Tópico dos Filmes

Rui Sampaio (+ 1 Escondidos) e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Porque é que o filme de Dunkirk foi tão extraordinariamente bom?

Durkirk veterans "said everything [in the movie] was as they experienced it"




(bem) melhor que o Dunkirk foi o Hacksaw Ridge. Seja o filme, seja a história onde se baseia. Não meteu os pés pelas mãos (o back and forth temporal só estragou o filme), não violou as leis da física (barco onde se refugiaram vs buracos das balas vs nivel da agua, no fim o avião a sobrevoar a praia de dia e depois aterra de noite?), não foram calões em termos fotográficos. (casas dos anos 80/90  na maioria das filmagens na praia, casas com portadas de aluminio e estores...lol)

O que o Marketing faz a um filme.
"O bom ambiente é sempre necessário, mas só acredito em bons grupos quando existem vitórias. No dia em que existir no Sporting um bom grupo e não existirem vitórias é porque são todos uns bons rapazes e andam aqui a enganar o Clube. Quando não se ganha, as pessoas têm de estar chateadas.

João Benedito
Fui ver o Black Panther e não percebo de onde vêm as críticas positivas ao filme. Acho que qualquer m*rda que saia da Marvel é aceite e elogiada. Achei bem superior o Justice League, mesmo sendo um filme banal.

Não gostei de praticamente nada. Achei um filme inútil para o universo, com personagens desinteressantes, com participações de alguns atores capazes mas que não acrescentaram nada. Um vilão com um background clichê e com tiques de 50 Cent. As questões políticas até poderiam ser bem exploradas, não o foram. O aspeto cultural africano acabou por se tornar um tanto ou quanto ridículo. Não houve drama, não houve climax, não houve nada. Não diria que foi uma desilusão porque não esperava nada de uma personagem tão inútil, mas a Marvel ia num excelente caminho. Esperemos que volte ao registo dos três filmes anteriores no próximo Avengers.

Ah, gostei do humor. Tem momentos cómicos interessantes. A irmã do rapazito que não me lembro do nome fez um bom papel.


"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Fui ver o Black Panther e não percebo de onde vêm as críticas positivas ao filme. Acho que qualquer m*rda que saia da Marvel é aceite e elogiada. Achei bem superior o Justice League, mesmo sendo um filme banal.

Não gostei de praticamente nada. Achei um filme inútil para o universo, com personagens desinteressantes, com participações de alguns atores capazes mas que não acrescentaram nada. Um vilão com um background clichê e com tiques de 50 Cent. As questões políticas até poderiam ser bem exploradas, não o foram. O aspeto cultural africano acabou por se tornar um tanto ou quanto ridículo. Não houve drama, não houve climax, não houve nada. Não diria que foi uma desilusão porque não esperava nada de uma personagem tão inútil, mas a Marvel ia num excelente caminho. Esperemos que volte ao registo dos três filmes anteriores no próximo Avengers.

Ah, gostei do humor. Tem momentos cómicos interessantes. A irmã do rapazito que não me lembro do nome fez um bom papel.
Não vi ainda o filme mas estava expectante por o ver. Em que sentido falas na questão africana como ridícula? É que o Stan Lee criou a personagem penso que nos anos 60, em plena época de manifestações anti-racismo e M. L. King como figura de topo da questão. Até ao momento, nas comics, os negros eram representados como figuras de escravos e com um aspecto símio, algo que foi alterado. Foi um choque mas teve uma aceitação grande na época, tal como nas manifestações feministas acaba por surgir a Mulher Maravilha nas comics. Todas elas têm um aspecto muito político e cada herói que surge não é por acaso. Outro bom exemplo disso é o Capitão América. Houve uns programas interessantes sobre isso no canal História.
Porque é que o filme de Dunkirk foi tão extraordinariamente bom?

Durkirk veterans "said everything [in the movie] was as they experienced it"




(bem) melhor que o Dunkirk foi o Hacksaw Ridge. Seja o filme, seja a história onde se baseia. Não meteu os pés pelas mãos (o back and forth temporal só estragou o filme), não violou as leis da física (barco onde se refugiaram vs buracos das balas vs nivel da agua, no fim o avião a sobrevoar a praia de dia e depois aterra de noite?), não foram calões em termos fotográficos. (casas dos anos 80/90  na maioria das filmagens na praia, casas com portadas de aluminio e estores...lol)

O que o Marketing faz a um filme.
A história em que se baseia? Melhor que a "batalha" de dunkirk? What?

Nem reparei nessas mariquices de estores, quando um filme é mediano até podia reparar, mas no dunkirk andar a reparar nisso é de quem não absorveu nada.
Fui ver o Black Panther e não percebo de onde vêm as críticas positivas ao filme. Acho que qualquer m*rda que saia da Marvel é aceite e elogiada. Achei bem superior o Justice League, mesmo sendo um filme banal.

Não gostei de praticamente nada. Achei um filme inútil para o universo, com personagens desinteressantes, com participações de alguns atores capazes mas que não acrescentaram nada. Um vilão com um background clichê e com tiques de 50 Cent. As questões políticas até poderiam ser bem exploradas, não o foram. O aspeto cultural africano acabou por se tornar um tanto ou quanto ridículo. Não houve drama, não houve climax, não houve nada. Não diria que foi uma desilusão porque não esperava nada de uma personagem tão inútil, mas a Marvel ia num excelente caminho. Esperemos que volte ao registo dos três filmes anteriores no próximo Avengers.

Ah, gostei do humor. Tem momentos cómicos interessantes. A irmã do rapazito que não me lembro do nome fez um bom papel.
Não vi ainda o filme mas estava expectante por o ver. Em que sentido falas na questão africana como ridícula? É que o Stan Lee criou a personagem penso que nos anos 60, em plena época de manifestações anti-racismo e M. L. King como figura de topo da questão. Até ao momento, nas comics, os negros eram representados como figuras de escravos e com um aspecto símio, algo que foi alterado. Foi um choque mas teve uma aceitação grande na época, tal como nas manifestações feministas acaba por surgir a Mulher Maravilha nas comics. Todas elas têm um aspecto muito político e cada herói que surge não é por acaso. Outro bom exemplo disso é o Capitão América. Houve uns programas interessantes sobre isso no canal História.
Não acho a questão cultural africana ridícula, acho é que foi muito mal aproveitada no filme. Tornando um possível tópico interessante numa banalidade.

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk



"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Porque é que o filme de Dunkirk foi tão extraordinariamente bom?

Durkirk veterans "said everything [in the movie] was as they experienced it"




(bem) melhor que o Dunkirk foi o Hacksaw Ridge. Seja o filme, seja a história onde se baseia. Não meteu os pés pelas mãos (o back and forth temporal só estragou o filme), não violou as leis da física (barco onde se refugiaram vs buracos das balas vs nivel da agua, no fim o avião a sobrevoar a praia de dia e depois aterra de noite?), não foram calões em termos fotográficos. (casas dos anos 80/90  na maioria das filmagens na praia, casas com portadas de aluminio e estores...lol)

O que o Marketing faz a um filme.
A história em que se baseia? Melhor que a "batalha" de dunkirk? What?

Nem reparei nessas mariquices de estores, quando um filme é mediano até podia reparar, mas no dunkirk andar a reparar nisso é de quem não absorveu nada.

Sim. Na minha opinião sim. Dunkirk aconteceu mais por n00bice dos nazilhocos e do avô do Trump, que outra coisa qualquer "ah e tal baza suspender o assalto armado à praia, uns avioezinhos devem chegar" (o que nao deixa de ser arrepiante de qq maneira)
O facto de não teres reparado não influencia em nada o estarem lá. E por norma até sou um gajo que deixa passar alguns cenas em alguns filmes (e séries) mas neste foi só ridículo.
Fizeram umas brincadeiras com o som e tal, e no cinema sendo o suficiente para uns wows e tal e para a malta mandar uns prayers, mas espremido dá muito pouco.
O filme é chato que fede. Não é excitante, ou triste, ou cómico, não te deixa à beira da cadeira, não te faz torcer por ninguém em particular, não há qualquer ligação com qualquer uma das personagens.
O segundo protagonista nao fala durante o filme todo, que conveniente. Um espião nazi...que não fala inglês. E que é enviado para o lado que vai ser completamente aniquilado. Bom chefe que o gajo tinha.
Há 400 mil homens na praia...mas depois na cidade atrás dele estavam 5 aos tirinhos com outros tantos nazis.
No início havia 4 palermas a passear pela cidade...que estava em estado de guerra total.

Ps. the Dark Knight, Memento, Inception e The Prestige são dos meus filmes favoritos. Mas o Nolan neste mandou mm f**** tude.
« Última modificação: Fevereiro 16, 2018, 07:49 am por Lou »
"O bom ambiente é sempre necessário, mas só acredito em bons grupos quando existem vitórias. No dia em que existir no Sporting um bom grupo e não existirem vitórias é porque são todos uns bons rapazes e andam aqui a enganar o Clube. Quando não se ganha, as pessoas têm de estar chateadas.

João Benedito
Fui ver o Black Panther e não percebo de onde vêm as críticas positivas ao filme. Acho que qualquer m*rda que saia da Marvel é aceite e elogiada. Achei bem superior o Justice League, mesmo sendo um filme banal.

Não gostei de praticamente nada. Achei um filme inútil para o universo, com personagens desinteressantes, com participações de alguns atores capazes mas que não acrescentaram nada. Um vilão com um background clichê e com tiques de 50 Cent. As questões políticas até poderiam ser bem exploradas, não o foram. O aspeto cultural africano acabou por se tornar um tanto ou quanto ridículo. Não houve drama, não houve climax, não houve nada. Não diria que foi uma desilusão porque não esperava nada de uma personagem tão inútil, mas a Marvel ia num excelente caminho. Esperemos que volte ao registo dos três filmes anteriores no próximo Avengers.

Ah, gostei do humor. Tem momentos cómicos interessantes. A irmã do rapazito que não me lembro do nome fez um bom papel.
Não vi ainda o filme mas estava expectante por o ver. Em que sentido falas na questão africana como ridícula? É que o Stan Lee criou a personagem penso que nos anos 60, em plena época de manifestações anti-racismo e M. L. King como figura de topo da questão. Até ao momento, nas comics, os negros eram representados como figuras de escravos e com um aspecto símio, algo que foi alterado. Foi um choque mas teve uma aceitação grande na época, tal como nas manifestações feministas acaba por surgir a Mulher Maravilha nas comics. Todas elas têm um aspecto muito político e cada herói que surge não é por acaso. Outro bom exemplo disso é o Capitão América. Houve uns programas interessantes sobre isso no canal História.
Não acho a questão cultural africana ridícula, acho é que foi muito mal aproveitada no filme. Tornando um possível tópico interessante numa banalidade.

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk



 :great:
@Lou haja alguém. :lol: :twisted:

E já o The Shape of Water (também) meh.

É trabalho de autor - basta ver a bicheza para perceber que é do Del Toro! - e o ambiente Bioshock aprecia-se, mas não é o meu estilo. Há ali uma excelente mensagem de rodapé que toca, de diferentes formas, nas diferentes nuances solitárias do ser humano, mas, meh.
Fui ver o Black Panther e não percebo de onde vêm as críticas positivas ao filme. Acho que qualquer m*rda que saia da Marvel é aceite e elogiada. Achei bem superior o Justice League, mesmo sendo um filme banal.

Não gostei de praticamente nada. Achei um filme inútil para o universo, com personagens desinteressantes, com participações de alguns atores capazes mas que não acrescentaram nada. Um vilão com um background clichê e com tiques de 50 Cent. As questões políticas até poderiam ser bem exploradas, não o foram. O aspeto cultural africano acabou por se tornar um tanto ou quanto ridículo. Não houve drama, não houve climax, não houve nada. Não diria que foi uma desilusão porque não esperava nada de uma personagem tão inútil, mas a Marvel ia num excelente caminho. Esperemos que volte ao registo dos três filmes anteriores no próximo Avengers.

Ah, gostei do humor. Tem momentos cómicos interessantes. A irmã do rapazito que não me lembro do nome fez um bom papel.

Vou ver hoje e espero sair bastante satisfeito dos cinemas!

Mas vamos ver  :mrgreen:
Já viram “Last Flag Flying”? Brian Cranston, Larry Fishburn e, last but not least, Steve Carrell estão magistrais. 9/10. Gostei muito.


Eu gostei.


Uns estrangeiros que estavam a ver o filme no cinema comentaram algo assim, i'm liking the movie, but it's still a Marvel movie...

Resume bem o filme, é porreiro, mas continua a ser um filme Marvel, e isso é garantia também de conter todos os clichés típicos dos filmes desse estúdio (e também do próprio género de filme, não há aqui nenhum invenção da roda).

O filme está bem realizado (normal quando se tem um nome como o Ryan Coogler na cadeira de director), com interpretações satisfatórias (e já falarei disso mais á frente) que explora um mundo bem diferente do habitual nos filmes Marvel.

E o ponto forte do filme está mesmo ai, a forma como Coogler recriou Wakanda no cinema e explorou a sua identidade e cultura.Foi sem dúvida muito bem sucedido nisso.

De resto, como já tinha dito podem esperar momentos de cliché no género (muitos exageros por vezes),o típico humor Marvel (embora neste filme o seu uso é mais subtil e não tão exagerado como num Guardians) e de ressalvar uma boa banda sonora(algo que na maioria das vezes não é um ponto forte dos filmes da Marvel).

Esquecendo certos pormenores que em boa verdade são intrínsecos deste género de filmes, só tenha duas queixas(nem tanto isso, são mais opiniões que outra coisa).

A personagem do Serkis (o garra sónica nos comics), foi para mim uma das melhores personagens do filme.O Serkis (que actor underrated btw!) dá nos uma interpretação de num vilão bem sui generis(bem diferente da personagem que é baseado, e gostei do toque das tatuagens, uma alusão ao fato usado pela personagem nos comics).

Sem fazer grandes spoilers, não fui um grande fã da forma como usaram a sua personagem para servir de mero desenvolvimento do argumento.Espero que de alguma forma e feito o Serkis regresse em futuros filmes da Marvel.

A outra questão tem a ver com o Michael B Jordan, vejam o filme e depois digam-me se o mesmo não teria dado um T'challa/ Black panther superior? O Chadwik Boseman não desempenha mal o papel, mas não tem grande carisma(imo).

Esta é talvez a primeira vez que não elogio um casting da Marvel(um ponto onde são fantásticos por norma), depois de ver o filme sinceramente acho que existia uma escolha melhor.


E é isto, um bom filme pipoca de super heróis.Certamente mais um sucesso global da Marvel.


Ps : Não liguem á nota do Rotten Tomatos, é absurda...a nota actual do IMDB(ou mesmo o audience score no rotten) parece-me mais adequada.


Eu gostei.


Uns estrangeiros que estavam a ver o filme no cinema comentaram algo assim, i'm liking the movie, but it's still a Marvel movie...

Resume bem o filme, é porreiro, mas continua a ser um filme Marvel, e isso é garantia também de conter todos os clichés típicos dos filmes desse estúdio (e também do próprio género de filme, não há aqui nenhum invenção da roda).

O filme está bem realizado (normal quando se tem um nome como o Ryan Coogler na cadeira de director), com interpretações satisfatórias (e já falarei disso mais á frente) que explora um mundo bem diferente do habitual nos filmes Marvel.

E o ponto forte do filme está mesmo ai, a forma como Coogler recriou Wakanda no cinema e explorou a sua identidade e cultura.Foi sem dúvida muito bem sucedido nisso.

De resto, como já tinha dito podem esperar momentos de cliché no género (muitos exageros por vezes),o típico humor Marvel (embora neste filme o seu uso é mais subtil e não tão exagerado como num Guardians) e de ressalvar uma boa banda sonora(algo que na maioria das vezes não é um ponto forte dos filmes da Marvel).

Esquecendo certos pormenores que em boa verdade são intrínsecos deste género de filmes, só tenha duas queixas(nem tanto isso, são mais opiniões que outra coisa).

A personagem do Serkis (o garra sónica nos comics), foi para mim uma das melhores personagens do filme.O Serkis (que actor underrated btw!) dá nos uma interpretação de num vilão bem sui generis(bem diferente da personagem que é baseado, e gostei do toque das tatuagens, uma alusão ao fato usado pela personagem nos comics).

Sem fazer grandes spoilers, não fui um grande fã da forma como usaram a sua personagem para servir de mero desenvolvimento do argumento.Espero que de alguma forma e feito o Serkis regresse em futuros filmes da Marvel.

A outra questão tem a ver com o Michael B Jordan, vejam o filme e depois digam-me se o mesmo não teria dado um T'challa/ Black panther superior? O Chadwik Boseman não desempenha mal o papel, mas não tem grande carisma(imo).

Esta é talvez a primeira vez que não elogio um casting da Marvel(um ponto onde são fantásticos por norma), depois de ver o filme sinceramente acho que existia uma escolha melhor.


E é isto, um bom filme pipoca de super heróis.Certamente mais um sucesso global da Marvel.


Ps : Não liguem á nota do Rotten Tomatos, é absurda...a nota actual do IMDB(ou mesmo o audience score no rotten) parece-me mais adequada.
Assim que tenha possibilidade, vou ver, sem sombra de dúvida. Sabendo que me falta muito do conhecimento das BD's, da história original, se calhar isso tem ajudado a ficar mais agradado com os filmes de Super-heróis do que se calhar alguém com conhecimento mais aprofundado dos mesmos. Acho que desde há uns anos para cá a qualidade dos filmes subiu bastante, apesar das várias críticas de que são alvos. Mas se formos ver o que eram os filmes de Super-Heróis há 15 anos e o que são agora, vai-se notar bem as diferenças a todos os níveis. De qualquer forma, tenho seguido com atenção tudo o que diz respeito à saga X-Men, Wolverine, Liga da Justiça, Homem-Aranha (para mim, o último foi muito bom, embora que saindo um pouco da realidade da BD), Iron-Man, Vingadores, o último que vi foi esta semana o Thor Ragnarok e gostei bem do filme. Porquê? Sou da opinião que, sim, há muito que possa ser analisado e que qualquer cinéfilo deve encontrar dezenas de defeitos neste tipo de filmes. Mas eu, como não o sou, o meu maior interesse é que o filme me cative, me prenda, não me dê vontade de desligar, que me possa divertir ou entusiasmar com o mesmo. Sou adepto do filme da pipoca, sim. Não ponho de lado os grandes filmes e realizações, mas o fundamento número um é entretenimento. E é isto que deve ser.
Já viram “Last Flag Flying”? Brian Cranston, Larry Fishburn e, last but not least, Steve Carrell estão magistrais. 9/10. Gostei muito.

Acabei de ver e também gostei, recomendo.

Não dou é 9/10  :twisted: mas o filme está engraçado, surpreendeu-me pela positiva.


A outra questão tem a ver com o Michael B Jordan, vejam o filme e depois digam-me se o mesmo não teria dado um T'challa/ Black panther superior? O Chadwik Boseman não desempenha mal o papel, mas não tem grande carisma(imo).

Dei por mim a pensar exactamente a mesma coisa. Em termos de carisma são incomparáveis.
Como tinha dito, fui ver o Black Panther!

Gostei bastante, é um filme da Marvel diferente do que temos visto em alguns pormenores.

A introdução de Wakanda e toda as tradições e cultura africana estão muito fixes e fazem disso um filme diferente da Marvel.

Os atores gostei bastante de praticamente todos, sendo que destaco o Serkis e o Jordan. Mas o Chadwick Boseman também esteve bem, tal como a Lupita, a Danai, o Duke, o Martin Freeman e a Letitia Wright.

Eu acho que o Chadwick encaixa bem como Black Panther e rei de Wakanda, mesmo que concorde que o Jordan é um ator com outro carisma, aliás, é isso que diferencia o Serkis e o Jordan do resto, o carisma e qualidade como atores que têm (mas também os papeis ajudam a ter essa liberdade). A Danai e a Letitia também tiveram muito bem nos seus papeis.

A Marvel continua com o seu humor, como esperado, mas bastante menos comparado com o último Thor por exemplo (que foi buscar muito do humor dos Guardians).

A banda sonora está muito fixe, com a mistura de hip-hop com músicas mais tradicionais africanas.

Acho que foi um filme bem conseguido e bastante bem conseguido dentro do estilo Marvel. Não será dos filmes top da Marvel, mas dificilmente alguém não gostará do filme.

Recomendo  :great:


P.S. A 1ª cena pós crédito, não sei se foi uma boca para o Trump, mas ele diz algo muito acertado sobre barreiras.
Battle of the Sexes é o tema ideal, no momento ideal, que aborda as questões culturais ideias, numa era ideal.

É tudo ideal, menos a produção, no seu todo. :mrgreen: Emma Stone|Steve Carell reúnem as características físicas igualmente ideias para (re)criar as personagens originais* mas apesar de todas as questões de género, de ideologias preconceituosas, de orientação sexual, e até de alguma segregação esbatem-se nos moldes pouco cuidados com que a dupla de realizadores ginasticou tantas mensagens sociais numa película que ao mesmo tempo, tenta trazer o frenesim|nervosismo|ansiedade de uma sports picture. É uma produção que tem ritmos antagónicos - e mal enquadrados! - que deu demasiada importância às semelhanças físicas do elenco, e não ao seu real talento|jeitinho para o papel e que por entre tanto arbusto ideológico conseguiu entregar uma peça que não criou raízes em nenhum. É o típico exemplo cinematográfico daquele individuo que, por gula, enche o prato até não se ver um único bocadinho do prato, sem que consiga amorfar tudo o que lá colocou.

Spoiler: mostrar
*


Há momentos em que o guião não favorece a entrega dos diálogos - por mais que a Emma Stone se esforçasse! - e reuniram um conjunto de individualidades cujo look frustra durante 2h: é a fronha|voz anasalada do Carell, a dentição da Emma Stone, a chouriça sem sal da Riseborough, o ar da Sarah Silverman. Livra. Jonathon Dayton|Valerie Faris encantaram-se com o uso da banda sonora e permitiram que a mesma aborvesse, em excesso, uma catrefada de teatralidades e se há mérito a dar aqui é mesmo à fotografia|guarda-roupa - uma tendência em 2017 [Dunirk, Darkest Hour, Florida Project, Mudbound, Get Out, Call me by Your Name] - que conseguiu recuar o espectador até meados de 1970, embora até nesse particular o Jonathan Dayton tenha exagerado no uso de filtros para captar determinadas cenas. Eles conseguiram transformar uma história de enaltecer num conto chato. 0 nomeações para os Óscares, creio.
The Florida Project, é agridoce.

É um documentário, sem o ser. É uma biografia, sem o ser. É um drama de linhas algo particulares.

Sean Baker capta exemplarmente o propósito da "história": a imagem é captada à Homeland, a distância a que a acção se desenrola oscila grotescamente entre o obscenamente afastado* e o estupidamente aproximado**, transmite-nos precisamente a ideia de estarmos a observar, qual inspector, o dia-a-dia de determinadas individualidades, visualizando à distância quando não é suposto sermos vistos, e vendo de perto quando nos querem colocar lado-a-lado no seu quotidiano. A utilização de panorâmicas*** dá um toque belo à película, aumenta o seu universo por mais restrito que seja geograficamente, as cores são vibrantes para transmitir energia|paixão|intensidade a uma história que durante 1h30 não tem propriamente conteúdo de relevo, a banda sonora - tal como na vida real! - é inexistente, a música é adicionada em determinados momentos específicos para que a experiência|contacto com aquele "bairro" seja genuína|autêntica.

Spoiler: mostrar
*


**


Spoiler: mostrar
***


É um trabalho de autor, mais um num ano recheado deles (!), com um toque muito características, onde toda a produção serve um propósito claro de contar uma história sem haver propriamente uma história para contar. :mrgreen: E a partir daqui: é mero gosto pessoal. E eles sabem-no. É uma produção que não tenta agradar a qualquer espectador, a carga dramática existe quando tem de existir e a bondado do ser humano é o tema principal de toda a película. Eu gostei da ideia, da audácia, da criatividade, do projecto, do coração com que o fizeram, da incrível prestação do Willem Dafoe, que sintetiza tudo o que pode ser dito sobre The Florida Project: é verdadeiro, à brava. A questão aqui é que a vida de um ser humano, ou de um prédio, ou de um bairro, nem sempre é entretida o suficiente para motivar um filme. É 1h30 de inúmeras coisas a acontecer sem que nada de importante verdadeiramente exista e|ou seja projectado. Eu dei por mim desesperado por um plot que conduzisse o espectador a algo, mas não é essa a intenção. É uma questão de estilos. Eu reconheço o mérito mas não nego que durante 1h30 dei por mim algo aborrecido, até introduzirem um plot que serviria de climax para os últimos 20 minutos.

É agridoce.
Acho que não houve grandes surpresas. Era mais ou menos o que se esperava.

Ainda não vi Get Out mas o Rotten considera-o o 3º melhor filme da história. Nada exagerado de certeza.  :lol:

Curioso que o ano passado ganhou o Casey Affleck e este ano temos o Timothée Chalamet nomeado, quando ambos fizeram a mesma personagem no Interstellar.  :mrgreen:

Não considera nada, o Rotten Tomatoes não é uma medida de qualidade dos filmes, é uma medida de quão consensuais os filmes são. Se um filme for satisfatório para toda a crítica sem excepção vai ter 100% no Rotten Tomatoes, o que não significa que seja um excelente filme, e.g. Paddington 2.
Mudbound é um dos sólidos trabalhos de 2017.

Dee Rees tem aqui a sua 1ª aventura nas longas metragens, depois de Pariah, e gosto do que vejo. É algo conservadora, não desfinha arcos excessivamente elaborados, dá um bom enquadramento às suas caracterizações, aplica-lhes um touch dramático para dar mais sumo às prestações, e conduziu toda a película, de trás-para-a-frente, com delicadeza, sem correrias narrativas - e o lapso temporal da película é consideravelmente grande! - onde tudo é explicado de uma forma algo natural, sem excessivas teatralizações e|ou melodramas, o que para o tema em causa era bem (!) fácil de recorrer ao facilitismo de apelar ao choro. É uma produção mais terra-a-terra do que o sensacionalismo de propaganda que foi|é 12 Years a Slave, embora aqui a história não tenha a mesma memorabilidade, podendo facilmente ser catalogado de simplesmente um belo trabalho sobre questões já superiormente abordados em Hollywood.

E no fundo é o que Mudbound é. É bom, sem ser excelente|memorável. Eu adorei a escolha do elenco, as prestações são (quase) todas elas top notch, há aqui uma panóplia consagrada de actores cujas nomeações não surpreenderiam ninguém, curiosamente quem a recebe, é quem a menos dava: Mary J. Blige. Eu até dou de barato que tirando uma ou outra excepção, a generalidade das personagens não são propriamente complexas, têm traços muito autênticos e repetem-se ao longo da história, mas a sua é de uma monotonia sem precedentes. Ter uma nomeação, num filme que contou com o desempenho brilhante de Carey Mulligan é uma afronta. Garrett Hedlund, Jason Clarke, Jonathon Banks, Jason Mitchell, Rob Morgan. #theydelivereveryline. :mrgreen: Eu gostei bastante do tom subtil com que Dee Rees abordou a história, a imagem, para não variar, é muito bonita, bela cinematografia, a banda sonora tem temas de uma sonoridade elegante e é capaz de ser das raras produções, sobretudo em altura de Óscares, que aborda a escravatura|racismo|preconceito sem explorar o lamento, mas sim a perseverança, mas sim a perseverança|tenacidade|coragem|revolta. Belo trabalho. 4 merecidas nomeações.
Vi ontem The Florida Project e apesar da história simples, acho que está muito bem conseguido.  :clap: As crianças levam o filme ás costas numa representação bastante genuína das personagens.
"My coach said I ran like a girl, I said if he could run a little faster he could too."