Futebol Feminino - Época 2019/2020

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

A Tobin Heath não daria uma perninha cá? Que máquina do caraças, fez da Borges o que quis.

Jogadoras da selecção dos EUA são impossíveis de ir buscar. Ainda pra mais jogam no seu país na melhor liga de futebol feminino.
Supertaça agora no canal 11 para quem quiser acompanhar as nossas adversárias diretas.
A Nycole é grande reforço para as lampiãs.

A Dolores quase fazia o mesmo que os rapazes, valeu a Rute.
Olhando as duas equipas, parece que partimos atrás, espero que quando a equipa arrancar contrarie isso.
Benfica com muito boas opções de ataque: os reforços Nycole e Cloe mais Darlene, Geyse, Evy e ainda as chegadas de Catarina Amado e Lúcia Alves que vão ter de lutar por uma oportunidade.
O Braga com o melhor meio campo parece-me, tendo ainda duas setas na frente, a Pratt e a Uchendu.
Já nós parece que estamos com o síndrome da equipa masculina. Fomos buscar apenas uma avançada e carecemos de opções na frente principalmente nas alas.
É habituar, o fut. feminino do Sporting está ao abandono desde que entrou Varandas e assim vai continuar para facilitar a vida ao patrão do Rogério.
71%, depois não venham fingir que não votaram Sim.

"Viva o Sporting Clube de Portugal ... É Nosso Outra Vez!" - Presidente Bruno de Carvalho

"Um dia vocês hão-de perceber que o objectivo de Pinto da Costa e do Porto nunca foi destruir o Benfica mas sim o Sporting." - Viridis
O Braga é só fisico, luta e pouco mais . As lampiãs têm mais talento individual... vão ser dificeis de controlar.

Expectativa por dia 16  ... vamos ver como nos apresentamos ... o Braga já está num patamar fisico assinalavel o que é normal ... vem a Alcochete já com 5 jogos oficiais nas pernas ...   
Incrível como em pouco tempo passamos de bi campeãs para a terceira equipa nas apostas para a época que agira começa.
sem reforçar a equipa é difícil fazer mais e melhor , entraram 3 precisava-mos de mais reforços , os rivais reforçaram-se bem e já tinham bons planteis.
Estranho que as pessoas mais bem informadas tenham dito que vinham 4 reforços e só vieram 3. Como não duvido da info que deram, ou desistiram à última hora ou reprovou nos exames médicos.

Há claramente posições por reforçar.

Expectativas zero.
Este ano vai ser um Campeonato estranho e de transição do Futebol Feminino em Portugal, vai ser o Campeonato mais desequilibrado de sempre entre os mais fracos e os mais fortes, pior ainda que o primeiro ano de Sporting e Braga.

A partir deste ano vai começar-se a separar o trigo do joio, os clubes que querem realmente investir daqueles que não querem ou não têm simplesmente capacidade para atingir no minimo o patamar da semi profissionalização, esses a partir daqui vão começar a descer de divisão para dar entrada a projectos ambiciosos.

A maior parte das melhores jogadoras extra Sporting, Braga e Benfica vão jogar na 2° divisão em clubes que têm projectos para dar condições a sério, Famalicão do ex treinador do benfica, Vitoria de Guimarães, Torreense do Nuno Cristóvão e o Amora ficaram praticamente com todas essas jogadoras que fariam as outras equipas serem mais competitivas, Famalicão e Torreense andam a contratar brasileiras inclusive.

Vai haver 2 vagas a serem disputadas por esses 4 clubes e se a lógica imperar num espaço de 2 anos esses 4 clubes e outros que entretanto apareçam vão ocupar as vagas daqueles que não têm qualquer competitividade, qualidade e investimento, a Taça de Portugal vai ser bem mais competitiva que a Liga.
« Última modificação: Setembro 09, 2019, 14:16 pm por UnderDgun »
O Feirense também poderá dar algumas cartas embora sem o investimento dessa gente
Este ano vai ser um Campeonato estranho e de transição do Futebol Feminino em Portugal, vai ser o Campeonato mais desequilibrado de sempre entre os mais fracos e os mais fortes, pior ainda que o primeiro ano de Sporting e Braga.

A partir deste ano vai começar-se a separar o trigo do joio, os clubes que querem realmente investir daqueles que não querem ou não têm simplesmente capacidade para atingir no minimo o patamar da semi profissionalização, esses a partir daqui vão começar a descer de divisão para dar entrada a projectos ambiciosos.

A maior parte das melhores jogadoras extra Sporting, Braga e Benfica vão jogar na 2° divisão em clubes que têm projectos para dar condições a sério, Famalicão do ex treinador do benfica, Vitoria de Guimarães, Torreense do Nuno Cristóvão e o Amora ficaram praticamente com todas essas jogadoras que fariam as outras equipas serem mais competitivas, Famalicão e Torreense andam a contratar brasileiras inclusive.

Vai haver 2 vagas a serem disputadas por esses 4 clubes e se a lógica imperar num espaço de 2 anos esses 4 clubes e outros que entretanto apareçam vão ocupar as vagas daqueles que não têm qualquer competitividade, qualidade e investimento, a Taça de Portugal vai ser bem mais competitiva que a Liga.

muito boa analise!

a Taça de Portugal vai ser bem mais competitiva que a Liga.
é bem provável, após as primeiras rondas antes dos clubes de 1a liga

Este ano vai ser um Campeonato estranho e de transição do Futebol Feminino em Portugal, vai ser o Campeonato mais desequilibrado de sempre entre os mais fracos e os mais fortes, pior ainda que o primeiro ano de Sporting e Braga.

A partir deste ano vai começar-se a separar o trigo do joio, os clubes que querem realmente investir daqueles que não querem ou não têm simplesmente capacidade para atingir no minimo o patamar da semi profissionalização, esses a partir daqui vão começar a descer de divisão para dar entrada a projectos ambiciosos.

A maior parte das melhores jogadoras extra Sporting, Braga e Benfica vão jogar na 2° divisão em clubes que têm projectos para dar condições a sério, Famalicão do ex treinador do benfica, Vitoria de Guimarães, Torreense do Nuno Cristóvão e o Amora ficaram praticamente com todas essas jogadoras que fariam as outras equipas serem mais competitivas, Famalicão e Torreense andam a contratar brasileiras inclusive.

Vai haver 2 vagas a serem disputadas por esses 4 clubes e se a lógica imperar num espaço de 2 anos esses 4 clubes e outros que entretanto apareçam vão ocupar as vagas daqueles que não têm qualquer competitividade, qualidade e investimento, a Taça de Portugal vai ser bem mais competitiva que a Liga.
Sem esquecer o grande Felgueiras, que também apostou no futebol feminino este ano.

Enviado do meu SM-A500FU através do Tapatalk

Este ano vai ser um Campeonato estranho e de transição do Futebol Feminino em Portugal, vai ser o Campeonato mais desequilibrado de sempre entre os mais fracos e os mais fortes, pior ainda que o primeiro ano de Sporting e Braga.

A partir deste ano vai começar-se a separar o trigo do joio, os clubes que querem realmente investir daqueles que não querem ou não têm simplesmente capacidade para atingir no minimo o patamar da semi profissionalização, esses a partir daqui vão começar a descer de divisão para dar entrada a projectos ambiciosos.

A maior parte das melhores jogadoras extra Sporting, Braga e Benfica vão jogar na 2° divisão em clubes que têm projectos para dar condições a sério, Famalicão do ex treinador do benfica, Vitoria de Guimarães, Torreense do Nuno Cristóvão e o Amora ficaram praticamente com todas essas jogadoras que fariam as outras equipas serem mais competitivas, Famalicão e Torreense andam a contratar brasileiras inclusive.

Vai haver 2 vagas a serem disputadas por esses 4 clubes e se a lógica imperar num espaço de 2 anos esses 4 clubes e outros que entretanto apareçam vão ocupar as vagas daqueles que não têm qualquer competitividade, qualidade e investimento, a Taça de Portugal vai ser bem mais competitiva que a Liga.
Sem esquecer o grande Felgueiras, que também apostou no futebol feminino este ano.

Enviado do meu SM-A500FU através do Tapatalk


Gil Vicente também apostou forte este ano.
Alias a equipa de Gil é bem mais forte que a do Vitória.

A minha mulher este ano dedicou se a jogar futebol e ja teve o prazer de defrontar as 2 equipas.
Com o vitória perdeu 20/0 e com o Gil 37/0 :P
Este ano vai ser um Campeonato estranho e de transição do Futebol Feminino em Portugal, vai ser o Campeonato mais desequilibrado de sempre entre os mais fracos e os mais fortes, pior ainda que o primeiro ano de Sporting e Braga.

A partir deste ano vai começar-se a separar o trigo do joio, os clubes que querem realmente investir daqueles que não querem ou não têm simplesmente capacidade para atingir no minimo o patamar da semi profissionalização, esses a partir daqui vão começar a descer de divisão para dar entrada a projectos ambiciosos.

A maior parte das melhores jogadoras extra Sporting, Braga e Benfica vão jogar na 2° divisão em clubes que têm projectos para dar condições a sério, Famalicão do ex treinador do benfica, Vitoria de Guimarães, Torreense do Nuno Cristóvão e o Amora ficaram praticamente com todas essas jogadoras que fariam as outras equipas serem mais competitivas, Famalicão e Torreense andam a contratar brasileiras inclusive.

Vai haver 2 vagas a serem disputadas por esses 4 clubes e se a lógica imperar num espaço de 2 anos esses 4 clubes e outros que entretanto apareçam vão ocupar as vagas daqueles que não têm qualquer competitividade, qualidade e investimento, a Taça de Portugal vai ser bem mais competitiva que a Liga.
Sem esquecer o grande Felgueiras, que também apostou no futebol feminino este ano.

Enviado do meu SM-A500FU através do Tapatalk


Gil Vicente também apostou forte este ano.
Alias a equipa de Gil é bem mais forte que a do Vitória.

A minha mulher este ano dedicou se a jogar futebol e ja teve o prazer de defrontar as 2 equipas.
Com o vitória perdeu 20/0 e com o Gil 37/0 :P

São muitas equipas a apostar na segunda. É pena algumas não terem decidido mais cedo e agora só poderem subir 2 de cada vez. Precisávamos o mais rápido possível de competitividade na primeira e era com essas equipas. Poderiam abrir mais uma ou outra vaga, ou fazer uma disputa entre as penúltimas da primeira e as terceiras da segunda para bem da evolução mais rápida da liga.
Temos que ver aqui duas situações: o Sporting veio para a modalidade e em dois anos ganhou "TUDO" e como o Braga era a única equipa próxima da nossa, as nossas vitórias foram todas sobre elas.
Ora assim violadas e o TROLHA assim violado nesta modalidade amadora, mas em simultâneo a ser entubado no futebol profissional, onde andavam sempre em bicos de pés, mas mesmo com um Sporting doente levam na boca, reagiu forte, apostou forte.
O problema é que nós em vez de reagir tivemos mais uma atitude tipo: chegámos, vimos e vencemos, agora o Braga subiu a parada e apostou forte, se calhar o Sporting vai ganhar menos, então que se phoda!

A outra situação é o panelas, cheio de dinheiro, que inegavelmente durante a presidência do Bruno de Carvalho começou a levar forte nos cornos nas modalidades, sendo que o panorama geral foi alterado e o Sporting está com um estatuto em Portugal nos desportos extra futebol (que temos mais de 50) de DOMINADOR.
O orelhas com tanta massa está a tentar dar uma resposta, atirando dinheiro para cima!
Editado.

@Ferrari

Vamos lá a ter cuidado com esses comentários.

Ora têm ido buscar um camião de brasileiras e recrutam das melhores jogadoras Portuguesas.
Fácil para quem está cheio de massa.
(NOTA: peço desculpa pela adjetivação inicial que usei sobre o boifica e as atletas).
« Última modificação: Setembro 11, 2019, 15:33 pm por Ferrari »
O jogo com as lamps vai ser no galinheiro. 4ª jornada, 19 de Outubro, pelas 17h.
"É um orgulho estar no Sporting. Quem não conhece o Sporting sabe muito pouco de futebol"  Tales  3-9-2010
O jogo com as lamps vai ser no galinheiro. 4ª jornada, 19 de Outubro, pelas 17h.
O nosso, se jogarmos com o Bouças em casa esse fim de semana no masculino, será na Academia.
''You have forgotten who you are and so have forgotten me. Look inside yourself, Simba. You are more than what you have become. You must take your place in the Circle of Life.'' Mufasa, Lion King, 1994

''These are dark times, there is no denying. Our world has perhaps faced no greater threat than it does today. But I say this to our citizenry: We, ever your servants, will continue to defend your liberty and repel the forces that seek to take it from you!'' Rufus Scrimgeour, Minister for Magic
Citar
"Só queremos ser tratadas com igualdade. Deixem-nos brilhar"

Em entrevista exclusiva ao Desporto ao Minuto, Ana Capeta antevê que o futebol feminino vá "crescer bastante" em Portugal nos próximos anos, e deixa um conselho às mais novas: "Quando querem muito uma coisa, lutem por ela e não desistam"


O campeonato nacional de futebol feminino arranca já este fim de semana, e a primeira jornada contará desde logo com um 'escaldante' duelo entre Sporting e Sporting de Braga, que traz memórias especialmente agradáveis a Ana Capeta.

A avançada de 21 anos saltou do banco na final da edição 2016/17 da Taça de Portugal para, já no prolongamento, marcar o golo que selou a vitória leonina sobre o Sporting de Braga.

E, apenas três meses depois, voltou a fazer das suas: rendeu Joana Marchão aos 82 minutos, quando as leoas perdiam por 0-1, e assinou um hat-trick que significou a conquista da Supertaça.

O 'efeito Capeta' virou, então, notícia. Uma expressão que, no entanto, não agrada à internacional portuguesa, que com bom grado dela abdicaria por um lugar a 'tempo inteiro' no 'onze' inicial.

Em entrevista exclusiva ao Desporto ao Minuto, Ana Capeta fala das influências do pai aquando da entrada no mundo do futebol, das lesões que teve que ultrapassar e das expetativas para o futuro, não só da própria e do Sporting, como também do futebol feminino em Portugal.

O Campeonato do Mundo teve assistências históricas, temos agora também o Benfica na I Liga... Sentes que esta 'explosão' torna mais fácil a entrada das raparigas no mundo do futebol do que na tua altura?

Mais fácil não digo, porque cada vez há mais raparigas a jogar. A competitividade é cada vez maior. Têm mais condições, sim, mas a dificuldade se calhar vai aumentando.

E no teu caso, como é que entraste no futebol?

Comecei a ver jogos do meu pai e a jogar aos intervalos. Daí cresceu o amor pelo futebol. O meu pai jogou em várias equipas no Alentejo. Chegou a jogar em Ourique, em Aljustrel… Mas era bom jogador.

Melhor do que tu?

Era, era… Quer dizer, se calhar sou eu melhor, que marco mais golos [risos].

Como é que os teus pais reagiram quando disseste que querias fazer carreira no futebol?

Ficaram contentes. Afinal, estava a tirar uma coisa do meu pai… Acho que isso é bom. Não podemos fazer todos o mesmo. Se todos gostássemos de amarelo, o verde não existia.

Sempre acreditaste que era possível fazeres vida do futebol?

A este nível, não. Confesso que não estava à espera de chegar a este nível e de, um dia, ganhar dinheiro com o futebol. Sempre foi um objetivo pessoal e familiar, porque sempre fui bastante apoiada pela minha família.

Saíste de casa muito cedo. Como foi essa mudança?

Comecei a jogar em Rio de Moinhos e, aos 16 anos, fui para Ourém, jogar num campeonato nacional. Na altura, foi uma realidade completamente diferente, com uma competitividade diferente. Foi uma boa aprendizagem. Felizmente, pude voltar a ter a alegria de sentir o que é estar num campeonato nacional, depois da infelicidade das lesões que tive.

Tiveste uma lesão grave que te deixou quase um ano parada. Como foi enfrentar uma situação dessas tão cedo?

Foi complicado. Tive a mesma lesão duas vezes, a segunda passado exatamente um ano da primeira. Foi um bocado complicado de lidar. Depois de ter passado por uma recuperação, ao fim de três meses já estar a fazer outra… Na altura nem queria acreditar, mas tive que me agarrar ao que me puxava e ao que me deixava feliz para poder superar esse momento.

Alguma vez te passou pela cabeça desistir?

Não, nunca. Apesar de muita gente, se calhar, dizer que o melhor seria não continuar, não pensei desistir.

Chegaste muito cedo ao CAC da Pontinha, com 18 anos…

A mudança foi feita com o intuito de fazer a melhor recuperação possível. Depois de um ano parada… Tive propostas para jogar na I Liga, mas não era o melhor para mim integrar um campeonato nacional. Provavelmente, iria fazer demasiados esforços para aquilo que o meu joelho podia aguentar. Assim, recuperei a 100%, consegui o principal objetivo, que era a subida de divisão, e fui feliz.

Como foi a adaptação a Lisboa?

Na altura, quando estava no CAC, vivia no Alentejo. Basicamente, treinava durante a semana com rapazes, com a equipa de iniciados, em Aljustrel. Depois vinha, à sexta-feira treinava com a equipa, e jogava no fim de semana.

E nunca aconteceu colocarem-te à parte, por seres rapariga?

Não, nunca senti isso. Até porque era mau demais se me colocassem de parte, porque eram meus amigos. Sempre foi muito tranquilo, sempre tive o apoio e ajuda de todos, inclusive do treinador.

E agora, preferes viver em Lisboa ou no Alentejo?

Em Lisboa [risos]. Às vezes as saudades apertam, mas gosto mais de estar aqui. A minha família vem cá ver-me em todos jogos.

Na altura, quando surgiu a proposta do Sporting, já estavas à espera?

Fui apanhada um pouco de surpresa. Foi na altura em que iniciaram o projeto. Até estava na seleção quando recebi a chamada com a proposta para vir para o Sporting. Fiquei um pouco de pé atrás. Não sabia com quem estava a falar nem se aquilo era verídico. Depois acertámos tudo e fiquei bastante contente.

O que te levou a dizer que sim?

Não vou dizer que foi só por ser o clube do coração, mas iria ser uma coisa completamente diferente. As condições eram completamente diferentes, a aposta ia ser completamente diferente… Iria conseguir ganhar alguma coisa com o futebol, o que nunca tinha acontecido.

A nível de condições, houve alguma coisa que te tivesse surpreendido mais?

Claro que nunca tive as condições que tive no Sporting. As condições são ótimas. Estar naquele meio, numa Academia e por vezes ver jogador da equipa masculina, era uma coisa fantástica.

Nunca houve a possibilidade de falares com os jogadores da equipa masculina?

Não, nunca… Os únicos que vi mais foram o Bas Dost e o William, mas claro que nunca ia puxar conversa porque tinha vergonha [risos].

Apanhaste o projeto do Sporting logo no início. Correu logo tudo como esperavas?

Foi um projeto bem construído. Claro que havia coisas que corriam mal, mas isso é como em tudo. Por muito que as coisas fossem bem feitas, há sempre alguma coisa que corre mal, mas coisas mínimas. Não podemos apontar o dedo à mínima coisa que corre mal. Superámos bem esses momentos maus e ajudámo-nos umas às outras.

Logo na primeira época marcaste 21 golos em 23 golos. Era complicado fazer melhor…

Não é complicado fazer melhor… Poderia mesmo ter feito melhor se, eventualmente, tivesse mais tempo de jogo, como gostaria de ter tido. Mas não podemos estar a falar do passado. A cada ano que passa os objetivos têm de ser diferentes e melhores. É para isso que trabalho todos os dias, para ser melhor.

Na final da Taça sais do banco e marcas o golos da vitória. É aí que nasce o efeito Capeta.

Foi, marquei o golo que deu a vitória. Começou a surgir o #efeitoCapeta [risos].

Teres essa capacidade de sair do banco e ter efeito imediato acabou por fazer com que não somasses tantos minutos?

Muito provavelmente, sim. Por esse motivo é que não gostava tanto dessas palavras, do efeito Capeta… As pessoas diziam que tinha que estar no banco para depois marcar. Não é bem assim. Tive a sorte de, naquelas vezes, ter corrido bem, mas a estrelinha da sorte não está sempre comigo, como não esteve na Supertaça no ano passado.

Tu própria, do ponto de vista da motivação, sentes uma grande diferenças quando entras a partir do banco?

Claro que uma pessoa que está no banco, quando entra em campo, é naquela de raiva, para mostrar que podia ter sido eu a jogar de início, a estar ali, e não fui.

Pouco depois estreaste-te pela seleção. Foi o concretizar de um sonho?

Sim, foi o cumprir de mais um sonho, claro. Na verdade, já estava à espera há algum tempo. Achava que tinha trabalhado bem nas épocas anteriores e que merecia uma oportunidade. Foi bastante bom para mim do ponto de vista individual.

O próximo passo é estreares-te a marcar pela seleção?

Sim, claro, é o mais desejado. Já tive várias oportunidades, mas não fui feliz nesse aspeto. Espero um dia ter oportunidade para o ser.

O ano seguinte também foi muito bom. Foste, inclusive, eleita Jogadora Revelação nas Quinas de Ouro. Isso pressiona-te?

Não sinto nenhuma pressão. Foi um bom prémio individual depois de uma boa época coletiva. Foi bom para mim, porque prémios individuais são sempre bons. É uma forma de dar valor ao trabalho que foi feito durante toda a época.

O ano passado foi o teu melhor do ponto de vista individual. Marcaste 26 golos em 29 jogos.

Se formos ver esses 26 golos… Por exemplo, devo ter feito 15 golos em três jogos. Se tivesse tido mais oportunidades, conseguiria ter feito melhor. A oportunidade só começou a surgir no final da época. Se tivesse surgido mais cedo, tinha conseguido fazer melhor.

O que faltou para que não tivessem conquistado nenhum troféu?

O que é que faltou… Podíamos ter trabalhado mais, como é óbvio. Não nos conseguimos agarrar tão bem umas às outras como em anos anteriores. Foi o que correu pior. Mas já estamos a trabalhar para corrigir os erros. Este ano certamente estaremos melhor.

Como foi a tua relação com o Nuno Cristóvão?

A minha relação com o treinador foi normal. Ele faz o trabalho dele e eu faço o meu. Ele toma as decisões dele enquanto eu faço o meu trabalho. Não tenho que criticar ninguém, até porque quem mandava ali era ele.

E como têm sido as primeiras impressões da Susana Cova?

Estamos a trabalhar bem, estamos no caminho certo, a jogar cada vez melhor. Acho que está a fazer um bom trabalho.

Quais são as tuas expetativas para esta época?

A minha expetativa é conseguir vencer o campeonato e voltar a ter a oportunidade de fazer a dobradinha.

O que podemos esperar da Ana Capeta para o futuro?

Podemos esperar o que eu também espero, que é ser melhor a cada dia, ter mais objetivos e trabalhar mais.

E para o futebol feminino em geral?

Vai crescer bastante. Cada vez há mais clubes grandes a investir no futebol feminino, e isso é bom.

Enquanto jogadora, como tens acompanhado a questão do ‘Equal Pay’?

Não podemos querer tudo ao mesmo tempo. Estamos a evoluír, cada coisa a seu tempo. Para já, é acreditar em nós. A seleção dos Estados Unidos tem mais motivos para falar. Afinal, as mulheres nos Estados Unidos são mais reconhecidas do que os homens. O futebol lá é mesmo assim, e conseguem ter essa ambição para falar assim. Nós, neste momento, só queremos ser tratadas como devemos para termos igualdade, não em termos de dinheiro, mas para nos deixarem brilhar.

Aquela imagem de que o futebol é para rapazes já acabou?

Sim, essa imagem passa cada vez menos. As pessoas já esqueceram um pouco isso. Cada vez há mais meninas a jogar futebol e isso é bom. É sinal de que os pais já não pensam tanto assim.

Que conselhos darias para essas meninas que estão a entrar no futebol?

Digo para nunca desistirem, seja no futebol ou no que for, daquilo que querem. Quando querem muito uma coisa, lutem por ela e não desistam.


Notícias ao Minuto