As nossas Finanças

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Dado que me parece ser um tema de interesse transversal, resolvi criar um tópico para discussão / divulgação / sugestão das diversas formas de poupar algum €€€ no nosso dia-a-dia.

A ideia será não só falar de aplicações financeiras mas também formas mais ou menos complexas de poupar alguns euros em actividades do nosso quotidiano, em que por vezes nem nos apercebemos de que estamos a gastar mais do que necessário.

Vou dar o mote com duas ou três sugestões:

Para clientes Santander 1-2-3:
Sabiam que à 3ª terça-feira de cada mês podem abastecer na Repsol com um desconto extra de 8 cêntimos por litro para além do desconto no cartão 1-2-3?

O truque é dar o Cartão 1-2-3 para os pontos mas pagar com o cartão de débito do Santander!


Depósitos bancários:
Atualmente as taxas de juro são tão baixas, que se somarmos as despesas todas que temos com a manutenção das contas facilmente chegamos à conclusão que em vez de termos rendimento com as poupanças, andamos a pagar aos bancos para nos guardar o dinheiro (e em cima disso ainda pagamos impostos sobre um juro que acabamos por não receber!!!).

Sugestão: usufruir das diversas ofertas online de depósitos a 3 meses com taxas de juro a rondar os 2%, fazendo circular o dinheiro de banco em banco, podendo inclusivamente alterar os titulares das contas para voltar a usufruir a oferta. Dá um pouco de trabalho, mas pode significar uma poupança jeitosa ao final do ano!

Vou tentar alimentar o tópico com outras sugestões, e certamente haverá mais pessoal com ideias porreiras para partilhar.  :great:
"Good judgment comes from experience, and experience comes from bad judgment." - Barry LePatner
Depósitos bancários:
Atualmente as taxas de juro são tão baixas, que se somarmos as despesas todas que temos com a manutenção das contas facilmente chegamos à conclusão que em vez de termos rendimento com as poupanças, andamos a pagar aos bancos para nos guardar o dinheiro (e em cima disso ainda pagamos impostos sobre um juro que acabamos por não receber!!!).

O melhor a fazer com o dinheiro é colocá-lo em acções/fundos (em alternativa em bens que dificilmente desvalorizam, como casas/apartamentos/etc)...

Não sei como é em Portugal, aqui pela Suécia existem imensos bancos e outras instituições financeiras que permitem colocar em fundos bem diversificados, alguns deles que seguem simplesmente o index da sua categoria e que por isso têm taxas muito reduzidas. Em vez de 0-2% estamos a falar de 10-20% ao ano ou até mais, depende da arte de escolher fundos e da evolução da economia local, mundial e dos diferentes nichos. A minha estratégia costuma ser 15% fundos obrigações - 85% fundos acções, cerca de metade a seguirem index's e os outros em nichos e depois tenho acções de um conjunto de cerca de 10 empresas que tradicionalmente distribuem dividendos directos relativamente elevados (tipo 3-5% por acção).
Depósitos bancários:
Atualmente as taxas de juro são tão baixas, que se somarmos as despesas todas que temos com a manutenção das contas facilmente chegamos à conclusão que em vez de termos rendimento com as poupanças, andamos a pagar aos bancos para nos guardar o dinheiro (e em cima disso ainda pagamos impostos sobre um juro que acabamos por não receber!!!).

O melhor a fazer com o dinheiro é colocá-lo em acções/fundos (em alternativa em bens que dificilmente desvalorizam, como casas/apartamentos/etc)...

Não sei como é em Portugal, aqui pela Suécia existem imensos bancos e outras instituições financeiras que permitem colocar em fundos bem diversificados, alguns deles que seguem simplesmente o index da sua categoria e que por isso têm taxas muito reduzidas. Em vez de 0-2% estamos a falar de 10-20% ao ano ou até mais, depende da arte de escolher fundos e da evolução da economia local, mundial e dos diferentes nichos. A minha estratégia costuma ser 15% fundos obrigações - 85% fundos acções, cerca de metade a seguirem index's e os outros em nichos e depois tenho acções de um conjunto de cerca de 10 empresas que tradicionalmente distribuem dividendos directos relativamente elevados (tipo 3-5% por acção).

Os portugueses têm receio desse tipo de aplicações financeiras nos últimos anos. Os tribunais estão entupidos de processos - contra vários bancos - por terem subscrito aplicações financeiras que não faziam a menor ideia do que eram e que, mais tarde, os fizeram perder todas as poupanças. Incluem-se nisso a compra de obrigações, acções e investimento em fundos.

Acrescento, contudo, que é um bom tópico. Há uns tempos atrás a DECO oferecia a possibilidade de fazer investimento conservador em acções o qual era relativamente rentável (bastante mais do que ter o dinheiro depositado em bancos).
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:
Depósitos bancários:
Atualmente as taxas de juro são tão baixas, que se somarmos as despesas todas que temos com a manutenção das contas facilmente chegamos à conclusão que em vez de termos rendimento com as poupanças, andamos a pagar aos bancos para nos guardar o dinheiro (e em cima disso ainda pagamos impostos sobre um juro que acabamos por não receber!!!).

O melhor a fazer com o dinheiro é colocá-lo em acções/fundos (em alternativa em bens que dificilmente desvalorizam, como casas/apartamentos/etc)...

Não sei como é em Portugal, aqui pela Suécia existem imensos bancos e outras instituições financeiras que permitem colocar em fundos bem diversificados, alguns deles que seguem simplesmente o index da sua categoria e que por isso têm taxas muito reduzidas. Em vez de 0-2% estamos a falar de 10-20% ao ano ou até mais, depende da arte de escolher fundos e da evolução da economia local, mundial e dos diferentes nichos. A minha estratégia costuma ser 15% fundos obrigações - 85% fundos acções, cerca de metade a seguirem index's e os outros em nichos e depois tenho acções de um conjunto de cerca de 10 empresas que tradicionalmente distribuem dividendos directos relativamente elevados (tipo 3-5% por acção).

Os portugueses têm receio desse tipo de aplicações financeiras nos últimos anos. Os tribunais estão entupidos de processos - contra vários bancos - por terem subscrito aplicações financeiras que não faziam a menor ideia do que eram e que, mais tarde, os fizeram perder todas as poupanças. Incluem-se nisso a compra de obrigações, acções e investimento em fundos.

Acrescento, contudo, que é um bom tópico. Há uns tempos atrás a DECO oferecia a possibilidade de fazer investimento conservador em acções o qual era relativamente rentável (bastante mais do que ter o dinheiro depositado em bancos).

A aversão ao risco é conhecida, mas com as taxas de juro próximas do zero em quase todo o lado não há forma de rentabilizar acima da inflação com depósitos a prazo nos bancos... portanto, a meu ver, a única forma de não perder dinheiro (valor real) é mesmo aceitar o risco. Se o portfolio for global e diversificado o suficiente então dificilmente crasha tudo ao mesmo tempo. A longo prazo, seguir os índices mundiais da quase sempre lucro em todos.

E mesmo a nível nacional não deve ser muito complicado. Quem fizer um portfolio de ações com as 15 maiores do psi-20 por exemplo, quase de certeza absoluta que ao fim de 10-15 anos tem lucro bem acima da inflação. Só se essas empresas dessem o berro, o que significaria que a economia portuguesa também tinha dado o berro (não totalmente impossível, mas nesse caso outras questões mais prementes se levantariam do que propriamente o valor de poupanças)... nunca fiando, é por isso que se devem ter fundos globais.
Depósitos bancários:
Atualmente as taxas de juro são tão baixas, que se somarmos as despesas todas que temos com a manutenção das contas facilmente chegamos à conclusão que em vez de termos rendimento com as poupanças, andamos a pagar aos bancos para nos guardar o dinheiro (e em cima disso ainda pagamos impostos sobre um juro que acabamos por não receber!!!).

O melhor a fazer com o dinheiro é colocá-lo em acções/fundos (em alternativa em bens que dificilmente desvalorizam, como casas/apartamentos/etc)...

Não sei como é em Portugal, aqui pela Suécia existem imensos bancos e outras instituições financeiras que permitem colocar em fundos bem diversificados, alguns deles que seguem simplesmente o index da sua categoria e que por isso têm taxas muito reduzidas. Em vez de 0-2% estamos a falar de 10-20% ao ano ou até mais, depende da arte de escolher fundos e da evolução da economia local, mundial e dos diferentes nichos. A minha estratégia costuma ser 15% fundos obrigações - 85% fundos acções, cerca de metade a seguirem index's e os outros em nichos e depois tenho acções de um conjunto de cerca de 10 empresas que tradicionalmente distribuem dividendos directos relativamente elevados (tipo 3-5% por acção).

Os portugueses têm receio desse tipo de aplicações financeiras nos últimos anos. Os tribunais estão entupidos de processos - contra vários bancos - por terem subscrito aplicações financeiras que não faziam a menor ideia do que eram e que, mais tarde, os fizeram perder todas as poupanças. Incluem-se nisso a compra de obrigações, acções e investimento em fundos.

Acrescento, contudo, que é um bom tópico. Há uns tempos atrás a DECO oferecia a possibilidade de fazer investimento conservador em acções o qual era relativamente rentável (bastante mais do que ter o dinheiro depositado em bancos).

A aversão ao risco é conhecida, mas com as taxas de juro próximas do zero em quase todo o lado não há forma de rentabilizar acima da inflação com depósitos a prazo nos bancos... portanto, a meu ver, a única forma de não perder dinheiro (valor real) é mesmo aceitar o risco. Se o portfolio for global e diversificado o suficiente então dificilmente crasha tudo ao mesmo tempo. A longo prazo, seguir os índices mundiais da quase sempre lucro em todos.

E mesmo a nível nacional não deve ser muito complicado. Quem fizer um portfolio de ações com as 15 maiores do psi-20 por exemplo, quase de certeza absoluta que ao fim de 10-15 anos tem lucro bem acima da inflação. Só se essas empresas dessem o berro, o que significaria que a economia portuguesa também tinha dado o berro (não totalmente impossível, mas nesse caso outras questões mais prementes se levantariam do que propriamente o valor de poupanças).

O pessoal prefere perder dinheiro em depósitos a prazo do que arriscar investi-lo. Mas, de facto, não é muito complicado fazer o tal portefólio de acções. Tal como te disse, a própria DECO disponibiliza esse mesmo portefólio que ainda há uns tempos andava a dar lucros interessantes (15% salvo erro).
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:

 ;D

A sério, 100€ por mês a irem distribuídos num bom portfólio de fundos e é das melhores poupanças que pode haver a longo prazo. Eu tenho 300 mensais, em breve irei duplicar para 600 (saio de licença de paternidade), recomendo que quem tenha possibilidades não deixe um único cêntimo em depósitos a prazo nos bancos, apenas o equivalente a 1-2 ordenados em conta corrente para a gestão normal da economia caseira.
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:

 ;D

A sério, 100€ por mês a irem distribuídos num bom portfólio de fundos e é das melhores poupanças que pode haver a longo prazo. Eu tenho 300 mensais, em breve irei duplicar para 600 (saio de licença de paternidade), recomendo que quem tenha possibilidades não deixe um único cêntimo em depósitos a prazo nos bancos, apenas o equivalente a 1-2 ordenados em conta corrente para a gestão normal da economia caseira.

Bem vindo a Portugal.  :twisted:
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:

 ;D

A sério, 100€ por mês a irem distribuídos num bom portfólio de fundos e é das melhores poupanças que pode haver a longo prazo. Eu tenho 300 mensais, em breve irei duplicar para 600 (saio de licença de paternidade), recomendo que quem tenha possibilidades não deixe um único cêntimo em depósitos a prazo nos bancos, apenas o equivalente a 1-2 ordenados em conta corrente para a gestão normal da economia caseira.

E não queres partilhar esse teu portefólio?  :mrgreen:
"Good judgment comes from experience, and experience comes from bad judgment." - Barry LePatner
Bom tópico  :great:

Por acaso ando à procura de uma solução para aplicar uns 300 ou 400 euros, naquela de ter uma parte da minha poupança a crescer um pouco mais que o juro ridículo da minha conta poupança.
[/71%: VOCÊS SÃO PIORES QUE LAMPIÕESb]
Actualmente em Portugal estou a usar 2 bancos:

- BIG, aconselho vivamente para quem pretende fazer alguns investimentos, eles têm todas as ferramentas necessárias para se perceber no que vamos investir, têm bastantes produtos e fundos disponíveis, e o suporte deles é muito rápido e eficiente, que é o que se pretende num banco de investimento.

- Bankinter. Uso este pq tem que ser, mas no último mês comecaram a enviar uma newsletter diaria sobre mercados que esta muito boa. Vou meter em anexo a de hoje.
O BIG tem tb umas dicas de investimento engracadas, eles chamam de Trading Ideias. Metem o racional para o investimento, pode ser um fundo ou uma accao, os stop losses que aconselham, ta porreiro, vou anexar tb uma para verem.
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:

 ;D

A sério, 100€ por mês a irem distribuídos num bom portfólio de fundos e é das melhores poupanças que pode haver a longo prazo. Eu tenho 300 mensais, em breve irei duplicar para 600 (saio de licença de paternidade), recomendo que quem tenha possibilidades não deixe um único cêntimo em depósitos a prazo nos bancos, apenas o equivalente a 1-2 ordenados em conta corrente para a gestão normal da economia caseira.


Em bem gostava de ter capacidade para meter 300€ de lado por mês, mas isto cá em casa é assim:
550€ de renda
150€ para gás/lus/agua/net
400€ em prestação de mota e telemovel
Depois a isto há que adicionar alimentação, combustivel, ginásio, ração para o cão e gato (só aqui vão 50/60€ por mês), etc etc

E quando finalmente consigo meter algum de lado aparece:
- carro a precisar de repações no valor de 500€
- Mota a precisar de pneus (300€)
- namorada com problemas de saude diversos (essencialmente hipocondria) só este ano já vai em mais de 1000€ em gastos de saude
- IUCs, seguros e o c****** para além das centenas de euros que o estado já papa todos os meses
- outras despesas inesperadas...

E nem é como se eu tivesse uma vida extremamente consumidora porque não tenho. Jantar e saidas fora é 2/3x por mês, roupa e afins só quando necessário, cinema muito muito raramente... Ando a pensar comprar casa, mas parece que como avançar do tempo cada vez fica mais dificil poupar dinheiro. Por isso é que tenho de sair de Lisboa o mais rapidamente possível.
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:

 ;D

A sério, 100€ por mês a irem distribuídos num bom portfólio de fundos e é das melhores poupanças que pode haver a longo prazo. Eu tenho 300 mensais, em breve irei duplicar para 600 (saio de licença de paternidade), recomendo que quem tenha possibilidades não deixe um único cêntimo em depósitos a prazo nos bancos, apenas o equivalente a 1-2 ordenados em conta corrente para a gestão normal da economia caseira.


Em bem gostava de ter capacidade para meter 300€ de lado por mês, mas isto cá em casa é assim:
550€ de renda
150€ para gás/lus/agua/net
400€ em prestação de mota e telemovel
Depois a isto há que adicionar alimentação, combustivel, ginásio, ração para o cão e gato (só aqui vão 50/60€ por mês), etc etc

E quando finalmente consigo meter algum de lado aparece:
- carro a precisar de repações no valor de 500€
- Mota a precisar de pneus (300€)
- namorada com problemas de saude diversos (essencialmente hipocondria) só este ano já vai em mais de 1000€ em gastos de saude
- IUCs, seguros e o c****** para além das centenas de euros que o estado já papa todos os meses
- outras despesas inesperadas...

E nem é como se eu tivesse uma vida extremamente consumidora porque não tenho. Jantar e saidas fora é 2/3x por mês, roupa e afins só quando necessário, cinema muito muito raramente... Ando a pensar comprar casa, mas parece que como avançar do tempo cada vez fica mais dificil poupar dinheiro. Por isso é que tenho de sair de Lisboa o mais rapidamente possível.
Se não for indiscrição, quais os teus fornecedores?

A Endesa neste momento parece-me ser a que melhor tarifas oferece na Luz+Gás, e quanto à Net, a minha mulher trabalha lá, às vezes há umas campanhas para Família e Amigos que já tenho divulgado aqui... :mrgreen:

Quanto à saúde da tua namorada, porque não fazes umas contas a ver se um seguro de saúde te compensa?
"Good judgment comes from experience, and experience comes from bad judgment." - Barry LePatner
É um problema com o qual não me deparo visto que não tenho poupanças :lol:

 ;D

A sério, 100€ por mês a irem distribuídos num bom portfólio de fundos e é das melhores poupanças que pode haver a longo prazo. Eu tenho 300 mensais, em breve irei duplicar para 600 (saio de licença de paternidade), recomendo que quem tenha possibilidades não deixe um único cêntimo em depósitos a prazo nos bancos, apenas o equivalente a 1-2 ordenados em conta corrente para a gestão normal da economia caseira.


Em bem gostava de ter capacidade para meter 300€ de lado por mês, mas isto cá em casa é assim:
550€ de renda
150€ para gás/lus/agua/net
400€ em prestação de mota e telemovel
Depois a isto há que adicionar alimentação, combustivel, ginásio, ração para o cão e gato (só aqui vão 50/60€ por mês), etc etc

E quando finalmente consigo meter algum de lado aparece:
- carro a precisar de repações no valor de 500€
- Mota a precisar de pneus (300€)
- namorada com problemas de saude diversos (essencialmente hipocondria) só este ano já vai em mais de 1000€ em gastos de saude
- IUCs, seguros e o c****** para além das centenas de euros que o estado já papa todos os meses
- outras despesas inesperadas...

E nem é como se eu tivesse uma vida extremamente consumidora porque não tenho. Jantar e saidas fora é 2/3x por mês, roupa e afins só quando necessário, cinema muito muito raramente... Ando a pensar comprar casa, mas parece que como avançar do tempo cada vez fica mais dificil poupar dinheiro. Por isso é que tenho de sair de Lisboa o mais rapidamente possível.

Livras-te do carro, cão, gato e namorada.
Assim poupas fácil.  :twisted: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
"Good judgment comes from experience, and experience comes from bad judgment." - Barry LePatner
Estou a ponderar fazer um PPr aqui:

https://www.bancoinvest.pt/poupanca-e-investimento/investimento/invest-ar-ppr

Alguém tem opinião?

É o melhor PPR que anda por aí, porque é basicamente um portfolio de acções, mas não deves pensar em movimentar o dinheiro nos próximos tempos.

Eu já passei todos os processos que o Luis falou e já usufruí de todos os depósitos promocionais e mais alguns, estão-se a acabar as alternaticas, ultimamente até abri conta na Raize, para ver se consigo alavancar algumas poupanças.

O conselho do Paracelsus é bom, mas eu nunca investiria na bolsa portuguesa. Também tive algumas posições (muito singelas, diga-se) em fundos de índice e aquilo começou mal porque levei com alguns crashes, mas recuperei e entretanto saí no verde porque precisei de liquidez para o curto prazo e acabei com aquele investimento (se tivesse mantido estava, em média, 30% no verde). Por outro lado, com juros a 0%, até eu e a Ti Maria das couves temos dinheiro em fundos índice, sinal de alguma especulação no mercado).

Uma das coisas que acho maravilhosamente redentora é a utilização compulsiva de cartões de crédito com cashback, porque ao fim do ano aquilo dá-me mais dinheiro vivo do que 25k aplicados a um ano.

Para quem quer seguir o conselho do Celsus, aconselho a abrirem conta no Activobank ou Best, eram quem tinha mais oferta de fundos de índice, que em Portugal são bastante escassos. Também há quem use ETF que são fundos índice de comissões mais baixas mas transaccionados em bolsa, eu nunca entrei aí e isso é para quem mete aos milhares numa única operação, não me parece que o comum dos foristas esteja nessa posição privilegiada.

Mas notem bem, o investimento em fundos pode implicar o risco de perda de capital, antes de sair a ganhar também estive 20% no vermelho. Por outro lado, se todos os meses aplicarem os 100 € que o Celsus falou, no fundo vão comprando posições a vários preços, fazendo com que fiquem menos expostos a subidas e quedas repentinas do mercado e, sendo acções, para quem pode ter o dinheiro estacionado alguns anos, acaba por ser o melhor investimento no longo prazo, desde que se saiba que o dinheiro pode lá ficar algum tempo até o investimento atingir a maturidade.
- You're a real stone player, aren't you, Ma? You threatened to smother his children.
- What does that mean?
- You know, everyone thought Dad was the ruthless one. But I gotta hand it to you. If you'd been born after those feminists, you woulda been the real gangster.
- I don't know what you're talking about!
Para coisas mais simples o Bankinter dá 5% durante um ano sobre 5k (valor máximo) da conta à ordem, desde que reunidas algumas condições, que se cumprem com alguma facilidade (débito directo, movimento cartão de crédito e conta-ordenado >800 €).
- You're a real stone player, aren't you, Ma? You threatened to smother his children.
- What does that mean?
- You know, everyone thought Dad was the ruthless one. But I gotta hand it to you. If you'd been born after those feminists, you woulda been the real gangster.
- I don't know what you're talking about!
Estou a ponderar fazer um PPr aqui:

https://www.bancoinvest.pt/poupanca-e-investimento/investimento/invest-ar-ppr

Alguém tem opinião?

É o melhor PPR que anda por aí, porque é basicamente um portfolio de acções, mas não deves pensar em movimentar o dinheiro nos próximos tempos.

Eu já passei todos os processos que o Luis falou e já usufruí de todos os depósitos promocionais e mais alguns, estão-se a acabar as alternaticas, ultimamente até abri conta na Raize, para ver se consigo alavancar algumas poupanças.

O conselho do Paracelsus é bom, mas eu nunca investiria na bolsa portuguesa. Também tive algumas posições (muito singelas, diga-se) em fundos de índice e aquilo começou mal porque levei com alguns crashes, mas recuperei e entretanto saí no verde porque precisei de liquidez para o curto prazo e acabei com aquele investimento (se tivesse mantido estava, em média, 30% no verde). Por outro lado, com juros a 0%, até eu e a Ti Maria das couves temos dinheiro em fundos índice, sinal de alguma especulação no mercado).

Uma das coisas que acho maravilhosamente redentora é a utilização compulsiva de cartões de crédito com cashback, porque ao fim do ano aquilo dá-me mais dinheiro vivo do que 25k aplicados a um ano.

Para quem quer seguir o conselho do Celsus, aconselho a abrirem conta no Activobank ou Best, eram quem tinha mais oferta de fundos de índice, que em Portugal são bastante escassos. Também há quem use ETF que são fundos índice de comissões mais baixas mas transaccionados em bolsa, eu nunca entrei aí e isso é para quem mete aos milhares numa única operação, não me parece que o comum dos foristas esteja nessa posição privilegiada.

Mas notem bem, o investimento em fundos pode implicar o risco de perda de capital, antes de sair a ganhar também estive 20% no vermelho. Por outro lado, se todos os meses aplicarem os 100 € que o Celsus falou, no fundo vão comprando posições a vários preços, fazendo com que fiquem menos expostos a subidas e quedas repentinas do mercado e, sendo acções, para quem pode ter o dinheiro estacionado alguns anos, acaba por ser o melhor investimento no longo prazo, desde que se saiba que o dinheiro pode lá ficar algum tempo até o investimento atingir a maturidade.

Eu sabia que vinhas cá parar @juziel  :mrgreen:

Sim a ideia é mesmo essa, fazer um PPR com um valor inicialmente mais baixo e "esquecer" o dinheiro, e de tempos a tempos reavaliar.

Uma questão sobre o AR, sabes se dá para alterar a prestação, ou no limite levá-la a zero e eventualmente mais tarde retomar?
"Good judgment comes from experience, and experience comes from bad judgment." - Barry LePatner