Aquecimento Global

Janeiro de 2016 marcou o Janeiro mais quente de que há registos. Pela primeira vez ultrapassamos a barreira dos +2°C de referência, ainda que por um período bastante breve. Sabendo que só temos este planeta e que corremos o sério risco de causar uma mudança demasiado drástica nas suas condições ambientais, levando a uma extinção em massa de espécies animais e vegetais, que poderemos fazer para alterar o rumo dos acontecimentos?

Podemos deixar o capitalismo selvagem inventar uma solução para reduzir drasticamente a poluição, ou podemos taxar as empresas e os cidadãos para retirar os recursos necessários à inovação e dá-los a planeadores centrais que de certeza chegarão mais depressa à solução do que 7 biliões de pessoas.

1° agradecia que não viesses com bocas politicas para aqui, isto não é uma taberna.

2° para quem estuda economia admiro-me que não saibas a diferença entre o bilião americano e o europeu.

Não posso usar a escala curta por estar em Portugal?

Se preferires começamos a falar de distâncias em milhas e de peso em libras.

em jeito de piada posso dizer que em fevereiro esteve um grizo tremendo… não sei onde é que anda esse tal aquecimento global.

agora fora de brincadeiras.

a ameaça é de facto real. e urge tornar as alternativas competitivas.

os 2 maiores contributos para o aquecimento global provém dos transportes e da indústria.

nos transportes, de factoos híbridos são muito bonitos sim senhor, mas toda a logística envolvente não permite que mais pessoas utilizem. para não falar que os preços são iguais muitas vezes superiores a carros a diesel/gasolina.

acho que os transportes públicos deviam ser um exemplo mais vincado. já se começam a ver alguns autocarros, mas a aposta deve ser mais firme para começar a alterar um pouco a mentalidade. não acredito que nesta geração as coisas alterem significativamente neste campo.

por outro lado, acho praticamente impossível combater a indústria dos EUA e sobretudo da China.

quando se vendem/compram quotas de emissões, e depois se vem pregar por alternativas renováveis é de facto atirar lixo para os olhos de tamanha hipocrisia.

energéticamente, olhando para o nosso país, acho que teríamos muito a ganhar se apostássemos em alternativas renováveis. Quanto menor a dependência do petróleo, maior é a qualidade de vida e claro a própria autonomia do país. (elementar, meu caro Watson) Com a costa que temos (para energia do vento e marés) e com tamanha carga horária/ano de exposição solar a aposta neste tipo de energia já devia ter sido levada asério há alguns anos.

sem querer alongar muito, e não querendo puxar para o campo político (onde já incluí a parte dos transportes públicos como exemplo), acho que se pode fazer muito mais na busca de alternativas mas acho que os grandes países dificilmente vão abdicar/abandonar a indústria tradicional para travar o desenvolvimento deste fenómeno.

Dar aos “planeadores centrais” o papel de decisão no que toca a um desenvolvimento dito sustentável é talvez a pior medida que pode ser tomada para combater o aquecimento global. O maior poluidor e contribuidor de GEE é precisamente um planeador central (China), o segundo maior emissor ocupa esta posição graças a uma posição central de não taxar de forma apropriada as emissões de GEE.

O caminho para o combate ao aquecimento global tem de ser feito por todos nós e não por apenas alguns. A Holanda pode ser o grande impulsionar da economia circular no Mundo, a Suécia pode ser um país quase independente de combustíveis fósseis (apesar de os exportar e contribuir para emissões noutros locais) e por aí fora mas todas estas decisões centrais ocorrem por duas razões apenas: pressão da população no sentido de melhor qualidade de vida e eliminação de emissões daí adjacentes ou interesses económicos (a Holanda está a desenvolver a economia circular de forma nunca dantes vista porque são o cluster do desenvolvimento desta temática e com esta medida irão ter um desenvolvimento talvez superior àquele que ocorreria noutras circunstâncias).

PS: Com tudo isto não estou a desvalorizar o aquecimento global nem a tua opinião, estou apenas a discutir o assunto até porque como estudante de Engenharia do Ambiente é uma temática que se atravessa no meu caminho com recorrência e por essa razão já tive oportunidade de reflectir sobre ela variadas vezes.

Olha, acho que devias ir ao tópico da política em Portugal para perceberes uma coisa ou duas sobre o meu posicionamento ideológico e enquadrares o meu post.
Mas vou-te poupar ao trabalho e digo-te já que isto é sarcasmo agressivo.

Já ninguém usa a escala longa, get with the times bruh.

Educar as pessoas em massa, e olhar para o nosso futuro a longo prazo em vez de pensar em dinheiro, com isto dito, nada de relevo será feito até termos um valente susto se não for tarde se mais.

Dúvido que se faça algo.

Tenho tendência a afastar-me desse tópico precisamente devido ao extremismo de opiniões ideológicas e sarcasmo agressivo no ar!

E atenção, eu sou um apaixonado pela discussão política! Mas simplesmente não consigo discutir nada nesse tópico.

Não? Que eu saiba as previsões do PIB e da dívida portuguesa ainda são introduzidos em “milhar de milhão”. Calado estavas mesmo bem.

Aqui concordo. Está mais que provado que as energias renovaveis podem abastecer grandes nações, o problema será sempre o investimento. Sou crente que vamos acordar demasiado tarde.

A questão aqui é até que ponto somos nós os principais responsáveis. A Terra é um organismo vivo, já teve periodos de aquecimento e glaciares bem antes de nós, humanos. Se um destes matar a humanidade não há muito que possamos fazer em relação a isso.

Somos um catalizador, nunca o causador.

Ahm…

Há uma confusão(zita) aí: o processo de aquecimento e arrefecimento global é cíclico e está provado. No entanto, nós estamos a acelerar milhares de vezes um processo natural. Se um processo natural permite à natureza adaptação, um processo nao natural causará mais baixas de especies do que aquelas que seriam de esperar no acontecimento normal.

Foi o mais quente não foi nos Açores que fez bastante frio e chuva. :mrgreen:

Ou seja estamos a agir como catalizador que foi exatamente o que eu disse. Não vejo onde está a confusão, ambos dissemos a mesma coisa. Podes diminuir a eficácia do catalizador, adias o resultado final dificilmente o alteras.

Se faz sentido adiar ao máximo!? Faz, todo.

A partir do momento em que um evento que pode demorar milhões de anos a acontecer se desenrola em 300 anos diria que somos mesmo a causa, tal é a velocidade com que Aceleramos isto. Daí o que eu disse.

De há uns dois anos para cá que tenho pensado em abrir em tópico para debater este assunto. Acabei porque nunca o fazer porque por um lado sinto desinteresse das pessoas e também porque quanto a praticar soluções reais… ninguém quer mexer uma palha.

Acompanho os resultados das alterações climáticas há muitos anos e a impressão que tenho é quase ninguém do público geral entende quão brutal estão a ser.

Vou dar uns exemplos rápidos para que se entenda o plano humano, nem vou falar no animal ou ambiental.

Na Venezuela o El Nino está tão forte este ano que vários sectores da área metropolitana de Caracas (mais de 5 milhões de pessoas) terão períodos de 4 dias consecutivos sem água. São Paulo está na maior crise de falta de água de sempre. O Norte da Amazónia regista os valores mais quentes que temos registo. Como consequência temos incêndios descontrolados por Roraima (entre a Venezuela e Brasil), rios que secaram por completo e inúmeras comunidades indígenas sem qualquer acesso a água. Não ajuda quando se fazem barragens no meio da Amazónia e pioram ainda mais o cenário.

Temos milhares de refugiados devido às alterações climáticas e ninguém fala desta gente. Comunidades no Pacífico são forçadas a abandonar as suas ilhas porque estão a ficar submersas. No norte da Costa Este dos US e Canada temos regiões que perderam mais de 50 metros de costa em menos de 10 anos.

No Verão de 2014 estive em trabalho de campo no norte da Amazónia e vi algo que não esperava. Pessoas em desespero porque as alterações climáticas chegaram ao ponto em que se tornou impossível sobreviver da roça ou pesca. Comunidades indígenas inteiras são forçados a irem para cidades como Manaus, num país racista e que tem um estranho ódio aos indígenas. Como consequência temos por exemplo os Guarani com a mais alta taxa de suicídio do mundo. Ou cidades na Amazónia como São Gabriel da Cachoeira com a mais alta taxa de suicídio de crianças de 12 anos do mundo. No meu primeiro dia na Amazónia o que se falava era de uma menina de 12 anos que se tinha matado.

Infelizmente vejo este tema mal-tratado, ignorado e mal contado por tanta gente. Mostram ursos polares no ártico, imagem tão vista que já ninguém quer saber e que ao mesmo tempo convida a pensar que é algo lá ao longe, não nos acontece a nós.

Estou curioso para ver que rumo este tópico vai tomar. Se morre, se se discute tretas politicas e sacos plásticos ou algo sério.