Fundo de Jogadores (o Football Players Fund, Ronaldo e outros jogadores)

Do DN de hoje:

[i]Venda de Ronaldo ‘matou’ fundo de jogadores

PEDRO FERREIRA ESTEVES
ORLANDO ALMEIDA (imagem)
A Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Sporting anunciou, esta semana, o pagamento de 3,240 milhões de euros à Orey Financial no âmbito da liquidação do fundo de jogadores constituído em 2001, que resultou no regresso ao clube de parte dos direitos desportivos de, entre outros, João Moutinho e Yannick Djaló. A razão para o fim da parceria foi a falta de liquidez do fundo, provocada pela venda de Cristiano Ronaldo em 2003.

O fundo atingiu um pico de rentabilidade de 80% com a venda do passe do actual jogador do Manchester United. Nessa altura, foram muitos os investidores que saíram do fundo com significativas mais-valias. Desde então, o valor da carteira foi caindo - devido à ausência de negócios semelhantes - e atraiu cada vez menos interessados, dada a dificuldade de voltar a retornos tão altos. No momento do fecho, a rentabilidade final do produto cifrava-se em 3%.

Investidores protegidos

A Orey Financial explicou ao DN que a solução encontrada visa “proteger os interesses dos investidores”. A SAD do Sporting paga 2,474 milhões de euros pelas fatias dos direitos desportivos vendidos ao fundos, nomeadamente os de Moutinho (10%), Djaló (28%), Paulo Sérgio (28%), Carlos Saleiro (26,5%) e Marcelo Labarthe (20%). Dinheiro que já havia recebido, em adiantamento, na altura em que colocou estes jogadores no fundo. E que resulta do valor actual da carteira do fundo que integrava estes jogadores.

A SAD leonina paga ainda 765,4 mil euros por créditos devidos, relacionado com vendas ainda por liquidar (pagamentos a prestações).

O montante total de 3,240 milhões de euros será pago em acções da SAD, numa percentagem total de 7,36% do seu capital.

O que ganhou o Sporting?

A vantagem do acordo celebrado com a Orey Financial estava relacionada com a injecção imediata de dinheiro nas contas do clube, com a venda de parte dos direitos despor-tivos dos jogadores ao fundos. O saldo final é difícil de calcular, porque depende das avaliações que foram feitas inicialmente (por um comité independente liderado por José Couceiro) e do valor final das transferência. Os exemplos mais penalizadores para o clube poderão ter sido as transferências mais avultadas, como a do Quaresma, Hugo Viana ou Ronaldo. Mas casos como os de Niculae, Danny, Luís Filipe ou Valdir, poderão ter acabado por beneficiar o Sporting. |[/i]

Isto ajuda a perceber, e muito, a gestão desportiva do clube. Alguém mais, sem ser o Sporting, lucrava com a venda imediata de vários jogadores, agora percebo melhor as vendas de Quaresma e Cristiano Ronaldo :(. Não sei até que ponto a insistência em Djaló tem alguma coisa a haver com este assunto.

Celebro com agrado o fim deste fundo, pois assim ficamos com menos interferências exteriores.

Alguém sabe mais pormenores deste assunto? Gostava de ter uma visão mais informada.

O contrato celebrado entre o Sporting e a banca que financiou o elefante branco do novo estádio, estipulava que o Sporting teria de realizar mais valias com jogadores no valor de 5.5 milhões de euros/ano para entregar ao banco. Só se vendesse acima desse valor é que disporia da diferença para reinvestir em jogadores. Por isso o Quaresma foi vendido pelo valor que foi. O Sporting precisava do dinheiro e não tinha grande margem negocial. A venda do C. Ronaldo, posterior, já foi por valores mais elevados.

Quanto à venda da percentagem dos passes aos fundos, foi uma forma encontrada para injectar dinheiro fresco de forma a colmatar os sucessivos balanços negativos de tesouraria. Felizmente, já acabámos com isso.

Isto dos fundos dos jogadores, pode ser bom negocio!! Obviamente que isso depende dos joagdores k fazem parte desse fundo, e dos valores que estiverem envolvidos!!! Isto para os clubes pode funcionar quase como um mero seguro!!! Se o jogador não for bom e não tiver futuro, o clube ganha, se o jogador for bom e sair por muito dinheiro o clube fica a perder!!!
Quantos jogadores vindo dos juniores ficam nos seniores!!!
Imaginemos k no fundo estavam jogadores como Carlos Martins, Diogo Tavares, Varela, Semedo, Paulo Sergio, Edgar marcelino, paito, valdir, nuno santos (Gr)!!! Quando estes jogadores tinham 18 ou 19 anos, quanto valeria 10 ou 20% do seu passe, e quanto valem ou valeram esses jogadores ao Sporting???

Mas como o Sporting tem conseguido aproveitar muitos jogadores dos juniores, poderá ser positivo.

Está aqui o best e o worst of do fundo: A Fonte é o Diário Económico algures no final de Setembro:

Ah, tenham em conta que, obviamente, o artigo é escrito na óptica do investidor e não na óptica do Sporting, pelo que os conceitos de “mais-valia” ou de “história de sucesso”, aplicam-se à percepção dos investidores da First Portuguese

Ronaldo resolve” e dá vitória ao fundo Ganho médio foi de 23%. Houve quem tivesse ganho 76% e o pior negócio foi uma perda de 32%.

Tiago Freire

Com cinco anos de vida, menos dois do que o inicialmente previsto, o fundo de jogadores do Sporting, conseguiu, na sua totalidade, criar valor. Em termos globais, o ganho foi de 23% face ao valor inicialmente investido, graças às rendas recebidas e ao valor de venda dos jogadores. Ainda assim, os investidores tiveram sortes diferentes, consoante os momentos em que entraram e saíram do fundo. De acordo com os dados da Orey, o investidor mais feliz conseguiu um retorno de 76% do seu investimento, enquanto a pior evolução “brindou” um investidor com um prejuízo de 32%.

Se algumas apostas se revelaram muito acertadas – sendo Cristiano Ronaldo o caso mais óbvio – outras nem por isso, devido às vendas por preço baixo ou pela saída do clube a custo zero, no final do contrato.

Dos 16 jogadores em que o fundo chegou a investir, em diferentes momentos, só cinco trouxeram uma mais-valia, enquanto sete geraram perdas e quatro foram vendidos ao preço a que foram comprados. Ainda assim, os poucos jogadores que renderam fizeram-no por todos. Só Cristiano Ronaldo, de cujo passe o fundo tinha 35%, rendeu mais do que todo o fundo em conjunto. Hugo Viana e Ricardo Quaresma, nas saídas para o Valência e para o Barcelona, respectivamente, também geraram retorno significativo.
Mas não há só histórias de sucesso. O romeno Niculae, por exemplo, foi quem mais prejuízo deu ao fundo. Este investiu 1,9 milhões de euros na compra de 25% do passe, em Julho de 2002, mas o jogador acabou por sair a custo zero, no final do contrato, pulverizando o investimento feito. Também Beto e Luís Filipe foram maus negócios.

São estas as contingências deste tipo de fundos. Com o passar do tempo, cada vez se aproxima mais a data do final do contrato e mais velhos ficam os jogadores, o que tende a diminuir o seu valor de mercado. Por outro lado, há jogadores que se valorizam, como é o caso de João Moutinho, mas que o clube não quer vender, pelo que perde valor para o fundo.

Dos jogadores em que houve investimento, processo iniciado em 2000, só três permanecem actualmente no clube sportinguista: o capitão João Moutinho, o jovem avançado Yannick Djaló e o goleador Liedson. O passe dos três é agora revendido ao clube, Liedson pelo valor pago originalmente e os restantes com um acréscimo devido à sua reavaliação positiva

Quanto a este tipo de política de gestão, é como o Giribi disse, uma maneira de garantir entradas em caixa de um modo célere e em alturas mais dificeis, pelo que não acho nada mal.

Falta fazer uma contabilidade idêntica da óptica do Sporting, ou seja, saber a diferença entre o que recebemos e a totalidade do que pagámos. E aqui é preciso notar que não falamos apenas dos valores pagos aquando das vendas, por conta da percentagem do fundo, mas também do “aluguer” dos jogadores durante o tempo em que jogaram no Sporting (é isso mesmo, o Sporting vendia percentagens minoritárias dos passes, continuava a formar e a valorizar os jogadores, dando-lhes a visibilidade necessária a uma transferência choruda, mas no entretanto tinha que pagar para os utilizar… :wall:).

PS- Parabéns ao excelente consultor do fundo que o convenceu a investir quase 2 milhões no Niculae quando este estava com o joelho todo rebentado… :twisted:

ofereço um bombom a quem criar um fundo com o Farnerud,o Paredes,o Labarthe e todo o entulho que for chegando pelas maos do nosso querido cacá

Eu gostava de ver alternativas de investimento relacionadas com jogadores de futebol. POderia ser interessante a existência de produtos do género deste fundo para pequenos investidores, lançado por clubes (até em exclusivo para os sócios) e intermediado por uma instituição habilitada para o fazer.

Mas, obviamente, num mercado transparente que por cá só está ao alcance dos tubarões.

A.A.

Estás a propor um investimento em jogadores escolhidos pelos adeptos ? ???
Não percebi. Parece-me uma ideia interessante, podias esclarecer melhor ?

Por acaso até poderia ser interessante criar um fundo reservado aos socios do SCP.

Tem sido claro que o SCP nao tem capacidade financeira para comprar jogadores maduros e com qualidade suficiente para serem mais valias para o onze.
Ao mesmo tempo, os adeptos teem reclamado que se contratem jogadores com nome.
A criaçao de um fundo reservado aos socios do SCP seria uma maneira de encontrar financiamento para investir na compra desses tais jogadores e portanto de satisfazer estas necessidades dos adeptos e socios.

Este fundo sendo reservado aos socios do SCP, o clube ja nao teria a pressao de vender rapido, ja que, ao contrario dos bancos ou dos fundos puramente especulativos, os socios estao interessados no sucesso do clube a nivel desportivo. Alias, o fundo até poderia ser reservado a socios ha mais de 5 anos para se ter a certeza do sportinguismo dos investidores.

As mais valias poderiam ser importantes para os investidores e poderia-se estipular nas regras de funcionamento que os melhores jogadores terao de ser campeoes antes de serem vendidos.

Se tivesse sucesso, o fundo até poderia servir de maneira de trazer mais socios para o clube.

Nao sei o que acham destas primeiras ideias mas estou interessado na vossa opiniao.

Estas ideias do fundo para os sócios foram lançadas pelo berardo quando anada com a mania que era fifiquista, há uns meses atrás. Para mim, não tem muita viabilidade, sobretudo nas condições faladas (sócios com mais de 5 anos) - vamos supor que há 30 mil pessoas com essas características, para ter algum dinheiro que se visse (5 M EUR, por exemplo), era preciso que cada sócio entrasse com 166 EUR. Depois haveria as discussões técnicas da treta, para uns o Purovic é craque, para outros é caruncho, idem para Djaló, o Moutinho já foi o supra-sumo agora está em queda…

Quanto ao fundo de jogadores do Sporting, na altura que foi criado foi uma ideia excelente, o Sporting fez dinheiro, e foi bastante, com jogadores que não vendeu. E pensem sobretudo em termos de futuro, se o Sporting tiver apenas 50% do passe de um jogador, deixa de lhe interessar vendê-lo! Ganha apenas metade. O fundo fechou neste momento precisamente porque o Sporting deixou de lá colocar jogadores a partir do momento em que sentiu ganhar mais em vender os 100% do passe (após o Ronaldo), e porque os investidores estavam a “perder” por causa disso, ora se os investidores estavam a perder, adivinhem lá quem é que estava a ganhar ::slight_smile: - agora reparem quem ainda estava no fundo: Liedson, Moutinho e Saleiro; ao SPorting neste momento interessa recuperar, por míseros 3 M EUR, a titularidade de 100% dos seus passes…aos donos do fundo interessa que o Sporting venda os jogadores…

Quanto é que não valeria um fundo constituido por 3-4 jogadores séniores mais jovens, mais os 10-15 jogadores dos juniores com chamadas às selecções, fundo este colocado à venda em Inglaterra???

Nao me parece que seja interessante por os jogadores oriundos da academia num fundo. O clube nao tem que comprar o passe deles, ja lhe pertencem a 100%.

Como escrevi mais acima, o fundo para socios seria destinado a compra de jogadores maduros que tragam mais valias ao onze.

Poderia funcionar por época. Antes de cada defeso abreria-se um novo fundo para o reforço do onze.

Exemplo:
Antes do defeso 2008/2009, abre-se um fundo para compra de passes. Os socios, consoante a sua disponibilidade, investem. Uns investem 100€, outros 1000, outros 10 000, outros 50. Imaginem que se consiga criar um fundo de 5M€ para o defeso 2008/2009. O SCP pode entao escolher de investi-lo num valor seguro. Os adeptos acham que investir no jogador X é consensual. O Jogador X custa 8M€. O SCP encara a contrataçao do jogador X como um referço efectivo do onze e uma oportunidade de investimento relativamente seguro, decide entao de investir 3M€ + os 5M€ do fundo.
O SCP detem 40% do passe, os adeptos detem 60%. O risco esta repartido por todos.
O jogador vem, confirma que é mais valia desportiva.
Ao fim de 2/3 anos é vendido por 20M€.
SCP e adeptos realizam uma mais valia financeira de 150% em 2/3 anos!!!

Eu tenho vindo a ler sempre com interesse e atenção as tuas intervenções, mas não há duvidas que tu estás em Paris a Cidade dos sonhos, mas nós aqui estamos na terra, é pena mas é a realidade. :’(

Isto anda tudo teso. Quem é que tem dinheiro para investir em fundos? Então se formos limitar esse investimento aos sócios, nem se fala. A malta já reclama dos preços das “boxes” e do valor das cotas, então calcula que nos pedem para investirmos não sei quantos milhões num fundo :inde: Tá bem tá :whistle:

PS- Jogadores consensuais eu não conheço

Talvez tenhas razao. Nao sei.
Talvez un tal fundo nao seja viavel. Seria preciso estudar a questao, fazer uma analise de mercado aprofundada.

Bem sei que a situaçao nao esta boa em Portugal. Conheço essa realidade.
No entanto gostaria de debater com os sportinguistas para encontrarmos soluçoes. Gosto do Sporting e custa-me ve-lo nesta situaçao. Gostaria de o ver mais respeitado na Europa mas tb pelos proprios portugueses. Talvez seja sonhar demasiado alto.

Agora, esta experiencia neste forum tem sido muito interessante. Uma das coisas que mais me tem marcado é o pessimismo ambiante, o fatalismo. Tentas encontrar soluçoes e as pessoas em vez de colaborar veem logo com “é impossivel”, “nao ha nada a fazer”… Os franceses, apesar de o serem, sao menos pessimistas. Acreditam mais neles proprios e sao capaz de ter iniciativas e procuram soluçoes.

Talvez tenhas razao to-mane, apesar de gostar do verde, talvez deva ter menos esperança.
Obrigado pelo teu comentario.
Abraço

First Portuguese Football Player's Fund com 7,36% da SAD CLUBE DE ALVALADE INFORMA CMVM DO NEGÓCIO

O Sporting informou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que a Sociedade First Portuguese Football Player’s Fund “vai receber até ao próximo dia 15 de Novembro, 1.620.000 (um milhão seiscentas e vinte mil) acções da categoria B”, correspondentes a 7,36 por cento do capital social da Sporting, SAD.

Informa-se, ainda, que a SAD não é titular de acções próprias, pelo que a participação que o referido Fundo passa a deter no capital da Sociedade corresponde a igual percentagem de direitos de voto.


In Record Online
Nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no Artigo 17º do Código dos Valores Mobiliários, informa a Sporting, SAD ter recebido nesta data uma comunicação da FIRST PORTUGUESE FOOTBALL PLAYER'S FUND, que passa a transcrever: " A Sociedade First Portuguese Football Player's Fund, adiante designada por SOCIEDADE, na sequência do Comunicado de facto relevante feito dia 15 de Outubro de 2007 pela Sociedade comercial anónima com a firma SPORTING - Sociedade Desportiva de Futebol, SAD, com sede no Estádio José Alvalade, 1600 Lisboa, com Número Identificação de Pessoa Colectiva 503 994 499, vem comunicar, ao abrigo do nº 2 do art. 16º do Código de Valores Mobiliários, que, por dação em cumprimento, vai receber até ao próximo dia 15 de Novembro de 2007, 1.620.000 (um milhão seiscentos e vinte mil acções) acções da categoria B, correspondentes a 7,36% do respectivo capital social, ficando assim a deter uma participação correspondente aos aludidos 7,36% (sete vírgula trinta e seis por cento) do capital social da SPORTING - Sociedade Desportiva de Futebol, SAD e, no pressuposto da inexistência de acções próprias, à mesma percentagem de direitos de voto. Ao abrigo dos termos do nº 1 do artigo 20º conjugado com o nº 3 do artigo 16º ambos do Código dos Valores Mobiliários a Sociedade é indirectamente dominada por DUARTE MAIA DE ALBUQUERQUE D'OREY e TRISTÂO JOSÉ DA CUNHA MENDONÇA E MENEZES enquanto titulares da totalidade do capital da OREY INVERSIONES SLu, a qual, por sua vez, detém uma participação de quinze vírgula cinco por cento da SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, Sociedade Aberta, SA e a totalidade das acções da TRIÂNGULO-MOR CONSULTADORIA ECONÓMICA E FINANCEIRA, S.A., por sua vez titular de uma participação de cinquenta e cinco vírgula quarenta e oito por cento na SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A., sociedade aberta, sociedade esta detentora da totalidade do capital social da OREY FINANCIAL SGPS, S.A. que detém a totalidade do capital da OREY MANAGEMENT B.V. que detém a totalidade da OREY INVESTMENTS N.V. a qual detém a totalidade do capital da FP-FOOTBALL PLAYERS FUND MANAGEMENT LTD a qual é titular de cem por cento das "found shares" da SOCIEDADE. A SOCIEDADE informa ainda que esta participação qualificada foi adquirida apenas e só nos interesses dos detentores das " ordinary shares." A SPORTING - Sociedade Desportiva de Futebol, SAD informa ainda não ser titular de acções próprias pelo que a participação que a FIRST PORTUGUESE FOOTBALL PLAYERS FUND passa a deter no capital desta Sociedade corresponde a igual percentagem de direitos de voto Lisboa, 19 de Outubro de 2007 Rita Corrêa Figueira

Vejam só esta quantidade de empresas que detém empresas e que por sua vez detém outras empresas :o

Olha que já vi ideias mais loucas…

Tudo bem, o pessoal reclama dos preços das quotas e das gameboxes, está sem dinheiro, etc. E é verdade que, quando a nódoa do Santana Lopes decidiu cobrar 25 contos de quota suplementar, a malta mandou-o - e bem - dar uma volta ao bilhar grande.

Mas a ideia do Paris parece-me bastante diferente. Não está muito longe dos “Supporters’ Trusts” que já se formaram em alguns clubes ingleses e escoceses para comprarem de volta os seus próprios clubes quando os dirigentes os deixam na ruína.

  1. Para já, teria um objectivo à vista e ao qual os adeptos são sensíveis (a compra de jogadores de qualidade = sucesso desportivo do clube) e um incentivo (um retorno da venda do jogador). Não é assim tão diferente de uma aplicação a prazo com um risco mais elevado. E se houve investidores para as acções da SAD - cujo dinheiro foi para não se bem onde e nunca terá retorno que se veja - haveria certamente para este fundo, sobretudo quando o Sporting tem já um bom historial de venda de jogadores por quantias astronómicas.

  2. Depois, era voluntário - ninguém era obrigado a contribuir e quem quisesse fá-lo-ia na medida das suas possibilidades e interesses. Há muita gente que joga pequenas quantias na bolsa - e um produto financeiro atractivo, destinado aos sócios (cinco anos parece-me excessivo, mas tem de haver um limite de um ou dois anos para inibir os oportunistas), podia captar essas quantias.

  3. Finalmente, podia ser uma forma de controlo e transparência no reino obscuro das transferências - introduzindo, por exemplo, uma assembleia para os participantes no fundo ou a obrigatoriedade de publicitação da avaliação do jogador (e da forma como essa avaliação foi feita) e dos detalhes da transferência. Claro que há sempre forma de aldrabar mas seria certamente mais difícil justificar a compra de um jogador por visionamento de um vídeo aldrabado ou para fazer um favor a um amigo.

Acho que a ideia merecia um pouco de atenção.

Claro que merece, Petro, mas nunca apenas limitado aos sócios. Teria que saer aberto a qualquer investidor, e não me admiro nada que mesmo os orcs mais fanáticos comprassem, com vista ao lucro que aquilo poderia trazaer :slight_smile:

Mais a sério, raramente jogadores comprados caros são vendidos caros, este fundo seria interessante apenas se “misturado” com vários jogadores provenientes da Academia.

Qualquer fundo de investimento tem um objectivo - dar lucro a quem nele investe.

O problema dos fundos de futebolistas é o de muitos fundos de alta rendibilidade - o risco é muito alto e, por isso, existe a possibilidade real de darem prejuízo. Nesse sentido, seria difícil uma ideia dessas resultar numa adesão significativa…

A ideia de limitar o fundo aos socios ha mais de X anos tem a ver com uma vontade de limitar a pressao de venda rapida do jogador, ja que os socios sao sportinguistas e estao portanto interessados nas performances desportivas do SCP.

A arbertura do fundo a especuladores puramente financeiros sem ligaçao emotiva ao SCP ou a benfiquistas poderia de facto aumentar o capital investido no fundo. No entanto, parece-me que o risco de ver o SCP ser pressionado para vender o passe do jogador ao cabo de um ano aumentaria. E impacto desportivo seria portanto muito mais limitado e traria instabilidade a gestao do plantel.

Agora a questao é de saber se a base actual de socios contem potenciais investidores que cheguem. Isso nao sei.
O que sei é que ja ouvi muitas vezes dizer que a maoiria da “elite” do pais simpatiza com o SCP. Nao sei se isso é verdade. Mas as “elites” customam gostar de investir na bolsa, em empresas, em projectos… Este fundo seria portanto uma oportunidade de investimento a medio prazo (2/3 anos). Tem os seus riscos mas tb pode ser muito lucrativo, alem de ser uma ajuda ao SCP na compra de jogadores que reforcem o onze. Seria juntar o util ao agradavel.

A questao da escolha do jogador é fundamental. Tem de ser um jogador que minimize o risco e idealmente que maximize o retorno do investimento (desportivo e financeiro). Isso é claro. Nao é facil é claro mas tb nao me parece que seja impossivel.
Talvez se deva analisar o mercado de jogadores de 23/24 anos. Ja estao prontos para alta rotaçoes e ainda se podem vender com 26/27 anos no ponte maximo da suas carreiras ou seja quando o passe deles mais vale.

Sinceramente não tenho os conhecimentos contabilisticos para dizer se realmente é favoravél para o sporting apostar nesse tipo de negócios no qual põe os seus melhores jogadores num fundo para tubarões investirem.Se bem que vou ter que fazer a cadeira de relato financeiro este semestre :lol:

Mas parece-me, posso até estar enganado que esse tipo de negócios só aumenta a pressão para que o sporting tenha que vender os seus melhores jogadores para alêm de que depende muito de como efectivamente o sporting utiliza o dinheiro que entra de forma rápida á custa de investidores que sonham com a venda dos jogadores do sporting.

Quando o Sporting estiver a jogar com o nacional, a roma e o porto, eu estou me a cagar po fundo, eu quero é ver os melhores em campo e não no ossassuna á custa da pressão dos investidores de um fundo qualquer!

Mas os meus conhecimentos contabilisticos não me permitem ter uma opinião mais formada e estruturada, como tal estou a comentar o que me parece sem verdadeiro conhecimento de causa.