Um Sporting irreconciliável?

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.



Vivemos no Sporting (e diria mesmo, na sociedade em geral) um ambiente propicio a posições extremadas. Quem quer que tente manter uma posição equilibrada, escutando opiniões de ambos os lados da contenda, tem dificuldades em formar uma opinião, tal a virulência dos argumentos usados por ambas as partes. A questão inevitável tem de ser colocada: estará o Sporting dividido em facções irreconciliáveis, de tal forma que uma ruptura definitiva da sua massa associativa é apenas uma questão de tempo?

Sem entrar em generalizações, usemos o exemplo especifico da próxima assembleia geral do clube, onde os sócios vão decidir a manutenção (ou não ) dos processos de suspensão da condição de associado do anterior presidente e outros sportinguistas a ele ligados. E' espantoso verificar um muito maior apelo à participação nesta AG do que aquele que foi feito, por exemplo, para a ultima assembleia geral de aprovação do orçamento e relatório de contas. Ou seja, a uma parte substancial de sportinguistas parece interessar mais processos de defesa - ou de vingança - referentes a anteriores dirigentes do que algo fundamental para a o bom funcionamento do clube, como é o caso da aprovação do orçamento. O Sporting parece cada vez mais ser algo que fica em segundo plano, qual actor secundário que sucumbe a ódios ou paixões pessoais.

Na próxima assembleia de 15 de Dezembro corre-se o risco de se criar uma cisão mais profunda entre os adeptos do clube. Pior: corre-se o risco de se criar uma ruptura definitiva entre facções de adeptos que têm visões radicalmente opostas sobre o que é o melhor para o Sporting. Eu pertenço a uma dessas facções e reconheço que, bastas vezes, tenho asco de partilhar o clube com alguns dos adeptos que, nesta altura, apoiam a solução de poder que está no Sporting. Mas olhando para aquilo que pode ainda salvar um Sporting de verdadeira dimensão nacional, verifica-se que basta bom-senso e um par de decisões simples para estabelecer algumas pontes que permitam uma possível convivência futura:

- A actual direcção providenciar toda a informação que for requerida relativamente à AG de 23 de Junho, incluindo a leitura da acta e a aprovação da mesma;

- Cancelar de imediato todas as acções disciplinares impostas a um numero de ex-dirigentes, iniciadas pela comissão Monteiro;

- Auditar e dar conhecimento aos sócios das actividades relacionadas com a Comissão interina de gestão e a presidência da SAD, durante a pré-temporada;

Isto são passos simples, de bom-senso e promotores da transparência, que certamente pacificariam o ambiente actual e tornavam o futuro trabalho desta direcção em algo muito mais fácil de executar. Isto, partindo do principio que a actual direcção não tem nada a esconder e que tem os interesses do Sporting como algo de prioritário.

Continuar com esta  autentica perseguição às bruxas, de forma implacável e cega, destruindo qualquer possibilidade de um Sporting unido num futuro próximo, é algo que nem sequer deveria ser equacionado. Ao insistir numa agenda de vingança ou mesmo, em certos sectores mais radicais, de expurgação total de quem apoia ou apoiou o anterior presidente, apenas se contribui para o fim definitivo do clube como o conhecemos.

O que está em questão é muito mais do que uma frustração passageira ou um mero arrufo oposicionista. Para muitos sócios e adeptos o que se está a fazer é literalmente matar a paixão pelo clube e a enveredar por processos de intenção que tornam esses adeptos em "objectos" estranhos ao clube que sempre amaram. Por isso, mais do que apelos de um lado e do outro para que as pessoas se mobilizem para a próxima AG, devia prevalecer o bom-senso e a referida assembleia ser cancelada, pelo simples facto de que a mesma não traz qualquer beneficio ao clube. Assim como os processos que nela vão ser discutidos.

Assim se faça algo que tem sido sucessivamente esquecido nos últimos meses: colocar os interesses do Sporting acima de quaisquer outros.




Minoritariamente...pelo verdadeiro Sporting!

www.facebook.com/The-Hanging-Man-1733378720009340/


Vivemos no Sporting (e diria mesmo, na sociedade em geral) um ambiente propicio a posições extremadas. Quem quer que tente manter uma posição equilibrada, escutando opiniões de ambos os lados da contenda, tem dificuldades em formar uma opinião, tal a virulência dos argumentos usados por ambas as partes. A questão inevitável tem de ser colocada: estará o Sporting dividido em facções irreconciliáveis, de tal forma que uma ruptura definitiva da sua massa associativa é apenas uma questão de tempo?

Sem entrar em generalizações, usemos o exemplo especifico da próxima assembleia geral do clube, onde os sócios vão decidir a manutenção (ou não ) dos processos de suspensão da condição de associado do anterior presidente e outros sportinguistas a ele ligados. E' espantoso verificar um muito maior apelo à participação nesta AG do que aquele que foi feito, por exemplo, para a ultima assembleia geral de aprovação do orçamento e relatório de contas. Ou seja, a uma parte substancial de sportinguistas parece interessar mais processos de defesa - ou de vingança - referentes a anteriores dirigentes do que algo fundamental para a o bom funcionamento do clube, como é o caso da aprovação do orçamento. O Sporting parece cada vez mais ser algo que fica em segundo plano, qual actor secundário que sucumbe a ódios ou paixões pessoais.

Na próxima assembleia de 15 de Dezembro corre-se o risco de se criar uma cisão mais profunda entre os adeptos do clube. Pior: corre-se o risco de se criar uma ruptura definitiva entre facções de adeptos que têm visões radicalmente opostas sobre o que é o melhor para o Sporting. Eu pertenço a uma dessas facções e reconheço que, bastas vezes, tenho asco de partilhar o clube com alguns dos adeptos que, nesta altura, apoiam a solução de poder que está no Sporting. Mas olhando para aquilo que pode ainda salvar um Sporting de verdadeira dimensão nacional, verifica-se que basta bom-senso e um par de decisões simples para estabelecer algumas pontes que permitam uma possível convivência futura:

- A actual direcção providenciar toda a informação que for requerida relativamente à AG de 23 de Junho, incluindo a leitura da acta e a aprovação da mesma;

- Cancelar de imediato todas as acções disciplinares impostas a um numero de ex-dirigentes, iniciadas pela comissão Monteiro;

- Auditar e dar conhecimento aos sócios das actividades relacionadas com a Comissão interina de gestão e a presidência da SAD, durante a pré-temporada;

Isto são passos simples, de bom-senso e promotores da transparência, que certamente pacificariam o ambiente actual e tornavam o futuro trabalho desta direcção em algo muito mais fácil de executar. Isto, partindo do principio que a actual direcção não tem nada a esconder e que tem os interesses do Sporting como algo de prioritário.

Continuar com esta  autentica perseguição às bruxas, de forma implacável e cega, destruindo qualquer possibilidade de um Sporting unido num futuro próximo, é algo que nem sequer deveria ser equacionado. Ao insistir numa agenda de vingança ou mesmo, em certos sectores mais radicais, de expurgação total de quem apoia ou apoiou o anterior presidente, apenas se contribui para o fim definitivo do clube como o conhecemos.

O que está em questão é muito mais do que uma frustração passageira ou um mero arrufo oposicionista. Para muitos sócios e adeptos o que se está a fazer é literalmente matar a paixão pelo clube e a enveredar por processos de intenção que tornam esses adeptos em "objectos" estranhos ao clube que sempre amaram. Por isso, mais do que apelos de um lado e do outro para que as pessoas se mobilizem para a próxima AG, devia prevalecer o bom-senso e a referida assembleia ser cancelada, pelo simples facto de que a mesma não traz qualquer beneficio ao clube. Assim como os processos que nela vão ser discutidos.

Assim se faça algo que tem sido sucessivamente esquecido nos últimos meses: colocar os interesses do Sporting acima de quaisquer outros.

Concordo com 99%.

Agora, parece, lendo o teu post, que é só a direção que tem de tomar medidas apaziguadoras...

Há muitos adeptos que têem sido irresponsáveis e fraturantes, basta olhar aqui para o fórum e vemos resmas. Eu próprio já admiti aqui, que muitas vezes tive pensamentos "separatistas", e quem sabe atitudes. Mas nunca fui força de bloqueio, venerador de personalidades, nunca ganhuei um cêntimo com o Sporting, e tento sempre, mas sempre pensar no bem maior do meu clube.

Isto vai demorar tempo, se é que alguma vez se endireita, mas temos todos de puxar para o mesmo lado, isso é certo.
.l.
A bem da reconciliação, ambos os lados devem ceder. E não so 1 das partes
Em 1º sempre o grande Sporting!!


Vivemos no Sporting (e diria mesmo, na sociedade em geral) um ambiente propicio a posições extremadas. Quem quer que tente manter uma posição equilibrada, escutando opiniões de ambos os lados da contenda, tem dificuldades em formar uma opinião, tal a virulência dos argumentos usados por ambas as partes. A questão inevitável tem de ser colocada: estará o Sporting dividido em facções irreconciliáveis, de tal forma que uma ruptura definitiva da sua massa associativa é apenas uma questão de tempo?

Sem entrar em generalizações, usemos o exemplo especifico da próxima assembleia geral do clube, onde os sócios vão decidir a manutenção (ou não ) dos processos de suspensão da condição de associado do anterior presidente e outros sportinguistas a ele ligados. E' espantoso verificar um muito maior apelo à participação nesta AG do que aquele que foi feito, por exemplo, para a ultima assembleia geral de aprovação do orçamento e relatório de contas. Ou seja, a uma parte substancial de sportinguistas parece interessar mais processos de defesa - ou de vingança - referentes a anteriores dirigentes do que algo fundamental para a o bom funcionamento do clube, como é o caso da aprovação do orçamento. O Sporting parece cada vez mais ser algo que fica em segundo plano, qual actor secundário que sucumbe a ódios ou paixões pessoais.

Na próxima assembleia de 15 de Dezembro corre-se o risco de se criar uma cisão mais profunda entre os adeptos do clube. Pior: corre-se o risco de se criar uma ruptura definitiva entre facções de adeptos que têm visões radicalmente opostas sobre o que é o melhor para o Sporting. Eu pertenço a uma dessas facções e reconheço que, bastas vezes, tenho asco de partilhar o clube com alguns dos adeptos que, nesta altura, apoiam a solução de poder que está no Sporting. Mas olhando para aquilo que pode ainda salvar um Sporting de verdadeira dimensão nacional, verifica-se que basta bom-senso e um par de decisões simples para estabelecer algumas pontes que permitam uma possível convivência futura:

- A actual direcção providenciar toda a informação que for requerida relativamente à AG de 23 de Junho, incluindo a leitura da acta e a aprovação da mesma;

- Cancelar de imediato todas as acções disciplinares impostas a um numero de ex-dirigentes, iniciadas pela comissão Monteiro;

- Auditar e dar conhecimento aos sócios das actividades relacionadas com a Comissão interina de gestão e a presidência da SAD, durante a pré-temporada;

Isto são passos simples, de bom-senso e promotores da transparência, que certamente pacificariam o ambiente actual e tornavam o futuro trabalho desta direcção em algo muito mais fácil de executar. Isto, partindo do principio que a actual direcção não tem nada a esconder e que tem os interesses do Sporting como algo de prioritário.

Continuar com esta  autentica perseguição às bruxas, de forma implacável e cega, destruindo qualquer possibilidade de um Sporting unido num futuro próximo, é algo que nem sequer deveria ser equacionado. Ao insistir numa agenda de vingança ou mesmo, em certos sectores mais radicais, de expurgação total de quem apoia ou apoiou o anterior presidente, apenas se contribui para o fim definitivo do clube como o conhecemos.

O que está em questão é muito mais do que uma frustração passageira ou um mero arrufo oposicionista. Para muitos sócios e adeptos o que se está a fazer é literalmente matar a paixão pelo clube e a enveredar por processos de intenção que tornam esses adeptos em "objectos" estranhos ao clube que sempre amaram. Por isso, mais do que apelos de um lado e do outro para que as pessoas se mobilizem para a próxima AG, devia prevalecer o bom-senso e a referida assembleia ser cancelada, pelo simples facto de que a mesma não traz qualquer beneficio ao clube. Assim como os processos que nela vão ser discutidos.

Assim se faça algo que tem sido sucessivamente esquecido nos últimos meses: colocar os interesses do Sporting acima de quaisquer outros.

Da minha parte o machado de guerra está mais que enterrado.

Tenho a minha opinião que obviamente não mudará, não serei sócio de um projecto que considero que nasceu com base numa golpada subsidiada por interesses, logo não me interessa ter poder opinativo sobre algo que não defendo nem acredito.

Mas certamente que voltarei a ir ao estádio e ao pavilhão com regularidade apoiar única e exclusivamente os atletas do Sporting na condição de adepto.

Tal como as minhas intervenções neste Fórum serão única e exclusivamente sobre atletas e jogos.

SL
“Um grande clube, tão grande como os maiores da Europa.”
Muito obrigada por este texto, @Rasputine.

É isto tudo. Em especial, o parágrafo que destaquei.

Quem ainda não entendeu isto, não entendeu nada.

Para muitos sócios e adeptos o que se está a fazer é literalmente matar a paixão pelo clube e a enveredar por processos de intenção que tornam esses adeptos em "objectos" estranhos ao clube que sempre amaram.
A bem da reconciliação, ambos os lados devem ceder. E não so 1 das partes

Ceder em quê?
"Em vez da Champions, pressuposto tem de ser a Liga Europa" - Salgado Zenha

"Oh mister, um segundo lugar é que era um grande campeonato..." - Luis Duque
A bem da reconciliação, ambos os lados devem ceder. E não so 1 das partes

Antes eles mais, bom texto!

O Rasputine faz 3 consideraçoes, que apenas órgãos sociais do clube podem tomar.

Achas que alguma das 3 é desnecessária, e que portanto os adeptos tem que desistir de uma ou várias delas?

Ou entao achas que os 'adeptos' tem em de ceder em algo? O quê então?

Já agora o que é que são os 'adeptos'? Que entidade colectiva é esta que agora chamas à acção? ... E sim,  é uma pergunta cheia de ratoeiras. O melhor é nem responderes à última pergunta porque só vai causar o extremar de posições.

O @Rasputine faz considerações sobre os órgãos sociais porque são estes que devem agir em nome da união do clube que dizem representar. Ou não. Podem ignorar todos os sinais. E dia 15 saem fortalecidos, ou, com outro banho de contestação.

Se eu fosse OS e tivesse sentido de sobrevivencia, qanto mais de incentivo à união, sei bem o que faria.
A bem da reconciliação, ambos os lados devem ceder. E não so 1 das partes

Ceder em quê?

Em primeiro, os castigos devem ser anulados. Isso ta nas mãos dos sócios dia 15.
Se forem revogados é um passo rumo a acalmar esta escalada de tensão. Mas aos que defendem o ex presidente, pede se que continuem a exigência, mas em modo racional. Não é ir pras AG votar contra tudo pk sim, para quanto pior, melhor.  :hand:

Disponibilizar a ata, é outro passo para normalizar as coisas..
Em 1º sempre o grande Sporting!!
A bem da reconciliação, ambos os lados devem ceder. E não so 1 das partes

Antes eles mais, bom texto!

O Rasputine faz 3 consideraçoes, que apenas órgãos sociais do clube podem tomar.

Achas que alguma das 3 é desnecessária, e que portanto os adeptos tem que desistir de uma ou várias delas?

Ou entao achas que os 'adeptos' tem em de ceder em algo? O quê então?

Já agora o que é que são os 'adeptos'? Que entidade colectiva é esta que agora chamas à acção? ... E sim,  é uma pergunta cheia de ratoeiras. O melhor é nem responderes à última pergunta porque só vai causar o extremar de posições.

O @Rasputine faz considerações sobre os órgãos sociais porque são estes que devem agir em nome da união do clube que dizem representar. Ou não. Podem ignorar todos os sinais. E dia 15 saem fortalecidos, ou, com outro banho de contestação.

Se eu fosse OS e tivesse sentido de sobrevivencia, qanto mais de incentivo à união, sei bem o que faria.

Até estava disposto a debater algum desses pontos contigo, mas ainda antes de eu responder, ja estás a fazer considerações sobre as eventuais respostas. Sendo assim ficas a falar sozinho.
Em 1º sempre o grande Sporting!!
Não há paz sem verdade. Não há futuro srm memória.

A única cedência possível é querer e apoiar sempre as vitórias do Sporting nos campos onde entra, seja com quem for e sem subserviências.Mas também não me venham com a lógica de "o que interessa é que a bola entre", isso é conversa de lampião. Quero ganhar sim sempre mesmo com o Varandas a Presidente, mas sem esquemas.

Depois não serei força de bloqueio a medidas que defendam e engrandeçam o Clube. Ainda bem que o orçamento foi aprovado, é um exemplo do que deve ser feito.

Tudo o resto, como apoio a golpistas, deturpadores, manipuladores, corruptos que fizeram de todo para ganhar o poder jamais poderão ser apoiados. Bem como todos aqueles que com gestão danosa iam destruindo o Clube. A única cedência possível é defender os intereses do Sporting Clube de Portugal acima de quaisquer outros e por consequência não posso jamais votar ou apoiar nos dirigentes actuais.

Venha quem vier o Sporting tem de ser encarado como um Clube desportivo que dá tudo por tudo (dentro da legalidade) para ser campeão, não posso ceder a pessoas que apenas procuram estar no seu cantinho a dizer que somos diferentes e não levantamos ondas, sendo por consequência coniventes com esta podridão que assola o desporto em Portugal.
« Última modificação: Dezembro 05, 2018, 10:16 am por Sir_dinhas »
Bom dia, caros Sportinguistas

Só faz sentido discutir os pontos da AG de dia 15/12 assim que for formalmente provada CULPA de BdC na invasão a Alcochete, todos os outros argumentos são vazios e justificados por quem queria defender acima de tudo o Sporting Clube de Portugal, estando debaixo de um ataque cerrado, sem precedentes, quer do exterior quer sobretudo de dentro.

SL
GARRA
Isto é mais um desabafo que outra coisa...

Sou suspeito na opinião, porque apoio o Sporting raçudo destes últimos 5 anos, que me "habituou mal".
A imprensa vermelha conseguiu dividir o clube, e com sucesso, tal é a fragilidade de um clube que não ganha muitas vezes.
Quando andas em primeiro e/ou acabas em primeiro, as gentes esquecem-se dos problemas.


E vejo uma grande teimosia de ambas as partes:

- Um lado, o meu, que ficou muito "mal habituado" nestes 5 anos. Principalmente a minha geração que só se lembra de 2 campeonatos ganhos (e demasiado próximos um do outro), e uma tacitas secundárias pelo meio.
E eu nasci em 81. Estava e ainda estou habituado a ser o "terceiro" à demasiado tempo.
Habituei-me a isto durante muitos anos, e tive um rasgo do que poderia ser nestes últimos 5 anos. Parecia um clube diferente, e no final dos 5 a outra metade da massa adepta voltou a puxar o clube para onde esteve. A meu ver, claro.
Quero me enganar tanto, mas tanto, mas não vejo um único sinal disso mesmo.

- O outro lado, os adeptos que não se querem "maçar". Que não gostam das bocas porque não conseguem argumentar contra um velho qq num café, ou aquele colega no trabalho. Que não querem ver o seu clube falado na TV, exceptuando nas vitórias, vendas e contratações.
Os adeptos do Sporting "digno e elegante". O clube de "elite" que se lembram quando tínhamos TV a preto e branco.
Os adeptos que se assustam com a diferença. Com a gestão mais rude e feroz.
Não estão para se chatear. Querem é o senhor de gravata que fala pouco, e que, supostamente, trabalha muito para o clube. O género de adepto que aprecia o estilo do Sousa Cintra. O tio/avô simpático, que não percebe um cu de futebol, mas está sempre com ar sorridente, e ás vezes dá um ralhete pro ar, para dar a entender que ainda manda em qualquer coisa lá em casa.
Quando a coisa falha e vêem mais milhões de prejuízo, estádios mais vazios, menos paixão, trocam por outro igual, e voltam ao Sporting do "pró ano é que é". E é este o ciclo onde estes adeptos deambulam. Continuam atrás dos outros, mas são "diferentes." E lá isso são. São mesmo diferentes.

Eu não quero ser diferente. Já o fui durante muitos anos.
Quero ser como os outros e andar a bater-se olhos nos olhos com um Real Madrid e Juventus, como vimos muito recentemente.
Quero ver um Chelsea do Mourinho a penar em Alvalade para marcar um golo que seja.
Quero ver os adeptos a ir jogar contra os Valmoinhos e os Qaravalhabags desta vida e dizerem "menos de 4 ou 5" é derrota.
Quero um leão com "testículos de ferro" (Duke Nukem, prá malta da minha geração), que vai á caça.
Não quero o leão que se deita e vai rodando deitado durante o dia, para se manter na sua sombra segura.

<mini desabafo>

... fds é assim tão difícil sermos mais exigentes? Quando os meninos perdiam, andavam a dizer que eles ganham milhões, deviam jogar mais e tal... mas se um presidente disser exactamente o mesmo que vocês dizem em casa e no café, já é um crime hediondo, para exigir a destituição??? "Ai mas ele é o presidente, não devia dizer estas coisas..."... hipócritas de m... Falta-vos pele rija. Desculpem o desabafo mas é mesmo assim. Vêem a imprensa e comentadores vermelhos contra o vosso presidente e escolhem o lado deles?? Isto cabe na cabeça de alguém?
Fds que adeptos temos afinal... um bando de meninos assustados, ou leões com fome de vitórias?

</fim de desabafo>

Penso que ambos os lados querem o sucesso do clube, e é onde se encontram os pontos de concordância e permite que o clube não morra. De resto é complicado unir os que querem sempre mais e mais, e os que gostam de ficar no seu "safe space".
As merdinhas dos Facebooks, para mim não são argumentos. Podem ser para adolescentes histéricas e inseguras, mas estamos a falar de um desporto de gente adulta. Foquem-se no sucesso e menos em palha pra burro comer.
E não... nem ganhando um campeonato ou uma CL resolve o problema de fundo deste clube.

No Sporting ou és cavalheiro, ou és um guerreiro.
Escolhe o teu lado de uma vez por todas. O resto é palha.



p.s.: aos sportinguistas elegantes, vocês quando estão com as vossas mulheres, fazem sempre "o amor", ou ás vezes gostam de mandar uma f$%& valentes? Pedem sempre licença á vossa mais que tudo e marcam as datas no calendário para fazer "o amor"? Quase que apostava que sim.
« Última modificação: Dezembro 05, 2018, 12:10 pm por simoes »
"Uma academia com cabeça, membros e pernas... err, troncos e per..."
"Ontem deitei, dormi, e depois acordei."
"Faltam 45m... err a segunda parte, triumminutos."
Eu já o disse aqui e volto a dizer, infelizmente em minha opinião este clube já não tem salvação, claro que a esperança é a última a morrer mas para mim já morreu mesmo.

Sempre serei do Sporting e sempre acompanharei a vida deste clube com a dedicação que a disponibilidade o permitir, não sou sócio e sinceramente da maneira como as coisas estão jamais serei.

Irei sempre torçer por vitórias mesmo que não acredite nelas, irei sempre ligar a stream para ver o jogo por muito mal que joguemos.

Em relação às facções acho que jamais se irão entender e jamais se irão unir em prol do Sporting, acho que a caça às bruxas jamais irá terminar.

Esta direção já devia ter deixado cair os processos de suspensão/expulsão a sócios. Esta direção já devia ter tomado na praça pública uma posição forte e inequivoca de defesa do clube e seus profissionais actuais ou anteriores. Esta direção devia estar a ter um papel muito mais activo do que aquele que está a ter na condenação dos nossos rivais por corrupção e que tanto mal nos têm feito.

Mas não é certamente a abrir as portas das AG's à CS (NB) e a avançar com AG's para expulsão de sócios que lá vamos.
Ponto 1 Sporting sempre.
Ponto 2 não darei descanso até ser reposta a verdade.
Não há paz sem verdade. Não há futuro srm memória.

A única cedência possível é querer e apoiar sempre as vitórias do Sporting nos campos onde entra, seja com quem for e sem subserviências.Mas também não me venham com a lógica de "o que interessa é que a bola entre", isso é conversa de lampião. Quero ganhar sim sempre mesmo com o Varandas a Presidente, mas sem esquemas.

Depois não serei força de bloqueio a medidas que defendam e engrandeçam o Clube. Ainda bem que o orçamento foi aprovado, é um exemplo do que deve ser feito.

Tudo o resto, como apoio a golpistas, deturpadores, manipuladores, corruptos que fizeram de todo para ganhar o poder jamais poderão ser apoiados. Bem como todos aqueles que com gestão danosa iam destruindo o Clube. A única cedência possível é defender os intereses do Sporting Clube de Portugal acima de quaisquer outros e por consequência não posso jamais votar ou apoiar nos dirigentes actuais.

Venha quem vier o Sporting tem de ser encarado como um Clube desportivo que dá tudo por tudo (dentro da legalidade) para ser campeão, não posso ceder a pessoas que apenas procuram estar no seu cantinho a dizer que somos diferentes e não levantamos ondas, sendo por consequência coniventes com esta podridão que assola o desporto em Portugal.


@Bravo leao , este forista fez o favor de escrever exactamente o que pensei quando te coloquei aquela questão, em particular o negrito.

Ok, a parte do aprovar o orçamento temos ideias um pouco diferentes, e talvez estivesse eu a ser extremista de mais. :angel:
« Última modificação: Dezembro 05, 2018, 16:42 pm por sportius »
"Em vez da Champions, pressuposto tem de ser a Liga Europa" - Salgado Zenha

"Oh mister, um segundo lugar é que era um grande campeonato..." - Luis Duque
Bom post.

Irreconciliável não é. Pelo contrário, se bem que paz total é impossível ou é uma quimera.
Mas o que está em causa são cisões profundíssimas e não uma paz podre, falsa, etc.

Para uma pacificação, basta querer e quem tem de querer é quem manda.
E quem manda tem feito tudo, sempre, para cavar mais e mais o fosso existente.

Portanto, é para já impossível. Neste momento, o SCP é irreconciliável
Por mim, é na boa!
"Quem, ali do outro lado, tinha definido o ataque ao Benfica como principal instrumento da sua promoção individual, foi corrido pelos que achava serem seus. Espero que este gesto seja o princípio de uma regularização da vivência institucional que deve caracterizar os maiores clubes nacionais" (Luís Filipe Vieira, presidente de SAD acusada de vários crimes no E-Toupeira, explica, a 28-09-2018, o papel de Marta Soares, Henrique Monteiro, Torres Pereira, Sousa Cintra e G71).
Não há paz sem verdade. Não há futuro srm memória.

A única cedência possível é querer e apoiar sempre as vitórias do Sporting nos campos onde entra, seja com quem for e sem subserviências.Mas também não me venham com a lógica de "o que interessa é que a bola entre", isso é conversa de lampião. Quero ganhar sim sempre mesmo com o Varandas a Presidente, mas sem esquemas.

Depois não serei força de bloqueio a medidas que defendam e engrandeçam o Clube. Ainda bem que o orçamento foi aprovado, é um exemplo do que deve ser feito.

Tudo o resto, como apoio a golpistas, deturpadores, manipuladores, corruptos que fizeram de todo para ganhar o poder jamais poderão ser apoiados. Bem como todos aqueles que com gestão danosa iam destruindo o Clube. A única cedência possível é defender os intereses do Sporting Clube de Portugal acima de quaisquer outros e por consequência não posso jamais votar ou apoiar nos dirigentes actuais.

Venha quem vier o Sporting tem de ser encarado como um Clube desportivo que dá tudo por tudo (dentro da legalidade) para ser campeão, não posso ceder a pessoas que apenas procuram estar no seu cantinho a dizer que somos diferentes e não levantamos ondas, sendo por consequência coniventes com esta podridão que assola o desporto em Portugal.


@Bravo leao , este forista fez o favor de escrever exactamente o que pensei quando te coloquei aquela questão, em particular o negrito.

Ok, a parte do aprovar o orçamento temos ideias um pouco diferentes, e talvez estivesse eu a ser extremista de mais. :angel:

Se os castigos forem revogados, e a tal ata for divulgada (vá ja nem digo lê la integralmente numa AG) penso que essa dita justiça será reposta.
Em 1º sempre o grande Sporting!!
Não há paz sem verdade. Não há futuro srm memória.

A única cedência possível é querer e apoiar sempre as vitórias do Sporting nos campos onde entra, seja com quem for e sem subserviências.Mas também não me venham com a lógica de "o que interessa é que a bola entre", isso é conversa de lampião. Quero ganhar sim sempre mesmo com o Varandas a Presidente, mas sem esquemas.

Depois não serei força de bloqueio a medidas que defendam e engrandeçam o Clube. Ainda bem que o orçamento foi aprovado, é um exemplo do que deve ser feito.

Tudo o resto, como apoio a golpistas, deturpadores, manipuladores, corruptos que fizeram de todo para ganhar o poder jamais poderão ser apoiados. Bem como todos aqueles que com gestão danosa iam destruindo o Clube. A única cedência possível é defender os intereses do Sporting Clube de Portugal acima de quaisquer outros e por consequência não posso jamais votar ou apoiar nos dirigentes actuais.

Venha quem vier o Sporting tem de ser encarado como um Clube desportivo que dá tudo por tudo (dentro da legalidade) para ser campeão, não posso ceder a pessoas que apenas procuram estar no seu cantinho a dizer que somos diferentes e não levantamos ondas, sendo por consequência coniventes com esta podridão que assola o desporto em Portugal.


@Bravo leao , este forista fez o favor de escrever exactamente o que pensei quando te coloquei aquela questão, em particular o negrito.

Ok, a parte do aprovar o orçamento temos ideias um pouco diferentes, e talvez estivesse eu a ser extremista de mais. :angel:

Se os castigos forem revogados, e a tal ata for divulgada (vá ja nem digo lê la integralmente numa AG) penso que essa dita justiça será reposta.

Não iria tão longe nessa afirmação, mas era um grande passo, sem dúvida.
"Em vez da Champions, pressuposto tem de ser a Liga Europa" - Salgado Zenha

"Oh mister, um segundo lugar é que era um grande campeonato..." - Luis Duque
@Rasputine , come pensei, era em vão. Mais depressa interpretavam essa mensagem como fraqueza do que como oportunidade. Está inculcado na forma de ser e de estar.
Não é irreconciliável, mas sim irreconhecível.
Os 5 anos foram uma excepção à regra. Eles estão de volta, com regras próprias, com a utilização de meios oficiais para perseguirem as pessoas, com o reescrever da história, e com a distribuição de holofotes e tachos. Os sócios, há uns que os são mais do que outros, depende de que finalidade servem, senão são elemento decorativo para legitimarem cenários pré-determinados.
Louvo-te o texto, a visão, e a boa vontade.
Uma raridade em vias de extinção, que não tem mais lugar na instituição.
"If you can survive disappointment, nothing can beat you."

(...) But my dreams have been stolen away.