Azia

In http://www.quatroquatrodois.blogspot.com/

" Um extenso sobre o derby porque só hoje há computador cá em casa

Branquear é, por exemplo, isto: João Pereira não é lesto a despachar a bola e o Sporting aproveita para marcar o segundo (o relato da crítica amargurada). Fosse Mourinho o treinador de Alvalade e a realidade seria outra, a seguinte: a pressão alta do Sporting dá frutos com Paíto a ganhar a segunda bola a João Pereira na zona de perigo; Carlos Martins, desempenhando correctamente a função de médio de apoio, aparece na grande área para dar o golo a Liedson.

A liberdade de opinião é estimável, mas interessante é perceber que a imparcialidade é a tanga suprema e que todo o emissor é um corruptor da mensagem. Por exemplo, o Record acha que o Sporting esteve “pouco inspirado” e o Cartaxana escreve mesmo que a exibição foi “frouxa”. Eu posso estar maluco, mas o que esta apreciação me sugere, de repente, é a imagem dos 648 mil leitores do Record – o líder de audiência, note-se – a rir à gargalhada e também, porque não, a de um pau de marmeleira abatendo-se sobre a nuca do Rui Dias e do Cartaxana. Obrigado, Manuel Machado, pela inspiração.

Como já se terá percebido, estou numa de canalhice animalesca irracional, dominado pelo coração e pelas emoções exacerbadas. Traduzindo: sou uma pessoa saudável e gosto de futebol. Portanto, o Toni, esse técnico reputado com um currículo invejável mundo fora, debita uma alarvidade histórica – “Os pontos fortes do Sporting, como a consistência do meio-campo, a boa circulação de bola, raramente emergiram. O Benfica neutralizou-os graças a uma estratégia que resultou enquanto durou o 1-1” – e, obviamente, há muito para dizer.

Imagino várias explicações para as duas frases citadas, quase todas à base de álcool. Saberá o Toni que antes do 1-1 decorreram 27 minutos, ou seja, 30 por cento da partida? Mais uma vez, fosse Mourinho o treinador, a estória seria escrita por outras linhas: apoiada numa excelente circulação entre os médios, a obsessão do Sporting pela posse de bola, que retira a iniciativa ao adversário e permite à equipa descansar antes de partir para mais um ataque, foi constante desde o minuto inicial e explica que o Benfica não tenha existido até ao golo de Nuno Gomes, obtido no primeiro remate à baliza de Ricardo.

Portanto, nesta fase, estou pronto para reconhecer perante o amigo 1906, que tanto me tem dignificado com os seus insultos nos comentários do 442, que o Peseiro domou a fera e passou o teste (ver post no início de Dezembro). Aos treinadores pedem-se resultados, eles estão aí. Há um modelo de jogo, um onze titular, um inferno no estádio, uma equipa motivada e unida. E a liderança, claro.

Sobre o derby, é simples. O Sporting jogou muito, muito, muito, muito, mas muito mais do que o Benfica, todavia, a histórica sorte da águia em Alvalade, um fenómeno comparável ao triângulo das Bermudas, adiou o KO graças a um golo que ninguém sabe donde apareceu, e a uma expulsão providencial, quando a equipa estava encostada às cordas.

A actuação de Liedson, o sindicalista, é para os teóricos da bola estudarem. Há muitos, não é o meu caso. Sou maluquinho por isto, mas continuo certo que o jogo é tão belo como simples. Pelo contrário, no Público, a malta do desporto está preocupada com o exemplo para a equipa. Teme-se que no próximo Natal Liedson só volte lá para o Dia de Reis, tal como a restante colónia brasileira. Enfim, o FC Porto é que sabe punir os jogadores. O Diego não jogou, pois não?

Tal como o Liedson é um enganador, também a SAD anda há muito a iludir os adeptos. Neste momento temos um meio-campo de luxo cuja média de idades é de 21 anos e no qual três atletas são oriundos da formação. Carlos Martins, por exemplo, ingressou no Sporting há 11 anos. Mas, um momento, esperem, talvez isso explique a garra, a alma, a sede de vitória, o espírito guerreiro, a DEDICAÇÃO, a revolução que foi naquele relvado sábado à noite. Talvez, talvez.

Na atmosfera ensurdecedora de Alvalade, de volta aos bons velhos tempos, sobressaíram Rogério (um monstro), Beto, Polga, Viana, Rochemback, Carlos Martins e Liedson. Gostei de Alcides – é mesmo reforço – e Manuel Fernandes. Petit tentou segurar o barco e esteve à altura do que lhe era exigido, tal como Nuno Gomes. Já Simão…

Parece que Leo Lima está a caminho do FC Porto. Boa contratação, embora me pareça que algo de estranho se passa por aqueles lados quanto à compra e venda de jogadores. A soma movimentada desde a saída de Mourinho é astronómica e, quase certamente, coloca o clube no topo mundial quanto a receitas com saídas do plantel em 2004. As movimentações sucedem-se e algo me diz que o Dínamo de Moscovo é o novo aliado azul-e-branco. Entretanto, as opções de qualidade no mercado português à disposição de Benfica e Sporting são cada vez menos. E as comissões para os empresários disparam. Estará a equipa do FC Porto a ganhar com esta estratégia? Presumo que não."

Meus Caros,

Palavras para quê ???

=D> =D> =D> =D> =D> =D> =D> =D> =D> =D>

Está 5 *****!!!

=D> =D> =D>

Juro que não foi eu que escrevi isto mas gostava de ter sido! :smiley:

Aguenta, Não Chora! :twisted: :twisted:

Interessante, mas onde é que o Hugo Viana e o Paneleiro Gomes estiveram à altura dos acontecimentos?

O primeiro cumpriu á risca o que lhe foi pedido no plano defensivo, lá no fundo deslocado na esquerda, local onde rende metade do que rende no meio, já o nuno gomes concretizou a única oportunidade que teve!

Excelente. Em que jornal trabalha este homem? O quê? Hã…pois…ah…é verdade o que ele escreveu? E isso não é admissivel na pasquinada? Aaahhhhhh…desculpem, pois… :roll:

Excelente, deu gosto ler. =D> =D> =D>

Muito bom, também gostei! :slight_smile:

O primeiro cumpriu á risca o que lhe foi pedido no plano defensivo, lá no fundo deslocado na esquerda, local onde rende metade do que rende no meio, já o nuno gomes concretizou a única oportunidade que teve!

Pegares em 10 / 15 minutos da exibição do Hugo Viana e em 10/ 15 segundos da exibição do Paneleiro Gomes para responderes à minha pergunta, é elucidativo.

Ta bom sim senhor :smiley:

O primeiro cumpriu á risca o que lhe foi pedido no plano defensivo, lá no fundo deslocado na esquerda, local onde rende metade do que rende no meio, já o nuno gomes concretizou a única oportunidade que teve!

Pegares em 10 / 15 minutos da exibição do Hugo Viana e em 10/ 15 segundos da exibição do Paneleiro Gomes para responderes à minha pergunta, é elucidativo.

Angel, amigo, a minha escrita sempre foi elucidativa! :smiley: