Anátema do File Sharing

  1. para a malta menos informada acerca destes assuntos, e porque anda para ai muita especulação aqui vão umas considerações: :wink:

A propósito de noticias sobre previsiveis condenações e afins a aplicar ás pessoas que se servem da Net para descarregar ficheiros, que têm sido ultimamente publicadas: (e digo descarregar para não se confundir com sacar/roubar, uma vez não se está a roubar nada)

Pois bem, é talvez altura de acalmar um pouco dezenas de pessoas e de pais preocupados com o que os filhos fazem no(s) computador(es).

1º - Os chamados “processos” vão ser criados pela SPA (Sociedade Portuguesa de Autores) e/ou pela IFPI (Federação Internacional da Indústria Fonográfica).
Neste ponto, há uma coisa que deve ser clara: nenhuma destas instituições tem autoridade para passar multas a quem quer que seja. O objectivo (imoral) é assustar os utilizadores de Internet e levá-los a pagar uma indemnização até 5000 euros, ou então será levado a tribunal. Isto pode ser visto como chantagem, uma vez que ou pagamos, ou levamos com um processo. Estas empresas que vão enviar as tais cartas, não estão a agir através de um processo judicial (pois seria muito dispendioso processar individualmente milhares de pessoas) mas sim através de um processo civil. Que relevância jurídica tem isto? Nenhuma!
Simplesmente ameaçam as pessoas e metem medo. Se alguma pagar, melhor. Se ninguém pagar, encolhem os ombros e passam ao próximo. De facto há leis em Portugal, mas não são estas empresas que as escrevem.

2º - Onde está essa informação, e quem decide que valor é que se vai pagar? Em Portugal só há uma maneira de obrigar as pessoas a pagar multas ou indemnizações: o tribunal! Como o Bill Gates disse: “O nosso computador é tão confidencial como a nossa conta bancária”. Sem processo em tribunal, ninguém (nem mesmo estas entidades) podem acusar, vigiar, espiar, exigir, passar multas, pedir indemnização, ter acesso ao vosso computador, ou “consultar” que downloads fazem.

3º - Para os menos entendidos, quem tem ligação à Internet, liga-se através de um IP (ex. 255.255.255.255) e mais nenhuma informação é transmitida (e atenção a isto).

Quem mantém o registo a quem pertence cada IP ligado, é apenas a empresa de Internet a quem contraram o serviço (ex. Netcabo, Cabovisão, Sapo, Clix, etc.). Neste caso, só com um processo judicial é que a vossa informação confidencial é disponibilizada. Ou seja: receberam uma carta a pedir uma indemnização. Muito bem, há processo judicial a decorrer em tribunal? Não?
Então a carta não vale nada. E se quiserem ir mais além, contactem o vosso fornecedor de Internet e perguntem como é que a determinada instituição obteve os vossos dados, sem autorização do tribunal. E se ainda quiserem ir mais além, iniciem um processo contra o vosso fornecedor de Internet, ou contra a instituição que vos “ameaçou”.

4º - Quem faz download de qualquer tipo de ficheiros da Internet (seja musica, filmes, fotografias) é apelidado de “pirata informático” pela comunicação social. Mas há uma grande diferença entre fazer download e desfrutar desse mesmo download no conforto da vossa casa, e de fazer download de filmes e música e ir vender para a feira da ladra, ou qualquer outro local. Quem lucra com estes negócios de downloads para vender posteriormente, é que deve ser apelidado de pirata informático. Ou será que quando se gravava as telenovelas e os filmes da televisão em cassetes, também era chamado de pirata da televisão? É exactamente a mesma coisa. Em vez de copiarem da televisão, copiam da Internet.

5º - Neste momento, em Portugal não há nenhuma lei relativamente à pirataria informática (pelo menos explícita) e em que base se suporta, ou que diferenças existem entre consumo próprio ou para venda. Da mesma maneira que não há qualquer precedente de tal situação. Todos aqueles anúncios no cinema, nunca deram em nada nem nunca ninguém foi preso. Eram só campanhas!

6º - Se estivessem a infringir alguma lei, acham que seriam enviadas cartas para pararem com os downloads e a serem convidados a pagarem de livre vontade? Também ninguém manda cartas a um ladrão para parar de roubar no metro e entregar-se na esquadra mais próxima, ou a um assassino para parar de matar os vizinhos com a caçadeira, e para se dedicar à agricultura. É absurdo! Se neste país nem uma pessoa que viola crianças vai presa, quanto mais nós que nos recusamos a pagar multas! Tirar músicas da Internet dá multa até 5000 euros. E andar a 120km/h dentro de uma localidade dá 500 euros?
Passar um sinal vermelho menos que isso? Desencadear um acidente em cadeia na auto-estrada porque se bebeu demais fica-se sem carta? Acham justo? Tirar músicas da Internet é que é mau para a sociedade, e os infractores somos nós, não?

7º - Recentemente em França foi aberto um processo pelas indústrias e editoras similar a este, e até foi feita uma petição em tribunal para ser criada uma lei que punisse quem fizesse downloads da Internet. No entanto, o Juiz recusou-se alegando que se estaria a violar a divulgação cultural. Temos o direito de experimentar o produto antes de o comprar, ou não?

8º - Quem acham que perde com isto tudo? O terror instala-se, as pessoas começam a parar de fazer downloads, e a Internet em casa passa a ser usada para consultar páginas e ler o e-mail. Quem precisa de grandes velocidade para isso? Ninguém…assim os consumidores começam a cancelar a Internet, ou a passar para uma mais barata. E quem sofre? O fornecedor de Internet.

9º - Ora vejamos:

Fim da Pirataria –> Menos Utilizadores da Internet –> Choque Tecnológico por água abaixo –> Portugal país cada vez mais atrasado a nível europeu

Fim da Pirataria –> Menos Utilizadores da Internet –> Menos lucros dos ISP’s –> PT apresenta prejuízo -> Portugal país cada vez mais atrasado a nível europeu

Fim da Pirataria –> Aumento dos Processos que se acumulam nos tribunais –> Justiça mais lenta –> Portugal país cada vez mais atrasado a nível europeu

Fim da Pirataria –> As pessoas não vão comprar Cd’s só porque a pirataria “acaba” ou diminui podendo mesmo criar uma certa “revolta” contra as editoras e afins –> O povo começa a borrifar-se para os artistas –> Menos lucros para editoras e artistas –> Mundo da música e não só com dificuldades –> Portugal país cada vez mais atrasado a nível europeu

Continuamos…?

11º - Ok, concordo que os direitos de autor têm que ser protegidos. Mas não concordo que um simples CD de música cujo custo de fabrico ronda 1 euro, seja vendido por 15/20 euros, em que apenas cerca de 2 euros vão para os artistas.
E ainda têm a lata de chamar piratas a nós?

12º - Concluindo, não se deixem vencer pelo medo. Não digo para olharem para o lado caso recebam essas cartas, mas sim que se informem e que pesquisem as maneiras legais de se fazer o correcto. Informem e mantenham-se informados, pois basta haver um decréscimo dos utilizadores deste tipo para essas empresas pensarem que podem fazer tudo e que podem ganhar.

Eu posso considerar-me culpado, mas sou culpado, não por fazer downloads de musicas e filmes mas pelo facto de fazer parte da classe média que mal tem dinheiro para pagar a renda de casa, e ainda faz um sacrifício enorme em pagar 60€ pela Internet, mais não sei quantos euros pela cabovisão, mais não sei quantos pelo telefone, mais uns tantos pela assinatura mensal do telefone, e de trabalhar de sol a sol. Mas NÃO SOU CULPADO, pelos roubos de ministros, deputados, e administradores de empresas estatais, pelos buracos financeiros que causaram a empresas estatais. NÃO SOU CULPADO, pelo buraco financeiro em que o pais se encontra, e muito menos pelo valor do défice que é de 6,8.

Portanto, levem uma vida tranquila atrás do computador e não castiguem os vossos filhos por algo que eles não estão a fazer,

fiquem bem :wink:

Já tinha recebido esse mail. Está muito bem explicado. Toca a fazer downloads! :lol:

atao é continuar a sacar? lol

:lol:

3º - Para os menos entendidos, quem tem ligação à Internet, liga-se através de um IP (ex. 255.255.255.255) e mais nenhuma informação é transmitida (e atenção a isto).

Isto não é bem assim… :wink:

Acredita que nunca parei! :wink: :arrow:

Por um mero acaso, nestes dias tenho feito mais downloads que nunca.

pirataria não é ‘‘sacar’’ e depois vender?? :?

então não sou um pirata informático… :wink:

4º - Quem faz download de qualquer tipo de ficheiros da Internet (seja musica, filmes, fotografias) é apelidado de "pirata informático" pela comunicação social. Mas há uma grande diferença entre fazer download e desfrutar desse mesmo download no conforto da vossa casa, e de fazer download de filmes e música e ir vender para a feira da ladra, ou qualquer outro local. Quem lucra com estes negócios de downloads para vender posteriormente, é que deve ser apelidado de pirata informático. Ou será que quando se gravava as telenovelas e os filmes da televisão em cassetes, também era chamado de pirata da televisão? É exactamente a mesma coisa. Em vez de copiarem da televisão, copiam da Internet.

Assim sendo, já fui “pirata da televisão”, agora sou “pirata informático” :slight_smile:
Agora a sério, desde que me aumentaram os consumos, os meus downloads dispararam. Não tenho medo nenhum, quando me chamarem a tribunal, se chamarem, preocupo-me.

P.S. :

Se neste país nem uma pessoa que viola crianças vai presa, quanto mais nós que nos recusamos a pagar multas! Tirar músicas da Internet dá multa até 5000 euros. E andar a 120km/h dentro de uma localidade dá 500 euros?
Passar um sinal vermelho menos que isso? Desencadear um acidente em cadeia na auto-estrada porque se bebeu demais fica-se sem carta? Acham justo? Tirar músicas da Internet é que é mau para a sociedade, e os infractores somos nós, não?

Mas NÃO SOU CULPADO, pelos roubos de ministros, deputados, e administradores de empresas estatais, pelos buracos financeiros que causaram a empresas estatais. NÃO SOU CULPADO, pelo buraco financeiro em que o pais se encontra, e muito menos pelo valor do défice que é de 6,8.

Eu acrescentaria, um político que rouba escadalosamente não vai preso, é reeleito.

Saltaste o ponto 10º… :-s

Saltaste o ponto 10º.... :-s
  1. tens razão, era uma parte que não tinha relevancia e que falava dos artistas portugueses que são contra a pirataria :wink:
3º - Para os menos entendidos, quem tem ligação à Internet, liga-se através de um IP (ex. 255.255.255.255) e mais nenhuma informação é transmitida (e atenção a isto).

Isto não é bem assim… :wink:

  1. O Internet protocol é um dos mais importantes entre todos os protocolos presentes na Internet. Este tem por missão identificar as máquinas e redes e fazer o reencaminhamento (routing) correcto das transmissões entre elas.
    Uma das características mais importantes do IP é o endereçamento. Cada interface com a rede tem que ter um endereço que deve ser único no Mundo, uma vez que as máquinas devem poder ser identificadas univocamente a partir de qualquer rede.
    Um endereço IP tem um tamanho de 32 bits e está dividido em duas partes: endereço de rede + endereço de interface.
    Uma rede agrupa um determinado número de sistemas e cada sistema pode ter um ou mais interfaces para a rede, pelo que um sistema pode ter um ou mais endereços IP.
    Cada rede tem um endereço único no Mundo e cada interface tem um endereço único nessa rede :wink:

Estou a meter a foice em conversa alheia, mas penso que o Yapo, quando afirma que isto não é bem assim, se refere à transmissão de informação acerca da máquina que acede à Internet. É que a coisa não se fica por um mero IP.

Como meros exemplos de informação transmitida estão a versão do sistema operativo, a versão do Browser e a resolução a que o monitor está a trabalhar. Mas há muito mais para além disto.

Estava-me a referir a IPv6.

Não tenho a certeza se são 64 ou 128-bit e não me apetece ir procurar, mas de qq maneira é irrelevante. O que interessa é que com IPv6 o MAC adress vai lá estar sempre, na ultima metade do IP.

Claro que não é por isso que as pessoas vão passar a ser apanhadas, o que não falta por aí são MAC spoofers, mas que teoricamente vai ser mais facil apanhar alguém, lá isso vai…

Isto sem falar das placas de rede manhosas ao preço da uva mijona vindas dos mercados asiaticos, muitas delas com o mesmo MAC. Daí ter dito teoricamente. :wink:

Estava-me a referir a IPv6.

Não tenho a certeza se são 64 ou 128-bit e não me apetece ir procurar, mas de qq maneira é irrelevante. O que interessa é que com IPv6 o MAC adress vai lá estar sempre, na ultima metade do IP.

Claro que não é por isso que as pessoas vão passar a ser apanhadas, o que não falta por aí são MAC spoofers, mas que teoricamente vai ser mais facil apanhar alguém, lá isso vai…

Isto sem falar das placas de rede manhosas ao preço da uva mijona vindas dos mercados asiaticos, muitas delas com o mesmo MAC. Daí ter dito teoricamente. :wink:

Tenho as minhas duvidas que alguma vez o IPv6 venha a ver a luz do dia. (Em larga escala, implementações experimentais há para ai aos pontapés).