Um Sporting irreconciliável?

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Tentanto ser frio na análise acho que o Sporting é totalmente irreconciliável.
Num lado da barricada temos um grupo que defende um Sporting elitista que cumprimenta o adversário na derrota, que vibra moderadamente as vitórias e chateia-se pouco com as derrotas. Acima de tudo pretendem um clube diferente de Porto e Benfica no comportamento, forma de estar, relacionamento e ambição. Um clube de convivio em que os resultados são totalmente irrelevantes e o que realmente interessa é ter um clube que seja uma especie de associação recreativa de convivio em que os barões podem fazer as sua jantaradas e as suas festas de arromba no meio da prática desportiva. Para esta facção o Sporting é apenas e só um clube desportivo e não mais do que isso. Veem o clube de uma forma muito particular e não percebem a outra franja de adeptos considerando-os fanáticos, labregos e indignos de um clube elitista e exclusivo como o Sporting.
Do outro lado temos uma fracção que quer ganhar a todo o custo em Portugal e na Europa. Pretende um clube em que só a vitória interessa e com uma ambição desportiva idêntica a Porto e Benfica. É uma facção pouco elitista que acha que o Sporting deve ter uma dimensão que ultrapasse qualquer classe social. Como é ambiciosa é a que mais vibra nas vitórias e a que mais contesta as derrota. No entanto está farta de perder. Está farta de ver os outros no marquês e nos aliados que associados aos anos de constante humilhação está recalcada e é muito pouco tolerante com a derrota. Como habitualmente não se encontra no poder tem um ódio de morte à outra facção que considera responsavél pela falta de visão e insucesso desportivo do clube.
Subscrevo

Enviado do meu M503 através do Tapatalk

Tentanto ser frio na análise acho que o Sporting é totalmente irreconciliável.
Num lado da barricada temos um grupo que defende um Sporting elitista que cumprimenta o adversário na derrota, que vibra moderadamente as vitórias e chateia-se pouco com as derrotas. Acima de tudo pretendem um clube diferente de Porto e Benfica no comportamento, forma de estar, relacionamento e ambição. Um clube de convivio em que os resultados são totalmente irrelevantes e o que realmente interessa é ter um clube que seja uma especie de associação recreativa de convivio em que os barões podem fazer as sua jantaradas e as suas festas de arromba no meio da prática desportiva. Para esta facção o Sporting é apenas e só um clube desportivo e não mais do que isso. Veem o clube de uma forma muito particular e não percebem a outra franja de adeptos considerando-os fanáticos, labregos e indignos de um clube elitista e exclusivo como o Sporting.
Do outro lado temos uma fracção que quer ganhar a todo o custo em Portugal e na Europa. Pretende um clube em que só a vitória interessa e com uma ambição desportiva idêntica a Porto e Benfica. É uma facção pouco elitista que acha que o Sporting deve ter uma dimensão que ultrapasse qualquer classe social. Como é ambiciosa é a que mais vibra nas vitórias e a que mais contesta as derrota. No entanto está farta de perder. Está farta de ver os outros no marquês e nos aliados que associados aos anos de constante humilhação está recalcada e é muito pouco tolerante com a derrota. Como habitualmente não se encontra no poder tem um ódio de morte à outra facção que considera responsavél pela falta de visão e insucesso desportivo do clube.

É mesmo assim. A diferença para 2013 é que nao ha um percepicio que chame os Sportinguistas á razao.

Vai ser delapidar ate mais nao. Depois vendem a SAD, e vai dar mais uns anos a lavar dinheiro do Sobrinho. Quando daqui por 50 anos, se ainda existir o clube, este recupar a marca, nao vai haver nada pra trabalhar.


Entendam de uma vez que é a morte do Sporting.

Lembram-me a cena de Cloud Atlas... Os Sócios do Sporting sao assim, caminham com decoro e orgulho para a aniquilaçao:



« Última modificação: Janeiro 14, 2019, 13:17 pm por Cisito »
Em terra de olho, quem tem cego... Errei!
Tentanto ser frio na análise acho que o Sporting é totalmente irreconciliável.
Num lado da barricada temos um grupo que defende um Sporting elitista que cumprimenta o adversário na derrota, que vibra moderadamente as vitórias e chateia-se pouco com as derrotas. Acima de tudo pretendem um clube diferente de Porto e Benfica no comportamento, forma de estar, relacionamento e ambição. Um clube de convivio em que os resultados são totalmente irrelevantes e o que realmente interessa é ter um clube que seja uma especie de associação recreativa de convivio em que os barões podem fazer as sua jantaradas e as suas festas de arromba no meio da prática desportiva. Para esta facção o Sporting é apenas e só um clube desportivo e não mais do que isso. Veem o clube de uma forma muito particular e não percebem a outra franja de adeptos considerando-os fanáticos, labregos e indignos de um clube elitista e exclusivo como o Sporting.
Do outro lado temos uma fracção que quer ganhar a todo o custo em Portugal e na Europa. Pretende um clube em que só a vitória interessa e com uma ambição desportiva idêntica a Porto e Benfica. É uma facção pouco elitista que acha que o Sporting deve ter uma dimensão que ultrapasse qualquer classe social. Como é ambiciosa é a que mais vibra nas vitórias e a que mais contesta as derrota. No entanto está farta de perder. Está farta de ver os outros no marquês e nos aliados que associados aos anos de constante humilhação está recalcada e é muito pouco tolerante com a derrota. Como habitualmente não se encontra no poder tem um ódio de morte à outra facção que considera responsavél pela falta de visão e insucesso desportivo do clube.

Comporta alguma verdade..., mas não escapa à falácia lógica do Falso Dilema.
"É fraqueza entre ovelhas ser Leão." (Lusíadas, I-68)