Ciclismo - Parte II

Grande João Almeida. Não é para todos, ficar para trás, sem equipa e conseguir-se aguentar como ele o fez.
Está no limite, resta saber como vão estar os outros.
Temos 3 dias de alta montanha e sem equipa é preciso um milagre para o Joao não quebrar. mas o top 10 está garantido. Um top5 seria fantástico.

Em ciclismo nada está garantido, basta um furo, uma queda e tudo muda. Mas nem é preciso isso, as etapas de alta montanha que têm pela frente são suficientemente difíceis para provocarem uma hecatombe na classificação a qualquer ciclista que tenha um dia mau.

Verdade. Basta olhar por exemplo para o dia que o Ruben Guerreiro teve ontem, acabando por perder mais de 40 minutos para o vencedor da etapa.

Especialmente em alta montanha, se houver quebra e se esta acontecer cedo na etapa é muito complicado.

Ficar na Deceunick tem coisas boas e coisas más. Por um lado é das melhores equipas do mundo e assim continuará a ter acesso ao melhor material de treino, ao melhor conhecimento tecnológico de ciclismo etc… Por outro lado é uma equipa formatada para clássicas se bem que como disseram isso pode mudar no futuro devido ao Evenepoel.
Não é uma decisão fácil de tomar a menos que tenha uma oferta duma equipa forte que lhe garanta estatuto de líder e bons corredores para o apoiar e apesar do que está a fazer no Giro não acredito que venha a ter uma oferta dessas, pelo menos já este ano.

Ontem foi uma etapa com muita emoção, este fim de semana foi bom e péssimo.

Bom porque parece que Nibali, Fuglsang e Pozzovivo estão praticamente arrumados, que não têm pernas para este ritmo em alta montanha.

Bom porque no TT o João mostrou ser forte e ganhou tempo a todos os adversários directos.

Péssimo, porque em alta montanha o João não vai ter equipa para o ajudar.

Péssimo porque perdeu segundos importantes em ambas as camisolas rosa e branca.

Péssimo porque não querendo fazer futurologia, o João não vai passar o stélvio com a Rosa.

Contudo… se antes da prova sabendo que ele ia trabalhar para o Masnda (foi contratado à CCC para substituir o Remco como líder no Giro), e tinha sido incluído no Giro à ultima, recordo que ele nem sequer esteve no lote de atletas que foi fazer o reconhecimento ao Giro, se me dissessem que o João ia ficar no top 5 ou até no top 3 do Giro e manter a rosa por 13 dias, eu diria que era espetacular para um jovem de 22 anos que se estreia no World Tour.

Por isso, apesar de nunca ter acreditato na vitória do João no Giro… neste momento ele está na ultima semana da prova sem os principais contenders na luta.

A ver as coisas pela etapa de ontem acho que a Ineos vai continuar a lutar por etapas, mas pela forma do Tao Geoghean Hart, acho que na alta montanha ele pode bem recuperar os 3 min e lutar pelo top 3. O miudo da sunweb que levou o Kelderman até ao cimo da montanha ou rebenta ou é uma série ameaça ao João na camisola branca, o Majka esteve bem na subida e é bom na alta montanha, e claro o próprio kelderman.

Se hoje fosse o último dia, em que o TT são 15kms planos, acho que o Kelderman ganhava. No sábado viu-se que na parte plana o Kelderman teve um rendimento superior, só na subida e descida é que o João ganhou segundos ao holandês.

Acho que nunca PT esteve tão próximo de ganhar um Grand Tour. Como eu gostava que fosse este ano :pray: :pray: :pray: :pray:

Ja esteve quando o grande Agostinho foi roubado na Vuelta acabando em segundo lugar depois de uns esquemas manhosos com os cronometros…

2 Likes

Uma pergunta sem qualquer 2ª intenção, apenas curiosidade de alguém que não percebe muito de ciclismo: o que vos leva a considerar uns ciclistas predestinados e outros não?

Sem perceber da poda, 1o há que enquadrar o ciclista.
Um froome nada tem a ver com um cippollini ou um Sagan ou um Cavendish ou wout van aert.
Eu pessoalmente gosto de allarounder (não no, sentido de clássicas mas sim de voltas de 2 e 3 semanas) ciclistas de grandes voltas.
Obviamente todos treinam imenso mas há questões a nível de fisionomia (não sei se é o termo correcto) e de capacidade técnica (que também é muito muito trabalhada) que definem um certo standard.
Para uma grande volta existem logo 4 pontos para mim essenciais. Ser muito bom no contra relógio, ser bom na montanha, ter uma capacidade /aplicar potência/watts acima da média e ter uma boa leitura táctica.
Agora isto não significa que ganhes até porque muitas vezes a falta de equipa, faz com que um corredor perca…
Diria que a excepção nos últimos largos anos foi Pogacar que sozinho, literalmente sozinho andou sempre “à coca” do camisola amarela no tour e no contra. Relógio final aplicou uma marretada épica

Às vezes é achar que se percebe demasiado, quando não se percebe nada e há inúmeras coisas que fazem mudar tudo. Há muitos ciclistas que prometem muito aos 20 e poucos anos e depois dos 27 já não fazem quase nada de jeito. Outros aparecem já na casa dos 30 e tornam-se verdadeiras máquinas.
Isto não só em relação a ciclistas completos, como também sprinters, ciclistas de clássicas, etc.

Por exemplo houve um ciclista que sempre acompanhei e achei que se ia tornar o melhor de sempre, que foi o Alberto Contador, ele era bom na montanha, era bom no contra relógio, tinha uma grande equipa que apostava nele, etc e acabou por ser um ciclista muito bom mas num patamar abaixo das lendas ( e até do Armstrong xD ).

Depois houve outro que eu nunca dei nada por ele e que acabou por chegar ao patamar do Contador e só não o ultrapassou e se vai tornar lenda, porque também inventou um bocado nos últimos 2/3 anos, que é o Froome.

Da nova fornada de jovens ciclistas, eu tenho dúvidas que vá sair dali alguém que possa ganhar vários tours seguidos sem grande dificuldade, porque não os vejo a serem excecionalmente bons em tudo, apesar de terem bastante qualidade.

O Rúben não entrou na fuga e resguardou-se, fez bem. Ele tinha dito que ia tentar entrar na fuga na etapa para marcar mais pontos para a montanha, mas sinceramente acho que nem fazia sentido o desgaste apenas por 2 categorias, a 1 categoria no final seria natural ir para os homens da GC.
Se ele quer ganhar a classificação da montanha tem é de ir para a fuga nesta semana, nestas 3 etapas é onde estão mais pontos, tem de ser dos primeiros a passar no Cima Coppi, esta classificação é muito aberta com os pontos ainda em jogo pode ir para qualquer ciclista. Eu sinceramente não conheço muito bem o percurso do Rúben, apenas me recordo dele na Katusha ele é um trepador puro? É que não me parece que seja esse exactamente esse o perfil dele, parece-me mais um Rui Costa.

Discordo completamente, a nova fornada tem valores como não se tinha há muito e ciclistas completos, quer de voltistas, quer de clássicas e vamos ver se não temos ai o próximo Eddie Merckx que ganha os monumentos e as grandes voltas. Já do que o vi fazer este ano a puxar pelo Roglic acho que pode no futuro também ir lutar por um Tour ainda luta é pela verde e amarela ao mesmo tempo exactamente como o Eddie Merckx.

Muita pena o JA ter caído no Tour de Flandres, muita curiosidade para ver se ele conseguia fazer frente aqueles dois “monstros” do ciclismo.

A forma como actualmente desde cedo se evoluem os ciclistas também tecnicamente é muito diferente do passado o próprio João Almeida é exemplo disso. Se tem capacidade com conhecimento técnico tem tudo para ser bom também no contra-relógio obviamente que nem todos são um Filippo Ganna, mas não têm de o ser, agora de Landas e Bardets que para ganharem um Tour têm de ganhar 5 minutos nas montanhas é que não obrigado. Até porque nos dias de hoje com esta forma de correr esses ganhos na montanha só quando algum tem um desfalecimento.

Entrámos na terceira semana do Giro, a semana de todas as decisões, vamos ver até onde o nosso João Almeida consegue ir.
Mas também começa hoje a Vuelta com uma etapa já difícil e que promete espectáculo. Uma semana muito interessante para todos os amantes do ciclismo.

Posso estar totalmente enganado mas acho que o evenepoel vai mais ano menos ano ser o ciclista que vai limpar uma série de grandes voltas. É verdade que não correu ainda uma grande volta e ainda é cedo para fazer uma análise. Mas eu pessoalmente vejo ciclismo à bastantes anos e com aquela idade nunca vi nada assim.

Curioso com o Rui Costa, ele sente-se picado por este destaque do João Almeida. Que torne esta competição pelo o melhor ciclista português da actualidade a seu favor.

Um top10 na Vuelta e a ganhar etapas. Vamos, Rui.

Na minha modesta opinião o Rui Costa não tem hipótese de lutar pela geral em volta de três semanas. Acredito mais no João Almeida no pódio do Domingo do que o Rui no top 10 da Vuelta. Mas espero estar enganado.

Não parece que o objectivo nesta Vuelta do Rui Costa seja fazer top ten, até porque a UAE tem o De La Cruz e o Formolo para isso. Mas vamos ver como a corrida corre, certamente quem estiver melhor é que será apoiado, as vezes as pessoas esquecem-se que o ciclismo também é um desporto de equipa.

O Remco tem muita concorrência, como não havia há muitos anos.

Não querendo menosprezar o Froome, o concorrente dele era o Quintana, ou um Contador em fase final de carreira. O Quintana ainda não é um velho e basta ver o que faz agora com os novos nomes… antes ainda ia para o pódio agora nem isso.

Parece-me que ninguém vai conseguir um domínio total e ganhar Tour após Tour, o que será muito bom para o espétaculo, até porque parece-me que existem mais equipas que querem/acreditam que podem ganhar o Tour e começam a apresentar blocos fortes.

Até esta Sunweb que está no Giro na altura do Dumoulin era um ai jesus, agora tem um bloco muito interessante com jovens, porque os jovens talentos não são apenas aqueles que vão lutar pelo Tour, Lennard Kämna, Sepp Kuss, Aleksandr Vlasov, Jai Hindley, Brandon McNulty, Daniel Martínez, outros grandes nomes para o futuro.

Ajudem aqui um noob.

9 minutos e meio do grupo da frente, a 77 kms da meta.

Bom, mau ou impossivel de saber?

Resposta de outro noob,
O melhor classificado do grupo da frente está a 20 e qualquer coisa minutos do João.
Nada de preocupante. O mais provável é serem alcançados perto da meta e aí sim o nível aperta entre os primeiros da geral.

Grande ataque do Rúben Guerreiro. Muito bem. A ver se recupera a camisola da montanha.