Marcel Keizer - Treinador do Sporting Clube de Portugal

0 Membros e 3 Visitantes estão a ver este tópico.

Citar
Carta Aberta a Marcel Keizer
Por Ricardo Vaz - 20/01/2019

Mister Marcel Keizer, antes de mais desculpe a minha ousadia, mas como estou certo de que já percebeu a dimensão do Clube que representa, irá compreender certamente. Uma equipa com a dimensão do Sporting Clube de Portugal tem e deve ter como objetivo conquistar todas as competições em que está inserida, sobretudo as competições nacionais. Com este objetivo, é “certo e sabido” que a equipa terá um volume de jogos elevado, assim sendo é necessário gerir da melhor forma a equipa, certo?

Nas últimas temporadas, nós, sportinguistas, assistimos a algumas opções técnicas que podem ter ditado o nosso insucesso no que diz respeito a títulos alcançados no futebol. Em breve, entraremos numa série de encontros dificílimos e de extrema importância para as diversas competições em disputa, onde é fundamental gerir a equipa de forma inteligente para que seja possível alcançar a Glória.

Apesar de concordar consigo quando referiu que temos um plantel curto para o volume de jogos que temos pela frente até final da temporada, considero que temos alguns jogadores com potencial para ajudarem a equipa e quiçá dificultar a sua tarefa enquanto treinador no momento de eleger o “onze”.

A presente janela de transferências era uma oportunidade para aumentar as suas opções e combater algumas lacunas detetadas, nomeadamente um defesa esquerdo, um avançado, um médio criativo e sobretudo um médio defensivo. Até ao momento resgatámos Franscisco Geraldes (médio criativo que provoca tantas expectativas no Universo Leonino), Luiz Phellype (avançado proveniente do FC Paços de Ferreira e que ainda se encontra no topo da lista de melhores marcadores da Segunda Liga) e Idrissa Doumbia (médio defensivo que procura melhorar a sua condição física para entrar nos planos). Destes, apenas o avançado brasileiro já teve a oportunidade de envergar a listada verde e branca, deixando água na boca dos sportinguistas nos poucos minutos em campo diante do Feirense. Ou considera que o melhor marcador da Segunda Liga não é uma opção válida para render Bas Dost?

Relativamente à sua equipa titular, quero apenas fazer um reparo: Diaby e não Raphinha, porquê? Será que as prestações do maliano nos treinos e a esperança de que possa replicar isso nos jogos justificam a titularidade? Na temporada anterior, Bruno Fernandes foi um dos jogadores mais castigados por não existir uma opção válida no banco para ocupar o centro do terreno, na presente temporada ainda se verifica esta lacuna? Será que Francisco Geraldes ou até mesmo Miguel Luís não apresentam qualidade suficiente para renderem Bruno Fernandes ou Wendel?

Tal como o mister referiu em conferência de imprensa “é com estes jogadores que vamos lutar pelo título” e considero que é fundamental gerir a equipa nas próximas partidas. Com isto, não quero dizer para fazer poupanças mas sim aproveitar o que tem no banco em benefício do desempenho da equipa.

Força Sporting Clube de Portugal.


Bola na Rede
Não percebo a demora nas substituições, normalmente só mexe aos 80 minutos se não acontecerem lesões.

Neste momento sem falar nas debilidades dos laterais a defender. Acho que há 3 pedras na engrenagem:

- Gudelj, que joga devagar e devagarinho, com jogadores rápido podiamos apanhar facilmente os adversários em contra-pé. Normalmente os passes são para o lado, é um jogador pouco vertical.

-Nani, ok marca golos...no entanto prende a bola demasiado, tentanto adornar sempre qualquer lance. Causa-me uma pilha de nervos quando tem colegas a desmarcar-se e resolve dar mais uma volta sobre ele mesmo. Se calhar ganhava em sair das laterais e jogar mais junto ao Bas Dost em zona de finalização.

-Diaby, o jogador que mais me faz lembrar Yannick Djaló...os pés parecem tijolos tal a dificuldade em controlar os passes que lhe fazem.
Neste momento, não é possível saber se o Keizer tem noção de alguma coisa ou não. Da mesma maneira que não é possível perceber se o Keizer tem favoritos ou se se encontra a cumprir ordens vindas de cima.

O homem apanhou um plantel de m****, sem pré-temporada, a meio da 1.ª volta do campeonato. Introduziu processos na equipa, as exibições melhoraram. Os adversários aperceberam-se, as exibições pioraram. O pessoal acusou-o de incapacidade defensiva, presenteou-nos com dois jogos que, defensivamente, foram melhores.

Contudo, neste momento, é impossível perceber o que é o treinador e o que quer o treinador. O homem não tem qualquer tipo de background comparativo. Tem meia dúzia de meses de trabalho no Ajax e depois tem um trabalho no Médio Oriente. Dificilmente é possível encontrar algum sinal de estabilidade na carreira do homem.

Não é possível perceber se o Keizer está a queimar o Miguel Luís ou o Jovane. Se aposta muito ou pouco na formação. Se é comissionista ou não. Quais são, sequer, as ideias de jogo. Neste momento, até nisso criou alguma confusão - o que não é necessariamente mau, pois demonstra alguma versatilidade.

A análise do trabalho do treinador, neste momento, tem todas estas condicionantes. Acumulou um erro que, para mim, foi muito estúpido: não ter levado uma alternativa para PL para Tondela. Depois disso, tenho discordado de algumas opções. Discordo da opção Petrovic e Gudelj. Acho que nenhum deles tem lugar no Sporting CP e que, por esta altura, o Bruno Paz deveria ter mais minutos - veremos como será com o Doumbia. Discordo da opção Diaby. Não tem lugar no Sporting CP e acho um desperdício tê-lo numa convocatória e deixar o Jovane de fora. Não tenho concordado com a gestão do Miguel Luís.

O homem tem agora 6 meses para convencer. Se convencer o suficiente, vai poder preparar a próxima temporada. Dêem-lhe condições para isso, mas, em simultâneo, imponham-lhe objectivos e não lhe satisfaçam todos os caprichos como fizeram ao Jorge Jesus.

Com isso tens razão. É dificil perceber se ele já tem favoritos ou está a cumprir ordens. Contudo, para mim, a maneira como ele está a insistir em certas coisas demonstra uma diferença grande comparado com o Keizer que eu conheço e vi no Ajax.

Isto até foi um dos pontos positivos que eu mencionei aqui no inicio quando ele começou no Sporting. No Ajax sempre mostrou ter boas capacidades de ler o jogo e mexer na equipa muito rapido. Por exemplo, Ajax tinha contratado o Wöber como central, mas este claramente estava a ser o elo mais fraco na equipa. Keizer não perdeu tempo em procurar e resolver o problema, e sobretudo de maneiras não ortodoxas. Mudou o Wöber de central para lateral e Viergever vice versa. Quando isto também não estava a funcionar 100% ele teve bolas de jogar com o Frenkie de Jong (que ainda não era titular) como central contra o lider PSV num jogo importante para reduzir a distancia. Esta mudança foi um dos razões que Ajax naquele momento melhorou muito. E tudo segundo a filosofia de Cruijff. Quando tens a qualidade para ter e manter a posse de bola, o adversario não vai fazer muito em termos ofensivos. Ajax foi para o intervalo com 78% posse de bola.

O que Keizer está a fazer no Sporting neste momento é o oposto e é por isso que eu vejo isso como um sinal que ele já tem alguma noção de certas coisas. Acho que a pressão e algum receio é evidente, e em combinação com a maneira que os adversarios (por enquanto) estão a travar o nosso jogo devido a lenta circulação de bola e falta de sintonia, ele está a optar para uma via mais seguro. É por isso que... por enquanto... consegue entender certas escolhas e ainda vejo isso como uma fase de adaptação.

Por mais que eu quero ver o Diaby sentado no banco também, consegue entender o porque de Keizer continuar a insistir nele. Tudo por causa de aquele fase que ele teve com varios golos e assists. E depois é muito facil desejar ver jogar o Raphinha, Jovane ou Miguel Luis ou whoever, mas qual destes jogadores mostraram serviço de tal maneira que eles removam todas as duvidas para o Keizer escolher para eles? Porque ao mesmo tempo acho então interessante abrir os threads dos jogadores em questão e ler que eles ainda não estão a convencer todos os jogos.

É pena ler que vais ter a paciencia para só mais 6 meses. Isso foi meu grande receio logo de inicio com este casamento entre Sporting e o Keizer. Não vou e nem posso comparar o Keizer com o Pep Guardiola, mas o que eles têm em comum é a filosofia. Até o Pep, talvez o melhor treinador do mundo, precisou mais que 8-9 meses para ter sucesso no Man City. Aposto que após aquela primeira época sem ganhar um qualquer premio, o "versão Man City" do forumSCP já andava tudo revoltado e a gritar por outro treinador.

É isto que infelizmente faz a desvantagem do treinador holandes ainda maior. Na Holanda é normal aguentar o treinador por mais tempo. Toda a gente já sabe que os processos precisam de tempo. Os exemplos disso são muitos. Recentemente Cocu e van Bronckhorst ambos tiveram a oportunidade de falhar na primeira época para depois ser campeão na ano seguinte. Mas esta paciencia nos campeonatos fora da Holanda é raro.
« Última modificação: Janeiro 22, 2019, 02:54 am por Antonio_4 »
"Playing football is very simple, but playing simple is the most difficult thing there is."

#14
Prepara a vaselina, ou dás ou levas. Quero ver o keizerball de Baku.
ALGUM MAGNATA QUE COMPRE O CLUBE!
FARTO DOS PALHAÇOS LÁ METIDOS!
Insisto: mais contentes ou menos contentes com o treinador, não seria má ideia reservarem conclusões definitivas para o fim da época. O contexto não é o mais fácil, há alguns sinais negativos e também já os houve positivos. Nada como o tempo para perceber de que é feito Keizer. 

Mais do que a Taça da Carica, a próxima dupla jornada do Campeonato (ida a Setúbal e recepção aos vermelhos) vai ser muito importante para o seu percurso no Sporting, diga-se.

An? Mas para quê? Então com dois meses de trabalho o homem já passou de bestial a besta e já tem que ser despedido.

O adepto do Sporting é um caso de estudo. Bom, acho que também explica muito a história recente ou menos recente do clube.

Não foi o Keiser que passou de bestial a besta. Foi o nosso futebol.
O adepto do Sporting é um caso de estudo pq vê a equipa a jogar cada vez pior e ainda reclama. Era expulsar esses gajos de sócio.

Não é verdade. Ainda no último jogo fora contra o Feirense fizeste um bom jogo e nesta última partida em Alvalade podias perfeitamente ter ido para o intervalo com 3 ou 4 golos marcados (fomos com 2, o Dost falhou uma bola escandalosa e ainda tivemos bolas em zona perigosa para fazer mais, não fosse o Diaby).

O único jogo onde faço críticas veementes a Keizer é o de Tondela. Em Guimarães fomos inferiores mas fizemos um jogo parecido ao que o Benfica fez lá e ao que o resto das equipas vão fazer lá (simplesmente o Benfica estando claramente por baixo do jogo foi lá uma vez e marcou, atrás teve a estrelinha de não sofrer). E contra o Porto... neste momento é uma equipa com uma estabilidade, uma confiança e uma quantidade e qualidade de soluções com que nós ainda não conseguimos ombrear.
A mim o que me "chateia" neste momento é ver deixamos de ter a mobilidade, povoamento e intenção de trocar a bola a 1/2 toque no meio campo que tínhamos inicialmente. Há momento em que os centrais não têm linhas de passe e não vejo os médios baixar para dar linhas de passe e permitir a subida no terreno e progressão, de forma rápida, natural e cristalina que inicialmente se via, isto apesar de depois, pela falta de qualidade de alguns jogadores, se perder muitas bolas.

Não me refiro aos golos (também, claro) mas há forma de jogar nos primeiros jogos de Keizer que me fascinou, agora estamos uma equipa "banal" na troca de bola.
GUIMARÃES 2012 - A cultura do mundo numa só cidade...
www.sportingateamorte.blogspot.com
A mim o que me "chateia" neste momento é ver deixamos de ter a mobilidade, povoamento e intenção de trocar a bola a 1/2 toque no meio campo que tínhamos inicialmente. Há momento em que os centrais não têm linhas de passe e não vejo os médios baixar para dar linhas de passe e permitir a subida no terreno e progressão, de forma rápida, natural e cristalina que inicialmente se via, isto apesar de depois, pela falta de qualidade de alguns jogadores, se perder muitas bolas.

Não me refiro aos golos (também, claro) mas há forma de jogar nos primeiros jogos de Keizer que me fascinou, agora estamos uma equipa "banal" na troca de bola.

Era suposto estar ali um 6 a fazer a ligação, só que o 6 não faz nada, mais valia não estar, quase que mais vale meter o Wendel a 6.
Keizer desde o inicio que é visto com enorme desconfiança por parte dos adeptos. Vindo de um campeonato inexistente em termos competitivos, sem currículo para o apoiar, estrangeiro, ideias românticas e escolhido pelo mau amado Varandas. Tudo condicionantes externas aos seu valor mas que entram na cabeça dos adeptos. Chegou e deu uma lufada de ar fresco a um Sporting amargurado e dividido pelos acontecimentos do verão escaldante que se viveu e vive.

Deu duvidas aos adeptos que estranharam a sua contratação. Acicatou o corporativismo de treinadores portugueses. Rejuvenesceu a crença da luta pelo titulo. Mostrou serenidade e desportivismo nas suas palavras. Eram goleadas com nota artística a todos.

Apareceu depois a grande capacidade do treinador Tuga. A capacidade de anular o futebol e impedir por todos os meios a festa do golo. É assim a mentalidade Tuga. Um jogo de futebol é não sofrer golos e ás vezes marcar. Houve várias tentativas até que aconteceu e o futebol espectáculo caiu perante o futebol resultado. Acabou a fase de deslumbramento dos adeptos e principalmente de Keizer.

Keizer apercebeu-se onde tinha calhado e que o seu romantismo futebolístico tinha de ser alterado ou iria ser comido vivo. O problema é que alterações sobre alterações afecta também a capacidade dos jogadores de saberem o que fazer e a pressão das bancadas é grande. As exibições são sofríveis e a confiança abalada. Será necessário uma onda de vitórias para aumentar os índices de confiança. Engraçado que os índices de confiança influenciam todos os outros índices. E hoje, o Sporting não mostra grande confiança.

Estamos em semana de decisões na Taça da Liga. Uma competição desvalorizada mas ao mesmo tempo uma arma de arremesso. Keizer e a equipa sabe que se ganhar é só mais uma taça da carica mas se perder é o fim do mundo. Esta é a vertigem que colhe uma grande massa adepta. Vamos ver como se comporta nesta sua primeira final.
Prepara a vaselina, ou dás ou levas. Quero ver o keizerball de Baku.

Queres queres :)

O que muita gente ainda nao percebeu ou nao quer perceber é que este treinador é fraco.

Ganha com bom futebol a equipas que nada ou pouco valem.

E tem claro aquela imagem que o "sportinguista" gosta ... elegante e educado como diz o outro bademeco da rtp.

É aguentar agora o 4 lugar! já é bem bom!
QUEREMOS O VARANDAS E RESTANTE TRUPE NA RUA !

1 SOCIO 1 VOTO
Começa a fazer as malas Keizer, os croquetes vão-te queimar.
Citar
Diaby ou Raphinha?
Por Bernardo Leitão Oliveira - 21/01/2019

É um dos temas muito abordados pela massa associativa leonina. Com a recuperação de Raphinha, têm surgido dúvidas sobre qual dos dois deve ser utilizado, uma vez que Nani parece ser dono e senhor de um dos lugares nas faixas, ainda para mais com a braçadeira de capitão.

Diaby e Raphinha são ambos jogadores que chegaram ao Sporting CP no mercado de verão, o primeiro contratado por Sousa Cintra, o segundo ainda por Bruno de Carvalho. Foram investimentos algo avultados para os cofres leoninos, o que demonstra a expectativa que se deposita nos dois avançados. Deste modo, feita a introdução, qual o jogador que para mim deveria alinhar no onze inicial do Sporting CP? A resposta vem já a seguir.

Diaby chegou este ano ao Sporting CP pela mão de Sousa Cintra que projetou que o maliano viria a ser uma peça chave na equipa. Pois bem, o avançado tem uma velocidade fora do normal e tem jogado quase todos os jogos com Keizer, excetuando a partida frente ao CD Feirense, em que a equipa de Alvalade venceu por 2-0. Penso que a opção do técnico holandês pelo avançado de 27 anos em muito se deve à profundidade que este pode entregar à equipa. Contudo, Diaby parece ter algumas dificuldades em jogar em apoio curto, algo necessário na maneira de jogar do Sporting CP. Para além disso, apesar de parecer um avançado tecnicista, a verdade é que por várias vezes demonstra ter algumas limitações tanto na receção como no passe. Há dias, contra o FC Porto, ouvi um comentador dizer que Diaby estava a ser o abre-latas da equipa. Só posso discordar, porque se formos analisar a partida, o maliano pecou várias vezes nas suas decisões ou na forma como as executou. Parecer não chega, é preciso ser.

Com 27 anos, não se espera que Abdoulay Diaby evolua mais do que aquilo que apresenta atualmente, e em termos de venda também haverá alguma dificuldade em rentabilizar aquilo que foi despendido. Assim, penso que a sua contratação foi errada dada a idade e a pouca produção em campo. Em termos de números, o jogador já atuou em 27 jogos, apontando 6 golos. Tem tido inúmeras oportunidades pelo atual treinador, e penso que, ao ser substituído muitas vezes tardiamente, acaba por se tornar um alvo mais fácil de criticar, pois a sua presença em campo durante tantos minutos origina descontentamento nas bancadas, o que nunca é bom para um atleta.

Já Raphinha vinha sendo aposta sólida de José Peseiro. A lesão fez com que estivesse um tempo fora dos relvados e só agora começa a atingir a forma que anteriormente apresentara. A aposta de Kiezer no jogador para a partida frente ao CD Feirense demonstra que confia nas capacidades do brasileiro. Ainda assim, Diaby tem somado mais minutos. No jogo frente ao FC Porto, os adeptos suspiravam pelo avançado que veio do Vitória SC, mas a substituição ocorreu apenas ao minuto 80.

O brasileiro é um jogador rápido, ágil, com qualidade técnica e faro pelo golo, mas não tem apresentado a consistência necessária para dizermos que estamos já perante um grande jogador. Penso que pode oferecer outra vertigem ao jogo leonino, outra qualidade com bola, para além de fazer bem as compensações defensivas. Quando joga, vê-se vontade e pormenores interessantes. A sua irreverência pode sempre trazer algo de novo ao jogo, tanto a assistir como a marcar. O golo marcado ao CD Feirense, por exemplo, foi um golo com muita qualidade, em que tira o seu adversário direto da frente e coloca a bola junto ao poste mais distante. Em termos de números, Raphinha soma 16 partidas disputadas e 3 golos, tendo estado lesionado por um período considerável de tempo.

Para concluir, por que jogador eu optaria? A resposta parece-me óbvia: Raphinha. Para mim, o brasileiro apresenta um potencial elevado para a sua idade (22 anos) ao invés de Diaby, que já tem 27 anos e não demonstra o que é necessário para somar tantos minutos como tem feito. O rendimento do maliano parece sempre estar muito aquém daquilo que se deve exigir a um jogador do Sporting CP e prevejo que o brasileiro venha a ser uma peça fundamental em Alvalade. Sou sincero, custa-me sempre quando vejo a equipa inicial e Diaby é o titular. Considero que é um jogador a quem já se deram tantas oportunidades e em praticamente todas elas não foi capaz de corresponder. Saber que há no banco Raphinha e ainda Jovane mas ver que a opção recai sempre no mesmo, causa-me alguma inquietação. Penso que o tempo de Raphinha irá chegar. No final da época falamos.


Bola na Rede

Façam um referendo à porta do estádio  :rotfl:
A ideia actual tem pouco a ver com a ideia de há dois meses atrás.

Ele lá saberá o que pretende e se está a moldar-se ao estilo português ou a deixar-se contaminar. Limito-me a dizer que tenho pena que tenha abdicado, aparentemente, da ideia e estilo que trazia.

Ele não abandonou rigorosamente nada, simplesmente os adversários ajustaram-se à sua maneira de jogar, bloqueando o sector central e encurtando as linhas. O que o Keizer precisa é de acrescentar mais noções tácticas de modo a reverter isso. Agora é preciso tempo e a jogar de 3 em 3 dias isso não é possível.

Até nisso o peseiro foi incompetente, não conseguiu nos deixar eliminados da taça da liga e que falta nos fazia esse tempo agora.     

O único jogo em que abdicamos verdadeiramente foi contra o Porto.
De resto tentamos sempre jogar como desde início. As equipas é que estão cada vez mais preparadas para jogar contra nós. Cabe agora ir introduzindo variantes qu permitam tornar o nosso jogo mais imprevisível e que permitam encontrar caminhos alternativos. As equipas bloqueiam o acesso aos interiores? Temos de atrair a linha média, abrir o espaço entre-linhas, e deixar lá alguém enquadrado.
 
Em termos ofensivos, a questão encontra-se nesse ponto.

O Sporting dos primeiros jogos com Keizer introduziu algo que só uma equipa fazia com qualidade em Portugal (Braga): bola directa do central para o avançado ou médio-interior já dentro do bloco adversário.

Esta situação confundiu muito os adversários e o Sporting com Wendel, BF e Nani a definirem a níveis muito altos chegou a atropelar alguns adversários.

Os problemas começaram e continuam quando o Keizer insiste em construir 99,9% das situações a dois (Coates-Mathieu) e, muitas vezes, com o próprio Gudelj a fechar espaços de entrada do passe e os laterais demasiado subidos.

Soluções:

1. Construção a 3. Coates-Gudelj-Mathieu e com as nuances de colocar em alguns momentos o Wendel ou BF no lugar do Gudelj.

2. Construção a 2 mas com Wendel e BF a ocuparem posições laterais no terreno. Com o Feirense aconteceu por 1 ou 2 ocasiões...

                   Coates                                 Mathieu
                                         Gudelj                     
                                                                                        BF

O que tornará sempre o jogo do Sporting mais imprevisível pela maior capacidade de passe, visão de jogo e pelo próprio pé trocado que pode dar vantagem ao Wendel/BF para explorar rapidamente espaços interiores.

3. Construção a 2 ou 3 mas os extremos a assumirem ambos posições mais interiores.

           Coates                 Gudelj                  Mathieu

                             BF                Wendel

Risto          Raphinha                         Nani                 Acuña
                                   Bas Dost

Raro acontecer porque Diaby/Raphinha acabam por ficar sempre encostados na linha. Nani faz este movimento mas depois é incapaz de acelerar o jogo. Nesta dinâmica imagino o Matheus a "explodir" o Tugão.
______________________________________________________________

Continua a achar é que algumas apostas não são adequadas para o modelo ou dinâmicas da equipa.

Coates pela falta de concentração competitiva e velocidade. Ainda neste jogo podia perfeitamente ter cortado o ângulo de entrada do cruzamento mas existe uns segundos em que desliga...

Gudelj pela fraca dinâmica defensiva e ocupação de espaços anárquica. Está sempre preso ao HxH, faz lembrar aquele lance em que o Sporting perde o jogo com o Barcelona porque o Battaglia fechou tão bem as linhas de passe para o Messi que houve um lance que vem o Rakitic e o Battaglia tira os olhos da bola/adversário, abrindo uma "via verde" pelo centro para ir atrás do argentino do catalães.

Diaby pela falta de criatividade e visão de jogo. É um jogador que raramente ocupa o espaço certo e que apresenta um padrão de decisão "fechado". Poderá ser muito útil para explorar a profundidade, onde é forte na procura do espaço e no seu aproveitamente (veloz é ele).

Nani é um excelente jogador mas é incapaz de ocupar a ala nesta fase. Pode e deve entrar na rotação. Assumirá papel fundamental em espaços interiores mas teria de haver algumas alterações das dinâmicas do meio-campo nesses momentos. Deixaria de ser um "9,5" (BF) para ser um "10" (Nani).

Bas Dost porque mesmo quando é capaz de oferecer o apoio frontal é 80% das vezes incapaz de definir ou executar.
"O Sporting tem os melhores adeptos do Mundo mas os piores sócios do Mundo porque são, constantemente, incapazes de decidir o melhor para o clube" PMR, 1/11/2018

CONTRA TUDO E CONTRA TODOS! SPORTING SEMPRE!
Põem-te fino que as próximas 4 semanas vão ser decisivas para os adeptos te apoiarem ou virarem-se contra ti.
"Para mim , o Sporting é como uma mulher que se ama logo à primeira vista. Um homem pode conhecer várias mulheres , mas há sempre ‘aquela’, a especial. Independentemente de ficarmos com ela ou não, lembramo-nos dela para sempre!" - Ivone De Franceschi
Aquilo que neste momento me parece, é que o Keiser das goleadas, do apostar nos jovens, do futebol bonito, acabou.
E acabou porquê? Perguntam vocês?
Porque Keiser, neste momento é um boneco, uma marionete com medo, comandada por alguém, que eu não sei quem?
O lage vai para os lampiões, e vai buscar jogadores, que nunca jogavam com o anterior treinador, para os conhecer.
O que faz o Keiser? Joga sempre com a mesma equipa, não há rotatividade, ele viu o Lumor a jogar? Deu-lhe alguma oportunidade?
Foi emprestado com base no que se vê nos treinos, ele não quer ver novos jogadores na equipa? Deixa o Nani se arrastar no campo? Com várias soluções no banco.
E se dizem que já não é o mesmo que era no Ajax, é porque está com medo, e nós precisamos é de um treinador como o Sérgio Conceição, com sangue na gelra, antigo jogador, que goste do clube, não precisamos de uma marionete, tenho saudades de ver os putos Jovane e Miguel Luis a jogarem, muita qualidade.
Ou vão ser outros Manafás, Wilson Eduardos, que são emprestados e depois estão no Porto, ponham os olhos no Mama Baldé, titular de caras no Sporting, está emprestado, um gajo raçudo dá tudo da formação, do mesmo estirpe do Acuna, qual Kevin Rodrigues, qual Borjan? A oportunidade a estes jovens onde estão?
O Sá Pinto pela garra que vinha trazer, também a maior experiência era uma óptima aquisição, e temos o Silas, também.
Mas aquilo que eu espero é que aquele Keiser dos primeiros jogos apareça novamente, e que volte a lançar os putos, mas ele não vinha apostar na formação? Acho que ele é comandado pelos jogadores, e não é ele que comanda, daí, jogar sempre com as vacas sagradas até rebentar.
Acorda Keiser, se não és assim e mostra que tens tomates, porque ultimamente, não pareces ter, essa figurinha simpática, já cansa, com os resultados, opções e tudo o resto, quando te estou a ver nas conferências de imprensas, pareces um peseiro, borrado, mas o peseiro, teve uma fase mais conturbada e não teve Dost, nem Mathieu durante algum tempo, e estávamos a 2 pontos, já tendo jogado com os 2 clubes lampiões.
Eu, tu, ele, ela nós vós somos o SPORTING.
Viva o Sporting Clube De Portugal.
Treinar um clube como o Sporting nunca foi fácil para qualquer treinador, somos um clube grande, mas que infelizmente anda bem arredado das vitórias na nossa competição principal o campeonato, no entanto a massa adepta só pensa em voltar aos dias de glória que estão lá bem longe no tempo. Não é em dois meses que Keizer vai revolucionar o Sporting, nem ele nem qualquer treinador, até porque o nosso atraso estrutural relativamente aos nossos dois rivais é bem grande.  O futebol português está carregado de subterfúgios, porto e benfica há anos que lutam pelo poder das estruturas do futebol nacional e que trabalham a melhor de forma de dominar as áreas de decisão, enquanto nos vemos passar os navios.
O Keizer não tem uma tarefa fácil e deve ter o seu tempo para poder mostrar que é capaz de levar a equipa a bom termo, claro que ninguém lhe vai dar 2 anos para por o Sporting a ganhar títulos, agora até ao fim da época tem que mostrar ser capaz de fazer evoluir o seu conjunto.
Com 2 meses de clube, como inteligente que parece ser, ja deve ter tido de conversar com o 'dr presidente', tendo percebido que está num clube que se encontra à mercê de forças espirituais...

Posto isto, tudo é possível em termos de opções de um treinador que bloqueou no inicio de janeiro...

Deve continuar a usar os mesmos 11-12 jogadores, e no final sempre pode esgrimir o argumento, que ja por aí corre em antecipação, das tais - PERNAS FRESCAS.

No entanto, espero que não se verifique o expectavel...  E QUE SE GANHE CONTRA TUDO E CONTRA TODAS AS EXPETATIVAS!
O Sporting somos NÓS!!!!.

'Isto' que temos agora não é nada....  outra vez!
Bora keiser, equipa ainda tens, faz de conta que ha lider no clube...

Acredita!

Allez....
Espero que de uma vez por todas sente o Diaby.