[Aviação] Notícias e comentários

A companhia Dubai Emirates anunciou este domingo que encomendou à Airbus 70 aviões A350 XWB, o mais avançado avião de capacidade média e longo curso, e 11 aparelhos A380 por mais de 13,6 mil milhões de euros. Reagindo ao anúncio do presidente da Emirates, cheikh Ahmed bem Saïd Al-Maktoum, em conferência de imprensa após a abertura da maior feira aeroespacial do Médio Oriente, «Dubai Airshow», o presidente da Airbus, Thomas Enders, disse estar «orgulhoso» neste contrato e sublinhou que esta é «a maior encomenda de sempre» feita à sua empresa. A juntar aos 11 A380 (actualmente o maior avião civil), três dos quais encomendados agora, e 70 aparelhos A350 XWB, a Emirates exerceu ainda o direito de opção de compra sobre 50 outros aviões A350, um aparelho de nova geração e longo curso, lançado pela Airbus para competir com o «Dreamliner 787» da norte-americana Boeing. O contrato eleva para 58 o número de A380 encomendados pela Emirates, que assim se torna no maior cliente mundial de superjumbos da Airbus. O aparelho de vanguarda da europeia Airbus, cuja entrega sofreu um atraso de dois anos, efectuou o mês passado o seu primeiro vôo comercial pela companhia Singapura Airlines, entre Singapura e Sidney (Austrália). Mas a encomenda mais significativa e simultaneamente a mais aguardada diz respeito aos aparelhos A350. Já há vários meses, a Emirates anunciou que pretendia comprar uma centena de aparelhos de longo curso, mostrando-se contudo na altura hesitante entre o A350XWB da Airbus e o Dreamliner da Boeing. Os responsáveis da Emirates esclareceram que o contrato não será partilhado, mas antes incidirá apenas sobre um só tipo de aparelho. A encomenda de 70 aviões - 50 exemplares do A350-900 e 20 A350-1000 - tornaram a Emirates no segundo maior cliente deste modelo de avião de longo curso, logo depois da companhia do Golfo, a Qatar Airways, que anunciou em Junho uma encomenda de 80 exemplares, na exposição de Bourget (França). Por sua vez, a Boeing terá de se contentar com uma encomenda da Emirates de 12 aviões B777-300, num valor total de 2,1 mil milhões de euros. Questionado sobre as razões que levaram a Emirates a optar pelo A350XWB em detrimento do Dreamliner, o vice-presidente da Boeing, Scott Carson, simplesmente respondeu que a empresa não tinha o avião que a Emirates queria. A Emirates esteve em negociações durante os últimos meses com as duas empresas concorrentes para assegurar que os aparelhos que vai comprar correspondem exactamente às suas necessidades. A Feira «Dubai Airshow» vai na sua 10ª edição e mostra este ano mais de 900 expositores de 50 países, encabeçados pela Boeing e Airbus, e mais de 140 aviões comerciais e militares.

ai as acções da airbus amanha…a maior encomenda de sempre ::slight_smile:

A TAP encomendou A350s mas tem havido rumores sobre o cancelamento da encomenda e assinatura por DreamLiners.

Tópico da Airbus? acho que era melhor “aviação”.

Imagens de um dos novos Airbus A330-200 da TAP Portugal:

MadeiraLion, sabes por acaso a que rotas normalmente estão destinadas esses novos da TAP?

Estes A330 vão substituir os A310 e cobrir novas rotas, ou seja:

Lisboa e Porto para Funchal, Newark, Caracas, Natal, Fortaleza, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Paris, Luanda, Joanesburgo e talvez Buenos Aires e o Oriente.

sao portanto viagens de longo curso… ja agora para os voos mais curtos serão os A320, right?

madeiralion sabes se a TAP tem previsto o alargamento da sua frota, para além desse A350 que referes? ja agora serao A350-800, 900 ou 1000?

A340 e A330 para longo curso; A321, A320 e A319 para médio curso.

8 A350-800 e 4 A350-900 para 2014 e 2015, mas é uma frota muito curta que deve ser ampliada com novas encomendas.

obg madeiralion.

ja agora aproveito para postar o link que mostra as dimensões dos novos a350:

http://www.airbus.com/store/mm_repository/flash/a350xwb/airbus/

para quem ainda não viu, o video do “show” em évora:

http://www.youtube.com/watch?v=rYfhC9ft_hk

Exelente Video SuperLiedson … aquela manobra no fim é brutal.

Um grande avião que devia ser aproveitado (pelo menos um) para a TAP Cargo.

foi um espectacullo perigoso, mas segundo consta executado pelos mais experientes pilotos da TAP. Quem sabe da matéria diz que só um craque consegue fazer aquilo. Colocar um bicho daqueles a fazer acrobacias perto do solo é brutal. Penso que foi testado no simulador primeiro, e depois avançaram para o “terreno”, com o consentimento da administração da TAP.

É uma boa publicidade à airbus e à TAP…

Depois do Abramobicho, ai está mais uma encomenda milionária à Airbus… :slight_smile:

http://www.theregister.co.uk/2007/11/14/a380_flying_palace/

TAP já recebeu o novo Airbus A330 que irá fazer o voo inaugural no principio de Dezembro para o Brasil, seguindo-se 4 modelos identicos a serem entregues pela companhia europeia até Junho de 2008.

Entretanto, entre 2011 e 2018 a TAP tem mais 15 aviões encomendados. Estas compras, segundo a empresa, servem essencialmente para tirar melhor partido do combustivel, que estimam poupar metade do seu consumo. Aliás esta tem sido uma das preocupações dos maiores fabricantes de aviões comerciais, como a Airbus e a Boeing, tornar os aviões menos gastadores.

Novo… de fábrica, porque a TAP já tinha 7 A330s na frota (vindos da Austrian e da Swiss).

Também foi anunciada a encomenda de 6 novos A320 para o médio curso.

madeiralion:

segundo o site da TAP, existem 3 modelos A330 na companhia:

http://www.flytap.com/Portugal/pt/Empresa/Frota/

encomendarem um A380 é que era…:slight_smile: gostava de “experimentar” um bicho destes.

O site não está actualizado. Também demoraram meses em colocar o A330 e se calhar vão demorar meses em tirar o A310 :smiley:

A TAP teve 747s quando havia grande fluxo de passageiros entre a metrópole e África:

[b]TAP vai ter mais dois aviões A319 já em Maio Capacidade em 2008 cresce cerca de 20%[/b]

Presstur 28-11-2007 (08h00) O reforço de frota pela TAP não se esgota nos contratos celebrados segunda-feira com a Airbus e a companhia tem já mesmo previsto incorporar dois novos A319, para o médio curso, em Maio do próximo ano — disseram ao PressTUR fontes da companhia, que avançaram ainda que o aumento de capacidade previsto para 2008 situa-se próximo dos 20%.

O crescimento em 20% ocorre principalmente pelo reforço da capacidade no longo curso, pela substituição dos cinco A310, de 196 lugares, por novos A330, de 268, o primeiro dos quais chegou ontem a Lisboa e começa a voar no dia 5 de Dezembro.

Estes novos A330 vão chegar até Junho (dois em Fevereiro, um em Abril e um em Junho) e com eles a TAP passará a contar 12 aviões deste modelo, já que em 2006 adquiriu três à Swiss e este ano comprou mais quatro à Austrian.

Mas a companhia, que se reforçou no médio curso principalmente pela aquisição da Portugália (16 aviões, seis dos quais Fokker 100, oito Embraer 145 e dois Beechcraft 1900D, tem também vindo a aumentar a frota de “aviões médios” (da família A320), que operam principalmente nas rotas domésticas e europeias, dos quais tem 17 A319, de 132 lugares, 15 A320, de 156 lugares, e três A321, de 194 lugares.

Esse investimento vai prosseguir, designadamente com a chegada de dois A319, prevista para Maio, e que é independente da carta de intenções que assinou segunda-feira com a Airbus para a compra de oito aparelhos deste modelo, metade dos quais para reforço de frota e os restantes para renovação, com entregas previstas para 2011 (seis) e 2012 (dois).

As fontes do PressTUR avançaram que a companhia já elaborou o orçamento para 2008, no qual prevê um reforço de capacidade em cerca de 20%, em cima do crescimento deste ano, que no final de Setembro, segundo a AEA, se situava em 17,1%, e depois de um aumento em 14,9% no ano de 2006.

Estes aumentos de capacidade a dois dígitos, que comparam com crescimentos médios das companhias da AEA em 4,4% em 2006 e em 4,2% no período de Janeiro a Setembro, inclusive, decorrem de uma estratégia anunciada em Outubro de 2005 pelo CEO Fernando Pinto, no decorrer do processo de renovação da frota de longo curso.

A aquisição de novos aviões é a única solução para continuar a crescer, aumentar a eficiência e fazer face à escalada nos preços dos combustíveis, “que jamais voltarão aos níveis anteriores”, afirmava o executivo em editorial no jornal interno da TAP.

Na segunda-feira passada, em Toulouse, quando da entrega pela Airbus do primeiro dos cinco A330 encomendados pela TAP, Fernando Pinto, destacava que fruto dessa estratégia a companhia praticamente duplicou o volume de negócios, para a ordem dos dois mil milhões de euros, mantendo o nível de endividamento que tinha quando a sua facturação era da ordem dos mil milhões.

[b]TAP já pode olhar para o Extremo Oriente[/b]

Presstur 28-11-2007 (07h40) A entrada na TAP da frota Airbus A350 EWB está a dez anos de estar totalmente efectivada, um tempo que Fernando Pinto avançou poder ser aproveitado pela companhia para se posicionar em relação à abertura de rotas para o Extremo Oriente.

“Como para os aviões chegarem temos sete a dez anos, temos tempo não só de medir o mercado como também de trabalhar para o desenvolvimento de novos destinos”, indicou o CEO da TAP, que anteriormente tinha destacado que além de vantagens como o conforto a bordo, uma nova redução do consumo de combustível, na ordem dos 50% face à frota actual e 25% em relação aos novos A330, os A350XWB têm “condições de voar bem mais longe”, dando os exemplos da China e do Japão.

Há destinos que “eles podem abrir portas”, disse ainda Fernando Pinto que, sobre a concretização avisou que “vai depender da condição de mercado da TAP”.

O CEO, porém, deixou claro que a TAP vai trabalhar nesse sentido.

“É aí que nós podemos melhorar através de code-shares”, disse, referindo-se ao acordo anunciado na semana passada com a japonesa All Nippon Airways (ANA).

“Se esse voo começar a ter bons resultados nós vamos ganhar confiança para depois dar novos saltos”, disse Fernando Pinto, que admitiu que “o mesmo poderá acontecer com a entrada das empresas chinesas para a Star Alliance”.

“E por aí fora. Não se pára nesses dois países. Nós temos que analisar o todo para a partir daí ter opções”, concluiu.

Consolas da Panasonic fazem sucesso

O novo A330 “João Gonçalves Zarco” da TAP tem diversas virtualidades em relação aos “velhinhos” A310 e seguramente das que fará mais sucesso serão as consolas individuais da Panasonic, que dão aos passageiros, tanto da executiva como da turística, alternativas bastantes para uma viagem de longo curso.

O sistema funciona por comando e por toques no écran e permite ao passageiro fazer a sua própria programação entre várias opções, da música (com umas dezenas de CD organizados por géneros), filmes, jogos interactivos, notícias, roteiros de viagens e a clássica informação sobre o voo.

Mais um A330 para a TAP em fase final

O calendário de chegada dos A330 à TAP prevê a entrega pela Airbus de mais dois aparelhos em Fevereiro, um dos quais é presumivelmente o aparelho que segunda-feira ao fim da tarde se podia ver junto ao edifício no complexo do fabricante europeu em Toulouse, França, onde decorreu a cerimónia de entrega do primeiro da encomenda, baptizado de “João Gonçalves Zarco”.

Esse avião já está pintado com as cores da companhia portuguesa e, pelo menos à distância, apenas lhe faltarão os reactores.

TAP é 12ª companhia a encomendar o A350XWB

A TAP é a 12ª companhia aérea a contratar a compra do novo Airbus A350XWB, que com as 12 unidades para a transportadora portuguesa atinge as 288 unidades em ordens firmes, em que a primeira é a russa Aeroflot, com 22, mas os maiores compradores são a Qatar, com 80, e a Emirates, com 70.

Além destas ordens firmes, a Airbus tem já também 129 “commitments”, em que avultam as 30 unidades para a DAE Capital e as 22 para a brasileira TAM.

“E o ano ainda não acabou”, acrescentava na segunda-feira o COO do fabricante europeu, John Leahy, depois de dizer que o A350XWB “vendeu melhor do que qualquer outro avião” da Airbus

in Presstur

A TAP está fortissima! É o que acontece quando uma empresa é dirigida por profissionais competentes.

Actualização muito util sobre a nova frota.

concordo, a TAP está em grande desenvolvimento, este brasileiro veio dar à empresa vitalidade que antes não existia. Isto reflecte-se no lucro que a empresa passou a ter. Chama-se competencia e profissionalismo.

PS: excelentes fotos dos 747 :slight_smile: nao sabia que a TAP teve destes “bichos”.