Daniel Bragança (Emp. Farense)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Aqueles otários da TVI24 a dizer que antes desenvolver na sub23 que na ledman pro... Que nabos

Força jovem
O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.

Grande coerência de quem fala sobre um jogador adversário que tem para aí uns 30 ou mais jogos na 2ª divisão como exemplo a seguir.

1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.
Mas não tenhas a menor dúvida que o Rafael Barbosa se fosse do Benfica, no mínimo já lhe tinha sido dado uma época para se mostrar na equipa principal.
«Não é o Sporting que se orgulha do nosso valor. Nós é que nos devemos sentir honrados por ter esta camisola vestida.» - Francisco Stromp
O que critico é a qualidade dos jogadores, se há uns anos lançávamos Cristiano Ronaldo e Quaresma com 17 anos na equipa principal, neste momento emprestamos o Bragança, que é apenas um projecto de jogador a um clube da segunda liga, lançamos o Miguel Luis na equipa principal porque não há outro melhor e estamos sempre à espera que as promessas eternas venham para o Sporting (Iuri Medeiros, Matheus Pereira, Gauld...).
Ao ser emprestado a um clube da segunda liga, no caso do Bragança, nem deveríamos ter esperança neste jogador. Devíamos pensar que os bons chegam directamente à equipa principal por mérito próprio.

Grande coerência de quem fala sobre um jogador adversário que tem para aí uns 30 ou mais jogos na 2ª divisão como exemplo a seguir.

1133 minutos na 2ª liga o ano passado o João Felix. Será isto decisivo na sua carreira? o Rafael Barbosa fez 3034... vê-se em que isso se traduziu.
Mas não tenhas a menor dúvida que o Rafael Barbosa se fosse do Benfica, no mínimo já lhe tinha sido dado uma época para se mostrar na equipa principal.

A questão aqui é que o Rafael Barbosa é bom jogador e tal mas acham mesmo que algum dia será mais valia no Sporting? Oportunidade no benfica? Não tenham palas, o Félix tem e está a ter essa oportunidade porque é um talento extraordinário, daqueles que aparecem de 10 em 10 anos, nem comparável com o Barbosa pode ser...
"Eu vou esperar que o Olivais tenha mais ataques, MAS EU ESPERO QUE O SPORTING VAI ENCARAR ISTO COM MUITO AMOR PERANTE OS NOSSO ADEPTOS" João Fernandes 16/12/2012

A questão aqui é que o Rafael Barbosa é bom jogador e tal mas acham mesmo que algum dia será mais valia no Sporting? Oportunidade no benfica? Não tenham palas, o Félix tem e está a ter essa oportunidade porque é um talento extraordinário, daqueles que aparecem de 10 em 10 anos, nem comparável com o Barbosa pode ser...

 :arrow: :arrow: :arrow:
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

A questão aqui é que o Rafael Barbosa é bom jogador e tal mas acham mesmo que algum dia será mais valia no Sporting? Oportunidade no benfica? Não tenham palas, o Félix tem e está a ter essa oportunidade porque é um talento extraordinário, daqueles que aparecem de 10 em 10 anos, nem comparável com o Barbosa pode ser...

 :arrow: :arrow: :arrow:
O João Félix faz-me lembrar o Rui Costa.

A questão aqui é que o Rafael Barbosa é bom jogador e tal mas acham mesmo que algum dia será mais valia no Sporting? Oportunidade no benfica? Não tenham palas, o Félix tem e está a ter essa oportunidade porque é um talento extraordinário, daqueles que aparecem de 10 em 10 anos, nem comparável com o Barbosa pode ser...

 :arrow: :arrow: :arrow:
O João Félix faz-me lembrar o Rui Costa.
A mim faz lembrar o João Vieira Pinto.  Boa aceleração,  inteligente e a saber jogar entre linhas... acto que pode dar jogador.
O empréstimo do Daniel e do Elves confirma que o patamar competitivo das equipas B é superior aos sub 23.

Incrível achar que digam que o Félix, Miguel Luís ou Gedson são melhores ou piores por jogarem na B ou não e ainda mais caricato comparar os minutos do Félix com os do Rafael Barbosa.

Isto já é embirrar por embirrar só para vingar uma certa tese que é desmentida por estes 2 empréstimos.
Achas que alguém que está há 11 anos no futebol, que tem curso de treinador, que está diariamente no balneário, com dirigentes, treinadores, jogadores, staff, dos seniores aos iniciados, não tem toda uma experiência e conhecimento que, sei lá, um gestor, um advogado, um trolha, ainda têm que ir aprendendo ao longo de anos quando chegam à presidência de um clube?

A questão aqui é que o Rafael Barbosa é bom jogador e tal mas acham mesmo que algum dia será mais valia no Sporting? Oportunidade no benfica? Não tenham palas, o Félix tem e está a ter essa oportunidade porque é um talento extraordinário, daqueles que aparecem de 10 em 10 anos, nem comparável com o Barbosa pode ser...

 :arrow: :arrow: :arrow:
O João Félix faz-me lembrar o Rui Costa.
A mim faz lembrar o João Vieira Pinto.  Boa aceleração,  inteligente e a saber jogar entre linhas... acto que pode dar jogador.

Nem um nem outro...

O Rui Costa era um médio, um médio puro, um pensador de jogo com uma classe incrível (dos melhores do mundo do seu tempo) e que estava sempre no meio do meio campo, bastante lento até, e que raramente entrava na área (tinha era um pontapé tremendo), daí nada a ver com o Félix...

O JVP era um segundo avançado, o chamado 9 e meio, tem mais a ver com o Félix, mas era muito mais de jogar solto, muito mais raçudo, agressivo, capaz de uma finta curta incrível (pelo menos na fase inicial da carreira, que ele apanhou muita porradinha e mudou muito a forma de jogar), e de desequilibrar um jogo de um momento para o outro, algo que o Félix também não consegue fazer...

Vejo o Félix como um avançado, um homem de área, um finalizador, com uma grande qualidade técnica na recepção, no passe, e na conclusão (até de cabeça), tem um grande faro pelo golo, mas tem de jogar no meio, ao lado de outro avançado-centro, não é nenhum génio de partir para cima do defesa, parti-lo todo, e decidir um jogo, acho que pode ser mais comparado com um Jonas, mas nunca chegará à qualidade deste, penso eu, mas nunca que sabe porque é um jovem e está sempre em evolução...

Pensei que lhe faltava a centelha competitiva mas já reparei que tem apetite e fome de sucesso...

Não é de se ficar perante os desafios...

Pena não o termos apanhado quando pudemos...  :inde:

A questão aqui é que o Rafael Barbosa é bom jogador e tal mas acham mesmo que algum dia será mais valia no Sporting? Oportunidade no benfica? Não tenham palas, o Félix tem e está a ter essa oportunidade porque é um talento extraordinário, daqueles que aparecem de 10 em 10 anos, nem comparável com o Barbosa pode ser...

 :arrow: :arrow: :arrow:
O João Félix faz-me lembrar o Rui Costa.
A mim faz lembrar o João Vieira Pinto.  Boa aceleração,  inteligente e a saber jogar entre linhas... acto que pode dar jogador.

Nem um nem outro...

O Rui Costa era um médio, um médio puro, um pensador de jogo com uma classe incrível (dos melhores do mundo do seu tempo) e que estava sempre no meio do meio campo, bastante lento até, e que raramente entrava na área (tinha era um pontapé tremendo), daí nada a ver com o Félix...

O JVP era um segundo avançado, o chamado 9 e meio, tem mais a ver com o Félix, mas era muito mais de jogar solto, muito mais raçudo, agressivo, capaz de uma finta curta incrível (pelo menos na fase inicial da carreira, que ele apanhou muita porradinha e mudou muito a forma de jogar), e de desequilibrar um jogo de um momento para o outro, algo que o Félix também não consegue fazer...

Vejo o Félix como um avançado, um homem de área, um finalizador, com uma grande qualidade técnica na recepção, no passe, e na conclusão (até de cabeça), tem um grande faro pelo golo, mas tem de jogar no meio, ao lado de outro avançado-centro, não é nenhum génio de partir para cima do defesa, parti-lo todo, e decidir um jogo, acho que pode ser mais comparado com um Jonas, mas nunca chegará à qualidade deste, penso eu, mas nunca que sabe porque é um jovem e está sempre em evolução...

Pensei que lhe faltava a centelha competitiva mas já reparei que tem apetite e fome de sucesso...

Não é de se ficar perante os desafios...

Pena não o termos apanhado quando pudemos...  :inde:

Como um comentador qualquer disse na Sport Tv, o Félix é o Jonas com 19 anos.
No entanto não falemos dos jogadores desses abutres
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

Como é lógico.

E pena tenho eu que mais alguns jogadores com potencial, como o Maximiano, não passem também a jogar na II Liga até final da época.

E só não digo o João Queirós e o Bruno Paz porque qualquer um deles pode e deve ser chamado à equipa principal a qualquer momento.
Campo Grande paga a traidores.
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

Como é lógico.

E pena tenho eu que mais alguns jogadores com potencial, como o Maximiano, não passem também a jogar na II Liga até final da época.

E só não digo o João Queirós e o Bruno Paz porque qualquer um deles pode e deve ser chamado à equipa principal a qualquer momento.
O João Queirós ainda está muito verde.
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

Não estamos de acordo. É inequívoco. Para mim, a 2a liga é um campeonato fraco e nada de especial se traz de lá. Eu não vejo grande interesse na segunda liga muito menos no âmbito de uma equipa B de um grande.

Não acredito que 1000 minutos de equipa B tenha algum impacto num jogador. O João Félix, com 0 minutos de equipa B, tinha exactamente o mesmo desempenho no Benfica.

O que são X minutos de uma equipa B comparados com anos e anos de treino de um jogador? Ninguém me vai convencer que sao aqueles míseros minutos que fazem a diferença. Servem para uma coisa: para mostrar que o jogador está ali a mais.

Espero não me enganar, mas o Elves e o Bragança pouco vão jogar. Os clubes que os recebem não têm nenhum interesse em investir neles. Virão desses clubes com alguns minutos, qualidade de treino inferior ao que teriam no Sporting, e com meio ano perdido para aquilo que interessa: terem minutos no Sporting.

Quem tem talento no Sporting precisa de minutos no Sporting. Não precisa de ser emprestado ao Paços de Ferreira ou ao Farense. Esta moda nova do processo está a atrasar a evolução de muito jogador de qualidade.
A eterna conversa do físico. Esta conversa chateia e matou muito do talento que tivemos na formação em que andamos anos a meter "bois de carga" em detrimento de jogadores com cabeça e pés.

Cada jogador tem as suas características e obviamente pode e deve melhorar as suas fraquezas, mas um jogador bom e inteligente sabe/aprende formas de contornar essas falhas no seu jogo.

Uma pessoa lê este fórum e só pode concluir que para ser jogador é preciso passar muito mais tempo no ginásio que a jogar efetivamente. Precisa de ter mais de 1.90m e ser massudo...



O físico ganhou outra proporção no futebol moderno.
Hoje o físico é desenvolvido ao máximo, não o era no passado (Ver Puskas com a sua barriga nos anos 50).
Nada serve ter apenas bons pés, se fosse assim, os jogadores não terminariam a sua carreira aos 33-35 anos, continuariam a jogar até aos 60 anos, pois a técnica mantém-se.
Para ser um jogador completo, todas as componentes têm de ser desenvolvidas: técnica, físico e rigor táctico.

Good post but you're forgetting some things like mentality, head, entourage, luck (a coach that believes in you ) , ... 
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

Não estamos de acordo. É inequívoco. Para mim, a 2a liga é um campeonato fraco e nada de especial se traz de lá. Eu não vejo grande interesse na segunda liga muito menos no âmbito de uma equipa B de um grande.

Não acredito que 1000 minutos de equipa B tenha algum impacto num jogador. O João Félix, com 0 minutos de equipa B, tinha exactamente o mesmo desempenho no Benfica.

O que são X minutos de uma equipa B comparados com anos e anos de treino de um jogador? Ninguém me vai convencer que sao aqueles míseros minutos que fazem a diferença. Servem para uma coisa: para mostrar que o jogador está ali a mais.

Espero não me enganar, mas o Elves e o Bragança pouco vão jogar. Os clubes que os recebem não têm nenhum interesse em investir neles. Virão desses clubes com alguns minutos, qualidade de treino inferior ao que teriam no Sporting, e com meio ano perdido para aquilo que interessa: terem minutos no Sporting.

Quem tem talento no Sporting precisa de minutos no Sporting. Não precisa de ser emprestado ao Paços de Ferreira ou ao Farense. Esta moda nova do processo está a atrasar a evolução de muito jogador de qualidade.

Estou à vontade para falar disto porque para mim jogarem na II Liga, no campeonato belga, no campeonato holandês ou noutro lado qualquer minimamente competitivo é igual (aliás, até é melhor jogarem nos últimos campeonatos).

Certo é que nenhum dos jogadores de qualidade formados nos anos recentes em Portugal (desde que há Equipa B pelo menos) passou diretamente dos júniores para os A. Por alguma razão é. E não tem corrido mal.

Dos sub-23 o único que passou directamente foi o Miguel Luís mas o campeonato sub-23 já é tão curto para séniores talentosos que ele subiu e o Bragança e o Elves como não subiram foram para a II Liga. Precisam de outro estímulo competitivo, jogar por prazer, privilegiar ataques e descurar a defesa é interessante para o espectador mas é uma coisa que só faz sentido na formação (e mesmo aí...), nos séniores não é assim tão bom.

O Sporting tem de arranjar um patamar intermédio acima dos sub-23 onde colocar jogadores que não conseguem subir diretamente dos júniores ou dos sub-23 para os A porque por ano nunca sobe um número assim tão grande jogadores (compreensivelmente) e há alguns que precisam de rodar, para se mostrar, valorizar (até os podemos vender mais tarde) ou ver se dão o salto.

Não falamos de prodígios porque esses, concordo, deviam subir cedo, mas se um prodígio puder estar a treinar e jogar com séniores e jogadores a sério quando tem 18 anos (como aconteceu com o Renato Sanches, o Rúben Dias, o próprio Félix, o Jota do Benfica que é o próximo a subir, o Tiago Dantas agora, isto olhando só para o lado) de certo que é melhor do que jogar só com e contra jogadores que não só são muito inferiores a ele, como nem sequer compensam minimamente com a experiência e pressão de ganhar.
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

Não estamos de acordo. É inequívoco. Para mim, a 2a liga é um campeonato fraco e nada de especial se traz de lá. Eu não vejo grande interesse na segunda liga muito menos no âmbito de uma equipa B de um grande.

Não acredito que 1000 minutos de equipa B tenha algum impacto num jogador. O João Félix, com 0 minutos de equipa B, tinha exactamente o mesmo desempenho no Benfica.

O que são X minutos de uma equipa B comparados com anos e anos de treino de um jogador? Ninguém me vai convencer que sao aqueles míseros minutos que fazem a diferença. Servem para uma coisa: para mostrar que o jogador está ali a mais.

Espero não me enganar, mas o Elves e o Bragança pouco vão jogar. Os clubes que os recebem não têm nenhum interesse em investir neles. Virão desses clubes com alguns minutos, qualidade de treino inferior ao que teriam no Sporting, e com meio ano perdido para aquilo que interessa: terem minutos no Sporting.

Quem tem talento no Sporting precisa de minutos no Sporting. Não precisa de ser emprestado ao Paços de Ferreira ou ao Farense. Esta moda nova do processo está a atrasar a evolução de muito jogador de qualidade.

Estou à vontade para falar disto porque para mim jogarem na II Liga, no campeonato belga, no campeonato holandês ou noutro lado qualquer minimamente competitivo é igual (aliás, até é melhor jogarem nos últimos campeonatos).

Certo é que nenhum dos jogadores de qualidade formados nos anos recentes em Portugal (desde que há Equipa B pelo menos) passou diretamente dos júniores para os A. Por alguma razão é. E não tem corrido mal.

Dos sub-23 o único que passou directamente foi o Miguel Luís mas o campeonato sub-23 já é tão curto para séniores talentosos que ele subiu e o Bragança e o Elves como não subiram foram para a II Liga. Precisam de outro estímulo competitivo, jogar por prazer, privilegiar ataques e descurar a defesa é interessante para o espectador mas é uma coisa que só faz sentido na formação (e mesmo aí...), nos séniores não é assim tão bom.

O Sporting tem de arranjar um patamar intermédio acima dos sub-23 onde colocar jogadores que não conseguem subir diretamente dos júniores ou dos sub-23 para os A porque por ano nunca sobe um número assim tão grande jogadores (compreensivelmente) e há alguns que precisam de rodar, para se mostrar, valorizar (até os podemos vender mais tarde) ou ver se dão o salto.

Não falamos de prodígios porque esses, concordo, deviam subir cedo, mas se um prodígio puder estar a treinar e jogar com séniores e jogadores a sério quando tem 18 anos (como aconteceu com o Renato Sanches, o Rúben Dias, o próprio Félix, o Jota do Benfica que é o próximo a subir, o Tiago Dantas agora, isto olhando só para o lado) de certo que é melhor do que jogar só com e contra jogadores que não só são muito inferiores a ele, como nem sequer compensam minimamente com a experiência e pressão de ganhar.

Nesta geração o primeiro a calçar nos A foi o Rafael Leão, ainda com idade de júnior, e já tinha feito uma época inteira nos B, junto com o Miguel Luís.
Aliás, que me lembre, os dois miúdos de 99 que se afirmaram o Portugal ainda como júniores foram o Rafael Leão e o Diogo Dalot, dois potenciais fora-de-série. Curiosamente nenhum durou no clube...
Mesmo o Elves já teve alguns jogos nos B, assim como o Max, o Thierry e o Daniel Bragança.
Nada de diferente em relação às codernizes e aos tripeiros, excepto o facto de nós termos tido um presidente com grande visão... que extinguiu a B!
O @Abelixander parece achar mesmo que a malta considera que a II Liga dá qualidade a jogadores sem qualidade ou transforma jogadores.

Companheiro, o que a malta acha é que jogar na II Liga faz bem aos jogadores. Fez bem ao Félix, que não teve de saltar logo de campeonatos de brincadeira para a competição, fez bem ao Rafael Barbosa. Faz bem aos talentos que vão chegar aos A e aos que nunca chegarão.

Achar que a passagem pela II Liga dá talento a alguém ou que é por jogar muito na II Liga que um jogador se torna jogador é ridículo, mas não é isso que está em discussão.

E a prova de que o campeonato sub-23 é algo curto de competitividade/interesse é que dois dos nossos melhores séniores de primeiro ano, Elves e Bragança, não completaram sequer uma época por lá.

Não estamos de acordo. É inequívoco. Para mim, a 2a liga é um campeonato fraco e nada de especial se traz de lá. Eu não vejo grande interesse na segunda liga muito menos no âmbito de uma equipa B de um grande.

Não acredito que 1000 minutos de equipa B tenha algum impacto num jogador. O João Félix, com 0 minutos de equipa B, tinha exactamente o mesmo desempenho no Benfica.

O que são X minutos de uma equipa B comparados com anos e anos de treino de um jogador? Ninguém me vai convencer que sao aqueles míseros minutos que fazem a diferença. Servem para uma coisa: para mostrar que o jogador está ali a mais.

Espero não me enganar, mas o Elves e o Bragança pouco vão jogar. Os clubes que os recebem não têm nenhum interesse em investir neles. Virão desses clubes com alguns minutos, qualidade de treino inferior ao que teriam no Sporting, e com meio ano perdido para aquilo que interessa: terem minutos no Sporting.

Quem tem talento no Sporting precisa de minutos no Sporting. Não precisa de ser emprestado ao Paços de Ferreira ou ao Farense. Esta moda nova do processo está a atrasar a evolução de muito jogador de qualidade.

Estou à vontade para falar disto porque para mim jogarem na II Liga, no campeonato belga, no campeonato holandês ou noutro lado qualquer minimamente competitivo é igual (aliás, até é melhor jogarem nos últimos campeonatos).

Certo é que nenhum dos jogadores de qualidade formados nos anos recentes em Portugal (desde que há Equipa B pelo menos) passou diretamente dos júniores para os A. Por alguma razão é. E não tem corrido mal.

Dos sub-23 o único que passou directamente foi o Miguel Luís mas o campeonato sub-23 já é tão curto para séniores talentosos que ele subiu e o Bragança e o Elves como não subiram foram para a II Liga. Precisam de outro estímulo competitivo, jogar por prazer, privilegiar ataques e descurar a defesa é interessante para o espectador mas é uma coisa que só faz sentido na formação (e mesmo aí...), nos séniores não é assim tão bom.

O Sporting tem de arranjar um patamar intermédio acima dos sub-23 onde colocar jogadores que não conseguem subir diretamente dos júniores ou dos sub-23 para os A porque por ano nunca sobe um número assim tão grande jogadores (compreensivelmente) e há alguns que precisam de rodar, para se mostrar, valorizar (até os podemos vender mais tarde) ou ver se dão o salto.

Não falamos de prodígios porque esses, concordo, deviam subir cedo, mas se um prodígio puder estar a treinar e jogar com séniores e jogadores a sério quando tem 18 anos (como aconteceu com o Renato Sanches, o Rúben Dias, o próprio Félix, o Jota do Benfica que é o próximo a subir, o Tiago Dantas agora, isto olhando só para o lado) de certo que é melhor do que jogar só com e contra jogadores que não só são muito inferiores a ele, como nem sequer compensam minimamente com a experiência e pressão de ganhar.

Nesta geração o primeiro a calçar nos A foi o Rafael Leão, ainda com idade de júnior, e já tinha feito uma época inteira nos B, junto com o Miguel Luís.
Aliás, que me lembre, os dois miúdos de 99 que se afirmaram o Portugal ainda como júniores foram o Rafael Leão e o Diogo Dalot, dois potenciais fora-de-série. Curiosamente nenhum durou no clube...
Mesmo o Elves já teve alguns jogos nos B, assim como o Max, o Thierry e o Daniel Bragança.
Nada de diferente em relação às codernizes e aos tripeiros, excepto o facto de nós termos tido um presidente com grande visão... que extinguiu a B!

Rafael Leão e Diogo Dalot que foram ambos titulares e brilharam na Equipa B quando júniores. E bem.
@Vylela, podias colocar à frente do nome dele (Emp. - Farense)
@Vylela, podias colocar à frente do nome dele (Emp. - Farense)
done