Caso dos Emails: Corrupção da Magistratura/Operação Lex/Escritórios de Adv.

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Que máfia meu deus, quanto mais se esgravata mais trampa apareçe, estão em tudo e mais alguma coisa, e vão se safar todos isso é que me enoja.

Alguém tem o documento com o timbre da polícia judiciária a denunciar situações relativas ao apito dourado?
É de 2007.
Já vi o documento por aqui mas agora não o consigo localizar.
Queria ter a certeza se o nome do Pedro Mourão não aparece nesse documento
SL

Bem me parecia que aparecia:

- As ligações do presidente do Belenenses aos Srs. Luís Vieira, Cunha leal, Tinoco Faria, Pedro Mourão, Frederico Cebola que influenciaram a decisão no caso “Mateus”. Foram inclusivamente denunciados os pagamentos que foram efectuados a alguns destes senhores por alguns escritórios de advogados.

Existiam nos autos indícios quer em quantidade, quer devido à sua relevância que justificariam, caso o Magistrado fosse isento, que os Srs. Luís Vieira, José Veiga, António Salvador, João Rodrigues, Tinoco Faria, Luís Guilherme, Cunha Leal, António Duarte, Pedra Mourão, Frederico Cebola, Paulo Relógio fossem colocados sob escuta, mas tal não interessava. Consta que houve interferência do Dr. João Correia junto da estrutura sindical do Ministério Público que, como se verifica, terá surtido, até agora, efeito. Será por ele fazer parte do Conselho Superior do Ministério Público?


uma cambada de goodfellas

SL

Sim. Recomendo mm a leitura desse documento, pq há lá muita coisa que parecia mentira em 2007 e que agora vê-se que afinal tinha mta razão de ser, o que lhe dá imensa credibilidade. Uma das coisas que me espanta é a ligação da Maria José Morgado ao Orelhas... e bem, a vdd é que no processo E-Toupeira eles usavam credenciais de uma assessora de MJM.
- "Basta que os homens de bem nada façam, para que o mal prevaleça"
- "Prefiro morrer de pé a viver ajoelhado"
- "Pior do que perder é não dar tudo para vencer"
https://www.record.pt/fora-de-campo/detalhe/operacao-lex-juiza-fatima-galante-suspensa-pelo-conselho-superior-da-magistratura?ref=HP_BlocoColoridoSec%C3%A7%C3%A3oDestaque

11 setembro 2018 - 16:30
Operação Lex: Juíza Fátima Galante suspensa pelo Conselho Superior da Magistratura
Pretendia regressar ao Tribunal da Relação de Lisboa já esta semana

Os Conselho Superior da Magistratura decidiu esta terça-feira, em plenário, suspender novamente a juíza Fátima Galante, arguida no processo da Operação Lex, avança o Correio da Manhã.


A juíza desembargadora pretendia regressar ao Tribunal da Relação de Lisboa já esta semana. Isto porque o Supremo Tribunal de Justiça revogou a suspensão de funções que haviam sido imposta a Fátima Galante.
« Última modificação: Setembro 15, 2018, 12:15 pm por Principe Perfeito »
Para mais, ir a arquivo de Gonçalves, 2010 e 2011, última página.
http://www.forumscp.com/index.php?topic=69094.20
http://www.forumscp.com/index.php?topic=68979.340

De B., para o mundo, com amor.
Na foto abaixo, Francisco Oliveira - o contacto priveligiado com B. -, junto a Vieira, na apresentação do empreendimento do Recife da Promovalor.








É melhor deixar isto por aqui tb, que as peças vão-se encaixando! :D







Um "Beto" (acredito existirem 2, parece-me código de um nome em contexto via contactos telefónicos),
chama-se Roberto Baptista, e esteve no hotel Corinthia Lisbon de 20 a 27 de Fevereiro de 2009 (PJ...não é difícil obter mais). Este é o Beto conhecido por Sónia, directamente.
Arquivo de 2009.
Edit: e 1/1/10 a 7/1/10, factura paga pela Benfica SAD. ("Re:Reserva" 12/30/2009)
Edit2: 2008, viagem Tap,  TP  176   31JUL RIO JANEIRO/ LISBOA  2310  #1240
2. TP  179   09AUG LISBOA / RIO JANEIRO  0940   1545
Acompanhado por FOliveira, pago por Benfica SAD, classe executiva, valor superior a 2.400 euros


« Última modificação: Setembro 15, 2018, 11:55 am por Principe Perfeito »
« Última modificação: Novembro 18, 2018, 09:08 am por Principe Perfeito »
Operação Lex: Juiz Rui Rangel suspenso preventivamente de funções

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) suspendeu hoje preventivamente de funções o juiz Rui Rangel, arguido na Operação Lex, após o Supremo Tribunal de Justiça declarar extinta aquela medida de coação, revelou hoje o CSM.
No âmbito do processo disciplinar pendente contra Rui Rangel, O CSM determinou a "suspensão preventiva do exercício das funções" do juiz desembargador, por decisão do vice-presidente do CSM, indica uma nota do Conselho enviada à agência Lusa.
O despacho de Mário Belo Morgado foi proferido após o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) ter declarado extinta a medida de coação de suspensão do exercício de funções, por ter expirado o prazo de duração máxima dessa medida.

https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/como-o-benfica-se-preparou-para-as-buscas-da-pj

Citar
Como o Benfica se preparou para as buscas da PJ
11.01.2019 17:58 por Alexandre R. Malhado e Carlos Rodrigues Lima 671
Memorando da Vieira de Almeida enviado à Benfica SAD aconselhou como agir em caso de buscas da Polícia Judiciária. Nos vários processos em curso, a SAD já foi alvo de quatro buscas.

Imagine que a Benfica SAD é alvo de buscas. "E agora?" O que não fazer: "informar ou comentar com outras pessoas (dentro e fora da organização) a visita – a diligência é confidencial -" e "recusar a entrada nas instalações ou deixar os inspetores muito tempo à espera na receção ou sozinhos". O que fazer? "encaminhar os inspetores para uma sala de reuniões" e "informar imediatamente a Administração: atenção que os inspetores conseguem ouvir o que disser".

Estas são algumas das indicações que constam no "Guia de consulta rápida - Buscas: E Agora?", elaborado pela sociedade de advogados Vieira de Almeida em Junho de 2017 e enviada à Benfica SAD. A SÁBADO pediu esclarecimento à Vieira de Almeida, aguardando comentário oficial.

De acordo com o documento, já referido pela SÁBADO na primeira investigação ao caso dos emails e cujo conteúdo foi recentemente divulgado pelo blogue "mercado de benfica", os conselhos estão divididos por áreas: "receção", "secretariado", "administração", "departamento informático" e "todos os serviços". Em primeiro lugar, a VdA aconselha o cliente a "perguntar o objetivo da visita da Autoridade para confirmar que é uma busca". O que não fazer? "Fazer questões sobre o objeto da diligência ou sobre o que pretendem ver."

De seguida, pede-se para "anotar o nome dos inspetores e a entidade em causa e pedir cópia dos elementos de identificação", encaminhando-os "para uma sala de reuniões" - e sem "fazer conversa com os inspetores sobre outros assuntos". "Assuma uma atitude estritamente profissional", pede-se. Por fim, deve-se "informar imediatamente a Administração."

Veja o documento na integra:

https://onedrive.live.com/View.aspx?resid=7BE1A113C5767539!122&app=Word&wdAccPdf=0&authkey=!AIPfZh5b5mmvCCw

No secretariado, pede-se para "informar imediatamente a Administração – mesmo que tenha de interromper reuniões importantes". Após "guardar três cópias de todos os elementos apreendidos pelas autoridades", a VdA diz que é importante "garantir que todos os elementos da autoridade estão acompanhados por uma pessoa quando saem da sala de reuniões que lhes foi destinada". O que não fazer? "Voltar a arrumar documentos ou objetos vistos pelos inspetores na pasta/ lugar (mesmo que não sejam apreendidos) – deixá-los de parte para análise no fim da diligência pelos advogados."

O controlo é importante: alguém deve estar atento às "pessoas com quem os inspetores falaram", os "documentos analisados", os "gabinetes visitados" e as "perguntas feitas e respostas dadas", para depois fazer um registo escrito. O que não fazer? "Permitir que os inspetores deambulem sozinhos pelas instalações ou falem sozinhos com outros funcionários". Acima de tudo, a VdA pede "profissionalismo" e educação: "Tratar educadamente os elementos da autoridade", sem "conversar com inspetores sobre o objeto da busca, sobre o processo ou sobre outros assuntos".

Já na administração, a VdA pede para não "deixar os inspetores muito tempo à espera sem membro da Administração ou Direção". "Se não puder comparecer de imediato, entre em contacto com os restantes membros da Administração para definirem quem acompanhará a diligência." Após receber os inspetores, o próximo passo passa por "mandado de busca".

É importante a administração do Benfica entrar em contacto com a equipa de advogados - mas não "ao telefone à frente dos inspetores". O que se deve fazer é "chamar imediatamente os advogados e enviar-lhes cópia digitalizada
do mandado de busca", pedindo aos elementos das autoridades para "aguardarem, pelo menos 15 a 30 minutos pela chegada dos advogados." Aconteça o que acontecer, a VdA pede para que ninguém "assinar qualquer documento sem, pelo menos, aconselhar-se telefonicamente com advogado".

Recorde-se que desde os finais de 2017, a Benfica SAD foi alvo de quatro buscas em processos diferentes, desde o processo E-Toupeira - onde o clube das águias foi absolvido em Dezembro de todos os crimes - até ao 'Mala Ciao', passando pelos casos do 'Lex' e saco azul, onde se investiga um alegado esquema de pagamentos para despesas ocultas, designadamente para eventuais atos de corrupção no universo do futebol.

Em caso de busca, a colaboração é fundamental - mas sempre com o conselho dos advogados. A VdA aconselha a administração a "perguntar aos inspetores com quem gostariam de falar e que elementos pretendem analisar (áreas e período temporal)" e, de seguida, "preparar comunicado interno e externo". Para a imprensa, não se deve "prestar declarações para imprensar sem linha do comunicado estar definida".

Também no departamento informático deve haver colaboração, seja para fazer um "bloqueio provisório de contas de correio eletrónico individuais" ou "desativação temporária da ligação dos computadores à rede", mas sempre com o conselho de um advogado antes de satisfazer pedidos". Os informáticos não se devem comprometer a satisfazer pedidos dos inspetores "sem ter a certeza que é tecnicamente possível". Caso não seja "tecnicamente possível", o departamento informático deve "apresentar uma explicação clara dos motivos".

Em suma, é pedido a todos os serviços "disponibilizar todos os elementos solicitados (excepção: documentos confidenciais)". Caso sejam documento confidenciais, é necessário falar primeiro com um advogado. Face à pergunta dos inpetores, as ordens da VdA à Benfica SAD são claras: "respostas curtas, factuais, precisas e verdadeiras."
Só agora vi esta pouca vergonha, lol:















EM JUNHO DE 2017 O BENFICA JÁ TINHA AS INDICAÇÕES DE COMO PROCEDER EM CASO DE BUSCAS

Nos últimos dias tem sido divulgado vários documentos pelo Mercado de Benfica. Um desses documentos é relativo às indicações
de como proceder em caso de buscas pelas autoridades, dadas pela sociedade de advogados Vieira de Almeida aos funcionários do Benfica. Gostaria de relembrar que os primeiros e-mails foram divulgados no Porto Canal, por Francisco J. Marques, no dia 6 de junho de 2017, ou seja, uns dias depois, os funcionários do Benfica já tinham as indicações de como proceder em caso de buscas. Para um clube que não tinha nada a temer e que era alvo de uma cabala com e-mails falsos e truncados, não deixa de ser um procedimento curioso.

A revista Sábado já fez uma notícia sobre este documento aqui. Abaixo podem encontrar todas as indicações dadas pelo gabinete de advogados, estas foram divididas por serviço.

Recepção
O que deve fazer
Perguntar o objetivo da visita da Autoridade para confirmar que é uma busca;
Anotar o nome dos inspetores e a entidade em causa e pedir cópia dos elementos de identificação Fazer conversa com os inspetores sobre outros assuntos. Assuma uma atitude estritamente profissional;
Encaminhar os inspetores para uma sala de reuniões;
Informar imediatamente a Administração: atenção que os inspetores conseguem ouvir o que disser;
O que não deve fazer
Fazer questões sobre o objeto da diligência ou sobre o que pretendem ver;
Fazer conversa com os inspetores sobre outros assuntos. Assuma uma atitude estritamente profissional;
Recusar a entrada nas instalações ou deixar os inspetores muito tempo à espera na recepção ou sozinhos;
Informar ou comentar com outras pessoas (dentro e fora da organização) a visita – a diligência é confidencial;
Secretariado
O que deve fazer
Informar imediatamente a Administração – mesmo que tenha de interromper reuniões importantes;
Guardar três cópias de todos os elementos apreendidos pelas autoridades;
Garantir que todos os elementos da autoridade estão acompanhados por uma pessoa quando saem da sala de reuniões que lhes foi destinada;
Fazer um registo escrito: das pessoas com quem os inspetores falaram, dos documentos analisados, dos gabinetes visitados e das perguntas feitas e respostas dadas;
Tratar educadamente os elementos da autoridade
O que não deve fazer
Informar ou comentar com outras pessoas (dentro e fora da organização) a visita – a diligência é confidencial;
Permitir que sejam levados documentos originais;
Voltar a arrumar documentos ou objetos vistos pelos inspetores na pasta/ lugar (mesmo que não sejam apreendidos) – deixá-los de parte para análise no fim da diligência pelos advogados;
Permitir que os inspetores deambulem sozinhos pelas instalações ou falem sozinhos com outros funcionários;
Conversar com inspetores sobre o objeto da busca, sobre o processo ou sobre outros assuntos.
Administração
O que deve fazer
Receber imediatamente os inspetores e solicitar-lhes o mandado de busca;
Chamar imediatamente os advogados e enviar-lhes cópia digitalizada do mandado de busca;
Pedir aos elementos da autoridade para aguardarem, pelo menos, 15 a 30 minutos pela chegada de advogados;
Formar a equipa que irá acompanhar a diligência: um membro da Administração ou Direção + secretária por inspetor;
Perguntar aos inspetores com quem gostariam de falar e que elementos pretendem analisar (áreas e período temporal);
Preparar comunicado interno e externo.
O que não deve fazer
Deixar os inspetores muito tempo à espera sem membro da Administração ou Direção – se não puder comparecer de imediato, entre em contacto com os restantes membros da Administração para definirem quem acompanhará a diligência;
Falar ao telefone com os advogados à frente dos inspetores;
Assinar qualquer documento sem, pelo menos, aconselhar-se telefonicamente com advogado;
Permitir que os inspetores deambulem sozinhos pelas instalações ou falem sozinhos com outros funcionários
Informar ou comentar com outras pessoas (dentro e fora da organização) a visita – a diligência é confidencial;
Prestar declarações para a imprensa sem linha do comunicado estar definida.
Departamento Informático
O que deve fazer
Prestar a colaboração necessária aos inspetores, nomeadamente caso lhe seja pedido:
bloqueio provisório de contas de correio electrónico individuais;
desativação temporária da ligação dos computadores à rede;
retirar ou instalar discos duros dos computadores;
dar apoio na atribuição de direitos de acesso ao sistema como Administrador;
Aconselhar-se sempre com um advogado antes de satisfazer pedidos dos inspetores;
Comunicar imediatamente aos advogados quando os pedidos efetuados pelos inspetores não puderem, tecnicamente, ser satisfeitos e apresentar uma explicação clara dos motivos;
O que não deve fazer
Anotar o que lhe foi pedido e por quem;
Comprometer-se a satisfazer pedidos dos inspetores sem ter a certeza que é tecnicamente possível;
Facultar informação sobre o sistema informático ou acessos ao sistema que não foram solicitados ou impedir o acesso a elementos que lhe foram solicitados ou eliminar/destruir ficheiros informáticos.
Todos os serviços
O que deve fazer
Disponibilizar todos os elementos solicitados (excepção: documentos confidenciais);
Disponibilizar acesso a computadores e a emails (excepção: documentos confidenciais e emails não abertos);
Responder apenas ao que é perguntado: respostas curtas, factuais, precisas e verdadeiras;
Fazer um registo escrito: das pessoas com quem as autoridades falaram, dos documentos analisados, dos gabinetes visitados e das perguntas feitas e respostas dadas;
O que não deve fazer
Disponibilizar documentos confidenciais sem falar com advogado:
documentos que pareçam estar fora do âmbito da investigação
documentos preparados por advogados/médicos e correspondência trocada com advogados ou com médicos
documentos/objetos contidos em carros da empresa ou de particulares
emails ainda não abertos
elementos com operações confidenciais ou segredo de negócio
Entregar voluntariamente telemóvel pessoal ou da empresa – aconselhar-se previamente com advogado;
Esconder, apagar documentos ou destruir documentos ou ficheiros informáticos durante a diligência;
Prestar declarações enquanto testemunha sobre o tema em investigação sem reduzir a escrito as respostas;
Foram muitas as indicações dadas pelo gabinete de advogados e foram, certamente, muito úteis.

No dia 18 às 18horas, o Mercado de Benfica prometeu novos e-mails, agora relacionados com o diretor financeiro do clube encarnado.