Faleceu Jorge Sampaio

Meus sentimentos. Um bom homem.

Agora quero ver se dão dia de luto. Darem a este, e não ao Otelo, é ser mesquinho…

A invasão do Iraque já estava a ser planeada desde o fim da 1a guerra do golfo, a cimeira foi só show off

1 Curtiu

Não é uma questão de mesquinhez, mas de lei. O falecimento de ex-Presidentes da República implica a declaração de dias de luto nacional.

https://www1.folha.uol.com.br/folha/reuters/ult112u4062.shtml

4 Curtiram

Mas foi o próprio PSD que criou esse problema, se bem me lembro.

Surreal como um primeiro-ministro em funções decide sair a meio do mandato para ir para
a Comissão Europeia. Durão Barroso foi o expoente máximo da falta de respeito pelos eleitores/cidadãos portugueses. E de falta de vergonha na cara também.

5 Curtiram

“Foram apresentadas provas inequívocas da existência de armas de destruição massiva no Iraque”

Descanse em paz.
Um dos poucos presidentes da republica que respeitei.

Requiescat in pace… Não o ter apreciado em vida é irrelevante…

Quem esperou até perceber que o PS tinha sondagens que lhe davam a maioria?

Foi tudo planeado. Provavelmente, devia ter convocado eleições logo após a ida do Durão Barroso para a Comissão.

Foi um bom presidente, mas, acima de tudo, foi um bom homem. RIP.

Politiquisses à parte, sempre pareceu ser um bom homem e alguém discreto. Paz à sua alma e condolências à família neste momento de dor.

Um grande Sportiguista que nunca se colou aos interesses dos croquetes. RIP.

Um dos últimos políticos com sentido de Estado que tivemos. Um homem discreto e inteligente.

2 Curtiram

RIP

DEP!

Homens/políticos como Ramalho Eanes ou Jorge Sampaio, já são uma raridade neste país dominado pela corrupção e compadrio…

3 Curtiram

Por cada Leão que cair…

2 Curtiram

Foi o primeiro PR que me lembro de ver como tal.
No nosso modelo semi-presidencialista o PR será sempre um cargo mais diplomático, para um bom funcionamento do aparelho democrático, daí não me lembrar de ações políticas de relevo.

2 Curtiram

Same.

Que descanse em paz, nem sabia que era Sportinguista de tão descreto que era

1 Curtiu
1 Curtiu

Jorge Sampaio: «O Sporting foi um símbolo forte da minha infância»

Recorde a entrevista do antigo Presidente da República ao nosso jornal em 2016

A 30 de março de 2016, dia em que se assinalavam os 75 anos que o Sporting ganhara a Liga pela primeira vez, Record publicou uma entrevista a Jorge Sampaio na qual o antigo Presidente da República sublinhava a sua ligação ao Sporting. O sócio n.º 3.109 dos leões recordou alegrias e tristezas como adepto, avançando que tinha recebido vários convites para desempenhar um cargo no clube. Jorge Sampaio faleceu esta sexta-feira, aos 81 anos.

À família enlutada, Record endereça as mais sentidas condolências.

Recorde a entrevista:

RECORD - O Sporting conquistou 18 títulos de campeão nacional – o primeiro em 1941 (faz hoje 75 anos), o último em 2002 (há 14) – todos na sua cronologia de vida e dois enquanto exerceu o cargo de Presidente da República. Troféus marcantes?

JORGE SAMPAIO – O Sporting foi um símbolo forte da minha infância. Tornei-me adepto bastante novo. Agora, devo frisar também que, enquanto Presidente da República [1996-2006], procurei manter uma rigorosa equidistância nestas matérias e não me parece que a ‘mistura de géneros’ seja uma boa opção.

R - Como e porquê se tornou sportinguista, por influência de quem e em que circunstâncias?

JS – Como disse, o Sporting foi um clube ícone da minha infância, algo a que os Cinco Violinos, com todo o seu carisma, não foram de todo alheios. Foi uma decisão minha e não me lembro que ninguém em particular me tenha influenciado.

R - Que impressões dos Cinco Violinos (Peyroteo, Travaços, Vasques, Albano e Jesus Correia)?

JS – Vi-os várias vezes ao vivo. Guardo magníficas e indeléveis recordações.

R - Que outros jogadores admira na história do clube? E atletas, visto que o Sporting não se esgota no futebol?

JS – Tantos outros … o Carlos Lopes e o Fernando Mamede, atletas; o professor Mário Moniz Pereira, treinador, de quem tenho singulares recordações; o Hilário; e, claro, o Luís Figo e o Ronaldo.

R - É sportinguista militante ou distanciado? Em algum momento da sua vida teve a tentação de desempenhar um cargo no clube ou foi convidado para isso?

JS – Sou um sportinguista atento. Quanto a cargos no clube, jamais em tal pensei nem a ideia me atraiu nunca, embora tenha recebido vários convites, sim.

R - Quando viu o primeiro jogo no estádio do Sporting – com quem o fez, que memórias? E quando foi a Alvalade pela última vez?

JS –Ainda fui ao velho estádio de madeira, depois frequentei o novo Estádio José Alvalade a partir de 1956, onde tinha um lugar cativo, mas que não renovei no atual estádio. Fui certamente com o meu pai [Arnaldo Sampaio] e amigos da família.

R - Qual o momento mais divertido e o mais triste como adepto?

JS – Esses momentos estão naturalmente associados a vitórias e derrotas… Rejubilei quando ganhámos ao Benfica por 7-1; fiquei arrasado quando perdemos 6-3 em Alvalade….

R - Estamos a sete jornadas do final deste campeonato. O que pensa sobre o percurso da equipa? Acredita que o Sporting pode ser campeão?

JS – O percurso tem sido excelente, sobretudo quando comparado com anos anteriores. Sim, quem sabe… Se não for é pena, mas para o ano há mais!

R - Em 2013 foi votar e disse: “Ou há uma nova vida ou o Sporting não tem futuro.” O que pensa do rumo que o clube tem seguido nos últimos anos?

JS – Fiz essa afirmação como manifestação da necessidade de mudança. É preciso dar tempo ao tempo, como se costuma dizer, e juízos sobre rumos só podem ser feitos com recuo e distância. Há sinais positivos, quanto ao mais o futuro o dirá.

4 Curtiram