Entrevista do Peseiro ao Jogo

Excelente entrevista do Peseiro no jornal “o Jogo”. Aconselho todos a ler.

Eu acho que o Peseiro, e o Dias da Cunha e o pessoal do Sporting em geral dao muitas entrevistas a estes jornais que nao respeitam o Sporting. Acho que deviam falar menos e trabalhar mais.

A entrevista é estranha, o homem expoe-se por completo e chegamos a conclusão que é um lirico.

Mourinho consegue a uniºao do grupo e plantel pela motivação antagonica, pelo confronto, pelo exortar da guerra, Peseiro parece quase aqueles religiosos que fundam uma seita, fale em projecto e a forma como o grupo tem que saber intgrar-se nele, por vezes chega a ser utópico…

É una excelente entrevista de facto, mas por vezes a roçar o surreal…

A entrevista é estranha, o homem expoe-se por completo e chegamos a conclusão que é um lirico.

Mourinho consegue a uniºao do grupo e plantel pela motivação antagonica, pelo confronto, pelo exortar da guerra, Peseiro parece quase aqueles religiosos que fundam uma seita, fale em projecto e a forma como o grupo tem que saber intgrar-se nele, por vezes chega a ser utópico…

É una excelente entrevista de facto, mas por vezes a roçar o surreal…

Eu quando digo excelente, refiro-me ao facto de ele abordar todos os temas duma forma objectiva. Não concordo com tudo o que ele diz, mas admiro a sua “frontalidade”.

Eu li a entrevista ontem a noite e tambem achei boa.

Concordo que ele nao se deve abrir muito para os jornalistas.
Nos sabemos como eles sabem aproveitar o que lhes interessa.

O pasquim do Norte nao e o pior!

Se todos se portassem como eles, nao tinhamos tantas queixas.

O pasquim do Norte nao e o pior!

Se todos se portassem como eles, nao tinhamos tantas queixas.

Concordo. Este jornal é o mais correcto dos 3.

Quanto à entrevista, vamos ver como corre o campeonato.

A entrevista é estranha, o homem expoe-se por completo e chegamos a conclusão que é um lirico.

Mourinho consegue a uniºao do grupo e plantel pela motivação antagonica, pelo confronto, pelo exortar da guerra, Peseiro parece quase aqueles religiosos que fundam uma seita, fale em projecto e a forma como o grupo tem que saber intgrar-se nele, por vezes chega a ser utópico…

É una excelente entrevista de facto, mas por vezes a roçar o surreal…

Inci,

O método Mourinho resulta com o Mourinho. Adoptar métodos que pouco têm que haver connosco só pode dar mau resultado. O Peseiro que adopte o seu próprio método e que o melhore. Ao que parece, tem um ano para provar que é um método de sucesso.

A.A.

PS - Esqueci-me de dizer que também gostei da entrevista. Sobretudo do facto de Peseiro querer ter um sistema verdadeiramente alternativo ao habitual. Ou seja, quer ter o 4-3-3 pronto a pegar a qualquer momento. E acho muito boa a leitura que ele faz do que correu tacticamente mal em alguns jogos em Alvalade a época passada.

O ano passado o que correu mal, muitas vezes foram as substituições.

Já não falo de se pôr um jogador em campo e ele não render o esperado aí não há nada a fazer e não existe culpa do treinador.

Agora fazer substituições aos 80 e tal minutos e substituir o jogador que mais estava “inconformado” e deixar em campo jogadores que já não podem com “uma gata pelo rabo” - isto sim! foi o que correu bastante mal o ano passado e exemplos de jogos onde isto aconteceu exitem imensos.
Espero sinceramente que esta situação mude, para o bem da equipa.

O ano passado o que correu mal, muitas vezes foram as substituições.

Já não falo de se pôr um jogador em campo e ele não render o esperado aí não há nada a fazer e não existe culpa do treinador.

Agora fazer substituições aos 80 e tal minutos e substituir o jogador que mais estava “inconformado” e deixar em campo jogadores que já não podem com “uma gata pelo rabo” - isto sim! foi o que correu bastante mal o ano passado e exemplos de jogos onde isto aconteceu exitem imensos.
Espero sinceramente que esta situação mude, para o bem da equipa.

Plenamente de acordo.

Aliás, eu continuo a defender a tese de que Peseiro é um excelente treinador de campo e um mau treinador de Banco, por isso, por mim, se o querem criticar, critiquem-no como “rato-cego” (treinador que está no Banco, mas que não sabe fazer a leitura do jogo a que está a assistir), mas nunca como treinador de campo. :!:

é o que eu penso também…

E no final da epoca foi bem notorio, no jogo da taça com o Recreativo da 2ª circular apresentou um excelente 11.
Na Final da Uefa não soube mexer na equipa quando era preciso.

Gostei da entrevista.

Não achei que fosse um lirico. É a forma dele estar e trabalhar.

Deve procurar afirmar-se como o Peseiro e não como uma imitação barata do “Mourinho”.

Que tenha sorte na época que está a começar é o que lhe desejo !

No geral eu gostei da entrevista. Tem o mesmo tom da que dera à SportTv, mas o formato escrito favorece-o muito, ao atenuar as dificuldades de expressão que foram aqui discutidas na altura.

Gostei do seu desassombro a abordar todas as questões, embora discorde de muito do que ele diz.

Como já foi salientado, o Peseiro tem uma visão um tanto utópica da condução do grupo. Ficou patente o seu optimismo (ingenuidade, direi eu) quanto à natureza do ser humano, no que será talvez um afloramento de uma determinada formação filosófica e até política.

Apesar da minha discordância face a este visão, tenho que salientar a integridade das suas ideias e que louvar o facto de apresentar um projecto, que é o seu, para o futebol do Sporting.

Sendo assim, aquilo que mais me desagradou na entrevista foi a confirmação quase total de que o Silva ficará no plantel, e a seguinte passagem sobre a saída do Cácá, que não é culpa do Peseiro mas me deixou perplexo:

A diferença é que havia uma base de dados para trabalhar e este ano não há.
Não há base de dados?! Então o Cácá passa anos a fio a compilar informações sobre jogadores de todo o mundo, tendo em vista eventuais necessidades do Sporting e utilizando para o efeito os recursos do Clube, e depois quando vai embora dá sumiço na informação que recolheu? E o treinador revela-o com esta ligeireza? Não entendo...
Aliás, eu continuo a defender a tese de que Peseiro é um excelente treinador de campo e um mau treinador de Banco, por isso, por mim, se o querem criticar, critiquem-no como "rato-cego" (treinador que está no Banco, mas que não sabe fazer a leitura do jogo a que está a assistir), mas nunca como treinador de campo. :!:

Ele de algum modo esclarece isso, quando diz que acredita mais no treino do que no milagre, acrescentando que é por isso que valoriza sempre os 11 que entram e leva as substituições quase programadas. Ele como que assume que a sua visão é preparar tudo durante a semana e não conduzir a partida durante os 90 min.

Como noutras coisas que diz na entrevista, não concordo, mas pelo menos fico a acreditar que há algo de coerente e consequente na sua acção, e que não é tudo incompetência e incapacidade de reacção.

Sendo assim, aquilo que mais me desagradou na entrevista foi a confirmação quase total de que o Silva ficará no plantel, e a seguinte passagem sobre a saída do Cácá, que não é culpa do Peseiro mas me deixou perplexo:
A diferença é que havia uma base de dados para trabalhar e este ano não há.
Não há base de dados?! Então o Cácá passa anos a fio a compilar informações sobre jogadores de todo o mundo, tendo em vista eventuais necessidades do Sporting e utilizando para o efeito os recursos do Clube, e depois quando vai embora dá sumiço na informação que recolheu? E o treinador revela-o com esta ligeireza? Não entendo...

Estas afirmações só vêm de acordo com aquilo que penso em relação à saída de Freitas. Foi uma precipitação deixarem-no sair sem precaverem essa mesma saída. Fica também posto a nu que Carlos Freitas teria poderes excessivos, sendo deficiente o seu enquadramento no departamento de futebol. Não faz qualquer sentido que ao sair do Sporting levasse consigo a tal base de dados, dando a entender que seria um género de free-lancer que para ali estava e que ao sair levou o que era seu sem prestar contas a ninguém.

Estas declarações de Peseiro vêm ilustrar na perfeição a falta de organização que existe no departamento de futebol do Sporting. Não há ideias estruturadas, vivendo-se excessivamente dependentes de quem lá está no momento. Como em anos anteriores, passamos a estar dependentes dos gostos do treinador do momento, que trará para o clube os jogadores que conhece melhor, sem que estes sejam muitas vezes os melhores para o clube.

É inconcebível que um clube como o Sporting não tenha na sua estrutura um departamento que faça a prospecção do mercado, observando jogadores de vários quadrantes durante a época. É também por não existir um departamento do género que ficamos sujeitos aos caprichos dos empresários e dos presidentes de alguns clubes. Eles próprios sabem as nossas limitações e aproveitam-se disso mesmo.

Gostei da resposta de Peseiro às declarações de Barbosa em relação ao seu trabalho. Foi elegante, mas ao mesmo tempo cáustico:

[b]O JOGO | Disse, em entrevista recente, que Pedro Barbosa não concordava com a sua forma de liderar. Em que consistiam essas divergências? [/b] JOSÉ PESEIRO | Nem o Pedro, nem nenhum outro jogador, é obrigado a concordar. Deve é aceitar. Em reuniões que tive com ele e com os outros capitães, mostrou que não concordava com a minha forma de liderar em algumas situações. Ele já disse qual era o treinador de quem mais gostava [Octávio Machado, n.d.r.] e todos sabemos qual é a sua forma de liderar, com a qual, certamente, o Pedro se identifica.

A principal referência de Barbosa não deixa muito boas perspectivas em relação a uma possível futura carreira de treinador. 8)

Concordo com o A.A.: O Peseiro nunca poderia ter o método de mourinho. Não joga com a sua (falta de) personalidade.

Tem o método dele. Na minha opinião o método dele não lhe vai render uma carreira que seja digna desse nome, apesar do sucesso académico.

O jogador de futebol é um animal. Um cavernoso. Um básico. O Peseiro não tem postura de gestão de profissionais desse tipo. O método dele não é um fracasso per si, é um fracasso tendo em conta a realidade do futebol e do jogador de futebol, as suas manhas, a sua mentalidade e a sua falta de formação pessoal e cultural.

Tirando isso e admitindo que só li partes gostei tb da frontalidade, mas essa vale o que vale. Acho que o que ele diz sobre liedson é muito esclarecedor, e para mim indicia que a novela ainda está para começar: se liedson foi assim o ano passado como será este ano, a meses de dizer bye bye de borla. Talvez me engane.

Na parte que mais interessa, na análise ao modo de jogar da equipa no passado e no explanar do que se pretende para este ano, há uma boa identificação dos problemas e um apontar de soluções. Soluções essas que passam também pelo reforço do plantel. Com o plantel definido, ficará uma análise, vertida em primeira mão no blog do Rui, conforme prometido. :wink: