A União (Im)Possível

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

A União (Im)Possível

Ninguém dúvida da necessidade de pacificar e unir o universo leonino. Como penso que seja
consensual a ideia, de que não é possível atingir sucesso desportivo, sem uma blindagem eficaz,
aliada à capacidade de enfrentar os desafios em arregimentação espartana. Não é por acaso
que a expressão "balneário blindado" seja tão usada na gíria futebolística. É uma das
estratégias chave. Quanto mais blindada está uma estrutura, maior é a probabilidade de atingir
sucesso.

O Sporting Clube de Portugal, cuja forma material é a sua massa associativa, está partido. É um
facto. 71 vs 29, é a corrente matemática mais fácil de fazer, se bem que as feridas se estendam
muito para além dos votantes dessa Assembleia Geral. Mas essa fractura concentra-se na sua
secção de futebol. Ou melhor, nos acontecimentos que recentemente se sucederam em
catadupa, com o culminar nas rescisões dos 9 jogadores e consequente AG destitutiva, (a 23
Junho), dai derivada.

Quando falamos num Sporting em crise, dividido, com necessidade de ser pacificado, estamos a
falar no contexto futebolístico, porque valha a verdade, nas modalidades, não existe qualquer
atrito, nem patente, nem latente. Em pleno epicentro da crise, fizeram história em termos de
títulos conquistados numa mesma época. Aqui, também será consensual, considerar que têm
sido o grande balão de oxigénio que tem ajudado, - e de que maneira -, a suportar este lodaçal,
que não permite a muitos manterem-se num equilíbrio emocional permanente.

É um clube com sucesso, mas em crise. Paradoxal!? Não. É concreto. Concreto, porque é o
futebol quem manda. Não há volta a dar. É o futebol que movimenta mais sócios, mais
adeptos/simpatizantes no clube, mais emoções, mais programas de televisão, mais artigos de
jornais, mais empresários, mais tudo e alguma coisa. E claro, mais dinheiro. Dinheiro a rodos. É
a gestão desportiva (chamemos-lhe assim) no futebol que está em causa, e é isso que arrasta
um clube inteiro para o conflito institucional e para-institucional.

Acho que já pouco importa a discussão de quem é culpa, ou a distribuição das culpas. É um
debate que já está mais que feito, e do qual não existe consenso, nem deverá haver nunca. A
colheita está feita e cada um guarda para si o que recolheu sem abdicar de um bago que seja. O
problema que isso traz, é que reduz o debate à interpretação do passado recente e afasta uma
aproximação esclarecida do que pode ser o futuro e qual a melhor estratégia para o abordar.
Claro, soltaram-se ódios e muitos fantasmas andam à solta. A doença está diagnosticada mas
ninguém se entende quanto à melhor terapêutica a aplicar. A metáfora é uma simplificação, mas
a imagem pode ser forte.

Não vou ser hipócrita, tendo em conta que a maior do texto parece impregnado de neutralidade.
Fui (e sou) contra a recente destituição, apesar de não ter votado, por ausência do país. E não é
esta solução vigente que acredito que fosse a melhor. Mas a questão a debate que se impõe gira
em torno da união/coesão da massa associativa. Quais são as possibilidades e impossibilidades.
A necessidade de pacificar e unir o universo leonino e a ideia de blindagem para o sucesso são
fundamentais, mas essa necessidade é um autocarro que de momento não sabe em que
paragens deve parar e não parar.

A comparação entre Modalidades e Futebol não é feita sem um propósito. A História recente do
Sporting mostra que é nas modalidades, especialmente no Atletismo, que se têm atingido os
maiores feitos, enquanto o Futebol vem atravessando um verdadeiro deserto de títulos,
excepção feita aos 2 campeonatos de 1999/2000 e 2001/2002, e 5 Taças de Portugal pelo meio
(1994-95, 2001-02, 2006-07, 2007-08 e 2014-15), mais respectivas Supertaças. Desde 1982 até
2018 o Atletismo (masculino e feminino) ganhou 17 títulos internacionais e 127 títulos nacionais.
Para além dos títulos individuais de Carlos Lopes, Fernando Mamede, Francis Obikwelu, Carlos
Calado, Rui Silva, Naide Gomes, entre outros. Claro, com o foco nas medalhas olimpicas de
Carlos Lopes, Obikwelu e Rui Silva, como feitos máximos. No Futsal desde 1990, ano de inicio
da competição, o Sporting foi 15 vezes campeão nacional e ganhou 6 Taças de Portugal. No
Andebol, desde 1982, contam-se 7 campeonatos nacionais e 11 Taças Portugal, sem esquecer
as 2 Taças Challenge. O Voleibol, apesar da extinção e interregno, trouxe mais Campeonatos
Nacionais que o Futebol, 4. Taças de Portugal foram 3. No Hoquei Patins, as contas são mais
fracas, apenas 2 Campeonatos Nacionais, 1 este ano e o outro em 1987/1988 antes da extinção
em 1995, mas com 4 Taças Europeias (1984, 1985, 1991 e 2015). De outras modalidades se
poderia falar, mas estas são suficientes para dar uma imagem.

As modalidades são um refúgio no que diz respeito a vitórias e hegemonia (Futsal e Atletismo),
seja na actualidade ou no passado mais recente. E quando falo em refúgio, não é de uma
maneira depreciativa, porque é nas modalidades que a máxima Esforço, Dedicação, Devoção e
Glória se impõe com maior eficácia. Á falta de resultados no Futebol, são as Modalidades que
têm dado as maiores alegrias e esse refúgio de esperança.

E é por aqui que devemos começar. Falar de união, é falar da necessidade de continuar a
assumir as Modalidades como prioridade imprescindível ao clube, tendo em conta tudo o que
deram ao clube no passado e também no presente. Nesse sentido, o desenho de modelos
apetrechados para garantir orçamentos que assegurem equipas competitivas, é um imperativo.
Bem como é importante ter o Pavilhão João Rocha dentro do clube e fora da esfera da SAD,
como salvaguarda da sua inviolabilidade e garante que as Modalidades têm o seu espaço
sagrado.

Da parte do Futebol, que é a parte que corresponde ao Sporting SAD, o Sporting não pode ser
uma oportunidade de negócios para empresários ou para outro tipo de interesses. Deve ser
unânime que é preciso garantir que o clube trabalhe para ter a maior percentagem possível de
acções da SAD e assim evitar ter que gerir a pasta com intromissões lesivas à competitividade.
Temos que ser realistas, o mercado é canibal e nenhum accionista investe sem ter em mente um
retorno especulativo. Isto pode traduzir-se em pressões para vender jogadores abaixo do seu
valor real, preferências em trabalhar com determinados empresários em detrimento de outros, ou
outros actos que prejudicam, a curto e longo prazo, o Sporting. Por outro lado, o abatimento do
passivo tem também que ser uma prioridade inquestionável. E o rácio é simples de realizar -
quanto menor for o passivo do clube, maior é a garantia de ultrapassar crises e potencializar sem
interrupções o investimento em equipas competitivas e capazes de lutar ombro a ombro com os
rivais por Campeonatos Nacionais. Isto significa ainda, ter a capacidade de trabalhar com
parceiros financeiros sem constrangimentos e cláusulas castradoras.

Há um Sporting a defender, ecléctico, competitivo e vitorioso, mas há também uma imagem do
Sporting que é preciso defender. Infelizmente, e tem sido hábito de longa data, os processos
internos têm sido expostos na praça pública de uma forma indecorosa e pouco digna. Se não é
possível conter as redacções dos diversos órgãos da Comunicação Social, todos os que têm
responsabilidades como associados do clube, principalmente os designados notáveis, pouco ou
nada fizeram e fazem para proteger o clube da violência mediática, a que teimam chamar de
informação. È urgente mudar o paradigma e criar uma capa protectora no clube. Isso significa
que a prática quanto à discussão do clube deveria ser mais reservada nos assuntos relacionados
com os processos internos do clube. Pacificar, unir e blindar passa muito por aqui. Quaisquer
que sejam as divergências, estas devem digeridas internamente com o mínimo de exposição
geral. Afinal de contas, se o clube é dos sócios, cabe a estes o seu destino e não ao público
geral. Este ponto deve ser inegociável.

O Sporting Clube de Portugal como clube que desperta paixões por todo o país, e pelos 4 cantos
do mundo, tem diversas áreas que tem que ter especial atenção. Os núcleos, penso que sejam a
mais sensível. Ter um clube forte, dinâmico, e sobretudo, integrador, é imprescindível para
manter uma presença sólida e cativadora. O Sporting não é de Lisboa, é de Portugal. Não ter
isto presente é contaminar a unidade dentro de portas.
Talvez houvesse mais a explorar. Contudo, boa parte do que é mais sensível já está aflorado. As
possibilidades e impossibilidades de unir e pacificar o clube passam pelos eixos mencionados,
sem excepção. Percorrer outro caminho poderá ser muito perigoso para o clube, e deveria existir
um pacto de regime quanto à dignificação de um clube com uma História construída e uma
História a construir. Não há 3ªs vias. Ou se luta por se manter e solidificar uma identidade, ou
perde-se, talvez com algum grau de irreversibilidade, a magia que vai renovando a Instituição
com os seus milhares de irredutíveis.

As ideias são mais importantes que as caras, que as figuras. Estas não deveriam ser
negociáveis. O risco de se ficar sentado à espera de santos milagrosos comporta perdas
significativas. Uma delas é a contínua e nefasta influência dos notáveis que se perderam num
labirinto e continuam a agir em reactividade, a olhar muito para árvore e pouco para a floresta.
Na mesma linha, deixar de ser sócio não é solução. As crises superam-se com resiliência. Com
capacidade de fazer forças das dificuldades Quem luta pode perder, mas quem não luta jamais
poderá ganhar. O slogan é roubado, mas adequa-se. Devemos estar sempre com a plena
capacidade de intervenção no clube. Devemos acreditar em nós enquanto força transformadora.
A auto-exclusão é a pior das oposições, e, sobretudo, não devemos renegar quem somos.

Viva o Sporting Clube de Portugal!
Desculpa não ter lido antes, como me tinhas dito...
Mas cá está!

Bom post.

Mas como poderás ter verificado pelas respostas ao mesmo, acho que estás pregar para os peixes.
Não deixa de ser irónico que, conhecendo-te eu aos anos, e sabendo eu onde te posicionas ideologicamente, sejas tu a fazer um post sensato destes e ver outros aqui a clamar por "guerra total" e afins.  :lol:

Mas numa coisa eu concordo com aqueles que aqui inflamadamente clamam por guerra: paz e união vai ser difícil. Pelo menos até a bola começar a entrar.
Criámos um monstro que nos escapou por completo ao controlo. O culto de personalidade que se criou à volta de BdC secou tudo à sua volta. Não há discussões possíveis sem constantes ofensas, posts jocosos, faltas de respeito, etc. O veneno é de tal ordem que é impossível haver uma discussão com principio, meio e fim. Tolerância é zero.
É a politica de terra queimada personificada de forma perfeita neste fórum, e enquanto assim for vai ser complicado haver união.

Não ver aqui padrões claros de fenómenos tão magistralmente definidos por Hannah Arendt e George Orwell nas suas obras, é pura ingenuidade ou demasiada fé.
E neste quadro... dificilmente terás as condições para haver uma discussão acerca do Sporting, que dê frutos e permita pacificar o clube.

O mais triste disto tudo é que em Fevereiro de 2018 estávamos em primeiro lugar, sossegados a ver a casa dos lampiões arder, e de repente alguém se lembrou de achar que 90% de apoio era ainda pouco e que havia de acicatar os poucos que se lhe opunham na altura. Incompreensível.

SIM, porque tu tens contribuído imenso para essa pacificação e discussão. As tuas últimas intervenções neste fórum têm sido vergonhosas.

E outra coisa, se me queres citar fá-lo, se não queres não escrevas sobre o que escrevi na 3a pessoa. E SIM, é impossível haver paz quando a aldeia está podre até ao tutano!! E está podre há muitos, muitos anos, a única coisa que mudou - e isso SIM, não Volta mais para trás! - é que existe uma fatia muito signigicativa de Sportinguistas que não tolerará mais paradigmas do passado. Se queres vir para aqui com bitaites intelectualóides de referências um pouco desconexas à realidade, tudo bem. Deixa é a soberba do discurso porque fazes puto de ideia de quem são os teus interlocutores, certo?
«Já vi o suficiente deste JJ e já lhe tirei as medidas. Com ele, o Sporting não vai a lado nenhum»
@SCP Always in forumscp 22-08-17

Queria aproveitar este momento conturbado e preocupante da vida do nosso Clube para publicamente reconhecer que o amigo tinha toda a razão. Ainda mais do que aquela que na altura todos suponhamos ser possível.
@Toca_do_lobo 18/05/2018
A crise do Sporting resume-se a isto:

Havia um presidente que foi capaz de re-erguer financeiramente o clube, de aumentar a militância de sócios, que aumentou a competitividade das modalidades todas, incluindo o futebol, que construiu um pavilhão, que fez um contrato milionário a 10 anos de 400 milhões de direitos televisivos, durante 5 anos, tirando raras excepções de membros de anteriores direcções, o Sporting esteve unido a volta de Bruno de Carvalho.

E Bruno de Carvalho na verdade nunca foi mau para o Sporting, Bruno de Carvalho fez tudo pelo Sporting e por isso seria perfeitamente normal que fosse apoiado pela esmagadora maioria dos Sportinguistas.

Quando é que isto começou a descambar?

Muita gente ignora, que os Sportinguistas não são todos iguais, há Sportinguistas que só querem saber dio Sporting, que seguem as modalidades e que querem ver o clube ganhar, e depois há outros que olham para o Sporting como um partido político, geralmente pessoas com percurso académico, ou uma vida político/partidária intensa, e olham para o clube dessa forma, porque identificam no mesmo a possibilidade de oportunidades de negócio, carreira, ou até contactos... tal como nos partidos.

A facção política do Sporting, da qual fazem parte muitos notáveis, o qual uma larga maioria foi de forma situacionista "apoiante" de Bruno de Carvalho, até que a segunda fase da reestruturação avançou, e foi anunciado que o clube podia ficar com 90% do seu capital e que a Holdimo iria passar a ter só 10%

Foi ai que tudo começou azedar, porque vamos ser sérios, Madrid, Alcochete, só ganharam tal proporção depois de o clube já estar completamente minado por dentro, alguém instruiu pessoas dentro do Sporting, como Marta Soares, Jorge Jesus, Varandas e outros para desrespeitar a autoridade de Bruno de Carvalho e dessa forma encetar uma crise.
Algo terá sido prometido a essas pessoas, para que passassem a perna ao BdC.

Tudo isto somado com outros interesses externos ao clube e que coincidiram com o golpe vindo de dentro, e em 3 meses passou-se de uma unanimidade total a volta de um líder forte e que só defendeu o Sporting, para uma destituição feita de completa intoxicação quer vinda de dentro, quer vinda de fora...

Porque sejamos sérios, muitas pessoas quando vêem a imprensa escrita, jogadores, treinadores, ex-dirigentes, pmag's, tudo e mais alguma coisa alinhados a falar mal do mesma pessoa, elas acreditam, afinal está tudo a falar mal do mesmo.

Pode até se tratar da maior golpada, da maior injustiça, mas quem não se preocupa em ser racional e em ir aponto dos factos, vai atrás da corrente... e foi o que aconteceu ao Sporting?

Está o Sporting fracturado? Os que tem a consciência do que foi a feito a Bruno de Carvalho como eu, jamais lhe irão virar costas, e tão pouco irei aceitar a traição que jogadores, ex-dirigentes e notáveis fizeram ao clube.

A corja política/banqueira do Sporting quer vender a SAD, basta ver a entrevista dada hoje por José Roquette, já anda de papo cheio a falar que a marca vale 500 milhões.

estas pessoas todas (da elite) decidiram vender o Sporting a alguém (pode haver comprador) e este processo de destruição de Bruno de Carvalho não passou de um golpe para facilitar a operação.

Como é que querem paz com gentalha que quer roubar o Sporting aos sócios (Roquette & cia)? Vão para o c****** pah.
A crise do Sporting resume-se a isto:

Havia um presidente que foi capaz de re-erguer financeiramente o clube, de aumentar a militância de sócios, que aumentou a competitividade das modalidades todas, incluindo o futebol, que construiu um pavilhão, que fez um contrato milionário a 10 anos de 400 milhões de direitos televisivos, durante 5 anos, tirando raras excepções de membros de anteriores direcções, o Sporting esteve unido a volta de Bruno de Carvalho.

E Bruno de Carvalho na verdade nunca foi mau para o Sporting, Bruno de Carvalho fez tudo pelo Sporting e por isso seria perfeitamente normal que fosse apoiado pela esmagadora maioria dos Sportinguistas.

Quando é que isto começou a descambar?

Muita gente ignora, que os Sportinguistas não são todos iguais, há Sportinguistas que só querem saber dio Sporting, que seguem as modalidades e que querem ver o clube ganhar, e depois há outros que olham para o Sporting como um partido político, geralmente pessoas com percurso académico, ou uma vida político/partidária intensa, e olham para o clube dessa forma, porque identificam no mesmo a possibilidade de oportunidades de negócio, carreira, ou até contactos... tal como nos partidos.

A facção política do Sporting, da qual fazem parte muitos notáveis, o qual uma larga maioria foi de forma situacionista "apoiante" de Bruno de Carvalho, até que a segunda fase da reestruturação avançou, e foi anunciado que o clube podia ficar com 90% do seu capital e que a Holdimo iria passar a ter só 10%

Foi ai que tudo começou azedar, porque vamos ser sérios, Madrid, Alcochete, só ganharam tal proporção depois de o clube já estar completamente minado por dentro, alguém instruiu pessoas dentro do Sporting, como Marta Soares, Jorge Jesus, Varandas e outros para desrespeitar a autoridade de Bruno de Carvalho e dessa forma encetar uma crise.
Algo terá sido prometido a essas pessoas, para que passassem a perna ao BdC.

Tudo isto somado com outros interesses externos ao clube e que coincidiram com o golpe vindo de dentro, e em 3 meses passou-se de uma unanimidade total a volta de um líder forte e que só defendeu o Sporting, para uma destituição feita de completa intoxicação quer vinda de dentro, quer vinda de fora...

Porque sejamos sérios, muitas pessoas quando vêem a imprensa escrita, jogadores, treinadores, ex-dirigentes, pmag's, tudo e mais alguma coisa alinhados a falar mal do mesma pessoa, elas acreditam, afinal está tudo a falar mal do mesmo.

Pode até se tratar da maior golpada, da maior injustiça, mas quem não se preocupa em ser racional e em ir aponto dos factos, vai atrás da corrente... e foi o que aconteceu ao Sporting?

Está o Sporting fracturado? Os que tem a consciência do que foi a feito a Bruno de Carvalho como eu, jamais lhe irão virar costas, e tão pouco irei aceitar a traição que jogadores, ex-dirigentes e notáveis fizeram ao clube.

A corja política/banqueira do Sporting quer vender a SAD, basta ver a entrevista dada hoje por José Roquette, já anda de papo cheio a falar que a marca vale 500 milhões.

estas pessoas todas (da elite) decidiram vender o Sporting a alguém (pode haver comprador) e este processo de destruição de Bruno de Carvalho não passou de um golpe para facilitar a operação.

Eu já disse há umas semanas que circula nos meios financeiros onde trabalho que a SAD está prometida a um grupo Americano (Apollo) por 350M.
É assim..

O Sporting nunca esteve tão unido como nestes últimos 5 anos, é um facto. ( Bem como o uníssiono com as modalidades. Então depois do pavilhão, do melhor que existiu )

Nunca esteve tão vivo e pujante, como nestes últimos 5 anos, outro facto.

A "divisão" sempre existiu..
A da minoria.

A maioria estava era amorfa, adormecida, eram os simpáticos e gozados, que já pouco defendiam o Sporting.
Que era, apenas e só, mais um ano.
Cheio de "simpatia" e glamour, sem chatear ninguém.
O BdC acordou esse pessoal, e ainda apareceram mais uns 80 000 novos.

Como alguém escreveu... " Finalmente, soltaram o Leão da jaula. E agora que anda, de novo, pujante... Rampante, não podemos admitir que o coloquem de novo na jaula".
Como qualquer caçador faz com os seus troféus, para depois vender o Leão.


Agora, a minoria..

Aqueles que se passeiam nas tv's, na cs, que fazem as coisas nos bastidores.
Como são os únicos que "aparecem" ( E com tempo de antena ), parece que são muitos, quando são a minoria.
Sempre foram.
E têm a tendência para falar, SEMPRE, por todos os sócios e adeptos.
Mas têm autorização para tal ?
Desde quando ?

Ninguém quer saber deles.

O "problema" são os interesses, os bastidores, e os verddeiros gajos com "poder", atrás de todos esses fantoches das tv's.

Se de 20 pessoas, aparecem 18 anti BdC ( E metade desses 18, anti Sporting ), claro que "parece" que são a maioria, por serem mais nesse espaço "curto" e fechado, que é a Intoxicação Social.

Nunca foram maioria, nem mesmo quando andavam nas dinastias de fantoches, quanto mais agora.

Foi uma Golpada, com resultados alterados/programados.


Agora uma coisa é certa.
União com essa minoria, que tem (muito) poder, nunca na vida.
Nunca houve, não ia ser agora.
Para se despedir alguém, ao contrário de alguém se demitir, é necessário mais do que a comunicação verbal.


Os “democratas” nomeados são tão magnânimos que até vão deixar falar o “ditador” eleito!
União com golpistas e com pessoas que pactuam e aplaudem ? Jamais ! Mataram o Clube.
"You would just come after her"
Joel- The Last of Us
Porque e' que o BdC simplesmente depois do ataque a academia nao veio publicamente denunciar a JL e expulsar do clube os seus membros e praticamente acabar com as claques organizadas porque pelas as imagens que vi dos que forram presos eles parecem e sao criminosos. Ele ai falhou e muito sportinguista viu essa falta de accao como uma cumplicidade.
"And yet the country north of the Tagus, Lusitania, is the greatest of the Iberian nations, and is the nation against which the Romans waged war for the longest times" Strabo
Porque e' que o BdC simplesmente depois do ataque a academia nao veio publicamente denunciar a JL e expulsar do clube os seus membros e praticamente acabar com as claques organizadas porque pelas as imagens que vi dos que forram presos eles parecem e sao criminosos. Ele ai falhou e muito sportinguista viu essa falta de accao como uma cumplicidade.
O Cintra também não o fez.. e qualquer candidato que vença também não o irá fazer.

Enviado do meu Redmi 5 Plus através do Tapatalk

"An army of sheep led by a lion can defeat an army of lions led by a sheep"
Verdade mas o BdC era o presidente e o ataque foi na presidência dele e nao do Cintra


Sent from my iPhone using Tapatalk
"And yet the country north of the Tagus, Lusitania, is the greatest of the Iberian nations, and is the nation against which the Romans waged war for the longest times" Strabo
Verdade mas o BdC era o presidente e o ataque foi na presidência dele e nao do Cintra


Sent from my iPhone using Tapatalk
Sim mas para a falta de atitude da anterior direcao  ser sinônimo de cumplicidade quem veio depois teria de ter tomado uma atitude diferente.
Se não tomou das duas uma, ou é porque acha que assim é que está correto.. ou porque afinal há mais rabos presos..

A real é.. ninguém vai meter o dedo nas claques..

Enviado do meu Redmi 5 Plus através do Tapatalk

"An army of sheep led by a lion can defeat an army of lions led by a sheep"
E não só.

Fazer o que quer que seja, não podia ser logo feito.

Ninguém sabia de nada, ainda.

E quando se soube, ele suspendeu, correcto ? @slanwar


A pergunta que ens de colocar é...

O Sousa Cidra andou a oferecer bilhetes a pessoas suspensas.
E já anda por aí a promo/venda de GameBoxes para pessoas suspensas.

Ou levantou a suspensão e não disse nada a ninguém ( Mais "gestão corrente"... ? ), ou anda a oferecer coisas a pessoal suspenso.
Para se despedir alguém, ao contrário de alguém se demitir, é necessário mais do que a comunicação verbal.


Os “democratas” nomeados são tão magnânimos que até vão deixar falar o “ditador” eleito!
Nunca vai haver sossego no clube enquanto a ala anárquica/claques e outros não puserem o seu deus de barro no pedestal novamente..
Em fevereiro teve 90% e a dita oposição teve de meter os 10% na saca e calaram se. Mesmo não concordando com o rumo, tiveram de se calar.. Maioria manda têm de se respeitar.. Aconteceu o oposto passado uns meses e a agora os ditos 29% não querem respeitar a vontade da maioria, mesmo não concordando..é o que da deixarem as claques tomar as redeas do clube..
Em 1º sempre o grande Sporting!!
Nunca vai haver sossego no clube enquanto a ala anárquica/claques e outros não puserem o seu deus de barro no pedestal novamente..
Em fevereiro teve 90% e a dita oposição teve de meter os 10% na saca e calaram se. Mesmo não concordando com o rumo, tiveram de se calar.. Maioria manda têm de se respeitar.. Aconteceu o oposto passado uns meses e a agora os ditos 29% não querem respeitar a vontade da maioria, mesmo não concordando..é o que da deixarem as claques tomar as redeas do clube..

Falso em vários níveis!
Se há coisa que nunca deixou de haver foi critica mordaz e generalizada.
Amplamente difundida em Prime Time, com "patrocínios" mais ou menos encapotados.
A União (Im)Possível

Ninguém dúvida da necessidade de pacificar e unir o universo leonino. Como penso que seja
consensual a ideia, de que não é possível atingir sucesso desportivo, sem uma blindagem eficaz,
aliada à capacidade de enfrentar os desafios em arregimentação espartana. Não é por acaso
que a expressão "balneário blindado" seja tão usada na gíria futebolística. É uma das
estratégias chave. Quanto mais blindada está uma estrutura, maior é a probabilidade de atingir
sucesso.

O Sporting Clube de Portugal, cuja forma material é a sua massa associativa, está partido. É um
facto. 71 vs 29, é a corrente matemática mais fácil de fazer, se bem que as feridas se estendam
muito para além dos votantes dessa Assembleia Geral. Mas essa fractura concentra-se na sua
secção de futebol. Ou melhor, nos acontecimentos que recentemente se sucederam em
catadupa, com o culminar nas rescisões dos 9 jogadores e consequente AG destitutiva, (a 23
Junho), dai derivada.

Quando falamos num Sporting em crise, dividido, com necessidade de ser pacificado, estamos a
falar no contexto futebolístico, porque valha a verdade, nas modalidades, não existe qualquer
atrito, nem patente, nem latente. Em pleno epicentro da crise, fizeram história em termos de
títulos conquistados numa mesma época. Aqui, também será consensual, considerar que têm
sido o grande balão de oxigénio que tem ajudado, - e de que maneira -, a suportar este lodaçal,
que não permite a muitos manterem-se num equilíbrio emocional permanente.

É um clube com sucesso, mas em crise. Paradoxal!? Não. É concreto. Concreto, porque é o
futebol quem manda. Não há volta a dar. É o futebol que movimenta mais sócios, mais
adeptos/simpatizantes no clube, mais emoções, mais programas de televisão, mais artigos de
jornais, mais empresários, mais tudo e alguma coisa. E claro, mais dinheiro. Dinheiro a rodos. É
a gestão desportiva (chamemos-lhe assim) no futebol que está em causa, e é isso que arrasta
um clube inteiro para o conflito institucional e para-institucional.

Acho que já pouco importa a discussão de quem é culpa, ou a distribuição das culpas. É um
debate que já está mais que feito, e do qual não existe consenso, nem deverá haver nunca. A
colheita está feita e cada um guarda para si o que recolheu sem abdicar de um bago que seja. O
problema que isso traz, é que reduz o debate à interpretação do passado recente e afasta uma
aproximação esclarecida do que pode ser o futuro e qual a melhor estratégia para o abordar.
Claro, soltaram-se ódios e muitos fantasmas andam à solta. A doença está diagnosticada mas
ninguém se entende quanto à melhor terapêutica a aplicar. A metáfora é uma simplificação, mas
a imagem pode ser forte.

Não vou ser hipócrita, tendo em conta que a maior do texto parece impregnado de neutralidade.
Fui (e sou) contra a recente destituição, apesar de não ter votado, por ausência do país. E não é
esta solução vigente que acredito que fosse a melhor. Mas a questão a debate que se impõe gira
em torno da união/coesão da massa associativa. Quais são as possibilidades e impossibilidades.
A necessidade de pacificar e unir o universo leonino e a ideia de blindagem para o sucesso são
fundamentais, mas essa necessidade é um autocarro que de momento não sabe em que
paragens deve parar e não parar.

A comparação entre Modalidades e Futebol não é feita sem um propósito. A História recente do
Sporting mostra que é nas modalidades, especialmente no Atletismo, que se têm atingido os
maiores feitos, enquanto o Futebol vem atravessando um verdadeiro deserto de títulos,
excepção feita aos 2 campeonatos de 1999/2000 e 2001/2002, e 5 Taças de Portugal pelo meio
(1994-95, 2001-02, 2006-07, 2007-08 e 2014-15), mais respectivas Supertaças. Desde 1982 até
2018 o Atletismo (masculino e feminino) ganhou 17 títulos internacionais e 127 títulos nacionais.
Para além dos títulos individuais de Carlos Lopes, Fernando Mamede, Francis Obikwelu, Carlos
Calado, Rui Silva, Naide Gomes, entre outros. Claro, com o foco nas medalhas olimpicas de
Carlos Lopes, Obikwelu e Rui Silva, como feitos máximos. No Futsal desde 1990, ano de inicio
da competição, o Sporting foi 15 vezes campeão nacional e ganhou 6 Taças de Portugal. No
Andebol, desde 1982, contam-se 7 campeonatos nacionais e 11 Taças Portugal, sem esquecer
as 2 Taças Challenge. O Voleibol, apesar da extinção e interregno, trouxe mais Campeonatos
Nacionais que o Futebol, 4. Taças de Portugal foram 3. No Hoquei Patins, as contas são mais
fracas, apenas 2 Campeonatos Nacionais, 1 este ano e o outro em 1987/1988 antes da extinção
em 1995, mas com 4 Taças Europeias (1984, 1985, 1991 e 2015). De outras modalidades se
poderia falar, mas estas são suficientes para dar uma imagem.

As modalidades são um refúgio no que diz respeito a vitórias e hegemonia (Futsal e Atletismo),
seja na actualidade ou no passado mais recente. E quando falo em refúgio, não é de uma
maneira depreciativa, porque é nas modalidades que a máxima Esforço, Dedicação, Devoção e
Glória se impõe com maior eficácia. Á falta de resultados no Futebol, são as Modalidades que
têm dado as maiores alegrias e esse refúgio de esperança.

E é por aqui que devemos começar. Falar de união, é falar da necessidade de continuar a
assumir as Modalidades como prioridade imprescindível ao clube, tendo em conta tudo o que
deram ao clube no passado e também no presente. Nesse sentido, o desenho de modelos
apetrechados para garantir orçamentos que assegurem equipas competitivas, é um imperativo.
Bem como é importante ter o Pavilhão João Rocha dentro do clube e fora da esfera da SAD,
como salvaguarda da sua inviolabilidade e garante que as Modalidades têm o seu espaço
sagrado.

Da parte do Futebol, que é a parte que corresponde ao Sporting SAD, o Sporting não pode ser
uma oportunidade de negócios para empresários ou para outro tipo de interesses. Deve ser
unânime que é preciso garantir que o clube trabalhe para ter a maior percentagem possível de
acções da SAD e assim evitar ter que gerir a pasta com intromissões lesivas à competitividade.
Temos que ser realistas, o mercado é canibal e nenhum accionista investe sem ter em mente um
retorno especulativo. Isto pode traduzir-se em pressões para vender jogadores abaixo do seu
valor real, preferências em trabalhar com determinados empresários em detrimento de outros, ou
outros actos que prejudicam, a curto e longo prazo, o Sporting. Por outro lado, o abatimento do
passivo tem também que ser uma prioridade inquestionável. E o rácio é simples de realizar -
quanto menor for o passivo do clube, maior é a garantia de ultrapassar crises e potencializar sem
interrupções o investimento em equipas competitivas e capazes de lutar ombro a ombro com os
rivais por Campeonatos Nacionais. Isto significa ainda, ter a capacidade de trabalhar com
parceiros financeiros sem constrangimentos e cláusulas castradoras.

Há um Sporting a defender, ecléctico, competitivo e vitorioso, mas há também uma imagem do
Sporting que é preciso defender. Infelizmente, e tem sido hábito de longa data, os processos
internos têm sido expostos na praça pública de uma forma indecorosa e pouco digna. Se não é
possível conter as redacções dos diversos órgãos da Comunicação Social, todos os que têm
responsabilidades como associados do clube, principalmente os designados notáveis, pouco ou
nada fizeram e fazem para proteger o clube da violência mediática, a que teimam chamar de
informação. È urgente mudar o paradigma e criar uma capa protectora no clube. Isso significa
que a prática quanto à discussão do clube deveria ser mais reservada nos assuntos relacionados
com os processos internos do clube. Pacificar, unir e blindar passa muito por aqui. Quaisquer
que sejam as divergências, estas devem digeridas internamente com o mínimo de exposição
geral. Afinal de contas, se o clube é dos sócios, cabe a estes o seu destino e não ao público
geral. Este ponto deve ser inegociável.

O Sporting Clube de Portugal como clube que desperta paixões por todo o país, e pelos 4 cantos
do mundo, tem diversas áreas que tem que ter especial atenção. Os núcleos, penso que sejam a
mais sensível. Ter um clube forte, dinâmico, e sobretudo, integrador, é imprescindível para
manter uma presença sólida e cativadora. O Sporting não é de Lisboa, é de Portugal. Não ter
isto presente é contaminar a unidade dentro de portas.
Talvez houvesse mais a explorar. Contudo, boa parte do que é mais sensível já está aflorado. As
possibilidades e impossibilidades de unir e pacificar o clube passam pelos eixos mencionados,
sem excepção. Percorrer outro caminho poderá ser muito perigoso para o clube, e deveria existir
um pacto de regime quanto à dignificação de um clube com uma História construída e uma
História a construir. Não há 3ªs vias. Ou se luta por se manter e solidificar uma identidade, ou
perde-se, talvez com algum grau de irreversibilidade, a magia que vai renovando a Instituição
com os seus milhares de irredutíveis.

As ideias são mais importantes que as caras, que as figuras. Estas não deveriam ser
negociáveis. O risco de se ficar sentado à espera de santos milagrosos comporta perdas
significativas. Uma delas é a contínua e nefasta influência dos notáveis que se perderam num
labirinto e continuam a agir em reactividade, a olhar muito para árvore e pouco para a floresta.
Na mesma linha, deixar de ser sócio não é solução. As crises superam-se com resiliência. Com
capacidade de fazer forças das dificuldades Quem luta pode perder, mas quem não luta jamais
poderá ganhar. O slogan é roubado, mas adequa-se. Devemos estar sempre com a plena
capacidade de intervenção no clube. Devemos acreditar em nós enquanto força transformadora.
A auto-exclusão é a pior das oposições, e, sobretudo, não devemos renegar quem somos.

Viva o Sporting Clube de Portugal!
Desculpa não ter lido antes, como me tinhas dito...
Mas cá está!

Bom post.

Mas como poderás ter verificado pelas respostas ao mesmo, acho que estás pregar para os peixes.
Não deixa de ser irónico que, conhecendo-te eu aos anos, e sabendo eu onde te posicionas ideologicamente, sejas tu a fazer um post sensato destes e ver outros aqui a clamar por "guerra total" e afins.  :lol:

Mas numa coisa eu concordo com aqueles que aqui inflamadamente clamam por guerra: paz e união vai ser difícil. Pelo menos até a bola começar a entrar.
Criámos um monstro que nos escapou por completo ao controlo. O culto de personalidade que se criou à volta de BdC secou tudo à sua volta. Não há discussões possíveis sem constantes ofensas, posts jocosos, faltas de respeito, etc. O veneno é de tal ordem que é impossível haver uma discussão com principio, meio e fim. Tolerância é zero.
É a politica de terra queimada personificada de forma perfeita neste fórum, e enquanto assim for vai ser complicado haver união.

Não ver aqui padrões claros de fenómenos tão magistralmente definidos por Hannah Arendt e George Orwell nas suas obras, é pura ingenuidade ou demasiada fé.
E neste quadro... dificilmente terás as condições para haver uma discussão acerca do Sporting, que dê frutos e permita pacificar o clube.

O mais triste disto tudo é que em Fevereiro de 2018 estávamos em primeiro lugar, sossegados a ver a casa dos lampiões arder, e de repente alguém se lembrou de achar que 90% de apoio era ainda pouco e que havia de acicatar os poucos que se lhe opunham na altura. Incompreensível.

SIM, porque tu tens contribuído imenso para essa pacificação e discussão. As tuas últimas intervenções neste fórum têm sido vergonhosas.

E outra coisa, se me queres citar fá-lo, se não queres não escrevas sobre o que escrevi na 3a pessoa. E SIM, é impossível haver paz quando a aldeia está podre até ao tutano!! E está podre há muitos, muitos anos, a única coisa que mudou - e isso SIM, não Volta mais para trás! - é que existe uma fatia muito signigicativa de Sportinguistas que não tolerará mais paradigmas do passado. Se queres vir para aqui com bitaites intelectualóides de referências um pouco desconexas à realidade, tudo bem. Deixa é a soberba do discurso porque fazes puto de ideia de quem são os teus interlocutores, certo?
Então e tu tens contribuído com o quê mesmo?!
Vê-te ao espelho amigo.

As minhas intervenções são as de alguém que é aqui sistematicamente ofendido e atacado por ter uma opinião contrária. Tem sido assim de há algum tempo a esta parte onde quem quer que critique o rei sol, é rotulado e ofendido.

Já me ofereceram porrada, ja me chamaram croquette, e todo o tipo de adjectivos por aqui. Portanto, sim, se quiserem discutir as coisas com respeito, de forma racional e com argumentos lógicos estou cá. Se querem entrar no chorrilho de ofensas e veneno, também estou cá (embora não devesse estar, mas é mais forte que eu). Se me excedo, sim... é uma consequência natural de ver tanto lixo, tanto troll, tanto paraquedista e tanto bot neste espaço a destruir tudo o que é uma discussão minimamente saudável!

Quanto a quotes... foste o único a dizer que só terão guerra?! Era para ti e outros. Não foste o único.
Eu não tenho medo de te quotar. Só evito, porque tenho respeito por ti e tens uma história aqui dentro onde durante muitos anos estivemos do mesmo lado da barriada. Mas já percebi que para ti, é como para o teu querido lider: quem muda de opinião ou o critica passa a ser rato e traidor. E eu não entro nessa retórica de ódio com pessoas que respeito e que com quem em tempos concordei, e não foi pouco!

Tu fazes o teu caminho, eu faço o meu.
No final, depois e como somos os dois homenzinhos, cá estaremos para perceber quem tinha razão. Eu nunca tive propriamente medo de mudar a minha opinião, se a realidade me demonstrasse que o devia fazer. Nem nunca tive problemas em admitir erros de análise e avaliação. Sei aliás, viver bem com os meus erros. Se for o caso, cá estarei. Mas duvido muito, muito mesmo... até porque a realidade vai confirmando tudo o que fui apontando e avisando de há um ano a esta parte.

A pouco e pouco todos os que defendiam intranzigentemente BdC vão percebendo na pessoa em que se tornou. Um dia chegas lá de certeza. Gabo-vos a lealdade a um homem só, gabo-vos o apoio incondicional a roçar a cegueira a um homem só, que ainda por cima tem revelado cada vez mais defeitos. Só tenho pena que em tanta lealdade e obstinação, acabe por sobrar pouca para o Sporting ao ponto de terem todas as certezas do mundo que vale a pena travar uma guerra sem quartel em nome de uma figura cada vez mais patética.

Querem ir à luta? Sejam pragmáticos: BdC está queimado, não vai a lado nenhum. Ainda por cima está suspenso. CV e o restante CD está suspenso. Irão a eleições? Se não forem, como vai ser? Há alternativas? Podem criar-se alternativas de fundo com base na equipa e projecto da anterior direcção? Querem combater os croquetes? Comecem por perceber  que BdC falhou e foi ele que deu o flanco aos croquetes, e que por isso mesmo, o seu tempo acabou.
A crise do Sporting resume-se a isto:

Havia um presidente que foi capaz de re-erguer financeiramente o clube, de aumentar a militância de sócios, que aumentou a competitividade das modalidades todas, incluindo o futebol, que construiu um pavilhão, que fez um contrato milionário a 10 anos de 400 milhões de direitos televisivos, durante 5 anos, tirando raras excepções de membros de anteriores direcções, o Sporting esteve unido a volta de Bruno de Carvalho.

E Bruno de Carvalho na verdade nunca foi mau para o Sporting, Bruno de Carvalho fez tudo pelo Sporting e por isso seria perfeitamente normal que fosse apoiado pela esmagadora maioria dos Sportinguistas.

Quando é que isto começou a descambar?

Muita gente ignora, que os Sportinguistas não são todos iguais, há Sportinguistas que só querem saber dio Sporting, que seguem as modalidades e que querem ver o clube ganhar, e depois há outros que olham para o Sporting como um partido político, geralmente pessoas com percurso académico, ou uma vida político/partidária intensa, e olham para o clube dessa forma, porque identificam no mesmo a possibilidade de oportunidades de negócio, carreira, ou até contactos... tal como nos partidos.

A facção política do Sporting, da qual fazem parte muitos notáveis, o qual uma larga maioria foi de forma situacionista "apoiante" de Bruno de Carvalho, até que a segunda fase da reestruturação avançou, e foi anunciado que o clube podia ficar com 90% do seu capital e que a Holdimo iria passar a ter só 10%

Foi ai que tudo começou azedar, porque vamos ser sérios, Madrid, Alcochete, só ganharam tal proporção depois de o clube já estar completamente minado por dentro, alguém instruiu pessoas dentro do Sporting, como Marta Soares, Jorge Jesus, Varandas e outros para desrespeitar a autoridade de Bruno de Carvalho e dessa forma encetar uma crise.
Algo terá sido prometido a essas pessoas, para que passassem a perna ao BdC.

Tudo isto somado com outros interesses externos ao clube e que coincidiram com o golpe vindo de dentro, e em 3 meses passou-se de uma unanimidade total a volta de um líder forte e que só defendeu o Sporting, para uma destituição feita de completa intoxicação quer vinda de dentro, quer vinda de fora...

Porque sejamos sérios, muitas pessoas quando vêem a imprensa escrita, jogadores, treinadores, ex-dirigentes, pmag's, tudo e mais alguma coisa alinhados a falar mal do mesma pessoa, elas acreditam, afinal está tudo a falar mal do mesmo.

Pode até se tratar da maior golpada, da maior injustiça, mas quem não se preocupa em ser racional e em ir aponto dos factos, vai atrás da corrente... e foi o que aconteceu ao Sporting?

Está o Sporting fracturado? Os que tem a consciência do que foi a feito a Bruno de Carvalho como eu, jamais lhe irão virar costas, e tão pouco irei aceitar a traição que jogadores, ex-dirigentes e notáveis fizeram ao clube.

A corja política/banqueira do Sporting quer vender a SAD, basta ver a entrevista dada hoje por José Roquette, já anda de papo cheio a falar que a marca vale 500 milhões.

estas pessoas todas (da elite) decidiram vender o Sporting a alguém (pode haver comprador) e este processo de destruição de Bruno de Carvalho não passou de um golpe para facilitar a operação.

Eu já disse há umas semanas que circula nos meios financeiros onde trabalho que a SAD está prometida a um grupo Americano (Apollo) por 350M.
A Holdimo vai vender a sua participação por 350M €?!
Belo negócio!

Ou estás a dizer que a SAD foi prometida em troca da venda da participação do clube? É um bocado complicado prometer uma coisa que está nas mãos dos sócios em AG! :think:
Não são rumores, essa hipótese existe mesmo. É preciso estar muito atento

Sent from my Redmi Note 4 using Tapatalk

A crise do Sporting resume-se a isto:

Havia um presidente que foi capaz de re-erguer financeiramente o clube, de aumentar a militância de sócios, que aumentou a competitividade das modalidades todas, incluindo o futebol, que construiu um pavilhão, que fez um contrato milionário a 10 anos de 400 milhões de direitos televisivos, durante 5 anos, tirando raras excepções de membros de anteriores direcções, o Sporting esteve unido a volta de Bruno de Carvalho.

E Bruno de Carvalho na verdade nunca foi mau para o Sporting, Bruno de Carvalho fez tudo pelo Sporting e por isso seria perfeitamente normal que fosse apoiado pela esmagadora maioria dos Sportinguistas.

Quando é que isto começou a descambar?

Muita gente ignora, que os Sportinguistas não são todos iguais, há Sportinguistas que só querem saber dio Sporting, que seguem as modalidades e que querem ver o clube ganhar, e depois há outros que olham para o Sporting como um partido político, geralmente pessoas com percurso académico, ou uma vida político/partidária intensa, e olham para o clube dessa forma, porque identificam no mesmo a possibilidade de oportunidades de negócio, carreira, ou até contactos... tal como nos partidos.

A facção política do Sporting, da qual fazem parte muitos notáveis, o qual uma larga maioria foi de forma situacionista "apoiante" de Bruno de Carvalho, até que a segunda fase da reestruturação avançou, e foi anunciado que o clube podia ficar com 90% do seu capital e que a Holdimo iria passar a ter só 10%

Foi ai que tudo começou azedar, porque vamos ser sérios, Madrid, Alcochete, só ganharam tal proporção depois de o clube já estar completamente minado por dentro, alguém instruiu pessoas dentro do Sporting, como Marta Soares, Jorge Jesus, Varandas e outros para desrespeitar a autoridade de Bruno de Carvalho e dessa forma encetar uma crise.
Algo terá sido prometido a essas pessoas, para que passassem a perna ao BdC.

Tudo isto somado com outros interesses externos ao clube e que coincidiram com o golpe vindo de dentro, e em 3 meses passou-se de uma unanimidade total a volta de um líder forte e que só defendeu o Sporting, para uma destituição feita de completa intoxicação quer vinda de dentro, quer vinda de fora...

Porque sejamos sérios, muitas pessoas quando vêem a imprensa escrita, jogadores, treinadores, ex-dirigentes, pmag's, tudo e mais alguma coisa alinhados a falar mal do mesma pessoa, elas acreditam, afinal está tudo a falar mal do mesmo.

Pode até se tratar da maior golpada, da maior injustiça, mas quem não se preocupa em ser racional e em ir aponto dos factos, vai atrás da corrente... e foi o que aconteceu ao Sporting?

Está o Sporting fracturado? Os que tem a consciência do que foi a feito a Bruno de Carvalho como eu, jamais lhe irão virar costas, e tão pouco irei aceitar a traição que jogadores, ex-dirigentes e notáveis fizeram ao clube.

A corja política/banqueira do Sporting quer vender a SAD, basta ver a entrevista dada hoje por José Roquette, já anda de papo cheio a falar que a marca vale 500 milhões.

estas pessoas todas (da elite) decidiram vender o Sporting a alguém (pode haver comprador) e este processo de destruição de Bruno de Carvalho não passou de um golpe para facilitar a operação.

Eu já disse há umas semanas que circula nos meios financeiros onde trabalho que a SAD está prometida a um grupo Americano (Apollo) por 350M.
A Holdimo vai vender a sua participação por 350M €?!
Belo negócio!

Ou estás a dizer que a SAD foi prometida em troca da venda da participação do clube? É um bocado complicado prometer uma coisa que está nas mãos dos sócios em AG! :think:


Epá 1984, eu as vezes até fico na dúvida que és tu. Porra, até parece que foi difícil vender tudo neste clube no passado.

Pinta-se o cenário, controi-se a solução, vende-se a dita como única e maravilhosa. Está feito.

É como a história da 3 via nas eleições. Quando acordarem vão perceber que estão a escolher entre variantes de salgadinhos.

Enviado do telele
A continuidade e a sua credibilidade trouxeram-nos a esta triste realidade. Basta!

A crise do Sporting resume-se a isto:

Havia um presidente que foi capaz de re-erguer financeiramente o clube, de aumentar a militância de sócios, que aumentou a competitividade das modalidades todas, incluindo o futebol, que construiu um pavilhão, que fez um contrato milionário a 10 anos de 400 milhões de direitos televisivos, durante 5 anos, tirando raras excepções de membros de anteriores direcções, o Sporting esteve unido a volta de Bruno de Carvalho.

E Bruno de Carvalho na verdade nunca foi mau para o Sporting, Bruno de Carvalho fez tudo pelo Sporting e por isso seria perfeitamente normal que fosse apoiado pela esmagadora maioria dos Sportinguistas.

Quando é que isto começou a descambar?

Muita gente ignora, que os Sportinguistas não são todos iguais, há Sportinguistas que só querem saber dio Sporting, que seguem as modalidades e que querem ver o clube ganhar, e depois há outros que olham para o Sporting como um partido político, geralmente pessoas com percurso académico, ou uma vida político/partidária intensa, e olham para o clube dessa forma, porque identificam no mesmo a possibilidade de oportunidades de negócio, carreira, ou até contactos... tal como nos partidos.

A facção política do Sporting, da qual fazem parte muitos notáveis, o qual uma larga maioria foi de forma situacionista "apoiante" de Bruno de Carvalho, até que a segunda fase da reestruturação avançou, e foi anunciado que o clube podia ficar com 90% do seu capital e que a Holdimo iria passar a ter só 10%

Foi ai que tudo começou azedar, porque vamos ser sérios, Madrid, Alcochete, só ganharam tal proporção depois de o clube já estar completamente minado por dentro, alguém instruiu pessoas dentro do Sporting, como Marta Soares, Jorge Jesus, Varandas e outros para desrespeitar a autoridade de Bruno de Carvalho e dessa forma encetar uma crise.
Algo terá sido prometido a essas pessoas, para que passassem a perna ao BdC.

Tudo isto somado com outros interesses externos ao clube e que coincidiram com o golpe vindo de dentro, e em 3 meses passou-se de uma unanimidade total a volta de um líder forte e que só defendeu o Sporting, para uma destituição feita de completa intoxicação quer vinda de dentro, quer vinda de fora...

Porque sejamos sérios, muitas pessoas quando vêem a imprensa escrita, jogadores, treinadores, ex-dirigentes, pmag's, tudo e mais alguma coisa alinhados a falar mal do mesma pessoa, elas acreditam, afinal está tudo a falar mal do mesmo.

Pode até se tratar da maior golpada, da maior injustiça, mas quem não se preocupa em ser racional e em ir aponto dos factos, vai atrás da corrente... e foi o que aconteceu ao Sporting?

Está o Sporting fracturado? Os que tem a consciência do que foi a feito a Bruno de Carvalho como eu, jamais lhe irão virar costas, e tão pouco irei aceitar a traição que jogadores, ex-dirigentes e notáveis fizeram ao clube.

A corja política/banqueira do Sporting quer vender a SAD, basta ver a entrevista dada hoje por José Roquette, já anda de papo cheio a falar que a marca vale 500 milhões.

estas pessoas todas (da elite) decidiram vender o Sporting a alguém (pode haver comprador) e este processo de destruição de Bruno de Carvalho não passou de um golpe para facilitar a operação.

Eu já disse há umas semanas que circula nos meios financeiros onde trabalho que a SAD está prometida a um grupo Americano (Apollo) por 350M.
A Holdimo vai vender a sua participação por 350M €?!
Belo negócio!

Ou estás a dizer que a SAD foi prometida em troca da venda da participação do clube? É um bocado complicado prometer uma coisa que está nas mãos dos sócios em AG! :think:


Epá 1984, eu as vezes até fico na dúvida que és tu. Porra, até parece que foi difícil vender tudo neste clube no passado.

Pinta-se o cenário, controi-se a solução, vende-se a dita como única e maravilhosa. Está feito.

É como a história da 3 via nas eleições. Quando acordarem vão perceber que estão a escolher entre variantes de salgadinhos.

Enviado do telele
Outra vez arroz?!
No passado vendeu-se tudo, mas o contexto actual é totalmente diferente. Foi pelos erros do passado que se mudou.
Achas mesmo que as pessoas vão cair na mesma esparrela outra vez? Ainda por cima perda de maioria da SAD?!

Mas alguma vez uma venda da maioria do capital da SAD passa, neste momento, em AG, pintem o cenário como pintarem?! Really?!

Portanto, alguém pode mesmo afirmar que a SAD está prometida por não sei quantos milhões a uma empresa qualquer?! Andamos todos aqui a dormir? Como é que podes prometer uma coisa que não depende de ti e sim do voto de um universo de 170 mil sócios?

Eu é que sou assim, e sou assado. Se queres ser rigoroso, começa por comentar essa afirmação!
A crise do Sporting resume-se a isto:

Havia um presidente que foi capaz de re-erguer financeiramente o clube, de aumentar a militância de sócios, que aumentou a competitividade das modalidades todas, incluindo o futebol, que construiu um pavilhão, que fez um contrato milionário a 10 anos de 400 milhões de direitos televisivos, durante 5 anos, tirando raras excepções de membros de anteriores direcções, o Sporting esteve unido a volta de Bruno de Carvalho.

E Bruno de Carvalho na verdade nunca foi mau para o Sporting, Bruno de Carvalho fez tudo pelo Sporting e por isso seria perfeitamente normal que fosse apoiado pela esmagadora maioria dos Sportinguistas.

Quando é que isto começou a descambar?

Muita gente ignora, que os Sportinguistas não são todos iguais, há Sportinguistas que só querem saber dio Sporting, que seguem as modalidades e que querem ver o clube ganhar, e depois há outros que olham para o Sporting como um partido político, geralmente pessoas com percurso académico, ou uma vida político/partidária intensa, e olham para o clube dessa forma, porque identificam no mesmo a possibilidade de oportunidades de negócio, carreira, ou até contactos... tal como nos partidos.

A facção política do Sporting, da qual fazem parte muitos notáveis, o qual uma larga maioria foi de forma situacionista "apoiante" de Bruno de Carvalho, até que a segunda fase da reestruturação avançou, e foi anunciado que o clube podia ficar com 90% do seu capital e que a Holdimo iria passar a ter só 10%

Foi ai que tudo começou azedar, porque vamos ser sérios, Madrid, Alcochete, só ganharam tal proporção depois de o clube já estar completamente minado por dentro, alguém instruiu pessoas dentro do Sporting, como Marta Soares, Jorge Jesus, Varandas e outros para desrespeitar a autoridade de Bruno de Carvalho e dessa forma encetar uma crise.
Algo terá sido prometido a essas pessoas, para que passassem a perna ao BdC.

Tudo isto somado com outros interesses externos ao clube e que coincidiram com o golpe vindo de dentro, e em 3 meses passou-se de uma unanimidade total a volta de um líder forte e que só defendeu o Sporting, para uma destituição feita de completa intoxicação quer vinda de dentro, quer vinda de fora...

Porque sejamos sérios, muitas pessoas quando vêem a imprensa escrita, jogadores, treinadores, ex-dirigentes, pmag's, tudo e mais alguma coisa alinhados a falar mal do mesma pessoa, elas acreditam, afinal está tudo a falar mal do mesmo.

Pode até se tratar da maior golpada, da maior injustiça, mas quem não se preocupa em ser racional e em ir aponto dos factos, vai atrás da corrente... e foi o que aconteceu ao Sporting?

Está o Sporting fracturado? Os que tem a consciência do que foi a feito a Bruno de Carvalho como eu, jamais lhe irão virar costas, e tão pouco irei aceitar a traição que jogadores, ex-dirigentes e notáveis fizeram ao clube.

A corja política/banqueira do Sporting quer vender a SAD, basta ver a entrevista dada hoje por José Roquette, já anda de papo cheio a falar que a marca vale 500 milhões.

estas pessoas todas (da elite) decidiram vender o Sporting a alguém (pode haver comprador) e este processo de destruição de Bruno de Carvalho não passou de um golpe para facilitar a operação.

Eu já disse há umas semanas que circula nos meios financeiros onde trabalho que a SAD está prometida a um grupo Americano (Apollo) por 350M.
A Holdimo vai vender a sua participação por 350M €?!
Belo negócio!

Ou estás a dizer que a SAD foi prometida em troca da venda da participação do clube? É um bocado complicado prometer uma coisa que está nas mãos dos sócios em AG! :think:


Epá 1984, eu as vezes até fico na dúvida que és tu. Porra, até parece que foi difícil vender tudo neste clube no passado.

Pinta-se o cenário, controi-se a solução, vende-se a dita como única e maravilhosa. Está feito.

É como a história da 3 via nas eleições. Quando acordarem vão perceber que estão a escolher entre variantes de salgadinhos.

Enviado do telele
Outra vez arroz?!
No passado vendeu-se tudo, mas o contexto actual é totalmente diferente. Foi pelos erros do passado que se mudou.
Achas mesmo que as pessoas vão cair na mesma esparrela outra vez? Ainda por cima perda de maioria da SAD?!

Mas alguma vez uma venda da maioria do capital da SAD passa, neste momento, em AG, pintem o cenário como pintarem?! Really?!

Portanto, alguém pode mesmo afirmar que a SAD está prometida por não sei quantos milhões a uma empresa qualquer?! Andamos todos aqui a dormir? Como é que podes prometer uma coisa que não depende de ti e sim do voto de um universo de 170 mil sócios?

Eu é que sou assim, e sou assado. Se queres ser rigoroso, começa por comentar essa afirmação!



Não é arroz, é mesmo muita ingenuidade... Nesta altura ninguém o faz, estás correcto. Nesta altura.

Guarda a posta.

PS - Não prometes o negócio, prometes que vais tratar do assunto para o fazeres. Qual é mesmo a dúvida. Ah, pelo meio prometes muito dinheirinho para muita gente.
A continuidade e a sua credibilidade trouxeram-nos a esta triste realidade. Basta!

Acho que não há muitas dúvidas que, em AG, tudo é possível. Tudo é possível de acordo com quem tem o poder.
Sei que é "feio" um homem chorar, mas ontem chorei, de orgulho e de alegria por trazer no coração o amor ao Sporting Clube de Portugal! - AJG - 01JUN2015