As nossas Finanças / Poupanças - O tópico do Forreta

Princípio básico: quando se começa a perder dinheiro (a descer para o vermelho, por exemplo no espaço de 3 meses), é altura de pensar em comprar mais… quando se começa a ganhar muito dinheiro (a subir muito no espaço de 3 meses), é altura de pensar em vender algum. :laughing:

Acho que o @kaiowa também concorda com este princípio. :sweat_smile:

Deixa ver se acompanho o raciocínio.

Compramos mais quando está a desvalorizar porque as unidades ficam mais baratas e aumenta o potencial de valorização. Será isto?

Vendemos quando se começa a ganhar muito dinheiro para garantirmos que o investimento já compensou. Aqui fiquei com mais dúvidas!

Certo.

Agora a parte do vender é mais complicada, se o que se pretende é um investimento a 10, 15, 20 anos, fazer conjeturas futuras e /ou Market timing é mais complicado (e regra geral dá asneira).
Compra 2 fundos globais:
1 de acções globais;
1 outro de obrigações governamentais euros (tens 2 bons no NB).
50% da carteira para cada um.
Quando as acções subirem 10% (valor exemplificativo) vendes 10% do fundo de acções e compras 10% no fundo de obrigações.
Com o passar dos anos e com a experiência acumulada ajustas as alocações conforme o teu perfil de risco.

Conselho da piça Paracelsus e que espero que nenhum de vós o siga. Já vi muita gente ficar sem muito dinheiro com o mesmo pensamento. Facas atiradas ao ar nunca se apanham! Sabe-se lá qual é o fundo de qualquer coisa! Isso é adivinhanço e jogar na roleta!

De resto, agora até já há uns quantos mecanismos automáticos de investimento, com bons retornos, baseados no perfil de investidor de cada utilizador e que pode ser perfeitamente um bom começo para quem não tem disponibilidade de grandes análises.

Bem, não tenho melhor para o timing de comprar ou de vender. :sweat_smile:

Geralmente digo: está a ir ao fundo: NÃO VENDER! E quando está a ir pra cima que nem um foguete costumo dizer: NÃO COMPRAR!

You get the picture. :sunglasses:

Não existe algo semelhante ao Lysa ou Opti aí em Portugal?

Na verdade eu espero para ver quando chegou ao fundo e nessa altura compro. Hão-de dizer: ah, mas não se sabe quando chegou ao fundo… pois não, por isso é que é muito raro fazê-lo… por isso não perco geralmente tempo a fazer esse trabalho e meto simplesmente um X todos os meses.

Sobre a parte do retirar o dinheiro… se existir uma data definida é complicado, mas se não existir, pode-se optar por uma estratégia progressiva em que, no espaço de X tempo (depois de terem passado uns anos), se retira aos poucos consoante a evolução como o @zofo disse. Existem aliás alguns fundos de pensões que fazem isso, à medida que a idade vai avançando vão substituindo 1% ou mais do que está em acçoes para obrigações (o que na prática é o mesmo).

Regra básica, quando o mercado crasha são boas noticias, altura de comprar barato.
Qt ao vender em alta é mais tramado, pelo menos para mim. É o meu calcanhar de aquiles, a altura correcta de venda. Como já disse, eu não curto muito fundos que acompanham indices. Eu gosto de fazer a minha pesquisa, e aposto naquilo que acredito ser realmente um negócio com potencial de crescimento.
O negativo disto, é que me afeicoo aos meus investimentos. São coisas em que acredito. E depois normalmente falho a altura de vender. Algo a melhorar. Acho que deve ser a skill mais dificil na realidade.

1 Like

Oh, a quem o dizes. Também sofro do mesmo mal. A sorte tem sido que não preciso de vender assim com tanta frequência. Mas mesmo quando preciso, custa-me muito vender de empresas em que acreditei e acredito e onde tenho valorizações de 700 e 800%. Eu sei, é irracional pensar assim e devia vender nessas, nem que fosse para reequilibrar o portfolio, mas é muito difícil de o fazer na prática. :upside_down_face:

1 Like

Investir é como jogar poker. Se apostaste o guito todo, ou se panicas, estás em tilt. Se o mercado te faz raise, tens 3 hipoteses. Ou fazes call, ou fazes raise, ou fazes fold. O mesmo se o mercado mostra fraqueza. Eu para mim fraqueza é raize.
O ponto principal é que guito que metes no pote, é guito que já não é teu. Se a malta perceber esta regra basica, em principio não tem problemas.

Faz o seguinte, pega numa folha de excel e simula o investimento numa ou mais ETFs, acompanha durante 3 meses e ve o resultado que obtinhas caso o investimento fosse real.
As ETFs funcionam na sua genese como as accoes/commodities/obrigacoes, pois estao indexadas aos indices. Sendo as ETFs um cabaz de varios produtos como os que referi na frase anterior, a variacao da rentabilidade oscila da mesma forma.

Porem as ETFs sendo cabazes de varios produtos, apesar de dar maiores garantias de nao haver perdas, sendo que algumas quedas sao compensadas com ganhos noutras, fica tambem mais dificil de prever e decidir qual o momento a vender ou comprar.
Outra coisa 'e a falta de alguma informacao nos produtos em que a propria ETF investe, os quais podem variar a qualquer momento.

Tal como tentei demonstrar no video que aqui meti, quando os lockdowns terminarem e a economia reabrir, havera’ inevitavelmente uma escalada da inflacao tendo em conta os gastos que os governos tiveram que suportar. Isto fara’ com que os bancos centrais aumentem as taxas de juro, o que leva a que as obrigacoes de divida publica se tornem mais rentaveis, mas ao mesmo tempo possa levar a uma recessao pois fica mais caro para as empresas se financiarem.
Problema 'e saber quando 'e que isso vai acontecer.

Eu tenho exatamente o problema oposto ao vosso, que e a aversao ao comprar haha

Neste momento tenho as poupancas quase todas a render 0.01% num deposito a prazo e 5000 euros no deposito a prazo do OpenBank a render 2% a meio ano promocional. O motivo e simplesmente que no horizonte de 1 a 2 anos estou a planear comprar casa e vou precisar de parte substancial das poupancas, provavelmente quase tudo, para dar entrada, pagar impostos e outras despesas e depois o mobiliario. Ora tendo isto em conta, nao me faz sentido “arriscar” investir num ETF ou outro produto que nao seja um deposito sabendo que o meu timing de retirada pode ser pessimo.

Quando tirar isto da equacao, muito provavelmente devo apostar num desses servicos “robo advisor” de perfil conservador e ir reforcando mensalmente conforme a disponibilidade. Tenho total aversao ao risco, ja o disse ai atras. Se perder 5% do que la meter ja ia andar doente durante 1 mes. Ja fiz um screening pelas varias plataformas e estes servicos automatizados com base no perfil de investidor garantem retornos melhores que os 0.01% de depositos a prazo, mesmo nao sendo grande espingarda, e uma probabilidade quase nula de perder dinheiro nos mais conservadores. Dai que pessoalmente me parece que va ser essa a minha aposta quando comecar a poupar numa otica de meter dinheiro de parte que nao va precisar nos proximos 10 anos.

Estes serviços cobram uma comissão anual, superior a 1%, paga trimestralmente. Para um perfil conservador ou muito conservador não são a melhor opção. Aliás, arrisco afirmar, que não são a melhor opção para a generalidade dos aforradores.

1 Like

Também é um problema comum… faz uma poupanca mensal e mete sempre esse dinheiro num fundo (ou dividido por vários). Em poupanca mensal não é psicologicamente tão dramático quando existem as oscilacões normais dos mercados.

Exacto. Se é para ter uma comissão dessas, então é para dar rentabilidade muito acima… ou seja, falamos aqui de pessoas confortáveis com riscos muito elevados.

Se o teu perfil é assim tão conservador, o melhor é um PPR. Tens bons beneficios fiscais, e se retirares o PPR do anexo H do IRS, onde aparecem automaticamente, ficam livres para ser movimentados a qualquer altura. Tens menos beneficio fiscal, mas ainda é bastante bom.

Se os mantiveres no anexo H, só poderás movimentar os mesmos dentro dos fins previstos (Reforma, Desemprego prolongado, Doença, etc). Ao retirar do anexo, podes movimentar livremente sem penalizações fiscais e usufruindo à mesma da tributação reduzida (21,5% ao invés de 28%)

Vi varias alternativas em que a comissao era muito inferior (principalmente em adesoes promocionais) e nos ultimos 3/4 anos tinhas rentabilidades liquidas entre os 2 a 3%.
Nao e nada de espetacular mas tendo em conta o que rendem depositos a prazo…

Mas como disse e algo a considerar no futuro. Depende muito de como vai correr a vida. Neste momento ca em casa conseguimos meter de parte em media cerca de 1000 euros mensais mais as receitas extraordinarias (pelo menos 1 dos subsidios completos de ferias ou natal, reembolsos de IRS, premios de performance, etc), isto assumindo um ano normal em que nao existe nada completamente anormal como uma manutencao do carro ou da mota absurdas ou outros imprevistos. Alem disso temos a mensalidade do credito do carro de 500 euros mes. Dependendo de como for a compra da casa e do que passem a ser as nossas despesas apos isto pode variar mas queriamos manter-nos pelo menos dentro deste target de poupanca mensal e quando acabar o credito do carro como e algo que basicamente ja se considera que sai do orcamento como uma despesa corrente, estava a pensar continuar a retirar esses 500 euros no final do credito e meter em algo de muito risco, muita recompensa potencial. Mas por outro lado sao 6000 euros ao fim do ano, 60 mil ao fim de 10 anos. Mas como o meu conhecimento e muito limitado, preferia sempre “entregar” ou a uma ferramenta automatizada, ou entregar a alguem que perceba do assunto e faca a gestao corrente por mim.

Pode parecer algo bacoco mas a minha familia tem raizes humildes e o que foram conseguindo sempre foi fruto do trabalho. E aqueles que pegaram nas poupancas e enveredaram por outros caminhos tiveram sempre um pessimo outcome :smiley: Portanto acaba tambem a contribuir significativamente para esta aversao ao risco.

Sem risco e com possibilidade de levantar a totalidade ao fim de 1 ano, tens isto.
As taxas sao fracas, mesmo no final da maturidade, mas acredito que vao aumentar quando a economia reabrir e o estado emitir divida.

1 Like

Olha por acaso e daquelas coisas que passam completamente ao lado e e uma boa estrategia de diversificacao.

Dado a taxa de juro que pagas nesse crédito, o melhor investimento seria usar os € 1.000,00 mensais de poupança para abater essa dívida, mesmo que exista uma penalização.

Eu tou 'a espera da proxima emissao e aumento das taxas de juro, se nao acontecer, entao realmente nao percebo nada disto :slight_smile:
Isto para nao dizer que o PIB decresceu, portanto quem tinha metido aqui dinheiro em anos anteriores saiu um bocado furado mesmo com inflacao 0.
Ja agora, havendo crescimento negativo do pib, nao faz com que percas dinheiro, apenas a taxa de premio 'e 0.