A Formação do Sporting - Tópico Geral

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Citar
FORMAÇÃO LEONINA SERVIU ALMOÇOS NA MESQUITA DE LISBOA
Por Jornal Sporting
16 Dez, 2017
NOTÍCIAS
Foram mais de 40 jovens jogadores do Sporting CP os que estiveram na Mesquita de Lisboa a auxiliar no almoço de Natal dos que mais precisam

Já é um evento habitual este almoço de Natal na Mesquita de Lisboa, que acontece em todos os anos, e neste sábado o Sporting CP associou-se ao mesmo, através de mais de 40 jovens jogadores residentes na Academia Sporting que trocaram os relvados pelo voluntariado e foram auxiliar os que mais precisam nesta quadra natalícia.

Com cerca de 600 pessoas presentes no almoço, Mahomed Abed, responsável pela Mesquita de Lisboa, começou por contextualizar a actividade. "No Islão não celebramos o Natal, mas estamos cientes da sociedade em que estamos inseridos e sabemos que há pessoas carenciadas. Somos solidários e sentimos que havia espaço para haver este almoço para pessoas não muçulmanas. Naturalmente que fazemos mais actividades do género. Começámos em 2010 a campanha "Sopa para todos" em que providenciámos cerca de 11 mil refeições ao longo do ano", afirmou, debruçando-se depois sobre a participação do Sporting CP neste almoço de Natal.

"Temos uma parceria com o Sporting CP em que oferecemos a utilização do nosso Pavilhão para a formação do basquetebol. Não há dúvida nenhuma de que quanto mais nova é a pessoa, mais facil é transmitir um espírito de compaixão. Ficamos muito satisfeitos pela postura do Sporting CP. Estamos a falar de um Clube desportivo e de uma instituição religiosa. Penso que não haverá muitas parcerias deste género", disse, à medida que Miguel Sampaio, director do Gabinete Psico-Pedagógico dos leões, sublinhou a importância deste tipo de iniciativas para os jovens jogadores leoninos.

"Esta é mais uma das nossas iniciativas que temos com os nossos atletas residentes. Temos esta obrigação de transmitir valores como a solidariedade e agarramos sempre estas oportunidades. Já cá tínhamos estado em 2014 e voltámos a ser convidados pela Mesquita. Estamos cá com enorme prazer", disse, prosseguindo: "Não tenho dúvidas da importância deste tipo de dias na vida deles e até no campo, quando têm de se ajudar uns aos outros. Este momento específico é importante até pela questão das religiões, até porque temos várias representadas pelos nossos jogadores. Eles e todos nós temos de perceber que somos todos muito iguais uns aos outros".

http://www.sporting.pt/pt/noticias/clube/noticias/2017-12-16/formacao-leonina-serviu-almocos-na-mesquita-de-lisboa
Citar
de pequenino ruge o menino!*: «Na luta pela liderança»

Todos os principais escalões de formação disputavam esta semana a liderança nas suas respectivas séries e o assalto foi quase perfeito. Iniciados, Juvenis e Juniores tiveram alguns dos mais complicados testes da temporada e o resultado, apesar de tudo, foi positivo.

O fim-de-semana de decisões começou logo na passada sexta-feira, em Alcochete, com os Juniores a entrarem em campo para disputar a liderança frente ao eterno rival Benfica. Os sub19 tinham já vencido no Seixal, na primeira volta, mas permitiram um aproximar do adversário à medida que as semanas avançavam. Este jogo teria de ser de afirmação absoluta e uma viragem na inconsistência da equipa.
Miguel Luís e Daniel Bragança voltaram a fazer parelha, eles que tantas vezes nos encantaram com o seu futebol, e Elves Baldé foi o melhor em campo ao conquistar um penalty (convertido por Miguel Luís) e ao marcar o golo da vitória à passagem do minuto 71’. O Benfica ainda empatou através de Nuno Santos, ainda no primeiro tempo e numa altura de maior equilíbrio entre as duas formações.
Um jogo em que mais uma vez o Sporting provou ser melhor, tendo mais soluções e uma equipa melhor estruturada, e que esperamos que seja o ponto de partida para embalar numa série vitoriosa que nos transmita a confiança no título.
Para já, mantenho a questão que tenho levantado em torno de Diogo Brás. Como é que não é titular absoluto desta equipa?

No sábado foi a vez de Juvenis entrarem em acção frente à surpresa desta temporada, o Sacavenense. Os homens de Sacavém tinham terminado à nossa frente na primeira fase e ainda não tinham perdido qualquer ponto nesta série, estando à frente dos dois rivais de Lisboa. O Sporting sabia bem da importância de uma vitória e ninguém como João Couto sabe trabalhar para um resultado.
Aos 34’ Jorge Ferreira inaugurou o marcador, o Sporting dominou o jogo quase na sua totalidade, mantinha a posse de bola mas criava muito poucas chances de golo. Apenas conseguiu “descansar” em período de descontos, altura em que Daniel Rodrigues permitiu o alívio os seus colegas e treinadores, merecendo os festejos à altura da situação. Bruno Tavares haveria de marcar o 3-0 pouco depois e foi mais uma vez uma das figuras da partida. Nuno Cardoso e Rodrigo Fernandes, dois médios de enorme qualidade, foram outros dos destaques positivos.

Os Iniciados são a única má notícia desta semana, depois de uma derrota frente ao Benfica por 2-0 que nos tira o primeiro lugar da série e nos deixa em maus lençóis para tentar passar ao apuramento de campeão como líderes. Definitivamente o escalão onde o Benfica tem sido superior a nós e onde os confrontos directos tendem a cair para os pequenos do Seixal. É o título que nos foge há mais tempo, sempre para o rival da cidade, apesar do excelente futebol apresentado (principalmente na passada temporada). O objectivo agora tem de ser continuar a somar vitórias e tentar a desforra quando chegar o momento de decidir o campeão português. É cedo para fatalismos, mas é importante que se compreenda a necessidade de ser melhor em dias de derby, que já sabemos definirem quase sempre que leva o título para casa.

*às terças, a Maria Ribeiro revela os seus apontamentos sobre as novas gerações que evoluem na melhor Academia do mundo (à excepção do Dubai)

A Tasca do Cherba
Citar
de pequenino ruge o menino!*: «O Natal em Alcochete»

A poucas horas de se celebrar o Natal em família, os jovens de Alcochete ainda competiam nos seus respectivos campeonatos, num fim-de-semana totalmente vitorioso que nos permite dizer que também a formação ajudou este Natal verde, o mais verde de que há memória.

Numa partida disputada e em que os leões tiveram de cerrar os dentes e ir à procura do resultado, mostrando dificuldades em criar reais chances de golos, os Juvenis venceram o Sintrense e mantiveram a liderança da sua série (ainda que tenham um jogo a mais que o rival Benfica).
O Sintrense começou melhor, teve oportunidades claras para abrir o marcador mas haveria de pagar o preço dos seus falhanços depois da meia hora de jogo. Carlos Silva, o capitão e defesa de 16 anos, marcou o primeiro e descansou os corações leoninos numa altura que seria determinante para o resto da partida. Quatro minutos depois, Nuno Cardoso é agredido dentro de área, o jogador rival é castigado com vermelho directo e o mesmo Nuno converte o penalty que estabeleceu o 2-0 final.
O resto da partida foi um arrastar de tempo, sem que o Sporting conseguisse avolumar o resultado mesmo com mais um jogador e perante um Sintrense sem conseguir rematar à baliza leonina.

Neste momento a equipa tem 10 golos marcados e apenas um sofrido nos cinco jogos já disputados e só voltará a competição no dia 7 de Janeiro. Os sub17 apresentam uma equipa jovem, com muita qualidade individual e que parece finalmente ter encontrado o seu equilíbrio dentro de campo, estabelecendo uma sequência muito positiva neste final de ano. Bruno Tavares, Umaro Baldé, Carlos Silva, Nuno Cardoso, Jorge Ferreira e Felix Correia foram alguns dos maiores destaques nesta primeira fase da temporada, esperemos que muitos mais venham a surgir.

Já os Juniores deslocaram-se até ao Estoril e venceram a equipa da casa por 2-0, com golos de Pedro Mendes e Douglas Aurélio.
O Sporting entrou bem na partida, mostrou ao que vinha desde muito cedo e procurou o golo de forma a encarar o resto do jogo de forma mais tranquila. Logo aos 13 minutos, Elves Baldé assiste Pedro Mendes de livre e o mesmo inaugura o marcador num lance estudado. Foi o controlo total dos campeões nacionais a partir desse momento. Aos 24’ novo momento de laboratório, com a bola a chegar a Ricciuli que assiste Douglas Aurélio e fecha as contas da partida.
O Estoril conseguiu apenas um remate à baliza defendida por Gonçalo Pinto durante todo o jogo e ainda sofreu alguns sustos. Os sub19 tiveram várias oportunidades para golear, mas falharam na concretização.

A equipa ocupa o segundo lugar nesta fase (tem menos um jogo que o rival Benfica e clara vantagem no confronto directo) e será apenas uma questão de tempo até regressar à liderança e continuar o processo de crescimento numa posição privilegiada.
Uns primeiros meses de altos e baixos mostram um grupo ainda em construção, com menos qualidade individual que na passada temporada, mas vontade de dar a volta à situação. Tiago Fernandes tem agora a missão de continuar a vencer, a fazer crescer estes jovens atletas e a preparar miúdos para a vida de jogador profissional. Um caminho cheio de peripécias e responsabilidade, ou não fosse esta uma das melhores academias da Europa.
Para a segunda fase da temporada, pede-se mais consistência, mais rotação da equipa e que o título nacional volte para a casa onde nascem os grandes jogadores, se possível com uma excelente prestação europeia.

Bom ano a todos os atletas da Academia de Alcochete e que nos tragam mais alegrias!

*às terças, a Maria Ribeiro revela os seus apontamentos sobre as novas gerações que evoluem na melhor Academia do mundo (à excepção do Dubai)

A Tasca do Cherba
Citar
de pequenino ruge o menino!*: «O ano da formação»

2017 fica marcado essencialmente pela revalidação do campeonato de juvenis e pelo regresso ao título nos juniores, mas a medida do sucesso de uma Academia será sempre o seu real aproveitamento na equipa principal. E aqui também tivemos novidades. Eis o ano da formação leonina, num pequeno resumo.

OS ESCALÕES JOVENS

O sonho era vencer os três principais escalões nacionais (iniciados, juvenis e juniores) e Alcochete esteve muito perto de conseguir o feito. Os iniciados foram os únicos que ficaram pelo caminho, perdendo de novo para o rival Benfica, mas os juvenis corresponderam às expectativas e conseguiram um bicampeonato merecido e apoiado numa grande geração, que nos dá muita esperança no futuro.
Já os juniores passearam tanto na sua série como no apuramento de campeão, sem a concorrência dos rivais e com números absolutamente incríveis, que nos fizeram regressar ao título e coroar igualmente uma geração que promete continuar a surpreender.
Já esta temporada, os sub-19 conseguiram passar a fase de grupos da Youth League pela primeira vez na história do clube, em mais um feito da formação que esperemos que possa contribuir para a evolução destes jovens jogadores.

Foram muitos os jogadores que se foram destacando ao longo de 2017 e que foram protagonistas ao longo das semanas neste espaço, nas mais variadas equipas, e por ser impossível recuperar todos esses textos, aqui fica uma listagem com aqueles que mais brilharam durante o passado ano.

Guarda-redes: Luís Maximiano
Defesas: Gonçalo Costa, Demiral, Djaló, Ricciulli, Goulart, Thierry, Abdu Conté, Rodrigo Rego, Eduardo Quaresma, Carlos Silva
Meio-campo: Bruno Paz, Miguel Luís, Daniel Bragança, Bavikson, Bernardo Sousa, Umaro Baldé, Nuno Cardoso
Ataque: Rafael Leão, Pedro Marques, Elves Baldé, Jovane Cabral, Diogo Brás, Félix Correira, Bruno Tavares, Rodrigo Costa, Joelson Fernandes

A EQUIPA B

Depois de mais um ano de falhanço total na equipa B, com a mesma a ter de lutar para não descer de divisão, o Sporting livrou-se do excesso de jogadores que compunham o plantel e tem agora uma equipa mais curta, mais jovem e com mais presença da formação leonina.
O ano de 2017 fica marcado pela preocupação para com este projecto, que tantas vezes já mudou de forma e feitio que se torna impossível perceber o que é pretendido realmente pelo clube.
A chegada de Luís Martins aos comandos da equipa, com uma ideia claramente mais virada para a formação de jovens jogadores, acabou por ser o ponto alto da caminhada do plantel secundário na Segunda Liga. O mesmo treinador já renovou o seu contrato e esperemos que seja o homem certo para agarrar o projecto durante muitas temporadas, estabelecendo assim a estabilidade necessária depois de muitos anos de alterações.

Os jogadores em maior evidência:
Gelson Dala, Rafael Leão, Rafael Barbosa, Pedro Delgado, Francisco Geraldes, Bruno Paz, Ivanildo, Demiral

AS PROMOÇÕES E AS ESTREIAS

2017 foi o ano de várias estreias e promoções na equipa principal, mas também de alguns casos de marcaram a opinião púbica leonina e dividiram os lados da barricada. Jorge Jesus causou polémica, principalmente com o caso Francisco Geraldes, mas os números do ano acabam por ser positivos no que diz respeito à formação.

– Daniel Podence – Depois de regressar de empréstimo acumulou os primeiros minutos e é até ao momento o mais bem sucedido caso desta lista. Podence é hoje titular do Sporting Clube de Portugal e prepara-se para ser mais um caso de sucesso da melhor escola de futebolistas em Portugal.

– João Palhinha – Regressou de empréstimo ao Belenenses, a temporada passada, e fez 11 jogos na recta final da época desportiva. Este ano, tem jogado pouco, muito pouco, e esperemos que a possibilidade de venda de Petrovic o faça assumir-se como a verdadeira e única alternativa a William.

– Iuri Medeiros – Depois de 3 anos emprestado, Iuri Medeiros chega finalmente ao plantel principal do Sporting, mas a concorrência feroz e a falta de minutos estão a dificultar a tarefa de se impor. Veremos se se mantém no plantel durante este mês de Janeiro.

– Francisco Geraldes – O caso mais controverso da lista mereceu a estreia na passada temporada, depois de muitos pedidos por parte dos adeptos. Chico Geraldes regressou de empréstimo mas poucas vezes foi opção, participou pouco na pré-temporada e foi novamente emprestado. A sensação é de que, apesar de ser um dos mais talentosos jogadores saídos de Alcochete, ainda não convenceu JJ a 100%.

– Demiral – Estreou-se na Taça de Portugal, frente ao Oleiros.

– Jovane – Estreou-se na Taça de Portugal, frente ao Oleiros.

– Rafael Leão – Estreou-se na Taça de Portugal, com um golo, e diz o nosso treinador: «Ainda é júnior, mas acreditamos muito no potencial dele. Precisa ainda de completar e ganhar etapas com segurança, mas está a fazê-lo de forma rápida. Aos poucos vai crescendo e neste momento ainda não é uma opção definitiva. (…) Tem todas as capacidades para, dento de pouco tempo, ser mais um Gelson ou um Podence», afirmou Jorge Jesus, na conferência de imprensa de antevisão ao derby frente aos azuis do Restelo.

OLÁ E ADEUS

Domingos Duarte (Chaves), Matheus Pereira (Chaves) e Chico Geraldes (Rio Ave) são os jogadores emprestados a quem devemos mais atenção, por serem igualmente os que mais perto estarão da equipa principal. A importância de uma verdadeira adaptação à Primeira Liga não deve ser descurada e a realidade é que o Sporting tem tido esse cuidado nos últimos anos, permitindo uma integração mais rápida a todos os “retornados” e os resultados da estratégia têm sido positivos. Para estes três jovens talentosos, podemos apenas esperar que tenham as portas abertas para o plantel principal, já na próxima temporada.

No sentido oposto, Tobias Figueiredo, Wallyson e Rafa Barbosa regressaram às equipas profissionais do clube, mas em contextos completamente diferentes. Tobias é hoje o quarto central (e deverá continuar a ser depois do caso Marcelo), Wallyson recupera as lesões e a confiança e Barbosa assume o protagonismo na equipa B, depois de muitos adivinharem que já não conseguiria crescer mais.

*às terças, a Maria Ribeiro revela os seus apontamentos sobre as novas gerações que evoluem na melhor Academia do mundo (à excepção do Dubai)

A Tasca do Cherba
http://www.goal.com/br/news/3357/espanha/2017/03/01/33182892/a-destrui%C3%A7%C3%A3o-de-la-masia-por-que-o-atual-barcelona-jamais
Spoiler: mostrar
Sistema adotado pelo Barça nas últimas décadas perde força e time catalão produz menos craques que antigamente. Goal explica os motivos
Este, talvez, tenha proporcionado o melhor time de futebol da história. La Masia se tornou sinônimo de excelência técnica como nenhuma outra academia ao redor do mundo e produziu o brilhante Barcelona dos últimos anos. Mas sua importância tem diminuído.

Pep Guardiola foi, mais que ninguém, o símbolo do sucesso de La Masia. O treinador que atualmente defende o Manchester City foi o primeiro talento mundial a ser produzido nas divisões de base do Barça, que contou com outros inúmeros talentos, como Victor Valdes, Carles Puyol, Gerard Piqué, Andrés Iniesta, Xavi, Pedro e Lionel Messi.

Esta foi uma filosofia perfeita: um técnico que buscou e representou as tradições do clube catalão. Ele iniciou os trabalhos nas categorias inferiores, antes de assumir o Barcelona B e, na sequência, o time principal. Em seu método de trabalho, o técnico priorizou atletas que estão no mesmo grupo que ele.

Depois de vencer 14 dos 19 troféus durante a era Guardiola, a metodologia foi mantida com Tito Vilanova até 2012 e La Masia fez história em 25 de novembro de 2012, quando contou com 11 atletas da equipe em campo na vitória sobre o Levante por 4 a 0, logo após Martin Montoya substituir Dani Alves no primeiro tempo.

Este foi o ponto. Quatro anos mais tarde, a situação é muito diferente. Barça foi proibido de atuar na janela de transferências por irregularidade em transações envolvendo jovens atletas em 2015. À época, a torcida do Barça estendeu uma faixa no Camp Nou: "Não mexa em La Masia". E parece que Luis Enrique levou ao pé da letra.

Enquanto Guardiola promoveu jogadores como Pedro e Sergio Busquets, o Barça do atual treinador tem sido relutante em acreditar nos talentos criados na casa, à exceção de Rafinha, atleta que foi comandado por Luis Enrique durante uma temporada no Celta de Vigo, e Sergi Roberto, membro do elenco principal antes mesmo da chegada do treinador.


Luis Enrique prioriza resultados e parece se importar apenas com o que acontece aqui e agora. No verão, ele deixou Sergi Samper deixar o time por empréstimo e buscou Andre Gomes. O mesmo aconteceu no setor ofensivo, ao buscar Paco Alcácer por 30 milhões de euros e liberar Munir El Haddadi. O técnico tem a palavra final, com certeza, mas isso vai contra os métodos do Barça. Por que não usar La Masia? Seriam Samper e Munir piores que Andre Gomes e Alcacer?

"A ideia do clube é diferente do que era antes. Mesmo assim, com certeza, o futebol também mudou. Eles sempre queriam que tivéssemos os melhores atletas, não os mais fortes", disse um ex-membro da comissão técnica de La Masia à Goal.

"Formávamos atletas para competir, respeitar o jogo limpo e, finalmente, vencer. Cruyff sempre perguntava como estávamos jogando. Ele nunca perguntava sobre o resultado", acrescentou o antigo funcionário do Barça, que pediu para não ser identificado.

:think: :think:
Começo a ver o mesmo tipo de decisões a acontecer por cá... ou será impressão minha?
Chat shit get banged.
http://www.goal.com/br/news/3357/espanha/2017/03/01/33182892/a-destrui%C3%A7%C3%A3o-de-la-masia-por-que-o-atual-barcelona-jamais
Spoiler: mostrar
Sistema adotado pelo Barça nas últimas décadas perde força e time catalão produz menos craques que antigamente. Goal explica os motivos
Este, talvez, tenha proporcionado o melhor time de futebol da história. La Masia se tornou sinônimo de excelência técnica como nenhuma outra academia ao redor do mundo e produziu o brilhante Barcelona dos últimos anos. Mas sua importância tem diminuído.

Pep Guardiola foi, mais que ninguém, o símbolo do sucesso de La Masia. O treinador que atualmente defende o Manchester City foi o primeiro talento mundial a ser produzido nas divisões de base do Barça, que contou com outros inúmeros talentos, como Victor Valdes, Carles Puyol, Gerard Piqué, Andrés Iniesta, Xavi, Pedro e Lionel Messi.

Esta foi uma filosofia perfeita: um técnico que buscou e representou as tradições do clube catalão. Ele iniciou os trabalhos nas categorias inferiores, antes de assumir o Barcelona B e, na sequência, o time principal. Em seu método de trabalho, o técnico priorizou atletas que estão no mesmo grupo que ele.

Depois de vencer 14 dos 19 troféus durante a era Guardiola, a metodologia foi mantida com Tito Vilanova até 2012 e La Masia fez história em 25 de novembro de 2012, quando contou com 11 atletas da equipe em campo na vitória sobre o Levante por 4 a 0, logo após Martin Montoya substituir Dani Alves no primeiro tempo.

Este foi o ponto. Quatro anos mais tarde, a situação é muito diferente. Barça foi proibido de atuar na janela de transferências por irregularidade em transações envolvendo jovens atletas em 2015. À época, a torcida do Barça estendeu uma faixa no Camp Nou: "Não mexa em La Masia". E parece que Luis Enrique levou ao pé da letra.

Enquanto Guardiola promoveu jogadores como Pedro e Sergio Busquets, o Barça do atual treinador tem sido relutante em acreditar nos talentos criados na casa, à exceção de Rafinha, atleta que foi comandado por Luis Enrique durante uma temporada no Celta de Vigo, e Sergi Roberto, membro do elenco principal antes mesmo da chegada do treinador.


Luis Enrique prioriza resultados e parece se importar apenas com o que acontece aqui e agora. No verão, ele deixou Sergi Samper deixar o time por empréstimo e buscou Andre Gomes. O mesmo aconteceu no setor ofensivo, ao buscar Paco Alcácer por 30 milhões de euros e liberar Munir El Haddadi. O técnico tem a palavra final, com certeza, mas isso vai contra os métodos do Barça. Por que não usar La Masia? Seriam Samper e Munir piores que Andre Gomes e Alcacer?

"A ideia do clube é diferente do que era antes. Mesmo assim, com certeza, o futebol também mudou. Eles sempre queriam que tivéssemos os melhores atletas, não os mais fortes", disse um ex-membro da comissão técnica de La Masia à Goal.

"Formávamos atletas para competir, respeitar o jogo limpo e, finalmente, vencer. Cruyff sempre perguntava como estávamos jogando. Ele nunca perguntava sobre o resultado", acrescentou o antigo funcionário do Barça, que pediu para não ser identificado.

:think: :think:
Começo a ver o mesmo tipo de decisões a acontecer por cá... ou será impressão minha?
Há anos e anos que assim é. Aliás, nem é propriamente um bom termo de comparação, porque nós nunca tivemos uma filosofia futebolística bem delineada, como o Barça teve em tempos. "Teve". Se ela ainda existe, actualmente, está ferida de morte.

De qualquer forma, esse artigo é bem antigo, apesar de ser bom.
"If God had meant football to be played in the air, he would have put grass in the sky" - Brian Clough

“Quando treinava o Saragoça, um jogador veio ter comigo no início da época e disse-me, todo contente: ‘Mister, estou melhor do que nunca fisicamente.’ Olhei para ele e respondi-lhe: ‘Isso é a pior notícia que me podias dar. Agora vais estar em mais sítios errados mais vezes, c*****.’” - Juan Manuel Lillo
http://www.goal.com/br/news/3357/espanha/2017/03/01/33182892/a-destrui%C3%A7%C3%A3o-de-la-masia-por-que-o-atual-barcelona-jamais
Spoiler: mostrar
Sistema adotado pelo Barça nas últimas décadas perde força e time catalão produz menos craques que antigamente. Goal explica os motivos
Este, talvez, tenha proporcionado o melhor time de futebol da história. La Masia se tornou sinônimo de excelência técnica como nenhuma outra academia ao redor do mundo e produziu o brilhante Barcelona dos últimos anos. Mas sua importância tem diminuído.

Pep Guardiola foi, mais que ninguém, o símbolo do sucesso de La Masia. O treinador que atualmente defende o Manchester City foi o primeiro talento mundial a ser produzido nas divisões de base do Barça, que contou com outros inúmeros talentos, como Victor Valdes, Carles Puyol, Gerard Piqué, Andrés Iniesta, Xavi, Pedro e Lionel Messi.

Esta foi uma filosofia perfeita: um técnico que buscou e representou as tradições do clube catalão. Ele iniciou os trabalhos nas categorias inferiores, antes de assumir o Barcelona B e, na sequência, o time principal. Em seu método de trabalho, o técnico priorizou atletas que estão no mesmo grupo que ele.

Depois de vencer 14 dos 19 troféus durante a era Guardiola, a metodologia foi mantida com Tito Vilanova até 2012 e La Masia fez história em 25 de novembro de 2012, quando contou com 11 atletas da equipe em campo na vitória sobre o Levante por 4 a 0, logo após Martin Montoya substituir Dani Alves no primeiro tempo.

Este foi o ponto. Quatro anos mais tarde, a situação é muito diferente. Barça foi proibido de atuar na janela de transferências por irregularidade em transações envolvendo jovens atletas em 2015. À época, a torcida do Barça estendeu uma faixa no Camp Nou: "Não mexa em La Masia". E parece que Luis Enrique levou ao pé da letra.

Enquanto Guardiola promoveu jogadores como Pedro e Sergio Busquets, o Barça do atual treinador tem sido relutante em acreditar nos talentos criados na casa, à exceção de Rafinha, atleta que foi comandado por Luis Enrique durante uma temporada no Celta de Vigo, e Sergi Roberto, membro do elenco principal antes mesmo da chegada do treinador.


Luis Enrique prioriza resultados e parece se importar apenas com o que acontece aqui e agora. No verão, ele deixou Sergi Samper deixar o time por empréstimo e buscou Andre Gomes. O mesmo aconteceu no setor ofensivo, ao buscar Paco Alcácer por 30 milhões de euros e liberar Munir El Haddadi. O técnico tem a palavra final, com certeza, mas isso vai contra os métodos do Barça. Por que não usar La Masia? Seriam Samper e Munir piores que Andre Gomes e Alcacer?

"A ideia do clube é diferente do que era antes. Mesmo assim, com certeza, o futebol também mudou. Eles sempre queriam que tivéssemos os melhores atletas, não os mais fortes", disse um ex-membro da comissão técnica de La Masia à Goal.

"Formávamos atletas para competir, respeitar o jogo limpo e, finalmente, vencer. Cruyff sempre perguntava como estávamos jogando. Ele nunca perguntava sobre o resultado", acrescentou o antigo funcionário do Barça, que pediu para não ser identificado.

:think: :think:
Começo a ver o mesmo tipo de decisões a acontecer por cá... ou será impressão minha?
Há anos e anos que assim é. Aliás, nem é propriamente um bom termo de comparação, porque nós nunca tivemos uma filosofia futebolística bem delineada, como o Barça teve em tempos. "Teve". Se ela ainda existe, actualmente, está ferida de morte.

De qualquer forma, esse artigo é bem antigo, apesar de ser bom.
É antigo sim e entretanto não mudou muito por lá. Eu vi agora porque estive a falar com um amigo culé sobre isso e deu para estabelecer alguns paralelos.
Chat shit get banged.

O mais grave da (nossa) situação é que aí fala-se do treinador da equipa sénior, candidata a ganhar tudo o que existe.

No Sporting, o que se critica no Luis Enrique, acontece com o treinador dos juniores!!!  :wall: :wall: :wall:

O mais grave da (nossa) situação é que aí fala-se do treinador da equipa sénior, candidata a ganhar tudo o que existe.

No Sporting, o que se critica no Luis Enrique, acontece com o treinador dos juniores!!!  :wall: :wall: :wall:
Pudera, o Tiago Fernandes parece querer ser o próximo Jesus, já levou a mentalidade do "modelo de jogador" para os escalões de formação.
Chat shit get banged.
Citar
de pequenino ruge o menino!*: «Semana de desilusão»

Depois de um Natal praticamente imaculado e de liderança nos vários escalões, os Juniores voltaram a desiludir e a mostrar muitos dos preocupantes sinais do passado, que tantas vezes já aqui discutimos. Numa semana em que se pedia uma reacção ao empate caseiro frente ao Setúbal (que nos deu a liderança mas que acabou por defraudar a expectativas) a deslocação a Leiria não poderia ter corrido pior e resultou numa derrota por 2-0.

A equipa da casa ocupa a terceira posição da série, a cinco pontos do Sporting, e portanto adivinhava-se um jogo disputado e de concentração máxima. Ainda assim, a equipa que apresentámos é em tudo superior à do modesto União de Leiria e a obrigação seria sempre vencer para continuar a consolidar a liderança. Não aconteceu.

Diogo Brás voltou a não sair do banco, Bernardo Sousa não foi opção e entrámos em campo sem uma verdadeira referência ofensiva. A par disso, jogadores como Elves e Daniel Bragança, que o ano passado eram destaques todas as semanas, parecem não conseguir fazer realmente a diferença este ano, muito graças à instabilidade vivida pela equipa. E numa temporada em que vencemos o principal adversário desta fase, tanto em casa como fora, ocupamos um desconfortável segundo lugar a três pontos da liderança.

Nota-se que Tiago Fernandes ainda está a descobrir algumas das melhores opções e alguns dos seus jogadores. Que ainda não sabe bem como montar da melhor forma o plantel que tem em mãos, todo ele muito jovem e novo no escalão. Mas em Janeiro e a apenas uns meses de iniciar o apuramento de campeão, é tempo de finalmente estabilizar a equipa, nem que seja em termos de resultados.

Numa nota mais alegre, os Juvenis deslocaram-se ao Estoril e venceram a equipa da casa por 4-0. Todos os golos surgiram na segunda parte, depois de se registar algum equilíbrio no primeiro tempo, e foram marcados por Eduardo Quaresma (2x), João Domingues e Rodrigo Fernandes (pen). Com este resultado os rapazes de João Couto continuam no segundo lugar da sua série, com os mesmos pontos do Benfica, com melhor diferença de golos, mas em desvantagem no confronto directo. A próxima partida é frente ao Real SC, no dia 14 de Janeiro, pelas 11h00.

Os Iniciados foram até Oeiras vencer por 3-1 com golos de Joelson, Miguel Menino e Armando Silva, mas não se livraram de um susto ao saírem para intervalo empatados a uma bola. Hoje mesmo os sub15 disputam a partida que têm em atraso, frente ao Barreirense, e que em caso de vitória nos colocará no segundo lugar, a três pontos do líder Benfica. De recordar igualmente que apenas se classifica para o apuramento de campeão o melhor segundo lugar de todas as séries e que por isso é importante continuar a marcar muitos golos e a sofrer muito poucos.

A semana não acabaria sem nova desilusão, desta vez nos Juvenis B (sub16) que disputam o regional da AF Lisboa. Depois de onze partidas consecutivas a vencer, os jovens leões caíram frente ao Benfica (2-1) e perderam o primeiro posto numa competição que se espera renhida até final.

*às terças, a Maria Ribeiro revela os seus apontamentos sobre as novas gerações que evoluem na melhor Academia do mundo (à excepção do Dubai)

A Tasca do Cherba
Citar
GONÇALO INÁCIO ASSINOU CONTRATO PROFISSIONAL
Defesa-central formado em Alcochete

Gonçalo Inácio assinou contrato profissional com o Sporting. O jovem, de 16 anos, fez toda a formação nos leões e é visto como um valor de futuro.

Defesa-central de raiz, pode também ser utilizado como lateral esquerdo. Internacional sub-17 por Portugal, é representado pela Positionumber, empresa que também gere as carreiras de Bruno Fernandes, Iuri Medeiros e João Novais.

Record
Citar
de pequenino ruge o menino!*: «O gigante Elves e o regresso à normalidade»

Era tempo de reagir aos sucessivos desaires e à falta de confiança, e os Juniores disseram presente na missão de afastar alguns fantasmas que têm pairado sobre a equipa durante as últimas semanas.

O Cova da Piedade deslocou-se até Alcochete num encontro que já estava à partida bastante desnivelado. Os sub19 do Cova são últimos na tabela classificativa e somam apenas 11 pontos em 17 jogos, para além de terem já sofrido 33 golos. Os jovens leões sabiam ser favoritos e assumiram o protagonismo desde o primeiro minuto, criando oportunidade atrás de oportunidade.

O primeiro golo nasce dos pés de Elves Baldé, ele que foi claramente o grande destaque da partida, numa jogada de contra-ataque, e foi apenas uma questão de tempo até o resultado começar a avolumar-se. Poucos minutos depois o mesmo Elves faz uma assistência para Mitrovski (claramente aposta de Tiago Fernandes esta temporada) e os juniores foram para o intervalo a vencer por 2-0.
Na segunda parte, e já com Diogo Brás em campo, Elves Baldé decidiu fazer nova assistência, serviu o recém entrado extremo e o mesmo concluiu com classe, sentando o guarda redes adversário. Mitrovski bisou na partida, aproveitando uma recarga de um remate de Diogo Brás, e para fechar as contas Elves deliciou a bancada com um livre directo e fixou o resultado em 5-0. Os jovens leões desperdiçaram várias oportunidades, poderiam ter vencido por números ainda mais expressivos, mas o importante foi regressar às vitórias e aumentar os índices de confiança de todo o plantel.

Os Juvenis mantiveram a liderança partilhada com o Benfica por mais uma semana, depois de controlarem e vencerem o Real SC por 3-0, na jornada antes de enfrentar o rival na luta pelo primeiro posto.
Nuno Cardoso (o menino criativo desta equipa) e João Domingues (por duas vezes) foram os marcadores de um jogo que teve bom futebol, excelentes momentos colectivos e belos golos. A vitória nunca esteve em causa, uma vez que os pequenos leões conseguiram encontrar o caminho das redes logo aos 13 minutos e continuaram naturalmente a construir o resultado. A partida acaba por aumentar ainda mais a nossa diferença de golos sofridos e marcados, factor que poderá vir a ser determinante.

Por fim, os Iniciados jogaram a partida em atraso frente ao Barreirense em casa e conseguiram uma goleada por 5-0, ascendendo assim ao segundo lugar. Tristan Hammond foi o grande destaque da partida, ao marcar aquele que será um dos melhores golos da temporada e a conseguir ainda uma assistência de enorme qualidade para o primeiro golo de Lucas Dias. Joelson Fernandes ia marcando de livre directo uma vez e falhou (acabou por resultar em golo de Adriano Almeida na recarga) mas não desperdiçou a segunda tentativa, com um tento de belo efeito. A terminar a partida, Adriano Almeida (médio/defesa esquerdo) bisou e fechou as contas de um excelente jogo por parte dos sub15.

Esta semana:
Iniciados – 21/01 – Sporting x Vitória de Setúbal
Juvenis – 18/01 – Sporting x Benfica
Juniores – 20/01 – Sporting x Real SC

*às terças, a Maria Ribeiro revela os seus apontamentos sobre as novas gerações que evoluem na melhor Academia do mundo (à excepção do Dubai)

A Tasca do Cherba
Citar
BRITÂNICOS DESTACAM CRIATIVIDADE E FUTEBOL OFENSIVO NA BASE DA ACADEMIA DE ALCOCHETE
Jornalista que esteve no centro de estágios do Benfica visitou depois a casa dos leões

Alex Clapham, jornalista que escreveu a reportagem sobre o Centro de Estágios do Seixal do Benfica, visitou depois a Academia de Alcochete, a casa do Sporting, e ficou novamente impressionado.

O relato começa por indicar que, um dia depois de visitar umas instalações que custaram 15 milhões de euros, é-lhe servido um café em Alcochete por 40 cêntimos.

"Sem extravagâncias, este é um espaço para futebol", pode ler-se na reportagem.

As palavras "Esforço, dedicação, devoção e glória" estão inscritas à entrada e servem de apresentação dos leões aos jovens que ali entram pela primeira vez. Clapham recorda que aquela foi a primeira academia a ser  construída em Portugal e serviu de casa à seleção portuguesa durante o Campeonato da Europa de 2004. Atualmente várias equipas que ali fazem as suas pré-temporadas.

O jornalista britânico admite que não conseguiu ficar indiferente ao pensar no "calibre dos jogadores que andaram naqueles corredores e dormiram naqueles quartos, quando não tinham mais nada a não ser um bolso cheio de ambição".

Recordando o facto de o Sporting ser o único clube no Mundo que produziu dois Bolas de Ouro (Figo e Ronaldo), que de resto estão bem presentes nas paredes do complexo, Alex Clapham introduz depois Miguel Miranda, coordenador da Academia, que fala precisamente em CR7 como um modelo a seguir.

"Usamo-lo como exemplo em todo o lado aqui: desde o ginásio às aulas de psicologia e aos balneários. Ele sacrificou-se imenso para ter tudo o que tem agora", diz.

O jornalista percorreu depois os seis campos, onde trabalham diariamente muitos treinadores, todos eles com formação superior em desporto. Em termos táticos, há uma predileção assumida pelo 4x3x3, muito devido à aposta em formar extremos. Foi daqui que saíram Ronaldo, Figo, Nani e Quaresma. Esta aposta é solidificada pelas visitas que os técnicos fazem a outras escolas especializadas naquela tática, como a do Barcelona ou Ajax.

O cuidado com o físico

A componente física assume, como é natural, um papel de destaque na evolução dos jovens, mas, apesar de Miguel Miranda explicar que são feitos "testes físicos aos miúdos a cada três meses", nota-se que há um cuidado especial em não forçar nada.

"Não queremos que sejam profissionais aos 14 anos. Queremos sim que sejam profissionais aos 20", explicou o coordenador da Academia.

Chega a vez de falar Aurélio Pereira, o responsável pela descoberta de Ronaldo, que lembra de resto um desafio que o jovem Cristiano colocava a si mesmo: amarrava pesos às pernas e atravessava assim as ruas para ganhar força e velocidade. "Isso dá-nos uma ideia do que estes rapazes passaram", conta.

A reportagem conta ainda com o testemunho de Eric Dier, jogador que por ali passou e que agora atua na Premier League. Para o central, a Academia do Sporting, mais do que formar jogadores, forma pessoas: "Eles orgulham-se de formarem pessoas educadas e respeitosas. Nunca se zangam contigo se falhares um passe, mas fazem-no se faltares ao respeito a alguém".



Record
Citar
INGLESES VISITAM A ACADEMIA DE ALCOCHETE
SPORTING 10:45
Por
Redação
O The Guardian fez uma visita desta feita à Academia de Alcochete, quartel general do Sporting. O jornalista Alex Clapham referiu que «sem extravagâncias, este é o espaço para o futebol», recordou que foi a primeira academia a ser construída em Portugal e que serviu de casa para a Seleção Nacional durante o Euro 2004.

Clapham admitiu não ficar indiferente ao pensar no «calibre dos jogadores que andaram naqueles corredores e dormiram naqueles quartos, quando não tinham mais nada a não ser um bolso cheio de ambição». O jornalista destacou ainda o facto de o Sporting ser o único emblema no Mundo a produzir dois Bolas de Ouro, Luís Figo e Cristiano Ronaldo.

Por sua vez, Miguel Miranda, coordenador da Academia de Alcochete, destacou o «exemplo» de Cristiano Ronaldo e a sua influência na academia.

«Usamo-lo como exemplo em todo o lado aqui: desde o ginásio às aulas de psicologia e aos balneários. Ele sacrificou-se imenso para ter tudo o que tem agora».

Miguel Miranda explicou ainda o papel dos exames físicos «aos miúdos a cada três meses» de forma a atestar a evolução dos jovens jogadores. «Não queremos que sejam profissionais aos 14 anos. Queremos sim que sejam profissionais aos 20», explicou o coordenador.

A reportagem destaca o depoimento de Eric Dier, jogador formado na academia de Alcochete e que joga atualmente na Premier League ao serviço do Tottenham. Para o central, a Academia é muito mais do que a formação de jogadores: «Eles orgulham-se de formarem pessoas educadas e respeitosas. Nunca se zangam contigo se falhares um passe, mas fazem-no se faltares ao respeito a alguém».


A Bola
O João Moutinho foi a 1a escolha do Draft da MLS

Nunca me pareceu mau, apenas algo fragil fisicamente
Confesso que não tenho ficado particularmente impressionado com os jogadores que vejo.

Entre equipa B, sub 19, sub 17 e sub 16 não vejo talentos diferenciados e em confrontos diretos com rivais vejo um jogo de muita parra e pouca uva.

Espero que os níveis de exigência aumentem porque estar sempre a olhar para o que se fez no passado é a melhor maneira de não evoluir no futuro.

SL
Parabéns ao João Moutinho, para além de um bom jogador, é um grande sportinguista...
"Infelizmente tenho pena que partilhem o amor pelo mesmo clube que eu"
Citar
de pequenino ruge o menino!*: «Uma ansiada estreia»

Foram muitos os fantasmas a pairar sobre a nossa equipa de Juniores no passado fim-de-semana (pois até aos 90 minutos a equipa parecia encaminhada para a perda de mais pontos) mas a sorte, que tantas vezes nos tem faltado, acabou por sorrir.

Numa partida em que o Real entrou melhor e conseguiu dificultar todas as acções leoninas, cedo se percebeu que iria ser um jogo disputado e suado até ao apito final. Os homens da casa inauguraram o marcador logo aos onze minutos e os jovens leões tiveram de correr atrás do prejuízo, com muitas peripécias à mistura. Elves Baldé (35’) deixou tudo empatado ao intervalo com um golo de grande qualidade individual e a segunda parte iria ser uma tentativa de pressão por parte do Sporting para chegar à vitória. Aos 67 minutos, porém, Carpintier é expulso e dificulta o trabalho de todos. Mesmo com menos um jogador em campo, os rapazes de Tiago Fernandes continuaram a pressionar e haveria de ser Tiago Rodrigues, que saltou do banco, a oferecer os três pontos à equipa.

Apesar da estreia desastrada, Carpintier acaba por ser a melhor notícia da semana. O jovem lateral esquerdo (que chegou este ano do Las Palmas) tem sido presença regular nos treinos de Jorge Jesus e o Sporting esperava pela autorização para o inscrever, uma vez que se trata ainda de um menor. O jovem espanhol poderá agora actuar nos escalões jovens e profissionais do clube e provar o tal potencial de que tanta gente fala.
A próxima partida dos juniores será no dia 27 de Janeiro, frente ao Belenenses.

Dos Juvenis chega-nos a pior das notícias e a pior das perspectivas. Num encontro que iria decidir o primeiro lugar da série, Sporting e Benfica encontraram-se em Alcochete e a vitória sorriu aos meninos do Seixal (3-1). Um jogo absolutamente atípico, em que o Sporting defendeu mal e falhou inúmeras vezes o alvo na altura de rematar. Um jogo em que se percebeu uma excelente ideia de jogo, mas em que se viu mais concentração e determinação da parte do Benfica, para além de mais maturidade.
Com este resultado os Juvenis caem para o segundo lugar da Série Sul e deverá ser nessa posição que se irão qualificar para o apuramento de campeão, que não está em risco. O primeiro lugar é quase uma impossibilidade, graças aos resultados no confronto directo.
Próxima partida será dia 28 de Janeiro, frente ao Belenenses.

Os Iniciados também mantiveram o segundo posto depois de uma vitória frente ao Setúbal, por 3-0, num jogo mais complicado do que o que o resultado poderá indicar. O primeiro golo surge apenas aos 44’, através do craque Joelson, e foram Rafael Lopes Adriano Almeida os marcadores que nos permitiram uma vantagem segura e descansar na partida. Os sub-15 tiveram de correr, jogar num ritmo muito alto e manter o foco até aparecer o primeiro golo, muito graças à competência defensiva do Setúbal.
A próxima partida será no dia 28 de Janeiro, frente ao Portimonense.

*às terças, a Maria Ribeiro revela os seus apontamentos sobre as novas gerações que evoluem na melhor Academia do mundo (à excepção do Dubai)


A Tasca do Cherba