Idrissa Doumbia

TigaSCP e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

Pelo que vi nestes dois jogos, o Keiser insistiu numa transição ofensiva a partir dos centrais, com os dois médios (quase em linha) Eduardo e wendel entre linhas a procurar espaço para receber e virar, ao contrário do que vimos no ano passado,com um médio a baixar para entre os centrais e vascular a bola até encontrar espaços entre linhas...houve várias bolas que entraram bem graças á qualidade do mathieu a sair, um fora de série nesse aspeto...assim o BF consegue pisar terrenos mais avançados e até trocar com o extremo para baralhar marcações...vamos ver se pega. Gostei do Eduardo nesse capítulo,embora ainda lento fruto desta fase da época,mas depois de afinado poderá fazer boa dupla com o wendel... terá é de melhorar o posicionamento e agressividade no momento da perda. O doumbia está a começar a pré época com o pé esquerdo,parece esgotado fisicamente e sem confiança...

 Creio que é ocasional sair pelos centrais, pela simples razão que somente o Mathieu é forte nesse aspecto. Basta o adversário fechar sobre o Mathieu para termos problemas na saída com bola. Nós montamos um triângulo na construção, dois médios em linha (como dizes), um mais avançado e dois centrais abertos. Obviamente que temos que explorar ao máximo a saída pelo Mathieu, por ser enorme com bola, mas temos que trabalhar outras formas de saída e aí temos exigir muito mais ao médio 6 e ao médio 8. Parece-me que estamos a nos preparar para a saída do BF. Ou seja, estamos a construir jogo colocando um jogador mais perto do avançado centro, que por agora é o BF, no futuro deve ser o Vietto. Creio que em termos de transição ofensiva pode resultar, temos que envolver mais o médio 6, o Eduardo é forte no passe, esperar pelos laterais que estão lesionados / férias e trabalhar sobretudo o momento da perda da bola, é o que temos estado a falhar em demasia (foi assim na época passada).

 É a transição defensiva que preocupa realmente, pois a equipa está mal trabalhada para a reacção à perda da bola, a linha defensiva lê mal o jogo (é fácil explorar a profundidade) e fechamos mal os espaços (a equipa sem bola está muito esticada, muito espaço nas entrelinhas). Assim, tanto o Eduardo, como o Doumbia, têm que rever urgentemente o comportamento sem bola e com a equipa a acompanhá-los. Se é tudo consequência do trabalho físico e táctico da pré-época? Anseio que sim, mas com muita desconfiança.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Para mim é um 8 claro.

Concordo. Aquilo como pivot defensivo, corre mal.

Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

Muito forte... também não abusemos.  :lol: Mas sim, é no que é melhor. Galga metros com alguma facilidade.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

Discordo. Eduardo, o Wendel, Doumbia e Bragança. O Miguel Luís mais à frente.

O que concordo é que é demasiada gente para uma ideia de jogo que no passado (Ajax e Sporting) contemplava um pivot defensivo que é o construtor de jogo. Mais que o pilar defensivo, é o primeiro construtor de jogo e lançador da equipa. Esperava ver entrar um Lasse Schöne.

Iremos substituir isso por uma dupla de médios?
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
Para mim é um 8 claro.

Concordo. Aquilo como pivot defensivo, corre mal.

Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

Muito forte... também não abusemos.  :lol: Mas sim, é no que é melhor. Galga metros com alguma facilidade.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

Discordo. Eduardo, o Wendel, Doumbia e Bragança. O Miguel Luís mais à frente.

O que concordo é que é demasiada gente para uma ideia de jogo que no passado (Ajax e Sporting) contemplava um pivot defensivo que é o construtor de jogo. Mais que o pilar defensivo, é o primeiro construtor de jogo e lançador da equipa. Esperava ver entrar um Lasse Schöne.

Iremos substituir isso por uma dupla de médios?

O que me assusta na dupla de médios é que não oferecem segurança defensiva de um tradicional 6. Tanto Doumbia como Eduardo não me parecem talhados para essa função mais defensiva, e a verdade é que o meio campo do Sporting se torna bastante permeável aos ataques adversários exactamente pela falta desse tal trinco que para além de primeiro construtor era também um garante da segurança defensiva. Aliás, na sendo do que já no ano passado aconteceu, com a adaptação de Gudejl a uma posição mais atrasada no triangulo do meio campo, e que não correu bem, até porque o jogador não tinha características defensivas de qualidade, coisa que me parece se virá a repetir com a inclusão de Eduardo e/ou Doumbia como elementos mais recuados.
Para mim é um 8 claro.
Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

 São demasiados jogadores para a posição de segundo médio para nenhum contar para a posição 6. Por isso, algum deles vai ser obrigatoriamente um 6 e aposto tudo que o titular será o Eduardo. O Doumbia um backup até recuperarmos por completo o Battaglia. O mais preocupante é que tanto o Eduardo, como o Doumbia, apresentam exactamente as mesmas dificuldades que o Gudelj apresentava. Baixam pouco para entre os centrais, dobram mal os colegas, pouco agressivos no espaço à frente os centrais, atacam muito pouco o espaço defensivo, normalmente estão mal posicionados. A posição 6 é sobretudo um problema técnico, mais que de perfil dos atletas. A sair com bola, a circulação curta, a procura da profundidade, o passe vertical e frontal, o posicionar-se para receber, o Eduardo esteve bem e o Doumbia disfarçou. O problema foi mesmo sem bola, a começar com o fraco posicionamento para o momento de possível perda da bola, a pouca agressividade em fechar o portador, basculam muito lentamente.

 Tudo isto pode ser derivado da pré-época, posso dar esse benefício de dúvida. Tacticamente é tudo muito semelhante, tenho sérias dúvidas que ganhando frescura física e mental tudo vá melhorar, mas ok. Vou acreditar que sim. Quanto a reforços, concordo contigo. O problema é que já investimos na posição.

acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

PS:

aliás consigo conceber um meio campo e ataque deste género:

               vietto            raphinha

   wendel         doumbia      eduardo

                 b. fernandes

com dois laterais muito ofensivos..
acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

 O único rótulo que ali escrevi é somente a incapacidade do técnico em trabalhar a posição 6.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Para mim é um 8 claro.
Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

 São demasiados jogadores para a posição de segundo médio para nenhum contar para a posição 6. Por isso, algum deles vai ser obrigatoriamente um 6 e aposto tudo que o titular será o Eduardo. O Doumbia um backup até recuperarmos por completo o Battaglia. O mais preocupante é que tanto o Eduardo, como o Doumbia, apresentam exactamente as mesmas dificuldades que o Gudelj apresentava. Baixam pouco para entre os centrais, dobram mal os colegas, pouco agressivos no espaço à frente os centrais, atacam muito pouco o espaço defensivo, normalmente estão mal posicionados. A posição 6 é sobretudo um problema técnico, mais que de perfil dos atletas. A sair com bola, a circulação curta, a procura da profundidade, o passe vertical e frontal, o posicionar-se para receber, o Eduardo esteve bem e o Doumbia disfarçou. O problema foi mesmo sem bola, a começar com o fraco posicionamento para o momento de possível perda da bola, a pouca agressividade em fechar o portador, basculam muito lentamente.

 Tudo isto pode ser derivado da pré-época, posso dar esse benefício de dúvida. Tacticamente é tudo muito semelhante, tenho sérias dúvidas que ganhando frescura física e mental tudo vá melhorar, mas ok. Vou acreditar que sim. Quanto a reforços, concordo contigo. O problema é que já investimos na posição.

acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

"Se", "se", "se"... "podem", "têm que ser"....
Eu acho é que só no Sporting se contratam jogadores e ninguém sabe qual a sua verdadeira posição
Sporting good
Dream Team Summer 19: Renan, Rosier, Coates, Mathieu, Acuña, Battaglia, Wendel, Robertone, Raphinha, Camacho, Bas Bost
Vamos ser campeões manos
Eu acho é que só no Sporting se contratam jogadores e ninguém sabe qual a sua verdadeira posição

Não. O JJ nos clubes por onde passou fazia o mesmo. Nunca comprou jogadores, comprou sempre projectos, ideias que ele tinha sobre o que o jogador se iria tornar. O Matic novo Javi Garcia, o Petrovic, novo Matic que era o novo Javi Garcia. Há dezenas e dezenas de casos, são vários exemplos.
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
Para mim é um 8 claro.
Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

 São demasiados jogadores para a posição de segundo médio para nenhum contar para a posição 6. Por isso, algum deles vai ser obrigatoriamente um 6 e aposto tudo que o titular será o Eduardo. O Doumbia um backup até recuperarmos por completo o Battaglia. O mais preocupante é que tanto o Eduardo, como o Doumbia, apresentam exactamente as mesmas dificuldades que o Gudelj apresentava. Baixam pouco para entre os centrais, dobram mal os colegas, pouco agressivos no espaço à frente os centrais, atacam muito pouco o espaço defensivo, normalmente estão mal posicionados. A posição 6 é sobretudo um problema técnico, mais que de perfil dos atletas. A sair com bola, a circulação curta, a procura da profundidade, o passe vertical e frontal, o posicionar-se para receber, o Eduardo esteve bem e o Doumbia disfarçou. O problema foi mesmo sem bola, a começar com o fraco posicionamento para o momento de possível perda da bola, a pouca agressividade em fechar o portador, basculam muito lentamente.

 Tudo isto pode ser derivado da pré-época, posso dar esse benefício de dúvida. Tacticamente é tudo muito semelhante, tenho sérias dúvidas que ganhando frescura física e mental tudo vá melhorar, mas ok. Vou acreditar que sim. Quanto a reforços, concordo contigo. O problema é que já investimos na posição.

acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

"Se", "se", "se"... "podem", "têm que ser"....

como em tudo neste fórum... a única coisa que aqui fazemos é conjecturar.. nada mais.

um exemplo: joga o gudelj.. o treinador é burro, o doumbia é que tem de jogar naquele lugar.
                    joga o doumbia.. o treinador é burro, o eduardo é que tem de jogar naquele lugar
                    joga o eduardo... o treinador é burro, o bruno paz é que devia jogar naquele lugar... mas está lesionado

conclusão: o treinador é burro e nós é que somos muito inteligentes e percebemos muito de bola.. aliás, é graças a esse conhecimento todo que temos que ganhamos milhares de euros no final do mês com o futebol.


o futebol tem essa característica: cada um pode imaginar realidades alternativas e mandar os bitaites que quiser.

Para mim é um 8 claro.
Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

 São demasiados jogadores para a posição de segundo médio para nenhum contar para a posição 6. Por isso, algum deles vai ser obrigatoriamente um 6 e aposto tudo que o titular será o Eduardo. O Doumbia um backup até recuperarmos por completo o Battaglia. O mais preocupante é que tanto o Eduardo, como o Doumbia, apresentam exactamente as mesmas dificuldades que o Gudelj apresentava. Baixam pouco para entre os centrais, dobram mal os colegas, pouco agressivos no espaço à frente os centrais, atacam muito pouco o espaço defensivo, normalmente estão mal posicionados. A posição 6 é sobretudo um problema técnico, mais que de perfil dos atletas. A sair com bola, a circulação curta, a procura da profundidade, o passe vertical e frontal, o posicionar-se para receber, o Eduardo esteve bem e o Doumbia disfarçou. O problema foi mesmo sem bola, a começar com o fraco posicionamento para o momento de possível perda da bola, a pouca agressividade em fechar o portador, basculam muito lentamente.

 Tudo isto pode ser derivado da pré-época, posso dar esse benefício de dúvida. Tacticamente é tudo muito semelhante, tenho sérias dúvidas que ganhando frescura física e mental tudo vá melhorar, mas ok. Vou acreditar que sim. Quanto a reforços, concordo contigo. O problema é que já investimos na posição.

acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

 :boohoo: :boohoo:



  Pois tem de trabalhar... para isso tinhas o P. Ferreira, que é mais novo , não custava nada e na vertente táctica já era melhor, precisava  somente era de jogos para ganhar ritmo e experiência!!
  Supostamente  quando estiverem bons estão de saída!! Mas quando gastas dinheiro é supostamente para reforçar a equipa!!
Para mim é um 8 claro.
Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

 São demasiados jogadores para a posição de segundo médio para nenhum contar para a posição 6. Por isso, algum deles vai ser obrigatoriamente um 6 e aposto tudo que o titular será o Eduardo. O Doumbia um backup até recuperarmos por completo o Battaglia. O mais preocupante é que tanto o Eduardo, como o Doumbia, apresentam exactamente as mesmas dificuldades que o Gudelj apresentava. Baixam pouco para entre os centrais, dobram mal os colegas, pouco agressivos no espaço à frente os centrais, atacam muito pouco o espaço defensivo, normalmente estão mal posicionados. A posição 6 é sobretudo um problema técnico, mais que de perfil dos atletas. A sair com bola, a circulação curta, a procura da profundidade, o passe vertical e frontal, o posicionar-se para receber, o Eduardo esteve bem e o Doumbia disfarçou. O problema foi mesmo sem bola, a começar com o fraco posicionamento para o momento de possível perda da bola, a pouca agressividade em fechar o portador, basculam muito lentamente.

 Tudo isto pode ser derivado da pré-época, posso dar esse benefício de dúvida. Tacticamente é tudo muito semelhante, tenho sérias dúvidas que ganhando frescura física e mental tudo vá melhorar, mas ok. Vou acreditar que sim. Quanto a reforços, concordo contigo. O problema é que já investimos na posição.

acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

"Se", "se", "se"... "podem", "têm que ser"....

como em tudo neste fórum... a única coisa que aqui fazemos é conjecturar.. nada mais.

um exemplo: joga o gudelj.. o treinador é burro, o doumbia é que tem de jogar naquele lugar.
                    joga o doumbia.. o treinador é burro, o eduardo é que tem de jogar naquele lugar
                    joga o eduardo... o treinador é burro, o bruno paz é que devia jogar naquele lugar... mas está lesionado

conclusão: o treinador é burro e nós é que somos muito inteligentes e percebemos muito de bola.. aliás, é graças a esse conhecimento todo que temos que ganhamos milhares de euros no final do mês com o futebol.


o futebol tem essa característica: cada um pode imaginar realidades alternativas e mandar os bitaites que quiser.

Verdade. 

E basicamente, temos quase uma mão cheia de jogadores com caracteristicas parecidas, nenhum com histórico relevante e a este nível, na tal posição 6.
Para mim é um 8 claro.
Muito forte no transporte, forte no drible, falta ver o que vale no passe e remate. Tem bastantes deficiências no que toca ao posicionamento e desarme.

O problema é que também o Eduardo, o Wendel e o Miguel Luis ocupam os mesmos espaços e não têm qualidade para 6 - temos únicamente um Battaglia a recuperar e um Bragança a quem inexplicavelmente não são dados minutos.

É imperioso contratar um trinco, dos bons e que se assuma a titular!

 São demasiados jogadores para a posição de segundo médio para nenhum contar para a posição 6. Por isso, algum deles vai ser obrigatoriamente um 6 e aposto tudo que o titular será o Eduardo. O Doumbia um backup até recuperarmos por completo o Battaglia. O mais preocupante é que tanto o Eduardo, como o Doumbia, apresentam exactamente as mesmas dificuldades que o Gudelj apresentava. Baixam pouco para entre os centrais, dobram mal os colegas, pouco agressivos no espaço à frente os centrais, atacam muito pouco o espaço defensivo, normalmente estão mal posicionados. A posição 6 é sobretudo um problema técnico, mais que de perfil dos atletas. A sair com bola, a circulação curta, a procura da profundidade, o passe vertical e frontal, o posicionar-se para receber, o Eduardo esteve bem e o Doumbia disfarçou. O problema foi mesmo sem bola, a começar com o fraco posicionamento para o momento de possível perda da bola, a pouca agressividade em fechar o portador, basculam muito lentamente.

 Tudo isto pode ser derivado da pré-época, posso dar esse benefício de dúvida. Tacticamente é tudo muito semelhante, tenho sérias dúvidas que ganhando frescura física e mental tudo vá melhorar, mas ok. Vou acreditar que sim. Quanto a reforços, concordo contigo. O problema é que já investimos na posição.

acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

   Pois tem de trabalhar... para isso tinhas o P. Ferreira, que é mais novo , não custava nada e na vertente táctica já era melhor, precisava  somente era de jogos para ganhar ritmo e experiência!!

  Supostamente  quando estiverem bons estão de saída!! Mas quando gastas dinheiro é supostamente para reforçar a equipa!!

Claro.. e os responsáveis consideram que os jogadores que contrataram têm mais capacidade para dar à equipa aquilo que ela precisa do que aqueles que cá estavam. mesmo que precisem de algum trabalho específico mas que têm potencial para tornar a equipa mais forte.

Fui dos poucos que defendi o actual treinador nos momentos mais difíceis da época passada, mas também disse que a avaliação sobre a sua qualidade só a faria em setembro, e passa muito pelo tipo de jogador que vamos ter na posição 6 (seja eduardo, battaglia, doumbia, acuna, ilori, bruno fernandes, bas dost.. não interessa) e pelo trabalho que for feito com esse jogador.
acho que rotulam demasiado os jogadores..

o eduardo ou o doumbia podem fazer o lugar 6 se forem bem trabalhados para isso e se a equipa for montada para ir de encontro às suas características enquanto 6. Posso dar o exemplo do pirlo que se destacou enquanto 6 não tendo as características tradicionais de um 6, mas a equipa foi montada tendo em conta o tipo de 6 que tinha..

o eduardo, o doumbia, o ilori, o próprio bruno fernandes, podem jogar na posição 6.. têm de ser trabalhados tacticamente e a equipa tem de ser montada em função das características do seu 6 (e das outras posições).

Ao Pirlo foram reconhecidas competências para render de imediato na posição de médio centro. Quem o puxou dizia que estava ali um dos melhores médios centro do mundo a jogar (e a flopar) como médio ofensivo. Foi buscá-lo ao Inter para isso. Ele não foi para 6, a equipa não foi montada para ele ser o 6, foram-lhe reconhecidas todas as competências para ser um médio centro. Como na altura estava numa equipa de topo mundial, numa liga de topo mundial, andou a patinar uns mesitos, mais por falta de hábito e pronto, agarrou o lugar. Foi melhorando com os anos.

O Doumbia está muito longe de poder ser um pivot defensivo no imediato. Pelo menos num papel típico de pivot defensivo de um 433. Tacticamente imberbe, não lhe noto grande visão de jogo ou capacidades de assumir a fase de construção baseada no passe/lançamento. É um gajo que leva a bola do ponto A ao ponto B. Defende no confronto e na força. Não estamos propriamente a falar de uns retoques. Sejamos honestos, o Gudelj, que não jogava um cu, posiciona-se defensivamente melhor que o Doumbia. É óbvio que apenas saber não faz nada.

Quanto ao Eduardo, não vou dizer nada, não o conheço para isso. Mas também me parece um gajo mais do ponto A ao B que outra coisa.
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
Há jogadores que não enganam. Para o bem e para o mal. Este nunca há-de ser jogador na vida. Tenho a certeza absoluta disso.

E eu tenho a certeza absoluta do contrário  :mrgreen:

Já eu não tenho a certeza de nada.. acho que tem algumas características que o tornam um jogador interessante mas um défice de atitude/concentração competitiva. Não gosto de jogadores africanos ou com raízes africanas por essa razão.. não é burrice nem falta de talento; é algo cultural: interessa mais a imagem, o estilo, do que a prática e a eficácia e isso torna-os incompetentes. Mas como em quase tudo há excepções e jogadores que conseguem mudar a sua atitude.. espero que seja o caso.
Tirando a generalização abusiva e borderline racista, tendo a concordar quase integralmente com o post.
Vai-se perder se continuar a ser aposta a 6, onde se nota que não tem confiança para sair sob pressão.

Ele é 8, um gajo com chegada à área, com capacidade de progredir e galgar terreno, com mais qualidade tecnica do que aparenta.

Como vêem um gajo grande e robusto fisicamente, há logo o preconceito de o meterem a médio defensivo porque sim... Dêem-lhe asas, não as cortem.
Há jogadores que não enganam. Para o bem e para o mal. Este nunca há-de ser jogador na vida. Tenho a certeza absoluta disso.

E eu tenho a certeza absoluta do contrário  :mrgreen:

Já eu não tenho a certeza de nada.. acho que tem algumas características que o tornam um jogador interessante mas um défice de atitude/concentração competitiva. Não gosto de jogadores africanos ou com raízes africanas por essa razão.. não é burrice nem falta de talento; é algo cultural: interessa mais a imagem, o estilo, do que a prática e a eficácia e isso torna-os incompetentes. Mas como em quase tudo há excepções e jogadores que conseguem mudar a sua atitude.. espero que seja o caso.
Tirando a generalização abusiva e borderline racista, tendo a concordar quase integralmente com o post.

não tem nada de racista... não é uma questão de raça mas sim de cultura.
 
Vai-se perder se continuar a ser aposta a 6, onde se nota que não tem confiança para sair sob pressão.

 A 8, com a chegada à área adversária a pressão aumenta imenso, o espaço para jogar é diminuto, como é que vai ser se a 6 é isso que apontas?
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Esteve muito mal no amigável mas não se torna flop por causa disso. Vejo muito potencial no doumbia, nesta fase está claramente desgastado fisicamente, as pernas dele pesavam o triplo nestes dois jogos,há que ter calma...
 
Vai-se perder se continuar a ser aposta a 6, onde se nota que não tem confiança para sair sob pressão.

 A 8, com a chegada à área adversária a pressão aumenta imenso, o espaço para jogar é diminuto, como é que vai ser se a 6 é isso que apontas?

Uma coisa é receber a bola na zona defensiva, sem poder errar, o que o obriga a jogar para trás e lado(porque anda sem confiança).

Outra coisa é pisar zonas mais ofensivas, onde a liberdade é maior, onde a perda de bola é menos nociva. O Doumbia que jogava na Russia e que a certa altura o levou a mostrar potencial, sabia guardar a bola, sabia progredir com ela, até mesmo aparecer em zonas de finalização. E sabia criar desequilíbrios no adversário, mesmo que isso possa parecer improvável.

Ele é um jogador selvagem, não é um jogador que saiba jogar sob amarras. Ele é um jogador que gosta de jogar de frente, de se dar ao jogo, de ter a bola, não tanto de receber de costas e de passar de imediato ao primeiro toque.


Uma coisa é receber a bola na zona defensiva, sem poder errar, o que o obriga a jogar para trás e lado(porque anda sem confiança).

Outra coisa é pisar zonas mais ofensivas, onde a liberdade é maior, onde a perda de bola é menos nociva. O Doumbia que jogava na Russia e que a certa altura o levou a mostrar potencial, sabia guardar a bola, sabia progredir com ela, até mesmo aparecer em zonas de finalização. E sabia criar desequilíbrios no adversário, mesmo que isso possa parecer improvável.

Ele é um jogador selvagem, não é um jogador que saiba jogar sob amarras. Ele é um jogador que gosta de jogar de frente, de se dar ao jogo, de ter a bola, não tanto de receber de costas e de passar de imediato ao primeiro toque.

 O problema mantém-se, jogar sob pressão e em espaço diminuto. As consequências dos erros são obviamente distintas, contudo de pouco serve um médio 8 que com espaço limitado é incapaz de criar desequilíbrios, de sair com bola e ter visão de jogo. Progredir com bola é bom mas por si só é curto. Um médio 8 tem que ter remate, tem que ser criativo, tem que saber jogar em espaços curtos e sob pressão, tudo características que o Doumbia demonstra imensas dificuldades, isto para um 8 numa equipa como o Sporting onde se assume maioritariamente a iniciativa de jogo. Acho-o curto para 8 na maioria dos jogos, vejo-o mais como um 6, desde que haja apoios, haja organização na construção e depois a confiança. Agora se faltarem apoios no início de construção, qualquer médio terá imensas dificuldades em sair em posse.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp