Daniel Bragança (Emp. Farense)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.
Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Se não vai ter futuro, engana, pois joga-se futebol.

A liga revelação vem trazer um patamar que fazia falta na nossa formação e parece-me que tem dado indícios de que poderá ter um futuro excelente..

Mas os sub'23, pelo menos na minha perspectiva, não visam substituir a equipa B mas sim, fazerem uma ponte entre os juniores e o futebol profissional para que jogadores que ainda não estão preparados para uma 2ª liga mas já com idade sénior possam continuar a sua evolução como por exemplo um Nuno Moreira ou um Tomás Silva.. como no passado, um Guilherme Ramos ou um Pedro Ferreira que ficaram na equipa B sem jogar.. ou até para jogadores ainda juniores mas que já necessitam de um estímulo maior do que o que o nacional de juniores lhes proporciona, como por exemplo um Daniel Bragança ou um Miguel Luís na época passada..

A equipa B na 2ª liga contudo é óbvio que faz falta e é mesmo essencial!
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.

Com a equipa B, o Jovane e o Miguel Luís tinham 0 minutos na equipa A.

As equipas B ou terminam no campeonato de Portugal, ou num saco de jogadores. A questão é quanto tempo demora.
Não concordo nada com a ideia de que os jogadores jovens precisam obrigatoriamente de passar por este tipo de equipas para se desenvolverem. Muito menos quando estamos a falar de um dos jogadores mais talentoso que temos nas camadas jovens e de uma posição para a qual estamos curtos no plantel principal.
Agora também não consigo aceitar que esteja "apenas" a jogar na liga revelação, se não é para apostar então sim mais vale emprestar num patamar acima. O Farense parece-me uma boa solução e com pessoas que inclusive até conhecem bem o clube (Geraldes).
Este empréstimo cheira-me a favor por se tirar de lá o Gauld

Lógico que é. E até espero que até final do mês coloquem lá mais um jogador dos Sub-23 por empréstimo que lhes possa interessar. Maximiano, Kiki, Thierry, Túlio... Se algum lhes interessar e queiram apostar nele, ia já com o Bragança.
Campo Grande paga a traidores.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.

Farense não me parece propriamente um clube essencial para a evolução de um jogador. Tenho sérias dúvidas que faça algum sentido este empréstimo. O Bragança deveria era começar a integrar os planos da equipa A, com alguns minutos, e ganhar ritmo e experiência nos sub-23. No Farense, quebra-se esta ligação que me parece bem mais importante que meia dúzia de jogos na 2ª liga Portuguesa.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.

Farense não me parece propriamente um clube essencial para a evolução de um jogador. Tenho sérias dúvidas que faça algum sentido este empréstimo. O Bragança deveria era começar a integrar os planos da equipa A, com alguns minutos, e ganhar ritmo e experiência nos sub-23. No Farense, quebra-se esta ligação que me parece bem mais importante que meia dúzia de jogos na 2ª liga Portuguesa.

Talvez, mas nesse aspecto estamos dependentes daquilo que o treinador acha do jogador. O Daniel Bragança não foi chamado pelo treinador para o plantel principal - quando o podia ter sido. Os sub-23 não são propriamente um campeonato que tenha um grande nível de competitividade ou de ratice. O Daniel Bragança dá, portanto, um salto competitivo durante 6 meses. A partir do momento que o Sporting CP opta por não ter uma equipa B, torna-se necessário recorrer a este tipo de empréstimos para a 2.ª liga.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.

Farense não me parece propriamente um clube essencial para a evolução de um jogador. Tenho sérias dúvidas que faça algum sentido este empréstimo. O Bragança deveria era começar a integrar os planos da equipa A, com alguns minutos, e ganhar ritmo e experiência nos sub-23. No Farense, quebra-se esta ligação que me parece bem mais importante que meia dúzia de jogos na 2ª liga Portuguesa.

O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.
Mas lá está, a bitola está muito baixa de momento.
Lá diz o ditado, "um zarolho numa terra de cegos é rei."

É o que acontece neste momento com a formação do Sporting, lá aparece alguém menos mau e já ficamos todos contentes com esperança que seja craque.

Se houvesse um meio campo de jeito no Sporting o Miguel Luis jogaria? É claro que não, como ele há muitos por aí, joga porque não há outro melhor e infelizmente é dos poucos do Sporting campeão por Portugal sub-19.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.

Farense não me parece propriamente um clube essencial para a evolução de um jogador. Tenho sérias dúvidas que faça algum sentido este empréstimo. O Bragança deveria era começar a integrar os planos da equipa A, com alguns minutos, e ganhar ritmo e experiência nos sub-23. No Farense, quebra-se esta ligação que me parece bem mais importante que meia dúzia de jogos na 2ª liga Portuguesa.

O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.
Mas lá está, a bitola está muito baixa de momento.
Lá diz o ditado, "um zarolho numa terra de cegos é rei."

É o que acontece neste momento com a formação do Sporting, lá aparece alguém menos mau e já ficamos todos contentes com esperança que seja craque.

Se houvesse um meio campo de jeito no Sporting o Miguel Luis jogaria? É claro que não, como ele há muitos por aí, joga porque não há outro melhor e infelizmente é dos poucos do Sporting campeão por Portugal sub-19.

O Cristiano Ronaldo foi um jogador excepcional que, para além disso, tem uma capacidade de trabalho única do mundo. É um jogador que marcará uma era no futebol.

O Quaresma com a mentalidade que hoje em dia vigora no futebol em Portugal, aos 17 anos estava nos juniores. Aos 19 estava nos sub-23. Aos 20 estava emprestado ao Rio Ave. Aos 21 estava emprestado ao Boavista e aos 22, com sorte, pensava-se no seu regresso.

Jogadores como o Matheus Pereira, como o Gauld ou como o Iuri Medeiros cabiam, perfeitamente, no actual plantel do Sporting CP. Não têm falta de qualidade. Têm falta de acompanhamento e de alguém que aposte neles. No caso do Iuri Medeiros tem um claro problema de mentalidade. Mas o Matheus Pereira é um jogador que já mostrou várias vezes que tem capacidade para assumir um lugar no Sporting CP. O Gauld é um jogador que quando veio para o Sporting CP tinha mais de meia centena de jogos profissionais nas pernas.

Nesse aspecto, continuo a dizer: o problema não está na falta de qualidade dos jogadores; está, sim, na falta de qualidade das equipas técnicas e dos dirigentes que continuam a desperdiçar o talento que por cá aparece.

Não condeno o empréstimo do Daniel Bragança ao Farense, tal como não condenei o empréstimo do Miguel Veloso ou do Bruno Pereirinha ao Olivais e Moscavide. Nas actuais circunstâncias, dependendo daquilo que o treinador tenha traçado até ao final da temporada, não se justifica a manutenção do jogador nos sub-23 (tem, claramente, estofo para mais do que isso) e não terá espaço (entenderá o treinador) na equipa principal do Sporting CP. Por outro lado, não estará suficientemente valorizado para ser colocado na Primeira Liga. Tem 6 meses para evoluir outras coisas que não se prendem com a qualidade técnica.
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.

Farense não me parece propriamente um clube essencial para a evolução de um jogador. Tenho sérias dúvidas que faça algum sentido este empréstimo. O Bragança deveria era começar a integrar os planos da equipa A, com alguns minutos, e ganhar ritmo e experiência nos sub-23. No Farense, quebra-se esta ligação que me parece bem mais importante que meia dúzia de jogos na 2ª liga Portuguesa.

O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.
Mas lá está, a bitola está muito baixa de momento.
Lá diz o ditado, "um zarolho numa terra de cegos é rei."

É o que acontece neste momento com a formação do Sporting, lá aparece alguém menos mau e já ficamos todos contentes com esperança que seja craque.

Se houvesse um meio campo de jeito no Sporting o Miguel Luis jogaria? É claro que não, como ele há muitos por aí, joga porque não há outro melhor e infelizmente é dos poucos do Sporting campeão por Portugal sub-19.

Arre.

William  foi lançado na primeira equipa com 21 anos, JM a mesma coisa, Adrien só se assumiu como titular com 24 anos, após empréstimos a Israel e Académica, jogadores como Jorge Costa, Fernando Couto, Ricardo Carvalho só foram apostas após anos e anos de empréstimos.

Raio de ideia essa que se não der cartas logo, é porque não tem qualidade. Raio de ideia que uma boa formação é aquela que arrota craques do pé para a mão. Raio de ideia de um clube formador se não sabe lidar com as dores de crescimento de jovens.

A preocupação devia ser, perante segundas linhas caras e de utilidade duvidosa, porque Matheus Pereira, Geraldes, Domingos e Bragança não estão no plantel principal. ALém da preocupação prévia "porque contratar estes, se temos aqueles"?
O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.

Grande coerência de quem fala sobre um jogador adversário que tem para aí uns 30 ou mais jogos na 2ª divisão como exemplo a seguir.
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
A falta da equipa B é esta...é que podíamos por este tipo de jogadores em competições que os faziam crescer e quando necessário iam dar uma perna a equipa principal.

Agora entre ficar nos sub-23 ou no Farense , 1000x no Farense, já que para mim aquela liga sub23 nao vai ter grande futuro.
Gostava de ter dados em relação a quantos jogadores dos sub 23 estão a dar o salto para as primeiras equipas, parece-me que não são muitos mas posso estar enganado!!!!
Também acho que a maioria terá uma carreira mediocre.
Fico preocupado com a formação, vejo do outro lado da circular o João Félix e na academia não consigo encontrar um craque.

As preocupações com a formação já têm muito tempo. Começaram, mais ou menos, na altura em que o Sporting CP começou a privilegiar a prospecção de jogadores para ganhar campeonatos e colocou de lado a prospecção de jogadores que possam chegar à equipa principal.

Dito isto, uma coisa é o problema da formação. Outra, diferente, é o problema da transição para o plantel principal. Nesse aspecto, estou menos preocupado este ano do que estava no ano passado. A verdade é que neste ano, o Sporting CP já lançou na equipa principal, de maneira consistente, dois jovens: o Jovane Cabral e o Miguel Luís. Foram lançados como têm de ser lançados. Paulatinamente, supostamente sem grande pressão.

É verdade que, neste momento, fruto do plantel fraco que temos, há espaço para lançar mais: o Bruno Paz e o T. Correia ou o J. Oliveira já deviam ter acumulado mais minutos nas pernas. Ainda assim, o saldo nesta temporada é positivo. Emprestou-se o Daniel Bragança para a 2.ª Liga para dar um salto competitivo e há bons valores a ganhar minutos nas pernas no sub-23 e que, porventura, poderão, também, dar o salto na próxima temporada.

Farense não me parece propriamente um clube essencial para a evolução de um jogador. Tenho sérias dúvidas que faça algum sentido este empréstimo. O Bragança deveria era começar a integrar os planos da equipa A, com alguns minutos, e ganhar ritmo e experiência nos sub-23. No Farense, quebra-se esta ligação que me parece bem mais importante que meia dúzia de jogos na 2ª liga Portuguesa.

O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.
Mas lá está, a bitola está muito baixa de momento.
Lá diz o ditado, "um zarolho numa terra de cegos é rei."

É o que acontece neste momento com a formação do Sporting, lá aparece alguém menos mau e já ficamos todos contentes com esperança que seja craque.

Se houvesse um meio campo de jeito no Sporting o Miguel Luis jogaria? É claro que não, como ele há muitos por aí, joga porque não há outro melhor e infelizmente é dos poucos do Sporting campeão por Portugal sub-19.

O Cristiano Ronaldo foi um jogador excepcional que, para além disso, tem uma capacidade de trabalho única do mundo. É um jogador que marcará uma era no futebol.

O Quaresma com a mentalidade que hoje em dia vigora no futebol em Portugal, aos 17 anos estava nos juniores. Aos 19 estava nos sub-23. Aos 20 estava emprestado ao Rio Ave. Aos 21 estava emprestado ao Boavista e aos 22, com sorte, pensava-se no seu regresso.

Jogadores como o Matheus Pereira, como o Gauld ou como o Iuri Medeiros cabiam, perfeitamente, no actual plantel do Sporting CP. Não têm falta de qualidade. Têm falta de acompanhamento e de alguém que aposte neles. No caso do Iuri Medeiros tem um claro problema de mentalidade. Mas o Matheus Pereira é um jogador que já mostrou várias vezes que tem capacidade para assumir um lugar no Sporting CP. O Gauld é um jogador que quando veio para o Sporting CP tinha mais de meia centena de jogos profissionais nas pernas.

Nesse aspecto, continuo a dizer: o problema não está na falta de qualidade dos jogadores; está, sim, na falta de qualidade das equipas técnicas e dos dirigentes que continuam a desperdiçar o talento que por cá aparece.

Não condeno o empréstimo do Daniel Bragança ao Farense, tal como não condenei o empréstimo do Miguel Veloso ou do Bruno Pereirinha ao Olivais e Moscavide. Nas actuais circunstâncias, dependendo daquilo que o treinador tenha traçado até ao final da temporada, não se justifica a manutenção do jogador nos sub-23 (tem, claramente, estofo para mais do que isso) e não terá espaço (entenderá o treinador) na equipa principal do Sporting CP. Por outro lado, não estará suficientemente valorizado para ser colocado na Primeira Liga. Tem 6 meses para evoluir outras coisas que não se prendem com a qualidade técnica.

A aposta ou não num jogador pode marcar a sua carreira, concordo 100% contigo.

O Sporting, se quer ser um clube formador de elite, tem condições para fazer mais do que tem feito. Somos muito conservadores a gestão destas carreias. O exemplo perfeito é o Gauld: deveria ter tido minutos na equipa A e, caso não mostrasse talento, deveria ser dispensado/vendido.

Inventa-se muito nos tempo que correm. Complica-se o que deveria ser simples.
O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.

Grande coerência de quem fala sobre um jogador adversário que tem para aí uns 30 ou mais jogos na 2ª divisão como exemplo a seguir.

1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.
1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.

Mas estás a comprar jogadores ou estás a falar de os bons chegam à equipa principal sem rodar na 2ª liga e por mérito próprio.

E ainda estou para perceber essa do mérito próprio. Os jogadores que rodam e depois integram a equipa principal têm cunha? ganham um free pass na 2ª liga que podem usar depois?
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.

Mas estás a comprar jogadores ou estás a falar de os bons chegam à equipa principal sem rodar na 2ª liga e por mérito próprio.

E ainda estou para perceber essa do mérito próprio. Os jogadores que rodam e depois integram a equipa principal têm cunha? ganham um free pass na 2ª liga que podem usar depois?

Grande Ravanelli, apenas questiono se minutos na 2ª liga é assim tão essencial no percurso de um jogador.
1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.

Mas estás a comprar jogadores ou estás a falar de os bons chegam à equipa principal sem rodar na 2ª liga e por mérito próprio.

E ainda estou para perceber essa do mérito próprio. Os jogadores que rodam e depois integram a equipa principal têm cunha? ganham um free pass na 2ª liga que podem usar depois?

Grande Ravanelli, apenas questiono se minutos na 2ª liga é assim tão essencial no percurso de um jogador.
Não queria ser tão polémico, apenas referir que neste momento os jogadores que saem da academia do Sporting são fracos.
Quem acompanhou a carreira do Cristiano Ronaldo e do Quaresma quando estes ainda era adolescentes sabe muito bem que quando chegaram à equipa principal acrescentaram logo algo mais, eram melhores que os outros. Erravam algumas vezes, é verdade, mas partiam os adversários. Neste momento os que chegam têm de ser protegidos, ter espaço para crescer, ganhar experiência...todos os argumentos são válidos para não ver o essencial, estão muito longe de estarem preparados para serem titulares no Sporting.
Não digo que todos os jogadores chegarão à equipa principal directamente das camadas jovens. Há jogadores que amadurecem mais cedo, outros mais tarde e muitos que nunca atingem o nível mínimo.
Quando olhamos para os últimos anos, alguém se lembra de algum craque que tenha sido formado no Sporting?
Eu não, e não me venham com William Carvalho, João Mário, Miguel Veloso e outros, são bons jogadores mas apenas isso.
A maioria perde-se pelo caminho Chaby, Rafael Barbosa, Fokobo, Mica Pinto, Tobias Figueiredo, Zezinho, Ponde, Riquicho...

Vejo a equipa de Portugal campeã sub 19 e infelizmente os melhores jogadores não jogam no Sporting, e isso é preocupante.
Com isto não quero dizer que a culpa é do presidente A ou do presidente B, o problema é mais fundo.
1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.

Mas estás a comprar jogadores ou estás a falar de os bons chegam à equipa principal sem rodar na 2ª liga e por mérito próprio.

E ainda estou para perceber essa do mérito próprio. Os jogadores que rodam e depois integram a equipa principal têm cunha? ganham um free pass na 2ª liga que podem usar depois?

Grande Ravanelli, apenas questiono se minutos na 2ª liga é assim tão essencial no percurso de um jogador.
Não queria ser tão polémico, apenas referir que neste momento os jogadores que saem da academia do Sporting são fracos.
Quem acompanhou a carreira do Cristiano Ronaldo e do Quaresma quando estes ainda era adolescentes sabe muito bem que quando chegaram à equipa principal acrescentaram logo algo mais, eram melhores que os outros. Erravam algumas vezes, é verdade, mas partiam os adversários. Neste momento os que chegam têm de ser protegidos, ter espaço para crescer, ganhar experiência...todos os argumentos são válidos para não ver o essencial, estão muito longe de estarem preparados para serem titulares no Sporting.
Não digo que todos os jogadores chegarão à equipa principal directamente das camadas jovens. Há jogadores que amadurecem mais cedo, outros mais tarde e muitos que nunca atingem o nível mínimo.
Quando olhamos para os últimos anos, alguém se lembra de algum craque que tenha sido formado no Sporting?
Eu não, e não me venham com William Carvalho, João Mário, Miguel Veloso e outros, são bons jogadores mas apenas isso.
A maioria perde-se pelo caminho Chaby, Rafael Barbosa, Fokobo, Mica Pinto, Tobias Figueiredo, Zezinho, Ponde, Riquicho...

Vejo a equipa de Portugal campeã sub 19 e infelizmente os melhores jogadores não jogam no Sporting, e isso é preocupante.
Com isto não quero dizer que a culpa é do presidente A ou do presidente B, o problema é mais fundo.

O último grande craque que saiu da formação em Portugal foi o Bernardo Silva. Eu não dava muito por ele. E mesmo o Bernardo está longe da importância que tiveram os grandes jogadores Portugueses dos últimos 20 anos, desde Futre, Paulo Sousa, Rui Costa, Figo a Cristiano. O Cristiano claro, muito acima de todos. Hoje temos o o Bernardo, o Cancelo, o Ruben Neves, o Andé Silva, o Dalot e o João Mário como nomes de valor com futuro, o Bernardo acima de todos. Alguns
destes deixam sérias dúvidas se atingirão um patamar próximo dos grades nomes que referi.

A formação do Sporting está mediana. Factual. Mas a dos outros está assim tão incrível? Também não falham os grandes nomes que saem de outros clubes? O Gedson neste momento é dos piores do Benfica, o Felix não sei se tem 200 minutos. O Porto não tem um míudo que seja a dar cartas na equipa A. O Sporting tem o Miguel Luís e o Jovane, saiu o Gelson e o Daier. Não sei se não existe aqui uma visão demasiado romântica da formação.
1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.

Mas estás a comprar jogadores ou estás a falar de os bons chegam à equipa principal sem rodar na 2ª liga e por mérito próprio.

E ainda estou para perceber essa do mérito próprio. Os jogadores que rodam e depois integram a equipa principal têm cunha? ganham um free pass na 2ª liga que podem usar depois?

Grande Ravanelli, apenas questiono se minutos na 2ª liga é assim tão essencial no percurso de um jogador.

Em alguns sim, noutros não. É como os empréstimos, ainda me lembro de dizerem que emprestar jogadores da defesa ou de meio-campo na 1ª liga era benéfico, avançados só estragava.

Vai depender do jogador, vai depender da equipa, de muita coisa. Em alguns, mais vale jogar na 2ª liga que sentar na bancada.



Não queria ser tão polémico, apenas referir que neste momento os jogadores que saem da academia do Sporting são fracos.
Quem acompanhou a carreira do Cristiano Ronaldo e do Quaresma quando estes ainda era adolescentes sabe muito bem que quando chegaram à equipa principal acrescentaram logo algo mais, eram melhores que os outros. Erravam algumas vezes, é verdade, mas partiam os adversários. Neste momento os que chegam têm de ser protegidos, ter espaço para crescer, ganhar experiência...todos os argumentos são válidos para não ver o essencial, estão muito longe de estarem preparados para serem titulares no Sporting.
Não digo que todos os jogadores chegarão à equipa principal directamente das camadas jovens. Há jogadores que amadurecem mais cedo, outros mais tarde e muitos que nunca atingem o nível mínimo.
Quando olhamos para os últimos anos, alguém se lembra de algum craque que tenha sido formado no Sporting?
Eu não, e não me venham com William Carvalho, João Mário, Miguel Veloso e outros, são bons jogadores mas apenas isso.
A maioria perde-se pelo caminho Chaby, Rafael Barbosa, Fokobo, Mica Pinto, Tobias Figueiredo, Zezinho, Ponde, Riquicho...

Vejo a equipa de Portugal campeã sub 19 e infelizmente os melhores jogadores não jogam no Sporting, e isso é preocupante.
Com isto não quero dizer que a culpa é do presidente A ou do presidente B, o problema é mais fundo.

Não é uma questão de polémica, é uma questão de coerência. Certo, a formação do Sporting baixou e até ajudou outros a melhorar. Tudo bem, sabemos isso.

Daí a colocar em causa um empréstimo, dizendo que se tem de ir para lá é porque não tem qualidade, batendo depois palmas a um exemplo que por acaso passou a época passada na 2ª divisão... Há qualquer coisa que não bate certo.

Recordo que Quaresma e Ronaldo subiram à A, mas não jogavam em simultâneo. Ou o treinador tinha enormes reservas em colocá-los em simultâneo. Dizia que desequilibravam a equipa. Um era óptimo, dois era demasiada irreverência e pouco sentido táctico.

Essa selecção de jogadores também é assim um bocadinho...
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly