Equipa Sub23 - 2018/19

LeãoBB, Francisco19 e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

Terminada esta edição da segunda liga, serve este tópico para se comentar a preparação e o desempenho da equipa sub23 que irá participar num campeonato dessa categoria na temporada que vem, substituindo uma equipa B inserida nos campeonatos seniores profissionais.



Que género de plantel é que esperam / desejam que seja construído? Dos actuais elementos que compõem a B, quais seriam para manter neste escalão, quais seriam para emprestar, e quais seriam simplesmente dispensados? Que jogadores actualmente nos juniores promoviam a esta equipa?



Plantel actual equipa B

Plantel actual sub19
« Última modificação: Agosto 03, 2018, 12:59 pm por SCP Fan »
Um erro que se vai revelar crasso e histórico.
Podem quotar, daqui a uns anos.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk
Um erro que se vai revelar crasso e histórico.
Podem quotar, daqui a uns anos.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Concordo. A equipa B devia manter se
Um erro que se vai revelar crasso e histórico.
Podem quotar, daqui a uns anos.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Concordo. A equipa B devia manter se

Reestruturada.
Um erro que se vai revelar crasso e histórico.
Podem quotar, daqui a uns anos.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Concordo. A equipa B devia manter se

Se fomos Campeões Europeus, ou se neste momento estamos cada vez mais perto da nata de promessas do Futebol Europeu, o devemos às Equipas B.
Quem acompanha o processo de formação antes e pós Equipas B, sabe que jogadores como o Bernardo Silva, João Mário, André Gomes, Gelson entre outros, não eram mais promissores/melhores do que muitos miúdos nos escalões de formação pré B, como o David Simão, Renato Neto, Renato Santos, Nuno Reis etc...

Simplesmente a ausência das equipas B fazia a estes jogadores no ano de transição para o futebol sénior, que é importantíssimo, fossem para clubes completamente desvirtuados para o estilo de futebol que estavam padronizados, e que encontrariam nos seus clubes mãe.
É como emprestar o Messi a um Fátima e vê-lo com um Carlos Azenha a jogar kick n' rush ou autocarro.
Isto para além do choque psicológico que transportaria essa mudança em miúdos destas idades.

Duvido muito, por exemplo que jogadores com as características do João Mário ou Bernardo Silva singrassem noutros clubes se não houvesse equipas B.

E estas acabam por ser rampas de lançamento não só dos mais talentosos, como também daqueles miúdos, que por um ou outro motivo, não foram tão destaque na formação.
O Geraldes, por exemplo raramente tinha lugar quando fazia o 1º ano do escalão, começando a despontar no último ano de Júnior, mas mesmo aí nada demais. Foi na equipa B, que ele e o Palhinha com a chegada do João de Deus e a meio da 1ª época de sénior que ganharam espaço e nunca mais perderam o rumo.
O mesmo tinha acontecido com o Mané.

Já para não falar da ausência de um estímulo competitivo para os miúdos de maior qualidade e potencial.
Em Inglaterra, onde é utilizado este modelo, os miúdos com maior qualidade estão todos emprestados a clubes satélite, basicamente só fazendo parte dos sub 23 o entulho da equipa A e alguns putos de menor expressão.

O único ponto positivo desta medida é que provavelmente os melhores miúdos poderão começar-se a estrear mais cedo, onde anteriormente parecia que tinha de haver um processo encadeado para chegar à A.

Para mim, uma das poucas e a maior mancha deste reinado de BDC é sem dúvida a formação.
Desde a escolha no 1º ano para diretor da formação de um gajo que servia para bater nos putos e pouco mais (Virgilio), ao que se fez ao José Lima, à escolha de técnicos poucos dotados como o Boa Morte ou o Barão, à questão dos contratos chapa 5 que afastou vários miúdos que agora não vão ser nada no futebol por terem recusado renovar (Hugo Meira ou Bernardo Carlos), ao projeto (se é que podemos falar de projeto) que se concentra somente em ganhar campeonatos da treta ao invés de formar, estagnando a evolução de vários putos que estão nos seus escalões a bater em mortos, quando podiam já andar na B (entalada de Kennedy Có's desta vida) e por aí fora....
Reestruturada mas que será mais um monte de jogos a feijões. Vejam os juniores de 2º ano que jogam na B (lampioes) a diferença
Concordo com o @valhalla1312

A entrada no campeonato de sub-23 é uma tentativa de acalmar os ânimos dos sportinguistas e, dessa forma, de ganhar algum tempo para não ter que justificar a incapacidade de gerir a equipa B.

Já se concluiu que a actual administração não tem capacidade para perceber a integração dos jogadores no futebol sénior. Grande parte dos jogadores que saem dos sub-19, saltam para a equipa B, ficando um ano parados a ver jogar o entulho que se contrata sem qualquer justificação. Mais tarde ganham o lugar e, imagine-se, até mostram mais qualidade do que esse entulho.

Não existindo capacidade para tirar proveitos da equipa B, existem duas opções: a primeira seria reformular a equipa B, estudar o que está mal, corrigir os erros e aproveitar o potencial que se retira da mesma; a segunda seria extinguir a equipa B e admitir o fracasso que há na gestão deste "fenómeno".

Optou-se pela 2.ª opção, mas de maneira a acalmar os ânimos. Vamos extinguir a equipa B, mas "hey", vamos entrar na Liga Primavera. Perdão, nos sub-23! Que diferença tem para a liga primavera que foi um fracasso? Er... Bem, é uma maneira de... continuar a formação... os jogadores que se pretende que deem o salto competitivo quando saem dos juniores... Err... Continuam a competir com jovens de qualidade. Mas esses jovens não têm a mesma idade? Não seria possível aumentar o nível competitivo? Bem... Err... Vamos ver no que dá.

Todos sabemos no que dá. Daqui a um ano extingue-se a m**** da equipa de sub-23, que vai fazer com que o Sporting CP tenha um plantel com alguns 35 jogadores (se não forem mais) que competirão contra o entulho do Aves. Ou melhor, competirão contra os juniores do Aves! O tal nível competitivo importante. Concluir-se-á que o projecto de sub-23 não serve os interesses do Sporting CP e extingue-se a equipa de sub-23.

Ou seja, andaremos durante mais uma temporada a habituar os sportinguistas à ideia de que não terão equipa B, para que depois não se conteste de maneira tão veemente a ideia. Afinal, a decisão de extinguir a equipa B já foi há um ano atrás e nessa altura todos acharam por bem ver no que dava a criação de uma equipa sub-23.

Da minha parte mantenho o que disse. Seria preferível reformular a equipa B, competir no CNS na próxima temporada, apostar na subida de divisão. Não sendo esta a posição, que haja tomates para assumir que se quer extinguir as equipas B, sem necessidade de competir na liga primavera. 
Da minha parte, não vejo o modelo das B como o cálice sagrado para se projectar jogadores no futebol sénior, não está tudo condenado a ser Renatos Netos por não competirem na segunda liga quando saem dos juniores. Há casos de sucesso com modelos diferentes, casos da Alemanha (que salvo erro competem nas divisões regionais) ou da Inglaterra (modelo sub23 igual a este que se segue em Portugal)

O modelo B agrada-me mais do que o sub23; mas mais que o modelo o que interessa é como é implementado. O que o Sporting tinha actualmente como equipa B não era mais do que uma vergonha para o clube. Se esta mudança levar a que haja uma aposta mais efectiva em seniores de primeiro ano, num plantel mais curto e na perda desta receita dos "2 anos de B, 2 anos a rodar, quando tiver 23 logo se vê se serve para a A", sou a favor. Da minha parte vou dar o benefício da dúvida e esperar para ver. O que tínhamos não era nada, portanto pior não fica, esperemos que fique melhor.



Se se apostasse em algo deste género (em detrimento do que tem sido habitual), apoio a extinção da B e a criação dos sub23



Corte total. Como dizia o outro, cheque e vassoura, apesar de neste caso nem ser preciso um (grande) cheque.

Para meter a rodar: Pedro Silva, Ivanildo, Conté, Delgado, Barbosa, Jovane, Pedro Marques. Uns em Portugal (Ivanildo ou Marques têm perfil para se darem bem em equipas da metade de baixo), outros no estrangeiro, idealmente com um protocolo estilo Cercle Brugge, Heracles, etc (casos do Jovane, Barbosa e Conté). No caso do Pedro Delgado emprestava-o para a Serie B italiana, naquele ritmo de jogo talvez engraçassem com ele.

Paz também seria para emprestar, mas pessoalmente levava-o à pré época da A.

Aos outros todos: obrigado e adeus. Uns são menos maus que os outros, mas regra geral nenhum irá servir para algum dia jogar no Sporting, logo mais vale seguirem à sua vida. Tentar ver se alguém pega neles, e em último caso rescindir.
Um erro que se vai revelar crasso e histórico.
Podem quotar, daqui a uns anos.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Concordo. A equipa B devia manter se

Se fomos Campeões Europeus, ou se neste momento estamos cada vez mais perto da nata de promessas do Futebol Europeu, o devemos às Equipas B.
Quem acompanha o processo de formação antes e pós Equipas B, sabe que jogadores como o Bernardo Silva, João Mário, André Gomes, Gelson entre outros, não eram mais promissores/melhores do que muitos miúdos nos escalões de formação pré B, como o David Simão, Renato Neto, Renato Santos, Nuno Reis etc...

Simplesmente a ausência das equipas B fazia a estes jogadores no ano de transição para o futebol sénior, que é importantíssimo, fossem para clubes completamente desvirtuados para o estilo de futebol que estavam padronizados, e que encontrariam nos seus clubes mãe.
É como emprestar o Messi a um Fátima e vê-lo com um Carlos Azenha a jogar kick n' rush ou autocarro.
Isto para além do choque psicológico que transportaria essa mudança em miúdos destas idades.

Duvido muito, por exemplo que jogadores com as características do João Mário ou Bernardo Silva singrassem noutros clubes se não houvesse equipas B.

E estas acabam por ser rampas de lançamento não só dos mais talentosos, como também daqueles miúdos, que por um ou outro motivo, não foram tão destaque na formação.
O Geraldes, por exemplo raramente tinha lugar quando fazia o 1º ano do escalão, começando a despontar no último ano de Júnior, mas mesmo aí nada demais. Foi na equipa B, que ele e o Palhinha com a chegada do João de Deus e a meio da 1ª época de sénior que ganharam espaço e nunca mais perderam o rumo.
O mesmo tinha acontecido com o Mané.

Já para não falar da ausência de um estímulo competitivo para os miúdos de maior qualidade e potencial.
Em Inglaterra, onde é utilizado este modelo, os miúdos com maior qualidade estão todos emprestados a clubes satélite, basicamente só fazendo parte dos sub 23 o entulho da equipa A e alguns putos de menor expressão.

O único ponto positivo desta medida é que provavelmente os melhores miúdos poderão começar-se a estrear mais cedo, onde anteriormente parecia que tinha de haver um processo encadeado para chegar à A.

Para mim, uma das poucas e a maior mancha deste reinado de BDC é sem dúvida a formação.
Desde a escolha no 1º ano para diretor da formação de um gajo que servia para bater nos putos e pouco mais (Virgilio), ao que se fez ao José Lima, à escolha de técnicos poucos dotados como o Boa Morte ou o Barão, à questão dos contratos chapa 5 que afastou vários miúdos que agora não vão ser nada no futebol por terem recusado renovar (Hugo Meira ou Bernardo Carlos), ao projeto (se é que podemos falar de projeto) que se concentra somente em ganhar campeonatos da treta ao invés de formar, estagnando a evolução de vários putos que estão nos seus escalões a bater em mortos, quando podiam já andar na B (entalada de Kennedy Có's desta vida) e por aí fora....
Concordo com tudo o que foi escrito   :clap:

Aqueles que andaram aqui a defender o fim da equipa B por causa do entulho vão ter de meter a viola no saco quando virem o lixo que é o nível dos sub 23.

Só falta voltar ao tempo dos croquetes e assinar um protocolo com o Olivais e Moscavide, Casa Pia e Lourinhanense.

Dizer que o Bruno de Carvalho desde que é presidente não tem nenhuma estratégia para a nossa formação não é emprenhar pela propaganda lampiónica, é um facto.

Os defensores desta medida que expliquem qual a vantagem de acabarmos e Porto e Benfica continuarem?
Achas que alguém que está há 11 anos no futebol, que tem curso de treinador, que está diariamente no balneário, com dirigentes, treinadores, jogadores, staff, dos seniores aos iniciados, não tem toda uma experiência e conhecimento que, sei lá, um gestor, um advogado, um trolha, ainda têm que ir aprendendo ao longo de anos quando chegam à presidência de um clube?
Um erro que se vai revelar crasso e histórico.
Podem quotar, daqui a uns anos.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Concordo. A equipa B devia manter se

Se fomos Campeões Europeus, ou se neste momento estamos cada vez mais perto da nata de promessas do Futebol Europeu, o devemos às Equipas B.
Quem acompanha o processo de formação antes e pós Equipas B, sabe que jogadores como o Bernardo Silva, João Mário, André Gomes, Gelson entre outros, não eram mais promissores/melhores do que muitos miúdos nos escalões de formação pré B, como o David Simão, Renato Neto, Renato Santos, Nuno Reis etc...

Simplesmente a ausência das equipas B fazia a estes jogadores no ano de transição para o futebol sénior, que é importantíssimo, fossem para clubes completamente desvirtuados para o estilo de futebol que estavam padronizados, e que encontrariam nos seus clubes mãe.
É como emprestar o Messi a um Fátima e vê-lo com um Carlos Azenha a jogar kick n' rush ou autocarro.
Isto para além do choque psicológico que transportaria essa mudança em miúdos destas idades.

Duvido muito, por exemplo que jogadores com as características do João Mário ou Bernardo Silva singrassem noutros clubes se não houvesse equipas B.

E estas acabam por ser rampas de lançamento não só dos mais talentosos, como também daqueles miúdos, que por um ou outro motivo, não foram tão destaque na formação.
O Geraldes, por exemplo raramente tinha lugar quando fazia o 1º ano do escalão, começando a despontar no último ano de Júnior, mas mesmo aí nada demais. Foi na equipa B, que ele e o Palhinha com a chegada do João de Deus e a meio da 1ª época de sénior que ganharam espaço e nunca mais perderam o rumo.
O mesmo tinha acontecido com o Mané.

Já para não falar da ausência de um estímulo competitivo para os miúdos de maior qualidade e potencial.
Em Inglaterra, onde é utilizado este modelo, os miúdos com maior qualidade estão todos emprestados a clubes satélite, basicamente só fazendo parte dos sub 23 o entulho da equipa A e alguns putos de menor expressão.

O único ponto positivo desta medida é que provavelmente os melhores miúdos poderão começar-se a estrear mais cedo, onde anteriormente parecia que tinha de haver um processo encadeado para chegar à A.

Para mim, uma das poucas e a maior mancha deste reinado de BDC é sem dúvida a formação.
Desde a escolha no 1º ano para diretor da formação de um gajo que servia para bater nos putos e pouco mais (Virgilio), ao que se fez ao José Lima, à escolha de técnicos poucos dotados como o Boa Morte ou o Barão, à questão dos contratos chapa 5 que afastou vários miúdos que agora não vão ser nada no futebol por terem recusado renovar (Hugo Meira ou Bernardo Carlos), ao projeto (se é que podemos falar de projeto) que se concentra somente em ganhar campeonatos da treta ao invés de formar, estagnando a evolução de vários putos que estão nos seus escalões a bater em mortos, quando podiam já andar na B (entalada de Kennedy Có's desta vida) e por aí fora....
Estou muito de acordo com este post.

Em suma:
- Desvantagens: alguns jogadores podem não se adaptar ao futebol sénior e perderem-se talentos;
- Vantagens: os jogadores serem lançados mais cedo quando têm qualidade para isso

Fora isso, estou muito curioso para perceber o que vai acontecer, que equipa se vai formar. Espero que os mais talentosos sejam aposta ( bem, nenhum parece-me ter talento para isso ) ou emprestados a clubes que pratiquem um bom futebol .
É esperar para vir.
O campeonato sub-23 vai ser pouco mais que um campeonato de Juniores mais velhos.

As equipas com jogadores experientes e alguns com anos de 1ª liga eram essenciais para o desenvolvimento dos jovens jogadores.

A equipa B precisava ser reformulada mas nunca ser extinta. Era necessário acabar com algumas eternas promessas que arrastam as chuteiras por lá e esta geração que transita para sénior era a ideal.

A base dos Juniores mais alguns dos atuais jogadores da equipa B seriam a equipa B 2018/2019.

Acrescentava no máximo 3 ou 4 jogadores jovens estrangeiros mas reforços cirúrgicos e com algum percurso já feito ou jovens promessas de outros grandes clubes europeus.

Curiosamente, nós que somos a melhor formação do Mundo seremos os únicos a alinhar nesta estupidez. Os outros vão manter sub-23 e B.

Em suma, a equipa sub-23 até podia ser um acrescento mas nunca um fim em si mesma.

Juniores --> Sub-23 --> Equipa B --> Equipa A
"O Sporting tem os melhores adeptos do Mundo mas os piores sócios do Mundo porque são, constantemente, incapazes de decidir o melhor para o clube" PMR, 1/11/2018

CONTRA TUDO E CONTRA TODOS! SPORTING SEMPRE!
No momento atual da formação do Sporting, não faz sentido andarmos com equipa B.
A equipa B deixou de ter qualidade, devido ao que está antes (juniores) e ao que está depois (seniores).
Deixou de ser algo onde se vá buscar jogadores quando falta na A, ou onde coloque os juniores que mais se destacam.

Um exemplo para cada um dos casos:

Este ano chegamos a jogar na equipa A com o Petrovic a central, atestado de incompetência para os centrais da B;
Já os juniores, os que sobem à equipa B são aqueles que não interessam ao Mourinho (perdão, ao filho do Manel);


Isto é zero no que toca a um verdadeiro projeto de formação.

A mais pura das verdades é que a equipa B passou a ser o parente pobre de Alcochete, onde se colocam os amigos dos amigos e onde se fazem favores a um ou outro empresário.

Por fim, apenas quero pedir que hoje, tenha sido a ultima vez que vi muitos jogadores com o leão rampante ao peito.
No momento atual da formação do Sporting, não faz sentido andarmos com equipa B.
A equipa B deixou de ter qualidade, devido ao que está antes (juniores) e ao que está depois (seniores).
Deixou de ser algo onde se vá buscar jogadores quando falta na A, ou onde coloque os juniores que mais se destacam.

Um exemplo para cada um dos casos:

Este ano chegamos a jogar na equipa A com o Petrovic a central, atestado de incompetência para os centrais da B;
Já os juniores, os que sobem à equipa B são aqueles que não interessam ao Mourinho (perdão, ao filho do Manel);


Isto é zero no que toca a um verdadeiro projeto de formação.

A mais pura das verdades é que a equipa B passou a ser o parente pobre de Alcochete, onde se colocam os amigos dos amigos e onde se fazem favores a um ou outro empresário.

Por fim, apenas quero pedir que hoje, tenha sido a ultima vez que vi muitos jogadores com o leão rampante ao peito.
  :arrow:
    A partir do momento que se prefere ganhar o campeonato de juniores (competição não profissional) a tentar manter a equipa B na segunda liga está tudo dito. Tudo bem que a formação está pelas ruas da amargura no entanto perde-se uma excelente oportunidade para estrear os putos da formação num contexto de futebol profissional. Muito mal gerido todo o processo.
Sócio 103769-0
Das poucas coisas em que não concordo com o que será feito.

Se criticamos o nivel da competição da equipa B inserido num contexto de 2ª liga, quando virem o nivel dos adversarios que vamos enfrentar na sub-23 então será chorar para rir.

Será que alguém acha que Boavistas, Tondelas, Aves, Setubal, etc vão contratar jogadores para formar um plantel sub-23? claro que nao.. o que vamos enfrentar semana a semana serão os poucos jogadores até 23 anos das equipas A que nao forem a jogo na liga juntamente com os juniores dessas equipas..
Se isto será mais competitivo que a 2ª liga ou até mesmo o CP, duvido muito
"An army of sheep led by a lion can defeat an army of lions led by a sheep"
 A decisão da nossa direção
 A decisão da nossa direção
Essa da equipa B ter ajudado a formar campeões europeus também é qq coisa. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra.
 A decisão da nossa direção
Essa da equipa B ter ajudado a formar campeões europeus também é qq coisa. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra.
Não disse que foi o principal responsável, mas que ajudou, lá isso ajudou, e não estava só a falar do Sporting
PLANTEL SUB-23 JÁ GANHA FORMA
SPORTING 02:00

O Sporting quer construir uma equipa de sub-23 de alto nível e, para isso, já tem vários elementos identificados.

No que diz respeito à equipa técnica, Luís Martins poderá ser, ou não, o treinador da equipa, visto que era ele quem treinava a equipa B, entretanto extinta. Outro cenário possível será Luís Martins tornar-se diretor técnico da Academia e a SAD leonina procurar um outro responsável para a nova formação.

O plantel leonino está praticamente fechado para a temporada 2018/19, faltando integrar apenas dois jogadores.

Confira o nome de alguns jogadores confirmados:

Guarda-redes: Luís Maximiliano;
Defesas:  Thierry Correia; Echedey Carpintier; Merih Demiral;
Médios:  Daniel Bragança; Miguel Luís;
Avançados: Diogo Brás; Elves Baldé; Jovane Cabral; Pedro Marques.

Fonte: A bola
Era a favor disto caso se verificasse a continuação da equipa B. Agora assim enfim...
Para além de achar esta ideia um aborto, os nossos adversários principais cagaram completamente nisto, é que se eles idealizássem o mesmo que nós ainda podíamos ter uma coisa minimamente competitiva, objetivamente teremos os jogadores que consideramos mais talentosos e com mais probabilidades de chegar à A, a jogar com pessoal sub 19 e suplentes da B deles, uma enorme  :venia: a quem teve esta ideia dos sub 23, e melhor que isso conseguiu não despertar um interesse mínimo às outras equipas.
Será ridículo de se ver.