FPF pondera terminar com modelo actual das equipas B e criar um campeonato sub23

Acho que este tópico merece discussão (não sei é se o post está na secção correcta, se não estiver peço à moderação que o mova), tanto no contexto geral do futebol português como mais especificamente no do Sporting, que (parece-me pacifico) tem desaproveitado nas ultimas épocas este espaço.

Gostava de saber a vossa opinião. Concordam com esta medida? Se sim / não, porquê? Consideram que o sucesso das seleções jovens e A se deve ao facto de os miúdos competirem desde cedo vs seniores calejados, ou será por outros factores? Acham que o Sporting sairá beneficiado com esta mudança, ou o ideal seria manter o modelo actual com uma “varridela” no plantel da B?

[hr]

Citação da notícia

O jovem futebolista português é um produto cada vez mais valorizado e procurado no mercado internacional e acredita-se que este valor não está a ser totalmente potenciado no nosso país e, acima de tudo, pelos nossos clubes.

A ponte entre os escalões de formação e o escalão senior nem sempre é feita nas melhores condições, algo que impede que os jovens, sobretudo entre os 18 e 23 anos, encontrem o seu espaço e usufruam de oportunidades para prosseguirem a carreira no futebol senior no clube que lhes deu a formação.

É verdade que as equipas B foram uma janela de oportunidades para alguns dos valores nacionais emergentes, mas a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) não está totalmente convencida com os resultados e acredita ser possível uma solução de enquadramento mais capaz para as centenas de jovens que neste momento são obrigados a seguir outros rumos, sem que isso signifique, ainda assim, o fim das «bês».
O jornal A BOLA refere que a FPF está apostada em avançar com um campeonato sub-23, algo semelhante ao que acontece em Inglaterra, e que conta já com a opinião favorável de muitos dos emblemas que competem no escalão máximo do futebol português.

OS OBJECTIVOS

O organismo que rege o futebol português acredita que é possível seguir as pisadas do sucesso inglês. Em questão não está o fim das equipas B, mas sim um complemento. Ou seja, outra capacidade de os clubes distribuírem os seus jovens e de os poderem acompanhar de perto e potenciar de outra forma.

Um dos principais objetivos passa pelo alerta para a importância da aposta em jogadores portugueses - apenas 5 das 18 equipas da Liga têm uma percentagem de jogadores lusos no plantel acima de 50% [veja a tabela] -, bem cotados por essa Europa fora.

A valorização da faixa etária 18-23 anos, que, segundo dados apresentados pelo jornal A BOLA, envolveu negócios no valor de 2434,2 milhões de euros em 2017, também acentua a vontade da Federação olhar para o modelo do Campeonato Sub-23 com muito bons olhos.

PORQUÊ O MODELO INGLÊS?

A razão é simples. O modelo tem funcionado bem em Inglaterra e tem dado frutos, sendo a conquista do campeonato do mundo de sub-20 por parte de Inglaterra o exemplo perfeito que atesta esta aposta inglesa num enquadramento adequado para os jovens entre os 18 e 23 anos.

Em suma, o campeonato sub-23 permite um crescimento progressivo num contexto altamente competitivo e que potencia os resultados não só ao nível interno, mas também no contexto internacional.

Será este o caminho mais indicado para Portugal?

Completamente contra.

A ideia de inserir as equipas B na 2ª Liga era aumentar o nível de competitividade a que os miúdos são sujeitos.

Uma Liga Sub23 acabava por ser mais um escalão de formação, contra os mesmos jogadores que apanham desde mais novos.

O que devia ser feita era regular o plantel das equipas B, quem descia da A etc. Ex: só podia descer à B se não tivesse sido utilizado nos últimos 5 jogos.

Inglaterra deve ser um exemplo sim, mas no tipo de formação e academias que foram criadas e desenvolvidas em quase todos os clubes profissionais. Incomparável…

Tem assim tão bons resultados em Inglaterra? A nível de seleções jovens de facto eles tem estado a excelente nível,as nossas também beneficiaram da equipa B, os sub 19 e Sub 21 tem estado em bom nível, a nível de clubes que aproveitamento tem feito os clubes Ingleses do mesmo?
Pessoalmente sou contra, vejo isto como um prolongamento dos juniores e nesse sentido vejo os atletas com mais talento a serem prejudicados por esta medida, estão a propor-lhes que continuem a bater em mortos até aos 23 anos, mortos esses que não oferecem nem nunca ofereceram nenhuma competitividade, dou como exemplo o Leão, falamos de um jovem que no seu primeiro ano de júnior já demonstrava precisar de um estímulo superior, vi-o ao vivo na Pedrulha e o rapaz estava completamente a cagar-se para aquilo, tão pouca era a competitividade que lhe estavam a oferecer, chegou à Segunda Liga e melhorou a vários níveis, e está agora na equipa A, tem muito que caminhar é certo, mas não estaria ao nível que está num campeonato sub 23, contra sapateiros que vão acabar nos clubes mais fracos do CP ou nos Distritais, isto iria obrigar também a manter sob contrato inúmeros jogadores que só ali estavam para aquilo, que não teriam quaisquer perspectivas de subir à equipa principal, os empresários é que esfregam as mãos com isto.
Infelizmente esta história dos empresários e dos jogadores com contrato v verifica-se em número preocupante na nossa casa.
Parece-me que somos um grande apoiante desta medida, não digo que somos mentores disto porque não tenho certezas para afirmar tal coisa, acho que internamente tem que existir um grande debate sobre a B, temos uma B que erra a vários níveis época após época, temos um Presidente que tem demonstrado grande vontade de acabar com a mesma.
Que se analise tudo muito bem, pois ao nível da B somos um exemplo a não seguir, campeonato sub 23 não me parece minimamente o caminho, bem pelo contrário.

Exactamente. Concordo plenamente.
Mais, para além do campeonato de sub-23 tem uma Liga de reservas super competitiva. Comparar o nosso modelo com o Inglês é patético.

Em Inglaterra, eles andam é danados para meter as equipas sub-23 a competir nos escalões secundários profissionais. Provavelmente só não o fizeram ainda porque gerou controvérsia, como seria de esperar.

Burrice de todo o tamanho…

Porque não impor um limite de 23 anos às equipas B?

Eu sou a favor do modelo inglês, campeonato de reservas.

Porquê? Esse modelo já houve em Portugal (salvo erro chamava-se Liga Intercalar) e foi um fracasso

Porque a verdade desportiva de um campeonato profissional (a 2°liga) não pode continuar a ser posta em causa pela existência de equipas B

O desenvolvimento dos jovens atletas tem de se enquadrar em quadros competitivos em que garantam competição em condições iguais e não o que tem.sistematicamente acontecido com equipas como o Farense, o Atlético, o Oriental, o Fafe, etc etc.

A classificação final está muito dependente de quem joga ou não no fim contra as equipas B, que sendo reforçadas branqueiam o que foi jogado para trás.

Não concordo com a ideia da FPF, embora ela seja típica da cultura tuga: Mudar o que está bem, só porque viram uma cena no estrangeiro.

O problema real é a corrupção que está instalada no futebol português e que afecta - entre muitas outras coisas - a segunda divisão onde estão as melhores equipas b.

Na minha opinião, as selecções inglesas de formação estão mais competitivas porque têm bons seleccionadores. Os campeonatos de reservas deles sempre existiram. E, pegando no mesmo argumento, acho que Portugal já teria papado mais títulos nos sub-17 e sub-19 se tivesse treinadores a sério e não Emílios Peixes.

Para mim, o grande problema da Inglaterra ao nível de selecções seniores é o facto do campeonato inglês ter um calendário de jogos excessivo. Depois, a maior parte dos jogadores ingleses chegam aos Mundiais já desgastados, independentemente do talento geracional.

Espero que não vá para a frente esta alteração.

As equipas B são importantes porque permitem aos jovens se adaptarem mais facilmente ao futebol sénior, algo que é para muitos um enorme choque.

Este choque permite aos jogadores enfrentarem dificuldades, dificuldades essas que os permitirem evoluir, nenhum jogador evolui se não enfrentar dificuldades e desafios.

Um campeonato de sub-23 era mais um campeonato de formação, algo que só ia conduzir a vários jogadores estagnarem.

Estagnarem taticamente, mentalmente, fisicamente…

Dito isto, se realmente a FPF criar este campeonato espero que o Sporting apenas utilize jogadores de 2º ano de juniores e aquele jogadores de 1º ano de sênior que ainda estão muito verdes e tem pouco potencial, todos os outros, se não houver equipa B, que sejam emprestado ou mesmo aposta na A se tiverem potencial e qualidade para isso.

Muitos gostamos de estragar o que está bem, para copiar o que se faz no estrangeiro…

Não tenho uma opinião formada sobre o assunto, por isso “só observo”. :lol: Ou melhor, tenho sobre as equipas B, mas não sobre um hipotético campeonato sub-23.

Mas essa notícia aí em cima também não é particularmente esclarecedora: “PORQUÊ O MODELO INGLÊS?” Um gajo à espera de uma análise cuidada, com pontos fortes, fracos, com exemplos concretos de jogadores e clubes, e afinal a resposta que dão é “Porque a Inglaterra foi campeã do mundo de sub-20”. Até parece que se tivessem perdido na final com a Venezuela, agora o que faria sentido seria “copiar” o modelo venezuelano…

Já houve campeonatos de reservas num passado distante, num passado menos distante e num passado próximo (há uns 6 ou 7 anos). Foi sempre um fracasso.

Com que dinheiro as equipas da 1ª Liga criam TODAS mais um plantel profissional?

1º A ideia das equipas B foi boa, porque os jogadores jogam num patamar competitivo superior, que os faz evoluir!
2º A ideia das equipas B, apesar de boa, não tem pernas para andar porque gastar 3 milhões numa equipa B é como querer o TGV em Portugal e estarmos tesos (nem os EUA o tinham). há que ser responsável e gerir bem onde se gasta o dinheiro (e não venham com a treta das contratações falhadas porque dezenas e dezenas de grandes craques que custam várias dezenas de milhões mudam de clube e flopam completamente e isso vai acontecer sempre no futebol há é que melhorar também nesse aspeto e acho que o estamos a fazer bem também)
3º Os sub 23 não tem pernas para andar porque o objetivo é os jogadores fazerem ± 1 ano num patamar competitivo muito superior e depois escolher os melhores para um patamar ainda acima (1ª liga).sub 23 não é patamar superior.
4º O que vai ter pernas para andar é o Sporting fazer um protocolo com 1 ou 2 clubes da segunda liga em que o Sporting escolha e pague o treinador e empreste os melhores jogadores que subiriam, ou até a totalidade provavelmente se for mais do que um clube a fazer o protocolo. com isto mantemos os jogadores a evoluir sob o nosso modelo de jogo, ajudamos outro clube e livramo-nos da maior parte das despesas pois os ordenados dos jogadores serão suportados na totalidade pelo clube receptor ou pelo menos uma grande percentagem dos seus ordenados, conforme o protocolo estipulado.
5º Esses milhões poupados em ordenados, viagens (autocarro e avião), estadias (em hoteis e na nossa academia)… poderão depois ser investidos nas modalidades, no melhoramento/aumento das instalações desportivas…Dentro desta linha

Essa ideia é a pior de todas, nunca resultou…

Espero que a FPF avance com isto. É uma palhaçada haver equipas B a competir com outras equipas na segunda liga e podendo alterar a verdade desportiva, uma vez que num qualquer jogo a equipa B pode jogar com jogadores da equipa A ficando a equipa mais forte noutros não jogar com jogadores da equipa A ficando a equipa mais fraca

Para isso criam-se restrições, é perfeitamente possível fazê-lo, avançar com este aborto que irá provocar um enorme retrocesso também não me parece grande ideia.

I think a youthplayer has to be ready at 20 years old maximum to be part of the A squad. If he isn’t ready you have to let him go.

I don’t know very well the second division because I live in Belgium but the idea of letting compete youth players on a higher level is a good thing.

Sometimes I see that Sporting buys players for the second team, I don’t understand that the results there aren’t important. If they end up one position above relegation that is enough if they get play time and get experience.

Team that i support in Belgium has also a good academy and produced some great players like Thibaut Courtois or Kevin de Bruyne and there they use if a player is not ready for A squad at age of 18 (exept fysics) then he is not good enough.

If we look at Sporting, Palhinha how many minutes did he get this year, isnt’t it then not better to let him go on loan to a team where het gets minutes. If you want to introduce Youth players your coach has to give them play time and I think our coach isn’t one who will give fast play time to a youngster. If we look at the youth players who emerged from the club the last years then I only see Gelson and maybe Podence. Gelson wouldn’t have started if Bruno Cesar was eligeble against Porto when I came to Sporting. Yesterday Rafael Leao wouldn’t have scored if Doumbia didn’t decide to leave the pitch before the break. If you read the comments JJ had fear that Rafael Leao couldn’t do it. If you don’t give your best youngsters chances (10 15 minutes at the end of games that are won) they won’t get experience.