Alterações Ambientais (Aquecimento Global, Climate Change, Políticas Ambientais e afins)

[quote author=Eddie Verdde link=topic=6624.msg412203#msg412203 date=1222443493]

actualmente são “só” residuos orgânicos de origem humana, ex.: águas residuais e lixo e de origem animal, ex.: excrementos, águas de lavagem de currais, etc.

sei que existe biotecnologia para a eliminação de alguns plásticos e hidrocarbonetos, mas o normal é valorização energética (incineração) quando não podes reciclar…

EV do processo de alimentação dos microrganismos com hidrocarbonetos tem que resultar carbono, apostaria quase de certeza em CO2, ou seja terias sempre a produção de CO2 ou outros compostos mais perigosos…

Quanto ao CO2 e o “aquecimento global” que a comunidade científica (que historicamente sempre refutou as certezas, e como resposta investigava mais) agora resolveu tomar algo como dogma e certeza absoluta (como os buracos irreversíveis na camada do ozono, que afinal taparam-se, lembram-se?), mesmo tratando-se de um assunto - o planeta Terra - sobre qual pouco sabemos. Deixo por isso outras perspectivas:

Expresso 5 de Abril de 2008 Actual pp. 62-63 livros

FICÇÃO OU AMEAÇA?

Há quem não acredite nas causas humanas do aquecimento global, mas a corrente dominante aposta em novas ideias

“Toma nota deste meu aviso, Marlo. É minha intenção destruir a tua carreira de mentiroso. Se produzires mais algum artigo contra as alterações cIimáticas, lançarei uma campanha contra a tua integridade profissional.” Foi neste tom ameaçador que o presidente do Conselho Americana para as Energias Renováveis, Michael Eckhart, se dirigiu, em Julho de 2007, ao . seu antigo colega de Harvard, Marlo Lewis Jr., na sequencia de artigos por este publicados no “The Washington Times”, “National Review” e outros jornais americanos. Aí, Marlo Lewis defendia que o Congresso dos EUA só deveria legislar sabre as emissões de dióxido de carbono (CO2) quando fosse passível produzir energia sem recorrer a combustíveis fósseis.
Este facto é referido por Rui Moura e Jorge Oliveira, dois engenheiros reformados da BDP e antigos docentes do Instituto Superior Técnico, que traduziram e prefaciaram 0 livro A Ficção Científica de AI Gore, da autoria de Lewis. A tradução portuguesa é lançada em Abril pela Booknomics, e a obra critica de alto a baixo Uma Verdade Inconveniente, o “best-seller” do Nobel da Paz.
Marlo Lewis pertence à corrente minoritária que acha que o aquecimento global não é de origem humana. 0 seu livro nasceu de um relatório apresentado ao Congresso americano no final de 2006, depois do lançamento de Uma Verdade Inconveniente. Baseia-se numa serie de trabalhos de c1imatologistas e analisa parágrafo a parágrafo o livro mais famoso do ex-vice-presidente americano.
E o que critica Lewis, membro do Competitive Enterprise Institute, um “think tank de Washington? Quase tudo o que sustenta os argumentos de Gore. O objectivo final é “encorajar o cepticismo saudável acerca do aquecimento global e da agenda de racionamento estratégico que tal aquecimento justificaria”.
Mas vamos aos factos. Primeiro: Lewis diz que o vapor de água é 0 mais importante gás com efeito de estufa e não o CO2. E salienta que o CO2 é também um alimento para as plantas”, criticando o erro, manipulação retórica, exagero e demasiadas conveniências” da argumentação do Nobel da Paz. Segundo: os g1aciares de montanha não estão globalmente a recuar e alguns estão mesmo a avançar, como o Pio XI, o maior da Patagónia (Argentina). Terceiro: a onda de calor europeia que matou milhares de pessoas em 2003 _foi provocada por uma anomalia da pressão atmosférica e não pelo aquecimento global”. Quarto: a medida que os oceanos aquecem, algumas tempestades podem tornar-se mais violentas (furacões), “mas outras podem tornar-se mais fracas”. E os exemplos prosseguem, para provar que o livro de Gore não deve ser recomendado ao povo americano como um guia para a política climática”.
Gabrielle Walker e David King defendem uma perspectiva bem diferente no seu livro Hot Topic - Como Combater a Aquecimento Global. A contracapa tem mesmo um comentário de Gore: “Num mundo de desinformação, Hot Topic representa uma luz ao fundo do túnel.” E, de facto, representa mesmo. Veja-se o esclarecedor apêndice sabre “Mitos, meias verdades e ideias erradas acerca do clima”, onde os autores usam um rótulo demolidor - “pornografia c1imática” - para certas ideias que se disseminaram na opinião publica sobre desastres que não estão, necessariamente, à espreita”. E fala em três: o gelo da Antárctida está prestes a deslizar para o oceano, as correntes marítimas vão parar e provocar uma nova era g1aciar, a floresta amazónica ira desaparecer.
Gabrielle Walker é editora na “New Scientist”; Sir David King c professor da Universidade de Cambridge e foi conselheiro-chefe para a Ciência do Governo de Tony Blair. Eles assinalam que “tem havido uma dose extraordinária de confusão e desinformação sabre a ciência das alterações climáticas”. Por isso, propõem-se desmontar toda a história essencial do aquecimento global, isto é, “o que nós, seres humanos, fizemos, como o fizemos, como precisaremos de nos preparar para as alterações que não podemos travar e como poderemos prevenir os efeitos ainda piores” no caso de não agirmos.

Virgílio Azevedo vazevedo@expresso.pt

A Ficção Científica de AI Gore
Marlo Lewis Jr.
Booknomics, 2008, trad. de Rui Gonçalo Moura e Jorge Pacheco de Oliveira, 291 págs.

Hot Topic - Como Combater o Aquecimento Global
Gabrielle Walker e Sir David King -. Dom Quixote. 2008, trad. de Isabel Veríssimo, 332 págs. .• €18.85

http://wattsupwiththat.com/2008/06/08/surprise-earths-biosphere-is-booming-co2-the-cause/

http://www.financialpost.com/analysis/columnists/LawrenceSolomon.html

http://network.nationalpost.com/np/blogs/fpcomment/pages/the-deniers.aspx

http://network.nationalpost.com/np/blogs/fpcomment/archive/tags/Lawrence+Solomon/default.aspx

http://article.nationalreview.com/?q=NjU1ZDBhOGExOWRlNzc5ZDcwOTUxZWM3MWU2Mjc5MGE=

http://article.nationalreview.com/?q=ZmJjNWUyMzJlOTJmMDU0NzhjMTEzOWQxN2EwYzJhYTA=

http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/349230

http://homem-a-dias.blogspot.com/2007/02/guerra-quente-correio-da-manh-7-de.html

http://static.publico.clix.pt/homepage/infografia/ambiente/etanolefeitodeestufa/

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=323016

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=322116

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=321606

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=320604

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=304543

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=304932

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=306179

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=307900

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=309746

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=311460

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=313770

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=326924

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=329012

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS_OPINION&id=332346

http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/399135

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2608200819.htm

RMP, não entremos por aí. Tentativas de manipulação da opinião pública, interesses económicos e lobbys sempre existiram e sempre existirão quer do lado de quem acredita nas alteraçõs climáticas, quer do lado de quem não acredita. Mas a ciência verdadeira, aquela que se vê nas revistas da especialidade, onde é peer-reviewed e a que o público geralmente não acede, só tem reforçado cada vez mais a ideia de que o aquecimento global tem efectivamente tido um contributo importante da acção do homem.

Mas se queres tornar esta discussão realmente interessante, vai a este site:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/

e encontra-me um artigo que refute cabalmente o aquecimento global antropogénico. :smiley:

Provavelmente, também não encontraremos um artigo nos anos 30 que refutasse as teorias eugenistas…

Atenção, Eddie, eu não quero tornar isto uma coisa de pólos opostos que arremessam tomates. Pelo contrário, pretendo que a discussão do aquecimento global seja o mais académica e científica possível quer no conteúdo quer no “espírito”/ ethos, algo que até hoje não foi na minha opinião.

Presumo que a tua opinião sobre o que postei foi traída pelas afirmações dos autores dos livros de que a recensão do Expresso fala. E concordo totalmente quando dizes que essas eventuais pressões e manipulações existem de todos os lados.

Mas achas que algum dos artigos que postei (vê os links todos por favor - não só a crítica literária do Expresso - nem que seja só “na diagonal”) constitui alguma “tentativa de manipulação da opinião pública, interesses económicos e lobbys”?

Eu tentei postar artigos com perspectivas alternativas sobre o tema, e todos os links te remetem para gente de universo académico ou científico que tem outra opinião sobre o assunto.

Nem encontraremos nos anos 60, 70 ou 80 um estudo que refutasse a teoria de que o tabaco não provocava cancro, e hoje sabe-se que provoca mesmo, confirmando o que se vinha a dizer desde então ::slight_smile:

A comparação que fazes é um bocado descabida porque estás a comparar uma teoria (eu chamar-lhe-ia mais doutrina) que nunca assentou em evidências científicas dignas desse nome mas em preconceitos e considerações do género “a proporção entre a largura do arco zigomático e o osso esfenóide deste gajo é de 3 para 1, por isso ele terá uma inteligência superior e não será esterilizado”, com uma teoria baseada em evidências universalmente aceites e em hipóteses que podem ser cientificamente testadas.

Uma teoria do aquecimento global antropogénico basear-se-á essencialmente em dois factos que já foram demonstrados no século 19:

a) o vapor de água e o dióxido de carbono contribuem para o efeito de estufa
b) a queima de combustíveis fósseis origina água e dióxido de carbono

Estas duas constatações por si só deviam ser suficientes para, no mínimo, sermos prudentes no uso que se faz dos combustíveis fósseis, sob risco de quando (se) chegar o dia em que se demonstrar cabalmente que a acção humana tem influência nas alterações climáticas, já ser tarde demais. Claro que a partir do momento em que aparecem alucinados a dizer que o que os países industrializados querem mesmo é aquecer o planeta para derreter as calotes polares e aceder mais facilmente às reservas de gás natural dos fundos oceânicos, ou aparecem alucinados do outro lado a dizer que a melhor maneira de combater os fogos florestais é reduzir a extensão da mancha florestal, é natural que surja reacção de parte a parte e se extremem posições ao ponto de ser quase impossível encontrar estudos objectivos e isentos de modo a fazer-se o debate da questão.

@Ricardo:
Estive a ler os links que postaste e reconheço, como sempre reconheci, que há argumentos razoáveis de parte a parte. Mas no fundo, a ideia que continua a pairar é: tem que se esperar para ver. E portanto a questão que tem que se colocar actualmente é se queremos mesmo esperar para ver, sob o risco de quando virmos já ser tarde demais, ou se queremos jogar pelo seguro e actuar preventivamente. No caso do tabaco e do cancro, quem esperou 50 anos para ver lixou-se. No caso das monoculturas de eucalipto em Portugal, também se quis esperar para ver e a mancha florestal lixou-se por causa dos incêndios. E agora queremos esperar para ver se realmente estamos a aquecer o planeta, e se realmente estamos a contribuir para o degelo dos pólos, subida das águas do mar e destruição das zonas costeiras, onde se concentra a maior parte da população mundial.

Só para ficares com uma pequena ideia de como o Planeta não é assim tão resiliente à acção do Homem e que as acções locais deste se podem manifestar de forma global, fica sabendo por exemplo que hoje em dia para fazer um teste de carbono 14 (para datar um osso fóssil por exemplo), tem que se introduzir uma pequena correcção na fórmula porque o rácio dos isótopos radioactivos na atmosfera tem vindo a sofrer alterações desde os primeiros testes nucleares.

De resto, como já referi na página anterior, a questão dos combustíveis fósseis é muito ampla e a sua problemática não se esgota no esclarecimento da questão do aquecimento global. São também questões económicas e políticas que estão em jogo e que não existiriam se a principal fonte de energia actual não fosse limitada e localizada, e por isso fosse susceptível de ser controlada por um pequeno número de países/pessoas que assim podem ditar as regras do mundo em que vivemos a seu bel-prazer.

Há essa corrente minoritária , mas que cada vez mais é minoritária , já se conhece muito da história da Terra a nível geológico , geofisico , etc para saber a contribuição dos gazes de efeito de estufa nomeadamente , o CO2 , o CH4 e o N2O em épocas passadas , agora tambem há o SF6 de produção industrial que é o gaz de efeito de estufa mais potente.

Essas duvidas são apoiadas geralmente por grupos ligados aos interesses instalados da economia do petróleo , têm alguma saída , porque ainda não se sabe tudo sobre o clima da Terra , já que as variaveis envolvidas são de tal magnitude que para calcular os valores absolutos , os supercomputadores actuais não têm essa capacidade , actualmente o que se fazem é extrapolações.
Uma vez li que só quando chegarem os computadores quânticos ou os baseados em ADN , é que se se desmontará todas as variáveis envolvidas e suas interacções no clima da terra , estamos a falar de dezenas de anos , até lá resta-nos interpretar os sinais , e eles inequivocamente apontam num sentido que este aquecimento global é originado pelo homem.

Ps: ainda não fui ver os links.

Sai um desenterranço com mais de 4 anos: :lol: :mrgreen:

Iceberg gigante separa-se de glaciar na Gronelândia

Há vários que cientistas monitorizavam uma racha na ponta norte do glaciar Petermann, até que os satélites da NASA captaram a separação do[b] icebergue de 46 km quadrados[/b] - uma folha de gelo maciço que cobre cerca de quatro quintos da Gronelândia. O glaciar Petermann está maioritariamente em terra, mas um segmento entra pela água adentro, e foi aí que a separação aconteceu. "[b]É dramático. É perturbador. Temos dados de há 150 anos e nunca vimos mudanças como agora[/b]", afirmou Andreas Muenchow, professor da Universidade de Delaware e um dos primeiros pesquisadores a observar a quebra. [b]É normal que parte dos glaciares se soltem, mas um icebergue tão grande não tem precedentes nos últimos três anos. "Isto já não faz parte das variações naturais"[/b], declarou especialista em glaciares da NASA, Eric Rignot. A quebra no glaciar Petermann representa uma grande perda de gelo, muito maior do que a que aconteceu no ano passado, e uma consequente subida dos níveis da água do mar. O icebergue que se soltou está neste momento a flutuar no mar. Segundo os investigadores, as temperaturas têm aumentado cerca de 4 graus centígrados nos últimos anos, causando o degelo. É provável que este iceberg siga o mesmo caminho que um outro em 2010 que se partiu em pedaços de gelo mais pequenos e se dirigiram para norte, afirmaram.

É desta que as praias da Costa da Caparica desaparecem com a subida do nivel médio das águas do mar :mrgreen:

@Batasuna foi um desenterranço bastante interessante já que eu tou a estudar engenharia do ambiente e tamos sempre à aprender inclusive com opiniões de outras pessoas

Reparei que nos posts de 2008 (!!! :lol:) falavam sobre a influência ou não do CO2 no aumento da temperatura média da Terra e eu sobre isso tenho uma opinião muito simples e mesmo sem saber quase nada já a tinha, duas premissas: tá provado que o CO2 é um gás com grande capacidade térmica (de acumular calor e fazer aumentar a temperatura à sua volta) e todos os gráficos que eu vi até hoje de CO2/ variação da temperatura terrestre encaixam e eu nunca acreditei muito em coincidências logo é fácil saber a minha opinião sobre o assunto :beer: :beer:

Uma notícia interessante sobre política ambiental:

Então, segundo o que li, as vacas são responsáveis por cerca de 5% dos gases estufa libertados para a atmosfera, mais do dobro que todo o tráfego aéreo junto. Uma vaca que cima relva pode “libertar” entre 300-600L de metano para atmosfera por dia. :exploding_head: :scream: :joy:

Com este método de lhes dar apenas 100g destas algas vermelhas, conseguem reduzir em média em 80% a libertação de metano diário por parte das vacas. :cow2: :cow2: :cow2:

1 Like

Houve um dia que mudei de canal e fui parar a um documentário sobre o ambiente e a primeira legenda que li foi " as vacas poluem o ambiente "

Naquelas fracções de segundos entre mudar de canal e aparecer essa legenda que desapareceu logo e passado poucos minutos o documentário chega ao fim , fiquei atónico com uma informação que desconhecia e pensava para mim como um animal tão inofensivo prejudica o ambiente .

Mas fiquei com ideia tinha lido mal por apanhar a legenda a meio .

Ao ler o teu post tirou-me a dúvida da cabeça , o que não deixa de ser engraçado.

O Cowspiracy era sobre isso, os gases das vacas.

Não só pela parte ambiental mas também pela parte negocial, muitas instituições que se alegam de proteção ambiental basicamente batiam com a porta na cara ao rapaz que estava a fazer o documentário. Quem não viu, que veja. Até porque não é aquele típico documentário sobre tentar influenciar o pessoal a ser vegan e assim, é mais sobre o alerta dos gases das vacas e de como as instituições se movem por interesses.

E salva assim o belo do bife da vazia. Boas notícias…

1 Like

Um dia destes li algures que a distribuição de biomassa de vertebrados terrestres era qualquer coisa como uns 95% para seres humanos e animais de consumo e 5% animais selvagens (não sei se os números seriam bem estes mas era nesta ordem de valores)…