Incêndio Pedrógão Grande - 64 mortos confirmados

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

Horrivel  :'( :'(

Que as vitimas descansem em paz e muita força para as famílias!!!
Já são 24 mortos  ^-^, segundo A. Costa

A causa apontada para o incêndio está-se a falar em trovoada seca.
Palhaçada este país.
Continua esta porcaria, todos os anos a mesma coisa.

Nunca mais me esqueço que há uns anos num incêndio aqui perto, estava um popular a dizer que pouco tempo antes tinha passado um helicóptero que tinha deixado cair uma "acendalha".

O negócio dos incêndios está mais vivo do que nunca, seja com os alugueres de helicópteros e aviões pagos a milhares de euros à hora, seja indústria das madeiras, espero que comecem a aparecer penas bem pesadas para estes assassinos.

Quando temos a FAP disponível, dito pelo chefe estado maior o ano passado, com equipamento combate a incêndios que foi adquirido há uns anos para colocar nos 130 a apodrecer, fica logo o cenário montado.
Passavam tudo o que fosse meios aéreos para a força aérea, pelo menos já acabava com estes mamões.

Já são 24 mortos  ^-^, segundo A. Costa

A causa apontada para o incêndio está-se a falar em trovoada seca.

E não me admira que o cenário venha a ser bem mais negro. A causa poderá ser a trovoada seca que aconteceu hoje, mas isso que ele disse é só especular pois terá de ser a PJ a investigar.
Havendo este problema dos incêndios todos os anos, bastava Portugal ter um programa anual de compra de aviões Canadair, mesmo que comprasse só um ou dois de x em x anos, daria para ter uma frota razoável de aviões de combate aos incêndios. Mas infelizmente somos governados por políticos de m**** que desviam milhões em negociatas para os amigos e o resultado é esta falta de meios. Agora pedem ajuda a Espanha.
Fiquei chocado com ouvi o número de morto. 19 é muita gente e a tendência é para aumentar.

Enfim, uma tragédia que me faz imensa confusão saber que aconteceu. Que ao menos sirva para que nunca mais se repita
Brunecos = piores que lampiões

23/06/18 O Sporting é nosso outra vez
Aqui onde vivo faz muito mais calor que aí, o ano inteiro, e muito raramente há um incêndio.Não há aviões para apagar as chamas, não há meios avançados nenhuns, muito menos ordenamento do território ou planeamento de prevenção.

Mas também não há um negócio por trás dos incêndios.
Noutra area (Ferreira do Zezere) soube que o pinhal de família ficou completamente carbonizado  :menos:  :menos:

Desde que me lembro e a segunda vez que isso acontece...mas ao pe de uma tragedia destas nao é rigorosamente nada (alias o terreno vale meia duzia de patacos), da minha parte muita força para todos os familiares das vitimas, uma das maiores tragedias que me lembro...

Muito triste com isto...
Andarem a plantar eucaliptos em todo o lado só contribui para isto.

E chamem-lhe trovoada seca chamem...
Fala-se em 24 mortos.

Que descansem em paz e muita força para as famílias que estão a sofrer com esta tragédia.
A Industria dos incêndios Por José Gomes Ferreira

A evidência salta aos olhos: o país está a arder porque alguém quer que ele arda. Ou melhor, porque muita gente quer que ele arda. Há uma verdadeira indústria dos incêndios em Portugal. Há muita gente a beneficiar, directa ou indirectamente, da terra queimada.

Oficialmente, continua a correr a versão de que não há motivações económicas para a maioria dos incêndios. Oficialmente continua a ser dito que as ocorrências se devem a negligência ou ao simples prazer de ver o fogo. A maioria dos incendiários seriam pessoas mentalmente diminuídas.

Mas a tragédia não acontece por acaso. Vejamos:

1 – Porque é que o combate aéreo aos incêndios em Portugal é TOTALMENTE concessionado a empresas privadas, ao contrário do que acontece noutros países europeus da orla mediterrânica?

Porque é que os testemunhos populares sobre o início de incêndios em várias frentes imediatamente após a passagem de aeronaves continuam sem investigação após tantos anos de ocorrências?

Porque é que o Estado tem 700 milhões de euros para comprar dois submarinos e não tem metade dessa verba para comprar uma dúzia de aviões Cannadair?

Porque é que há pilotos da Força Aérea formados para combater incêndios e que passam o Verão desocupados nos quartéis?

Porque é que as Forças Armadas encomendaram novos helicópteros sem estarem adaptados ao combate a incêndios? Pode o país dar-se a esse luxo?

2 – A maior parte da madeira usada pelas celuloses para produzir pasta de papel pode ser utilizada após a passagem do fogo sem grandes perdas de qualidade. No entanto, os madeireiros pagam um terço do valor aos produtores florestais. Quem ganha com o negócio? Há poucas semanas foi detido mais um madeireiro intermediário na Zona Centro, por suspeita de fogo posto. Estranhamente, as autoridades continuam a dizer que não há motivações económicas nos incêndios…

3 – Se as autoridades não conhecem casos, muitos jornalistas deste país, sobretudo os que se especializaram na área do ambiente, podem indicar terrenos onde se registaram incêndios há poucos anos e que já estão urbanizados ou em vias de o ser, contra o que diz a lei.

4 – À redacção da SIC e de outros órgãos de informação chegaram cartas e telefonemas anónimos do seguinte teor: “enquanto houver reservas de caça associativa e turística em Portugal, o país vai continuar a arder”. Uma clara vingança de quem não quer pagar para caçar nestes espaços e pretende o regresso ao regime livre.

5 – Infelizmente, no Norte e Centro do país ainda continua a haver incêndios provocados para que nas primeiras chuvas os rebentos da vegetação sejam mais tenros e atractivos para os rebanhos. Os comandantes de bombeiros destas zonas conhecem bem esta realidade.

Há cerca de um ano e meio, o então ministro da Agricultura quis fazer um acordo com as direcções das três televisões generalistas em Portugal, no sentido de ser evitada a transmissão de muitas imagens de incêndios durante o Verão. O argumento era que, quanto mais fogo viam no ecrã, mais os incendiários se sentiam motivados a praticar o crime…

Participei nessa reunião. Claro que o acordo não foi aceite, mas pessoalmente senti-me indignado. Como era possível que houvesse tantos cidadãos deste país a perder o rendimento da floresta – e até as habitações – e o poder político estivesse preocupado apenas com um aspecto perfeitamente marginal?

Estranhamente, voltamos a ser confrontados com sugestões de responsáveis da administração pública no sentido de se evitar a exibição de imagens de todos os incêndios que assolam o país.

Há uma indústria dos incêndios em Portugal, cujos agentes não obedecem a uma organização comum mas têm o mesmo objectivo – destruir floresta porque beneficiam com este tipo de crime.

Estranhamente, o Estado não faz o que poderia e deveria fazer:

1 – Assumir directamente o combate aéreo aos incêndios o mais rapidamente possível. Comprar os meios, suspendendo, se necessário, outros contratos de aquisição de equipamento militar.

2 – Distribuir as forças militares pela floresta, durante todo o Verão, em acções de vigilância permanente. (Pelo contrário, o que tem acontecido são acções pontuais de vigilância e combate às chamas).

3 – Alterar a moldura penal dos crimes de fogo posto, agravando substancialmente as penas, e investigar e punir efectivamente os infractores

4 – Proibir rigorosamente todas as construções em zona ardida durante os anos previstos na lei.

5 – Incentivar a limpeza de matas, promovendo o valor dos resíduos, mato e lenha, criando centrais térmicas adaptadas ao uso deste tipo de combustível.

6 – E, é claro, continuar a apoiar as corporações de bombeiros por todos os meios.

Com uma noção clara das causas da tragédia e com medidas simples mas eficazes, será possível acreditar que dentro de 20 anos a paisagem portuguesa ainda não será igual à do Norte de África. Se tudo continuar como está, as semelhanças físicas com Marrocos serão inevitáveis a breve prazo.

José Gomes Ferreira

http://www.alegriaeboadisposicao.com/a-industria-dos-incendios-por-jose-gomes-ferreira/

 :arrow:


Isso é só a ponta do icebergue.

A necessidade de argumentos que justifiquem o aquecimento global, passa também pela desertificação de regiões semi-áridas e de clima mediterrânico.
Há muito tempo que topei, essa indústria dos incêndios, tendo inclusive informações de pessoal da força aérea, que nunca compreendeu, o porquê da desactivação dos recursos que tinham, em favor de empresas estrangeiras que pagavam os mesmos pilotos a peso de ouro.
A corrupção no futebol é brincadeira de criança, perto do resto.
Basta perguntarem a avós/bisavós, se se lembram de incêndios significativos, em áreas de pinhal que se estendiam por centenas de km e que nem sequer tinham desmatamentos obrigatórios, como hoje em dia. Não existiam incêndios significativos, a área florestal, foi praticamente imutável, até aos anos 80.
« Última modificação: Junho 18, 2017, 03:53 am por Bit06 »
A culpa é de quem ainda não decidiu fazer um levantamento cadastral a todo o sector florestal.

Vai ser sempre assim se não houver a noção que terreno estamos a pisar.
A culpa é de quem ainda não decidiu fazer um levantamento cadastral a todo o sector florestal.

Vai ser sempre assim se não houver a noção que terreno estamos a pisar.

Levantamentos desses é o que não falta. Consulta as ZIF´s, (Zonas de interesse Florestal), as regras associadas a si e a quantidade de incêndios que aconteceram nas mesmas, mesmo nas quais, o recomendado foi altamente seguido.

No início do século passado os incêndios de grandes dimensões eram uma raridade, ou não existiam e a maioria da população vivia em áreas rurais, onde não existiam bombeiros, nem nada que se pareça, não existiam vigilantes e onde a área florestal era muito maior e bem mais descuidada, face à legislação hoje existente.

Até aos anos 50/60 do século passado, haviam cigarros, fogueiras, queimadas, calor a sério e não existiram fogos de grandes dimensões a registar. Não existiram!
Isto é planeado e quem lucra com a indústria ligada aos eucaliptos, com certeza tem muita culpa nesta história. E não falo dos pequenos/médios proprietários, que vendem madeira para a indústria da celulose, mas sim da grande indústria ligada a este sector, tal como todos os políticos que têm agendas ligadas à desertificação, aquecimento global, indústria dos incêndios, ou da extinção de ecossistemas endógenos.
« Última modificação: Junho 18, 2017, 05:12 am por Bit06 »
Há décadas que isto é sempre a mesma coisa. O governo precisava de tomates para 5omar as decisões difíceis mas não o fazem.

Ordenamento do território. Quem não aceitar, sujeita-se. O resto é conversa.

Preparar aldeias e vilas isoladas que não possam ser suprimidas para evacuação e contenção.

Limpar a mata num raio x de zonas habitadas (esqueçam limpar a mata toda, isso é impraticável, mas é perfeitamente possível limpar até certa distância e truncar).

Aumentar o código penal para incendiários, aumentar prqzos para reconstruir em zona queimada, taxar pesado na madeira queimada aos compradores de papel.

Proibir a plantação de eucalipto em portugal.

Profissionalizar os bombeiros (ou parte)  reforçar com militares durante o verão.
 
Comprar mais meios para combater incêndios e dar prioridade ao apagar o incêndio (com o território organizado e os locais isolados tratados os bombeiros andarem a perder tempo e recursos a proteger casas deixa de acontecer).
E chamem-lhe trovoada seca chamem...

Desculpas de sempre para não fazerem qs coisas como deve de ser de uma vez.

Esconder da CS é outra. Os pirómanos realmente ficam cortados, mas os tsntos que o fazem por outras razões, qumentam-lhes a impubidade. Longe da vista, longe do coração.
« Última modificação: Junho 18, 2017, 06:55 am por radicalhighway »
O nosso presidente é dos homens mais ridiculos que podem existir. O atrasado mental está mais preocupado é em dizer que não houve falha nenhuma. Não foi falta de competencia. Nada. Como é que o sr sabe imediatamente a seguir às tragedias que não houve falta de competencia? Mais preocupado em manter a paz, união e fraternidade do que do apuramento da verdade. Vai-te f**** ó marcelinho.
ainda ontem de manhã estava a falar de incêndios e a dizer que aquela zona em concreto já não tinha um incêndio de grandes proporções à algum tempo...
mais valia ter ficado calado.

neste momento muito preocupado pois tenho família (apesar de afastada) naquela zona numas aldeias junto à N2, ao pé de Álvares...

o número actualizado já são 25 mortos com tendência para subir

Sent from my Redmi Note 3 using Tapatalk

Sempre Sporting!
39 mortos.......
50 feridos 6 em estado grave.
« Última modificação: Junho 18, 2017, 07:54 am por Astherion »
Nós somos da raça que nunca se vergará!
39 mortos.......
50 feridos 6 em estado grave.
Mau demais.
Os profissionais e estudiosos avisam, ninguém faz nada.
Inacreditável. Não venham dizer que não houve falhas. A cada hora que passa fica evidente que algo correu muito mal.