Doping e Benfica - Sinasteridade ou sinistralidade ?

Ora é alcool ao volante ora é doping …

Primeiro no futebol, depois no basquetebol e agora no raguebi …

Vejam o que diz o Maisfutebol:

"Paulo Barata, jogador de râguebi do Benfica, acusou positivo num controlo antidoping, segundo disse à Agência Lusa o director do Laboratório de Análises e Dopagem.

Luis Horta revelou que no controlo efectuado ao jogador a 7 de Janeiro, após o jogo com o Técnico, foi detectada a substância sinasteride, um «agente que vai poder mascarar a utilização de determinadas substâncias do grupo dos anabolizantes». A contra-análise realizada a 30 de Janeiro confirmou o primeiro resultado, pelo que a Federação Portuguesa de Râguebi foi já notificada.

A substância em causa pode ser encontrada em medicamentos para a queda de cabelo, mas Luís Horta esclarece que o atleta «não solicitou a autorização para o recurso à terapêutica.»

Este é o terceiro caso de doping verificado no Benfica este ano. O último tinha sido António Tavares, capitão da equipa de basquetebol, que também acusou sinasteride. Antes tinha sido Nuno Assis a acusar substâncias proibidas. "

"O Benfica já foi notificado do controlo antidoping positivo a Paulo Barata, jogador de râguebi, que acusou positivo. A revelação foi feita por Fernando Tavares, vice-presidente para as modalidades, que em declarações ao Maisfutebol fala da independência do râguebi: «Confirmo o controlo antidoping positivo. Já recebemos a nota de culpa, apresentámos as nossas alegações e agora aguardamos pela decisão da Comissão Disciplinar, mas acreditamos que nada de grave se irá passar. Ressalvo que o râguebi é um desporto amador, autónomo e não há ligação do Benfica com o departamento médico. Como modalidade amadora há menos informação das substâncias que não se podem ingerir.»

Apesar de defender a independência do râguebi na estrutura encarnada, Fernando Tavares ressalva as razões que, defende, terem estado na base do controlo antidoping positivo de Paulo Barata: «O jogador estava a tomar medicação para a queda de cabelo», defende, numa leitura diferente de Luis Horta. O director do Laboratório de Análises e Dopagem disse, à agência Lusa, que o jogador «não solicitou a autorização para o recurso à terapêutica» e mesmo que o fizesse o CNAD (Conselho Nacional Antidopagem) teria recusado pois «nem em Portugal, nem a nível mundial é autorizado».

«Ele não informou o CNAD nem sabia que tinha de informar pois estava na sua inocência de que não havia qualquer problema. Ele já tinha sido controlado numa prova internacional da selecção e disseram-lhe que não havia problema de tomar aquele medicamento», considera Fernando Tavares.

Críticas para Luís Horta

O controlo positivo a Paulo Barata é o terceiro a jogadores do Benfica esta época, depois de Nuno Assis e do basquetebolista António Tavares. O vice-presidente das modalidades do Benfica não poupa críticas a Luis Horta: «No fundo lamento que um funcionário público utilize matéria sigilosa para ser protagonista e que o Secretário de Estado assista a esta imprudência sem se pronunciar. Esse senhor não tem o direito de vir para a praça pública falar de matéria sigilosa do Benfica e de um atleta do Benfica.»

O Maisfutebol contactou Luis Horta para que este se pronunciasse sobre a leitura diferente que o Benfica tem das razões para o controlo antidoping positivo e sobre as críticas de que é alvo, mas o director do Laboratório de Análises e Dopagem declarou «não ter mais nada a dizer sobre o assunto».

Fernando Tavares diz ainda que o Benfica aguarda pela «nota de culpa» do controlo de António Tavares, para depois apresentar as alegações referentes aos dois controlos positivos ao basquetebolista, durante o mês de Dezembro. Recorde-se que o clube da Luz defende que este atleta acusou positivo também devido a um medicamento para a queda de cabelo.
"

in MaisFutebol

Perante isto que mais haverá a dizer …

O mau da fita é o homem das analises certo ? :slight_smile:

Abraços

Segundo o Sportugal

"Em causa análise positiva do jogador de râguebi Paulo Barata

Benfica diz-se perseguido pelas estruturas antidoping

O vice-presidente do Benfica para as modalidades, Fernando Tavares, considerou esta quinta-feira que o clube está de novo a ser perseguido pelas estruturas antidoping portuguesas, com a cobertura do Secretário de Estado da Juventude e do Desporto (SEJD), Laurentino Dias.

Fernando Tavares reagiu assim à notícia de que o jogador de râguebi do Benfica Paulo Barata, antigo internacional sevens, acusou o mascarante sinasteride, informação revelada hoje à Agência Lusa pelo director do Laboratório de Análises e Dopagem (LAD), Luís Horta.

O dirigente encarnado confirmou o controlo positivo, precisando que o clube já recebeu a nota de culpa do Conselho Disciplinar da Federação Portuguesa de Râguebi (FPR).

“Lamento que um funcionário público (Luís Horta), pago por todos os contribuintes, utilize matéria sigilosa para se auto promover, o que é grave. E é mais grave porque esta perseguição sistemática ao Benfica conta com a cobertura do Secretário de Estado”, disse Fernando Tavares à Agência Lusa.

O vice-presidente benfiquista para as modalidades advertiu ainda que, perante esta situação, “o Benfica e os seus jogadores reservam-se o direito de, em sede própria, tomarem as acções que considerem necessárias” para lutar contra esta situação.

“O Paulo Barata acusou um mascarante e não um dopante. Ao contrário do que o dr. Luís Horta alegou, o mascarante não serve para encobrir outras substâncias. Não se pode tirar essa ilação”, lamentou o dirigente encarnado.

Fernando Tavares recordou que o jogador em causa “foi controlado antes pela selecção e, na altura, explicou para que utilizava o mascarante e não houve doping”.

O vice-presidente do Benfica não compreende, por isso, como o director do LAD disse que a análise realizada ao jogador detectou “o agente que vai poder mascarar a utilização de determinadas substâncias do grupo dos anabolisantes”.

Paulo Barata é o segundo atleta do Benfica a acusar a substância, também detectada ao basquetebolista António Tavares, que alegou apenas a ter utilizado no tratamento da queda de cabelo.

Já este ano, o futebolista do Benfica Nuno Assis foi suspenso por doping pelo Tribunal Arbitral do Desporto, num processo que inicialmente opôs o clube ao LAD.

Posteriormente, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, Laurentino Dias, interveio no processo, que acabou por ser decidido no Tribunal Arbitral do Desporto, depois do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol o já ter arquivado.

A intervenção de Laurentino Dias motivou na altura idênticas acusações de perseguição ao clube proferidas pelo presidente Luís Filipe Vieira."

no further questions … :slight_smile:

Abraços

A Agência Mundial Antidoping (WADA) diz a respeito da Finasterida, cujo nome comercial mais frequente é Propécia®.

Este medicamento, utilizado para tratamento da calvície, faz parte da lista de substâncias proibidas da WADA desde 2004.

Segundo a WADA, a calvície não pode ser considerada um grave problema de saúde, mais, existem alternativas para o tratamento da calvície que não são consideradas proibidas pela WADA.

A finasterida apresenta grande capacidade de mascarar o uso de nandrolona (substâncias proibida, com capacidade anabolizante).

A finasterida é inibidor de alfa-redutase e muitos ja foram condenados pelo seu uso …

Abraços

Como é o clube dos 6 milhões nao vai acontecer nada!

No Benfica, quando as cagadas acontecem eles nunca tem culpa. É o mundo que conspira contra eles.

e vão 3 que se saiba!!!

“e’ um perseguiçao” LOLOL!

Ainda deve continuar espero eu …

Segundo se consta para que os jogadores possam usar os futuros novos equipamentos ( vulgo ) cor-de-rosa tiveram que tomar susbtâncias para a calvice para ficarem com os pêlos rapados integralmente pois não ficava estéticamente bonito na nova silhueta… :lol:

"e' um perseguiçao" LOLOL!

conhecendo bem a direcção do rugby do benfica, totalmente separada do futebol, não sei se não é um perseguição!!tenho as minhas duvidas!

e ve la tu, que o Paulo Barata até é do Sporting!

Será que o presidente das galinhas voltou ao antigo negocio e anda a despachar o material? :lol:

eles andam mase a testar novas drogas nos seus atletas de forma a aumentarem o seu rendimento fisico em campo, daí usarem os mascarantes nas modalidades menos visiveis :roll: