Época desgastante/Minutos nas pernas: O Mito

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Tem sido um tema recorrente esta época. Existe quem diga que a equipa anda cansada/desgastada porque jogam sempre os mesmos. Existe quem diga que se deve abdicar de competições (Liga Europa e Taça da Liga) porque os jogadores que temos não servem para todas as competições e tínhamos que ter melhores segundas linhas. Existe quem diga que se nota os jogos nas pernas de alguns jogadores. Tudo isto precisa de uma análise cuidadosa sobre o que estamos a falar.

Pegando no exemplo de alguns dos pilares do 11 base do Sporting, chega-se ao seguinte número de minutos jogados na presente temporada (a 20 de Fevereiro de 2016):

Bryan Ruiz - 2615 minutos jogados
Adrien Silva - 2595 minutos jogados
Islam Slimani - 2573 minutos jogados
João Mário - 2568 minutos jogados
João Pereira - 2390 minutos jogados

São dados em brutos e que permitem ter pouca noção da sua real importância se comparado com outros jogadores e equpas a nível nacional e mundial. Então decidi fazer a mesma pesquisa para jogadores de outros clubes e campeonatos para perceber o quão desgastante está a ser a sobrecarga de jogos nas pernas:

Benfica:
Renato Sanches - 2720 minutos jogados (contando os jogos que efectuou na equipa B)
Eliseu - 2647 minutos jogados
Jonas - 2488 minutos jogados
Gaitán - 2134 minutos jogados
Pizzi - 1968 minutos jogados

Porto:
Miguel Layun - 2777 minutos jogados
Aboubakar - 2486 minutos jogados
Danilo Pereira - 2429 minutos jogados
Brahimi - 2281 minutos jogados
Maxi Pereira - 2441 minutos jogados

Comparação Interna: Comparando os minutos jogados pelos jogadores mais utilizados nos grandes portugueses, nota-se pouca diferença a nível da utilização. Em termos absolutos, os 3 jogadores mais utilizados não pertencem ao Sporting (Layun, Renato Sanches e Eliseu). Em termos médios, o Sporting é o único clube com mais do que 2 jogadores acima dos 2500 minutos, no entanto, a diferença não é significativa e deve-se na maioria dos casos ao facto de terem existido várias lesões em jogadores nucleares (André André, Gaitán) ou na tardia definição de um onze base em ambos os rivais, ao contrário do Sporting.


Decidi ainda aumentar a base de pesquisa ao exterior do país. Isto porque uma das teses aqui defendidas é que lá fora ataca-se todas as competições porque existem muito melhores segundas linhas que são mais utilizadas. Pois bem, a análise que se segue tem unicamente a ver com utilização dos jogadores, o que terá impacto directo na condição física (causa e consequência) e nada tem a ver com qualidades técnicas, portanto evitam-se comentários que nada tenham a ver com as diferenças físicas:

Barcelona:
Suarez - 3270 minutos jogados
Busquets - 2925 minutos jogados
Neymar - 2786 minutos jogados

Real Madrid:
Cristiano Ronaldo - 2789 minutos jogados
Kroos - 2369 minutos jogados
Modric - 2272 minutos jogados

Arsenal:
Monreal - 2708 minutos jogados
Ozil - 2707 minutos jogados
Bellerin - 2688 minutos jogados

Man. City:
Sagna - 2834 minutos jogados
Fernandinho - 2830 minutos jogados
Yaya Touré - 2697 minutos jogados

Juventus:
Bonucci - 3067 minutos jogados
Paul Pogba - 3015 minutos jogados
Chiellini - 2401 minutos jogados

Nápoles:
Hamsik - 2508 minutos jogados
Hysak - 2427 minutos jogados
Callejon - 2401 minutos jogados

Bayern Munich:
Lewandowski - 2561 minutos jogados
Lahm - 2495 minutos jogados
Muller - 2365 minutos jogados

Dortmund:
Hummels - 2897 minutos jogados
Mikhitaryan - 2872 minutos jogados
Gundogan - 2639 minutos jogados

Comparação Portugal vs Ligas Europeias: Aqui claramente prova-se ser um tiro ao lado a teoria de que as equipas de topo europeias lutam por tudo porque têm plantéis mais longos e não desgastam tanto os jogadores-chave. Mesmo o Bayern de Munich, onde está Guardiola que é um adepto da rotatividade, notam-se números semelhantes aos que nós, por exemplo apresentamos. Por outro lado, nas restantes equipas nota-se que existem vários jogadores que têm um maior número de minutos do que o que acontece em Portugal.


Conclusão Final: Não existe qualquer fundamento em dizer que esta tem sido uma época especialmente desgastante para os jogadores-chaves do plantel, pelo menos no que diz respeito ao número de jogos/minutos jogados. Poderá ser no que diz respeito ao tempo que a equipa esteve em desvantagem (certamente elevado) mas essa responsabilidade deve-se em exclusivo à forma como a equipa aborda os inícios de jogo.

A nível nacional temos um maior conjunto de jogadores com mais minutos (muito devido ao termos um 11 base definido desde o início da época, ao contrário dos rivais), no entanto, em termos absolutos nenhum dos três jogadores mais utilizados pertence ao Sporting. A nível internacional, comprova-se que nas grandes equipas europeias, os jogadores-chave fazem normalmente mais minutos do que o fazem em Portugal.

Porquê? Piores condições físicas? Piores condições de trabalho? Maior sobrecarga de treinos/esforço? Essa questão terá que ser analisada mais a fundo. Mas para já ficamos com a certeza que se os nossos jogadores se encontram desgastados/cansados em nada se deve ao número de minutos jogados nem ao excesso de jogos realizados.