Coronavírus (SARS-CoV-2) - O perfil do doente com COVID-19 e até onde a epidemia pode chegar

Nas redes sociais circula o post que este virus é menos mortal que uma gripe comum. Quem perceba o mínimo e olhe para os numeros sabe bem que é mentira.

A demografia alvo é praticamente a mesma, a mortalidade é 20x maior, rating de contágio é (da última vez que vi) 4x maior, o período de incubação 2x superior e esconde-se atrás dos sintomas da gripe numa primeira fase. Isto são tudo dados baseado em 2-3 meses e altamente enviesados porque o governo chinês esconde os verdadeiros números. O pico disto vai ser em abril-maio e ainda não há vacina. A gripe é mais mortal o ■■■■■■■.

Redes sociais. = cancro sim. Andam a “acalmar” mas com informação falsa. Isto não vai ser grande espingarda porque não vai atingir a maior parte da população, apenas e só. Como aliás eu referi no meu post anterior e tu escolheste não citar para depois mandar a mesma laracha.

Podes guardar a tua viola no saco que não estás a falar com os velhos do Facebook.

Nao vale a pena discutir com gajos que comparam um virus ou terrorismo com problemas que se comportam de forma linear.

Tipo aqueles patetas que dizem que como morrem mais pessoas a atravessar a estrada do que de terrorismo o primeiro problema merece mais atenção que o segundo.

É preciso ter agilidade mental de um tuberculo para fazer comparações destas.

Interpretaste mal o que eu quiz dizer.

Eu não quero dizer que esta situação do coronavírus , não seja grave , é , principalmente na China e mais concretamente em Wuhan.

Agora para chegar ao cenário de pandemias , que são basicamente de gripe , do passado , ainda vai uma longa distância.

Se tivessemos perante uma gripe , isso sim poderia ser grave , não quer dizer que deste ou doutro vírus não possa sair uma pandemia , mas na gripe , essa possibilidade é sempre bem maior , porque é bem mais virulenta e circula rapidamente entre os seres humanos , nem seria possível fazer contenção , como aconteceu com o caso da Gripe A , vá lá que essa estirpe não se veio a revelar perigosa como poderia vir a si.

Este coronavírus tem se espalhado por causa do sistema de transportes internacionais , que fazem propagar qualquer vírus , ou doença nova que apareça , se não , não passaria de um problema local na China.

Pois, mas o que dizes não é verdade, pelos valores que estão a ser anunciados.

A taxa de mortalidade da gripe é 0,2%, enquanto este é 2% (20x superior, como disse). E são valores provisórios, porque dos 30k casos tens apenas 2400 concluídos (600 mortos e 1800 recuperados).

A taxa de transmissão da gripe é 1-2, enquanto este é 3-4 (2x superior, como disse). Tendo em conta que ninguém quer saber da gripe e portanto essa espalha-se “livremente”, enquanto que estão a tentar conter este na china.

A gripe comum não é mais virulenta nem circula mais rapidamente do que este vírus. A única coisa em que é mais rápida é a mostrar sintomas, o que faz deste vírus um caso bem mais grave porque se esconde durante mais tempo.

Tens razão no facto de isto (em princípio) não chegar a ser uma pandemia mundial, como aliás nenhum tem chegado. Mas na verdade… eu também já disse isso três vezes. Não há razão para alarme, mas é porque está “contido” (até ver) e não porque é inofensivo.

Bem , eu não sou especialista nisto , mas a taxa da transmissão da gripe comum que circula , não deverá ser maior , porque as pessoas já têm anticorpos , enquanto que para esta nova estirpe de coronavírus não têm.

Mesmo assim todos os anos , morre muita gente de gripe , não estou a relativizar este vírus , porque todos os anos tambem morre muita gente de pneumonia , mas penso que bem menos que de gripe.

A gripe , a meu ver , será mais perigosa , porque circula bem mais entre os seres humanos , basta uma mutação do vírus , uma recombinação , para aparecer uma pandemia , enquanto este coronavírus acabou de saltar a barreira das espécies para o ser humano.

A gripe espanhola de 1918 , a gripe das aves foram bem mais virulentas e mortais , não havendo anticorpos , o que safou no caso da gripe das aves , é que o vírus era tão virulento que anulava a eficácia da transmissão , algo parecido acontece com o Ébola , mata os hospedeiros , antes que a propagação seja eficaz.

Já a Gripe de 1918 conseguiu equilibrar a taxa de mortalidade com a taxa de transmissão por isso matou tanta gente.

O problema da Gripe é que basta aparecer uma nova estirpe e ocupa o lugar das que circulam , factor importante numa pandemia , já estes coronavírus não circulam na população geral , penso eu , logo será bem mais difícil conciliarem a taxa de mortalidade com a taxa de transmissão como já aconteceu com a Gripe.

Epá a sério? A gripe mata mais porque está mais difundida? Boa. Também há mais afogamentos do que mordidas de tubarões, e mesmo assim não ia nadar para o pé deles. E seria muito mau se mudasse o vírus da gripe? Eeeish, de facto seria muito chato… se tal coisa acontece todos os anos, como aliás… acontece.

Estás a relativizar, estás… e como o outro forista acima de ti disse, isso não faz sentido nenhum. Facto: Este vírus novo que apareceu é muito mais perigoso que o da gripe comum. Outro facto: Não vai chegar à maioria das pessoas. As duas coisas podem coexistir.

1918? Não estás em 1918 onde a penicilina matava tudo e não havia o movimento de pessoas que existe hoje em dia. Porque é que insistem em comparar coisas que não têm comparação?

E é exactamente por isto que odeio o cancro das redes sociais. Toda a gente tem uma opinião sobre tudo porque leu x e y, e até tentam corrigir quem tenta explicar como deve de ser.

Informem-se. E não têm de acreditar em mim, vejam sites como este:
https://www.worldometers.info/coronavirus/

A vingança serve-se fria…

Estudo

Pangolim terá sido o transmissor do novo coronavírus

Pangolins (na imagem) podem ter sido os intermediários da infeção

Foto Roslan Rahman / Afp

O pangolim, um pequeno mamífero em risco de extinção e um dos animais mais contrabandeados do mundo, pode ter sido o transmissor do novo coronavírus, que já matou 636 pessoas na China, de acordo com um novo estudo de cientistas chineses.

Investigadores da Universidade de Agricultura do Sul da China identificaram o pangolim como o “possível hospedeiro intermediário” que facilitou a transmissão do vírus para os seres humanos, divulgou a instituição em comunicado, citado pela imprensa estatal chinesa. O pangolim terá sido infetado por um morcego, apontado pela comunidade científica como fonte primária da infeção - segundo um estudo recente, os genomas do novo coronavírus são 96% iguais aos que circulam no organismo do animal.

O novo vírus 2019-nCoV foi identificado no início de janeiro, na China, na sequência de vários casos de pneumonia com causa desconhecida em trabalhadores de um mercado na cidade de Wuhan de venda de animais selvagens, como cobras, porcos-espinhos e pangolins.

Um estudo conduzido por cientistas chineses, e divulgado a 29 de janeiro na revista científica “The Lancet”, já tinha confirmado que o coronavírus teria sido transmitido ao ser humano por um desses animais, que antes teria sido infetado por um morcego. A nvestigação agora divulgada, que testou mais de mil amostras de animais selvagens, concluiu que os vírus detetados nos pangolins são 99% idênticos aos encontrados em pacientes humanos.

Procurado pela carne e escamas

O pangolim é o mamífero mais contrabandeado do mundo, com cerca de um milhão de espécimes capturadas nos últimos 10 anos, nas florestas da Ásia e África. A caça ilegal é estimulada pelo aumento da procura pela sua carne e partes do corpo.

O pangolim, que tem a língua mais longa do que o corpo e se alimenta de formigas e térmitas, é protegido desde setembro de 2016, pela Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas de Extinção, da qual a China é signatária.

Em algumas regiões da China e do Vietname, o uso da carne do pangolim é popular entre jovens mães, pelos seus supostos efeitos benéficos para o leite materno, enquanto as suas escamas são usadas em farmacopeia tradicional.

E aqui está, até me admira como demorou tanto tempo a aparecer :laughing::

De facto as redes sociais são fonte de desinformação… Mas a penicilina só foi descoberta 10 anos depois do outbreak da Gripe Espanhola, e só começou a ser usada em larga escala nos anos 40. E um antibiótico nunca vai ser eficaz numa infeção viral…

Um dos grandes problemas das pneumonias virais são as chamadas “superinfeções” bacterianas, portanto não é assim tão incomum acabar por se usar um antibiótico no que começa como uma infecção viral.

A sério que vou ter de explicar o contexto quando se usa “penicilina” como exemplo de mata tudo, ou chegam lá sozinhos?

Pois, mas não estão resultando. O protocolo utilizado foi Interferon alfa 2-b, Iopinavir+Ritonavir, associando, inicialmente a Moxifloxacina e posteriormente Carbapenemos, com resultados pouco satisfatórios para os casos muito severos (SARS). A diferenciação está na intubação precoce, boa perfomance das UCIP’s e, no futuro, o número de ventiladores disponíveis.

Space, the final frontier…death is coming!

As infecções virais são quase sempre uma luta contra o tempo. A ideia é ganhar tempo de toda a forma e feitio para que o sistema imunitário passado algum tempo consiga controlar por si mesmo a infecção. Só que há vírus mais chatos que outros, e este é um desses casos.

Normal, o ratio de propagação é maior.

Mas sim, é verdade. Não estão a conseguir a conter aquilo. E ainda estamos longe do cenário pior, porque o pico (supostamente) era para abril-maio.

Outra cena que falei logo no início, os 2% de mortalidade eram altamente fictícios. Havia demasiados infectados sem se saber como resolviam, nem as complicações seguintes. Neste momento taxa dos casos resolvidos é 10%.

E outra cena que nem me lembrei eram os casos críticos, são 20% neste momento. 20% dos infectados lidam mal. Portanto, 2 em cada 10 desenvolvem sintomas graves e apenas 1 deles se safa.

Vamos ver, ainda são números preliminares.

ETA: Bom gráfico aqui também, um mapa da infecção.

ETA2: eish…

Brucelose
Vacas Loucas
Nitrofuranos
Gripe das Aves
Gripe Suina
Ébola
Coronavírus

Falta-me alguma às grandes histerias públicas e colectivas dos últimos 20 anos?

Todas estas pandemias e doenças iam matar para cima de milhões de pessoas. Mataram algumas centenas/milhares, como todas as outras doenças infelizmente matam. E todas vieram e foram, o Mundo continuou a girar e acabaram todas por cair no esquecimento. Pelo meio forraram bem os bolsos às farmacêuticas.

O meu irmão é farmacêutico e foi obrigado a ir a uma palestra sobre o Coronavírus e havia alguma preocupação de quem falava sobretudo por duas razões, a facilidade de transmissão e o quase total desconhecimento.

Porque além do vírus demorar a apresentar sintomas, esses mesmos sintomas diferem de pessoa para pessoa, podendo passar quase despercebido, causando apenas febre ligeira ou cansaço ou apresentar-se de forma agressiva podendo inclusive matar, principalmente para quem tem problemas do foro.

As farmácias portuguesas já praticamente não têm máscaras mas isso é irrelevante porque as máscaras básicas que se vendem nas farmácias não nos protegem deste vírus.

Duas notas que quem falou na palestra referiu, é essencial este “alarmismo” porque perante pandemias é obrigatório jogar pelo seguro e é sempre preferível precaver-se ao máximo esperando o pior do que achar que isto passará sem grandes sobressaltos(a ideia é que sim, que se vai conseguir lidar com a situação e que à imagem da gripe A ou das Aves, a coisa vai ser controlada) e que a China está fortemente a martelar os números para que a economia não sofra. No meio dizem que é provável que na China o número de infectados e de mortos sejam perto do dobro do que o anunciado.

Bem, sem perceber um chavelho disto, a verdade é que grupos altamente de risco, idosos, asmáticos, quem já tenha tido pneumonias graves, efizemas, etc em que a probabilidade deve ser gigante de quinarem.
Depois a propagação e a incubação. É que o ebola “ao menos” é tão agressivo, que a pessoa está a revelar sintomas e a quinar antes de transmitir a 10 ou 20…
Aqui é bastante mais silencioso