Entrevista de Peseiro ao DN

Já tem 3 dias, e não traz grandes novidades:

http://dn.sapo.pt/2008/02/01/dnsport/quando_demiti_estava_a_dois_pontos_f.html

Uma novidade para mim e um comentário:

  • JP confirma que pediu a demissão à 7ª jornada. Mau julgamento e má avaliação da realidade, porque devia ter pedido a demissão logo a seguir à eliminação pelos marceneiros suecos, entre a 5ª e a 6ª jornada (isso o escrevi aqui logo a seguir a esse jogo).

  • uma declaração para comentar: “[…]o Sporting tem jogadores para lançar. Os que havia para lançar no meu tempo, foram lançados. O que tem mérito é a prospecção e formação do clube. Um treinador tem de ter alguma coragem para lançar os jovens, mas só os lança se tiverem valor.”

Merece algumas ressalvas. É quase impossível destruir a carreira de jogadores com o talento de Quaresma, Ronaldo ou… Futre. É contudo mais delicado e mais digno de encómios se conseguir potenciar o valor de jogadores como Hugo Viana, que nem sequer era titular absoluto na equipa B. Das poucas coisas que temos de agradecer a Bölöni (pelos 14 milhões de euros que entraram, sobretudo). E é também difícil saber como lançar jogadores talentosos mas não génios como Patrício ou Pereirinha. Fique Paulo Bento por cá tempo suficiente (não é um desejo, atenção…) e poderemos aquilatar melhor do seu registo neste particular.

Vou confessar algo,um dia fui ver um Varzim-Nacional(por volta de 2001),era Peseiro treinador do Nacional,virei-me para um senhor que estava a meu lado,naquelas conversas de ocasião que se tem num jogo de futebol, e disse algo como:“O treinador do Nacional,fala-se que pode ir para um clube da 1ª Liga,parece-me um treinador com futuro…”.
Anos mais tarde é treinador do Sporting,desiludiu-me a sua falta de “pulso” para indisciplina,tive algumas “birras” com algumas opções dele,“exigi” a sua demissão depois da eliminação com o Halmstads tanta foi a desilusão que já vinha da final da UEFA e da eliminação pela Udinese na pré-eliminatória da Champions,mas qualidade não lhe falta como treinador.
Não gostei muto de outras entrevistas que deu aquando de outros maus momentos de PB como treinador do Sporting pelo menos o timing,como o célebre episódio do “cuspir no prato”,mas parece-me esta entrevista mais “desligada” da sua passagem pelo Sporting,uma entrevista mais virada para o futebol em geral e não na especificidade do seu ex-cargo em Alvalade.
Em suma,o que sinto em relação a Peseiro é uma contradição permanente,tal como 2004/2005,momentos de aclamação outros de indignação mas nunca duvidando,para mim,do seu valor como treinador.

o problema e que nos numa semana tinhamos a ilusao de ganhar td e em apenas 4 dias perdemos tudo!!!

e eu tenho a certeza que se ganhassemos o campeonato na 4a feira seguinte ganhavamos a UEFA!!!

o certo e que todos crucificam o peseiro e ninguem fala dos meninos mimados rochemback, liedson e companhia…falam da falta de pulso do peseiro mas os bons profissionais nao precisam de “papas” atras deles para dar umas palmadas pq se portam mal

gosto mt do paulo bento e do peseiro. sao estilos completamente diferentes de ver um jogo e o resultado final desse jogo. o peseiro preferia ganhar com mts golos mm sofrendo mts, o paulo bento prefere uma equipa k sofre poucos e quase nao os marca.

Se querem que vos diga, uma equipa técnica com Paulo Bento e José Peseiro, adjunto e principal respectivamente, metia uma equipa a jogar bom futebol!