Coronavírus (SARS-CoV-2) - O perfil do doente com COVID-19 e até onde a epidemia pode chegar

O Karma é tão fodido.

@Paracelsus tambem nao te podes esquecer que o UK tem 7 vezes mais populacao que a Suecia e Portugal… A densidade populacional aqui e bastante elevada em varias cidades nao e so Londres tens Manchester,Birmingham,Newcastle,Glasgow,Leeds,Liverpool etc etc tudo cidades com grande densidade populacional. Agora que isto aqui tem estado muito mau isso nao ha maneira de ser defendido a comecar com o BoJo a ir para a ala Covid a apertar a maos as pacientes ou discuros a dizerem que pelo Natal de 2020 ja estaria tudo normal etc :rofl: :rofl:
Entretanto estao a tentar fazer as coisas melhor aqui vamos la ver no que da com o BoJo nunca se sabe…

Desses também tens de descontar à volta de 850 como “normal”, um padrão que tem sido observado em portugal desde os anos 00.

Eu disse isso de uma forma simplista… Isto nao sao analises que se facam num forum. Por isso e que disse que nao tendo acesso aos dados (e mesmo que tivesse, nao tenho tempo), vou esperar pelos estudos que certamente virao no futuro. Principalmente aqueles que mostram do que realmente morreram os portugueses este ano e que tipo de patologias foram responsaveis pelo aumento da mortalidade.

E ja agora para quem tiver interessante, uns conhecidos publicaram aquele que e provavelmente o maior estudo ate a data em doentes Covid em Portugal, que na realidade nao destoa muito do que tem sido reportado para o resto do mundo:

Mas isso tem alguma lógica?? É isso e 30% música portuguesa nas rádios…

Essas análises da densidade populacional são demasiado simplistas, sorry.
O UK tem 84% de populacão urbana, a Suécia tem 87%. Ou seja, a nível de cidades vive mais ou menos o mesmo número de pessoas em relacão ao total.
E não falemos dos holandeses que praticamente não têm áreas sem gente. A densidade populacional é o dobro da do UK e não têm o dobro das fatalidades e casos.

Ate pode ser mas a Holanda e a Suecia nao tem nem de perto nem de longe o numero de cidades enormes como o UK tem que estao espalhadas pelo Pais inteiro claro que isto nao e desculpa nenhuma na maneira como isto foi abordado. Claro que agora tem tentado mudar coisas mas a situacao esta muito complicada por aqui alguns hospitais aqui ja estao no limite e pacientes a serem transferidos para hospitais a varios Kms de distancia. Deixa la ver o que encontro de positivo aqui no UK e mesmo a capacidade de testagem que ha disponivel agora e a campanha de vacinacao macica que esta em curso porque de resto tem sido feitas asneiras atras de ansneira por aqui…
Aqui esta um bom artigo sobre a campanha de vacinacao no UK

Era interessante termos acesso aos dados aqui em portugal de:
(1) numero de vacinas encomendadas e respectivos prazos de entrega
(2) numero de vacinas que já estão na nossa posse
(3) % de vacinas de (2) que já foram administradas
(4) nº de vacinas administradas por dia

Para podermos ver a evolução e escrutinar se há espaço para aumentar esta capacidade

1 Like

Realmente era interessante ver esses dados,aqui acho que dados de numero de vacinas administradas e sabido diaramente e que brevemente esperam ter capacidade de administrar 500 mil vacinas por dia…Agora saber se conseguem isso vamos ver continuo na minha a dizer que acho o alvo muito optimista mas uma coisa aqui fizeram bem puseram o exercito a organizar logistica e organizacao em conjucao com o servico nacional de saude (NHS)

Existe alguma previsão para quando teremos 75% da população vacinada?

Ontem estive a ver declarações dos responsáveis pela vacina da pfizer e eles apontam para esse número para se poder voltar a uma vida normal…

O Marcelo, num dos debates, falou do processo de vacinação em Portugal demorar ano e meio.

Imagino que estaria a falar do processo completo (e não dos 75%). Mas entre atrasos de vacinação, e nem todos poderem ser vacinados (como abaixo dos 16 anos, por exemplo), diria para contar com o ano e meio para imunidade de grupo.

Agora, isso também é considerando que só há normalidade com imunidade de grupo. Ora, se a vacinação for um sucesso nos 70+ anos e nalguns grupos de risco, e com isso diminuir significativamente o número de mortos e internados (mesmo que não UCI), eu acho que isso bastará para o pânico diminuir muito e as pessoas quererem voltar à normalidade.

E sem mortos ao nível de hoje, os governos terão pouca força para contrariarem as populações, depois do que elas já passaram.

EDIT: Agora o tempo de se notar isso, também não faço ideia.

Hoje de manhã o trânsito estava relativamente intenso. Muitas pessoas na rua. E ainda estamos no primeiro dia :hushed:
Parece-me que este confinamento não terá muita aderência por parte da população…

Os responsaveis da Pfizer devem querer e ter 100% da populacao vacinada :slight_smile:

Apesar de nao existirem dados que suportem que o uso da vacina reduz a transmissao comunitaria, acredito que os efeitos da vacinacao se devem comecar a sentir muito rapidamente. Em Portugal por exemplo, se conseguissemos vacinar 20% da populacao tendo em conta as prioridades ja veriamos um efeito bastante significativo.

Estavas à espera do que se metade ou mais de metade das pessoas estão a trabalhar ou a estudar.

Aliás pergunto aqui ao pessoal do fórum que está em teletrabalho.

Quantos dos que estão em teletrabalho saíram hoje.

Metem like caso estejam em teletrabalho e tenham saído para ir fazer alguma coisa.

Falando em atrasos…

na realidade eles querem ter 200%… já que são duas doses :smiling_imp:
Com um bom marketing, eles ainda conseguirão vender a ideia que pelo sim pelo não o melhor é dar 3 dozes… mal não faz (como se viu naqueles alemães que levaram 5 doses no lombo) e mais vale prevenir :innocent:.

Pessoalmente e no seguimento dos nºs que deixei aqui ontem acerca da mortalidade, considero ser prioritário vacinar os maiores de 55 anos… isso significa cerca de 33% da população, ou seja quase 3,5 milhões de pessoas… é muita fruta para tão pouco tempo…
Mas também temos de ver que neste momento já existe provavelmente quase 1M de portugueses imunizados por via da infeção, o que ajuda na quebra de contágios… ou pelo menos é isso que todos desejamos.

Eu diria que para além de não ser muito surpreendente, também não será muita questão de aderência ou falta dela. A questão, para mim, é que a “generalidade” do confinamento anterior foi muito sobrevalorizada.

Isto é, encerraram muito menos negócios na altura que algumas pessoas pensam (muita indústria aqui para cima, do mais variado tipo, que nunca parou, quando nas TVs se falava de que só estavam a funcionar serviços essenciais). E muito que parou não foi porque o confinamento as obrigava. Tivemos foi:

-> Negócios e serviços (especialmente mais pequenos) que encerraram, quando podiam estar abertos, porque pensavam que tinham que estar fechados porque só ouviam nas TVs e rádios que o confinamento era geral;
-> Negócios que podiam estar abertos mas que preferiram fechar enquanto não conseguissem material de proteção, o que na altura sabemos que demorou;
-> Fábricas fechadas porque precisavam de material vindo da China, e na altura estava um caos. E fábricas fechadas porque os seus fornecedores precisavam de material vindo da China;

Isso foi tudo resolvido agora, pelo que o movimento nunca poderia ser baixo. Juntamos as escolas, e o facto de quem poder (tanto pelo trabalho em si, como pela sua preferência e do patrão) estar em teletrabalho já estar antes, não haveria grandes razões para diminuir a mobilidade à semana.

A razão de as pessoas esperarem outra coisa é porque temos uma comunicação social incompetente que tem vindo a falar (e alguma ainda fala) em confinamento geral, mesmo quando o governo já tinha dito que toda a indústria, toda a construção civil, todo o comércio alimentar, e provavelmente as escolas se iam manter abertas…

2 Likes

A indústria sempre trabalhou a construção também é o comércio alimentar também como tu dizes e muito bem.

Mas vias ruas desertas o que muda aqui e que fora estás pessoas junta mais de 2M de pessoas entre alunos e docentes e não docentes estão na rua.

Eles governo tinham que dizer que iam fazer alguma coisa um novo confinamento que de confinamento não tem nada.

E simplesmente gozar com as pessoas que tem cabeleireiros barbearias cafés e restaurantes.

Não tinha marcação para ir ao barbeiro agora vou andar com um cabelo de dois meses. Porque podia apanhar o bicho no barbeiro que é por marcação e sozinho no barbeiro.
Gozam com os portugueses

E como os atls fechados porque são privados porque se fosse do estado estavam abertos.

No confinamento até as televisões confinaram a dona disto tudo da tv ficou em casa as primeiras semanas de confinamento.

1 Like

Discordo no sentido em que falas de ruas desertas. Onde moro, as ruas estavam desertas nos primeiros quinze dias (se tanto) do 1º confinamento. Depois disso, as ruas voltaram ao movimento normal.

Como também falas das escolas, e também se notava a ausência de miúdos na rua nos primeiros dias, mas depois voltou-se a ver “bandos” de miúdos de 15-16 anos para cima nas ruas outra vez.

Concordo com o gozar com os cabeleireiros, barbearias, cafés e restaurantes, mas isso já se sabia porque são sempre eles que apanham por tabela. Foram eles que apanharam no 1º confinamento, como vão apanhar no 2º, e apanharam com as medidas intermédias.

O que fico surpreso é com a tua surpresa e indignação quando já se sabia que o confinamento ia ser assim, porque nunca esteve em cima da mesa ser outra coisa.

100% nunca vão ter