Gestão "à Sporting"

Já fiz referência no tópico da AG às declarações de Pedro Baltazar n’“O Jogo”, mas há 2 excertos na sua entrevista que julgo merecerem um tópico à parte, dado exemplificarem de forma gritante a gestão “à Sporting” praticada desde 1995 pela “pool” de “brilhantes gestores” criada e incentivada por José Roquette e seus delfins, com os fabulosos resultados que se conhecem.

Ora atentem:

Recordo ainda que duas destas quatro alienações previstas já estavam planeadas. O Alvaláxia e o Edifício Visconde de Alvalade estavam prometidos. O que é necessário é, de facto, o Estádio José Alvalade, a Academia e o prometido pavilhão. Alienar é a oportunidade de rentabilizar os imóveis!

Eh pá, nem o Jameson há semanas fala do tal pavilhão! Deve ser uma promessa com tanto valor como a do Robert Downey Jr que nunca mais toca em drogas. Será que ninguém lhe falou nisto no último jogo de canasta? :twisted:
Quanto às promessas de alienação da Alvaláxia e do Edifício Visconde, dado que Dias da Cunha não vai à AG, vai passar ele por mentiroso.
Alienar = rentabilizar - mais outro distinto diplomado da Escola de Gestão da Quinta da Marinha. Alienar é deixar de rentabilizar, e só se justifica se o que for obtido com a alienação for superior aos fluxos líquidos de dinheiro futuros descontados por uma taxa que inclua o efeito de incerteza. Ele que mostre as contas (se é que sabe o que é uma taxa de desconto).

Mas o melhor ainda está para vir:

Apoio, desde que seja feito a um preço que interesse. É uma grande oportunidade. Em Junho tínhamos de entregar outros bens aos bancos se não fosse assim, e ainda se faz dinheiro com a alienação!

Fónix! Os sócios são mesmo burros! Então ninguém ainda percebeu que o que nos estão a propor é juntar o útil ao agradável?!
Gostava ainda que este brilhante gestor me explicasse em que posição de força negocial se encontra uma entidade que tem que vender para não entrar em ruptura de tesouraria, e se ele espera que venhamos a obter de facto um preço muito interessante.
Há contudo um aspecto que me deixa muito curioso: que “outros bens” seriam penhorados (julgo ser o caso) se deixassem de ser cumpridas as obrigações nomeadamente com os Bancos e o Estado (os fornecedores privados aguentam e não choram, esta informação é segura e vem de alguém que desespera sempre para tentar receber dinheiro devido pelo clube)? Seriam bens da SGPS, da SAD, de outra sociedade? Ou poderia dar-se o caso de ainda haver avales pessoais e irem aos bens dos dirigentes, e os amiguinhos não quererem por nada que isso aconteça? E eu achava tanta piada… :twisted:

Ou poderia dar-se o caso de ainda haver avales pessoais e irem aos bens dos dirigentes, e os amiguinhos não quererem por nada que isso aconteça? E eu achava tanta piada... :twisted:

Segundo o Soares Franco ele e outro dirigentes estão ou estiveram nessa situação.

Ou poderia dar-se o caso de ainda haver avales pessoais e irem aos bens dos dirigentes, e os amiguinhos não quererem por nada que isso aconteça? E eu achava tanta piada... :twisted:

Segundo o Soares Franco ele e outro dirigentes estão ou estiveram nessa situação.

Eh pá! Se isso se confirmar é a melhor notícia de hoje! Até vou votar contra a alienação com mais gosto ainda! :lol:

Estão a vender o Sporting aos bocados!

http://www.abola.pt/wqua/wdia.htm

Entrevista de Tomás Aires, uma das poucas pessoas competentes que estava na direcção Cintra.

Algumas passagens:

“Numa entrevista recente ao seu jornal, o dr. Soares Franco, que considero um homem frontal e corajoso, afirma que o passivo, em 95, era de 4,5 milhões de contos — e os activos de 12 milhões, que na actualidade seriam 17 — em 97 de 15 e actualmente de… 60. É inacreditável! Nessa mesma entrevista, o presidente do clube diz que o investimento em infra-estruturas foi de 37 milhões de contos. Se acrescentarmos a este valor o do edifício Alvalade, concluiu-se que o património actual não é mais do que 40 milhões de contos. Logo, existe uma diferença de 20 milhões.”

" Falta apenas referir se é a favor ou não da venda de património…
— Não conheço a situação económico-financeira do Sporting, mas se for para fazer face a despesas correntes sou contra. Se for para dar tempo à introdução de novas medidas de gestão, que façam regressar a dimensão mundial que sempre teve, estou de acordo."

Estão a descapitalizar o Sporting, será o mais correcto de dizer.

Para que? Pergunto eu.

[b]se for para fazer face a despesas correntes sou contra[/b]. Se for para dar tempo à introdução de novas medidas de gestão, que façam regressar a dimensão mundial que sempre teve, estou de acordo."[/i]

Essa é que é a verdadeira questão.
Vender prédios para pagar ordenados não passa pela cabeça de ninguém de bom senso. :roll:

Mas é ISSO MESMO que FSF diz ser necessário vender património: fazer face a depesas de Tesouraria. :arrow:

Essa é que é a verdadeira questão. Vender prédios para pagar ordenados não passa pela cabeça de ninguém de bom senso. :roll:

Mais uma, no pasquim. Em relação à frustrada AG de ontem:

Carlos Araújo Sequeira confirmou que a sala do Centro de Congressos se tornou pequena de mais para albergar todos os sócios: «Foi um erro de cálculo meu, porque vim ver o local e tenho que confessar que pensava que a sala seria suficiente

Pelos vistos ninguém sabia sequer à partida a lotação exacta da sala, já que foi referido que, com os lugares quase todos ocupados e pessoas em pé, chegou a haver na sala… 1300 pessoas.

E querem que nós tenhamos confiança neste artolas (que dava até sinais de histerismo ontem) para dirigir uma AG e confirmar uma votação? :roll:

E querem que nós tenhamos confiança neste artolas (que dava até sinais de histerismo ontem) para dirigir uma AG e confirmar uma votação?

A votação devia ser por voto secreto, mas isso são os meus 50 centimos…