Votação

Quem foi para ti o melhor em campo?

Romain Salin
2 (1.4%)
Stefan Ristovski
0 (0%)
André Pinto
0 (0%)
Tobias Figueiredo
0 (0%)
Bruno César
0 (0%)
Radosav Petrović
0 (0%)
Rodrigo Battaglia
2 (1.4%)
Bryan Ruiz
0 (0%)
Iuri Medeiros
0 (0%)
Alan Ruiz
2 (1.4%)
Seydou Doumbia
81 (57.4%)
Gelson Martins
54 (38.3%)
Daniel Podence
0 (0%)
Marcos Acuña
0 (0%)

Votos totais: 137

Taça de Portugal 2017-18 [Oitavos de Final] Sporting CP 4-0 Vilaverdense [13/12]

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Alguém consegue colocar a primeira parte do jogo?

Enviado do meu SM-A500FU através de Tapatalk

Citar
«NÃO TEMOS TIDO SORTE COM OS SORTEIOS...» - JORGE JESUS
SPORTING 21:24
Por
Redação
Carimbado o passaporte rumo aos quartos de final, Jorge Jesus diz não ter preferência quanto ao próximo adversário do Sporting na Taça de Portugal. Gostaria, apenas, de jogar na condição de anfitrião.

«Não temos tido muita sorte nos sorteios. Se pudesse escolher, desde que fosse em Alvalade… Queremos muito estar no Jamor e vamos fazer tudo para isso», garantiu o treinador dos leões, em declarações à Sport TV, no final do jogo com o Vilaverdense.

«Havia dois objetivos: passar a eliminatória, nem que fosse por meio a zero, pois a Taça de Portugal é uma competição muito importante e pela qual tenho muito carinho; e também procurei dar tempo de jogo a jogadores que não têm jogado», explicou Jorge Jesus.


A Bola
Grande dia de sporting Triplavitoria sobre equipas de braga , futebol, andebol e hockey. Parabens
Não percebo as convocatórias de Patrício, Gelson, B.Fernandes e Dost.
Bruno Fernandes ainda esteva a aquecer, mas acabou por não entrar.
Gelson virou o jogo, foi uma lufada de ar fresco, juntamente com Podence, naquela m*rda toda.
Dost era para se fosse a prolongamento e Patrício para se fosse a penalties.
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
Citar
Jesus: a conversa ao intervalo, um jogador sem confiança e ainda um caso diferente

Sporting goleou o Vilaverdense por 4-0 e segue para os quartos de final da Taça de Portugal. Jesus comenta um jogo em que deu oportunidade a jogadores menos utilizados.

O jogo: "O objetivo foi alcançado. Queríamos passar esta eliminatória. O importante era vencer. Frente a estas equipas se não se marcar um golo nos primeiros 45 minutos dá moral para discutir a eliminatória e dá também ansiedade por não conseguir marcar. Ao intervalo acalmei a equipa, disse-lhes que os golos iriam aparecer. A diferença é muito grande. A Taça é isto. A Taça é festa. Alguém tem de sair vencedor. Hoje não fizemos mais do que a nossa obrigação".

Doumbia: "Doumbia fez três golos, está lá para finalizar. Pode considerar-se golos fáceis, mas o que é certo é que ele estava lá. Na segunda parte fizemos a diferença com a entrada de Daniel (Podence) e do Gelson (Martins)".

Oportunidades, Alan e Bryan Ruiz: "Quando a equipa dá uma oportunidade há que aproveitar. É um sinal de confiança um treinador colocar um jogador em campo. Independentemente das equipas há que aproveitar a oportunidade. Ele (Alan Ruiz) é um jogador que quando não tem competição perde velocidade. Ele não está muito confiante. Estes jogos servem para isso. Ou se aproveita ou não se aproveita. Não direi que poderá ser a última oportunidade, mas é um facto que este jogo serviu para os jogadores demonstrarem as suas capacidades para integrarem o projeto do Sporting. Há jogadores que deram uma resposta boa, os que não deram, como o Bryan, que é um caso diferente, porque não tem condições para estar bem."

O Jogo
Citar
DOUMBIA (X3) E GELSON ABRIRAM AS PORTAS DOS 'QUARTOS'
Por Jornal Sporting
13 Dez, 2017
EQUIPA PRINCIPAL
Hat-trick do avançado costa-marfinense e uma 'obra de arte' do camisola 77 carimbaram o passaporte do Sporting CP para a próxima fase da Taça de Portugal

Novo adversário, nova vítima para um leão faminto de títulos. O Vilaverdense foi a mais recente 'presa' deste Sporting CP, que eliminou esta noite a ameaça minhota com quatro golos sem resposta (4-0), em Alvalade, apurando-se para os quartos-de-final da prova-rainha do futebol português.

Tendo pela frente o segundo classificado da série A do Campeonato de Portugal, o míster Jorge Jesus promoveu várias alterações no onze titular em relação ao jogo no Bessa, sendo Bruno César o único 'resistente' – desta vez assumiu o papel de lateral esquerdo (Coentrão viu o jogo pela televisão). Doumbia surgiu no lugar de Bas Dost (merecido descanso), apoiado por Alan Ruiz, com Bryan Ruiz na esquerda (não era titular desde Maio) e Iuri Medeiros na direita (a última 'aparição' havia sido em Oleiros). Petrovic trocou com William Carvalho, fazendo dupla com Battaglia, Tobias Figueiredo e André Pinto formaram o eixo central e Ristovski fechou o flanco direito. Na baliza, Salin calçou as luvas de Patrício.

Assumindo as despesas da partida desde o apito inicial, o Sporting deu o primeiro sinal de perigo logo aos 5', num cabeceamente de Doumbia, após canto de Bryan Ruiz, que só parou nas mãos atentas do guardião Pedro Freitas. Mais pressionantes, os leões voltaram a assustar aos 16', quando Iuri Medeiros flectiu da direita para o meio e rematou forte em arco, embora a bola tenha passado por cima do alvo.

Dois minutos depois, surgiu a tímida resposta do Vilaverdense, que era obrigado a sair em contra-ataque, já que a organização defensiva foi sempre a sua principal preocupação no primeiro tempo. Um passe de ruptura de Ahmed Isaiah encontrou André Soares no limite da área que, solto de marcação, tirou pó às luvas de Salin. Mesmo estando quase sempre atrás da linha da bola (65% de posse para a formação leonina), o conjunto minhoto repetiu a façanha aos 25', uma vez que Rafa Miranda tentou a sua sorte de longe, mesmo que sem a pontaria desejada.

Com o golo dos leões a teimar em não aparecer, Petrovic foi à área contrária cabecear ao travessão à passagem da meia hora. Doumbia ainda encostou para o golo verde e branco, mas o árbitro da partida entendeu que o avançado costa-marfinense havia jogado a bola com a mão. Após um canto curto (40'), Tobias Figueiredo voltou a acertar no ferro e foi preciso esperar até aos 45' para se festejar finalmente em Alvalade. Calhou o brinde a Doumbia: Alan Ruiz cruzou para a área do Vilaverdense, Bryan desviou, Pedro Freitas defendeu para a frente e o camisola 88 apenas teve de ‘empurrar’ para o fundo das redes (1-0).

Insatisfeito, Doumbia regressou dos balneários com 'fome de golos'. E se aos 51' obrigou o guarda-redes adversário a uma defesa para a 'fotografia', aos 64' não perdoou. Cheios de 'genica', os recém-entrados Podence e Gelson Martins combinaram bem à entrada da área, com o 77 leonino a cruzar atrasado para o 2-0. Encostado às cordas, o Vilaverdense não teve 'pernas' para impedir o hat-trick, que não tardou. Apenas dez minutos, para ser exacto. Desta vez, foi Ristovski o assistente de serviço, tendo tempo e espaço de sobra para oferecer o terceiro a Doumbia (há seis anos que não apontava três remates certeiros num só jogo). Tudo simples, após uma bela jogada colectiva.

Já com Acunã também no relvado, sucediam-se as oportunidades para os leões, fruto da sua maior qualidade e... disponibilidade física. Talvez por isso, Gelson Martins ainda teve a oportunidade de protagonizar um lance de Playstation: recebeu a bola pouco depois do meio-campo, rodopiou vários defesas e já só com Pedro Freitas pela frente deu-se ao luxo de (até) escolher o lado para onde ia selar o resultado final (4-0).

O apito final deixou, naturalmente, um sorriso no rosto de Jorge Jesus, que não só viu o Sporting manter intactas as aspirações de pintar o Jamor verde e branco, como poupou habituais titulares (William Carvalho e Fábio Coentrão, entre outros) e ainda deu minutos a jogadores menos rodados.

http://www.sporting.pt/pt/noticias/futebol/equipa-principal/2017-12-13/doumbia-x3-e-gelson-abriram-portas-dos-quartos
Citar
"QUERÍAMOS PASSAR NEM QUE FOSSE POR MEIO A ZERO"
Por Jornal Sporting
13 Dez, 2017
EQUIPA PRINCIPAL
Jorge Jesus mostrou-se feliz com o apuramento para os quartos-de-final da Taça de Portugal

Missão cumprida. Foi este o sentimento expresso por Jorge Jesus, treinador do Sporting Clube de Portugal, após a vitória sobre o Vilaverdense (4-0), em Alvalade, que apurou os leões para os quartos-de-final da Taça de Portugal.

"Queríamos passar a eliminatória nem que fosse por meio a zero. É uma competição muito importante na calendarização dos nossos troféus e que tem muito carinho para mim. Procurei dar tempo de jogo a jogadores que não têm jogado e isso notou-se na primeira parte. Enquanto os jogadores do Vilaverdense não se começaram a cansar, tivemos dificuldades. O futebol hoje é isto. Quem não tiver velocidade, tem poucas possibilidades. Velocidade individual, velocidade coletiva. Foi bom para alguns jogadores. Doumbia fez três golos estando há muito tempo sem jogar. O objetivo foi atingido e estamos satisfeitos por termos passado mais uma eliminatória", começou por dizer o técnico leonino, avaliando o desempenho individual dos seus pupilos.

"Ninguém me desiludiu, mas houve jogadores que estiveram melhor. Doumbia está ali para empurrar a bola e fez três golos. Foi fruto da experiência que tem como jogador, cheirou bem os lances. O Bruno [César] como lateral esquerdo deu boas indicações e pode ser usado em qualquer posição. Os dois centrais estiveram bem. Do meio-campo para a frente tiveram mais dificuldade em ter velocidade para fazer a diferença, mas ganhámos que é o mais importante", acrescentou.

Por último, o míster Jorge Jesus explicou o critério que esteve na base do onze titular que entrou em campo frente ao Vilaverdense. "O Sporting está a atravessar uma boa fase, o grupo está confiante e neste jogo se eu não pusesse jogadores que não actuam tanto, eles até iam pensar: 'se não jogamos neste jogo, vamos jogar quando?'. Dei-lhes essa possibilidade. Há que competir internamente e é isso que quero para ter decisões difíceis. Quanto mais decisões difíceis, mais forte é o grupo", rematou.

http://www.sporting.pt/pt/noticias/futebol/equipa-principal/2017-12-13/queriamos-passar-a-eliminatoria-nem-que-fosse-por-meio
Citar
SPORTING ELIMINA VILAVERDENSE
Goleada e novo passo para o Jamor

O Sporting está nos quartos-de-final da Taça de Portugal depois de um hattrick de Doumbia e um golo de Gelson Martins. Os leões eliminaram o Vilaverdense, do Campeonato de Portugal, numa partida em que a equipa minhota, principalmente na primeira parte, se apresentou a um bom nível e demonstrou boa organização defensiva, insuficiente, ainda assim, para fazer mossa a um Leão que foi claramente superior.

Defesa bem montada ruiu no último instante
No regresso à Taça de Portugal, Jorge Jesus tinha prometido várias mudanças e foi isso que fez. No onze surgiram vários jogadores que ainda não convenceram Jorge Jesus, com Iuri Medeiros a ser um dos destaques. Do lado do Vilaverdense, António Barbosa tinha pedido um dos grandes do futebol português e na deslocação a Alvalade apostou numa boa organização defensiva e na procura do contra-ataque pelas alas.

A equipa minhota apareceu em campo algo nervosa e algumas das oportunidades dos leões apareciam depois de erros da equipa do terceiro escalão. No Sporting iam sendo desperdiçadas algumas oportunidades e a confiança do Vilaverdense ia crescendo aos poucos. A recuperação de bola foi sendo feita um pouco mais à frente e os jogadores mais avançados começaram a soltar-se mais das rédeas da tática e a ameaçar a defesa de Salin. Não que os leões deixassem de controlar a partida, mas do outro lado o Vilaverdense já não estava tão ansioso e controlava melhor as iniciativas da equipa de Jorge Jesus que era apanhada várias vezes em fora de jogo.
A estratégia de António Barbosa estava a funcionar em pleno e ia deixando os adeptos leoninos algo nervosos e irritados com algumas más decisões dos seus elementos mais ofensivos. E foi pouco depois de o Vilaverdense voltar a aproveitar uma hesitação nos leões que a teia montada pelo seu técnico ruiu depois de uma defesa incompleta de Pedro Freitas que Doumbia só teve de empurrar para inaugurar o marcador. A estratégia do Vilaverdense ia por água abaixo mesmo a chegar ao intervalo, já o Sporting, pelo segundo jogo consecutivo, chegava ao golo num momento crucial e podia encarar a segunda parte de outra forma.

Golpe final com toque de magia vindo do banco
O lance a fechar o primeiro tempo marcou por completo o jogo a que se assistiu a seguir. O Vilaverdense deixou de conseguir incomodar a defesa do Sporting que agora controlava de forma mais pausada e controlada. No banco, Jesus tinha várias armas de peso e a entrada de Gelson Martins acabou por ajudar a chegar ao golo da tranquilidade ainda mais rápido. O internacional português apareceu e o futebol do Sporting ganhou outro requinte. Desequilibrou à direita e quase ofereceu o golo a Doumbia, desequilibrou à esquerda e o costa marfinense deu nova tranquilidade ao leão.

Depois disso a equipa de António Barbosa nunca mais se encontrou e o ritmo de jogo baixou ainda mais. O Vilaverdense parecia cansado e sem forças, quanto ao Sporting houve uma maior preocupação no jogo do campeonato. Ainda assim os leões apontaram mais dois golos e fecharam a questão por completo. Com o lado direito novamente em destaque, Ristovski assistiu Doumbia para o hattrick e mais tarde foi Gelson Martins a aparecer isolado e a selar o apuramento para os leões que continuam com o Jamor debaixo de olho.

Zerozero
Citar
TP: Sporting-Vilaverdense, 4-0 (crónica)
Gelson entrou e mudou tudo

O Sporting cumpriu a obrigação diante do Vilaverdense com um «hat-trick» de Doumbia e segue para os quartos de final da Taça de Portugal. Um jogo que chegou a parecer complicado para os leões que só marcaram o primeiro ao cair do pano da primeira parte, mas que ficou depois muito mais fácil, na segunda parte, particularmente depois da entrada de Gelson Martins que vincou ainda mais a diferença de qualidade entre as duas formações, numa altura em que os temerosos visitantes já tinham perdido a frescura inicial.

Jorge Jesus, com se esperava, apresentou um onze alternativo, mudando quase tudo, da baliza, com Salin, ao ataque com Doumbia, mas ninguém esperava que o leão se deparasse com as dificuldades que encontrou na primeira parte, diante de um Vilaverdense muito bem organizado atrás da linha da bola. Os leões até entraram no jogo com intensidade, encostando desde logo o modesto adversário à sua área, mas os problemas vieram a seguir. O Sporting chegava com facilidade às imediações da área, mas depois era invariavelmente obrigado a recuar para ter espaço para circular a bola.

Mas os primeiros minutos foram enganadores, com um Sporting intenso, a ganhar duelos individuais com facilidade e a destabilizar a defesa vilaverdense. A amostra dos primeiros cinco minutos ditavam que o golo seria apenas uma questão de tempo, mas a verdade é que os minutos foram correndo, com os leões a perderem intensidade e os visitantes a ganharem confiança a cada lance que anulavam.

Doumbia, com uma cabeçada, assinou o primeiro remate do jogo, Iuri Medeiros também experimentou um remate em arco e Bryan Ruiz, na marcação de um livre, atirou por cima da barra. Estes foram os melhores lances de ataque dos leões na primeira meia-hora diante de um adversário que entrou retraído, mas que foi ganhando confiança a partir do momento em que percebeu que, afinal, este leão não era assim tão temível. Com o Sporting a chocar persistentemente contra a parede construída pela equipa de Vila Verde, os visitantes foram arriscando mais e ensaiaram algumas transições rápidas, quase sempre pela direita, com André Soares a obrigar Bruno César a recuar na sua ala. Nesta altura, Petrovic ao lado de Battaglia, parecia um excesso de cautelas, que não permitia ao Sporting atacar com mais gente.

O Sporting chegou a colocar a bola na baliza de Pedro Freitas, na sequência de um canto, com um desvio de um defesa que levou a bola à trave. Doumbia foi com tudo para a recarga, mas terá utilizado o braço para fazer a bola passar a linha fatal. Não valeu. Uma oportunidade perdida numa altura em que o Sporting tinha cada mais dificuldade em chegar à área adversária, com Jorge Jesus visivelmente zangado junto à lateral. Perigo só de bola parada, como a cabeçada de Tobias Figueiredo à barra. Quando parecia que o Vilaverdense ia conseguir resistir ao primeiro assalto, o Sporting chegou finalmente ao golo, no último lance da primeira parte. Cruzamento da direita, Bryan Ruiz desvia, Pedro Freitas ainda defende, mas Doumbia aparece solto para encostar.

Entra Gelson e muda tudo

Uma vantagem que ao intervalo até parecia injusta pelo pouco futebol que o Sporting tinha apresentado, mas a segunda parte seria consideravelmente diferente. Desde logo porque o Vilaverdense já não tinha a frescura da primeira parte, longe disso. Depois porque Jorge Jesus mudou tudo com as entradas de Podence e Gelson Martins. Os leões entraram para a segunda parte com as mesmas dificuldades, mas o jogo mudou do dia para a noite com a entrada de Gelson que na segunda vez que pegou na bola, partiu tudo e serviu Doumbia para o costa-marfinense bisar. Doumbia nem festejou, deixando todos os louros do golo para o jovem extremo.

Estava agora tudo mais fácil para os leões diante de um adversário em nítida quebra, incapaz de travar o novo ímpeto que os suplentes trouxeram ao jogo. O terceiro foi uma questão de tempo, mais uma vez com Gelson no lance e Ristovsky a servir Doumbia para o «hat-trick». Mais uma vez o avançado não festejou, mas a verdade é que nos três golos o costa-marfinense só teve de encostar. Golos que bateram fundo na equipa de Vila Verde que, depois do terceiro golo, baixou definitivamente os braços, entregando a eliminatória.

Os últimos quinze minutos foram totalmente do Sporting e Gelson Martins, a figura deste jogo, teve via verde para reforçar o seu nome na ficha do jogo, batendo Pedro Freitas pela quarta vez na conclusão de mais um lance individual. Impressionante a forma como Gelson mudou o jogo, imprimindo apenas um pouco de mais velocidade.

Um jogo que chegou a parecer complicado para o Sporting, mas que Gelson ajudou a desembrulhar.

Mais Futebol
Missão cumprida, vitória, goleada e poupança de jogadores.

Sobre o jogo em si, uma 1ª parte bastante fraca, o Sporting com muitos problemas em criar desequilíbrios, somente Iuri e Doumbia conseguiam fazer alguma coisa e conseguimos fazer um golo importante mesmo a terminar o primeiro tempo.

2ª parte mesmo ritmo, mas depois com as entradas de Podence e Gelson (e consequente saída dos fraquissimos Ruizes) a equipa subiu bastante de rendimento e os golos começaram a aparecer, acabando 4-0.

Conclusões que tiro deste jogo:

- Petrovic, Bruno Cesar, Alan Ruiz e Bryan Ruiz são jogadores para despachar.

- Doumbia, Iuri e Risto merecem jogar mais minutos.
Citar
Sporting CP 4-0 Vilaverdense FC: David contra Golias

Jorge Jesus apresentou uma equipa totalmente diferente em comparação com o último jogo frente ao Boavista, onde se destacam os regressos de Bryan Ruiz e Doumbia ao onze titular, sendo o número 88 determinante para o resultado, enquanto António Barbosa, treinador visitante, procedeu a uma única alteração, ao lançar a jogo Rafa Miranda.

Num jogo em que se perspetivava uma exibição bastante tranquila pela equipa leonina, esta acabou por vencer sem grandes problemas e conseguiu assim a passagem aos quartos de final da prova rainha do futebol português.

O Sporting demorou a entrar no jogo, muito provavelmente pela grande rotatividade da equipa, mas sempre com o controlo total da partida, embora sem grandes ocasiões de perigo na primeira meia hora da partida. No outro lado, a equipa do distrito de Braga, apesar das reconhecidas limitações face ao adversário, cumpriu o seu papel com uma sólida exibição defensiva e alguns contra-ataques, o mais perigoso, ao minuto dezoito, com André Soares a rematar fraco na cara de Salin. O rumo do jogo inverteu-se assim que os verdes e brancos aumentaram a velocidade na transição ofensiva e com isso surgiram duas grandes oportunidades, aos 30 e 39 minutos, com Petrovic e Tobias Figueiredo, respetivamente, a enviarem a bola à barra. No último lance do primeiro tempo, Doumbia, na recarga a um remate de Bryan Ruiz, inaugura o marcador. Nota ainda para um lance duvidoso na área do Sporting, aos 44 minutos, com toda a equipa e banco do Vilaverdense a pedirem grande penalidade ao árbitro, Luís Ferreira.

Numa segunda parte em que o Sporting entrou mais pressionante, principalmente depois da entrada de Gelson Martins e de Podence à hora de jogo, conseguiu ter mais lances de perigo e com isso dilatar a vantagem que trazia dos primeiros 45 minutos. O Costa-Marfinense Seydou Doumbia concretizou por mais duas vezes, deixando o resultado em 3-0 aos 74 minutos, acabando assim com a reduzida esperança que a formação de Vila Verde tinha na deslocação a Lisboa. Nos últimos quinze minutos, o Sporting, mesmo não continuando com o ritmo elevado com que tinha iniciado a segunda parte, criou algumas oportunidades, destacando-se o remate de Battaglia ao qual Pedro Freitas, o guardião do Vilaverdense, correspondeu com uma boa defesa e, já mesmo no final do encontro, Gelson, numa brilhante jogada individual, fez o 4-0 e fixou o resultado final.

Um resultado que não surpreendeu ninguém e que confirmou a clara superioridade do Sporting, contudo, não podemos de deixar de reconhecer o Vilaverdense que se apresentou em Alvalade sem receio de jogar o seu futebol, tendo mesmo proporcionado alguns bons momentos, assim como o espetacular apoio dado por parte dos seus adeptos, que se fizeram ouvir durante todo o jogo.

Bola na Rede
Citar
Doumbia marcou três golos, mas foi com Gelson que tudo mudou

O costa-marfinense foi o goleador de serviço, ainda que o português tenha sido a principal razão da goleada
O Sporting passou aos quartos-de-final da Taça de Portugal depois de golear o Vilaverdense por 4-0. Doumbia fez um hat-trick ao concretizar os três primeiros golos da partida, ainda que não tenha sido o jogador mais decisivo para o triunfo e a eliminação dos minhotos. Esse tem outro nome: Gelson Martins. O extremo entrou durante a segunda parte, quando ainda estava 1-0, e mudou tudo ao fazer magia e assistir Doumbia no 2-0, criar o lance do 3-0 e ser ele próprio a finalizar no 4-0.

O domínio do Sporting, que mudou dez jogadores em relação ao onze que venceu no recinto do Boavista (apenas ficou Bruno César, mas a lateral-esquerdo), começou desde o primeiro minuto. Doumbia, de cabeça, fez o primeiro remate verde e branco, mas Pedro Freitas defendeu com facilidade. Seguiu-se nova oportunidade para o Sporting, quando Iuri Medeiros veio de fora para dentro e atirou em arco, com a bola a passar perto do poste. Apesar de tudo, os leões não estavam a conseguir criar verdadeiras situações de perigo, e o Vilaverdense tentava a sua sorte com contra-ataques rápidos. Aos 18', André Soares rematou para defesa Salin num desses lances e Rafa Miranda, aos 25', também obrigou o guarda-redes sportinguista a mostrar que estava atento.

Ainda assim, à medida que o final da primeira parte se foi aproximando, o Sporting começou a chegar-se cada vez mais perto da baliza do Vilaverdense. Petrovic deu o mote, cabeceando à barra aos 30', e Alan Ruiz - a pior exibição entre os jogadores do Sporting - esteve depois em excelente posição para inaugurar o marcador mas atirou ao lado. Tobias Figueiredo, logo a seguir, imitou Petrovic e enviou outra bola à trave minhota.

Finalmente, nos últimos instantes antes do intervalo, chegou o primeiro golo do Sporting. Alan Ruiz cruzou para Bryan Ruiz e o costa-riquenho rematou para defesa incompleta de Pedro Freitas. Doumbia, aproveitando a bola sozinha e a baliza deserta, encostou para o fundo das redes quando os jogadores do Vilaverdense pediam fora-de-jogo (não existente) de Bryan Ruiz, uns segundo antes.

A equipa de Jorge Jesus entrou diferente e mais esclarecida no segundo tempo. Alan Ruiz e Doumbia remataram para defesas de Pedro Freitas, mas o técnico do clube de Alvalade queria mais e, a meia hora do final, tirou Alan e Bryan Ruiz para as entradas de Gelson Martins e Podence. As substituições tiveram efeito instantâneo, dado que, aos 64', Podence serviu Gelson, o internacional português passou por Néné com uma finta espetacular e assistiu Doumbia, que estava no sítio certo e finalizou para o 2-0.

Gelson voltou a 'inventar' um golo dez minutos depois, quando desmarcou Ristovski na direita e o lateral macedónio passou para Doumbia. O ex-FC Basileia, como já havia mostrado duas vezes nesta partida, não perdoa quando a baliza está à sua mercê e completou o hat-trick contra um Vilaverdense que, por esta altura, já acusava bastante a fadiga normal de jogar na casa de uma equipa construída para lutar pelo título nacional e disputar a fase de grupos da Liga dos Campeões. Ainda assim, o conjunto do terceiro escalão mostrou qualidade e dignidade, saindo Estádio José Alvalade sem uma ponta de humilhação na bagagem.

Até ao final, o quarto golo surgiu com naturalidade, tanta quanto a natural magia nos pés de Gelson, que respondeu ao passe de Doumbia com uma arrancada que deixou os defesas do Vilaverdense para trás e rematou para golo. O Sporting cumpriu, vencendo com relativa tranquilidade, passando aos 'quartos' e continuando com a ambição de conquistar a prova rainha.

Bancada
alguem gravou ou tem link para ver o jogo?
go hard or go home
Vitória normal com uma boa segunda parte.

Estamos nos quartos  :mais: :mais:
Boa vitoria..

1º parte fraca.. 2º parte pouco mudou, gelson e dumbia deram o abanão que faltava ao jogo.. Os golos vieram com naturalidade..
Siga para os quartos!!!!

Gelson!!! Doumbia!!!
"O Sporting é nosso!!!"

"Bardamerda para todos aqueles que não são do Sporting Clube de Portugal!!!"
Agora é acender a vela para que nos calhe o Farense nos Quartos para continuarmos a poder fazer estas rotações quase a 100% do plantel. Até porque a carga de jogos não é muito favorável e ainda estamos na Europa, ao contrário do ano passado.

Também aceitava de bom grado a Académica(contando que passam) ou o Cova da Piedade, não nos devem trazer grandes dificuldades.

Já qualquer equipa da 1º liga seria mais complicado, sobretudo o Rio Ave que tem bom futebol. De qualquer das formas, se o Porto amanhã cair contra o Guimarães, temos obrigação em trazer o caneco para casa.
RIO AVE ALLES RIO AVE ALLES

 :rotfl:
 :rotfl:
 :rotfl:

Galináceos foram kus porcos!  :lol: