AG de 23 de Fevereiro de 2006

Se os Estatutos que me foram enviados por mail pela Ofensiva 1906 estiverem actualizados (a única coisa que consigo concluir deste documento “scannerizado” é que é posterior a 5 de Dezembro de 1996) há um ponto que eu desconhecia até à data, conforme o nº 3 do artigo 44º: “[…] as deliberações relativas à alienação ou oneração de imóveis ou de participações sociais exigem maioria de, pelo menos, dois terços dos votos […]” (essa maioria seria também requerida para a deliberação do Conselho Leonino sobre a matéria, e foi certamente atingida).

O que não encontrei no documento, embora não o tenha lido integralmente, foram detalhes sobre o número de votos em função da antiguidade na filiação, e como é verificada a antiguidade dos sócios e se as quotas estão em dia (para a primeira deverá existir uma espécie de “cadernos eleitorais”. Mas espero que não seja preciso (no meu caso) levar o último extracto bancário a atestar a última transferência. Vai haver sistema informático na antiga FIL para verificar isto a partir dos cartões de sócio?). Não descobri também menção à forma como se processam as inscrições para intervenções e a sua duração temporal.

Alguém sabe se existe algum regulamento interno complementar a este que complemente a informação dos Estatutos? Alternativamente, alguém que já esteve em AG do Clube (não da SAD) pode explicar aos interessados como as coisas se processam? Agradecimentos antecipados.

Peço desculpa de estar a puxar este tópico para cima, mas a verdade é que ainda não obtive resposta para nenhuma das questões que coloquei, a maior parte das quais extremamente relevante para uma participação esclarecida na próxima AG.

Ainda hoje na Antena 1 Ernesto Ferreira da Silva disse que esperava que a posição contra a alienação de património fosse minoritária. Mas é ou não suficiente que haja pelo menos 1/3 dos votos expressos nesse sentido? E a antiguidade conta ou não para o número de votos, ou isso é só nas eleições?

Por favor “postem” aqui qualquer esclarecimento que encontrem. Já agora, em que dia se publica o Jornal do Sporting (existe sempre a esperança, provavelmente vã, que sirva para esclarecer os sócios)? Obrigado.

Por favor "postem" aqui qualquer esclarecimento que encontrem. Já agora, em que dia se publica o Jornal do Sporting (existe sempre a esperança, provavelmente vã, que sirva para esclarecer os sócios)? Obrigado.

Terça (amanhã)?

Por favor "postem" aqui qualquer esclarecimento que encontrem. Já agora, em que dia se publica o Jornal do Sporting (existe sempre a esperança, provavelmente vã, que sirva para esclarecer os sócios)? Obrigado.

Terça (amanhã)?

Amanhã ou Quarta, já que a última notícia sobre o jornal no “site” data da última 3ª-F (http://www.sporting.pt/Info/OutrasNoticias/noticiasoutras_jornalsporting_140206_25677.asp). Vou estar atento às bancas de jornais.

Entretanto, parece que a regra dos 2/3 para a aprovação da venda do património, até pelos termos em que foi emitida a convocatória da AG, se aplica mesmo. Não vejo é ninguém interessado em frisar isto, e não percebo, nem da parte da situação nem da parte da oposição, esta omissão, sobretudo dada a mais que provável falta de informação da maior parte dos associados sobre os Estatutos.

O Jornal Sporting sai às 3ªs feiras. Contudo, para os assinantes, poderá chegar um dia depois[Quarta].

O Jornal Sporting sai às 3ªs feiras. Contudo, para os assinantes, poderá chegar um dia depois[Quarta].

Obrigado pela confirmação. Amanhã verificarei se vale a pena comprar, e depois reporto aqui.

Francamente, esperava mais de Dias Ferreira que vir, a 3 dias da AG, solicitar o adiamento da AG. Não encontrei nos Estatutos a referência a esse mecanismo. Parece-me lógico inferir que a solução mais próxima à defendida por DF será votar contra a alienação de património, pois isso não altera a situação patrimonial do Clube, embora precipite as eleições.

Entretanto, finalmente, uma figura pública informa os sócios que a alienação só pode passar com maioria de 2/3. Obrigado por isso, DF.

Revendo os Estatutos, lá consegui chegar à questão da influência da antiguidade nos votos (já não vale a pena comprar o jornal do Clube :wink: ). Nº 2 do artº 43º:

“Por cada decénio de inscrição ininterrupta, os sócios efectivos terão mais três votos, para efeitos de votação nas Assembleias Gerais, de requerimento da sua convocação e de propositura de candidaturas”.

Como tenho 15 anos de sócio efectivo, seguidos de 7 anos como sócio correspondente (que não podem votar em AG) e no final mais 3 anos de sócio efectivo, parece que só vou ter direito a 1 voto. :frowning: Mas será contra a alienação do património.

Não tens para ai o tal artigo 32º, mencionado pelo Mr. Magoo no Dia Seguinte? O tal que diz que os dirigentes que paritcipem em direcções que agravem o deficit do clube em mais de 10% não se podem recandidatar (Isto se eu percebi bem) :-k

:slight_smile: gostava que os Administradores se pronunciassem sobre se este vai ser o Tópico oficial sobre a AG de 23, com opiniões, transcrições e decisões formais em relação ao que se vai lá passar ??
desde já obrigado…

Não tens para ai o tal artigo 32º, mencionado pelo Mr. Magoo no Dia Seguinte? O tal que diz que os dirigentes que paritcipem em direcções que agravem o deficit do clube em mais de 10% não se podem recandidatar (Isto se eu percebi bem) :-k

Aqui vai:

O que é directamente relevante são os números 4 e 7.

Angel Lion sabes-me dizer quantos votos tem direito um sócio com 18 anos?

Angel Lion sabes-me dizer quantos votos tem direito um sócio com 18 anos?

18 anos de idade, suponho.

Se essa pessoa for sócia efectiva sem interrupção há pelo menos um ano, tem direito a um voto. Mas com 18 não me parece que o possa ser, porque julgo que é apenas precisamente aos 18 anos que se passa a efectivo, até lá é-se juvenil. Algum adepto na casa dos 16-17 anos para me corrigir?

Mais uma de EFS hoje n’“O Jogo”:

Se há a obrigação - como há - de alienar e é benéfico para o clube e para minimizar as responsabilidades perante os seus parceiros financeiros, então que se encare por um lado como uma obrigação contratual, e por outro como um acto de gestão sobre o qual os sócios terão de decidir.

De facto, este tipo toma os sócios por mentecaptos. :evil:

Absolutamente deprimente também a entrevista de outro engravatado, António Pires de Lima, na mesma edição do jornal. Estes camelos todos fuzilados no Campo Pequeno era fraco castigo. :twisted:

Voltando ao artigo 32º, se DF disse que se podia aplicar, espero que o possa provar. É que o défice orçamental foi justificado essencialmente com a diminuição de receitas, não com o aumento de despesas. Não entrando o novo contrato do Levezinho nestas contas, não me parece que sejam os 8 milhões referidos por EFS com os passes (ou parte deles) de Deivid, João Alves e Wender que vão fazer atingir essa percentagem.

Voltando ao artigo 32º, se DF disse que se podia aplicar, espero que o possa provar. É que o défice orçamental foi justificado essencialmente com a diminuição de receitas, não com o aumento de despesas. Não entrando o novo contrato do Levezinho nestas contas, não me parece que sejam os 8 milhões referidos por EFS com os passes (ou parte deles) de Deivid, João Alves e Wender que vão fazer atingir essa percentagem.
Resta saber em quanto é que essas aquisições excederam o orçamentado. É que o orçamento da SAD anda pelos 17 milhões de €, e por isso os 8 milhões seriam suficientes para o exceder em 10%.

Existe uma outra particularidade: os estatutos são do Sporting Clube e o art. 32º refere-se (nº 2) a despesas do “Clube”. O défice que se verifica respeita, ao que parece, à SAD, pelo que, em termos literais, o art. 32º não se lhe aplica.

Sucede que os estatutos remontam a 1996, quando ainda não havia SAD, nem outras sociedades, e toda a actividade do Sporting estava concentrada no Clube. Penso por isso que há que fazer aquilo a que se chama “interpretação actualista”, de modo a que o art. 32º se aplique também à SAD, ou pelo menos ao conjunto do grupo Sporting.

Há é uma outra questão: na mecânica dos estatutos, a violação do art. 32º teria que ser verificada pelo Conselho Fiscal, que submeteria as suas conclusões à AG (pelo menos é assim que entendo, antes de ter tido tempo para analisar tudo com calma). Ora o actual Conselho Fiscal do Sporting não só não tomou qualquer iniciativa deste tipo, como é presidido por um tipo completamente comprometido e cuja credibilidade, pelo menos para mim, anda a arrastar pela lama.

Penso que a oposição não deixará de estar atenta a este problema e saberá tomar as providências adequadas, se necessário no decorrer da própria AG. Dependendo dos números que forem apresentados, FSF poderá estar a cavar a própria sepultura.

Meanwhile, a mentira continua a engordar.

EFS explica hoje ao pasquim do norte que o défice orçamental que justifica a venda de património foi apurado no dia 31 de Janeiro.

E no entanto, FSF anunciou a vontade de vender e de convocar uma AG para o efeito, numa entrevista à SIC-N, dada em 12 de Janeiro… :evil:

Angel Lion sabes-me dizer quantos votos tem direito um sócio com 18 anos?

18 anos de idade, suponho.

Se essa pessoa for sócia efectiva sem interrupção há pelo menos um ano, tem direito a um voto. Mas com 18 não me parece que o possa ser, porque julgo que é apenas precisamente aos 18 anos que se passa a efectivo, até lá é-se juvenil. Algum adepto na casa dos 16-17 anos para me corrigir?

Eu tenho 19 anos e sou sócio desde sempre.
Pus 18 anos, pois nao tenho bem a certeza se me fizeram logo sócio ou apenas uns meses depois.

Quer dizer que ser sócio desde que nasci e ser sócio apenas nas idade em que se é efectivo vai dar ao mesmo no nº de votos?

Eu tenho 19 anos e sou sócio desde sempre. Pus 18 anos, pois nao tenho bem a certeza se me fizeram logo sócio ou apenas uns meses depois.

Quer dizer que ser sócio desde que nasci e ser sócio apenas nas idade em que se é efectivo vai dar ao mesmo no nº de votos?

Se és sócio desde os 18 ou antes, passarás a efectivo aos 18, pelo que a partir dos 19 tens 1 voto. A partir dos 28, não tendo havido interrupções, tens mais 3 votos. Se chegares aos 78, a partir dessa data passas a ter a bonita soma de 19 votos - esperemos é que ainda haja Sporting nessa altura… :roll:

Segundo o pasquim-mor:

[b]Dias Ferreira e Soares Franco em reunião com Roquette [/b] Dias Ferreira, anunciado candidato às eleições do Sporting, esteve reunido com o actual presidente, Filipe Soares Franco, num encontro promovido no escritório de José Roquette, na zona de Belém.

Confrontado pela Renascença, Dias Ferreira confirmou o encontro e explicou que limitou-se «a pedir em privado aquilo que já pedira em público», ou seja, que Filipe Soares abandone a ideia de proceder à venda de património do clube. «O que está em causa é o interesse do Sporting», explicou.

Espero que a ultima frase que ‘boldei’ não sejam palavras vãs, e que desta reunião saia algum acordo que beneficie o SCP. [-o< [-o< [-o<

Independentemente do que possa vir a acontecer, e para nao abrir mais um topico, tempo de começar a contar armas;

QUEM É QUE VAI NA 5ª FEIRA E ONDE NOS ENCONTRAMOS?

Respondam por favor. :arrow: