Carta aberta ao Presidente Bruno de Carvalho

Este texto foi publicado no meu blogue e entretanto partilhado nos facebooks do Cortina Verde e do
Sporting Clube de Portugal - Site de Apoio e na Tasca do Cherba que julgo ser um dos blogues mais concorridos do universo leonino

Não vou estar na próxima Assembleia Geral, e mesmo que lá estivesse confesso que não sei se teria coragem para subir ao palco e falar aos sportinguistas. Tenho mais jeito para escrever do que para falar e nunca discursei perante uma grande audiência. Temo que se o fizesse, seria traído pelos nervos e não conseguiria expressar com a fluência e nitidez necessárias, tudo que me vai na alma. Assim proponho-me a escrever uma carta aberta ao Presidente Bruno de Carvalho, embora não faça a mínima ideia de como fazê-la chegar a ele, pois este meu blogue é insignificante.

Sr. Presidente, lembro-me da primeira vez que o vi numa entrevista que deu à TV Record e, logo aí senti que podia estar na presença do líder que o Sporting precisava. Foi com grande tristeza que assisti ao sucedido nas eleições de 2011 e foi com enorme alegria que vivi a vitória de 2013. Daí para cá o Presidente Bruno de Carvalho tem não só confirmado as expectativas que depositava nele, como em alguns casos até as tem excedido.

O Sporting que estava à porta de um PER, fez a sua reestruturação financeira, que nessa matéria não resolveu todos os problemas da SAD e do Clube, mas colocou-os numa situação de estabilidade, que não sendo desafogada é governável.

Tem sido verdadeiramente extraordinária a coragem e a determinação reveladas pelo Presidente na luta contra os interesses instalados no futebol português e no nosso próprio Clube, sem esquecer as situações pouco claras que gravitam à volta deste negócio que é o futebol, nomeadamente em relação aos fundos e aos empresários. São também dignas de realce as acções e as propostas no sentido de melhorar e alterar o que está mal em várias áreas relacionadas com o futebol.

A tudo isto tem reagido com algum desconforto, a comunicação social portuguesa que na sua generalidade está associada aos interesses dos clubes nossos rivais, pelo que tudo se faz para desvalorizar e criticar as iniciativas do Sporting e principalmente de um homem que começa a incomodar muita gente, sendo como tal escrutinados todos os seus movimentos, para à mínima coisa se disparar sobre ele, mesmo quando faz apenas o que os outros andam a fazer há 30 anos.

Desportivamente nestes dois anos o Sporting levou à prática o lema de fazer mais com menos, embora ainda se esteja longe daquilo que todos nós desejamos, mas os milagres não existem e não podemos exigi-los a esta Direcção, tal como a Direcção também não os deve exigir aos nossos treinadores e atletas.

É aqui que entro no que me motivou a escrever-lhe esta missiva. Ainda recentemente o Sr. Presidente afirmou na Sporting TV que quando se tomam dezenas de decisões por dia, é natural que se tome uma decisão má, mas que nessa altura temos de ter capacidade de a resolver. Pois Sr. Presidente é isso que eu lhe peço que faça rapidamente, em relação à decisão que tomou ao criticar a nossa equipa de futebol e o seu treinador publicamente, abrindo uma crise desnecessária num sector vital da vida do Clube, que ao contrário do que infelizmente também disse nessa sua intervenção na Sporting TV, não é fruto da especulação da comunicação social, nem da má vontade dos seus inimigos internos. O problema é real e grave e isso toda a gente vê, pelo que negá-lo também não foi uma boa decisão.

Na minha opinião, que é idêntica à da esmagadora maioria dos sportinguistas com quem troco diariamente opiniões, quer pessoalmente, quer virtualmente, e acredite que são muitos, nesta situação o senhor cometeu pela primeira vez um grande erro, que não só ainda não foi capaz de emendar, como tem vindo a agravá-lo, deixando que se arraste no tempo.

Mesmo que se por absurdo, aquilo que o Sr. José Eduardo disse e escreveu sobre Marco Silva fosse verdade, o que o Senhor teria de ter feito era confrontar o visado com as suas diabólicas acções e despedi-lo, porque nesse caso certamente haveriam razões para isso, explicando depois tintin por tintin a situação aos sócios, que seguramente se devidamente esclarecidos, entenderiam a sua decisão.

No entanto estou completamente convencido que a questão resulta apenas das divergências entre o treinador e a estrutura do futebol, no que diz respeito à construção do plantel, tendo em conta os objectivos estabelecidos.

É verdade que quando o Marco Silva veio para o Sporting já sabia que o objectivo para esta época era o título e que a SAD tinha limitações financeiras, mas também temos de reconhecer que a politica de contratações não tem sido muito bem conseguida, vai daí eu tenho de concluir que as responsabilidades daquilo que não tem corrido bem nesta temporada, e não me parece que seja assim tanto quanto isso, tem de ser divididas por todos. Os jogadores porque não renderam aquilo que deles se esperava, o treinador porque não pôs a equipa ao nível das exigências da estrutura do futebol e esta última porque errou em algumas escolhas e como tal foi longe de mais nos objectivos propostos.

Gostaria ainda de lhe dizer que lhe louvo a sua paixão e dedicação total ao nosso Sporting, mas ninguém consegue fazer tudo sozinho e estar em todo o lado ao mesmo tempo, pelo que necessita de se rodear de pessoas capazes de o ajudar, mas os seus melhores companheiros de luta não são os que lhe dizem sempre que sim e que tiram o chapéu da cabeça quando passa, o verdadeiro amigo é aquele que sabe dizer não na hora certa.

Voltando atrás e para concluir, peço-lhe que resolva de uma vez por todas um problema para o qual muito contribuiu. Ou despede o treinador e assume por inteiro as responsabilidades do que daí resultar e aposto que não vai ser nada de bom, ou então ponha uma pedra sobre o assunto apoiando o técnico com quem assinou um contrato de 4 anos, de uma forma inequívoca e dando-lhe as condições necessárias para melhorar a equipa, fazendo-o participar nas escolhas dessas soluções, evitando-se assim atritos e dividindo-se responsabilidades. Caso contrário que se redefinam os objectivos, porque dar um passo atrás nem sempre significa uma derrota. Não conheço nenhum sportinguista que não tenha ficado feliz quando fez as pazes com o Manuel Fernandes. Foi um acto que só o engrandeceu.

O que não pode é continuar esta situação em que Presidente e treinador estão de costas voltadas, parecendo que o primeiro está à espera das derrotas da equipa para despedir o segundo, enquanto este quando ganha um jogo com os jogadores defendidos pelo outro, fica com uma cara de enterro, tudo para gáudio dos nossos rivais que se fartam de nos gozar e agora com razões para isso, sem esquecer aqueles que depois de tão tristes figuras que fizeram quando passaram pelas Direcções anteriores, agora já se sentem no direito de sair do buraco para mandarem umas bocas. Não lhes dê esse gozo.

Sr. Bruno de Carvalho acabe já com isto e não desperdice a oportunidade de ficar na história do Sporting Clube de Portugal como um dos seus grandes Presidentes, na senda de homens como José Alvalade, Júlio de Araújo, Oliveira Duarte. Ribeiro Ferreira, Brás Medeiros e João Rocha.

Um abraço verde e cheio de esperança do Sócio nº 27086

António Xavier Dias

PS- Depois de ver a intervenção do Sr, José Eduardo ontem na RTP, eu no seu lugar fazia uso de uma famosa frase do último Rei de Espanha e já agora se me permite Sr. Presidente, parece-me que a solução para todo este problema pode estar nas referências à politica de contratações constantes no seu programa eleitoral para o Futebol, que passo a citar:

“Cinco ou seis jogadores, numa escolha cirúrgica, experientes (ter em atenção que no futebol a experiência não está directamente relacionada com a idade) e capazes de acrescentar valor ao plantel existente, serão suficientes para a construção de uma equipa que possa lutar pelos objectivos curto, médio e longo prazo do Clube. Lutaremos por um Sporting Clube de Portugal Campeão!”

Jogadores estrangeiros não adaptados ao futebol português, apenas se forem mais valias claras.
“As contratações de jogadores estrangeiros não adaptados ao futebol português, estará sempre dependente de ser considerada pelo treinador principal e pela equipa directiva, como uma real valia para o reforço da equipa, apoiados em base nos relatórios emitidos pelos departamentos de scouting e sociológico”

@to-mane, há alguns equívocos na tua ‘carta aberta’.

Dia 17 (AG) vai-se perceber melhor mas julgo que a questão não andará longe dos seguintes pontos:

  1. O Presidente não acautelou devidamente os pressupostos da contratação do Marco.
  2. Estava longe de imaginar que nos dias subsequentes haveria a ‘tempestade’ Doyen.
  3. Uma ‘facada’ de 10 milhões de Euros a quem quer que seja, motiva da parte do ‘esfaqueado’ todas as reacções possíveis e imaginárias.
  4. Neste contexto, o Marco manteve as antigas lealdades que transportava, com as implicações que acarreta.
  5. O Marco com as costas quentes pela sua ‘entourage’ e ancorada na Imprensa hostil ao Clube está a jogar num processo de vitimização para forçar o despedimento.
  6. Despedir o Marco por motivos desportivos sempre esteve fora de questão para a Direcção, sendo mais do foro novelístico da imprensa municiada pelo empresário do Marco.
  7. As razões reais do ‘desconforto’ evidente prendem-se com motivos disciplinares e quero acreditar que sejam movidos procedimentos internos em consonância.

A verdade é que esta questão, de que o Presidente não está isento de ‘culpas’ - vidé ponto 1) está a ser uma oportunidade de ouro para uma tentativa de regresso dos antigos ‘saqueadores’ do Clube, em nome da ‘paz e da concórdia’ …

Já agora, para concluir e antevendo as opções que possívelmente se vão colocar:

Entre um bom funcionário, mas com uma agenda que afinal se revela em conflito com a política desportiva do Clube que lhe paga e um bom Presidente, que no essencial não me tem desiludido (antes pelo contrário), não tenho dúvidas de que lado vou estar !

Já pensaste que tudo o que afirmas não existem provas algumas além de um comentador que manda umas frases e até desrespeita o treinador, o presidente e o Sporting e ninguém lhe responde? Alguém que se diz independente e que vem lavar roupa suja na Praça pública a pedido o de quem?

Será que não se esta a diabolarizar um ser humano gostando se ou não do Marco ele é uma pessoa é devemos manter o seu apoio até mostrarem provas reais daquilo que o acusam de ser ou achas normal um “sócio” ir ter uma reunião com o treinador? Para que raio se paga um ordenado ao Inácio, para ir o JE fazer o seu papel? Sejamos sérios e não façamos julgamentos ao marco tendo em conta um conjunto de acusações totalmente infundadas e cujo objectivo é incendiar até porque ele se diz o ideólogo do BdC.

Eu não sou super fã do Marco, simplesmente está história tresanda e como tal já devia ter sido resolvida pela direção. Atenção a CS pode não ser a melhor para o SCP mas possessão a fazer o seu trabalho e se alguém do próprio Sporting lhes dá informações sobre a “luta” entre o treinador e presidente e não justifica nada e normal as pessoas sérias e não cegas dividirem dessas informações porque não são fundamentadas. Se se quiserem rir mais um bocado leiam o artigo do JE hoje onde até o espanhol tem mais direito de antena que o nosso treinador.

Por fim deixo só a ideia de que reuniões com o JE só mesmo em parques de estacionamento para não se sentir o cheiro…

@Santarém

Eu não acredito minimamente nessa teoria da conspiração lançada pelo José Eduardo. O que o treinador quer é ganhar não é destituir a Direcção.

Parece-me claro que as divergências passam pela construção do plantel e já se arrastam quase desde o principio, no entanto não foi isso que impediu a coexistência entre os dois, até que o Presidente resolveu criticar publicamente o treinador tal como já havia feito em relação aos jogadores, que por sua vez também responderam tal como treinador o fez.

Portanto se o Presidente tivesse dito o que tinha a dizer e feito o que tinha a fazer lá dentro não estávamos agora aqui a discutir nada disto. Se a ideia é despedir o treinador que despedisse assumindo as responsabilidades daí resultantes, ou então deixava-se chegar ao final da época.

Agora mandar bocas à espera que o treinador se demita ou meta a pata na poça para haver justa causa de despedimento e a seguir usar o José Eduardo como moço de recados para lançar a dúvida entre os adeptos sobre o carácter do treinador, não foi boa ideia e teve os efeitos contrários ao desejado, se foi isso que se fez, porque amanhã o BdC até se pode demarcar do Zé (espero que o faça e já escrevi sobre isso no meu blogue e no tópico do 4x3x3).

Ou seja na minha opinião foi um tiro no pé e de canhão.

Eu por mim estou do lado do Sporting, e estar do lado do Sporting é esperar que o Presidente continue o seu magnifico trabalho corrigindo o que está mal, e que o treinador faça exactamente o mesmo, pois também acho que tem feito um bom trabalho mas que tal como o do Presidente não está isento de erros.

Santarém essa questão nem se coloca. Não há nenhum lado a escolher. O funcionário com essa “agenda” deve ser posto a andar , porque o seu conflito é da esfera institucional. Como é que uma "opção que possivelmente vai-se colocar "(usando as tuas palavras) é o lado de alguém que está contra o Clube ?

A direcção está eleita para defender os interesses do clube. Se estes estão a ser minados de uma forma tão categórica , toda esta baderna é acessória.

Este é um resumo cronológico dos factos até ao momento,
resumindo o cerne do affair Marco Silva.

Isto vai arrastar-se até dia 17, porque não acredito que o Presidente tome uma iniciativa
antes de ouvir os Sócios.

O que está mal. Primeiro porque deixará no ar a ideia de que ele está à espera que o Sporting fique a 15 pontos para poder despedir o treinador, depois transformará a AG numa especte de referendo “ou eu ou o treinador” e finalmente porque uma Direcção não pode andar a consultar os sócios em matérias como esta, nem deixar que esta situação se arraste mais tempo.

Realmente o Sporting é um clube giro… O presidente manda uma boca ao treinador e o treinador responde com uma indirecta. Abre-se um processo disciplinar e o presidente diz que tudo não passou de uma situação anómala que foi resolvida de acordo com o procedimento normal. Se a história tivesse terminado nos intervenientes, tudo isto seria perfeitamente pacífico. Mas não!
É o ex-presidente ressabiado e com o rabo apertado pela auditoria colocar a sua incompetência a nu que ‘sempre avisou’.
É o ex-dirigente idiota que nunca acrescentou nada à discussão que continua a sua saga.
É saudoso Rochista que só vai deixar de criticar quando colocarem alguém da família Rocha no clube.
É o ‘notável’ que se demite das funções que não tinha, com saudades do Sporting Country Club de Portugal.
É o pseudo notável que continua a não perceber o porquê de não ter um tachito.
É o poeta do facebook que continua a ser um herói solitário cheio de fontes seguras.
É o paladino da direção que beija até o chão que pisa o presidente.
É o ex-candidato que continua a alimentar o sonho e se eleva ligeiramente na planta dos pés.

E no final do dia só concordam numa coisa: O Sporting é um circo e não percebem porquê… Realmente porque será?

Eu volto a perguntar, qual agenda? Até agora ninguém falou disso sem ser o JE. A verdade é que ninguém mais fala disso sem ser o JE, estranho? Não, é tudo normal pós sportinguista que preferem atacar sem provas algumas do que ignorar umas declarações sem pés nem cabeça. Defender o Sporting é a única coisa que interessa

Há que ter cuidado! Se isto for assim pode alguém algum dia chamar a TV à gare do Oriente para dizer que o Paulinho também tem agenda própria e não está a servir o Sporting o que seria ridículo mas pode acontecer com o que vejo ocorrer não me espanta nada. O exemplo não é o melhor porque se há pessoa que gosta do Sporting e o Paulinho mas ninguém está imune a este gênero de pessoas.

@to-mane não reduzas esta questão a um problema de ‘FÉ’. Acreditar ou não acreditar … Se remetes isto para um nível ‘teológico’ as verdades são impossíveis.

Óbviamente que o treinador quer ganhar (é o seu ganha-pão), mas a continuar esta insubordinação evidente face às hierarquias (já não falo no municiamento diário dos jornais de assuntos internos ao Clube, deturpados para ‘fazer jeito’) acrescido das encenações de ‘infelicidade’ estampada no rosto, espero que tenha CARÁCTER e apresente a demissão.

Porque em última análise, em termos OBJECTIVOS está a colaborar num movimento de destituição da Direcção.

E pode tirar o ‘cavalinho da chuva’. Este Presidente não lhe vai dar a Indemnização prevista no contrato.

Se bem ‘conheço’ o Presidente, ele não deixa ‘apodrecer’ as decisões.

Todo este imbróglio vai estar clarificado, para o bem ou para o mal, antes da AG.

Os Órgão competentes (Direcção incluída) não estão incapacitados de tomarem as decisões que têm que ser tomadas !

Muito de acordo Sigurd.
Estas novelas têm esta vantagem, tais quais as tempestades, ajudam a destapar os podres existentes e é sempre uma oportunidade para fazer limpezas.

Espero que a Direção tenha muito mais tino que toda a gente que por aqui e ali anda a tentar mexer com tudo.

SL

Mal de nós quando o Presidente tiver de ouvir os socios em assembleia para tomar a decisão de despedir o treinador…

Mas não há outra maneira de se analisar esta questão. Ou se acredita naquilo que o JE disse sobre o MS ser a cabeça de um polvo e não sei mais o quê, o que me parece ser apenas uma invenção para lançar a dúvida e preparar o terreno de forma a justificar o despedimento, ou não se acredita, que é o meu caso que vejo isto apenas como o resultado de divergências relativas à formação do plantel que foram agravadas pela forma pouco cautelosa como ambos os protagonistas geriram as suas intervenções publicas.

Errado. Não está à espera de ficar a 15 pontos. Está à espera para saber se a possibilidade de despedimento a custo zero se verifica ou não. Desportivamente nesta fase é irrelevante se falam ou não, já ganhámos em Guimarães sem se falarem, e não o acham um incompetente com o perigo de afundar a equipa. O treinador tem também a motivação de ganhar os jogos porque senão não leva dinheiro. Em termos de gestão pura e dura é a melhor opção. Se fosse mentalidade de “adepto” como muitos acusam aí sim era pagar os 2M e pronto. Mas sabe-se que para BdC o dinheiro do clube é caro. O blackout está imposto, neste momento a única coisa que chateia os Sportinguistas é o barulho que os próprios Sportinguistas criam. Desliguem a televisão e esperem duas semanas é o meu conselho, o Sporting vai normalmente lutar pela vitória nos seus jogos.

Quanto à AG é óbvio que não é nenhum referendo nem a Direcção vai consultar os sócios sobre esta matéria, a decisão já está tomada. Para mim é muito difícil que voltem a confiar num treinador depois do episódio do Nacional, então no hotel é todo sorrisos e depois na conferência manda a boca? Imagino o murro no estômago. Mas certamente um qualquer sócio insuspeito irá propor uma votação de confiança à Direcção e esta irá ser aclamada por 90 e tal por cento. Uma boa forma de acabar esta novela. Aqui é a gestão política da coisa. Também se percebe.

:arrow:

O melhor post de há muito tempo neste fórum.

Não concordo nem subscrevo esta carta aberta ao Presidente do Sporting Clube de Portugal. Repudio mesmo a sua divulgação pois espero sinceramente que nenhum sócio partilhe desta opinião (ou antes intimação) que nada mais é que um ato de fragilização desta direção perante o público em geral.

Infelizmente, no Sporting pesa o fardo de termos sido fundados por um visconde e de ser considerado o clube da classe alta. Por isso é que tanta comichão causa a política de comunicação do Presidente e as frentes de batalha que abrimos pela verdade desportiva a todos os níveis, típico de clube plebeu. E ainda temos a agravante de virmos de mais de 2 décadas de pura incompetência e muita gente ainda não conseguir assimilar um Presidente com uma equipa competente e que trabalha 24 horas para o Sporting e não apenas nos tempos livres, como se de um hobby se tratasse.

Durante anos que os sportinguistas comentavam em relação aos rivais: “No Porto é que é bom porque só o Presidente é que fala”, “No Porto não há polémicas porque os adeptos estão sempre ao lado do Presidente”, “No Benfica o Rui Costa nunca se ouve, falam a uma só voz”
Agora que no Sporting temos um Presidente que é o unico responsável pela comunicação, como durante anos foi apregoado pelos adeptos, é um tumulto enorme porque o Presidente só quer o protagonismo para ele. O Inácio é um bacoco porque nunca fala, nem nas polémicas. Se o Bruno de Carvalho usa linguagem fora do estritamente permitido a um clube da “classe” do Sporting é um crime de lesa-pátria, sendo que os mesmos que criticam são aqueles que vão elogiar o senhor Pinto da Costa quando usa o mesmo tipo de linguagem na defesa dos interesses do seu clube ou para picar os rivais.

No Porto e no Benfica, os treinadores vêm jogadores nucleares sair todas as épocas, jogam com aquilo que lhes é posto à disposição e nem margem têm para reclamar. Ainda agora o Benfica a 6 pontos de 2º lugar viu sair uma das suas peças nucleares e com a promessa que não haverá contratação para substituir. O Presidente interfere no futebol ao ponto de dizer quem faz ou não parte do plantel (o ano passado disse que Pizzi ia fazer parte do plantel deste ano), mas no Sporting o facto de um treinador não ser incluido na escolha de jogadores que chegaram antes dele serve como desculpa para a não inclusão dos reforços na equipa. No Benfica, um Presidente que deu 1 título de campeão nacional ao Benfica por cada 100 milhões de passivo é considerado um Deus e admirado pela maioria dos lampiões, com votações acima de 80% nas eleições. No Sporting um Presidente que nos salva de um PER e nos coloca na rota da sustentabilidade financeira é enxovalhado por um treinador que não fez nada de extraordinário no nosso clube e que é sobejamente conhecido que nem adepto do clube é.

Enquanto não deixarmos de ser diferentes e passarmos a ser iguais aos outros, que defendem os seus com unhas, garras e dentes, vai ser muito dificil travarmos as batalhas que temos pela frente. Numa altura destas o apoio ao Presidente havia de ser inquestionável e fazer-se sentir pelo país inteiro, como fazem portistas e benfiquistas aos seus Presidentes. Mas não, somos diferentes porque chegamos ao ponto de pedir para trocar alguem que no Sporting conseguiu fazer aquilo que para qualquer Sportinguista minimamente exigente está abaixo do minimo admissível por alguém que é Leão de Coração e tem provas dadas no nosso clube ao nível da gestão desportiva e financeira tanto no futebol como nas restantes modalidades. Isto tudo porque a imprensa nos vende um treinador amador, ainda com um longo percurso de aprendizagem pela frente até estar preparado para assumir um clube com mais responsabilidade que a luta pela metade superior da tabela, como se do Mourinho se tratasse. Vendem-nos a ideia que se o deixarmos sair vamos vê-lo brilhar nos rivais e levá-los à conquista de grandes títulos nacionais e internacionais. Tivessem feito o mesmo no Porto o ano passado e nunca veriamos tamanho apoio dos tripeiros ao seu treinador por melhor que fosse.

Na AG que vai decorrer em breve espero nada mais nada menos que um apoio assombroso por parte dos sócios ao Presidente. Transmitir-lhe uma mensagem de força e de que os verdadeiros sportinguistas estão lá para o apoiar no que vem pela frente. Caso contrário, não se venham mais tarde queixar que o Sporting voltou ao mesmo nível que alguns parecem gostar, que é a luta pelo 4º lugar com Braga, Guimarães, Estoril, Marítimo ou Nacional. Talvez assim alguns adeptos fiquem mais satisfeitos, pois é esse o nível de exigência que alguns preferem idolatrar.

Os meus parabéns to-mane , revejo-me no que escreveste quase na totalidade!
Acrescento só que fiquei muito mal impressionado por o presidente ter vindo defender o je, um Presidente não pode criticar jogadores e treinador e defender parasitas do clube!
De resto, todos têm o direito a errar e se o presidente quiser ainda vai a tempo de corrigir!

Reavstone, posso colocar o teu post no facebook? :wink:

Não sou tão peremptório como o to-mane na análise que faz da situação, mas as preocupações dele são as minhas. Acho que é uma carta pertinente que o Presidente devia ler.