Qual é o passivo do Sporting? (actual: 410 M€, R&C 2016/17)

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

A venda do estádio e/ou da academia JAMAIS seria aceite pelos sócios. Teria obrigatoriamente de ir a assembleia geral e, com toda a certeza do Mundo, tal proposta seria rejeitada de forma esmagadora.

Aliás, não acredito que essa hipótese alguma vez surgisse na cabeça de um funcionário do Sporting.

Quando isso acontecer, o clube acaba.

Infelizmente estes palhaços que nos governam o clube já mostraram ter poucos escrúpulos em alterar as regras do jogo, e já vimos como o fizeram na última venda: "ah então a AG chumbou a venda, em que eram precisos 2/3 dos votos? Então faz-se uma nova AG, que apenas pede que a decisão passe para o Conselho Leonino, nesta AG apenas são precisos 50%+1 voto, e no CL a votação será de 80% a favor". Fácil.



Bem, na verdade a proposta recolheu 64% de votos a favor (salvo erro). Seriam precisos 2 terços para a proposta ser aceite, mas a verdade é que a maioria votou a favor.

Eu próprio era e sou totalmente a favor deste projecto, porque dadas as circunstâncias parece-me a maneira mais prática e rápida de voltarmos a ter capacidade de investimento no futebol.

E sejamos realistas, o Sporting chegou a um ponto crítico. É insustentável continuarmos com esta política dos empréstimos e custos zeros. Desportivamente, já há muito que somos o 3º grande (em futebol) e temos vindo a perder muitos adeptos. Dois campeonatos em 25 anos? É para rir, infelizmente. Um clube da nossa grandeza ganhou 2 campeonatos num quarto de século.
Já agora, é bom referir que não é possível saber ao certo o Passivo Consolidado do Clube Sporting, pois apenas a SAD tem a obrigação de divulgar o seu passivo... portanto, só aqui e ali é que vamos sabendo algumas coisas, ditas por quem trabalha dentro do Sporting e lógico que não é possível confirmar os números. Recapitulando:

[Passivo]
- Antes do "Projecto", o Passivo Consolidado do SCP elevava-se a 41,5 Milhões de Euros (8,3 Mc)


- Em 2004, Rui Meireles diz em Assembleia Geral e DC confirma que o Passivo total consolidado é de 420 Milhões de Euros;

- Em 2006, Rui Meireles é referido no DN como tendo dito que o Passivo consolidado é de 277 Milhões de Euros;

- Em 2007 (Março), FSF diz em entrevista à RTP que o Passivo consolidado é de 270 Milhões de Euros;

- Em 2007 (Outubro), FSF diz que o Passivo é de 210 Milhões de Euros;


Agora vou transcrever uma explicação encontrada no blog do "Mundo Sporting":
Citar
O BALANÇO é composto por ACTIVO, CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO.

Como toda a gente sabe PASSIVO é o contrário de ACTIVO e, contabilisticamente falando, é o valor que custam os activos.. Por isso se existe algo para pagar (algum ACTIVO ainda não pago), esse valor está representado no PASSIVO e funciona num sistema de contrapartidas! Quando entra algum valor do lado do ACTIVO tem, obrigatoriamente, de entrar no lado do PASSIVO

Do mesmo lado do PASSIVO existe outra parte que se chama CAPITAL PRÓPRIO onde se encontram, entre outras coisas, todas as contrapartidas de todos os activos já pagos!
Um PASSIVO elevado não significa bancarrota!! Nem falência!! Nem muito menos a ultimamente tão usada, falência técnica! Um PASSIVO elevado significa que existem muitos activos ainda não pagos! Mas se os ACTIVOS forem bem valorizados, e tudo indica que assim o são, em caso de necessidade de dinheiro pode-se trocar o ACTIVO por dinheiro e a tal "dívida" sai do PASSIVO! Como tal a análise fundamental das empresas não se faz através do BALANÇO, mas sim através de outro mapas financeiros de Contabilidade Financeira (...)

[Activo]
O único dado de que disponho sobre o activo do Sporting é o seguinte:

- Em 2004, Rui Meireles explica após a AG dos 420 M€ que o Activo = 313 milhões (168 + 145) Património + Valor desportivo dos Jogadores.



Nota Pessoal: Parece-me claro que o Sporting ao estar a vender o património e diminuir o Passivo mas também diminuir simultaneamente o Activo, diminui a sua "reserva", o seu "balão de oxigénio", já que esse é o único valor não volátil no meio disto tudo. O que ressalta também é que com uma Academia a produzir bem e uma campanha decente e organizada para angariar receitas, aquilo que se gera em dinheiro seria bem capaz de chegar para ir pagando o Passivo e deixar lá estar a "reserva" do Património. Pelo que percebi, a situação das galinhas é mais crítica porque eles já não têm património e tremideiras de maior grau na parte dos Activos desportivos podem dar uma situações em que o Activo não cobre o Passivo.

Nota Pessoal 2: Parece-me também razoável afirmar que a contratação de jogadores incertos que "podem vir a valorizar" mais não é do que levar erradamente uma estratégia ao extremo, por não existir confiança suficiente que os Activos gerados pela Academia e pelas receitas de bilheteira, patrocínios, TV e merchandising sejam suficientes para cobrir e ir reduzindo o Passivo... a parte que acho estar errada é que contratar jogadores não valorizáveis mas de qualidade e em pouca quantidade pode resultar em mais receitas a todos os níveis (bem como resultados desportivos, que é o mais importante) e permitir gerar ainda mais valores a partir da Academia já que serão em maior quantidade os jogadores jovens a serem valorizados e transferidos.
Caro paracelsus, não nos podemos esquecer que a venda do património (activo) para diminuir o passivo possibilita ao Sporting uma maior capacidade negocial na venda dos outros activos (jogadores).

Temos o exemplo do Nani e, em condições normais, teremos novo excelente exemplo em Junho/Julho (Veloso). Com capacidade negocial, podemos vender jogadores por 30 milhões, em vez dos 6 milhões que recebemos pelo Quaresma (mais 2,5 milhões que vieram do Rochemback, mas lembro que apesar do Barça pagar grande parte do salário, o Sporting ainda comparticipava com 750 mil euros/ano).
A venda do estádio e/ou da academia JAMAIS seria aceite pelos sócios. Teria obrigatoriamente de ir a assembleia geral e, com toda a certeza do Mundo, tal proposta seria rejeitada de forma esmagadora.

Aliás, não acredito que essa hipótese alguma vez surgisse na cabeça de um funcionário do Sporting.

Quando isso acontecer, o clube acaba.

Infelizmente estes palhaços que nos governam o clube já mostraram ter poucos escrúpulos em alterar as regras do jogo, e já vimos como o fizeram na última venda: "ah então a AG chumbou a venda, em que eram precisos 2/3 dos votos? Então faz-se uma nova AG, que apenas pede que a decisão passe para o Conselho Leonino, nesta AG apenas são precisos 50%+1 voto, e no CL a votação será de 80% a favor". Fácil.



Bem, na verdade a proposta recolheu 64% de votos a favor (salvo erro). Seriam precisos 2 terços para a proposta ser aceite, mas a verdade é que a maioria votou a favor.

Eu próprio era e sou totalmente a favor deste projecto, porque dadas as circunstâncias parece-me a maneira mais prática e rápida de voltarmos a ter capacidade de investimento no futebol.

E sejamos realistas, o Sporting chegou a um ponto crítico. É insustentável continuarmos com esta política dos empréstimos e custos zeros. Desportivamente, já há muito que somos o 3º grande (em futebol) e temos vindo a perder muitos adeptos. Dois campeonatos em 25 anos? É para rir, infelizmente. Um clube da nossa grandeza ganhou 2 campeonatos num quarto de século.

O que dizes só reflecte a ilegalidade que foi feita. Os estatutos dizem "dois terços", não dizem "a maioria", certo? Essa diferença existe precisamente para apenas se alienar património quando há um grande consenso nesse sentido, os tais 66,7%.



O "projecto" prometeu ter um Sporting rentável em 10 anos? Pois está perto, o Sporting já é rentável incluindo as vendas de jogadores para o estrangeiro, e mesmo sem essas vendas anda lá perto. O Sporting vendeu o Ronaldo em 2003? Pois vendeu, venda que na altura era mais que obrigatória, e não era para fazer os cinemas mas sim porque era o último ano de contrato, e ainda bem que era o Ronaldo e não o simulãozinho, senão tinhamos visto "bola", zero, o gajo acabava o contrato e tchau até à próxima; estar a usar agora essa venda como critério não é sério, ainda podiam criticar a venda do Quaresma, essa sim feita em desespero e sem critério, mas a do Ronaldo foi o menor dos males... 15 M EUR por um puto de 18 anos foi na altura e venda mais cara da época, e a venda mais cara de um junior na história do futebol até essa data...

Se queres ser tão ligeiro a acusar de falta de seriedade, podias documentar-te melhor.

Essa história do último ano de contrato foi mais um embuste que arranjaram para limparem a imagem aos olhos dos sportinguistas. Se o contrato do Ronaldo acabava em 2004, porque é que no relatório do primeiro semestre de 2003/04 (http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/fsd7467.pdf) se diz que a SAD tinha planeado essa transferência para a época 2004/05? (o Man Utd ia pagar 15 milhões por um jogador sem contrato?)

E se a venda não foi de aflitos, porque é no mesmo relatório se diz que o seu produto foi inteiramente canalizado para abater o défice de tesouraria?

E se o dinheiro não foi para pagar os cinemas, porque é que JEB, em entrevista ao Expresso (http://216.239.59.104/search?q=cache:1WMfhiVW9TwJ:semanal.expresso.clix.pt/1caderno/desporto.asp%3Fedition%3D1619%26articleid%3DES112473+%22pagar+os+cinemas%22+ronaldo&hl=pt-PT&ct=clnk&cd=2&gl=pt&client=firefox-a ), disse que foi?

PS - Já agora, para completar e desfazer dúvidas sobre (mais) esta aldrabice: http://www.record.pt/noticia.asp?id=105001&idCanal=24
« Última modificação: Outubro 30, 2007, 22:42 pm por FLL »

O que dizes só reflecte a ilegalidade que foi feita. Os estatutos dizem "dois terços", não dizem "a maioria", certo? Essa diferença existe precisamente para apenas se alienar património quando há um grande consenso nesse sentido, os tais 66,7%.


Muitos dos que votaram "não" fizeram-no por uma questão de princípio, uma grande parte deles sendo sócios de longa data (portanto, representando mais votos quando na verdade era um número menor de "votantes"). Uma vitória do "não" seria prolongar este miserabilismo em que se meteu o Sporting por mais uns quantos anos (os suficientes para pagar 50 milhões de passivo mais os juros respectivos).

Compreendo os argumentos de quem votou no "não", mas uma vitória do "não" seria um autêntico tiro nos pés.
« Última modificação: Outubro 30, 2007, 22:16 pm por Balakov2007 »
Pelo o que me contaram no proximo ano vai ser obrigatório apresentar as contas consolidadas e aí vamos ver o verdadeiro estado das coisas.

O nós temos o problema no activo... pelas normas não se pode contabilizar o goodwill interno para efeitos de activos e os jogadores por nós formados são goodwill interno, aquele fundo de jogadores foi uma maneira de contornar este facto e ainda receber algum dinheiro adiantado que na altura face á falta de liquidez fazia falta.
<a href="http://symphonyx.com/images/banners/symxPLwebsitebanner.png" rel="lightbox">[img alt=" width="468" height="60" border="0]http://symphonyx.com/images/banners/symxPLwebsitebanner.png[/img][/url]
Como já foi dito, não é possivel chegar ao passivo zero. Isso significa pagar tudo a pronto pagamento, o que é irrealista para todas as empresas. O FSF refere-se ao passivo bancário, ou seja, pagar tudo no prazo de 15 anos. Parece-me totalmente realista esse objectivo, os empréstimos maiores (estádio) devem vencer-se por essa altura. Não percebo as críticas a este dado, que é muito concreto.


Com todo o respeito...
Não percebes mas eu expliquei com muita clareza o porquê da pouca relevância.
Até usei um exemplo colorido para que todos pudessem perceber à primeira sem eu ter que voltar a falar nisso...
Não vejo pertinência de um presidente falar de objectivos para prazos que não têm nada a ver com a sua permanência no clube.

Depois dele sair podem aparecer 3 ou 4 presidentes (ou mais...) com politicas completamente diversas da dele.

O que é que teria interessado se o Sousa Cintra em 1992 (há 15 anos) tivesse dito que tinha como objectivo acabar com o passivo 15 anos depois, em 2007?
Qual seria o valor dessa declaração?
Tanta água passou por baixo da ponte em 15 anos...E vai continuar a passar!
Não me parece uma declaração com grande conteúdo.
É conversa pra boi dormir...

O último exemplo de previsões de longo prazo foi dado pelo nosso amigo Roquete.
E com direcções que seguiram o seu projecto, o erro de cáculo, mesmo assim, foi grande...

Agora imagina que a política muda...
Pode ser bom.
Mas também pode ser mau.
Que erro é que achas que há no meio disto tudo?

Objectivos para os outros cumprirem?
Pra mim é grupo!

Mas meu amigo, é como já disse, estamos num país livre.
O homem que fale à vontade...

Estou mais interessado em compromissos concretos que estejam no âmbito do seu reinado.
E nesses, estou muito interessado em conferir que o passivo dentro de 6 meses está mesmo em 150 ME e que o pavilhão é construído, como ele também me parece ter prometido...

Em 2020, o presidente da altura que defina quais são na realidade concreta do contexto da época os verdadeiros objectivos para 2022...
« Última modificação: Outubro 30, 2007, 22:29 pm por Strikerr »
Nada é bom demais para o SCP!
Caro paracelsus, não nos podemos esquecer que a venda do património (activo) para diminuir o passivo possibilita ao Sporting uma maior capacidade negocial na venda dos outros activos (jogadores).

Temos o exemplo do Nani e, em condições normais, teremos novo excelente exemplo em Junho/Julho (Veloso). Com capacidade negocial, podemos vender jogadores por 30 milhões, em vez dos 6 milhões que recebemos pelo Quaresma (mais 2,5 milhões que vieram do Rochemback, mas lembro que apesar do Barça pagar grande parte do salário, o Sporting ainda comparticipava com 750 mil euros/ano).


Não vamos confundir passivo com passivo exigível a curto prazo ou ainda com passivo bancário.

Vamos dar um exemplo para crianças de 4 anos  ;D

Uma família tem como passivo:
- o empréstimo da casa
- a conta da mercearia
- o pagamento da escola dos filhos

Neste exemplo, o passivo é a soma das 3 parcelas. Reparem que é impossivel passar isto a zero, só se a familia começasse a pagar todas as dívidas a pronto, incluindo a casa, e se pagasse a escola dos filhos no dia 1 do mês em vez de pagar no dia 30! É impossível! Como alguém já disse, significa que a empresa está morta!

Portanto, conclusão 1, o passivo, de per si, não é mau: é necessário para a actividade. Com o passivo, esta família consegue ter um sitio para morar que é seu e que tem um valor de mercado, consegue comer e consegue dar educação aos filhos. Se não se endividasse, moraria numa barraca, ou num lugar alugado, passava fome e/ou tirava os filhos da escolha.

O passivo a curto prazo é a escola, a conta da mercearia, e a parte do empréstimo que tem que pagar já (sendo "já", em empresas, até 1 ano). Ou seja, a familia até pode ter um empréstimo de 250 mil EUR, mas o que interessa são os 1.000 EUR mensais que tem que desembolsar para pagar juros e amortização.

Conclusão 2: Este passivo de curto prazo é preocupante apenas se, mensalmente, a familia não arranjar dinheiro para cobrir esses custos, ou seja, se o salário de pai e mãe não chegarem para pagar todas aquelas dívidas. E porquê? Porque se não houver nenhum emprevisto, em 25 anos o empréstimo acaba e a familia fica com todo aquele património e mais a vantagem de não ter que pagar mais o empréstimo...

O passivo bancário é assim importante porque dá para ver a maior divida da familia, que é o pagamento da casa, como no Sporting é o pagamento do Estádio. E porque é importante? Já falei um pouco atrás, porque todos os meses, durante 25 anos, a familia vai ter que pagar 1000 EUR para pagar a dívida, 1000 EUR esses que são uma fortuna. Se esse empréstimo não existisse, seria possível ter uma vida muito mais desafogada e a familia podia ir de férias para Noa Noa todos os anos... 12 mil EUR por ano é muita fruta...

Conclusão 3: apesar de o passivo bancário não ser muito preocupante até um certo nível, quando ultrapassa esse nível torna-se estrangulador...leva a esmagadora maioria dos recursos financeiros a desaparecer num buraco chamado juros, sem valor acrescentado nenhum...

Corolário: o que falhou no projecto? Uma idiotice de um pressuposto, segundo o qual o novo estádio geraria receitas suficientes para pagar o empréstimo bancário. Ou seja, a familia comprou a casa com 10 divisões quando só precisava de 3...o objectivo era alugar os quartos a estudantes...ia fazer uma pipa de massa...só que se esqueceu de inúmeros factores, afinal só conseguiram 1 estudante, que dá mais prejuizo que lucro, e entretanto a dívida bancária está lá para ser paga todos os meses....

E que erros?
1) que os custos do novo estádio seriam menores - Idiotice mor que já os lampiões utilizaram. Um estádio high tech de certeza que custa muito mais em manutenção que um velhinho cimento-e-ferro.
2) que os negócios paralelos (edifício Visconde, Alvaláxia) iam gerar muitos proveitos - Idiotice ainda maior, sobretudo no Alvaláxia, primeiro porque era ÓBVIO que o facto de ser um estádio iria afastar muita gente, a começar pelas mulheres (que normalmente detestam o futebol), as famílias inteiras (com medo da violências que sempre anda associada ao futebol), os adeptos dos outros clubes, e sobretudo iria ser uma zona fantasma fora dos 15 em 15 dias de jogos
3) a economia efectivamente levou uma cacetada em 2000-2003 - por mais que se goze com a teoria do FSF, a verdade é que a crise económica levou muita gente e muitas empresas a não investir, cortando nas actividades de lazer e cultura
4) erros crassos de implementação: falta de uma âncora (super-mercado e grandes lojas como a Zara), incompetentes à frente dos projectos, custos estúpidos em empresas de brincar, em adminstradores em número exagerado.

Estes erros fizeram com que os 150 M EUR investidos no estádio nunca tenham tido retorno visível, pelo contrário, tiveram custos acrescidos com os juros e com os custos de manutenção e do ponto 4 atrás referido. Este é que foi o falhando-mor do projecto, porque o resto tem funcionado como eles previram e aqui não pudemos dizer que fomos enganados: redução radical nos custos da equipa de futebol até se atingir o ponto zero de custos e proveitos; e investimento no futebol apenas a partir desse ponto.




O FJP tem razao no que diz...
a nivel desportivo não sei se existe uma ravaliação dos passes dos jogadores, mas o que ele quer dizer com o goodwill (podias ter explicado para quem não sabe  :P ) é que por exemplo o Veloso deve ter como avaliação cerca de 2 ou 3 M (caso não haja reavaliações).Mas todos sabemos que é capaz de ser vendido por 30M. Basicamente, não consta no balanço que ele vale 30M mas sim os tais 2 ou 3M.

Para, como citaste e muito muito bem, só o balanço não chega, para isso é que existem tambem as demonstrações e dentro da área da análise financeira os rácios...

Peço por favor que não contemplem as vendas e compras de jogadores. O clube não pode viver disso no dia a dia. Por isso é que até na contabilidade são considerados "extraordinários". O clube para crescer tem que arranjar maneira de ter resultados operacionais positivos sem a venda de jogadores...quando isto acontecer, ai sim, procede-se aquilo que tinha referido no topico acima...vendemos um gajo bom por 30M...vamos buscar 2 bons por 15M...ou vamos buscar 2 bons por 10M e os outros 10M é para aumentar salários/investir nas outras modalidades/comprar relvados,etc...
Sempre Sporting!
O FJP tem razao no que diz...
Peço por favor que não contemplem as vendas e compras de jogadores. O clube não pode viver disso no dia a dia. Por isso é que até na contabilidade são considerados "extraordinários". O clube para crescer tem que arranjar maneira de ter resultados operacionais positivos sem a venda de jogadores...quando isto acontecer, ai sim, procede-se aquilo que tinha referido no topico acima...vendemos um gajo bom por 30M...vamos buscar 2 bons por 15M...ou vamos buscar 2 bons por 10M e os outros 10M é para aumentar salários/investir nas outras modalidades/comprar relvados,etc...

Penso que o Sporting está próximo de conseguir isso... quero dizer, resultados operacionais positivos sem a venda de jogadores.
Obrigado Alemid. Assim sempre dá para entender quem, como eu, é leigo na matéria... :)
O FJP tem razao no que diz...
a nivel desportivo não sei se existe uma ravaliação dos passes dos jogadores, mas o que ele quer dizer com o goodwill (podias ter explicado para quem não sabe  :P ) é que por exemplo o Veloso deve ter como avaliação cerca de 2 ou 3 M (caso não haja reavaliações).Mas todos sabemos que é capaz de ser vendido por 30M. Basicamente, não consta no balanço que ele vale 30M mas sim os tais 2 ou 3M.

Para, como citaste e muito muito bem, só o balanço não chega, para isso é que existem tambem as demonstrações e dentro da área da análise financeira os rácios...

Peço por favor que não contemplem as vendas e compras de jogadores. O clube não pode viver disso no dia a dia. Por isso é que até na contabilidade são considerados "extraordinários". O clube para crescer tem que arranjar maneira de ter resultados operacionais positivos sem a venda de jogadores...quando isto acontecer, ai sim, procede-se aquilo que tinha referido no topico acima...vendemos um gajo bom por 30M...vamos buscar 2 bons por 15M...ou vamos buscar 2 bons por 10M e os outros 10M é para aumentar salários/investir nas outras modalidades/comprar relvados,etc...

Sobre a contabilização dos activos, penso que não há reavaliações e que jogadores como o Veloso ou o Moutinho, que não tiveram custo de aquisição, estão inscritos no imobilizado com valor zero.

Já sobre a contabilização das vendas de jogadores, estás enganado: pelo menos desde o exercício de 2003/04 que a SAD optou por desrespeitar as normas do POC e contabilizar as receitas de transferências como proveitos operacionais, com o fundamento de que as vendas de jogadores são uma actividade corrente.
Infelizmente ainda não, porque o respectivo passivo bancário consume imenso dinheiro...
É como se tivessemos comprado uma casa de 200.000€ que de prestação custa 1000€/mês e em que do ordenado após descontada a comida para o mês (entenda-se custos operacionais = salários,etc...) sobram 800€...faltam 200€ para cobrir isto...como é que arranjamos estes 200? fazendo um emprestimo obrigacionista, pedindo outro emprestimo, por ai fora...

solução...vender a casa de 200.000€ (e aqui não é o estádio mas sim alvaláxias, bocados de terra, viscondes,etc...) para em vez de 200.000€ ficarmos só a dever 150.000€ e pagarmos 750€ em vez dos 1000€


se alguem não perceber ou quiser que eu explique melhor posso o fazer pela 10 vez pois já postei isto mais ou menos desta forma (aproveito para pedir desculpa pela repetição de ideias em posts)
Sempre Sporting!
O "projecto" prometeu ter um Sporting rentável em 10 anos? Pois está perto, o Sporting já é rentável incluindo as vendas de jogadores para o estrangeiro, e mesmo sem essas vendas anda lá perto. O Sporting vendeu o Ronaldo em 2003? Pois vendeu, venda que na altura era mais que obrigatória, e não era para fazer os cinemas mas sim porque era o último ano de contrato, e ainda bem que era o Ronaldo e não o simulãozinho, senão tinhamos visto "bola", zero, o gajo acabava o contrato e tchau até à próxima; estar a usar agora essa venda como critério não é sério, ainda podiam criticar a venda do Quaresma, essa sim feita em desespero e sem critério, mas a do Ronaldo foi o menor dos males... 15 M EUR por um puto de 18 anos foi na altura e venda mais cara da época, e a venda mais cara de um junior na história do futebol até essa data...

Se queres ser tão ligeiro a acusar de falta de seriedade, podias documentar-te melhor.

Essa história do último ano de contrato foi mais um embuste que arranjaram para limparem a imagem aos olhos dos sportinguistas. Se o contrato do Ronaldo acabava em 2004, porque é que no relatório do primeiro semestre de 2003/04 (http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/fsd7467.pdf) se diz que a SAD tinha planeado essa transferência para a época 2004/05? (o Man Utd ia pagar 15 milhões por um jogador sem contrato?)

E se a venda não foi de aflitos, porque é no mesmo relatório se diz que o seu produto foi inteiramente canalizado para abater o défice de tesouraria?

E se o dinheiro não foi para pagar os cinemas, porque é que JEB, em entrevista ao Expresso (http://216.239.59.104/search?q=cache:1WMfhiVW9TwJ:semanal.expresso.clix.pt/1caderno/desporto.asp%3Fedition%3D1619%26articleid%3DES112473+%22pagar+os+cinemas%22+ronaldo&amp;hl=pt-PT&amp;ct=clnk&amp;cd=2&amp;gl=pt&amp;client=firefox-a ), disse que foi?

Tu tens bons textos e em geral gosto de ler o que escreves, mas quando começas a discursar sobre a SAD, o Roquette, etc, despistas-te um bocado e perdes o norte, e isso é uma pena, porque efectivamente deixas de ser sério em tudo o que escreves.

O que dizes sobre o Ronaldo só reforça a necessidade de um MU ter feito um "raid" para levar o jogador, pagando os 15 M EUR em vez de deixar que alguém viesse buscá-lo antes. Porque é que por exemplo o mesmo MU levou o Nani por 25 M EUR quando a cláusula era de 20 M EUR? Tens alguma teoria da conspiração para esses 5 M EUR a mais? A minha teoria é simples, outros clubes estavam à espreita, em ambos os casos, e os MU preferiram chegar-se à frente do que ver os jogadores a voar. Simples para quem factura 200 M EUR só em TV...o relatório diz que a venda estava planeada para a época seguinte? E diz em que mês dessa época? É que pareces estar a deduzir que seria 1 ano depois, mas também pode ser 2 anos depois...normalmente diz-se, e dizia-se sobretudo nessa época "o jogador vai sair no final da época" e não "o jogador vai sair no início da próxima época". Se leres o relatório sem ser da forma enviesada como estás a fazer, a leitura só pode ser no final de 2004/05, ou seja 2 anos depois daquilo que efectivamente sucedeu. Na altura falava-se que o MU efectivamente queria levar o jogador, que já acompanhava há 1 ano pelo menos, mas depois aquele jogo da Inaguração do EJA precipitou tudo, o puto partiu a loiça toda e os tipos pegaram no livro de cheques e levaram-no. O José Veiga bem tentou adiar a decisão, bem tentou que o Ronaldo esperasse 1 ano para ficar com uma comissão maior, mas o miudo foi sério e saiu a bem do seu clube. Fonix, estás agora a reescrever a história em nome de quê? Esta versão é mais do que conhecida, mais do que aceite, confirmada pelo próprio Ronaldo, vais ver que agora 3 anos depois é que se descobre que afinal foi tudo uma encenação. Sim, é possível, mas era mais ou menos público antes da venda que o contrato acabava no final da época e que o Sporting iria tentar renovar o mesmo.

A seguir tens 2 frases em que te contradizes. Afinal o dinheiro foi para apagar fogos de tesouraria ou foi para pagar os cinemas? Na altura ainda se falou de um terceiro destino a dar ao dinheiro, que foi a célebre "já deu para pagar a Academia". Sabes tão bem como eu, se largares esse enviesamento, que, se parte do endividamento bancário que temos foi para construir a Academia e outra parte para construir o Alavláxia/estádio, então esse dinheiro jamais poderia ter vindo da venda do Ronaldo, que foi usada, isso sim, para suprir os tais problemas de tesouraria, que por sua vez vêm de défices crónicos da exploração, que por sua vez vêm por exemplo de juros, de salários, etc.

Aliás, a tua resposta com a entrevista do JEB mostra mesmo esse teu pouco rigor, que reforço. Ora lê lá bem. O JEB tem tanta certeza do sitio para onde foi o dinheiro que diz "Esse encaixe serviu para pagar os cinemas ou fechar qualquer outra obra. ". e que aliás ele pega nesse exemplo completamente ao acaso para provar outro ponto que nem tem nada a ver com a venda propriamente dita, mas sim com a ligação SAD-Clube, dizendo que o pagamento (à SAD) serviu para pagar dívidas do Clube...



O que dizes só reflecte a ilegalidade que foi feita. Os estatutos dizem "dois terços", não dizem "a maioria", certo? Essa diferença existe precisamente para apenas se alienar património quando há um grande consenso nesse sentido, os tais 66,7%.


Muitos dos que votaram "não" fizeram-no por uma questão de princípio, uma grande parte deles sendo sócios de longa data (portanto, representando mais votos quando na verdade era um número menor de "votantes"). Uma vitória do "não" seria prolongar este miserabilismo em que se meteu o Sporting por mais uns quantos anos (os suficientes para pagar 50 milhões de passivo mais os juros respectivos).

Compreendo os argumentos de quem votou no "não", mas uma vitória do "não" seria um autêntico tiro nos pés.

Caro Bala, não estamos a dicutir se a decisão estava certa ou errada, mas sim que foi cometida uma enorme ilegalidade ao tomar a decisão no Conselho Leonino! Fonix, é o mesmo que dizeres "agora precisávamos era de uma ditadura", ok, isso ia de acordo com o que pensas, ia de acordo com o que 64% das pessoas pensa, ou até 99% das pessoas, mas não anula o facto de ser uma enorme ilegalidade na mesma.

Quero sublinhar com muito agrado a elevada qualidade de algumas intervenções que aqui sem têm postado.
Muitas delas até merecem alguma discordância da minha parte, mas tenho que reconhecer que se percebe que quem as posta não é parvo nenhum e tem conhecimento sobre aquilo que está a defender.

Há massa cinzenta no Sporting!

Cabe-nos a nós, adeptos apaixonados pelo nosso clube, contribuir com a nossa parte para que o clube cresca.
Seja através da simples elevação da qualidade do debate com consequência na criação de opinião pública leonina de qualidade, seja até, um dia mais tarde, quem sabe...Através do dirigismo desportivo.

A experiência da discussão criativa em fóruns deste tipo será importante para quem aspirar a este tipo de voos no futuro.
Estamos num ambiente arejado e com grande fecundidade de ideias.
Estamos num FÓRUM!

Ambiente concerteza menos viciado e menos amorfo do que alguns gabinetes que eu cá sei...
« Última modificação: Outubro 30, 2007, 23:07 pm por Strikerr »
Nada é bom demais para o SCP!
Como já foi dito, não é possivel chegar ao passivo zero. Isso significa pagar tudo a pronto pagamento, o que é irrealista para todas as empresas. O FSF refere-se ao passivo bancário, ou seja, pagar tudo no prazo de 15 anos. Parece-me totalmente realista esse objectivo, os empréstimos maiores (estádio) devem vencer-se por essa altura. Não percebo as críticas a este dado, que é muito concreto.


Não vejo pertinência de um presidente falar de objectivos para prazos que não têm nada a ver com a sua permanência no clube.



Pois eu discordo dessa visão por 2 ordens de razões.

Primeiro, porque um clube, ou uma empresa, ou uma família, ou um país, precisam de uma visão estratégica, a longo prazo, para saber para onde vão. O filho do Visconde estabeleceu um objectivo para o clube "ser tão grande como os maiores da Europa", e nem sequer deu um prazo. Um dirigente seja do que for tem que estabelecer objectivos de longo prazo, ou, como estava na moda há uns anos, ter uma "visão". Se depois os seus sucessores mudarem de ideias, tudo bem, eles lá sabem.

A segunda ordem de razões é mais preversa, e nas entrelinhas lê-se assim: o "projecto" começou com Roquette em 95, e não se vislumbra que nos tempos mais próximos mude de mãos. Pelo que o que o FSF pensa é que continuará a ser o "projecto", com diferentes nuances, que governará o Sporting nos próximos anos. Que, se for seguida esta política de contenção, subjacente a todo o "projecto", esse objectivo de passivo zero será atingido.

Não precisas de dizer novamente o que pensas, já percebi à primeira, não sou burro.

FLL,

Essa de eles considerarem a venda como operacional...desconhecia e digo desde já que discordo completamente, apesar de em parte compreender o porquê (a actividade do sporting é a vertente desportiva, a venda e compra de jogadores pare eles é considerada como fazendo parte do mundo desportivo).
Claramente, a venda e compra de jogadores deve ser vista de um modo "especial"...a sporting sad não existe só para comprar e vender jogadores (elá...tive um deja vu, quase parece).

Tamos 5 anos sem comprar e vender jogadores com RO de +10.000€ ou - 10.000€, depois vendemos 3 ou 4 gajos, fazemos logo 50M e puf...somos ricos como o catano...enfim...e ando eu a tirar uma licenciatura de gestão e a trabalhar na area financeira a receber 600€ e estes gajos a fazer m**** e a receber milhoes... ^-^ ^-^

Fazme lembrar quando o vale e azevedo andou a pregar que o Benfas tinha lucros de 10 e 20M de euros e os orcs todos contentes...depois olhavas para as contas e viasse que tinha vendido os terrenos todos...  :rotfl:
« Última modificação: Outubro 30, 2007, 23:16 pm por Márinho »
Sempre Sporting!

Caro Bala, não estamos a dicutir se a decisão estava certa ou errada, mas sim que foi cometida uma enorme ilegalidade ao tomar a decisão no Conselho Leonino! Fonix, é o mesmo que dizeres "agora precisávamos era de uma ditadura", ok, isso ia de acordo com o que pensas, ia de acordo com o que 64% das pessoas pensa, ou até 99% das pessoas, mas não anula o facto de ser uma enorme ilegalidade na mesma.


Não estou a querer pôr em causa o que dizes, mas em que te baseias para dizer que foi uma ilegalidade? Em que lei?

(atenção, não estou a dizer que é mentira, só não sei porque dizes ser uma ilegalidade).

Não terá sido antes uma forma de contornar os regulamentos sem, no entanto, passar para o campo da ilegalidade?

A segunda assembleia geral mostrou, novamente, que a maioria dos votantes estava do lado do SF, tal como a primeira mostrou. Os regulamentos são antigos, muito deles inadequados aos tempos modernos.

Basicamente, naquela assembleia geral até podias ter 90% dos votantes do lado do SF e, mesmo assim, o "não" vencer. Isso não é democracia.