Atentados em França (Grenoble), Tunísia, Kuwait...

[size=18pt][b]Man decapitated in apparent Islamist attack at French factory [/b][/size] One person has been killed and several injured in an attack on a factory near Grenoble in southeast France. According to local reports, an Islamist flag has been found at the site.

According to regional daily Le Dauphiné Libéré, the attacker entered the factory, owned by company Air Products in the town of Saint-Quentin-Fallavier, claiming he belonged to the Islamic State (IS) group.

According to the report, the man opened gas bottles and set off an explosion. The newspaper also states that one victim was decapitated and several others injured.

Police sources told the AFP news agency that a man suspected of being behind the attack had been arrested.

http://www.france24.com/en/20150626-live-terrorist-attack-souteast-france-islamic-state-decapitated-explosion

Foi aqui perto de lyon por acaso não moro muito longe do sitio, decapitaram um man e espetaram a cabeça tipo num pico com bandeiras de daesh ao lado, entre os atentados que não acontecem por milagre que são parados por um triz e os que acontecem mesmo aqui em França não ha um unico mês sem este tipo de noticias e depois queixam-se que ha muitos racistas.

E quem te garante que foram mesmo islamitas? De false flags está o mundo cheio.

Pergunta aos familiares dos falecidos, se eles acham piada ao que escreveste?

Ja identificaram o homem lol e obviamente é um islamista radical que estava a ser seguido pelas autoridades como sempre.

Hail Hitler!

Na Tunísia já vai em 19 mortos…and counting… :wall: :wall:

Há outro no Kuwait, numa mesquita. 13 mortos, pelo menos. :-\

Querem ver que estavam coordenados, os sacanas. >:D

Os americanos não brincam em serviço!

Este ano tem sido fértil em maluquinhos.

Em Janeiro foi a “festa” que se viu em França.

Em Março foram Jornalistas e turistas com o Galheiro na Tunisia.

A semana passado foi um maluco dos cornos que matou 9 pretos numa Igreja para eles.

E hoje este festival…

Para não falar da Ucrânia, do ISIS…

O mundo não podia estar mais pacífico… :twisted:

Companheiro, deves desconfiar até da tua própria sombra. Uma coisa é não alinhar em propagandas e manipulações baratas, outra totalmente distinta é seguir o diapasão das teorias de conspiração absurdas.

[b]Um dia de terror: 258 mortos, 385 feridos[/b]

A manhã desta sexta-feira foi abalada por ataques terroristas na zona de Lyon (França), numa estância turística de Sousse (Tunísia) e numa mesquista da capital do Kuwait, tendo dois deles sido reivindicados pelo autodenominado Estado Islâmico (Daesh). Síria e Somália também foram palco de atentados realizados pelo Daesh e Al-Shabab, respetivamente. O que está por saber: coincidência ou planeamento?

E do nada, pelo menos aparentemente, cinco ações terroristas em pontos diferentes do globo assustaram o mundo pela aparente - mas não confirmada - coordenação. É um dia que vai ficar na história pela quase coincidência dos ataques, que fizeram pelo menos 258 mortes: um em França, 25 no Kuwait, 37 na Tunísia, 50 na Somália e 145 na Síria - números atualizados às 20h45 desta sexta-feira. E há ainda mais de 385 feridos, embora os balanços não sejam definitivos.

Em França, um ataque numa fábrica que armazena gás e produtos tóxicos provocou um morto e dois feridos na região de Isère, perto de Lyon. Na sequência de uma explosão ocorrida na fábrica Air Products, em Saint-Quentin-Fallavier, as autoridades policiais, quando chegaram ao local, depararam-se com o corpo de um homem decapitado e sinais de um ataque terrorista. A cabeça da vítima estava pendurada no gradeamento exterior da unidade fabril, rodeada por restos de tecido com inscrições em árabe.

O presumível autor do ataque acabaria detido e identificado pela polícia. O homem, de 35 anos, já estava referenciado pelas autoridades. Reivindicou pertencer ao Daesh.

Pouco depois deste ataque, ocorrido cerca das 9h em Lisboa, o segundo episódio desta sequência levou as atenções ao Kuwait, onde um ataque suicida, à bomba, teve como alvo dois mil xiitas, que no interior de uma mesquita da capital procediam às suas habituais orações da hora do almoço (mais duas do que em Lisboa). O mais recente saldo aponta para pelo menos 25 mortos confirmados e 202 feridos hospitalizados.

Também aqui se ouviu uma forte explosão que danificou as paredes e o teto da mesquita do Imã Sadiq, situada no bairro de al-Sawabir, junto a uma zona comercial e habitacional da Cidade do Kuwait. O Daesh já reivindicou este atentado.

Sensivelmente à mesma hora, mas pouco depois, o sossego de uma perfeita manhã de praia, com céu limpo e 28 graus de temperatura, em Sousse, na Tunísia, foi violentamente interrompido por um tiroteio junto ao hotel Imperial Marhaba. O número de vítimas: 37 mortos e 36 feridos.

O ataque foi alegadamente protagonizado por dois homens armados de espingardas de assalto AK-47, a arma usada em março durante o atentado ao Museu do Bardo, em Tunis. Mas se então as autoridades tunisinas atribuíram essa operação a Lokmane Abou Sakhr, um líder jiadista argelino e considerado um dos dirigentes do Okba Ibn Nafaa, um grupo filiado na Al-Qaeda, até ver o episódio desta sexta-feira de manhã ainda não foi reivindicado por nenhum grupo terrorista específico.

No ataque de Sousse, os homens usaram um bote de borracha para desembarcarem tranquilamente na praia privativa do hotel. Pareciam dois turistas, de t-shirt e calções, com um guarda-sol onde a arma estava escondida. De um momento para o outro, começaram a disparar indiscriminadamente, sendo que um deles acabaria por ser abatido pela polícia.

E os atentados não ficam por aqui. Também na Síria, militantes do Daesh (disfarçados de membros do Exército Livre da Síria) mataram pelo menos 145 civis esta sexta-feira, em Kobani, cidade que faz fronteira com a Turquia, usando pelo menos três carros bomba. O objetivo do Daesh, com este ataque que é considerado o segundo pior massacre levado a cabo pelos jiadistas no país (e que tirou a vida a idosos, mulheres e crianças), tinha como objetivo recuperar o controlo sobre a cidade.

Na Somália foi a vez dos rebeldes islamitas do Al-Shabab assumirem o controlo e realizarem um ataque que já foi igualmente classificado como o mais mortífero desde que, há oito anos, a Missão da União Africana (AMISON) chegou ao país. Esta sexta-feira, os rebeldes tomaram o controlo total da base da AMISON, onde estavam cerca de 100 soldados burundianos. O saldo final: pelo menos 50 mortos, segundo o próprio grupo extremista.

http://expresso.sapo.pt/internacional/2015-06-26-Um-dia-de-terror-258-mortos-385-feridos

E quem te garante que foi um false flag? De alegações dessas está, também, o mundo cheio.

[b]

Portuguesa entre as vítimas do atentado na Tunísia
PÚBLICO 27/06/2015 - 08:01 (actualizado às 11:05)
Estado Islâmico já reivindicou atentado. Governo ordenou fecho de 80 mesquitas e milhares de turistas estão a sair do país.

O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, confirmou na manhã deste sábado que uma portuguesa está entre as 39 vítimas mortais do atentado na Tunísia. A maior parte das vítimas são de origem britânica, francesa, alemã e belga. A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo calcula que estarão na Tunísia mais de 200 portugueses.

Segundo José Cesário, ouvido pela TVI24, trata-se de uma mulher de 76 anos e era a única portuguesa que se encontrava hospedada no hotel Rio Imperial. A mulher foi transportada para um hospital da capital e estaria incontactável desde sexta-feira. Um responsável da embaixada portuguesa na Tunísia está a acompanhar a autópsia, avançou ainda o governante.

O grupo extremista autoproclamado Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado de sexta-feira contra um hotel perto de Sousse, na Tunísia, num comunicado difundido por contas jihadistas na rede social Twitter. Entretanto, os turistas estão a sair do país e o primeiro-ministro ordenou o fecho de 80 mesquitas que “incitam ao terrorismo” e reforçou a segurança em pontos considerados “sensíveis”.

“O soldado do califado (…) Abou Yahya al-Qayrawani (…) atingiu o objectivo no hotel Imperial”, matando 39 pessoas, “a maior parte delas nacionais dos estados da aliança que combate o Estado do Califado”, refere o texto do Estado Islâmico divulgado nas redes sociais. O ataque visou “antros [de] fornicação, vício e apostasia na cidade de Sousse” e foi levado a cabo “apesar das apertadas medidas [de segurança] em torno destes antros na praia de Kantaoui”, acrescenta a nota.

O ataque de um homem armado contra o hotel Riu Imperial Marhaba, em Port El Kantaoui, na costa oriental, a 140 quilómetros a sul de Tunes e nos arredores da estância turística de Sousse, causou 39 mortos, segundo um balanço provisório citado pela AFP. O atirador, que perpetrou o ataque vestido como um turista, foi morto pela polícia.

Mesquitas fechadas
Neste sábado, o primeiro-ministro Habib Essid anunciou que 80 mesquitas serão fechadas por “incitarem ao terrorismo” e acrescentou que vai recorrer a militares na reserva para reforçar a segurança em “pontos sensíveis”.

Na noite de sexta-feira, o governante informou que a maioria dos mortos era de origem britânica, alemã, belga e francesa. Pelo menos cinco britânicos e uma irlandesa estão entre as vítimas mortais, revelaram as autoridades daqueles países.

Entretanto, os turistas estrangeiros começaram a sair das estâncias turísticas tunisinas em direcção ao aeroporto de Enfidha, entre Tunes e Sousse. O êxodo começou na sexta-feira e continuava na manhã deste sábado. Os voos destinam-se a Londres, Manchester, Amesterdão, Bruxelas e São Petersburgo. Também o operador turístico Thomson anunciou, neste sábado, o envio de dez aviões para a Tunísia para repatriar 2500 turistas britânicos.

“Temos medo, ficarmos não é seguro”, disse um turista do País de Gales à AFP. “A nossa agência aconselhou-nos a regressar de imediato ao nosso país”, revelou um outro turista de origem belga.

Recorde-se que o turismo é muito importante para a economia local e contribui com 15,2% para o Produto Interno Bruto (PIB).

http://www.publico.pt/mundo/noticia/estado-islamico-reivindica-atentado-na-tunisia-1700305

:arrow: :arrow:.

Teorias da conspiração?!?!
Então mas quem é que criou a Al-Qaeda e financiou o Isis? Estamos a brincar?

O Charlie também era um atendado bárbaro etc, e no fim através de uma pequena coisa a que se chama CÉREBRO conseguiu-se intuir perfeitamente que tinha sido outra false flag.

O ataque ao Charlie Hebdo também foi uma farsa? Explica-me lá isso que eu estou bastante a leste.

tens tu provas do que dizes ?

Pelos vistos eles tinham lancado um video a dizer que este ramadao ia ser violento.

Discute-se no uk se devem deixar de ir para estes sitios para as pessoas perderem o seu ganha pao e se virarem contra o isis, ou ir na mesma para nao deixar as populacoes sem rendimento e assim ser mais dificil para o isis avancar.