Qual é o passivo do Sporting? (actual: 410 M€, R&C 2016/17)

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!
Saudações Leoninas,

http://canalscp.blogspot.com
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!

No Street Fighter isto era um --- PERFECT ---

Gabriel Alves ao mais alto nivel
« Última modificação: Dezembro 15, 2007, 21:11 pm por Romagnoli »
"Onde não há vontade de poder, há decadência." 
Friedrich Nietzsche
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!

 :arrow: :arrow: Uma equipa forte será sempre o motor disto tudo...
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!

Que pena que eles não percebam as coisas de uma forma tão clara. Uma aposta efectiva por parte do Sporting num avançado e num defesa esquerdo (investimento global na ordem dos 20 milhões de euros) tornaria esta equipa muito competitiva e tenho a firme certeza que aumentaria as receitas bem acima dos 20 milhões investidos.
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!

Que pena que eles não percebam as coisas de uma forma tão clara. Uma aposta efectiva por parte do Sporting num avançado e num defesa esquerdo (investimento global na ordem dos 20 milhões de euros) tornaria esta equipa muito competitiva e tenho a firme certeza que aumentaria as receitas bem acima dos 20 milhões investidos.

20 M só em 2 jogadores? Por esse preço arranjavas 4 ou 5 jogadores de bom nivel...

Era bom quen só tivessemos probs na lateral esq e ataque  :inde:

seja como for...para aumentar as receitas em 20M de euros...era preciso que algo de extraordinario acontecesse. Não bastaria ser campeão.
« Última modificação: Dezembro 16, 2007, 09:44 am por JPTS »
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!

Estás coberto de razão. Infelizmente, parece que para a direcção pensa que ela é que é a ilusionista e que os palhaços.. somos nós.
Último minuto da partida... Último minuto, Sporting... Vai ser levantado o pontapé de canto lá pela esquerda... O pontapé de canto vai ser levantado... Coração da área......GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!GOLO!
As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!

Atenção que eu concordo que se desinvestir era uma obrigatoriedade, esse desinvestimento foi feito sem ter a noção exacta da importância em manter uma equipa minimamente competitiva, que não se consegue apenas com dinheiro (não é sequer o factor mais importante), mas também com ele.

A questão é que tu achas que investindo mais (e provavelmente com mais assiduidade) o retorno será de tal forma que compensará esse investimento, já eu tenho sérias dúvidas que assim seja.

Creio que é fundamental investir agora um pouco no equilibrio do plantel, adicionando-lhe mais experiência e alguma qualidade, que permitam sobretudo outras opções técnicas, agora esse investimento que me parece defenderes com vista ao melhoramento do espectáculo para assim "chamar" mais publico e elevar as receitas parece-me votado ao fracasso, isto porque não acho que o nível de receitas futuras compense investimentos que além do mais serão sempre de alto risco, e também não creio que o publico ganho nessas operações venha a ser em tal numero que o justifique.

Se me disseres que é fundamental aproximar os sportinguistas do clube e elevar assim as receitas, ai concordo, mas retirando da equação o factor "obrigatoriedade de resultados". Isto não é uma posição miserabilista, claro que imagino um Sporting vencedor, mas que seja suportado numa base sólida que não vire as costas ao primeiro revés.

Será bom haver espectáculo, concerteza que sim, mas essa não deverá ser a unica razão pela qual os adeptos se deslocam a Alvalade, porque criando esse afastamento mecantilista (que foi sempre o que o Projecto defendeu), quando o espectáculo é miserável, as pessoas vão-se embora, que é o que acontece geralmente em todas as restantes actividades deste género.

Agora fazer ver isso aos dirigentes é uma outra questão.
Fundamentando a última frase do meu post anterior, o entusiasmo da plateia é um reflexo da qualidade dos artistas e da natureza do espectáculo.

Analogias circenses à parte, o FCP já amealhou 11 Milhões de euros em apenas 3 meses de Champions League... qual tecto salarial, qual quê?!

Ontem, quando via o jogo do Dragão, perguntava-me se o facto de qualquer um dos 11 jogadores do onze tripeiro em campo ter lugar "de caras" no 11 Leonino era fruto do acaso. Não é! Leiam-se as declarações de ontem do Pinto da Costa "Não sai nenhum dos jogadores importantes para o Jesualdo" e questionem-se em relação ao mercado que cada um daqueles jogadores terá. Depois, veja-se a real diferença entre o orçamento dos dois Clubes, a ambição desportiva dos dirigentes e junte-se a receita correspondente a uma assistência de aproximadamente 40 mil pessoas por jogo, e o apoio efectivo que isso representa nos jogos em casa, somando-se ainda os prémios de jogo por competição.

Nós, com um "suposto" interesse no Veloso ficamos com os joelhos a tremer, chegando ao ponto de o considerar um jogador a prazo nas nossas fileiras... Trememos, se aparecer nos jornais o interesse do m****-borough FC ou do Trampa-mouth United no Liédson... que é "só" o nosso melhor jogador.

Para investir, investe-se primeiro no que é seguro, nos jogadores que já são nossos e demonstram ter capacidade para, com um investimento menor, se manterem como pedras nucleares do sucesso do Clube. Só aí, investir minuciosamente no mercado, em jogadores-chave que representem mais-valias. Para continuar a optar pela contratação de jogadores promissores "à dúzia", mais vale estar quieto!

O desinvestimento não é, nesta altura, obrigatório... é proibido!
Se até há duas épocas atrás tínhamos obrigatoriamente que encaixar anualmente 5 milhões de euros com a venda de jogadores para abater o passivo, hoje já não o temos que fazer. Basta que o sucesso europeu seja semelhante ao que se verificou este ano, para que os prémios de jogo daí resultantes, continuem o trabalho de abate nas contas. No entanto, o que se verifica neste momento, é uma tendência para nos afastarmos da "Europa dos Milhões", fruto desse desinvestimento sustentado e da recente "reforma Platini".

Pergunto apenas isto, quantos de vocês renovariam os vossos lugares anuais no estádio perante estas duas situações:
1- Venda do Veloso e contratações semelhantes às de Agosto de 2007.
2- Renovação com o Veloso e contratação de 3 jogadores: Caneira, Rochemback e Makukula ou Linz (meros exemplos).

Atenção que as contratações implícitas ao ponto 1 e 2 representam valores muito próximos um do outro e a diferença é facilmente abatida por uma pequena parte dos prémios europeus ganhos este ano.

Assim como a maioria dos adeptos se identificam/entusiasmam mais com a 2ª hipótese, também os jogadores se sentem mais ambiciosos e confiantes na abordagem dos jogos e das competições, traduzindo-se tudo isto (ainda que em teoria) num Universo Sporting mais rentável e muito mais popular entre os adeptos.
... Basta que o sucesso europeu seja semelhante ao que se verificou este ano, para que os prémios de jogo daí resultantes, continuem o trabalho de abate nas contas. ...

Dificilmente se pode classificar de sucesso chegar a Champions, ser recambiado para a UEFA e obert como unicas vitorias na fase de grupos 2 contra uma equipa de 3a ordem Europeia.

Sucesso seria no minimo dos minimos passar a fase seguinte.
No meu mundo imaginário o Sporting contracta o ... blah, nao contracta ninguem porque de certeza um dos juniores da academia e melhor.
... Basta que o sucesso europeu seja semelhante ao que se verificou este ano, para que os prémios de jogo daí resultantes, continuem o trabalho de abate nas contas. ...

Dificilmente se pode classificar de sucesso chegar a Champions, ser recambiado para a UEFA e obert como unicas vitorias na fase de grupos 2 contra uma equipa de 3a ordem Europeia.

Sucesso seria no minimo dos minimos passar a fase seguinte.

No meu post mencionei essa marca como um mínimo, em que o retorno financeiro daí resultante substitui a antiga obrigação de vender 5 Milhões em jogadores, por ano. Mas convém não esquecer que falamos da nossa melhor prestação de sempre. :(
O passivo actual do Sporting é de 210 milhões de euros

FRANCO GARANTE QUE SERÁ MENOR EM 6 MESES E NULO EM 15 ANOS
 
 
O passivo actual do Sporting é de 210 milhões de euros, segundo revelou ontem Filipe Soares Franco à Rádio 5, emissora desportiva da Rádio Nacional Angolana.

A realizar uma visita de negócios de dois dias àquele país africano, na qualidade de presidente do Conselho de Administração da OPCA, o líder leonino estimou ainda que “as contas estão controladas e dentro de seis meses a dívida do Sporting será de apenas 150 milhões de euros”.

A redução do passivo deve-se, ainda segundo Soares Franco, a “duas operações imobiliárias que permitirão um encaixe de 50 a 70 milhões de euros” aos cofres dos leões.

Mas o optimismo do presidente vai mais longe. O objectivo é “acabar com o passivo do Sporting nos próximos 15 anos”.
Por outro lado, Soares Franco admitiu que as relações do Sporting com as suas filiais angolanas “não têm sido muito estreitas”, algo que pretende inverter até para “angariar um maior número de sócios”. “Há um projecto que deve ter início em Dezembro para as filiais e núcleos africanos. Sabemos que temos muitos adeptos em terras angolanas e é preciso vender aqui a marca Sporting”, assumiu.
 
Fonte : Record

Espero que esta entrevista fique para memória futura e tenha sido rigorosa.

Há aqui objectivos ambiciosos cujo cumprimento, no futuro, irei verificar.
Não me agrada é que o Sr. Franco fale de objectivos a 15 anos, quando em entrevistas anteriores, já referiu que não pretende continuar no clube muito mais tempo.
Nesse sentido, não me parece muito correcto falar de objectivos que não vai cumprir.


Era bom que os dirigentes do clube abordassem mais vezes este assunto e de uma forma mais clara e transparente para que todos os Sportinguistas pudessem estar cientes da verdadeira situação do clube.

Duvidas relativamente a esta entreveista:

O passivo referido é relativo a todo o universo Sporting?
Em que medida é que o dinheiro da venda do Nani contribuiu para a diminuição do passivo?
Não contribuiu ainda? Vai contribuir?
Quais são as duas operações imobiliárias que permitirão um encaixe de 50 a 70 milhões de euros?
Estamos a falar ainda dos terrenos do antigo estádio?

Gostava que o presidente soubesse comunicar aos adeptos as respostas a este tipo de questões.
E repito, devia fazê-lo numa linguagem que todos pudessem entender sem se escudar em formalismos contabilisticos.
Temos direito a esta informação.

É evidente que isto é possível desde que se saiba comunicar.





Reparem o post que começa este tópico....

É caso para perguntar de Outubro para cá o passivo subiu 20 milhões?

Em que é que ficamos afinal de contas?

Será que a entrevista de Outubro foi dada a uma hora que possamos confiar? Ou terá sido o adiantado da hora de ontem nos Stromps?

Chegámos a um ponto em que começa a ser complicado adjectivar esta direcção...
Nada é bom demais para o SCP!
Em relação ao assunto do tópico cada vez mais me convenço de que tinha toda a razão ao discordar do fundamento principal da candidatura de FSF à presidência do Sporting. Parece-me que está visto que vender património foi apenas um remendo que nunca poderia uma solução para o buraco.

Quanto à discussão paralela julgo que quase todos estarão de acordo com uma estratégia que passe por continuar a apostar nos bons produtos da Academia, segurá-los o mais tempo possível e comprar pouco mas com qualidade
O que vai ser engraçado (engraçado não será bem a palavra certa) é quando o pessoal mais crente em FSF perceber que o abate do Passivo de 270 milhões para 150 milhões de Euros será sobretudo a nível do Clube e não da SAD que é a entidade que gere o futebol.

O único passivo que será abatido na SAD (cujo passivo é de 60 milhões de euros) será a venda das acções de 27% o que irá equivaler a cerca de 15 milhões de Euros, passando o passivo para 45 milhões de Euros. Tenho muitas dúvidas que uma redução de 60 para 45 tenha um impacto assim tão grande no pagamento do empréstimo que a SAD tem de fazer do "seu" passivo e que permita libertar muito mais dinheiro para o orçamento "corrente" da SAD (que já por si é deficitário, apenas equilibrado com as a venda de jogadores).

Ou seja, FSF está a vender Passivo sobretudo do Clube pelo facto do Clube não conseguir rentabilizar e pagar o empréstimo do que mandou construir, mas a SAD continua na mesma, definhando nos seus activos ano após ano, sem ver as suas receitas crescerem e sem perspectivas de grandes melhorias nos próximos tempos.
Mas diminuindo o passivo do clube, sobram milhões (que seriam usados no pagamento dos juros) que podem ser investidos no core business do clube, ou seja, a SAD.
Mas diminuindo o passivo do clube, sobram milhões (que seriam usados no pagamento dos juros) que podem ser investidos no core business do clube, ou seja, a SAD.

Não necessariamente...


Imagina que tens 2 entidades, uma que é a Sporting Clube e outra que é a Sporting SAD. A Sporting Clube tem um passivo de 220 milhões e a Sporting SAD de 60 milhões. Ambas são deficitárias, tendo a Sporting Clube um défice desconhecido e a Sporting SAD um défice que fica + ou - perto do zero com a venda de jogadores. A Sporting Clube tem o seu défice à conta sobretudo do património construído que dá prejuízo e a Sporting SAD à conta dos custos com pessoal e fracas receitas.

Agora para resolveres o problema da Sporting Clube vendes património na ordem dos 100, 105 milhões de Euros para tornares a actividade menos deficitária, já que ainda tens a pagar o Estádio e a Academia. Ficas com menos para pagar, mas ficas também com menos fontes de receita (Alvaláxia, Health Club, etc). Para tornares a actividade da Sporting SAD menos deficitária vendes 15 milhões de euros das suas acções na bolsa e em vez de 60 milhões ficas com 45 para pagar. Pagas menos de empréstimo, mas tens as mesmas receitas e tens os mesmos custos. Tornas a actividade da Sporting SAD menos deficitária e se calhar passas a conseguir ter um défice perto de zero sem a venda de jogadores. Em que é que isso te dá mais milhões para investir no core business da SAD?... Parece-me lógico que na realidade não dá.
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!


Conheces o termo "Jump the shark"?

Estiveste lá, não escreves outra igual...  :great:
"Recordo o que disse numa AG no mandato anterior. Estou disposto a dar o meu tempo, vida e alma ao Sporting, mas têm de estar comigo. Nos últimos dois anos tive duas hipóteses: ou me juntava aos interesses ou a vocês. Escolhi juntar-me a vocês."
Bruno de Carvalho, 17 de Fevereiro de 2018
Abramovich, o sol português é tão bom...  :lol:

A m* do passivo parece que cresce a cada dia que passa...  :inde:
Não é novidade para ninguém que a redução do investimento líquido e o aumento da poupança tem resultados práticos desastrosos numa SAD nesta actividade, a médio/longo prazo. É isto que este projecto irá provocar.

Os custos fixos e variáveis serão cada vez mais suportados pela SAD, por redução do habitual volume de receitas, sem que as mesmas abatam os custos.

É fácil de perceber que uma empresa promotora de eventos/espectáculos está condenada ao fracasso quando opta por equilibrar as contas à custa da qualidade desses mesmos eventos.

Sem palhaços não há circo e muito menos haverão pessoas interessadas em ver um espectáculo deprimente pela sua mediocridade. Enquanto os ilusionistas continuarem a mostrar a manga, enquanto os acrobatas não se equilibrarem na corda e enquanto os domadores forem domados pelos leões, os números -210 ou -230 serão sempre pormenores de um fracasso face à concorrência. As receitas continuarão a baixar, por mais baratos que sejam os artistas e por mais económica que seja a alimentação dos animais.

O entusiasmo da plateia sempre foi a melhor forma de promover e enriquecer um circo!


Conheces o termo "Jump the shark"?

Estiveste lá, não escreves outra igual...  :great:

Não podia estar mais de acordo.

Claro que a mudança do actual estado das coisas passa pela mudança da mentalidade dos sportinguistas. E pego no que o G. Alves disse:

Nós, com um "suposto" interesse no Veloso ficamos com os joelhos a tremer, chegando ao ponto de o considerar um jogador a prazo nas nossas fileiras... Trememos, se aparecer nos jornais o interesse do m****-borough FC ou do Trampa-mouth United no Liédson... que é "só" o nosso melhor jogador.

Revolta-me a crítica aos jogadores da nossa equipa quando as coisas não correm bem. Revolta-me ouvir dizer que o Nani não prestava, como o Veloso agora nem é assim tão bom e era bem despachado por 30 milhões, e quando não forem estes será o Adrien, e depois do Adrien virá outro, e nunca teremos aquilo que o Porto tem: COERÊNCIA.

É sobretudo coerência que nos falta. Queremos apostar na cantera, mas exigimos aos miúdos de 19-20 anos a maturidade dos jogadores de 30. Queremos um projecto desportivo, mas continuamos a vender os jogadores. Queremos sol na eira e chuva no nabal.

Por essa Europa fora, as receitas crescem pela revisão em alta dos contratos televisivos. A UEFA continua a repartir o bolo da Champions de forma desigual, e os países ricos recebem 10 vezes mais dinheiro por participarem (mesmo que fiquem em último) do que nós. E continuamos a querer competir com eles.

Falta-nos a coerência de deixar que o Rui Patrício nos custe 3 pontos com um frango, ou que o Adrien perca a bola quando é o último defesa no jogo com o Marítimo. É esse o preço de ter uma cantera como fornecedor. E é ao continuar a acreditar nesses miúdos nestas alturas que seremos coerentes. A alternativa é mudarmos de estratégia.

Revolta-me a crítica aos jogadores da nossa equipa quando as coisas não correm bem. Revolta-me ouvir dizer que o Nani não prestava, como o Veloso agora nem é assim tão bom e era bem despachado por 30 milhões, e quando não forem estes será o Adrien, e depois do Adrien virá outro, e nunca teremos aquilo que o Porto tem: COERÊNCIA.

É sobretudo coerência que nos falta. Queremos apostar na cantera, mas exigimos aos miúdos de 19-20 anos a maturidade dos jogadores de 30. Queremos um projecto desportivo, mas continuamos a vender os jogadores. Queremos sol na eira e chuva no nabal.

Por essa Europa fora, as receitas crescem pela revisão em alta dos contratos televisivos. A UEFA continua a repartir o bolo da Champions de forma desigual, e os países ricos recebem 10 vezes mais dinheiro por participarem (mesmo que fiquem em último) do que nós. E continuamos a querer competir com eles.

Falta-nos a coerência de deixar que o Rui Patrício nos custe 3 pontos com um frango, ou que o Adrien perca a bola quando é o último defesa no jogo com o Marítimo. É esse o preço de ter uma cantera como fornecedor. E é ao continuar a acreditar nesses miúdos nestas alturas que seremos coerentes. A alternativa é mudarmos de estratégia.

Tiraste-me as palavras da boca (ou as letras do teclado  ;) )
Everyone is king when there’s no one left to pawn