Marcel Keizer - Treinador do Sporting Clube de Portugal

Luismcaiixinha, bagoias e 3 Visitantes estão a ver este tópico.

Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

 :arrow: :arrow: :arrow:

Acrescente-se que a nossa organização defensiva esteve longe de ser um suprassumo. O que valeu foram as exibições dos centrais (principalmente do Mathieu mas o Coates também esteve concentrado pese embora com alguns passes que lhe podiam ter corrido mal). Eu acho é que o homem não abdicou da sua filosofia. O efeito surpresa desapareceu e agora sim assistimos ao verdadeiro Keizerball: o que promove péssimas convocatórias ou substituições disparatadas e tardias.
Realmente seria bom demais encontrar um treinador assim tão espetacular que andava perdido nas Arábias, que anteriormente tinha sido despedido do Ajax e sem troféus para apresentar.
MORTE AOS CROQUETES!!
PIORES QUE LAMPIÕES!!
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.
Isto é a morte do artista. É uma versão melhorada do Torsiglieri, mas para um Sporting campeão não chega.

"All the people that was rooting on me to fail, at the end of the day they have to wake up tomorrow and have the same life that they had before they woke up today," James said. | "Lebron is not as good as Michael Jordan ? C´mon! Lebron is in a class by himself!" O.Robertson said.
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.

Se ele não sabia da falta de capacidade do Dost nestes jogos...estudasse. É para isso que está lá uma estrutura de futebol, para o ajudar. Não se preocupou em ver jogos passados do Dost? Nem digo de outros anos, que tal ver o jogo do Dost na Luz ou na Pedreira já esta época? Convinha vir preparado para o papel que vai desempenhar. Mas isso posso ser eu que agora ando numa rebarba do c****** de FM e tenho a mania que sou o Jurgen Klopp da Capital.

Para o lugar do Gudelj? Tudo menos ele. O Mathieu adaptado a trinco era melhor,  só para tu veres. Mas o ideal, "ideal" como quem diz não é, era jogar o Petrovic, sim. Tem feito mais por isso que o pastelão Gudelj.

Eu por mim despedia-o por várias razões, sendo que o "não arranjar um predestinado" não pode nunca ser uma razão para não o despedir. Se começas assim...o caldo já está entornado.

As razões são simples:

1. Falta de cabeça própria. Está a deixar-se levar por quem lhe anda a f**** o juízo com a vertente defensiva, ao ponto de cagar de alto nas suas próprias ideias e maneira de ver o futebol para satisfazer quem manda. Se quem manda queria mandar nas decisões técnicas também, então fazia como faz na presidência, arranjava um fantoche.

2. Eu sempre defendi contratar um treinador estrangeiro. Mas tinha que ser bom. Se fosse um treinador estrangeiro "da loja dos 300", ao fim de pouco tempo o "chico espertismo" vigente no Tugão ia mastigá-lo com gosto e cuspi-lo para fora, bem rapidamente. É o que está a acontecer.

3. Em vez de ver evolução na equipa, vejo regressão. Isto para mim é o mais importante e preocupante. E seria provavelmente a principal razão para o despedir. Eu estava plenamente à espera de dificuldades iniciais, se calhar até 1 mês, 1 mês e meio, de resultados "all over the place". Agora quando devia estar a estabilizar, a passar a sua mensagem, as suas ideias, é que a equipa começa a jogar à Peseiro outra vez? Na na. Algo está mal aqui. E isso é culpa do treinador. Ou as ideias não prestam, ou ele não as sabe operacionalizar, isso já não me diz respeito.

4. As opções ridículas que continua a tomar. Dignas de Jorge Jesus. São opções de casmurrice pura e dura a fazer lembrar Jorge Jesus.
Miguel Luís vai de titularíssimo, ao banco, a nem convocado.
Diaby, Gudelj e Bruno Gaspar continuam a somar minutos atrás de minutos quando não têm produzido nada. Nada! Zero! Alguns têm produzido menos que 0, ou seja, têm produzido...para as outras equipas. Tipo o Diaby.
A rábula da não convocatória do Luiz Phellype para Tondela para mim ainda aqui está atravessada. Não convoca o homem "porque veio da 2ª", isto quando ele tem mais de 50 jogos na 1ª Liga. Mas pior, não o convoca quando a principal opção ofensiva está lesionada, a 2ª opção vem de 1 mês e tal parado (e ainda lesionado pelos vistos) e prefere adaptar um dos gajos que lá tem à posição. E nem é adaptar um dos bons. Não. É adaptar um dos cepos...que é para garantir que ele mesmo em cenário de lesões continua a jogar. O gajo é um barrote com olhos, mas joga sempre. Lesões, castigos, whatever, ele joga sempre. É sempre opção. Mas ainda pior, c******! Não convoca o homem porque supostamente tinha opções ofensivas que chegue, para depois aos 60 e tal minutos andar com o André Pinto e o Coates adaptados a pontas-de-lança. Olha, vai gozar com o c******, tabem? É o que apetece dizer a um gajo destes.

5. As substituições e o paleio no pós-jogo de hoje.

Situação: 4º lugar a 8 pontos do 1º lugar. Defrontas o líder nessa situação, portanto, primeiro pensamento? Temos que jogar para ganhar porque estamos a correr atrás do prejuízo. Só há duas hipóteses, ou se ganha, ou se vence. Não há mais nada a fazer.
Mas o nosso treinador não. Preferiu montar a equipa para "o pontinho" e lá conseguiu. Entretanto, mais um jornada passou e continuas a 8 do 1º lugar. Mas pior, agora já estás a 3 do 2º.
A certa altura a equipa do Porto parecia que podia perder o norte, com a saída forçada do Danilo, meio-campo desguarnecido e podíamos tentar forçar a barra toda nos últimos minutos. Impunha-se lançar o Luiz Phellype para os últimos minutos e pressionar o Porto com tudo. Mas não, sai Wendel...entra Petrovic. Jogar para o empate. Tive pena, a sério, que não tivesse perdido. Que é o que os treinadores merecem quando encaram os jogos dessa forma.
Mas ainda pior foi fazer a 1ª substituição "táctica" aos 80 minutos. Extremo por extremo. Sai o gajo que já tinha 80 minutos a mais nas pernas do que devia ter.

São estas razões claras e objectivas para o despedir.

Quem contrataria? Neste momento preferia o Silas. Um gajo jovem, para iniciar um projecto sólido, com aposta numa equipa jovem e para jogar futebol. Que conheça o plantel e as suas características, que seja capaz de montar um belo grupo de jogadores e um gajo a quem cada derrota, cada ponto perdido, sei que vai custar muito. Porque sente-o como nós. Neste momento, isso é importante. Outrora não achava, mas hoje em dia, com a falta de liderança que grassa no Clube, acho importante.
Seja de que maneira for: tenho a certeza absoluta que Marcel Keizer não vai ser treinador do Sporting para a época desportiva 2019/2020.

Aliás, vou já meter esta frase na assinatura para poder ser quotado mais tarde.
Ninguém se magoou é o que é mais importante, o que importa é participar, o crónico está de volta, obrigado Varandas.

#ComCabeçaTroncoEpernas
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.

Se ele não sabia da falta de capacidade do Dost nestes jogos...estudasse. É para isso que está lá uma estrutura de futebol, para o ajudar. Não se preocupou em ver jogos passados do Dost? Nem digo de outros anos, que tal ver o jogo do Dost na Luz ou na Pedreira já esta época? Convinha vir preparado para o papel que vai desempenhar. Mas isso posso ser eu que agora ando numa rebarba do c****** de FM e tenho a mania que sou o Jurgen Klopp da Capital.

Para o lugar do Gudelj? Tudo menos ele. O Mathieu adaptado a trinco era melhor,  só para tu veres. Mas o ideal, "ideal" como quem diz não é, era jogar o Petrovic, sim. Tem feito mais por isso que o pastelão Gudelj.

Eu por mim despedia-o por várias razões, sendo que o "não arranjar um predestinado" não pode nunca ser uma razão para não o despedir. Se começas assim...o caldo já está entornado.

As razões são simples:

1. Falta de cabeça própria. Está a deixar-se levar por quem lhe anda a f**** o juízo com a vertente defensiva, ao ponto de cagar de alto nas suas próprias ideias e maneira de ver o futebol para satisfazer quem manda. Se quem manda queria mandar nas decisões técnicas também, então fazia como faz na presidência, arranjava um fantoche.

2. Eu sempre defendi contratar um treinador estrangeiro. Mas tinha que ser bom. Se fosse um treinador estrangeiro "da loja dos 300", ao fim de pouco tempo o "chico espertismo" vigente no Tugão ia mastigá-lo com gosto e cuspi-lo para fora, bem rapidamente. É o que está a acontecer.

3. Em vez de ver evolução na equipa, vejo regressão. Isto para mim é o mais importante e preocupante. E seria provavelmente a principal razão para o despedir. Eu estava plenamente à espera de dificuldades iniciais, se calhar até 1 mês, 1 mês e meio, de resultados "all over the place". Agora quando devia estar a estabilizar, a passar a sua mensagem, as suas ideias, é que a equipa começa a jogar à Peseiro outra vez? Na na. Algo está mal aqui. E isso é culpa do treinador. Ou as ideias não prestam, ou ele não as sabe operacionalizar, isso já não me diz respeito.

4. As opções ridículas que continua a tomar. Dignas de Jorge Jesus. São opções de casmurrice pura e dura a fazer lembrar Jorge Jesus.
Miguel Luís vai de titularíssimo, ao banco, a nem convocado.
Diaby, Gudelj e Bruno Gaspar continuam a somar minutos atrás de minutos quando não têm produzido nada. Nada! Zero! Alguns têm produzido menos que 0, ou seja, têm produzido...para as outras equipas. Tipo o Diaby.
A rábula da não convocatória do Luiz Phellype para Tondela para mim ainda aqui está atravessada. Não convoca o homem "porque veio da 2ª", isto quando ele tem mais de 50 jogos na 1ª Liga. Mas pior, não o convoca quando a principal opção ofensiva está lesionada, a 2ª opção vem de 1 mês e tal parado (e ainda lesionado pelos vistos) e prefere adaptar um dos gajos que lá tem à posição. E nem é adaptar um dos bons. Não. É adaptar um dos cepos...que é para garantir que ele mesmo em cenário de lesões continua a jogar. O gajo é um barrote com olhos, mas joga sempre. Lesões, castigos, whatever, ele joga sempre. É sempre opção. Mas ainda pior, c******! Não convoca o homem porque supostamente tinha opções ofensivas que chegue, para depois aos 60 e tal minutos andar com o André Pinto e o Coates adaptados a pontas-de-lança. Olha, vai gozar com o c******, tabem? É o que apetece dizer a um gajo destes.

5. As substituições e o paleio no pós-jogo de hoje.

Situação: 4º lugar a 8 pontos do 1º lugar. Defrontas o líder nessa situação, portanto, primeiro pensamento? Temos que jogar para ganhar porque estamos a correr atrás do prejuízo. Só há duas hipóteses, ou se ganha, ou se vence. Não há mais nada a fazer.
Mas o nosso treinador não. Preferiu montar a equipa para "o pontinho" e lá conseguiu. Entretanto, mais um jornada passou e continuas a 8 do 1º lugar. Mas pior, agora já estás a 3 do 2º.
A certa altura a equipa do Porto parecia que podia perder o norte, com a saída forçada do Danilo, meio-campo desguarnecido e podíamos tentar forçar a barra toda nos últimos minutos. Impunha-se lançar o Luiz Phellype para os últimos minutos e pressionar o Porto com tudo. Mas não, sai Wendel...entra Petrovic. Jogar para o empate. Tive pena, a sério, que não tivesse perdido. Que é o que os treinadores merecem quando encaram os jogos dessa forma.
Mas ainda pior foi fazer a 1ª substituição "táctica" aos 80 minutos. Extremo por extremo. Sai o gajo que já tinha 80 minutos a mais nas pernas do que devia ter.

São estas razões claras e objectivas para o despedir.

Quem contrataria? Neste momento preferia o Silas. Um gajo jovem, para iniciar um projecto sólido, com aposta numa equipa jovem e para jogar futebol. Que conheça o plantel e as suas características, que seja capaz de montar um belo grupo de jogadores e um gajo a quem cada derrota, cada ponto perdido, sei que vai custar muito. Porque sente-o como nós. Neste momento, isso é importante. Outrora não achava, mas hoje em dia, com a falta de liderança que grassa no Clube, acho importante.

Esqueci-me de acrescentar uma cena oh @KingJames.

A questão das expectativas. Tu fazes-me lembrar um médico que agora está muito em voga, o excelentíssimo Dr. António Peças. O valente filho da p*** que achou que não valia a pena um esforço extra para tentar salvar a vida duma mulher de 37 anos, porque para ele a gaja já tava morta. Porque estava no "quentinho" do seu "ninho" e agora ter que sair para andar de helicóptero, ver sangue, etc, era uma chatice do c******.

Ou seja, se as expectativas estão baixas, é deixar andar então, é isso?

Se formos ao 2º lugar, por milagre, é dia de Marquês?
Se formos ao 3º lugar é dia de jantarada e "não ficar muito chateado"?
Se ficarmos em 4º lugar é dia de "reconhecer o mérito do grande Braga" e ficar assim só ligeiramente aziado, daquelas coisas que passado 1 hora já ninguém se recorda?
Se ficarmos abaixo disso devemos ficar seriamente transtornados. Sendo que a quantidade de dias de transtorno deve ser calculada com base numa equação que tenha em conta o lugar na Liga e estabeleça uma proporção. Do género, ficar em 5º dá direito a 1 de transtorno. Depois por cada lugar abaixo disso acrescentamos mais um dia.
Se descermos de divisão, então aí sim, deve haver revolta mais séria. Tipo juntarem-se à porta do edifício da SAD, organizados com a CMTV e ter um deficiente qualquer aos gritos "acabou-se a medicina em Alvalade!".
Seja de que maneira for: tenho a certeza absoluta que Marcel Keizer não vai ser treinador do Sporting para a época desportiva 2019/2020.

Aliás, vou já meter esta frase na assinatura para poder ser quotado mais tarde.
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.

Se ele não sabia da falta de capacidade do Dost nestes jogos...estudasse. É para isso que está lá uma estrutura de futebol, para o ajudar. Não se preocupou em ver jogos passados do Dost? Nem digo de outros anos, que tal ver o jogo do Dost na Luz ou na Pedreira já esta época? Convinha vir preparado para o papel que vai desempenhar. Mas isso posso ser eu que agora ando numa rebarba do c****** de FM e tenho a mania que sou o Jurgen Klopp da Capital.

Para o lugar do Gudelj? Tudo menos ele. O Mathieu adaptado a trinco era melhor,  só para tu veres. Mas o ideal, "ideal" como quem diz não é, era jogar o Petrovic, sim. Tem feito mais por isso que o pastelão Gudelj.

Eu por mim despedia-o por várias razões, sendo que o "não arranjar um predestinado" não pode nunca ser uma razão para não o despedir. Se começas assim...o caldo já está entornado.

As razões são simples:

1. Falta de cabeça própria. Está a deixar-se levar por quem lhe anda a f**** o juízo com a vertente defensiva, ao ponto de cagar de alto nas suas próprias ideias e maneira de ver o futebol para satisfazer quem manda. Se quem manda queria mandar nas decisões técnicas também, então fazia como faz na presidência, arranjava um fantoche.

2. Eu sempre defendi contratar um treinador estrangeiro. Mas tinha que ser bom. Se fosse um treinador estrangeiro "da loja dos 300", ao fim de pouco tempo o "chico espertismo" vigente no Tugão ia mastigá-lo com gosto e cuspi-lo para fora, bem rapidamente. É o que está a acontecer.

3. Em vez de ver evolução na equipa, vejo regressão. Isto para mim é o mais importante e preocupante. E seria provavelmente a principal razão para o despedir. Eu estava plenamente à espera de dificuldades iniciais, se calhar até 1 mês, 1 mês e meio, de resultados "all over the place". Agora quando devia estar a estabilizar, a passar a sua mensagem, as suas ideias, é que a equipa começa a jogar à Peseiro outra vez? Na na. Algo está mal aqui. E isso é culpa do treinador. Ou as ideias não prestam, ou ele não as sabe operacionalizar, isso já não me diz respeito.

4. As opções ridículas que continua a tomar. Dignas de Jorge Jesus. São opções de casmurrice pura e dura a fazer lembrar Jorge Jesus.
Miguel Luís vai de titularíssimo, ao banco, a nem convocado.
Diaby, Gudelj e Bruno Gaspar continuam a somar minutos atrás de minutos quando não têm produzido nada. Nada! Zero! Alguns têm produzido menos que 0, ou seja, têm produzido...para as outras equipas. Tipo o Diaby.
A rábula da não convocatória do Luiz Phellype para Tondela para mim ainda aqui está atravessada. Não convoca o homem "porque veio da 2ª", isto quando ele tem mais de 50 jogos na 1ª Liga. Mas pior, não o convoca quando a principal opção ofensiva está lesionada, a 2ª opção vem de 1 mês e tal parado (e ainda lesionado pelos vistos) e prefere adaptar um dos gajos que lá tem à posição. E nem é adaptar um dos bons. Não. É adaptar um dos cepos...que é para garantir que ele mesmo em cenário de lesões continua a jogar. O gajo é um barrote com olhos, mas joga sempre. Lesões, castigos, whatever, ele joga sempre. É sempre opção. Mas ainda pior, c******! Não convoca o homem porque supostamente tinha opções ofensivas que chegue, para depois aos 60 e tal minutos andar com o André Pinto e o Coates adaptados a pontas-de-lança. Olha, vai gozar com o c******, tabem? É o que apetece dizer a um gajo destes.

5. As substituições e o paleio no pós-jogo de hoje.

Situação: 4º lugar a 8 pontos do 1º lugar. Defrontas o líder nessa situação, portanto, primeiro pensamento? Temos que jogar para ganhar porque estamos a correr atrás do prejuízo. Só há duas hipóteses, ou se ganha, ou se vence. Não há mais nada a fazer.
Mas o nosso treinador não. Preferiu montar a equipa para "o pontinho" e lá conseguiu. Entretanto, mais um jornada passou e continuas a 8 do 1º lugar. Mas pior, agora já estás a 3 do 2º.
A certa altura a equipa do Porto parecia que podia perder o norte, com a saída forçada do Danilo, meio-campo desguarnecido e podíamos tentar forçar a barra toda nos últimos minutos. Impunha-se lançar o Luiz Phellype para os últimos minutos e pressionar o Porto com tudo. Mas não, sai Wendel...entra Petrovic. Jogar para o empate. Tive pena, a sério, que não tivesse perdido. Que é o que os treinadores merecem quando encaram os jogos dessa forma.
Mas ainda pior foi fazer a 1ª substituição "táctica" aos 80 minutos. Extremo por extremo. Sai o gajo que já tinha 80 minutos a mais nas pernas do que devia ter.

São estas razões claras e objectivas para o despedir.

Quem contrataria? Neste momento preferia o Silas. Um gajo jovem, para iniciar um projecto sólido, com aposta numa equipa jovem e para jogar futebol. Que conheça o plantel e as suas características, que seja capaz de montar um belo grupo de jogadores e um gajo a quem cada derrota, cada ponto perdido, sei que vai custar muito. Porque sente-o como nós. Neste momento, isso é importante. Outrora não achava, mas hoje em dia, com a falta de liderança que grassa no Clube, acho importante.

Esqueci-me de acrescentar uma cena oh @KingJames.

A questão das expectativas. Tu fazes-me lembrar um médico que agora está muito em voga, o excelentíssimo Dr. António Peças. O valente filho da p*** que achou que não valia a pena um esforço extra para tentar salvar a vida duma mulher de 37 anos, porque para ele a gaja já tava morta. Porque estava no "quentinho" do seu "ninho" e agora ter que sair para andar de helicóptero, ver sangue, etc, era uma chatice do c******.

Ou seja, se as expectativas estão baixas, é deixar andar então, é isso?

Se formos ao 2º lugar, por milagre, é dia de Marquês?
Se formos ao 3º lugar é dia de jantarada e "não ficar muito chateado"?
Se ficarmos em 4º lugar é dia de "reconhecer o mérito do grande Braga" e ficar assim só ligeiramente aziado, daquelas coisas que passado 1 hora já ninguém se recorda?
Se ficarmos abaixo disso devemos ficar seriamente transtornados. Sendo que a quantidade de dias de transtorno deve ser calculada com base numa equação que tenha em conta o lugar na Liga e estabeleça uma proporção. Do género, ficar em 5º dá direito a 1 de transtorno. Depois por cada lugar abaixo disso acrescentamos mais um dia.
Se descermos de divisão, então aí sim, deve haver revolta mais séria. Tipo juntarem-se à porta do edifício da SAD, organizados com a CMTV e ter um deficiente qualquer aos gritos "acabou-se a medicina em Alvalade!".

Deixar andar era se o Peseiro ainda fosse treinador do Sporting.

Mas é como te digo, cada cabeça sua sentença. Tu achas que o Dost não deveria ter jogado, apesar de a única solução disponível ser um tipo que estava na segunda liga portuguesa há 3 semanas atrás. Também achas que o Mathieu desempenharia melhor a função de trinco, apesar de nunca o ter feito, que o Gudelj. Também achas que o Silas é que seria o homem certo para um projecto sólido.

Eu acho tudo isso errado. Mas como estamos a 8 pontos do primeiro, e vai ser mais um ano a ver navios, quem fala de uma posição de força aqui, és tu. Ainda assim, sabendo o que sei, não acho que a solução seja ir buscar outro treinador, o terceiro na mesma temporada, nem acho que o problema do Sporting sejam os treinadores. Aliás, se há coisa que temos tido, é bons treinadores nos últimos anos. E os resultados são os que são.
Isto é a morte do artista. É uma versão melhorada do Torsiglieri, mas para um Sporting campeão não chega.

"All the people that was rooting on me to fail, at the end of the day they have to wake up tomorrow and have the same life that they had before they woke up today," James said. | "Lebron is not as good as Michael Jordan ? C´mon! Lebron is in a class by himself!" O.Robertson said.
Bom..... Perder ou ganhar é desporto meus amigos.
Por ti contra tudo e todos!
Até o público exaltou-se quando o Raphinha entrou e assobiou quando foi a vez do Petrovic...péssimo nas subsituições, muito tarde e mal. A equipa desesperava por mexidas, e ele nada...

Farto de treinadores borrados, pra isto tinhamos o Peseiro  :wall: :wall:
Anseio pelo dia em que o Sporting Clube de Portugal seja nosso outravez...
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.

Se ele não sabia da falta de capacidade do Dost nestes jogos...estudasse. É para isso que está lá uma estrutura de futebol, para o ajudar. Não se preocupou em ver jogos passados do Dost? Nem digo de outros anos, que tal ver o jogo do Dost na Luz ou na Pedreira já esta época? Convinha vir preparado para o papel que vai desempenhar. Mas isso posso ser eu que agora ando numa rebarba do c****** de FM e tenho a mania que sou o Jurgen Klopp da Capital.

Para o lugar do Gudelj? Tudo menos ele. O Mathieu adaptado a trinco era melhor,  só para tu veres. Mas o ideal, "ideal" como quem diz não é, era jogar o Petrovic, sim. Tem feito mais por isso que o pastelão Gudelj.

Eu por mim despedia-o por várias razões, sendo que o "não arranjar um predestinado" não pode nunca ser uma razão para não o despedir. Se começas assim...o caldo já está entornado.

As razões são simples:

1. Falta de cabeça própria. Está a deixar-se levar por quem lhe anda a f**** o juízo com a vertente defensiva, ao ponto de cagar de alto nas suas próprias ideias e maneira de ver o futebol para satisfazer quem manda. Se quem manda queria mandar nas decisões técnicas também, então fazia como faz na presidência, arranjava um fantoche.

2. Eu sempre defendi contratar um treinador estrangeiro. Mas tinha que ser bom. Se fosse um treinador estrangeiro "da loja dos 300", ao fim de pouco tempo o "chico espertismo" vigente no Tugão ia mastigá-lo com gosto e cuspi-lo para fora, bem rapidamente. É o que está a acontecer.

3. Em vez de ver evolução na equipa, vejo regressão. Isto para mim é o mais importante e preocupante. E seria provavelmente a principal razão para o despedir. Eu estava plenamente à espera de dificuldades iniciais, se calhar até 1 mês, 1 mês e meio, de resultados "all over the place". Agora quando devia estar a estabilizar, a passar a sua mensagem, as suas ideias, é que a equipa começa a jogar à Peseiro outra vez? Na na. Algo está mal aqui. E isso é culpa do treinador. Ou as ideias não prestam, ou ele não as sabe operacionalizar, isso já não me diz respeito.

4. As opções ridículas que continua a tomar. Dignas de Jorge Jesus. São opções de casmurrice pura e dura a fazer lembrar Jorge Jesus.
Miguel Luís vai de titularíssimo, ao banco, a nem convocado.
Diaby, Gudelj e Bruno Gaspar continuam a somar minutos atrás de minutos quando não têm produzido nada. Nada! Zero! Alguns têm produzido menos que 0, ou seja, têm produzido...para as outras equipas. Tipo o Diaby.
A rábula da não convocatória do Luiz Phellype para Tondela para mim ainda aqui está atravessada. Não convoca o homem "porque veio da 2ª", isto quando ele tem mais de 50 jogos na 1ª Liga. Mas pior, não o convoca quando a principal opção ofensiva está lesionada, a 2ª opção vem de 1 mês e tal parado (e ainda lesionado pelos vistos) e prefere adaptar um dos gajos que lá tem à posição. E nem é adaptar um dos bons. Não. É adaptar um dos cepos...que é para garantir que ele mesmo em cenário de lesões continua a jogar. O gajo é um barrote com olhos, mas joga sempre. Lesões, castigos, whatever, ele joga sempre. É sempre opção. Mas ainda pior, c******! Não convoca o homem porque supostamente tinha opções ofensivas que chegue, para depois aos 60 e tal minutos andar com o André Pinto e o Coates adaptados a pontas-de-lança. Olha, vai gozar com o c******, tabem? É o que apetece dizer a um gajo destes.

5. As substituições e o paleio no pós-jogo de hoje.

Situação: 4º lugar a 8 pontos do 1º lugar. Defrontas o líder nessa situação, portanto, primeiro pensamento? Temos que jogar para ganhar porque estamos a correr atrás do prejuízo. Só há duas hipóteses, ou se ganha, ou se vence. Não há mais nada a fazer.
Mas o nosso treinador não. Preferiu montar a equipa para "o pontinho" e lá conseguiu. Entretanto, mais um jornada passou e continuas a 8 do 1º lugar. Mas pior, agora já estás a 3 do 2º.
A certa altura a equipa do Porto parecia que podia perder o norte, com a saída forçada do Danilo, meio-campo desguarnecido e podíamos tentar forçar a barra toda nos últimos minutos. Impunha-se lançar o Luiz Phellype para os últimos minutos e pressionar o Porto com tudo. Mas não, sai Wendel...entra Petrovic. Jogar para o empate. Tive pena, a sério, que não tivesse perdido. Que é o que os treinadores merecem quando encaram os jogos dessa forma.
Mas ainda pior foi fazer a 1ª substituição "táctica" aos 80 minutos. Extremo por extremo. Sai o gajo que já tinha 80 minutos a mais nas pernas do que devia ter.

São estas razões claras e objectivas para o despedir.

Quem contrataria? Neste momento preferia o Silas. Um gajo jovem, para iniciar um projecto sólido, com aposta numa equipa jovem e para jogar futebol. Que conheça o plantel e as suas características, que seja capaz de montar um belo grupo de jogadores e um gajo a quem cada derrota, cada ponto perdido, sei que vai custar muito. Porque sente-o como nós. Neste momento, isso é importante. Outrora não achava, mas hoje em dia, com a falta de liderança que grassa no Clube, acho importante.

Esqueci-me de acrescentar uma cena oh @KingJames.

A questão das expectativas. Tu fazes-me lembrar um médico que agora está muito em voga, o excelentíssimo Dr. António Peças. O valente filho da p*** que achou que não valia a pena um esforço extra para tentar salvar a vida duma mulher de 37 anos, porque para ele a gaja já tava morta. Porque estava no "quentinho" do seu "ninho" e agora ter que sair para andar de helicóptero, ver sangue, etc, era uma chatice do c******.

Ou seja, se as expectativas estão baixas, é deixar andar então, é isso?

Se formos ao 2º lugar, por milagre, é dia de Marquês?
Se formos ao 3º lugar é dia de jantarada e "não ficar muito chateado"?
Se ficarmos em 4º lugar é dia de "reconhecer o mérito do grande Braga" e ficar assim só ligeiramente aziado, daquelas coisas que passado 1 hora já ninguém se recorda?
Se ficarmos abaixo disso devemos ficar seriamente transtornados. Sendo que a quantidade de dias de transtorno deve ser calculada com base numa equação que tenha em conta o lugar na Liga e estabeleça uma proporção. Do género, ficar em 5º dá direito a 1 de transtorno. Depois por cada lugar abaixo disso acrescentamos mais um dia.
Se descermos de divisão, então aí sim, deve haver revolta mais séria. Tipo juntarem-se à porta do edifício da SAD, organizados com a CMTV e ter um deficiente qualquer aos gritos "acabou-se a medicina em Alvalade!".

Deixar andar era se o Peseiro ainda fosse treinador do Sporting.

Mas é como te digo, cada cabeça sua sentença. Tu achas que o Dost não deveria ter jogado, apesar de a única solução disponível ser um tipo que estava na segunda liga portuguesa há 3 semanas atrás. Também achas que o Mathieu desempenharia melhor a função de trinco, apesar de nunca o ter feito, que o Gudelj. Também achas que o Silas é que seria o homem certo para um projecto sólido.

Eu acho tudo isso errado. Mas como estamos a 8 pontos do primeiro, e vai ser mais um ano a ver navios, quem fala de uma posição de força aqui, és tu. Ainda assim, sabendo o que sei, não acho que a solução seja ir buscar outro treinador, o terceiro na mesma temporada, nem acho que o problema do Sporting sejam os treinadores. Aliás, se há coisa que temos tido, é bons treinadores nos últimos anos. E os resultados são os que são.

Epa, a cena do Mathieu tava a exagerar claro. Mas preferia jogar com o Petro a titular, ou jogar de triângulo invertido com o Miguel ao lado Wendel, por exemplo.

Isso de estar na 2ª Liga é como tudo. Lá a bola é quadrada é? Os campos são triangulares? As equipas têm 30 jogadores? Opa, para ser nulo, é preferível tentar alguém diferente, algo diferente, do que repetir o mesmo erro ad eternum e esperar resultado diferente. Já dizia o Einstein.

Mas atenção puto, eu não acho que o Keizer seja "O" problema. Em que basta retirar o holandês da equação e siga pa bingo. Claro que não.
Este clube não tem liderança, não tem massa adepta em condições, o plantel tem lacunas graves, a tão propalada estrutura é uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma, não têm soluções financeiras e desportivas para o clube. Isso é tudo verdade.
Eu aqui só falei do treinador mas o problema vai bem além disso, atenção.

Quem disse o Silas, diz numa perspectiva de ter alguns predicados que acho importantes, fruto das vicissitudes que o clube tem, que noutras alturas não achava tão importante.
Acho que podia ser o nosso Sérgio. Um gajo com perfil de líder natural, que facilmente "apanhava" o balneário, que seria capaz de fazer aquilo que o Sérgio fez no Porto e que para mim foi o seu maior mérito: criar um verdadeiro grupo. Uma equipa. Conseguiu orientar aquele amontoado de vedetas e criar um grupo unido, coeso, vencedor, blindado e ajudou-os a criar mentalidade competitiva.

Porque eu até nem acho que o Sérgio seja um mestre táctico. O Porto tem um futebol bem simples e straight forward. É os jogadores com as características certas, nas posições certas, estilo de jogo que faz mossa no Tugão e siga pa bingo. O grande mérito dele, como disse, esteve noutro lado. No lado mental. Na mentalidade. Aquilo que ele ali foi capaz de construir, dificilmente um treinador estrangeiro é capaz de fazer em Portugal. E se vamos ter um plantel de menor talento e qualidade overall, então é preciso que o treinador compense com essa liderança, esse sentido de grupo muito forte.
Quem não se lembra da reacção do Brahimi em Santa Maria da Feira a época passada depois duma decisão ridícula do Fábio Veríssimo? Um argelino que se identificava 0 com o clube, que tinha uma mentalidade competitiva fraca, estava ali a espumar-se todo e a dizer "somos Porto" para o árbitro. Isso é trabalho mental do treinador. "Criou" um inimigo em comum ao plantel e depois acicatou-os contra eles. Os lamps, no caso. E funcionou. O Porto é hoje uma verdadeira equipa. Ficas com a sensação que são um verdadeiro grupo unido e inexorável, que não é qualquer m**** que os abala ou que se mete "entre eles". E isto com vários gajos com histórico de forçar saídas e gajos prestes a acabar contratos.
Para mim esse é o maior mérito do Sèrgio. E acho que o Sporting, se pensa ter um plantel jovem, com menos armas em termos de talento, experiência e qualidade, tem que compensar com essa união, com esse espírito e fome de vitória. Para isso, o treinador tem que se identificar com o clube. É por isso que elegeria Silas.
Mas tou aberto a outras sugestões, claro. Se me viesses aqui oferecer o Rose, o Tedesco ou o Schmidt, por exemplo, eu cagava já no Silas.

Em jeito de remate final, também te digo algo que é importante: se queríamos criar um grupo desse género que aí falo, tinha sido importante que nenhum dos rescisores tivesse voltado. Por mais qualidade que tivessem. E tenho a certeza que um treinador como o Sérgio não teria permitido que nenhum desses gajos tivesse voltado a trabalhar com a equipa. Se ele castiga um gajo importante como o Marega porque lhe disse que queria sair, se dispensa um gajo que não quis nunca fazer parte do grupo e que chegou atrasado aos treinos 1 ou 2x (Bazoer), o que achas que ele pensaria de quem rescindiu com o clube aproveitando-se duma situação como a que o Sporting viveu? Nem para eles falava, que é diferente.
Seja de que maneira for: tenho a certeza absoluta que Marcel Keizer não vai ser treinador do Sporting para a época desportiva 2019/2020.

Aliás, vou já meter esta frase na assinatura para poder ser quotado mais tarde.

Não arriscou nada, meteu o Raphinha a 5 minutos dos 90, as suas convocatórias devem ser elaboradas quando passa pelo Bairro Alto para matar saudades da red light district de Amesterdão e para a semana vai levar chocolatinho do Moreirense do Ivo Veira, que vai ser um mimo.

Hype desmesurado, e eu topei logo que cedo se ia esvaziar a aura de salvador desta época. Sinceramente teria preferido o Paulo Sousa.

Em jeito de remate final, também te digo algo que é importante: se queríamos criar um grupo desse género que aí falo, tinha sido importante que nenhum dos rescisores tivesse voltado. Por mais qualidade que tivessem. E tenho a certeza que um treinador como o Sérgio não teria permitido que nenhum desses gajos tivesse voltado a trabalhar com a equipa. Se ele castiga um gajo importante como o Marega porque lhe disse que queria sair, se dispensa um gajo que não quis nunca fazer parte do grupo e que chegou atrasado aos treinos 1 ou 2x (Bazoer), o que achas que ele pensaria de quem rescindiu com o clube aproveitando-se duma situação como a que o Sporting viveu? Nem para eles falava, que é diferente.

Isso é mais um golo de bandeira. Mas até as consequências se sentirem de forma irremediável (já estão no caminho), faz-se de conta que não tem relevo, quando é algo de absolutamente basilar em quem quer de facto criar dinâmica de vencedor e a mentalidade para tal, e não num fazer de conta.
"If you can survive disappointment, nothing can beat you."

(...) But my dreams have been stolen away.
Contra a opinião corrente acho que hoje mostrou ser adaptável à realidade do Tugão. Com o que isso tem de bom e de mau. Como qualquer treinador depende de resultados. Tem de ganhar ao Feirense e  Moreirense. Mais resultadista ou mais Cruyfiano.

Não deixa de ser engraçado ver o Padrão a usar o mesmo spinning utilizado por aqui e nas televisões para zurzir o treinador na Sic Noticias.

Só se esqueceu de dizer que o seu amigo cavalo branco da Porcalhota vulgo Reboleira o ano passado teve exatamente o mesmo resultado. 0:0. Ele há coisas do camandro. Facts matter.

Ah e ia jurar que também parqueou o bus mas com melhor GR, LD, LE, MD and on and on. Oh Padrão vai lá contar histórias da Bonnie Tyler para o Bar SportV ao Carlos Manuel. Esta tribo dos bajuladores do cavalo branco não enganam ninguém.

Ganhar os próximos jogos, de preferência jogando melhor porra.

Achas que alguém que está há 11 anos no futebol, que tem curso de treinador, que está diariamente no balneário, com dirigentes, treinadores, jogadores, staff, dos seniores aos iniciados, não tem toda uma experiência e conhecimento que, sei lá, um gestor, um advogado, um trolha, ainda têm que ir aprendendo ao longo de anos quando chegam à presidência de um clube?
Contra a opinião corrente acho que hoje mostrou ser adaptável à realidade do Tugão. Com o que isso tem de bom e de mau. Como qualquer treinador depende de resultados. Tem de ganhar ao Feirense e  Moreirense. Mais resultadista ou mais Cruyfiano.

Não deixa de ser engraçado ver o Padrão a usar o mesmo spinning utilizado por aqui e nas televisões para zurzir o treinador na Sic Noticias.
Compreendo a tua frustracao porque tambem a tenho, e partilho quase todas as tuas criticas ao Keizer. Discordo no entanto da tua conclusao/opcao, o despedimento imediato. Dito isto, penso que ainda estas a reagir a quente, e ainda ha duas coisas que te escaparam neste teu raciocinio:

1- o que o keizer deu a equipa ofensivamente nos primeiros 7-8 jogos esta longe de ser banal, e potenciar isso tem de ser um objectivo, nesse sentido a sua permanencia e com certeza uma mais-valia. Sera importante estabelecer e enraizar nos jogadores e no clube essa mentalidade e modelo ofensivo, baseado na posse de bola e exploracao do corredor central.

2- mais do que dois treinadores numa epoca (TF nao conta porque e interino, de transicao) so mediante uma catastrofe (exemplo: vercauteren). Porque? porque nao sendo assim ha uma deresponsabilizacao dos jogadores, que e muitissimo perigosa para o clube a varios niveis.

ps: peco desculpa por falta de cedilhas e acentos, o teclado nao da para mais

SL
Perder era aceitável agora jogar com covardia a 8 pontos de distância é vergonhoso....pelo menos à paz!!!

Podre

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk

Atitude e Compromisso
Sporting Clube de Portugal
1906

a man can change his stars
Cada vez me convenço mais que o Silas seria a melhor opção...


  Gosto muito deste Belenenses.
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.

Se ele não sabia da falta de capacidade do Dost nestes jogos...estudasse. É para isso que está lá uma estrutura de futebol, para o ajudar. Não se preocupou em ver jogos passados do Dost? Nem digo de outros anos, que tal ver o jogo do Dost na Luz ou na Pedreira já esta época? Convinha vir preparado para o papel que vai desempenhar. Mas isso posso ser eu que agora ando numa rebarba do c****** de FM e tenho a mania que sou o Jurgen Klopp da Capital.

Para o lugar do Gudelj? Tudo menos ele. O Mathieu adaptado a trinco era melhor,  só para tu veres. Mas o ideal, "ideal" como quem diz não é, era jogar o Petrovic, sim. Tem feito mais por isso que o pastelão Gudelj.

Eu por mim despedia-o por várias razões, sendo que o "não arranjar um predestinado" não pode nunca ser uma razão para não o despedir. Se começas assim...o caldo já está entornado.

As razões são simples:

1. Falta de cabeça própria. Está a deixar-se levar por quem lhe anda a f**** o juízo com a vertente defensiva, ao ponto de cagar de alto nas suas próprias ideias e maneira de ver o futebol para satisfazer quem manda. Se quem manda queria mandar nas decisões técnicas também, então fazia como faz na presidência, arranjava um fantoche.

2. Eu sempre defendi contratar um treinador estrangeiro. Mas tinha que ser bom. Se fosse um treinador estrangeiro "da loja dos 300", ao fim de pouco tempo o "chico espertismo" vigente no Tugão ia mastigá-lo com gosto e cuspi-lo para fora, bem rapidamente. É o que está a acontecer.

3. Em vez de ver evolução na equipa, vejo regressão. Isto para mim é o mais importante e preocupante. E seria provavelmente a principal razão para o despedir. Eu estava plenamente à espera de dificuldades iniciais, se calhar até 1 mês, 1 mês e meio, de resultados "all over the place". Agora quando devia estar a estabilizar, a passar a sua mensagem, as suas ideias, é que a equipa começa a jogar à Peseiro outra vez? Na na. Algo está mal aqui. E isso é culpa do treinador. Ou as ideias não prestam, ou ele não as sabe operacionalizar, isso já não me diz respeito.

4. As opções ridículas que continua a tomar. Dignas de Jorge Jesus. São opções de casmurrice pura e dura a fazer lembrar Jorge Jesus.
Miguel Luís vai de titularíssimo, ao banco, a nem convocado.
Diaby, Gudelj e Bruno Gaspar continuam a somar minutos atrás de minutos quando não têm produzido nada. Nada! Zero! Alguns têm produzido menos que 0, ou seja, têm produzido...para as outras equipas. Tipo o Diaby.
A rábula da não convocatória do Luiz Phellype para Tondela para mim ainda aqui está atravessada. Não convoca o homem "porque veio da 2ª", isto quando ele tem mais de 50 jogos na 1ª Liga. Mas pior, não o convoca quando a principal opção ofensiva está lesionada, a 2ª opção vem de 1 mês e tal parado (e ainda lesionado pelos vistos) e prefere adaptar um dos gajos que lá tem à posição. E nem é adaptar um dos bons. Não. É adaptar um dos cepos...que é para garantir que ele mesmo em cenário de lesões continua a jogar. O gajo é um barrote com olhos, mas joga sempre. Lesões, castigos, whatever, ele joga sempre. É sempre opção. Mas ainda pior, c******! Não convoca o homem porque supostamente tinha opções ofensivas que chegue, para depois aos 60 e tal minutos andar com o André Pinto e o Coates adaptados a pontas-de-lança. Olha, vai gozar com o c******, tabem? É o que apetece dizer a um gajo destes.

5. As substituições e o paleio no pós-jogo de hoje.

Situação: 4º lugar a 8 pontos do 1º lugar. Defrontas o líder nessa situação, portanto, primeiro pensamento? Temos que jogar para ganhar porque estamos a correr atrás do prejuízo. Só há duas hipóteses, ou se ganha, ou se vence. Não há mais nada a fazer.
Mas o nosso treinador não. Preferiu montar a equipa para "o pontinho" e lá conseguiu. Entretanto, mais um jornada passou e continuas a 8 do 1º lugar. Mas pior, agora já estás a 3 do 2º.
A certa altura a equipa do Porto parecia que podia perder o norte, com a saída forçada do Danilo, meio-campo desguarnecido e podíamos tentar forçar a barra toda nos últimos minutos. Impunha-se lançar o Luiz Phellype para os últimos minutos e pressionar o Porto com tudo. Mas não, sai Wendel...entra Petrovic. Jogar para o empate. Tive pena, a sério, que não tivesse perdido. Que é o que os treinadores merecem quando encaram os jogos dessa forma.
Mas ainda pior foi fazer a 1ª substituição "táctica" aos 80 minutos. Extremo por extremo. Sai o gajo que já tinha 80 minutos a mais nas pernas do que devia ter.

São estas razões claras e objectivas para o despedir.

Quem contrataria? Neste momento preferia o Silas. Um gajo jovem, para iniciar um projecto sólido, com aposta numa equipa jovem e para jogar futebol. Que conheça o plantel e as suas características, que seja capaz de montar um belo grupo de jogadores e um gajo a quem cada derrota, cada ponto perdido, sei que vai custar muito. Porque sente-o como nós. Neste momento, isso é importante. Outrora não achava, mas hoje em dia, com a falta de liderança que grassa no Clube, acho importante.

Esqueci-me de acrescentar uma cena oh @KingJames.

A questão das expectativas. Tu fazes-me lembrar um médico que agora está muito em voga, o excelentíssimo Dr. António Peças. O valente filho da p*** que achou que não valia a pena um esforço extra para tentar salvar a vida duma mulher de 37 anos, porque para ele a gaja já tava morta. Porque estava no "quentinho" do seu "ninho" e agora ter que sair para andar de helicóptero, ver sangue, etc, era uma chatice do c******.

Ou seja, se as expectativas estão baixas, é deixar andar então, é isso?

Se formos ao 2º lugar, por milagre, é dia de Marquês?
Se formos ao 3º lugar é dia de jantarada e "não ficar muito chateado"?
Se ficarmos em 4º lugar é dia de "reconhecer o mérito do grande Braga" e ficar assim só ligeiramente aziado, daquelas coisas que passado 1 hora já ninguém se recorda?
Se ficarmos abaixo disso devemos ficar seriamente transtornados. Sendo que a quantidade de dias de transtorno deve ser calculada com base numa equação que tenha em conta o lugar na Liga e estabeleça uma proporção. Do género, ficar em 5º dá direito a 1 de transtorno. Depois por cada lugar abaixo disso acrescentamos mais um dia.
Se descermos de divisão, então aí sim, deve haver revolta mais séria. Tipo juntarem-se à porta do edifício da SAD, organizados com a CMTV e ter um deficiente qualquer aos gritos "acabou-se a medicina em Alvalade!".

Deixar andar era se o Peseiro ainda fosse treinador do Sporting.

Mas é como te digo, cada cabeça sua sentença. Tu achas que o Dost não deveria ter jogado, apesar de a única solução disponível ser um tipo que estava na segunda liga portuguesa há 3 semanas atrás. Também achas que o Mathieu desempenharia melhor a função de trinco, apesar de nunca o ter feito, que o Gudelj. Também achas que o Silas é que seria o homem certo para um projecto sólido.

Eu acho tudo isso errado. Mas como estamos a 8 pontos do primeiro, e vai ser mais um ano a ver navios, quem fala de uma posição de força aqui, és tu. Ainda assim, sabendo o que sei, não acho que a solução seja ir buscar outro treinador, o terceiro na mesma temporada, nem acho que o problema do Sporting sejam os treinadores. Aliás, se há coisa que temos tido, é bons treinadores nos últimos anos. E os resultados são os que são.

Epa, a cena do Mathieu tava a exagerar claro. Mas preferia jogar com o Petro a titular, ou jogar de triângulo invertido com o Miguel ao lado Wendel, por exemplo.

Isso de estar na 2ª Liga é como tudo. Lá a bola é quadrada é? Os campos são triangulares? As equipas têm 30 jogadores? Opa, para ser nulo, é preferível tentar alguém diferente, algo diferente, do que repetir o mesmo erro ad eternum e esperar resultado diferente. Já dizia o Einstein.

Mas atenção puto, eu não acho que o Keizer seja "O" problema. Em que basta retirar o holandês da equação e siga pa bingo. Claro que não.
Este clube não tem liderança, não tem massa adepta em condições, o plantel tem lacunas graves, a tão propalada estrutura é uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma, não têm soluções financeiras e desportivas para o clube. Isso é tudo verdade.
Eu aqui só falei do treinador mas o problema vai bem além disso, atenção.

Quem disse o Silas, diz numa perspectiva de ter alguns predicados que acho importantes, fruto das vicissitudes que o clube tem, que noutras alturas não achava tão importante.
Acho que podia ser o nosso Sérgio. Um gajo com perfil de líder natural, que facilmente "apanhava" o balneário, que seria capaz de fazer aquilo que o Sérgio fez no Porto e que para mim foi o seu maior mérito: criar um verdadeiro grupo. Uma equipa. Conseguiu orientar aquele amontoado de vedetas e criar um grupo unido, coeso, vencedor, blindado e ajudou-os a criar mentalidade competitiva.

Porque eu até nem acho que o Sérgio seja um mestre táctico. O Porto tem um futebol bem simples e straight forward. É os jogadores com as características certas, nas posições certas, estilo de jogo que faz mossa no Tugão e siga pa bingo. O grande mérito dele, como disse, esteve noutro lado. No lado mental. Na mentalidade. Aquilo que ele ali foi capaz de construir, dificilmente um treinador estrangeiro é capaz de fazer em Portugal. E se vamos ter um plantel de menor talento e qualidade overall, então é preciso que o treinador compense com essa liderança, esse sentido de grupo muito forte.
Quem não se lembra da reacção do Brahimi em Santa Maria da Feira a época passada depois duma decisão ridícula do Fábio Veríssimo? Um argelino que se identificava 0 com o clube, que tinha uma mentalidade competitiva fraca, estava ali a espumar-se todo e a dizer "somos Porto" para o árbitro. Isso é trabalho mental do treinador. "Criou" um inimigo em comum ao plantel e depois acicatou-os contra eles. Os lamps, no caso. E funcionou. O Porto é hoje uma verdadeira equipa. Ficas com a sensação que são um verdadeiro grupo unido e inexorável, que não é qualquer m**** que os abala ou que se mete "entre eles". E isto com vários gajos com histórico de forçar saídas e gajos prestes a acabar contratos.
Para mim esse é o maior mérito do Sèrgio. E acho que o Sporting, se pensa ter um plantel jovem, com menos armas em termos de talento, experiência e qualidade, tem que compensar com essa união, com esse espírito e fome de vitória. Para isso, o treinador tem que se identificar com o clube. É por isso que elegeria Silas.
Mas tou aberto a outras sugestões, claro. Se me viesses aqui oferecer o Rose, o Tedesco ou o Schmidt, por exemplo, eu cagava já no Silas.

Em jeito de remate final, também te digo algo que é importante: se queríamos criar um grupo desse género que aí falo, tinha sido importante que nenhum dos rescisores tivesse voltado. Por mais qualidade que tivessem. E tenho a certeza que um treinador como o Sérgio não teria permitido que nenhum desses gajos tivesse voltado a trabalhar com a equipa. Se ele castiga um gajo importante como o Marega porque lhe disse que queria sair, se dispensa um gajo que não quis nunca fazer parte do grupo e que chegou atrasado aos treinos 1 ou 2x (Bazoer), o que achas que ele pensaria de quem rescindiu com o clube aproveitando-se duma situação como a que o Sporting viveu? Nem para eles falava, que é diferente.

  BINGO! Tudo dito. Tenho a sensação que há jogadores que nem se olham e estão desejosos de sair dali o mais rápido possível. Mas isto é um clube de prima-donas que baixaram as calças aos interesses do Sobrinho/croquettada e aos jogadores. A partir desta epifania, não há mais nada a fazer...a identidade do clube foi completamente subjugada (ou talvez não, e sejamos nós que estaremos errados e o Sporting é mesmo ISTO) e está à mercê do que meia dúzia de smart-asses e glutões queiram.
Continua a apostar no Dost nestes jogos.
Continua a apostar no Bruno Gaspar.
Continua a apostar no Gudelj.
Continua a apostar no Diaby.

Agora junta a isto o começar a apostar em ser um balde de m**** sem personalidade. Andam-lhe a fazer a cabeça com questões defensivas e a reposta dele, qual gajo sem espinha dorsal, é isto. Enfiar a equipa toda no ferrolho, ir completamente contra as suas próprias ideias e no fim ainda se vir regozijar porque a equipa do Sporting "afinal sabe defender".

Amigo, saber defender não é enfiar 11 gajos atrás da linha da bola e esperar pelo adversário. Saber defender é ter a capacidade de dominar o jogo na sua maioria, criar mais situações de perigo, estar sempre mais tempo no meio-campo adversário e perto da baliza adversária, ao mesmo tempo que não se sofre golos ou não se permite grandes ocasiões ao adversário.
Só proporcionaste 2 ocasiões ao Porto, uau. Que equipa defensiva de excelência! Que aula táctica defensiva! Qual Arrigo Sacchi!

Esta m**** contada ninguém acredita, f***-**.

Tás zangado.

O homem continua apostar no Dost "neste tipo de jogos"? Mas se é o primeiro deste "tipo de jogos" que ele faz como treinador ... e quem é que havia, Luiz Phellype? Era essa "a" solução? Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem? Era o Petrovic "a" solução? Miguel Luís? Geraldes? Wendel?

Quanto ao Diaby e ao Gaspar, concordo. E acho que hoje, não tendo sido nenhuma lição defensiva, julguei que fosse correr muito pior. Claro que o porto também não veio com a mesma sede ao pote, 8 pontos à maior permitem uma gestão diferente do jogo, mas ainda assim, dada a diferença pontual, a superioridade coletiva e a superioridade individual dos seus jogadores (num XI conjunto, dos nossos, só Dost e Bruno Fernandes jogariam de caras), foi um Sporting bem mais coeso do que eu teria imaginado.

Se o plantel não for reforçado até ao final do mês, não estou a ver mais do que um terceiro lugar. Que, diga-se, era o lugar que eu achava que íamos ficar aquando da vaga de rescisões. Até pensei que estivéssemos bem pior em Janeiro, mas isto também tem a ver com as expectativas de cada um.

Eu não tenho gostado de algumas coisas, que me deixam até muito mal impressionado e com um certo alarmismo. No entanto, em 2 meses, também existiram progressos. E estou-me a cagar em relações às leituras fáceis e simplistas de o Peseiro estava a 2 pontos da liderança e o Keizer a 8. Quem analisa dessa forma analisa mal.

Falar em despedimentos é algo que me ultrapassa. Sinceramente. Este gajo não é nenhum predestinado, mas digam-me algum que o seja e que esteja ao nosso alcance, e então aí podemos começar a falar.

Se ele não sabia da falta de capacidade do Dost nestes jogos...estudasse. É para isso que está lá uma estrutura de futebol, para o ajudar. Não se preocupou em ver jogos passados do Dost? Nem digo de outros anos, que tal ver o jogo do Dost na Luz ou na Pedreira já esta época? Convinha vir preparado para o papel que vai desempenhar. Mas isso posso ser eu que agora ando numa rebarba do c****** de FM e tenho a mania que sou o Jurgen Klopp da Capital.

Para o lugar do Gudelj? Tudo menos ele. O Mathieu adaptado a trinco era melhor,  só para tu veres. Mas o ideal, "ideal" como quem diz não é, era jogar o Petrovic, sim. Tem feito mais por isso que o pastelão Gudelj.

Eu por mim despedia-o por várias razões, sendo que o "não arranjar um predestinado" não pode nunca ser uma razão para não o despedir. Se começas assim...o caldo já está entornado.

As razões são simples:

1. Falta de cabeça própria. Está a deixar-se levar por quem lhe anda a f**** o juízo com a vertente defensiva, ao ponto de cagar de alto nas suas próprias ideias e maneira de ver o futebol para satisfazer quem manda. Se quem manda queria mandar nas decisões técnicas também, então fazia como faz na presidência, arranjava um fantoche.

2. Eu sempre defendi contratar um treinador estrangeiro. Mas tinha que ser bom. Se fosse um treinador estrangeiro "da loja dos 300", ao fim de pouco tempo o "chico espertismo" vigente no Tugão ia mastigá-lo com gosto e cuspi-lo para fora, bem rapidamente. É o que está a acontecer.

3. Em vez de ver evolução na equipa, vejo regressão. Isto para mim é o mais importante e preocupante. E seria provavelmente a principal razão para o despedir. Eu estava plenamente à espera de dificuldades iniciais, se calhar até 1 mês, 1 mês e meio, de resultados "all over the place". Agora quando devia estar a estabilizar, a passar a sua mensagem, as suas ideias, é que a equipa começa a jogar à Peseiro outra vez? Na na. Algo está mal aqui. E isso é culpa do treinador. Ou as ideias não prestam, ou ele não as sabe operacionalizar, isso já não me diz respeito.

4. As opções ridículas que continua a tomar. Dignas de Jorge Jesus. São opções de casmurrice pura e dura a fazer lembrar Jorge Jesus.
Miguel Luís vai de titularíssimo, ao banco, a nem convocado.
Diaby, Gudelj e Bruno Gaspar continuam a somar minutos atrás de minutos quando não têm produzido nada. Nada! Zero! Alguns têm produzido menos que 0, ou seja, têm produzido...para as outras equipas. Tipo o Diaby.
A rábula da não convocatória do Luiz Phellype para Tondela para mim ainda aqui está atravessada. Não convoca o homem "porque veio da 2ª", isto quando ele tem mais de 50 jogos na 1ª Liga. Mas pior, não o convoca quando a principal opção ofensiva está lesionada, a 2ª opção vem de 1 mês e tal parado (e ainda lesionado pelos vistos) e prefere adaptar um dos gajos que lá tem à posição. E nem é adaptar um dos bons. Não. É adaptar um dos cepos...que é para garantir que ele mesmo em cenário de lesões continua a jogar. O gajo é um barrote com olhos, mas joga sempre. Lesões, castigos, whatever, ele joga sempre. É sempre opção. Mas ainda pior, c******! Não convoca o homem porque supostamente tinha opções ofensivas que chegue, para depois aos 60 e tal minutos andar com o André Pinto e o Coates adaptados a pontas-de-lança. Olha, vai gozar com o c******, tabem? É o que apetece dizer a um gajo destes.

5. As substituições e o paleio no pós-jogo de hoje.

Situação: 4º lugar a 8 pontos do 1º lugar. Defrontas o líder nessa situação, portanto, primeiro pensamento? Temos que jogar para ganhar porque estamos a correr atrás do prejuízo. Só há duas hipóteses, ou se ganha, ou se vence. Não há mais nada a fazer.
Mas o nosso treinador não. Preferiu montar a equipa para "o pontinho" e lá conseguiu. Entretanto, mais um jornada passou e continuas a 8 do 1º lugar. Mas pior, agora já estás a 3 do 2º.
A certa altura a equipa do Porto parecia que podia perder o norte, com a saída forçada do Danilo, meio-campo desguarnecido e podíamos tentar forçar a barra toda nos últimos minutos. Impunha-se lançar o Luiz Phellype para os últimos minutos e pressionar o Porto com tudo. Mas não, sai Wendel...entra Petrovic. Jogar para o empate. Tive pena, a sério, que não tivesse perdido. Que é o que os treinadores merecem quando encaram os jogos dessa forma.
Mas ainda pior foi fazer a 1ª substituição "táctica" aos 80 minutos. Extremo por extremo. Sai o gajo que já tinha 80 minutos a mais nas pernas do que devia ter.

São estas razões claras e objectivas para o despedir.

Quem contrataria? Neste momento preferia o Silas. Um gajo jovem, para iniciar um projecto sólido, com aposta numa equipa jovem e para jogar futebol. Que conheça o plantel e as suas características, que seja capaz de montar um belo grupo de jogadores e um gajo a quem cada derrota, cada ponto perdido, sei que vai custar muito. Porque sente-o como nós. Neste momento, isso é importante. Outrora não achava, mas hoje em dia, com a falta de liderança que grassa no Clube, acho importante.

Esqueci-me de acrescentar uma cena oh @KingJames.

A questão das expectativas. Tu fazes-me lembrar um médico que agora está muito em voga, o excelentíssimo Dr. António Peças. O valente filho da p*** que achou que não valia a pena um esforço extra para tentar salvar a vida duma mulher de 37 anos, porque para ele a gaja já tava morta. Porque estava no "quentinho" do seu "ninho" e agora ter que sair para andar de helicóptero, ver sangue, etc, era uma chatice do c******.

Ou seja, se as expectativas estão baixas, é deixar andar então, é isso?

Se formos ao 2º lugar, por milagre, é dia de Marquês?
Se formos ao 3º lugar é dia de jantarada e "não ficar muito chateado"?
Se ficarmos em 4º lugar é dia de "reconhecer o mérito do grande Braga" e ficar assim só ligeiramente aziado, daquelas coisas que passado 1 hora já ninguém se recorda?
Se ficarmos abaixo disso devemos ficar seriamente transtornados. Sendo que a quantidade de dias de transtorno deve ser calculada com base numa equação que tenha em conta o lugar na Liga e estabeleça uma proporção. Do género, ficar em 5º dá direito a 1 de transtorno. Depois por cada lugar abaixo disso acrescentamos mais um dia.
Se descermos de divisão, então aí sim, deve haver revolta mais séria. Tipo juntarem-se à porta do edifício da SAD, organizados com a CMTV e ter um deficiente qualquer aos gritos "acabou-se a medicina em Alvalade!".

Deixar andar era se o Peseiro ainda fosse treinador do Sporting.

Mas é como te digo, cada cabeça sua sentença. Tu achas que o Dost não deveria ter jogado, apesar de a única solução disponível ser um tipo que estava na segunda liga portuguesa há 3 semanas atrás. Também achas que o Mathieu desempenharia melhor a função de trinco, apesar de nunca o ter feito, que o Gudelj. Também achas que o Silas é que seria o homem certo para um projecto sólido.

Eu acho tudo isso errado. Mas como estamos a 8 pontos do primeiro, e vai ser mais um ano a ver navios, quem fala de uma posição de força aqui, és tu. Ainda assim, sabendo o que sei, não acho que a solução seja ir buscar outro treinador, o terceiro na mesma temporada, nem acho que o problema do Sporting sejam os treinadores. Aliás, se há coisa que temos tido, é bons treinadores nos últimos anos. E os resultados são os que são.

Epa, a cena do Mathieu tava a exagerar claro. Mas preferia jogar com o Petro a titular, ou jogar de triângulo invertido com o Miguel ao lado Wendel, por exemplo.

Isso de estar na 2ª Liga é como tudo. Lá a bola é quadrada é? Os campos são triangulares? As equipas têm 30 jogadores? Opa, para ser nulo, é preferível tentar alguém diferente, algo diferente, do que repetir o mesmo erro ad eternum e esperar resultado diferente. Já dizia o Einstein.

Mas atenção puto, eu não acho que o Keizer seja "O" problema. Em que basta retirar o holandês da equação e siga pa bingo. Claro que não.
Este clube não tem liderança, não tem massa adepta em condições, o plantel tem lacunas graves, a tão propalada estrutura é uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma, não têm soluções financeiras e desportivas para o clube. Isso é tudo verdade.
Eu aqui só falei do treinador mas o problema vai bem além disso, atenção.

Quem disse o Silas, diz numa perspectiva de ter alguns predicados que acho importantes, fruto das vicissitudes que o clube tem, que noutras alturas não achava tão importante.
Acho que podia ser o nosso Sérgio. Um gajo com perfil de líder natural, que facilmente "apanhava" o balneário, que seria capaz de fazer aquilo que o Sérgio fez no Porto e que para mim foi o seu maior mérito: criar um verdadeiro grupo. Uma equipa. Conseguiu orientar aquele amontoado de vedetas e criar um grupo unido, coeso, vencedor, blindado e ajudou-os a criar mentalidade competitiva.

Porque eu até nem acho que o Sérgio seja um mestre táctico. O Porto tem um futebol bem simples e straight forward. É os jogadores com as características certas, nas posições certas, estilo de jogo que faz mossa no Tugão e siga pa bingo. O grande mérito dele, como disse, esteve noutro lado. No lado mental. Na mentalidade. Aquilo que ele ali foi capaz de construir, dificilmente um treinador estrangeiro é capaz de fazer em Portugal. E se vamos ter um plantel de menor talento e qualidade overall, então é preciso que o treinador compense com essa liderança, esse sentido de grupo muito forte.
Quem não se lembra da reacção do Brahimi em Santa Maria da Feira a época passada depois duma decisão ridícula do Fábio Veríssimo? Um argelino que se identificava 0 com o clube, que tinha uma mentalidade competitiva fraca, estava ali a espumar-se todo e a dizer "somos Porto" para o árbitro. Isso é trabalho mental do treinador. "Criou" um inimigo em comum ao plantel e depois acicatou-os contra eles. Os lamps, no caso. E funcionou. O Porto é hoje uma verdadeira equipa. Ficas com a sensação que são um verdadeiro grupo unido e inexorável, que não é qualquer m**** que os abala ou que se mete "entre eles". E isto com vários gajos com histórico de forçar saídas e gajos prestes a acabar contratos.
Para mim esse é o maior mérito do Sèrgio. E acho que o Sporting, se pensa ter um plantel jovem, com menos armas em termos de talento, experiência e qualidade, tem que compensar com essa união, com esse espírito e fome de vitória. Para isso, o treinador tem que se identificar com o clube. É por isso que elegeria Silas.
Mas tou aberto a outras sugestões, claro. Se me viesses aqui oferecer o Rose, o Tedesco ou o Schmidt, por exemplo, eu cagava já no Silas.

Em jeito de remate final, também te digo algo que é importante: se queríamos criar um grupo desse género que aí falo, tinha sido importante que nenhum dos rescisores tivesse voltado. Por mais qualidade que tivessem. E tenho a certeza que um treinador como o Sérgio não teria permitido que nenhum desses gajos tivesse voltado a trabalhar com a equipa. Se ele castiga um gajo importante como o Marega porque lhe disse que queria sair, se dispensa um gajo que não quis nunca fazer parte do grupo e que chegou atrasado aos treinos 1 ou 2x (Bazoer), o que achas que ele pensaria de quem rescindiu com o clube aproveitando-se duma situação como a que o Sporting viveu? Nem para eles falava, que é diferente.

Nunca concordei tanto contigo!

Excelentes análises.
«Não é o Sporting que se orgulha do nosso valor. Nós é que nos devemos sentir honrados por ter esta camisola vestida.» - Francisco Stromp
Raul José em vez de Jesualdo.
Keizer em vez de Vercauteren.


O Varandas é de espirito fraco e vai fazer de tudo para lá se manter, lembrem-se do Godinho Lopes, à minima pressão dos sócios vai logo despedir o treinador e vamos entrar num ciclo de contratar e despedir de novo. Cheira-me que o Keizer vai ser despedido e não falta muito.
Luiz Phellype? Era essa "a" solução,

Era uma solução, mesmo que não fosse a ideal. Pior que o zero que foi Dost não seria, pior das hipóteses seria igual. A desculpa de vir de um contexto de menor exigência não cola quando há dois anos o Porto lança o Soares contra o Sporting a titular, perdemos 2-0 com dois golos dele. O Conceição foi esperto e capitalizou no momento de forma de um jogador que a larga maioria considerava cepo e insuficiente

Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem?

Paz. Percebo que não tenha sido lançado neste jogo, mas o mal foi Keizer não ter preparado esta solução nos jogos anteriores, nem tendo o tipo como opção no banco. Para quem veio com rótulo de ter grande coragem a apostar na formação... é que se nem quando a chavalada é muito melhor do que os "titulares" tem oportunidade, não estou a ver quando terá.
Para o Gudelj a mesma coisa. Podíamos, ou melhor, devíamos ter ali alguém melhor? Sim. Mas quem?

Paz. Percebo que não tenha sido lançado neste jogo, mas o mal foi Keizer não ter preparado esta solução nos jogos anteriores, nem tendo o tipo como opção no banco. Para quem veio com rótulo de ter grande coragem a apostar na formação... é que se nem quando a chavalada é muito melhor do que os "titulares" tem oportunidade, não estou a ver quando terá.

Também não consigo entender esta falta de aposta no Paz, pior que o Gudelj e o Petro não fazia e sempre vai crescendo.

Como dizes, o Keizer tem desiludido com a falta de aposta na formação, quando era uma das suas supostas mais-valias.