A nova aliança

Segundo os pasquins de hoje, Dias da Cunha, Luís Filipe Vieira, Carlos Pereira e Manuel Vilarinho estiveram ontem reunidos para concertar posições em relação a objectivos comuns: pressionar o poder político a intervir no futebol profissional, tirar a arbitragem e a Disciplina da Liga, tornando-as independentes, criar um tribunal desportivo e uniformizar métodos contabilísticos são os prioritários

Quem quiser saber mais pode ir a http://www.ojogo.pt/20-332/Artigo438513.htm

Em relação a esta nova aliança que parece ser a reedição da dita santa aliança que fomentou o chamado “Movimento dos Presidentes”, as minhas reservas são as mesmas de sempre, porque em termos de confiança as diferenças entre PC e LFV não são de palmo, são homens da mesma escola e que usam os mesmos métodos, embora em termos de capacidade não possam haver comparações.

Assim se há dois anos foi LFV que se juntou aos Loureiros para bloquear o avanço do “Movimento dos Presidentes” agora vai ser o PC que já fez as pazes com os vizinhos, a arregimentar as forças do norte contra este ataque aos poderes instituídos.

A única diferença que eu vislumbro aqui é que enquanto antes o caminho escolhido era o da resolução dos problemas dentro da própria Liga, agora aposta-se também no recurso à intervenção do poder político, na qual também não acredito muito. E depois há o “Apito Dourado” que pelo menos pôs muita gente em sentido.

Para finalizar não poderia deixar de orgulhosamente ressaltar que o Sporting continua firme na mesma posição de defesa da credibilização e transparência do futebol português, esse é um crédito que ninguém nos pode tirar.

Tudo isto cheira-me muito mal …

Os que me “trataram” de maluco, que venham agora comentar isto…

Estive vai não vai para criar um tópico semelhante, mas depois pensava: para que é que se vai chover no molhado ou malhar no ferro frio, instalar a discussão em que os “mesmos” (sem ofensa) vão degladiar os mesmos argumentos a favor e contra sem se chegar a conclusões e sem ninguem convencer ninguem do que quer que seja.

Vamos lá tentar outra vez

A minha posição é que não gostanto destas caldeiradas, nomeadamente com aquela gentinha, alguma coisa tem que ser feita e o Sporting não o consegue sózinho.

Tal como o To-mane, também saliento a firmeza de posição do Sporting desde o principio, muitas vezes contra tudo e todos, muitas vezes ridicularizados até internamente, já que a politica de alianças ou convergencias deixa muito a desejar.

Não há volta a dar: Se correr o bicho pega, se correr o bicho come!!!

Não faltarão Sportinguistas a meter a viola no saco e a virem aplaudir mais esta palhaçada, na óptica de "os fins justificam os meios", que foi já a filosofia utilizada para justificar a aliança com o Porto.

Tudo isto é mto bonito em termos de objectivos, e sabendo nós os podres do futebol, mas como o tomané realça e muito bem os objectivos e métodos não podem ser dissociados dos seus key players, aliás como o falhanço do romance com o PC mostrou.

Mais uma vez estamos a querer atingir objectivos rodeados da gente errada. É o mesmo que querer casar à força com o objectivo de ter um filho a longo prazo (o filho chamado "futebol credibilizado) mas ir sempre ter com raparigas de passado, presente e futuro nada duvidoso, cheias de telhados de vidro e vícios nada fiáveis.

É sempre a mesma história, mudam as caras mas a porcaria é a mesma, com a agravante de neste caso estarmos a associar-nos a uma direcção/SAD que tem como outra cabeça um dos maiores sujos do futebol português que tanto nos prejudicou num passado recente, de forma até bem mais objectiva e identificável que qualquer Pinto da Costa deste país.

Como se pode ver a discussão ridícula que aqui andámos a ter entre o “ouvir” ou não o benfica não fazia sentido, era conversa infantil de pin-y-pons.

O “ouvir” traria sempre água no bico (neste caso é mesmo bico) e ela aí está, em forma de aliançazeca com traficantes, lavadeiras de dinheiro sujo e ex-empresários de futebol terroristas procurados pelo fisco internacional. Penso que perante este cenário tomané, a tua assunção de que não nos podem tirar os louros da coerência cai um pouco por terra. Andar a defender a credibilização do futebol e a limpeza do mesmo de tipo de gente indesejável e depois surgir em inicativas destas ao lado de gente deste calibre… é no mínimo incoerente.

Quanto a PC… qdo chegar a altura de definir empréstimos de jogadores dos 4 plantéis que o Porto mantém para o efeito aos clubes da superliga que andam sempre com a corda na garganta logo veremos a solidez deste casamento entre a virgem e o ladrão.

Passo a palavra a quem certamente tem forma de justificar e até apoiar moralmente estes acontecimentos.

Continuamos a cometer um grande erro: aliar-se com pessoas mal formadas, neste caso o orelhas.
Não acredito nestes movimentos que quanto a mim apenas servem para mudar as moscas, mas a merda permanece.
Gostaria que fossem movimentos sérios e que pensassem sériamente o futebol e toda a sua estrutura e não colocassem à frente desses designios o controle da arbitragem, do conselho de disciplina, etc…
Para além disto, o PC sabe mais disto sózinho e a dormir do que aqueles presidentes todos acordados, i.e., toda e qualquer solução passa pelo PC e deve passar por ele.
A exemplo do que aconteceu à um ano com a aproximação ao orelhas, vai voltar a contecer o mesmo.
O orelhas, por defeito, vai buscar factos à realidade dos outros grandes para justificar e vanglorizar suas acções(o exemplo da referência aos fundos de investimento do sporting que detinha passes de jogadores e o mesmo nao acontecia com as galinhas, é no minimo deselegante!)

Infelizmente parece que é uma realidade.

Se o Sporting for comido espero que os sócios respondam nas eleições de 2006.

Penso que esta aliança envergonha o Sporting e enfraquece a sua luta pela credibilização do futebol.

Esta redescoberta limpeza de propósitos dos lamps deixa muito a desejar. Para quem já não se lembre, estas são as mesmas pessoas que disseram um dia que era mais importante ter gente na Liga do que comprar reforços para o plantel. Há apenas um ano, os responsáveis do Sporting recusaram, e muito bem, ir à Luz partilhar o camarote com estes senhores, por considerarem, e bem, que estes não tinham categoria nem credibilidade para tanto.

A trupe que está no Benfica é exactamente a mesma, acrescida de um empresário que para além de ser genericamente um escroque, ainda se portou com o Sporting da forma que todos recordamos no caso do FDP, naquilo que tem todos os sinais de ter sido uma acção concertada com- adivinhem- os então e ainda dirigentes do Benfica.

Penso que a luta do Sporting é mais digna se for feita sozinho. O Sporting quer a mesma coisa há muito tempo. As suas propostas não mudaram quando foi 4º, nem quando foi 1º. Já o Benfica quer apenas ser campeão, seja de que forma for; tentou-o juntando-se à “situação” e manobrando no interior da Liga (e inviabilizando então um movimento semelhante ao que agora se desenha); tenta-o agora juntando-se à “oposição”.

Mais vale sós que mal acompanhados, e o Benfica não presta para nada.

PS- Já agora, como se não bastasse a presença dos lamps, alinhamos numa cimeira pela transparência do futebol com o Marítimo, provavelmente o clube que mais distorce a concorrência por via dos subsídios do Governo Regional. Estamos sem dúvida em boa companhia, com dois lídimos representantes do que de pior tem o futebol português… Dirigentes sem escrúpulos, que não olham a meios para atingir fins, de um clube que passeia impune o seu incumprimento, e a rapaziada da Madeira que joga à bola por conta do Orçamento…

A luta contra o sistema e a consequente credibilização do futebol sempre foi um dos cavalos de batalha desde que Roquete veio para o Sporting.

Ao longo destes anos as várias tentativas de derrube do sistema falharam redondamente e sem estar a dissecar as razões para esse insucesso, não tenho dúvidas que destas tentativas os actuais dirigentes do SCP retiraram experiências que ajudarão no futuro.

Para mim uma coisa é clara, a ‘limpeza’ do actual futebol português tem de passar obrigatoriamente pelo poder político, por várias razões, e a principal no meu ponto de vista, é que o futebol enquanto actividade económica, tem e poderá ter ainda mais um peso importante na nossa economia.

Posto isto, acho que a tal intervenção política só é viável (infelizmente) quando pelo menos 2 dos 3 grandes estiverem envolvidos numa ‘revolução’ deste género. O Sporting ao aliar-se ao Benfica, por muito incómoda que seja esta aliança, e eu também sinto este incómodo, está a cumprir o pressuposto que referi acima, e quanto a mim bem, porque neste caso acho que claramente os fins justificam os meios.

O grande entrave que muitos sportinguistas colocam nesta aliança é sem dúvida a pouca credibilidade dos actuais dirigentes lampiões, mas se o resultado desta união for a criação de estruturas independentes, com sistemas de controle que funcionem de facto, acho que aqueles que mais beneficiarão, somos nós, os que realmente apreciam o futebol.

Acho que este pensamento de que ao concretizarmos uma aliança destas, mais tarde ou mais cedo seremos enganados, é redutor e principalmente inibe qualquer tentativa séria de credibilização do futebol, porque a verdade é que enquanto o SCP estiver sózinho nesta luta, poucos resultados conseguirá, como provam os ultimos anos.

Eu hoje vou ter uma reunião com o bibi, o Carlos Cruz, o Paulo Pedroso para acabarmos com a pedofilia em Portugal

Esses pressupostos um pouco ingénuos são os mesmos que estiveram na base da aliança com o Porto mpcco, com os resultados que sabemos.

A lógica do “servir-me deles para sacar os objectivos que pretendo”. Fomos comidos duas vezes assim, e tudo ficou na mesma.

A mesma coisa aqui. Se a tarefa já é difícil, como imaginar que pode ser alcançada sem o apoio de quem realmente esteja interessado nos mesmos objectivos? Alguém acredita, em santa inocência, que esta linha de dirigentes do benfica está interessada noutra coisa que não seja atirar areia para os olhos dos seus adeptos de forma a manter-se no poleiro e assim continuar o desfalque que por lá fazem?

o FLL lembra e bem essas frases de Vieira, sobre o “ter gente na liga”, e outros lembraram já a amizade com os loureiros. Eu lembro o Boavista - Sporting do ano passado, com Paixão “na terra” e Vieira “no céu” da bancada a rir-se.

A teoria é toda bonita, a prática não joga. Estamos a associar-nos a quem só tem sujidade no curriculum, com um historial de incoerências completas e um passado vergonhoso.

Nada que me admire, mas certamente algo que renego.

Na tentativa, desesperada, de credibilizar o futebol, descridibilizam o Sporting… :?

Dias da Cunha :wall:
Carlos Pereira :wall:

:shock:

Mauras,
para que se aceite um acordo deste tipo é preciso que haja confiança nos nossos dirigentes, o que para muitos neste fórum, incluindo tu, não têm. Respeito a vossa posição, mas partir dela tiram-se conclusões do estilo: eles são uns tótós vão ser comidos.

Eu não tenho esta perspectiva, confio nos dirigentes do SCP e sei que tudo farão pra conseguirem os seus objectivos. Como disse no post anterior, os erros cometidos anteriormente servem como experiência, mas se mesmo assim as coisas não funcionarem, a verdade é que nada mudará, por isso valerá sempre a pena tentar.

Vou mais longe, quem tem a perder com tudo isto são os próprios lampiões. Eles bem podem barafustar porque uma bola entrou na baliza, mas se fizermos as contas eles têm um claro crédito no que diz respeito às arbitragens e quando esta for profissionalizada ou semi-profissionalizada muitos artistas que andam por aí à vontade, terão de pensar duas vezes antes de cometerem os erros que semana após semana vemos por aí.

O DC que se ponha com os dois olhos abertos e um pé atrás.
E fique sempre com eles abertos e com um pé atrás.
Duvido muito que os obejctivos de “credibilização” do futebol do benfas seja comum à credibilização defendida pelo SCP.
Aliás, o interesse do benfas pela “credibilização” do futebol começou a partir de que momento, hein? Recordam?

Aliás, o interesse do benfas pela "credibilização" do futebol começou a partir de que momento, hein? Recordam?

Nada como sofrer na pele, mesmo que aquele golo (ou não) seja de dificil julgamento.

Não esquecer o que o presidente do benfica disse sobre o sistema no início da época, quase que a gozar com o seu actual aliado.

O nosso presidente já esqueceu isso?

E não foi só no início da época Leão, o orelhas voltou a repetir-se muito recentemente.

O DC que não se ponha esperto… e meio… :roll:

Mais recentemente não sei… mas é caso para perguntar se os nossos dirigentes não têm amor próprio ou sofrem de amnésia :?

para que se aceite um acordo deste tipo é preciso que haja confiança nos nossos dirigentes, o que para muitos neste fórum, incluindo tu, não têm. Respeito a vossa posição, mas partir dela tiram-se conclusões do estilo: eles são uns tótós vão ser comidos.
Correcto. É preciso confiança nos dirigentes do Sporting para esperar bons resultados desta aliança. Eu não a tenho e acho que há razões para isso, porque em matéria de alianças o Sporting não tem sabido aprender com os erros.

Quando chegou, o Santana prometeu guerra ao PdC. Quando partiu, menos de um ano depois, pintava-o como uma pessoa de trato encantador e maravilhava-se com o seu talento para declamar poesia. Pelo meio ainda teve tempo para andar aos beijinhos ao Damásio, quando lhe foi pagar o Paulo Sousa.

Veio o Roquette, que começou contra o PdC, voltou a juntar-se a ele quando ao papa lhe apeteceu, e ficou de novo sozinho quando o casamento deixou de interessar ao Porto e o Bimbo o chutou para canto.

Vem o DC e volta a acreditar na pureza do PdC, cria com ele o Movimento dos Presidentes, e depois, como inevitavelmente acontece, o papa tira-lhe o tapete.

Penso que são abundantes os antecedentes que desaconselham alianças deste tipo, e no que toca ao benfica não creio que haja razões para pensar de outra forma.

Os dirigentes do benfica são o que se sabe, a começar pelo presidente, ladrão de camiões com negócios manhosos no imobiliário, e ele próprio habitué no carrocel das alianças, enquanto presidente do Alverca. Isto já para não falar na sua opinião lapidar sobre a necessidade estratégica de ter gente na liga para ganhar campeonatos.

Por algum motivo os dirigentes do benfica foram considerados indignos de privar com os do Sporting, há coisa de um ano. E será que melhoraram muito de então para cá? Parece-me evidente que não. A trupe é exactamente a mesma, com o reforço de peso de um ex-empresário bandido de quem o Sporting tem as recordações que tem.

Nem sequer se pode dizer que a presença do benfica reforça os argumentos junto do poder político. Não é na companhia de quem importunou um ministro com um vídeo sobre uma arbitragem que a nossa causa ganha peso.

Concluindo, parece-me evidente que o benfica não quer moralização de coisa nenhuma, até porque tem com a moral uma relação historicamente conhecida. O benfica pretende derrubar o poder instituído no futebol apenas e tão só para lá colocar outro que lhe convenha e favoreça.

O benfica não está interessado em assegurar uma concorrência livre e leal entre os clubes, porque toda a sua filosofia, hoje e sempre, se pauta pela distorção das regras, o incumprimento e a impunidade.

O benfica não defende qualquer princípio de organização credível para as competições de futebol; não se lhe conhece uma única ideia sobre transparência das contas, quadro competitivo, enquadramento da arbitragem, limitação de estrangeiros, número mínimo de campos relvados, número mínimo de jogadores formados no clube, nem nada que vagamente se assemelhe.

No fundo, o benfica pretende aquilo que sempre quis e que afinal fez a sua história: mandar de qualquer jeito para ganhar a qualquer custo.