As duas corjas

O Sporting como instituição merece todo o nosso respeito e merece também, por tudo aquilo que já deu e dá ao desporto nacional, que seja respeitado por adeptos e adversários. Nesta semana tomámos conhecimento de mais alguns factos que comprovam que, ao longo de décadas, quer internamente, quer externamente, o Sporting Clube de Portugal tem sido desrespeitado profundamente e de forma sistemática.

Comecemos pela corja mais antiga: nos últimos dias foram divulgadas (mais) algumas das escutas relativas ao processo “Apito Dourado”, levando ao conhecimento do grande público alguns exemplos adicionais da podridão e compadrio que grassam nos bastidores do futebol Português.

Ninguém tenha dúvidas: o Sporting foi e é a maior potência desportiva no nosso país e um clube com dimensão nacional e internacional. Esse facto incomodou e incomoda muitos energúmenos do futebol português. A longa campanha sistemática, grosseira, arrogante, burgessa e maquiavélica, que tenta impor a diminuição do Sporting como grande clube nacional é de uma falta de respeito para com a instituição absolutamente inaceitável.

Muitos ainda perguntam como é que o regime pidesco e fascista de Salazar durou tanto tempo em Portugal. Bah, ingénuos… Quando há pouco mais de de 30 anos o futebol português se deixou dominar por um grupo de pulhas sebentos, de cabelos oleosos, dedos gordurosos e unhas cheias de surro, frequentadores de sub-mundos podres, sem moralidade nem valores, de favores e cunhas devidas ou exigidas, os ingénuos de então olharam para o lado e deixaram-se comer como anjinhos. Os anos passaram e os adeptos em geral, qual fans do Wrestling americano, deliravam com a fantochada que lhes era servida, marionetas das jogadas de poder e dos arranjinhos dos canalhas cada vez mais poderosos. Passados mais de trinta anos, essa gentalha aburguesou-se. Como qualquer padrinho ou grupo mafioso, com longos anos de serviço, entraram para a legalidade, vivem dos louros e créditos amealhados, tentando impor a tudo e a todos um ar de seriedade e respeitabilidade. Ainda lá estão para lavar e durar, servindo-se de uma legião de lobotomizados, viciados nas vitórias a todo o custo, que os apoia e venera. E são precisamente esses que, induzidos de um anti-sportinguismo primário, constantemente nos insultam, nos desrespeitam e nos querem diminuir.

A justiça civil e desportiva passou uma esponja sobre as evidências que estas escutas denunciam. Detalhes processuais e gincanas jurídicas “legalizaram” um império construído à base da corrupção. De qualquer forma, nem que retirassem todos os títulos ganhos pelo FC Porto ao longo destas 3 décadas, se poderia ressarcir aqueles que viveram época atrás de época de roubo, conluio, compadrio e falsificação. Nada que se faça agora ou no futuro nos vai devolver os anos de juventude em que acompanhámos de muito de perto e apaixonadamente um desporto que estava pura e simplesmente transformado num enorme teatro de marionetas. Nada nos vai devolver a alegria das vitórias sonegadas. NADA! Pergunto: que direito teve Pinto da Costa & Companhia de interferir na nossa vida privada e na de milhões de outros adeptos do futebol? Quem ele julga que é para ter retirado ao desporto favorito de tanta gente o seu fascínio principal: a imprevisibilidade?

No fundo, o maior insulto que Pinto da Costa fez não foi aos Sportinguistas. Foi aos portistas. As conversas de que o “Porto está destinado a vencer” são e foram tretas em que ele próprio não acredita. Porque se acreditasse na força, na capacidade, na organização dos seus atletas, dos seus corpos técnicos e da estrutura montada, jamais se lembraria de recorrer a meios ilícitos para garantir (algumas) vitórias. O problema de Pinto da Costa é e sempre foi o seu complexo de inferioridade, a sua própria insegurança como individuo, a sua incapacidade de lidar com o espectro do fracasso e da derrota.

Pinto da Costa e seus pares não só engendraram uma gigantesca manipulação do futebol Português como também aproveitaram esse poder absoluto para, de forma decisiva e sistemática, afundarem o Sporting, quer através do roubo desportivo, como também na perca de influência nas estruturas que regem o nosso futebol, com o consequente definhar económico e de estatuto do clube.

Não bastava esta situação de grave ataque ao Sporting quando, adicionalmente, surgiu a outra corja. Ainda mais perigosa porque, sendo interna, apareceu despercebida, com promessas de tempos de sucesso económico e desportivo. O chamado “projecto Roquette” prometeu o fim da dependência do clube “da bola na trave” e campeonatos ganhos com regularidade. Passados 17 anos, o Sporting encontra-se no seu pior momento desportivo a nível de futebol e é um clube arruinado financeiramente.

A corajosa entrevista de hoje de Daniel Sampaio, deixa entrever de forma clara os interesses obscuros que tomaram conta do clube e que o transformaram num hospedeiro de parasitismo, interesses pessoais e bancários, uma carcaça devorada até à exaustão por um grupo de “notáveis”, que tratam o clube como se de uma coutada pessoal se tratasse.

As longas décadas do projecto Roquette, vividas sob a capa da credibilidade e da “reputação bancária”, não foram mais do que um agonizante processo de auto destruição, que foi, em larga medida, sancionado pelos sócios e adeptos do nosso clube. Permitiu-se a criação de um emaranhado de empresas, de uma legião de “yes man” e mesmo o desvirtuamento total das franjas mais fanáticas de adeptos, cuja recuperação e limpeza exigirá uma profunda determinação e empenho.

Para concluir: numa altura em que o clube sofreu o mais articulado e sistemático ataque à sua grandeza e ao seu estatuto (através de uma rede mafiosa) e quando precisava mais do que nunca de uma liderança forte e competente, entrou na instituição um projecto delapidador, desagregador de paixões, criador de fracturas e facções, fonte de desvirtuamento da sua genesis e do seu ideal. Só um clube com a grandeza e força do Sporting seria capaz de aguentar o ataque simultâneo de duas corjas (uma externa e outra interna) e sobreviver. Qual delas teve e tem um efeito mais duradouro no processo de regeneração do clube só o futuro nos dirá, mas se algum aspecto positivo pode ser retirado desta epopeia é de que o espírito de resiliência e de tenacidade que caracteriza a natureza do ideal leonino, saiu ainda mais reforçado e determinado.

O Sporting não é nem será aquilo que os nossos inimigos querem que ele seja. O Sporting é e será sempre um clube, um ideal, uma forma de estar que os nossos adversários jamais poderão compreender, por mais longa e tenaz que seja a campanha.

Bom texto :great:
Resistir a essas duas corjas, consecutivas e, durante um período, concomitantes no tempo, é obra

Não é para qualquer um. Não tenho qualquer dúvidas que se fosse nos “clubes” rivais por esta altura já nem se sabia quem eram.

Grande texto :clap:

:clap: :clap: :clap:

O meu :clap: :clap: :clap: Rasp… JSabino! :mrgreen:

Somente um Grande Clube, sobreviveria a tamanhas provas de penitencia.

2 “Corjas” tão diferentes uma da outra, mas ao mesmo tempo tão iguais pelos danos que causaram.

Mas cá estamos depois de tanta contrariedade, firmes e hirtos e mais fortes que nunca, para reerguer o Sporting Clube de Portugal.

Os “Infractores” e “Traidores”, merecem apenas o nosso mais profundo desprezo.

Grande Post José Sabino, como já nos vens habituando.

Gostei muito deste texto, ainda mais do que o normal! Representa muito do que penso, tem aí algumas citações deliciosas inclusive. Muito bem JSabino. :great:

Grande texto Rasputine, peço desculpa, JSabino! :twisted: :great:

É sempre um prazer ler os teus textos! :great: :clap: :clap:

Que um dia a corja toda caia e desapareça de vez!

Parabéns pela crónica fantástica, JSabino! Tanta gente no FórumSCP com talento, inteligência e argúcia.

:clap: :clap: :clap:

:clap: :clap: :clap:

Os meus parabéns pelas excelentes palavras JSabino :clap: :clap:

“…nem que retirassem todos os títulos ganhos pelo FC Porto ao longo destas 3 décadas, se poderia ressarcir aqueles que viveram época atrás de época de roubo, conluio, compadrio e falsificação. Nada que se faça agora ou no futuro nos vai devolver os anos de juventude em que acompanhámos de muito de perto e apaixonadamente um desporto que estava pura e simplesmente transformado num enorme teatro de marionetas. Nada nos vai devolver a alegria das vitórias sonegadas. NADA!”

:arrow: :arrow: :arrow:

:clap: :clap: :clap:

Mais 1 ao nivel que nos habituaste. Excelente! :clap:

Simplesmente fabuloso! :clap: :clap: :clap: :clap:

Muito boa reflexão sobre os últimos 30 anos do nosso Sporting!

Esperemos que pelo menos uma dessas duas corjas seja varrida de vez do nosso Clube! Quanto à outra, será difícil, mas vale sempre a pena lutar pelos nossos ideais, pois quem nunca luta, tem sempre a derrota garantida!

É sempre bom ler-te e ouvir-te JSabino! :clap: :clap: :clap:

Força e Saudações Leoninas!

Grande texto, Rasputine! :clap:

Quem fala assim não é gago … excelente texto :clap: :beer:

Óptimo texto, Parabéns!!! :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap:

:clap: :clap:

No fundo, o maior insulto que Pinto da Costa fez não foi aos Sportinguistas. Foi aos portistas. As conversas de que o “Porto está destinado a vencer” são e foram tretas em que ele próprio não acredita. Porque se acreditasse na força, na capacidade, na organização dos seus atletas, dos seus corpos técnicos e da estrutura montada, jamais se lembraria de recorrer a meios ilícitos para garantir (algumas) vitórias. O problema de Pinto da Costa é e sempre foi o seu complexo de inferioridade, a sua própria insegurança como individuo, a sua incapacidade de lidar com o espectro do fracasso e da derrota.

:arrow: :arrow:
(Esta é a que vou mostrar aos meus amigos portistas a partir de agora)

Muito bom o texto! :clap: :clap: