Futsal Feminino - Época 2021/2022

Sinceramente acho que as lamps continuam a ser as mais fortes. Mas vão usar mais do que até agora, isto sem dúvida.

Com os planteis conhecidos até agora o Nun` Álvares é o mais forte. Junta-lhes do slb, a Inês Fernandes, a Ana Catarina e eventualmente a Sara Ferreira e tens a base da seleção.

Estava agora a ver e da equipa bi campeã nacional de sub 17, campeã nacional de sub 19 e duas vezes vice campeã nacional no mesmo escalão, entre 2016 e 2018, apenas uma jogadora está no Sporting. Só uma curiosidade a maioria está nos Lombos e nos LPS que por acaso ficaram à nossa frente na primeira fase.

1 Curtiu

Se calhar era preciso perceber porque é que saíram e porque é que esta secção não consegue ser competitiva.

Desde o primeiro momento e lídei muito com elas, sempre fiquei com a ideia de que haviam duas secções de futsal no Sporting. A feminina era quase que considerada à parte.

É uma pena porque o futsal feminino também está numa fase de grande desenvolvimento em Portugal.

Bolinha baixa (que isto aqui é pavilhão)!:* «Balanços e as novidades da nova época»

Regresso do nosso dia do futsal aqui na Tasca do Cherba, desta vez estamos aqui para falar das épocas de cada uma das nossas equipas e para começar já a falar das novidades que vamos tendo no futsal leonino, por tudo isso venham daí!

Futsal Feminino
Lutadoras incansáveis, numa época complicada

Falar da equipa feminina é uma missão mais complexa, não só porque não se venceu nenhum título, mas por tudo o que aconteceu esta época. Sendo redutor e só olhar para a tabela, a época ficou aquém do exigido, nem nos mínimos exigidos a equipa conseguiu terminar a época, a verdade é que não dá para analisar a época apenas assim, custa e custou muito a equipa ter caído para a fase de manutenção, mas existem outros pontos que custam muito e muitos deles vêm de várias épocas.

A equipa teve a época mal planeada, foi tudo feito em cima do joelho, algo que se viu em outras modalidades como o andebol, mas neste caso de forma ainda mais gritante. A época arrancou tarde, com muitas dúvidas exteriores pelo momento que todos vivíamos, mas com ainda mais dúvidas internas em torno desta equipa. A equipa demorou para arrancar e para render, isso foi evidente nos primeiros jogos e está aí a explicação para esta nossa equipa ter caído para a fase de manutenção. Muitos problemas em torno desta equipa e muita falta de apoio, algo que foi piorando, tivemos imensos exemplos esta época de como o tratamento a esta equipa foi incorreto e longo daquele que devia ser para qualquer equipa, ainda mais uma equipa do Sporting. Desde jogos sem transmissão, a serem empurradas para o multidesportivo, até as redes sociais do clube ignorarem a equipa em demasiados jogos, foram muitos os exemplos e podíamos estar aqui horas a falar do que aconteceu. Não foi desta última época que esta equipa não teve o tratamento que merecia, o apoio que merecia e nem o planeamento que era exigido, o que contrasta com a nossa equipa masculina.

Falando do jogo jogado, a equipa demorou para conseguir colocar o seu jogo em prática, problemas na primeira fase, mas estas leoas mesmo na pior fase da época nunca desistiram e em todos os jogos lutaram e deram tudo, mesmo no duelo com o Benfica, onde a derrota foi pesada, mas onde estas nossas leoas entraram com tudo e conseguiram mesmo marcar primeiro. Os problemas foram sendo arrumados por Rui Ferreira ao longo da época, começámos com 1 vitória, 1 empate e 3 derrotas nos 5 primeiros jogos e acabámos com uma serie de 14 jogos sem perder, 12 vitórias e apenas 2 empates, além do bom futsal que a equipa ia demonstrando, com as jovens a assumir cada vez mais peso na equipa, com as estrelas a render e com vários regressos de jogadoras que estiveram afastadas por lesões.

Não podemos dizer que a época foi positiva, óbvio que não o podemos fazer, mas é preciso sempre contextualizar e entender que existiram problemas a mais nesta equipa e muitos deles por culpa nossa e de quem planeou esta época. Época sem taças, onde terminámos em 5º na primeira fase e em 1º na fase de manutenção, nem sempre fácil, nem sempre com as coisas a correr bem, mas em todos os momentos com leoas que mereciam mais apoio e que em momento algum baixaram os braços.

Para a próxima época já temos algumas mudanças oficiais, Rui Ferreira deu lugar a Márcio Marcelino, ótimo treinador que estava no Arneiros e que regressa assim ao Sporting, que traz com ele Tiago Santos que vai ser o novo treinador de guarda-redes, além de Hugo Silva e Válter Duarte que vão ser os novos adjuntos, a juntar a esta equipa técnica nova temos ainda uma nova coordenadora, falamos de Teresa Jordão, alguém com conhecimento e qualidade, que vem de várias épocas como treinadora, a última delas no Golpilheira, com todas estas mudanças temos algo novo, um planeamento atempado, com mudanças mais profundas tal como era necessário, não ficámos por trocar de treinador e sim fomos mais longe e isto é uma excelente novidade.

Em relação ao plantel, temos várias saídas, casos como a da Cláudia Dias ou ainda da Matilde Ferreira, que infelizmente termina carreira aos 21 anos, ela que regressou nesta temporada depois de duas graves lesões, mas a verdade é que apesar de tudo isso, a Matilde acaba por colocar um ponto final na sua carreira. Depois vamos ter várias entradas, no caso alguns regressos, mas como ainda não é oficial vamos aguardar pelas apresentações para falar de cada uma das caras novas, porque aqui não falamos de boatos. Vamos manter as peças importantes, vamos ter caras novas e por todas as indicações ter tudo bem planeado, mudando a pensar no desenvolvimento e crescimento do futsal feminino ao longo dos próximos anos.

Só uma pequena nota, José Almeida, o diretor do nosso futsal na apresentação de Márcio Marcelino disse que o objetivo é ficar sempre entre os 4 primeiros, para já esse foi o ponto negativo nesta nova fase do futsal feminino, indica que não vamos dar o salto no projeto para competir frente a frente com os nossos rivais e que o pensamento continua a não ser aquele que desejávamos, mas estaremos cá nas próximas semanas para ir falando de cada novidade, esperando que além tudo a maior mudança seja o tratamento dado a estas incríveis leoas.

Chega ao fim o nosso dia do futsal, muita coisa analisada e demos o pontapé de saída para o que está para vir nesta nova temporada. Obrigado a todos, espero que tenham gostado e que fiquem connosco a torcer por mais títulos!

*às quartas, o Zé Ricardo mostra que está mais atento que o mister Nuno Dias e traz-nos todas as novidades do Futsal

DEZ RENOVAÇÕES NO FUTSAL FEMININO

Por Sporting CP
28 Jul, 2021

FUTSAL

Técnico Márcio Marcelino vê o plantel começar a ganhar forma

O Sporting Clube de Portugal garantiu a renovação de contrato de dez jogadoras da equipa feminina de futsal que vão continuar a vestir de verde e branco na temporada 2021/2022.

Ana Fonseca (guarda-redes, 28 anos), Carlota Galvão (guarda-redes, 17 anos), Ana Alves (pivô, 29 anos), Carolina Baptista (pivô, 18 anos), Inês Gonçalves (ala/pivô, 27 anos), Carolina Pedreira (ala, 19 anos), Cristiana Gonçalves (universal, 30 anos), Jéssica Silva (fixo, 19 anos), Débora Venâncio (fixo, 26 anos) e Sara Tavares (ala/pivô, 25 anos) vão assim trabalhar às ordens de Márcio Marcelino, treinador que está de regresso a Alvalade, depois de uma passagem como estagiário em 2015/2016, para liderar as Leoas.