “reinados” dos treinadores. Por isso a estratégia tem de ser trabalhar com uma estrutura mais ou menos permanente - nas camadas jovens, no plantel, na SAD ou departamento de futebol e na equipa técnica dos seniores. O treinador principal é sempre a “cabeça coroada” que atrai as atenções, mas que tem de ser sacrificado quando as coisas não correm bem. Tem de ser um treinador de renome para aguentar o desgaste e “calo” para ser capaz de tirar o melhor dos jogadores que tem. Mas não deve poder fazer decisões de longo prazo, mexer na estrutura ou ter grande margem para inventar nas transferências (não mais do que um ou dois indicados por si), porque é certo que não estará lá durante muito tempo.

O melhor exemplo é o que Trappatoni fez com o Benfica há duas épocas. Nunca passou pela cabeça de ninguém que ele ficasse mais do que uma época ou que assumisse o controlo de todo o futebol. O que queriam era alguém que percebesse de futebol a rodos. E Trappatoni conseguiu espremer tudo dos jogadores que tinha e ganhar um campeonato contra dois rivais com equipas mais fortes - e no final lá foi à sua vida, sem grandes dramas.

Compare-se com Peseiro - que não é um mau treinador, apesar da porrada toda que levou - a quem foi dado o presente envenenado de controlo total sobre o futebol do clube. O resultado só podia ser o que aconteceu com Queiroz, Octávio ou Boloni, a quem se deram poderes semelhantes: quando as coisas começam a correr mal, saiem pela porta do cavalo, em conflito com meio mundo e deixando equipas em frangalhos. E lá se tem de começar tudo do zero no ano seguinte. Não é uma questão de nomes - é uma questão de insistir numa estratégia errada.

Por isso, respondendo à tua pergunta, não gostaria nada de ver um Ferguson anunciado por quatro anos em Alvalade. Já um Trappatoni por uma época, não se me dava nada…

Desde que, tenham a coragem de dizer aos sócios e adeptos, que não somos candidatos a coisissima nenhuma (porque essa é a realidade encapotada no momento) durante os proximos "x" anos e se está a constuir algo de base, não tinha qualquer problema em dar toda a tolerância a um treinador...

Num clube como o Sporting essas coisas nâo se podem dizer em publico! Nunca, mesmo que seja verdade…
Estes assuntos é como lêr entre linhas: nâo sâo(podem ser) ditas, sâo dadas a entender. A ultima tentativa de manter 1 treinador apesar de todos os problemas a pensar no longo prazo: Dias da Cunha/Peseiro.
DC quiz aguentar Peseiro against all odds e tramaram-se os 2…

Atenção que Peseiro esqueceu-se de ir a Alcochete ver o que por lá andava, até a aposta em Moutinho surge por não existir outro jogador para aquele lugar.

Eu acho que há massa adepta para poder levar esta ideia por diante, aliás é possível ganhar uma Taça de Portugal e ajudar o treinador a manter-se.

O Sporting consegue, na pior das hipóteses, ficar em 3º lugar, este lugar dá acesso às competições europeias e pode dar acesso até à LC, objectivo assumido pela direcção, logo vejo hoje pernas para andar e com o PB como lider é um facto, já que os amiguinhos todos que lá estão podem talvez remar para o mesmo lado…

O Sporting consegue, na pior das hipóteses, ficar em 3º lugar, este lugar dá acesso às competições europeias e pode dar acesso até à LC, objectivo assumido pela direcção, logo vejo hoje pernas para andar e com o PB como lider é um facto, já que os amiguinhos todos que lá estão podem talvez remar para o mesmo lado…[/quote]

O 3º lugar poder dar acesso à LC, é circunstancial. Quase de certeza absoluta que em em 2008/2009 vamos perder esse lugar para a Roménia ou Russia … e não vejo perspectivas de voltarmos o agarrar a curto prazo (precisaremos de 2 muito bons anos ou 3 bons por exemplo).

O Sporting tem que sempre se assumir como candidato ao titulo, mesmo com um terço do orçamento de outro concorrente. A unica exigência que eu faço aos profissionais do clube (dirigentes, treinadores, jogadores, etc) é colocarem o clube acima dos seus interesses pessoais enquanto tiverem contrato com o clube. Se todos tiverem essa atitude, o Sporting será sempre um candidato ao titulo em Portugal.

Abomino-vos a vós que assobiam a equipa e o treinador, quando a equipa perde, isso só revela ignorância e falta de bom senso

Porquê?

Mas estamos ou não a falar de uma empresa profissionalizada?

Porque razão o espectador, enquanto cliente que paga, ainda por cima bastante, não pode demonstrar a sua insatisfação pelo espectaculo?

Esta agora… :shock:

Se viesse o tal conceituado, para que iria servir se NADA conhece do Sporting e futebol Portugues?

Que conhecia o Adriaanse?

Mas chegou e ganhou o que havia para ganhar… e nem sequer era conceituado!

A estrategia do Sporting é aposta nos jovens, quem melhor que PB para tirar a melhor rentabilidade possivel? Conhece a realidade do clube, e os jogadores de juniores um a um

O PB foi treinador dos juniores durante uma época ou pouco mais… é por isso que seria o melhor para encabeçar um projecto desse estilo?

Honestamente, acho que o PB tem as suas potencialidades, agora não o vejo, de forma nenhuma, como a pessoa mais indicada para aplicar a estratégia que considero mais apropriada para o Sporting.

1-Os adeptos têm de compreender as circunstancias actuais da equipa e tentar dentro do possivel perceber o porquê de a equipa não ganhar. Os adeptos devem apoiar a equipa, na minha opinião. Se estão a espera de grandes espectaculos o melhor mesmo é alugar a SportTv e ver o Manchester United, porque em Portugal isso não existe. Para assobiar mais vale ficar em casa. O discurso da empresa não me diz muito, porque se isso acontecesse, nunca pagaria um tostão para apoiar uma empresa. O Sporting continua a ser o mesmo…

2-Adriaanse chegou e ganhou, mas já reparaste na concorrencia? Muito fraquinha…Adriaanse não é conceituado, nem é bom, ganhou porque era dificil fazer o contrário. O Boloni também não era conceituado e ganhou um campeonato…ha circunstancias que por vezes levam a que aconteçam essas coisas, no caso do Boloni a circunstancia chamava-se Jardel. A circunstancia do Sporting actual é preparar a proxima época com o mesmo treinador e mesma equipa, reforçada com contratações cirurgicas (ou seja sem interesses pelo meio)

3-O Paulo Bento como qualquer outro treinador não milagreiro, precisa de tempo para que a sua equipa fique consolidada e à sua imagem. Trata-se de uma questão meramente pessoal, eu acho o Paulo Bento o treinador com perfil para liderar este grupo.

Managing Manchester United

[edit] First seasons at United

He was appointed manager at Old Trafford on November 6, 1986. Ferguson was worried that many of the players, such as Norman Whiteside, Paul McGrath and Bryan Robson were drinking too much and was “depressed” by their level of fitness, but he managed to increase the players’ discipline and United climbed up the table to finish the season in 11th place. His mother died from lung cancer in late 1986.

Ferguson made several major signings at in the 1987-88 season, including Steve Bruce, Viv Anderson, Brian McClair and Jim Leighton. The new players greatly improved the team and they finished in second place, nine points behind Liverpool.

United were expected to do well when Mark Hughes returned to the club, but the 1988-89 season was a disappointment for them, finishing eleventh in the league and losing 1–0 at home to Nottingham Forest in the FA Cup quarter-final.

[edit] First trophy in England

During the summer of 1989 United signed two new midfielders to bolster their chances of success in the 1989-90 season: Nottingham Forest’s Neil Webb and West Ham United’s Paul Ince. Middlesbrough’s 24-year-old central defender Gary Pallister also joined the club for a fee of £2.3million. On the opening day of the 1989-90 season, United beat defending champions Arsenal 4-1. But in September, United suffered a humiliating 5–1 away defeat against neighbours Manchester City. Things did not improve during the rest of the 1989, and in November a banner declaring “Three years of excuses and it’s still crap. Ta ra Fergie.” was displayed at Old Trafford, and many journalists and supporters called for Ferguson to be sacked.[22] United went on a run of six defeats and two draws in eight games and Ferguson later described December 1989 as “the darkest period [he had] ever suffered in the game.”[23]

In January 1990, Manchester United were drawn away to Nottingham Forest in the third round of the FA Cup. Forest were one of the most feared cup teams in that era, and it was expected that United would lose the match and Ferguson would consequently be sacked, but United won the game 1–0 and eventually reached the final. This cup win is often cited as the match which saved Ferguson’s Old Trafford career.

In the final United drew 3–3 with Crystal Palace. United’s goalkeeper, Jim Leighton, was heavily criticised for two of Crystal Palace’s goals, and his form over the whole season had been poor. Ferguson surprised many by replacing Leighton with Les Sealey for the replay, feeling that Leighton was “not in the right mental state” to play in the replay.[24] United won the match 1–0 with a goal from defender Lee Martin. As FA Cup winners, United became England’s representatives in the European Cup Winners Cup the following season. However, they had finished a disappointing 13th in the league.

Fonte: Wikipedia

Haviam de ser lindas aqui em Portugal as críticas a Paulo Bento depois de 4 épocas em que na quarta ganhava uma taça sendo 13º do campeonato…

Defender a estabilidade de um newbie com base no Alex Fergunson não faz sentido, é desconhecimento.

O Fergunson quando chegou ao Manchester era apenas campeão europeu com o Aberdeen. Pode-se comparar Fergunson com um Mourinho ao chegar a um Chelsea, não com um Paulo Bento que está a tirar ainda o curso, com o mesmo nível de um folha ou um drulovic.

Outro factor que não ajuda à estabilidade é o método de trabalho latino. Em Inglaterra homens como Fergunson demonstram a sua competência (ou falta dela) não só no treino como no mercado. Em Inglaterra são managers, pelo que são responsáveis também pela escolha das contratações, batem o país a observá-los. Trabalham.

Fergunson não só foi sempre um treinador que lutou pelo título, mesmo não o conseguindo durante muitos anos, como foi também responsável pelo aparecimento/explosão de jogadores como hughes, giggs, sharpe, entre tantos outros. E os adeptos sabem-no.

Por fim em Inglaterra não existe a mesma cultura de culpabilização do treinador, com tanta facilidade, basta olhar para o caso de bluffitez, que por ter vencido uma CL tem carta branca para o disparate anual.

O Fergunson quando chegou ao Manchester era apenas campeão europeu com o Aberdeen.

Acho que tens aí um “europeu” a mais nessa frase. :wink:

tens razão, não foi campeão europeu, venceu foi a taça das taças e a supertaça UEFA.

Além disso o curriculum de Fergunson quando entrou para o manchester era “apenas” este:

Scottish League: (3) 1979/80, 1983/84, 1984/85 Runners-Up: (2) 1980/81, 1981/82 Scottish Cup: (4) 1981/82, 1982/83, 1983/84, 1985/86 Scottish League Cup: (1) 1985/86 Finalists: (2) 1978/79, 1979/80

European competition

European Cup Winners Cup: (1) 1982/83
UEFA Supercup: (1) 1983/84

Não faz sentido comparar com Bentos, Peseiros ou Bolonis, que chegam sem terem vencido uma carica. É natural que um homem destes, mesmo no início, tenha uma confiança mais prolongada dos adeptos, dirigentes e jogadores.

Para um melhor conhecimento da verdadeira fase “negra” de Fergunson no manchester, eis um texto, que ajuda a perceber como é que os adeptos do manure tiveram tanta “paciência” para ele…

o homem pegou no clube no fundo da tabela. Em 4 anos recuperou-o, reformulou o sistema de formação e montou uma equipa de conquistas. A partir daí inicia-se um período de conquistas.

Mesmo assim pode verificar-se no texto, que ele esteve por um fio, em 89.

1986-90: Dodgey beginnings

Ferguson’s first job was to lift United away from the foot of the table after Ron Atkinson had steered the club into trouble. This he accomplished but problems major remained. United’s reputation as a boozing club was not without foundation and Alex tackled the situation head-on. In addition, he revamped the youth team system, a decision that would repay a hundred fold. He paid minute attention to every detail of club life, first to arrive and last to leave was his attitude. Former United star Mark Hughes returned from Barcelona, Steve Bruce, Brian McClair, Gary Pallister and Paul Ince arrived but United were still adrift of the then champions, Liverpool. Though finishing an admirable second in 1988, 1989 brought dour anti-climax as the reds finished 11th. The side was hard working, methodical and dull, while Fergie’s cautious approach did not win the fans over. There was now growing doubt over whether Fergie was the man to turn United into Championship contenders.
Stretford End favorites Norman Whiteside and Paul McGrath were sold because of alcohol problems, they no longer fitted in with the new disciplined attitude Ferguson demanded. They were soon followed by Gordon Strachen, but this clear-out of quality players had a detrimental effect on the team. By January 1990 United were struggling at the foot of the table and chants of “Fergie Out” began to issue from stands and terraces, especially after a humiliating 5-1 defeat at Man City.

Martin Edwards always denies it, but Fergie’s job was on a knife-edge and it all came to a head in the 3rd Round FA Cup game away to Nottingham Forest. If United lost Fergie would have been sacked, no question about it. If the same situation had occured in today’s high pressure football world Fergie would have gone long before then. However, luckily for United, despite a disallowed Forest goal, Mark Robbins struck the winner and United had a narrow 1-0 win. United put a great run together and went on to win the FA Cup that season, playing every round away from home. After an epic 3-3 draw with Crystal Palace, it took a replay were defender Lee Martin gave Ferguson his first trophy, scoring the decisive goal in a 1-0 victory. Fergie now had some breathing space with the fans and board alike.

Os adeptos têm de compreender as circunstancias actuais da equipa e tentar dentro do possivel perceber o porquê de a equipa não ganhar.

Perceber o porquê da equipa não ganhar não é o mesmo que aceitar esse facto. E a realidade global actual do Sporting não impede que se critiquem aspectos individuais.

Os jogadores componentes da equipa não são uns tipos impecaveis que estão ali a esforçar-se pela dignificação do clube. São profissionais muito bem pagos a quem se deve exigir resultados.

Mas o grande problema nem são os resultados, são os comportamentos recorrentes que todos, mais uma vez, assistiram no sábado.

mas já reparaste na concorrencia? Muito fraquinha

A concorrência do Adriaanse era a mesma da do PB, ou por acaso estamos a falar de campeonatos diferentes?

Mas a questão nem é essa, o que o campeonato passado provou, como antes o ganho por Trapatoni já tinha feito (com as condicionantes conhecidas) e o de Boloni também, para dar exemplos dos três grandes, é que um técnico estrangeiro, mesmo sem ser conceituado, pode perfeitamente chegar e ganhar.

O Paulo Bento como qualquer outro treinador não milagreiro, precisa de tempo para que a sua equipa fique consolidada

Jesualdo está muito longe de ser um treinador milagreiro, e no entanto poucas semanas após a sua entrada no clube, entrada essa já em si fora de timing, construiu e mecanizou uma equipa, que se não é uma máquina, mostra todo um trabalho de base muito interessante, algo que o Sporting com mais de 1 ano teima em não mostrar… ou a mostrar só a espaços e denotando falhas que não se justificam para esse tempo de trabalho.

É impossível fazer esse tipo de comparações entre o futebol inglês e o nosso principalmente por questões de mentalidades.

No futebol português e principalmente nos três grandes é muito difícil um treinador durar mais de três temporadas, mesmo no Porto onde o sucesso é mais frequente não se vê disso, lá quem põe e dispõe é o Presidente.

Isso leva-me à minha velha teoria de que o que o Sporting necessita é dum Director Técnico, alguém que esteja acima dos treinadores e coordene todo futebol leonino gerindo um orçamento estabelecido pela Direcção planeando o presente mas sempre com os olhos no futuro

O Paulo Bento tem 1 ano como treinador sénior, Rui.
Com os jogadores que constatemente aqui criticamos estamos, mal ou bem, em segundo lugar.

A época passada, com os mesmos jogadores que criticamos por serem tão mediocres, pôs-nos a lutar pelo titulo já quando ninguem pensava que isso pudesse vir a acontecer. Se há coisa que o Paulo Bento não é, é mau treinador, e se há coisa que tambem não é, é ser banal. O que se pode apontar, mas isso já é caracteristica própria dele, é ser casmurramente fiel aos seus principios, “é assim e assim será”.

O Jesualdo deve ter 10 ou 20 vezes mais anos de experincia que o PB, no entanto parece-me excessivo atribuir-se-lhe a ele a forma com que o porto joga à bola pois para mim o mérito vai 70% para o Co.
O Porto tem jogadores com qualidade para jogarem muito melhor do que o que têm apresentado, portanto não é agora que o Jesualdo vai ser o maior, tudo bem lá ganhará o titulo, mas não era mais do que a obrigação face a diferença de planteis, que é o que pesa mais, digam o que disserem…

Deixem lá estar o Paulo Bento.

PS: A equipa do Trapatoni não era tão má assim. Nem pouco mais ou menos, e convem lembrar que esse foi um ano atípico em perda de pontos dos 3 grandes.

O melhor exemplo é o que Trappatoni fez com o Benfica há duas épocas. Nunca passou pela cabeça de ninguém que ele ficasse mais do que uma época ou que assumisse o controlo de todo o futebol. O que queriam era alguém que percebesse de futebol a rodos. E Trappatoni conseguiu espremer tudo dos jogadores que tinha e ganhar um campeonato contra dois rivais com equipas mais fortes - e no final lá foi à sua vida, sem grandes dramas.

Desculpa lá mas essa do Trapatoni que no seu tempo foi um grande treinador mas que já passou à história há muito, não entra aqui, porque essa equipa dos lamps foi das piores que eles tiveram nos últimos anos.

Quem ganhou esse campeonato foi o orelhas com os seus amigos na liga a controlarem os árbitros, os castigos e até os “estoris”, mesmo assim foram necessárias circunstâncias quase irrepetíveis como sejam um FCP com três treinadores numa só temporada ou um Sporting a chegar a uma final duma competição europeia

Os adeptos têm de compreender as circunstancias actuais da equipa e tentar dentro do possivel perceber o porquê de a equipa não ganhar.

Perceber o porquê da equipa não ganhar não é o mesmo que aceitar esse facto. E a realidade global actual do Sporting não impede que se critiquem aspectos individuais.

Os jogadores componentes da equipa não são uns tipos impecaveis que estão ali a esforçar-se pela dignificação do clube. São profissionais muito bem pagos a quem se deve exigir resultados.

Mas o grande problema nem são os resultados, são os comportamentos recorrentes que todos, mais uma vez, assistiram no sábado.

mas já reparaste na concorrencia? Muito fraquinha

A concorrência do Adriaanse era a mesma da do PB, ou por acaso estamos a falar de campeonatos diferentes?

Mas a questão nem é essa, o que o campeonato passado provou, como antes o ganho por Trapatoni já tinha feito (com as condicionantes conhecidas) e o de Boloni também, para dar exemplos dos três grandes, é que um técnico estrangeiro, mesmo sem ser conceituado, pode perfeitamente chegar e ganhar.

O Paulo Bento como qualquer outro treinador não milagreiro, precisa de tempo para que a sua equipa fique consolidada

Jesualdo está muito longe de ser um treinador milagreiro, e no entanto poucas semanas após a sua entrada no clube, entrada essa já em si fora de timing, construiu e mecanizou uma equipa, que se não é uma máquina, mostra todo um trabalho de base muito interessante, algo que o Sporting com mais de 1 ano teima em não mostrar… ou a mostrar só a espaços e denotando falhas que não se justificam para esse tempo de trabalho.

A realidade de Adriaanse é que a SUA equipa na altura, nao tinha concorrencia, tal como Jesualdo este ano. O campeonato Portugues é mesmo fraco e desnivelado, pois “basta” ter jogadores na equipa como Helton, Pepe, Assunção, Lucho, Anderson ou Quaresma para se ser campeao…ve la que até o PB seria campeao. Boloni só foi campeao porque chegou o Jardel…Adriaanse só foi campeao porque nao tinha concorrencia… Nao foi so por mérito proprio de um estrangeiro desconhecido que chega a Portugal, as vitorias em campeonatos.

Quero dizer que PB com a equipa do Porto também seria campeao…não se fazem omoletes sem ovos. PB muito tem feito, com jogadores como Romagnoli, Buenos e Martins, mas os adeptos ainda estão convencidos que temos uma grande equipa…temos de cair na real e admitir que estamos a construir uma equipa, assobia-la em nada vai beneficia-la.

Muitos treinadores passaram por Alvalade ao longo dos ultimos anos, e a consequencia dos maus resultados é sempre o seu despedimento! Será mesmo que temos tido assim tão maus treinadores, ou maus gestores de futebol? Será que o despedimento do treinador (seja ele qual for é contestado…) resolve sempre o problema?!

o Mourinho uma vez resumiu numa frase o que é preciso para se ser campeão em portugal:

“Ter uma boa equipa, nada mais. O resto vem naturalmente”

Essa das omeletes e dos ovos sinceramente já enjoa e logo a mim que não gosto de omeletes. O Sporting tem uma má equipa, bla bla bla, o Sporting não pode exigir mais do Paulo Bento, bla bla bla, o Sporting tem um grande treinador, bla bla bla…

O Paulo Bento fez um optimo trabalho a epoca passada e tinha um plantel ainda mais limitado que o deste ano, não sairam nenhuns jogadores fulcrais e entraram mais alguns que mesmo sendo mediocres acrescentam sempre maior escolha e possivel poder do Sporting, o grande facto é que o ano passo o senhor Paulo Bento não inventou em lado nenhum, aliás ele próprio sabia que iria ter alguma pressão e manteve-se fiel aos melhores jogador nunca abdicando dos mesmos e com uma equipa daquelas conseguiu entender a melhor táctica para ser utilizada que era basear o seu futebol na defesa e partir para contra-ataques e terminar todos os desafios. Esta táctica, considerada por muitos como uma táctica semelhante ao estilo utilizado em Itália, teve os seus frutos e conseguimos até discutir o primeiro lugar com os porcos, pois todas as semanas tinhamos o mesmo onze, a defesa era sempre a mesma, no meio campo eram sempre o Custódio e Moutinho e no ataque eram sempre Liedson e Deivid. Enfim, com estes ovos todos era de facto o máximo que podiamos fazer e na altura obviamente que não o critiquei.

Ora este ano raras são as vezes em que não mexe na defesa, sendo a defesa um sector importantissimo acham normal andar a brincar com a segurança defensiva que tinhamos e que por sinal era excelente do ano passado? Era necessário alterar os jogadores que ocupavam as suas posições na defesa depois de tão boa mensagem dada por eles no Campeonato passado? No meio campo, temos Moutinho e Nani, sendo que este ultimo já se queimou, mas até ao jogo de Sábado estes eram os dois unicos jogadores daquele meio campo, logo com um Nani irregular nunca poderiamos contar com boas exibições de niinguem em nenhum sector, mas houve um jogador que nos supreendeu e pegou de estaca na posição de trinco, abafando qualquer outro jogador que anteriormente usufruia dessa posição, mas afinal de contas só conta para central, e já que falo no meio campo não posso deixar de falar do mau uso que a posição 10 tem sido interprete, pois naquela posição já passaram Moutinho, Djalo, Martins, Farnerud, Romagnoli e Nani, acho que esta é altura ideal para parar de brincar com uma posição tão determinante para todo o jogo ofensivo, mas pronto se queremos andar a brincar então o Majestade pode ter o seu presente que é ver o Paredes a número 10. Na frente de ataque só temos Liedson e mais dois que são Bueno e Alecsandro, curiosamente o melhor parceiro para ele nem sequer é opcção para aquela posição pois vai sempre para o local errado na qual não consegue utilizar o seu potencial.

A partir da altura em que se brincam com os ovos, corremos o risco de podermos partir alguns e é isso que tem acontecido, neste caso o Paulo Bento tem os ovinhos todos, uns fora de prazo e outros ainda dentro do prazo, se calhar com todos dentro de prazo tinhamos um plantel melhor mas tambem se podem fazer omeletes com os outros, contudo andamos a brincar com os ovos e tendo em conta que são todos tão frágeis podem mesmo partir-se e assim não se fazem omeletes de certeza.