Contra um Sporting Resignado

Quem me conhece por aqui, sabe que nunca fui um “taliban”, nem um defensor acérrimo do “projecto” basicamente porque não consigo ver as coisas tão preto e branco.

Nem nas bases do dito projecto estava tudo errado, nem os chamados “taliban”, são do contra só porque sim.

Optei nas ultimas eleições e pela primeira vez desde que sou sócio e maior de idade por não votar porque não me revia na candidatura de Abrantes Mendes, da mesma forma que considerei o Soares Franco um mal menor e como o meu clube não deve ter lideres que são “males menores” fiquei em casa.

Estou à vontade por isso para dizer o seguinte, o problema do Sporting está muito longe de se centrar na figura do treinador ou deste ou aquele jogador. Eles são um peças numa engrenagem que há muito tempo trabalha com muitos remendos.

O problema do Sporting chama-se resignação. Por isso considero que estes corpos sociais perderam qualquer capacidade de dar a volta ao panorama actual do clube.

E nós sócios somos o espelho desta resignação, à força de ouvirmos e lermos tantas vezes que não temos dinheiro, que falta isto e aquilo, aceitámos passar a pensar pequeno. Por isso ninguém estranha que a nossa sina seja os Tiuii desta vida, os Buenos ou Ronny. Aceitamos estar um mês sem vitorias, porque nos disseram que tem de ser assim. Aceitamos perder o GR da selecção Nacional para um clube que luta para não descer de divisão em Espanha, porque nos disseram que não se pode fazer um esforço financeiro. Aceitamos ver Quaresma no FCP, porque mais uma vez, nos disseram que a nossa sina é contar tostões.

A própria SAD está de tal forma mergulhada nesta cultura de falta de ambição que já entrou neste jogo, não há um golpe de asa nem vontade de o fazer, como aconteceu à uns anos atrás com o Jardel, por exemplo. Como uma vez alguém disse com graça, vamos ao mercado comprar jogadores e numa mão levamos meia-duzia de caramelos e na outra um saco cheio de nada… Por isso aqui neste espaço, o tópico mais comentado chama-se “ Reforços ou mais Caruncho”, porque já nem nós acreditamos em nada disto, temos todos esperança que por um milagre algo de certo e o clube seja feliz, mas resignamos. Até os “taliban” deste espaço, parece que desistiram de lutar e de se rebelar. O Sporting está amorfo a caminhar para a indiferença.

Considero por isso que estas pessoas estão esgotadas, FSF, MRT e quem os acompanha, não porque não sejam Sportinguitas ou não tenham vontade de ganhar, mas porque o seu prazo de validade expirou. Esta entrevista do JEB, que eu admiro, é prova provada do que estou a dizer, puro conformismo com a realidade, e mais pedidos de paciência. Vira o disco e toca o mesmo.

Parece quando estamos a escrever um texto e fazemos a revisão 4 ou 5 vezes e já estamos tão “viciados” no que estamos a ler que não encontramos erro nenhum, porem se o damos a terceiros para ler, só no primeiro parágrafo encontram logo 2 ou 3.

O que se passa no clube é isto, as pessoas perderam a capacidade de ver os erros, a capacidade de pensar fora do projecto, do passivo, de serem criticas delas mesmas, … Hoje em dia, a vida resume-se a pagar o “project-finance” e comprar jogadores a custo zero. O Sporting não pode ser isto. Por outro lado, faz impressão como nos últimos anos o clube foi dominado por gente medíocre como Rui Meireles ou Pedro Afra essa figura que ninguém sabe o que faz, tendo em anos e anos de trabalho quase nada para apresentar de produtivo.

Precisamos de gente nova, mas há que ter cuidado com os aventureiros porque não só seria perigoso como potencialmente fatal, no estado em que as coisas estão.

Quero acredito que existirá no universo do Sportinguista pessoas capazes e sérias a olharem com tristeza para esta dura realidade e a mobilizarem-se para poderem no futuro serem credíveis aos nosso olhos.

Não precisamos que nos prometam Mourinhos ou Kakas. Basta ambição e vontade de honrar o lema do nossos fundadores “Fazer do Sporting um clube tão grande, como os maiores da Europa”.

A Academia não pode ser um ponto de chegada, mas sim um ponto de partida. Os nossos “craques” não podem sair do Sporting sem saberem o que é ganhar, não podem ter como ambição chegar à equipa principal jogar bem um ano e a seguir estarem a suspirar por um grande contrato na europa para se irem embora daqui e sem saudade.

Hoje somos a terceira força no pais, por culpa própria, pelas as asneiras que se fazem desde 1982, ano em que a decadência se iniciou, todos os sonhos já nos foram vendidos, parece que toda a gente conhece mal e tem a cura, mas a verdade que chegamos a isto:

  • Perdeu-se a mística, perdeu-se a paixão, a equipa de futebol não encanta, as modalidades sobrevivem.

Temos um clube que não “assusta” ninguém, que permite ter uma CML a brincar aos protocolos à quase 10 anos. Que quem sai se dá ao luxo de achincalhar sem temer consequências, onde jogadores acabados de chegar, se dão ao luxo de se acharem mais importantes que a instituição que representam.

Eu falo por mim, cada dia que passa o desencanto é maior, pago quotas mas deixei de ir a Alvalade, olho para o clube e não me revejo em praticamente nada.

Esta é a confissão de um Sportinguista “doente”, mas triste como a realidade, que não se reconhece na realidade que vê à sua frente e não sabe o que fazer para alterar o estado das coisas.

não sei se hei-de me sentir triste, por concordar contigo ou se hei-de ficar feliz por saber que ainda há pessoas assim no clube…

:clap: Isto já começa a ser um lugar comum, pelos vistos em muitos aspectos convergimos bastante. Eu pelo menos concordo com praticamente tudo o que disseste aqui. Bom post. Para reflectir.

:clap: disseste a palavra correcta…resignação.

Texto fantástico. Concordo.

Gosto muito de te ler e partilho muitas opiniôes tuas mas este teu discurso tresanda ele mesmo a…resignaçâo. :wink:

Dizes nâo saber o que fazer mas a soluçâo está dada: pessoas competentes que pensem em termos de soluçôes e nâo em termos de problemas. Planos(nâo queria usar a palavra projecto) valem aquilo que as pessoas que os executam valem. E é isso que tem faltado no Sporting. Eu, em teoria, concordo com muito do que foi dito por actuais e anteriores dirigentes mas a execuçâo oh my god!; falha sempre! Se por incompetencia, interesses pessoais, interesses da banca etc é, no fundo, irrelevante. Sejam quais forem forem as causas, as consequencias sâo igualmente prejudiciais aos interesses do clube

Entre os muitos Sportinguistas ha concerteza gente competente(e com coragem) pra pegar no clube(e SAD e etc etc) e mais tarde ou mais cedo vâo aparecer. Nâo sou religioso mas ha que manter a fé.

Tens razão em muitos pontos, mas é que eu prefiro perder agora 2/3 anos a vender as vedetas, a abater o passivo e a comprar gajos a custo zero, para daqui a 10 anos estar lá em cima da Europa, do que continuar a aumentar o passivo com contratações sonantes e daqui a uns anos estarmos na mesma mrd(peço desculpa pelo vocabulário)!!

Na minha opinião, o FSF tem de definir todos os anos até onde quer baixar o passivo(e convém que seja de forma rápida), se não cumprir é que é porta fora!
Hás vezes convém dar um passo atrás para dar dois em frente.

Achas que se tem estado a cumprir? Cada ano que passas baixas mais a fasquia, achas que isso é viável? Todos sabiamos que iamos atravessar momentos dificeis, mas penso que chegamos a um ponto que ultrapassa todos os limites viáveis.
De que irá servir, daqui a 10 anos, não teres passivo se não tiveres clube?

O problema é esse, eu e penso que a maioria, resignou-se com este estado de coisas. Mesmo as pessoas que poderiam estar dispostas a servir o clube não aparecem. Andam algures a olhar para isto tudo sem se chegarem à frente. Eu não falo de uma oposição destrutiva que só aparece na hora da derrota, mas de gente séria capaz de apresentar ideias diferentes para o clube. Repito eu não peço milagres, porque o passivo tem de se pagar e não vai desaparecer por artes mágicas. Mas será que a unica forma de endireitar o clube é esta ? Estragula-lo de tal forma que parecemos uns pedintes.
Será que somos os unicos que tem compromissos com os bancos ?

Deixa-me te dizer uma coisa, eu já pensei como tu. Mas cheguei a conclusão que a conversa é sempre a mesma. Amanha sai o FSF e vem outro da mesma “familia” dizer-te que daqui a 2/3 anos é que é. E andamos nisto há anos. Repara que essa foi a conversa do Roquete, do Dias da Cunha e agora do Soares Franco. E contra mim falo, porque engoli esta xaropada durante anos.
Eu até acredito, que esta gente tenha dado o seu melhor e feito o que pensava ser o correcto para o clube. Mas falharam, e tem de chegar a hora de dizerem, vamos embora porque não sabemos mais.

Primeiro que tu àqueles que dizem que daqui a 10-20 o Sporting acaba, esses sim são verdadeiros derrotistas pois o Sporting só acaba quando se acabarem os adeptos, como faço tensão de viver mais uns 50 anos pelo menos, até lá podes ter a certeza que não vai acabar pois o Sporting somos nós.

Eu compreendo a situação, mas se estão revoltados que criem uma nova lista à presidência com um projecto melhor que o actual e peçam eleições antecipadas. Eu serei o primeiro a vos apoiar.
Visto que não há ninguém que se mova para isso, claro que vou continuar do lado dos que lá estão, pois eles apresentaram o melhor projecto das ultimas eleições segundo os sócios do Sporting.

Isso nao acontecera se nao ganharmos titulos (quando falo de titulos, falo de campeonato, uefa, ir pelo menos aos 8º’s da champions, etc, nao falo da beer cup) e os titulos nao aparecem sem (real) investimento ( a menos que saiam duma vez 3 Ronaldo’s e 2 Quaresma’s da Academia).

Mas onde é que andam “aventureiros” à espreita? Não há. Nem isso há. Esse papão já não cola. Por acaso há maior aventureirismo e desplante que prometer um Sporting europeu e depois acontecer esta derrocada? O Sporting regrediu à mediocridade futebolística do final dos anos 80, quando acabava o campeonato a quase 20 pontos do primeiro classificado e por vezes em quarto lugar. Ou seja, a pior fase da nossa história. Há a noção da gravidade disto no Visconde de Alvalade?? Quem gosta verdadeiramente do clube não o deixa cair neste desânimo e derrotismo. Não quer ver os sócios aborrecidos. Mas a preocupação de quem está à frente do clube é que não haja contestação, como se os problemas do Sporting se resolvessem se os sócios “desaparecessem”. A avaliar pelos “talking heads” ao serviço da direcção, o problema do Sporting são os sócios, como se não houvesse já afastamento suficiente entre as bases e o clube. Depois de queimar a formação por causa da penúria financeira, ainda se está querer pôr em causa a outra grande riqueza deste clube, e que o aguentou durante o jejum, que são as suas gentes. Tudo para manter o status quo. A política da terra queimada tem de acabar no Visconde de Alvalade, senão qualquer dia o Sporting não passa de um núcleo de “doutores” em autoelogio permanente, mas sem bases nem vitórias.

A resignação é uma consequência directa do modo como o Sporting tem vindo a ser dirigido desde o início da era Roquette. Quando o projecto foi apresentado, a esmagadora maioria dos adeptos e sócios (só conheço um que discordou) passou a apoiá-lo com todo o entusiasmo (eu também o fiz), por acreditar que o modelo de gestão desportiva e económica proposto era o melhor que se podia conceber.

Isto matou à nascença a possibilidade de aparecimento de qualquer alternativa e praticamente excluiu a discussão do modo como as coisas estavam a ser feitas - partindo-se do princípio que a gestão era a melhor possível, qualquer dissidência assumia contornos de traição ou mesmo de loucura. Os sucessivos presidentes da “era projecto” tiveram assim a eleição garantida desde o início e até puderam dar-se ao luxo de fazer uma coisa que não era vista desde o rotativismo do século XIX, que foi nomear o presidente antes das eleições, que passaram a servir apenas para ratificar o que fora já decidido pelas cúpulas do projecto.

Só nas últimas eleições é que começou a haver contestação significativa, mas muitos do que então se negaram a votar Soares Franco fizeram-no porque entenderam que ele estava a atraiçoar o projecto ao pretender acabar com a sua componente imobiliária que, tinham-nos dito, iria assegurar a rentabilidade do novo Estádio - lembrem-se que a direcção se orgulhava de afirmar que o Sporting era o único clube que teria um estádio novo independentemente do Euro 2004, pois não precisaria de subsídios para o construir - o Estádio “pagar-se-ia a si próprio”, graças ao Alvaláxia. Apesar disso, o Soares Franco conseguiu apresentar-se como o candidato do projecto e ganhou com larga vantagem.

Infelizmente, agora constatámos que as promessas de há 12 anos não foram cumpridas, nem no plano desportivo, pois o Sporting não foi campeão duas vezes em cada cinco anos, ou uma vez de dois em dois anos, nem no plano económico, pois após 12 anos em que se sucederam direcções que tiveram total liberdade e o apoio dos sócios para fazer o que quisessem e que governaram o Sporting como bem entenderam estamos numa posição em que só podemos aspirar a diminuir o passivo e a satisfazer todos os caprichos e ordens da banca, segundo declara a própria Direcção.

Agarrar-se às résteas do projecto é uma reacção humana, continuar a acreditar que “não há alternativa” é compreensível, até porque, nestes 12 anos, fomos “formatados” para pensar justamente isso: que o nosso modelo era o melhor e que não havia alternativa, o que também levou a que todos os “notáveis” tenham, num momento ou noutro, exprimido o seu apoio às direcções que se foram sucedendo, o que limita a sua liberdade para se virem oferecer como alternativa. Penso que é esta a causa do “conformismo”. O remédio é apercebermo-nos que o projecto já lá vai e que chegou o momento de discutir a sério as opções que se colocam quanto ao futuro do clube, exigir da direcção informações completas e adequadas sobre o estado do Clube, pedir-lhe (e às que a antecederam) contas sobre a gestão que fizeram sem que existisse oposição e com o apoio e confiança da esmagadora maioria dos sócios.

Que chegue finalmente ao fim o regime de partido único e que apareçam alternativas!

:clap: :clap:

Infelizmente tenho de concordar com a tua análise.

Mas a verdade é que também não se vislumbra uma oposição competente.

Não me leves a mal e nem quero parecer ofensivo, mas nasci a 21 de Dezembro de 1984, e só vi o meu clube ser campeão às 20:45 do dia 14 de Maio de 2000, após 2 golos de André Cruz, um de Aldo Duscher e outro de Ayew…

até lá ouvia promessas de que para o ano é que era, desta vez é que iamos ganhar…etc…
sinceramente, ouve uns anos que me foram mais fáceis de digerir do que outros, porque na minha opinião ouve anos em que perdemos o campeonato mas jogávamos futebol e isso via-se nas bancadas repletas em Alvalade…

ultimamente, não ganhamos, não jogamos e se não fosse uma gamebox que é comprada no inicio de época a preço que a meu ver nem sequer é muito alto, então neste momento, se fosse tudo bilhetes a vulso, deveriam estar cerca de 5 a 10.000 no estádio…

a frase que está a bold para mim funciona como as tais promessas…
é preferivel fazer isto e aquilo e passar fome mas daqui a 10 anos é que é… pois…

olha…fazemos assim, durante 2 anos dás-me metade do teu actual ordenado e eu prometo-te que daqui a 10 anos dou o dobro do que tu me deres agora…aceitas??

À parte os erros de português, gostei muito desta reflexão e revejo-me nela. (Acho é que não podemos continuar a escrever “à anos”…repetidamente…).

Caro Márinho, a comparação que fez não é a mesma. Se agora em Janeiro formos gastar 20 Milhões de euros, ou mais, com contratações vamos aumentar o Passivo ainda mais e por sua vez os juros que estamos a pagar por ele. E esses reforços que chegarem garantes que nos darão o titulo? É que o pessoal está à espera de atingir lucro com resultados desportivos mas a verdade é que essa é a maneira mais arriscada e que nos pode levar à falência mais rapidamente.

Metam os olhos no Guimarães… está com um passivo também por resolver e o presidente e o treinador estão a reunir esforços para abater o passivo e ao mesmo tempo ter uma equipa competitiva. Estão a provar que com uma boa prospecção conseguem encontrar grandes jogadores a baixos custos e ao mesmo tempo estabilizam financeiramente o clube para daqui a uns anos apostar bem mais forte, querem melhor que isso ?

Onde estão as alternativas???..Esse é que é o cerne na questão. Sinceramente parece-me que nesta altura já não há nada a fazer, houve uma hipótese remota nas eleições de tentar mudar as coisas, mas os sócios preferiram continuar com as mesmas pessoas que se andam a cooptar entre si há 10 anos. Engraçado disto tudo é que são sempre as mesmas caras e qd surge uma cara nova não é pela competência mas sim pq é grande amigo de alguém, ou jogou tenis e golfe nas férias com alguém, etc…

Ora sai daqui, vai para ali, sai da sociedade para voltar a entrar passado pouco tempo noutras funções, é isto quem tem sido o clube na era Roquette, o clube dos compadrios, dos amigos e doutores. Vejam qts vezes o Salema Garção já saiu do Sporting para ocupar lugares de administração curiosamente para empresas onde Hosta e Costa é o manda chuva, para regressar ao clube algum tempo depois.
Façam nova ginástica de memória e vejam qts cargos esse menino já ocupou no Sporting…É só um exemplo dos muitos que facilmente se pode dar. Amam todos o Sporting mas não dispensam o gordo salário, e qd se vão embora são capazes de meter o clube que tanto amam em tribunal se for caso disso só para obterem a atractiva indemnização.

Ao longo destes anos era frequente haver alguma contestação interna no clube contra o estado de coisas. Então a maneira mais eficaz para calar os opositores era oferecer-lhes lugares no concelho leonino, ou então algum cargo importante numa das sociedades do clube como acabou por acontecer na EJA. Chegou-se ao cúmulo de haver pessoas a orquestrar protestos pq já sabiam que iriam ser premiados. A Juventude Leonina tb foi fortemente aliciada nas últimas eleições para remeter o seu apoio ao Seja Franco, inclusive prometeram ao seu lider um lugarzinho da praxe no concelho leonino para se calar e sorrir para a fotografia.
São todos Sportinguistas mas andam todos ao mesmo, vendem-se por muito pouco, é tudo uma feira de vaidades.

Numa das poucas vezes que José Eduardo Bettencourt concedeu uma entrevista num programa de um canal de TV, a certa altura o jornalista perguntava-lhe qual era o segredo para uma gestão sólida e sensatez nas decisões. Ao qual ele respondeu que no dia em que entrasse alguém pela porta da sad com uma caçadeira nas mãos essa solidez caía por terra, não havia por onde resistir. Alguém re recorda disto?

O Sporting não é aliciante e atractivo, está mergulhado no abismo e dificilmente sairá de lá, ninguém no seu perfeito juizo irá assumir este clube, muito menos meter dinheiro lá. O Sporting é um clube de muita gente com fortunas, alguém se preocupa com o clube? NÃO. Os verdadeiros Sportinguistas somos nós que vivemos e choramos o clube, se saísse um mega jackpot no Euromilhões se calhar muitos de nós ajudariamos o clube, mas infelizmente a vida não é o euromilhões nem o Abramovich.

Essa terá sido uma decisão de última hora, pois lembro-me claramente de dizeres aqui poucos dias antes das eleições que ias votar no FSF.

O resto fica para analisar no fim-de-semana, espero ter tempo.

Concordo e subscrevo. Este texto expressa, na minha opinião, a realidade actual do Sporting. Resta perguntar:

E Soluções?

Gostava de saber onde é que tu ouviste isso. Falas sem saber de nada. A unica ligação da JL com a eleição de FSF prende-se com dois nomes: Miguel Salema e Mario Patricio. Ambos desligados à muito do activo da claque, mas ambos fundadores da mesma. Salema é o Director de Comunicação, e Mario Patricio é vice presidente.

O que tem o lider da JL a ver com isto? Viste o nome dele na lista para o Concelho Leonino? Eu não! Então que promessas foram essas?

Lembro-te que a JL foi o unico grupo a assumir-se claramente contra esta Direcção e contra o estado em que está mergulhado o nosso clube.

Continua a caçar fantasmas.