A falta de estofo nacional

Obviamente.

Basta ver o United vs City. Um clube que era campeão sempre, fortíssimo nos momentos de decisão, parecia que tinha sempre a estrelinha. Tinha estofo. Do outro lado um clube que só sabia perder.

A qualidade deslocou-se para o City e veja-se o papel do estofo.

A única coisa que importa é qualidade e experiencia dos jogadores.

3 Curtiram

Nem mais, no final o que conta é a qualidade.

O nosso estofo, este ano, foi contratar Gyokeres e Morten Hjulmand que claramente trazem á equipa muita qualidade e personalidade (há jogadores que acrescentam qualidade mas que não tem nervos de aço nos momentos decisivos mas estes 2 têm claramente essa mais valia, têm muita qualidade e também muita personalidade e nos jogos “decisivos” não tremem nada.

Que esta equipa tem estofo é uma evidência caso contrário nunca passaríamos a eliminatória da taça depois do jogo que fizemos na luz.

Agora sabado é outro jogo e não jogamos sozinhos. Somos melhores, estamos melhor colocados, estamos em melhor forma e temos todas as probabilidades a nosso favor, mas do outro lado está uma equipa com Di Maria, Rafa, Neres… tudo jogadores que decidem jogos de um momento para o outro e portanto, contra estas equipas, com ou sem estofo, tudo pode acontecer.

2 Curtiram

Não concordo que o estofo seja só qualidade, a mentalidade e superação são igualmente importantes.

Basta ver o Porto mesmo com equipas mais fracas contra o Benfica, e por muito que custe o próprio Benfica contra nós, mesmo nos anos em que têm equipas menos competitivas.

A força mental existe mesmo e é projectada dos adeptos e direcção para as equipas.

Claro que se o plantel for forte e competitivo os bons resesultados acabam por acontecer naturalmente, mas o estofo vê-se em situações mais particulares.

A exigência e a superação são fundamentais num clube de topo, a par da qualidade dos plantéis.

Tens toda a razão. Mas tanto é precipitado estar já a embandeirar em arco (e o próximo sábado será vital para perceber o que serão as nossas hipóteses), como era totalmente precipitado estar logo a tirar conclusões ao fim dos primeiros 25% de campeonato porque empatamos em braga roubados e perdemos na lixeira e em guimarães também gamados. Aliás, por esta altura, finais de Novembro, a equipa já ia dando boas indicações globais. Já era considerara a melhor equipa a jogar futebol em Portugal, embora ainda timidamente pela paineleiragem nacional.

E toda esta discussão foi feita com base precisamente nessa pequena amostra de campeonato. Acho que passados 75% de campeonato podemos fazer um update na discussão. Sem certezas absolutas nem fanfarronices, mas eu diria que os cenários catastrofistas aventados neste tópico tão cedo na época foram manifestamente exagerados.

Até porque, concordando com algumas opiniões que aqui já foram dadas, na realidade a questão do estofo resume-se a qualidade e a ser capaz de estar regularmente nos momentos de decisão. Uma equipa e uma estrutura habituada a estar regularmente nos momentos de decisão, terá sempre menos chances de claudicar nesses momentos. Até por isso é importante manter alguma estabilidade na estrutura, e aqui refiro-me muito concretamente à equipa técnica. Quando muita gente anseia por ver RA pelas costas, em muitos casos numa lógica mais de ter brinquedos novos do que racionalmente, eu acho que manter o treinador é um vetor muito importante para precisamente progredirmos no sentido de estarmos mais vezes nas decisões. Mesmo não ganhando. A verdade é que em 4 anos completos, estivemos 3 vezes na luta por troféus até praticamente ao fim (e já estou a incluir a atual). Quase sempre nessas 3 épocas aliou-se o bom trabalho do treinador e equipa técnica, a uma politica de contratações relativamente boa, pelo menos no quesito qualidade (quantidade é outra questão que vai sempre desembocar na profundidade do plantel, talvez o aspecto onde ainda não vimos um trabalho realmente aceitável) que nos deram equipas competitivas e capazes de lutar por títulos. Ganhámos alguns, perdemos outros e estamos este ano em posição privilegiada para vencer o campeonato, que a confirmar-se seria o 2º em 4 épocas completas com esta equipa técnica. Mais, estamos em condições de vencer uma dobradinha que nos foge há 22 anos. A época passada configura-se neste cenário até, como uma exceção, e ainda bem.

Vamos ver o que acontece, mas eu diria que ser competitivo num clube habituado a sê-lo muito menos do que aquilo que devia, é por si só já um passo importante para ser capaz de construir um futuro de maior regularidade de vitórias. Agora uma coisa eu também sei, é que se num contexto de maior contenção orçamental se tem conseguido resultados desportivos aceitáveis e até bons, é importante reforçar isto com maior ambição e maior investimento. A era RA, muito pelo sucesso desportivo que se tem conseguido, tem tido um impacto muito positivo nas contas da SAD e é fundamental que a direcção perceba que tem de haver mais ambição e mais investimento para que o clube continue num caminho de reforçar uma posição adquirida e eventualmente dar um passo seguinte de consolidação. Esta receita de construir boas equipas com recursos limitados é uma contingência e nunca pode ser uma base estratégica de consolidação porque tem obvias limitações. Tem de servir como ponto de partida, mas nunca será um ponto de chegada. Dito isto, e vaticinando já que possamos vencer o campeonato (e já agora a taça) e participando na próxima edição da Champions, teremos aqui uma oportunidade de ouro para dar o salto… assim a direção seja ambiciosa. Teremos todas as condições para aumentar o investimento na equipa e pô-la a competir de igual para igual internamente e para aumentar a competitividade na Europa.

1 Curtiu

O papel do estofo e do :moneybag:

Na minha opiniao, claro que a qualidade é o principal diferenciador. E quem investe mais tem mais capacidade de atrair qualidade.
Mas estofo é saber manter a nossa a identidade, mesmo em desafios mais dificeis. Associo sempre falta de estofo a treinadores tipo o Jesualdo, que sempre que jogavam contra uma equipa maior metiam um central a trinco, outro a lateral. Era sempre derrota certa.
Credito ao Amorim, que pode adaptar as dinamicas, mas nunca mudamos a nossa matriz de jogo seja com quem for.

Em Paços de Ferreira há tantos estofos

1 Curtiu

Muito mais conversa andou por aqui há meses, até que se tiveram de calar.

Se te incomoda o meu testamento, também te deveria incomodar o catastrofismo aqui escrito antes.

Claro que veremos. Aliás o que mais temos tido são desafios destes… a começar pelo que deu o mote ao meu post. O forista já vaticinava um baile do cãoceição ao Amorim na antevisão da recepção ao porco em Alvalade. Lembro-me de nessa altura noutro tópico ter dito que achava que estaríamos melhor e que teriamos óptimas condições para ganhar. Assim foi, as tais certezas de muitos foristas quanto ao “estofo” para vencer os rivais caiu por terra nesse jogo, onde fomos claramente superiores, e só não goleamos por azar e já agora porque o árbitro não deixou.
A partir daí foi um festival… de goleadas para o campeonato, e de vitórias sobre os ditos rivais (com excepção ao jogo da taça da carica com o braga). Neste tópico ouviram-se grilos e os arautos da desgraça foram desaparecendo a cada demonstração de superioridade e qualidade da equipa.

Portanto, eu até adivinho que se o Sporting no sábado voltar a demonstrar novamente a sua superioridade ainda existirão alguns que terão de esperar pelo jogo no dragay ou pela final da taça para concluírem se o Sporting terá ou não estofo. Bem sei que, não vencendo o campeonato, todos sairão da toca para por tudo e todos em causa… não me iludo. Mas no final das contas tudo isto são exercícios fátuos, porque para quem tem ódios de estimação e agendas próprias pouco contarão os resultados e tudo se resumirá à ausência ou não de ruido. Pesosalmente espero que continuem caladinhos nas suas tocas… é sinal que o Sporting vai vencendo.

Eu considero isso parte do “estofo”. Basicamente, competência, o que significa contratar criteriosamente, gerir as contas, não andar a servir agentes, amigos e intermediários.

É uma filosofia que vem de quem lidera, e quando assim é o resultados são visíveis.

Não sei o que se passa no ManU mas perderam completamente o rumo, simplesmente parece não haver ninguém ao leme.

O Sporting vence, e muito bem o porto.
Venceu o benfica, mas acusou no resultado.
Empatou com o benfica na luz. Até aqui tudo okay.
Mas vem de bailes do caoceicao e de uma derrota na luz onde os jogadores sofrem 2 golos nos descontos (que podem vir a custar muita coisa). Portanto, não é serem auratos da desgraça, é mais realismo.

O Sporting venceu o benfica e venceu categoricamente. Tremeu durante 20 minutos, que efetivamente podiam ter deitado tudo a perder, mas se estamos no domínio dos “ses”, também podemos dizer que se tivesse marcado todas as oportunidades que teve mais o golo anulado ao Nuno, teríamos saído do jogo com 3 ou 4-1.

Esqueceste-te igualmente dos 5-0 ao braga e de algumas vitórias em campos complicados como em Arouca ou em Moreira de Cónegos onde até acabámos por vencer com alguma naturalidade. Ou as várias goleadas que demos, nomeadamente num período critico em que tivemos 3 titulares de fora mais de um mês.

Essa derrota na luz segundo me recordo foi a jogar meio jogo com menos um jogador e com uma arbitragem vergonhosa do ASD. Não consigo criticar a equipa pelo que aconteceu depois de uma parte inteira a ter de correr incessantemente atrás da bola num campo inclinado.

Quanto aos bailes do conceição não sei a que te referes, mas provavelmente à epoca anterior. Mas essa já lá vai e muita coisa mudou, e não foi pouco, a começar na qualidade da nossa equipa. E se chegados até aqui ainda há tantos fantasmas na vossa cabeça por causa da época passada, isso já é outro problema… mas que nada tem a ver com realismo.

Pessoalmente olho para a equipa, para o que tem feito, para os seus níveis de confiança, para o níveis de comprometimento, espirito de equipa e até alguma estrelinha que tem aparecido esta época e sinto que temos o que é preciso. Sinto-me confiante quer para o jogo de sábado quer para, como até já referi, o jogo no dragão onde estou convicto que podemos realmente vencer. Acho que sem fatores externos (é sempre um grande “se”) esta equipa será naturalmente campeã e fará a dobradinha. Claro que é futebol, e muita coisa pode não correr como gostaríamos, mas se me perguntarem se temos arcaboiço este ano, eu diria que sim e acredito genuinamente que seremos campeões, até independentemente do resultado de sábado.

2 Curtiram

Uma velha questão, desde que me lembro já tivemos alguns jogos decisivos contra eles em que o título estava em jogo e o nosso saldo é manifestamente negativo, chamem-lhe o que quiserem, a história diz que nesses momentos eles têm saído por cima mesmo quando éramos muito melhores. Na minha opinião o estofo é a capacidade da equipa aguentar a pressão psicológica, que é enorme nestes jogos, sem tremer, e temos jogadores que têm um histórico mau neste tipo de situações, o que leva a que errem muito mais que o normal e a equipa é penalizada. Espero sinceramente que este seja um ponto de evolução individual nesse aspecto e seja um ponto de viragem. SL

Durante toda a época fomos superiores, o que me preocupa neste jogo é o facto de para nós um empate ser um resultado bastante razoável…
Em Alvalade para a taça sabíamos que se não ganhássemos seria difícil chegar ao Jamor, jogámos 100% para ganhar e foi o que aconteceu.
Na segunda mão foi o contrário, o rival precisava de ganhar e nós sabíamos que um empate era suficiente, eles procuraram muito mais a vitória e só não o conseguiram com alguma sorte nossa.
Neste jogo a equipa adversária ou ganha ou praticamente diz adeus ao título, vai jogar para ganhar… e nós mais uma vez um empate é razoável.
Espero sinceramente que a equipa jogue sem medo e arrisque na vitória porque se formos com a mentalidade do empate desde o 1.º minuto vai ser difícil.
Gerir um possível resultado de empate e não arrriscar faz sentido nos últimos minutos se for esse o resultado.
Posto isto, acredito que temos de entrar em campo com a mentalidade de que eles estão à nossa frente e precisamos obrigatoriamente de ganhar, só assim estaremos mais próximos do sucesso!

E outra coisa que acho importante… se marcarmos 1.º vamos ter de procurar o 2.º e não dar a iniciativa ao adversário… é nesse cenário que eles se sentem confortáveis! As equipas grandes de Portugal jogam 90% do campeonato com adversários que lhes dão a iniciativa e é a esse tipo de jogo que estão habituadas. Para não falar de que a qualquer momento o Di Mergulho arma-se em Taremi e com o ASD e principalmente o Godinho a VAR vamos ter problemas.

Até acho que eles é que não perderam por sorte, sinceramente.

Queres mais um testamento ou ainda vamos andar aqui todos a questionar a falta de estofo da equipa?

2 Curtiram

É nestes momentos que a equipa tem de virar a história, e assim o fez.

Como tal, admito, e com bastante felicidade, que errei.

Que seja presságio para nestes momentos o Sporting continuar a “presente!”

1 Curtiu

Pasme-se, no ano em que a equipa vai buscar 2 jogadores de qualidade diferenciada para a nossa realidade (Gyo e Hjulmand), mostramos “estofo”.

“Estofo” = qualidade.

É simples, isto não é uma ciência oculta.

5 Curtiram

Este ano o mais difícil está feito, espero nao ter que vir a este topico comentar daqui a umas semanas (pelas piores razoes). Era muito mau se desse mos “choke” e nao formos campeoes.

A equipa este ano parece focada e com o espirito competitivo certo. Com mais ou menos dificuldade tem ganho quando é para ganhar e nao tem vacilado, é manter o ritmo até ao fim.

Logicamente é importante, mas o estofo que se fala tambem é muito mental e acho que, sem tirar a importancia á parte tecnica, o gyo e o hulmand vieram tambem acrescentar nesse capitulo psicologico. Ajuda muito nao serem 2 “conas moles” sem mentalidade loser e isso tb acaba por influenciar os outros.

Mas este ano, como disse acima a equipa parece focada no objectivo “ganhar”